Você está na página 1de 3

sábado, 12 de novembro de 2011

Gostaria de saber se um leigo pode dar uma bênção?

Comprei uma estátua de Santa Rita para minha devoção pessoal e fui
até a portaria de um Convento para pedir a bênção do sacerdote. Ao
ser recebida pelo irmão porteiro, ele me disse que no momento não
teria nenhum sacerdote ali para a bênção, uma vez que estavam
atendendo confissões. Disse-me também que ele poderia dar a
bênção na Santa, desde que eu aceitasse. Aceitei, mas fiquei em
dúvida: seria válida esta bênção, dada por um irmão leigo?

1. Na Igreja católica existem os sete sacramentos (batismo, crisma,


eucaristia, penitência, ordem, matrimônio e unção dos enfermos) já
cristalizados pela sã tradição e pelo magistério da Igreja e que, via de regra, dependem dos
ministros ordenados (clérigos). Os clérigos são os diáconos, presbíteros (sacerdotes) e
bispos, isto é, aqueles que foram ordenados pela Igreja para prestar um serviço ao inteiro
Povo de Deus. Paralelamente, também existem os sacramentais, definidos no Código da
Igreja como sinais sagrados, mediante os quais, imitando de certo modo os sacramentos,
são significados principalmente como efeitos espirituais que se alcançam por súplica da
Igreja (cânon 1166). Para a sua eficácia, é necessário que sejam administrados pelos
devidos ministros. Em si, o ministro dos sacramentais seria o clérigo, pelo fato de ser
ordenado para este e outros serviços na Igreja. Porém, certos sacramentais, de acordo com
os livros litúrgicos, podem ser também administrados por leigos (cânon 1168).

2. O ordenamento da Igreja afirma que certos sacramentais, de acordo com os livros


litúrgicos, podem ser também administrados por leigos dotados das necessárias
qualidades, a juízo do Ordinário local (cânon 1168). Porém, urge observar alguns requisitos
fundamentais (cf. M. DEL MAR MARTÍN, Comentario (can. 1168), in: Comentario exegético
al Código de Derecho Canónico, vol. III/2, p. 1653):
1) Para exercer o seu ministério com qualidade e competência, os leigos devem haver a
devida formação pastoral e litúrgica;
2) Nem todos os leigos são ministros dos sacramentais. Alguns leigos exercem esses
ministérios, enquanto ministros extraordinários, numa peculiar função dentro da Igreja, a
exemplo dos catequistas e religiosos, que não são ministros ordenados;
3) Os livros litúrgicos servem de critério para determinar os sacramentais que os leigos
podem administrar;
4) As faculdades que lhes são confiadas para determinados sacramentais ficam a critério
do Ordinário do lugar (bispo);
5) Se houver a presença de um clérigo na celebração, o leigo deve ceder-lhe a presidência.

3. Eis abaixo alguns sacramentais que podem ser confiados aos leigos, de acordo com o
Ritual das Bênçãos:
1)Bênção dos esposos no aniversário de seu matrimônio fora da missa;
2)Bênção de seus filhos;
3)Bênção de uma mulher antes e depois do parto;
4)Bênção dos anciãos que estão impossibilitados de sair de casa;
5)Bênção dos enfermos;
6)Bênção das exéquias;
7)Bênção antes de empreender uma viagem;
8)Bênção de casa ou apartamento;
9)Bênção dos instrumentos técnicos, de trabalho;
10)Bênção dos animais;
11)Bênção dos campos, terras e terrenos de cultivo;
12)Bênção da colheita e apresentação dos novos frutos;
13)Bênção de ação de graças;
14)Bênção de coisas (objetos) que favorecem a devoção do povo.

4. E quem faz a bênção da água?


A água, a ser aspergida sobre as coisas e pessoas, depois de proferida a bênção, via de
regra, deve ser benta pelos clérigos, como seus ministros ordinários. Amiúde, os leigos
pedem a bênção da água aos ministros ordenados e a levam consigo nas bênçãos a serem
administradas nos sacramentais que lhes são confiados. Porém, tendo como base o
sacerdócio comum de Cristo, onde houver necessidade e, sobretudo pela escassez de
clérigos, os leigos podem administrar essa bênção sobre a água. As palavras a serem
usadas, encontram-se no Ritual das Bênçãos.

5. Portanto, onde houver falta de diáconos, sacerdotes ou bispos, os leigos e os irmãos


leigos, desde que devidamente preparados, podem dar a bênção às pessoas ou coisas de
devoção popular, porque estes sacramentais independem, em sua origem da ordem
sagrada e de seus ministros ordenados.

Frei Ivo Müller às 04:17

Nenhum comentário:

Postar um comentário

‹ Página inicial ›
Visualizar versão para a web

Quem sou eu

Frei Ivo Müller


Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
Frei Ivo Muller é nascido em Chapecó (SC), frade menor da Província Franciscana da
Imaculada Conceição do Brasil. Bacharel em Pedagogia, Filosofia e Teologia. É doutorado em
Direito Canônico pela Pontifícia Universidade Antonianum, Roma (1999). Trabalhou como
vigário paroquial na Paróquia S. Francisco de Assis, Campos Elíseos, Duque de Caxias (RJ). Foi Juiz no
Tribunal Eclesiástico do Rio de Janeiro de 2002 a 2010. É Comissário da Terra Santa, Professor de Direito
Canônico (ITF, Petrópolis), Avaliador do MEC (cursos de Pedagogia e Teologia) e Guardião do Convento
Santo Antônio, Rio de Janeiro.
Visualizar meu perfil completo

Tecnologia do Blogger.