Você está na página 1de 2

Ao falarmos sobre filosofia, a primeira ideia que devemos levar em consideração é que tal expressão

nasceu a partir da necessidade do homem de conhecer, de saber. O ser humano encontra-se diante
da realivdade (mundo físico, mundo social) e se vê inscrito nessa realidade. Esse ser humano, seja
pertencente ao passado ou ao presente, apresenta da mesma forma a necessidade de entender, de
explicar e de dar sentido a essa realidade e à sua própria existência no mundo.

De acordo com Aristóteles, a filosofia tem suas origens na Grécia Antiga, mais precisamente na
cidade de Mileto, região da Ásia Menor. A característica inicial desse momento é a passagem do mito
ao logos (inicialmente em grego foi definido como palavra, verbo, palavra escrita ou falada e,
posteriormente, com Heráclito, passou a ter sentido filosófico para designar a ideia de razão). Mito
significa relato, narração; logos pode ser conceituado como razão, palavra e fala. (CHAUI, 2009).

Já a filosofia, como afirma Marilena Chauí, apresenta em sua etimologia a combinação de duas
palavras: “[...] philo e sophia. Philo deriva-se de philia, que significa amizade, amor fraterno, respeito
entre os iguais. Sophia quer dizer sabedoria e dela vem a palavra sophos, sábio.” (CHAUÍ, 2009, p.19).

Como anunciamos inicialmente, os manuais de filosofia em geral sugerem que essa surge com a
passagem do mito ao logos, como observam Arlei de Espíndola et al (2011). Esse argumento nos
ajudará a entender, nas próximas aulas, o discurso defendido pela filosofia de que essa passagem
pressupõe um status superior dela diante do mito como forma de explicar o mundo.

O mito é um discurso pronunciado ou proferido para ouvintes que recebem como verdadeira a
narrativa, porque confiam naquele que narra; é uma narrativa feita em público, baseada, portanto,
na autoridade e confiabilidade da pessoa do narrador. E essa autoridade vem do fato de que ele ou
testemunhou diretamente o que está narrando ou recebeu a narrativa de quem testemunhou os
acontecimentos narrados. (CHAUÍ, 2009, p.32).

De forma geral, podemos destacar os seguintes aspectos do mito: ■ O mito se caracteriza pela
personificação e divinização das forças e fenômenos naturais – os deuses são os responsáveis pelo
curso dos acontecimentos naturais, pelo comportamento e pelo destino das pessoas. ■ Uma das
funções do mito foi e ainda é servir como elemento construtor da coesão social de um povo. ■ Tudo
que acontece é fruto do destino ou do desejo dos deuses. ■ A imaginação é o princípio das
faculdades míticas. ■ Os mitos se apresentam e são transmitidos sempre de forma dogmática e não
crítica.

A religiosidade poderia então ser dividida em duas: ■ Pública – baseada numa hierofania,
naturalização e humanização das divindades; e ■ Orfismo – caracterizado pela dicotomia corpoalma,
que colocava o homem num ciclo de reencarnações para promoção da purificação de um princípio
divino que se encontrava tocado por uma “culpa original”.

Com toda uma estrutura fortemente mitológica alimentando o ideário coletivo, a filosofia surgiu
como um conhecimento que busca compreender a própria existência e realidade, questionando e
buscando pela racionalidade uma explicação para compreensão do Universo.
2 Quais elementos caracterizam a atitude filosófica?

E é nesse caminho que encontramos o princípio da atitude filosófica: a atitude crítica. O não, a
negação, é o grande elemento que estrutura essa ação, como relata Chauí. Segundo ela: “Um dizer
não ao senso comum, aos pré-conceitos, aos pré-juízos, aos fatos e às ideias da experiência
cotidiana, ao que “todo mundo diz e pensa”, ao estabelecido. ” (CHAUÍ, 2009, p.09).

De forma geral, podemos reunir quatro elementos, no conjunto, que definem a filosofia: ■ a visão de
mundo de uma sociedade; ■ de uma cultura; ■ de uma civilização; ■ a sabedoria de vida; ■ o esforço
racional para conceber o Universo como uma totalidade ordenada e dotada de sentido; e ■ a
fundamentação teórica e crítica dos conhecimentos e das práticas.

passos : peça com furo

esboço -- retângulo -- extrusão -- saída sólido/superfície -- esboço -- seleciona face --

círculo centro -- cota -- encerrar esboço -- extrusão -- seleciona 2º direção.

novo -- desenho -- base -- clique e arrasta face -- anotar --cota -- após cotagem --

texto -- inserir vistas --base -- menu inicio -- exportar -- pdf.