Você está na página 1de 45

Conhecimento da depressão

A depressão é uma doença disseminada. Entre 5% e 15% da população mundial sofre


atualmente de depressão. Adaptando esses dados para a população brasileira, estima-se
que o Brasil tenha entre 9 e 28 milhões de deprimidos. E aproximadamente 25% da
população desenvolverá depressão em algum momento da vida. Isso quer dizer que
aproximadamente 46 milhões de pessoas no Brasil serão atingidas pela depressão em
algum momento da vida.

A depressão afeta tantas pessoas que a maioria de nós conhece ou conhecerá uma
pessoa da família, do trabalho ou de seu círculo de amigos, que vai desenvolver
depressão. Portanto, a depressão diz respeito a todos nós.

Nesta seção, você pode obter informações sobre a depressão e os sintomas que a
acompanham. Você pode ler sobre o que desencadeia a depressão e sobre os diferentes
tipos da doença, bem como sobre como o médico distingue esses tipos.

Depressão
É importante distinguir entre estar triste, em luto e sofrendo de uma doença depressiva.
Todo mundo já se sentiu triste em algum momento. Então, sua existência parece triste e
irremediável, e o futuro parece sem esperança. É natural sentir-se triste e melancólico ao
sofrer adversidades e perdas como, por exemplo, no caso de um relacionamento
amoroso infeliz, desemprego ou perda de entes queridos.

Mas quando você está "naturalmente" triste não pára completamente. Você consegue
participar de atividades mesmo que não se sinta entusiasmado. E quando alguma coisa
boa acontece você ainda consegue ficar feliz com ela.

Portanto, estar naturalmente triste não é uma doença. A tristeza e o mau humor
passarão. Mesmo que esteja passando por um grave pesar, isso vai afetá-lo menos com
o tempo. Mas talvez seu pesar nunca desapareça por completo. Você mesmo pode fazer
algo para ajudar, e o apoio de sua família e seus amigos também o ajudará. Porque você
precisa estar com outras pessoas e conversar com elas sobre seus problemas para
melhorar.

Depressão clínica
A doença depressiva
A doença depressiva – também chamada depressão clínica - é uma doença séria em que
o sentimento depressivo torna-se crônico e realmente ganha vida própria. Se você está
sofrendo de depressão, não tem mais controle sobre seu humor ou seus sentimentos.
Quando está deprimido sobre quase tudo, quase o tempo todo, quase todo dia por muitas
semanas ou talvez meses, você está sofrendo de depressão. A condição depressiva da
sua mente persiste dia após dia e afeta todas as áreas:

 sentimentos
 pensamentos
 comportamento
 funcionamento do corpo

Nos casos mais graves, a depressão pode constituir ameaça à vida, porque você corre o
risco de parar completamente, perder o apetite e não sentir sede. Você pode, ainda, estar
se sentindo tão abatido que pensará em suicídio.

Por isso, é importante que as pessoas que sofrem de depressão recebam tratamento.
Oferecendo ajuda desse modo, você pode salvar a vida de outra pessoa. E se acha que
você mesmo está sofrendo de depressão, você pode realmente salvar sua própria vida
indo consultar seu médico e recebendo tratamento.

Evoluções diferentes
Evoluções diferentes da depressão são descritas do seguinte modo:

 Um único episódio depressivo


 Depressões periódicas
 Depressão crônica
 Transtorno bipolar (doença maníaco-depressiva)

Um episódio depressivo isolado é uma depressão que passa e, na maioria dos casos, não
apresenta recorrência.

Depressões periódicas são depressões recorrentes em que a depressão volta após um


período de tempo sentindo-se bem. Em alguns casos, uma depressão pode ser seguida
diretamente por outra sem que tenha havido períodos evidentes de bem-estar.

Em pouquíssimos casos a depressão se prolonga a ponto de se tornar crônica.

No transtorno bipolar, alternam-se depressão e mania.Você oscila entre dois extremos,


daí o nome bipolar ("entre dois pólos"). De modo semelhante, uma depressão comum
pode ser chamada unipolar, ou seja, quando envolve apenas um "pólo".

Depressão sazonal
Sabe-se há muito tempo que a luz desempenha um papel importante na regulação do
humor de uma pessoa – especialmente no hemisfério norte.
Há muitos anos sabe-se que a quantidade de luz obtida é o fator determinante para o
aparecimento de uma variedade da depressão típica. Nos anos 80, essa forma bem
diferente de depressão recebeu um nome, "depressão sazonal", ou Transtorno Afetivo
Sazonal (TAS).

A depressão sazonal atinge principalmente mulheres (80%) e tem início cedo na vida.
Quanto mais ao norte você vive, maior o risco de desenvolvimento de depressões de
inverno ou sazonais.

Sintomas
Se você é suscetível a desenvolver depressões sazonais, começará a sentir alguns dos
sintomas por volta dos meses de outono:

 Você se sentirá abatido e estará de mau humor.


 Você vai ficar cansado mais rapidamente e terá menos energia que durante os
meses de verão.
 Sua necessidade de sono vai aumentar.
 Seu apetite aumenta, e você também sentirá necessidade de ingerir uma grande
quantidade de carboidratos (pão, massas, arroz, frutas, etc.) – e especialmente
alimentos doces.

Se você não receber tratamento para sua depressão sazonal (se, por exemplo, você não
perceber o que está errado com você), esses sintomas persistirão até os meses de
primavera, quando a luz vai gradualmente voltando. Isso quer dizer que você funcionará
mental e socialmente abaixo do seu nível ideal durante muitos meses.

Por isso, é importante que você consulte seu médico se tiver apresentado algum desses
sintomas por algumas semanas.

O médico descartará qualquer outro motivo de seu cansaço e outros sintomas, e então
iniciará o tratamento adequado. O tratamento será diferente dependendo se você estiver
sofrendo de depressão sazonal ou depressão "normal". Logo, é importante distinguir
entre essas duas formas de depressão.

Fototerapia
O tratamento medicamentoso da depressão sazonal foi tentado, mas ao contrário da
depressão comum, os resultados não foram convincentes. Há, no entanto, outro
tratamento muito eficaz especialmente para a depressão sazonal: a fototerapia.

A fototerapia é realizada com uma lâmpada especial que brilha com uma luz branca de
espectro total. A intensidade luminosa de uma lâmpada como essa precisa ser de pelo
menos 2500 lux. Quanto mais forte a luz for, menos tempo você precisa passar em
frente à lâmpada. Se, por exemplo, você comprar uma lâmpada de 2500 lux, você
precisa sentar na frente dela por duas horas para obter o efeito ideal. Se a lâmpada tiver
intensidade luminosa de 5000 lux, você só precisa sentar na frente dela por uma hora.

Tratamento em casa
Portanto, o tratamento acontece na sua própria casa:

 Você deve se sentar confortavelmente com a lâmpada posicionada a


aproximadamente meio metro da cadeira.
 Geralmente, você precisa de meia hora a duas horas de cada vez, dependendo da
intensidade da lâmpada.
 O tratamento deve preferencialmente ser aplicado antes das 10h da manhã ou
após as 6h da tarde.
 Você não precisa usar óculos de sol enquanto estiver sentado em frente a ela.
 Você pode ler, escrever, falar ao telefone, fazer tricô ou outras coisas enquanto
estiver sentado em frente à lâmpada. Mas você precisa olhar na direção da
lâmpada por um breve momento, aproximadamente uma vez a cada minuto.

Em geral, você precisa utilizar a lâmpada durante 2 semanas. Caso comece a se sentir
mal novamente no decorrer do outono/inverno, você pode voltar a usar a lâmpada desse
modo.

Não há nenhum risco associado à utilização de luz artificial para o tratamento da


depressão sazonal.

Mania
Pessoas que sofrem de doença maníaco-depressiva apresentam tanto depressão quanto
mania. A depressão e a mania muitas vezes se intercalam e, durante pelo menos um
período da vida, a pessoa terá sido maníaca ou hipomaníaca.

A mania é praticamente o oposto da depressão. Durante episódios maníacos, você pode


achar que:

 está em um bom humor exagerado


 está cheio de energia
 está hiperativo
 não consegue se concentrar
 está sem senso de oportunidade
 fala sem parar
 está fora da realidade e superestima a si mesmo
 tem idéias e diversos novos caprichos
 é incapaz de colocar seus planos em prática
 está desinibido e irresponsável, com auto-estima aumentada
 apresenta aumento da libido e menos sono
 faz coisas por acidente, das quais se arrepende depois que a mania passa

Hipomania
A hipomania é uma condição marcada por sintomas maníacos mais leves, porém sem
ser uma verdadeira mania. Se você estiver hipomaníaco, seu humor estará eufórico e
você também:

 apresenta aumento da atividade ou se sente inquieto


 sente mais necessidade de falar ou comprar coisas
 tem mais interesse em sexo
 sente menos sono

Você pode parecer comunicativo, mas também confuso e incapaz de se concentrar.

Depressão em idosos
Você pode desenvolver depressão pela primeira vez em qualquer momento da vida. Mas
quanto mais velho você fica, maior o risco de desenvolver depressão. A evolução da
depressão é, muitas vezes, mais grave nos idosos. Além disso, a depressão nos idosos é
freqüentemente desencadeada por doença física (gripe ou outra doença, por exemplo) e
combinada a ela, ou por acontecimentos sociais como pequenas modificações na vida
cotidiana ou tensões maiores, como a perda de pessoas queridas, a hospitalização, a
mudança de moradia ou acomodação em asilo.

Nos idosos, não são necessariamente a tristeza e o humor deprimido os sintomas


proeminentes da depressão. Estes podem ser, por sua vez, cansaço, ansiedade,
irritabilidade e ausência de gosto pela vida. Pode ser que você se sinta mais atormentado
do que verdadeiramente deprimido.

Pessoas idosas com depressão muitas vezes se queixam dos mesmos problemas
repetidas vezes. Pode ser sobre seus problemas de saúde ou coisas que outras pessoas
consideram assuntos triviais. Isso pode significar que a depressão pode não ser
descoberta porque as pessoas ao redor vêem os idosos como neuróticos e histéricos.

De modo semelhante a quando pessoas mais jovens desenvolvem depressão, os idosos


apresentam problemas de memória e concentração. Isso quer dizer que a depressão nos
idosos pode ser confundida com demência, que evidentemente também provoca
comprometimento da memória.

Outros tipos de depressão


Algumas formas de depressão apresentam sintomas específicos ou são observadas
apenas em situações e grupos especiais. Essas formas nem sempre levam você a pensar
em depressão, e muitas vezes são remanescentes de outras doenças. Na pior situação,
isso poderia implicar na ausência de tratamento da depressão. Portanto, nesses casos é
importante que os psiquiatras sejam capazes de fazer o diagnóstico e iniciar o
tratamento adequado.
Abaixo estão listadas diversas formas específicas de depressão.

Melancolia
A melancolia é uma depressão na qual os sintomas físicos são particularmente
proeminentes.

Com a melancolia, você sofre de distúrbios acentuados do sono e geralmente acorda


muito cedo. Sua energia e seus sentimentos são claramente afetados, e você se sente
muito mal. Sua libido é reduzida, assim como seu apetite. Muitas vezes, isso resulta em
perda significativa de peso.

Depressão atípica
Em alguns casos, os sintomas da depressão podem ser diferentes dos usuais. A isso, nós
chamamos de depressão atípica, por exemplo:

 ao invés de perder o apetite, você se torna um comedor compulsivo e começa a


ganhar peso
 ao invés de apresentar dificuldades para dormir, você dorme muito mais do
normalmente o faria
 você apresenta um ritmo diário invertido, em que seu humor é melhor no
começo do dia e passa a piorar conforme anoitece
 você fica mais irritável e possivelmente até agressivo ao invés de triste e
estagnado (aplica-se particularmente aos homens)

Depressão agitada
Com a depressão agitada, você fica deprimido, mas não passivo ou sem energia, como
geralmente fica quando está deprimido. Seguem alguns dos sintomas:

 Você fica ansioso, inquieto e não consegue se manter calmo


 Você se queixa da sua condição intolerável, mas sente dificuldade para
descrever seus problemas
 Você acha difícil perceber aquilo de que precisa
 Em casos graves, você perambula de modo irrequieto. Você fica torcendo as
mãos, suspirando e repetindo as mesmas queixas diversas vezes

Depressão mascarada
A depressão nem sempre se manifesta por um humor deprimido. Ela pode estar oculta
ou mascarada por trás de outros sintomas, como por exemplo:

 cansaço
 cefaléia
 dor muscular
 dor abdominal e indigestão
Você pode sofrer de depressão mesmo quando não se sente deprimido. A isso se chama
"depressio mentis sine depressione", o que significa "depressão sem se sentir
deprimido". Nesse caso, é o cansaço e a falta de energia que mais afetam você.

Depressão dupla
Se estiver sofrendo de depressão prolongada entre leve e moderada, sua condição pode
se agravar durante a evolução da doença. Um agravamento da depressão pode ser
sentido como se você apresentasse uma nova depressão por cima daquela da qual você
já está sofrendo. Chamamos esses casos de depressão dupla.

Depressão masculina
Muitos acreditam que existe uma depressão específica masculina, que atinge em
particular homens de meia-idade. Aqui, os sintomas podem ser, particularmente, uma
sensação de vazio e exaustão, estresse, irritabilidade, frustração, agressividade
(possivelmente até comportamento violento), inquietação e abuso de álcool.

Distimia
Esta condição não é uma depressão verdadeira, mas uma sensação geral prolongada
(muitas vezes pela vida toda) de estar triste. Com a distimia, seu "humor básico" está
em um nível mais baixo em comparação com o humor da maioria das outras pessoas, e
tudo parece difícil e muitas vezes desagradável.

Depressão acompanhada de doença física


Se você está apresentando uma doença e apresenta ainda outra doença, esta é chamada
de doença secundária ou comórbida. Logo, não estamos falando de um agravamento da
doença original, mas de uma nova doença por cima daquela que você já está sofrendo.

Toda doença física séria ou duradoura infelizmente aumenta o risco de desenvolver


depressão. Podem haver diversos motivos para isso.

Motivos psicológicos
É compreensível que você possa ficar infeliz e até desenvolver depressão se estiver com
dor grave ou se achar difícil viver do modo como gostaria. O mesmo é certamente
verdade se você estiver sofrendo de uma doença que o incapacite ou que seja fatal.

Motivos físicos
Algumas doenças afetam o funcionamento do cérebro e podem, assim, desencadear a
depressão. Isso se aplica, dentre outras condições, à trombose cerebral, à doença de
Parkinson, à demência e à esclerose múltipla. Se a doença tiver alterado seu equilíbrio
bioquímico ou hormonal, isso também pode desencadear a depressão ou outras doenças
psicológicas.

Remédio
O tratamento médico necessário à melhora ou cura da sua doença física pode, em alguns
casos, desencadear ou prolongar a depressão, a ansiedade ou outras doenças
psicológicas. Isso pode se aplicar, por exemplo, a determinados tipos de remédio para o
coração, chamados beta-bloqueadores.

Dor
A dor e o cansaço são os mais comuns de todos os sintomas. Se você perguntasse a
todos os adultos da população, um terço se queixaria de dor, enquanto
aproximadamente 4% diriam estar apresentando dor séria com mais de uma semana de
duração.

Quando se está sofrendo de depressão, é freqüente apresentar dor. Sua dor pode ser, de
modo intermitente, o sintoma mais proeminente da sua depressão.

Infelizmente, pacientes com dor crônica de fato apresentam risco aumentado de


apresentar depressão, independentemente de quais sejam as causas da dor.
Aproximadamente metade de todos os pacientes com dor apresenta sintomas de
depressão, e aproximadamente um terço sofre de depressão, a qual necessita ser tratada.

A dor crônica aumenta significativamente o risco de desenvolver depressão. No entanto,


estudos demonstraram ainda que você corre um risco maior de adquirir uma condição
dolorosa crônica em um momento posterior da vida caso tenha tido uma depressão.
Infelizmente isso é verdade, mas o bom é que você mesmo pode fazer algo a respeito.

A depressão e condições dolorosas crônicas apresentam diversas características em


comum. Os antidepressivos, que apresentam um efeito satisfatório sobre a depressão em
pacientes com dor crônica, também possuem efeito sobre determinadas formas de dor -
mesmo quando não se está deprimido.

Demência
A demência é uma condição que causa comprometimento da memória, da linguagem,
do comportamento e impactará nas atividades da vida diária.
Dentre aproximadamente 5% da população com idade acima de 65 anos, 5%
apresentam demência grave, e 15% uma forma mais leve. Existem diversos tipos de
demência. O seu desenvolvimento pode ser gradual. O tipo mais comum é a demência
de Alzheimer, também conhecida por doença de Alzheimer.

Na doença de Alzheimer, os sintomas mais comuns são:

 memória ruim
 afasia – dificuldade para falar ou para compreender e encontrar palavras
 apraxia – dificuldade para executar tarefas como amarrar cadarços de sapato, por
exemplo
 agnosia – dificuldade para reconhecer coisas e pessoas
 dificuldade para ver as coisas em perspectiva mais ampla, planejar e estruturar
coisas
 dificuldade com raciocínio abstrato

A demência freqüentemente provoca passividade, mau humor e alteração na


personalidade. Especialmente na fase inicial da demência, esta pode ser confundida com
depressão, e aproximadamente 12% de todas as pessoas com demência acabarão
desenvolvendo depressão. Por outro lado, algumas pessoas com depressão ficam tão
inibidas e passivas que parecem apresentar demência. A isso se chama pseudodemência
depressiva, uma condição que pode ser curada com o tratamento correto.

Acidente vascular cerebral


(01-10-2009)

Pacientes que tenham sofrido ataque cardíaco apresentam maiores riscos de desenvolver
depressão. Entre 15% e 20% apresentam depressão após um ataque cardíaco.

A depressão pode se prolongar e complicar a evolução da doença cardíaca. Por isso, é


importante que a sua depressão seja tratada. O tratamento de uma depressão desse tipo
faz com que você se recupere mais facilmente e tenha maior chance de evitar problemas
cardíacos.

O acidente vascular cerebral é uma das causas mais comuns de óbito no ocidente. A
prevenção e o início imediato do tratamento ajudaram muitas pessoas a sobreviver ao
acidente vascular cerebral. No entanto, muitas apresentam seqüelas físicas e mentais do
acidente vascular cerebral. Aproximadamente 35% desenvolverão depressão após um
acidente vascular cerebral.

Quando se desenvolve uma doença psiquiátrica após um acidente vascular cerebral, as


chances de reabilitação são, infelizmente, reduzidas. Você terá função física e social
menos satisfatória.

Infelizmente, as depressões após um acidente vascular cerebral possuem tendência a ser


prolongadas.

Sintomas
Muitos sintomas podem ser indícios de depressão, mas os mais evidentes são:

 humor deprimido (isto é, você fica triste)


 perda de interesse (isto é, você não sente prazer em nada)
 cansaço e falta de energia

Entre muitos outros sintomas que podem ser indícios de depressão, estão:

 pessimismo e obscuridade
 incapacidade de sentir alegria
 nervosismo
 ansiedade
 confusão
 incapacidade de tomar decisões
 preocupação com coisas triviais
 cansaço
 dificuldade de concentração
 falta de energia
 baixa auto-estima
 sentimento de culpa
 memória fraca
 movimentos lentos e lânguidos, e fala lenta
 apetite reduzido
 distúrbios do sono
 dores físicas
 medo de doenças (hipocondria)

Os sintomas físicos podem aumentar as suspeitas de doença física. Mas muitas doenças
físicas também geram sintomas que são vestígios de depressão.

Depressão somática
É importante também observar que uma doença física séria aumenta o risco de
desenvolver depressão. A depressão ligada a uma doença física séria é chamada
depressão somática.

Embora os sintomas acima sejam os mais evidentes, há vários outros sintomas que são
característicos da depressão. Juntos, os sintomas criam um padrão, e este padrão é a
base que nos possibilita fazer o diagnóstico.

Na maioria dos casos de depressão, são as pessoas mais próximas do paciente que
descobrem primeiro os sintomas. Se você desconfia que alguém em sua família ou
círculo de amigos (ou você mesmo) esteja sofrendo de depressão, ou está tendo
sintomas físicos inexplicáveis, aconselhamos a ida ao médico.

Nesta seção, você pode ler mais sobre cada sintoma.

Humor deprimido
Um longo estado de humor deprimido e tristeza é o ponto crucial de uma depressão.
Psiquiatras usam a expressão “humor deprimido”. Isso significa que seu humor normal
está rebaixado. Logo, você está triste – mas, além disso:

 se está sofrendo de depressão, você não está triste - está muito triste!
 se está sofrendo de depressão, você não está triste às vezes - está sempre triste!
 se está sofrendo de depressão, você não está triste por alguma coisa - tudo lhe
entristece!
 se está sofrendo de depressão, você não fica triste por uns dias - fica por um
longo tempo!

Perdendo a capacidade de sentir felicidade


Sua tristeza não acaba. Embora você perceba por um momento que é irreal estar tão
triste e pessimista, tudo parece ser perigoso ou não ter importância. Você pode ter a
sensação de que algo ruim está para acontecer, sobre o qual você não tem controle.

Além disso, a depressão pode lhe causar a incapacidade de sentir felicidade, tanto que
você:

 torna-se incapaz de ter alegria


 torna-se incapaz de apreciar música, livros e arte
 torna-se incapaz de ter prazer sexual
 tem uma atitude pessimista e sente que não há esperança para mais nada
 tem a sensação de que tudo é triste e indiferente

Variação Diurna
Mas mesmo que fique deprimido todo o tempo, você pode sentir-se melhor em certas
horas do dia, mais do que em outras. Isso é chamado de variação diurna.

Você normalmente percebe a variação diurna na depressão: Você acorda cedo de manhã
e sente-se muito triste. Essa condição recebeu um nome antigo: “angústia matutina”.

Durante o dia, as coisas melhoram um pouco, e no decorrer da noite, você é capaz de se


socializar um pouco com os outros. Você consegue fazer um pouco do que precisa. E se
sente um pouco menos deprimido.

Há muitas pessoas que apresentam ritmo diurno, estão mal-humoradas pela manhã, mas
se animam um pouco durante o dia. Quando você sofre de depressão, esse ritmo diurno
permanece, mas em um nível mais baixo, em que cada manhã é insuportável, e cada
noite é apenas tolerável.

Pensamentos negativos
Você pode ter pensamentos negativos que estão diretamente vinculados à tristeza.
Todos que sofrem de depressão têm pensamentos negativos, tais como:

 “Eu não sou bom em nada”


 “Estou desesperado”
 “Ninguém me entende”
 “A vida é injusta”
 “Eu mereço que tudo dê errado”
 “Eu mereço ser castigado”
 “A morte seria uma libertação”

Talvez você sinta que não vive para seus próprios interesses ou para os dos outros. Você
pode sentir que é ruim no que faz, ou que não serve para aquilo. Você também pode
sentir que é preguiçoso, indulgente ou muito duro com sua família. Ou talvez você se
caracterize como uma pessoa má.

Sentimentos de culpa
Você também pode ter sentimentos de culpa sobre coisas que você fez. Esses
sentimentos podem estar relacionados a coisas que você fez ou que deveria ter feito.

Seus pensamentos negativos podem conter um significado real. Mas seus sentimentos
de culpa são exagerados. Algumas vezes, eles são completamente irreais e psicóticos. A
seguir um exemplo de sentimento de culpa exagerado:

”Quando um homem de aproximadamente 50 anos ficou deprimido, ele se referia à sua


juventude a todo o momento. Ele era funcionário de uma grande empresa. A empresa
distribuía uniformes para os funcionários. Numa certa ocasião, o homem tinha levado a
calça do uniforme para casa. Ele não conseguia dizer ao certo se roubou ou não; Talvez
ele só tenha se esquecido de tirá-la quando foi para casa.

Agora, aproximadamente 30 anos depois, em sua depressão, ele estava cheio de


sentimentos de culpa pela calça. Estava convicto de que o episódio da calça era prova de
sua personalidade má e ardilosa. Ele sentia que deveria ir à polícia e receber uma
punição severa”.

Uma depressão psicótica requer internação e pode demorar para ser tratada. No final o
homem melhorou.

Ansiedade e irritabilidade
Se você estiver com depressão, você também ficará muito preocupado e ansioso. Sua
ansiedade pode estar ligada a motivos financeiros e outros problemas bem conhecidos.
Ou você pode ficar preocupado quanto a pegar uma doença séria, ter ataques de pânico
ou uma neurose compulsiva.

Se você estiver sofrendo de uma depressão muito grave, você pode ficar aterrorizado
com catástrofes, achando que são inevitáveis.

Em uma depressão chamada agitada, ansiedade, perplexidade e inquietação são os


sintomas evidentes. Nessas depressões, o risco de cometer suicídio pode ser alto e o
tratamento deve ser realizado enquanto estiver hospitalizado.

Homens

Oscilações no humor dos homens podem ser manifestadas como aumento da


irritabilidade ao invés de tristeza. Você pode ficar:

 descontente
 sensível
 temperamental
 inquieto
 agressivo

Ao invés de ficar passivo, você fica ativo. Mas nunca conclui nenhuma das suas
atividades. Como em outros tipos de depressão, seus pensamentos são marcados por
sentimentos de inferioridade, pessimismo e obscuridade.
Estar com os outros
Caso esteja com depressão, você não sente vontade de estar com outras pessoas. Se
precisar sair, você tem que se forçar a fazê-lo. Você fica sozinho e definitivamente não
é uma pessoa divertida ou alegre. Mais tarde, se sente cansado, exausto e triste. Você
também pode sentir muito desprezo pelo seu pouco esforço.

Mesmo com uma depressão moderada, você se sente cansado e sem energia, e logo não
está muito a fim da companhia dos outros. Você sabe que deveria cuidar de sua família
e seus amigos. Sabe também que deveria cuidar de si, mas simplesmente não tem forças
para isso.

Sabe que deveria estar mais interessado nos outros. Deveria estar mais animado, ter
boas idéias e colocar as coisas para andar. Sabe que deveria mostrar iniciativa, mas
simplesmente não consegue ter energia.

Se você está deprimido, prefere ficar sozinho, pois simplesmente não consegue ter
energia para mais ninguém. Mas isso só piora a depressão e contribui para o círculo
vicioso.

Psicomotricidade
Se você estiver deprimido, sua função psicomotora muitas vezes é significativamente
reduzida. Isso significa que você pensa, fala e age mais lentamente que o normal. Pode
haver inibições físicas, tais como:

 expressão facial reduzida e indiferente


 falta de sorrisos
 menos contato visual com os outros
 fala seca e lenta; dificuldade em dizer algo
 longas pausas e períodos de espera ao falar
 menos gesticulação ao falar
 sentar sem movimentação por um longo período
 movimentos em baixo ritmo e sem grande movimentação

Pode haver também inibições mentais, em que você:

 pensa mais devagar


 tem dificuldades em lembrar e se concentrar
 tem dificuldades para tomar decisões
 não tem interesse em você ou pelas pessoas a sua volta. Logo, corre o risco de
não se adaptar ao trabalho
Inibições psicomotoras são características da depressão. Mas, também podem ocorrer
juntamente com outras doenças, como a demência e a doença de Parkinson.

Distúrbios do sono
Inicialmente, todas as pessoas que sofrem de depressão apresentam alterações no sono.
Você pode apresentar alterações como:

 ter dificuldades para adormecer


 dormir menos
 nunca se sentir recuperado
 ter sono leve
 acordar várias vezes durante a noite
 acordar cedo de manhã
 ter um número maior de ciclos de sono
 ser incomodado pelo chamado sono REM, uma das fases do sono pelas quais
você normalmente passa uma ou mais vezes durante o sono. Pesquisas recentes
indicam que o sono REM, entre outras coisas, apresenta efeitos na memória e no
aprendizado.

Em uma depressão atípica, ocorre o contrário: você dorme mais que o normal.

Sintomas físicos
A depressão pode levar a uma série de sintomas físicos. Se você está deprimido, é muito
comum, por exemplo, que você tenha o apetite reduzido. Você não sente nenhum
prazer em comer e a comida parece não ter gosto. Se você come, é mais por obrigação.
Você está comendo muito pouco e pode perder uma quantidade de peso significativa, o
que pode lhe causar mais cansaço, e a energia é tão consumida que você não sente mais
vontade de comer nada. Então, o círculo vicioso continua.

Pode também acontecer o aumento do apetite, se você estiver apresentando uma


depressão atípica. Talvez você se sinta melhor comendo, e nesse caso seu peso deve
aumentar. Portanto, você deve observar mudanças no apetite e no peso sem explicação,
pois podem ser sintomas de depressão.

Dores
Se você tem uma dor crônica, devido a reumatismo ou problemas de coluna, por
exemplo, sua dor vai se intensificar quando você estiver deprimido. Mesmo que você
não tenha dores crônicas, a depressão pode causar sintomas diferentes de dor, tais como:

 dor nos músculos e nas articulações


 dor de estômago ou outros problemas gástricos
 dor de cabeça

Muitas vezes, é a dor que o leva a ir ao médico. Logo, é importante que o médico cogite
depressão se você tiver dores que piorem sem nenhuma explicação clara. No entanto,
dores e outros sintomas crônicos também podem aumentar suas chances de entrar em
depressão.

Tensão
A depressão dificulta o relaxamento tanto físico quanto mental. Seus pensamentos
misturam-se, impossibilitando-o de tomar decisões. Seus músculos ficam tensos e até
mesmo doloridos, e, embora esteja cansado, você não consegue relaxar ou descansar.
Essa tensão aumenta sua sensação de mal-estar e conseqüentemente aumenta sua
depressão.

Cansaço e falta de energia


A maioria das pessoas deprimidas sente-se cansada e reclama de pouca energia.
Cansaço e falta de energia podem ser tão dominantes que talvez você não seja capaz de
se levantar, tomar banho ou qualquer outra atividade. O cansaço o isola, de forma que
você não consegue falar ao telefone, receber visitas ou se relacionar com outras pessoas,
nem mesmo aquelas mais próximas de você.

Sintomas psicóticos
Se você está sofrendo de depressão grave, pode apresentar sintomas psicóticos. Na
depressão psicótica, você também tem pensamentos negativos. Mas seus pensamentos
se tornam irreais e difíceis de os outros entenderem, já que eles não se assemelham com
a realidade.

Você pode pensar ser culpado por acidentes graves e catástrofes. Também pode se
convencer de que é uma pessoa má, sentindo-se tão cruel que deva morrer ou ser
severamente punido.

Seu apetite e sede podem diminuir tanto até tornar-se algo crítico. Em poucos casos,
você pára completamente de comer e beber. Essa condição pode rapidamente constituir
ameaça à vida e, portanto, você tem que ser internado em uma clínica psiquiátrica o
mais rápido possível.
Pode tornar-se perigoso
Quando está com depressão psicótica, você tem uma percepção da realidade muito
irreal. Você não é completamente capaz de tomar conta de si – e a situação pode ficar
perigosa. Apresentando depressão psicótica, você precisa ser internado para que seja
protegido e tratado. Se a situação se tornar crítica ou perigosa, o médico precisa ser
chamado. O médico providenciará a internação. Se for necessário, você será internado
mesmo contra sua vontade.

Paranóia
Na depressão psicótica, você pode ficar paranóico e sentir que está sendo perseguido.
Você também pode se convencer de que certas pessoas ou organizações secretas estão a
sua procura para machucá-lo ou puni-lo. Você pode acreditar que é uma vítima
inocente. Mas normalmente seus pensamentos depressivos o levam a acreditar que
mereça ser perseguido e punido.

Alucinações
Na depressão psicótica, você também tem alucinações. Você pode ouvir vozes que
falam acusadoramente de você ou dizem que deva ser punido. As vozes também podem
encorajá-lo a punir-se, talvez cometendo suicídio. Na depressão grave, você pode ter
pensamentos suicidas graves sem ter alucinações. A depressão grave é, portanto, uma
doença muito séria, que requer internação em uma clínica psiquiátrica.

Exemplo
Em um outono, um idoso foi internado em uma clínica psiquiátrica com depressão
grave. Ele estava ansioso, inquieto e apresentava sintomas psicóticos. Ele não conseguia
sentar-se devido à inquietação. Ele contou uma história meio incoerente e foi
interrompido por lamentos e autocrítica. A seguir a sua história:

“Durante os meses de verão passamos a maior parte do nosso tempo em nossos lotes.
Plantamos verduras para uso próprio. Temos uma casinha e uma choupana. Preparamos
a comida em um pequeno fogão com um botijão de gás. Na primavera, preparamo-nos
para o verão. Assim, esvaziei a choupana, como sempre.

Na choupana, encontrei um botijão de gás. Ainda havia um pouco de gás dentro. Decidi
que seria perigoso mantê-lo lá. Então, peguei a chave de fenda e abri a válvula. O gás
saiu. Posteriormente, coloquei o botijão de volta no lugar. Depois, quis trocá-lo por um
novo.

O verão estava quente e seco. Houve um racionamento de água, mas usávamos água
secretamente. Mas de qualquer forma o solo ficou seco e rachou. O alho-poró e todos os
outros vegetais secaram. Sei que causei a seca por deixar o gás sair. Eu destruí a camada
de ozônio.
Estraguei meus vegetais e a colheita da Dinamarca. Também sou culpado pela seca e
pela fome catastrófica no mundo. Outro dia, vi um programa sobre fome na África. As
crianças estavam morrendo. É minha culpa e sinto que não tenho mais o direto de
viver”.

Por sorte, sua esposa providenciou rapidamente sua internação e começou seu
tratamento. Ele foi tratado com eletroconvulsoterapia e remédios, e recuperou-se
rapidamente.

Causas
A Depressão pode ocorrer de diferentes formas.

 Pode se desenvolver subitamente sem aviso antecipado


 Ela pode lhe atingir sem você perceber
 Pode ser desencadeada por algum trauma psicológico, estresse e problemas
 Pode se desenvolver sozinha sem algo específico que force essa condição.
 E pode desenvolver-se de diversas maneiras...

Mas exatamente o que causa depressão naquela determinada pessoa naquele exato
momento é muito difícil de dizer. A depressão é causada por diferentes fatores.

Nesta seção você pode ler mais sobre quais as causas que contribuem para a depressão.

Risco aumentado
Não existe uma resposta simples para a razão de você ser atingido pela depressão.

Nós sabemos o que causa a gripe. Podemos identificar seu vírus. Mas não sabemos
exatamente o que causa a depressão. No entanto, nós sabemos que a depressão ocorre
como uma interação entre a vulnerabilidade hereditária, que é congênita e as influências
durante a adolescência.

Disposição Genética
Em algumas famílias, muitos de seus membros desenvolvem a depressão. Se seus pais,
filhos ou irmãos já tiveram várias depressões, infelizmente existe 20% de risco de que
você desenvolva uma ou mais depressões.

Sexo
É uma visão tradicional de que as mulheres desenvolvem depressão duas vezes mais do
que os homens. Mas nos anos recentes, surgiram idéias que sugerem que os homens
sofrem de depressão tanto quanto as mulheres.

A depressão apenas se apresenta de maneira diferente nos homens. Talvez muitos


homens não tenham descoberto que estão sofrendo de depressão e portanto não
procurem o médico. De modo similar um médico pode mais facilmente não perceber a
depressão nos homens. Isto produz uma baixa porcentagem nas pesquisas. Leia mais
sobre os sintomas em homens com depressão.

Idade
Você pode desenvolver depressão em qualquer idade, mas o risco aumenta ligeiramente
para mulheres entre 40 e 50. Além disso, o risco de desenvolver mais de uma depressão
aumenta com a idade.

Status Social
A conexão entre status social e a depressão não está totalmente clara. Mas parece ser um
risco crescente de pessoas de baixo nível social desenvolverem depressão.

Desemprego
Pessoas desempregadas têm depressão com mais frequência do que as outras. Mas não
sabemos se isso é causado pelo fato de que você fica deprimido porque está
desempregado ou se você fica desempregado porque está deprimido.

Trauma Psicológico
Algumas pessoas que já experimentaram traumas ou pressão psicológica reagem
desenvolvendo depressão. Outras desenvolvem ansiedade ou abuso de álcool. Mas
algumas pessoas tem sorte suficiente o bastante para lidarem com isso sem nenhum
efeito psicológico posterior.

Sua reação a um trauma psicológico irá depender de um alto grau de sua disposição
genética e de sua personalidade. Atualmente existem surpreendentemente poucos
eventos que podemos associar ao desenvolvimento da depressão.

No entanto, parece que pessoas que foram abusadas sexualmente na infância têm o risco
aumentado de desenvolver depressão. Além disso, se você desenvolver uma depressão
depois de uma pressão psicológica grave, você corre o risco de que uma pressão
psicológica mais fraca possa desencadear uma depressão mais tarde.

Divórcio
Não se sabe se o divórcio aumenta diretamente o risco de desenvolvimento da
depressão. É fato que as pessoas com depressão se divorciam com mais freqüência do
que as outras, mas não se sabe se as pessoas ficam depressivas porque se divorciam ou
se elas se divorciam por causa da depressão.

Luto
A morte de pessoas próximas parece aumentar o risco de desenvolvimento da
depressão.

Doença
Uma doença física aumenta o risco de desenvolvimento da depressão. Quase todos os
casos de doença podem levar a depressão. Isso se aplica tanto a doenças leves como
gripe quanto à doenças mais graves como trombose cerebral ou câncer. Leia mais sobre
depressão ligada a doenças físicas.

Gravidez e parto
Durante a gravidez e nas semanas e meses antes do parto, o risco de desenvolvimento da
depressão aumenta. Quando você acaba de dar à luz, tanto seu corpo quanto sua mente
precisam se acostumar com uma situação completamente nova. Seus hormônios
precisam se reajustar e você precisa cuidar de sua criança recém-nascida. Este é um
período de muita mudança nos sentimentos e aproximadamente uma entre dez mulheres
desenvolvem depressão pós-parto. Mas com apoio daqueles que são mais próximos e
com o acompanhamento de um profissional e em alguns casos junto à medicação, você
geralmente pode evitar o desenvolvimento de uma depressão profunda pós-parto. Leia
mais sobre depressão pós-parto.

Estresse e depressão
Estresse prolongado aumenta o risco de desenvolvimento de depressão. O estresse é
normalmente desencadeado por situações onde é exigido mais de você do que você
pode agüentar. Muitas tarefas inacabadas e insuportáveis podem desencadear o estresse.
Estresse é uma condição onde você se sente irritável, cansado, com mau humor,
inseguro e possivelmente sente dificuldade para dormir e geralmente tem uma série de
sintomas como problemas estomacais, cefaléia e tensões musculares. Se a condição de
estresse continuar por um longo período, aumenta o risco de desenvolvimento da
depressão.

Susceptibilidade
Existem circunstâncias psicológicas que podem tornar você vulnerável à depressão. Elas
podem ser tanto circunstâncias externas quanto internas.
As circunstâncias externas podem ser do passado ou do presente, mas geralmente são
influências psicológicas da infância. As circunstâncias internas se originam da sua
psiquê, sua personalidade e modo de pensar.

Em relação tanto a circunstâncias externas e internas, a psicoterapia pode oferecer ajuda


se você foi atingido pela depressão ou se você deseja fazer alguma coisa em relação às
circunstâncias, de maneira a reduzir o risco de desenvolvimento da depressão (e talvez
melhorar sua saúde em geral). O método de tratamento psicológico mais efetivo para
depressão grave é a terapia cognitiva, que trata de analisar e mudar pensamentos e
comportamentos inapropriados.

Leia mais sobre as circunstâncias externas e fatores internos nesta seção.

Circunstâncias Externas
A relação com os pais durante a infância também é de grande importância em relação ao
risco de mais tarde desenvolver uma depressão.

Se você, enquanto criança, perde o contato com um de seus pais (por morte ou divórcio)
ou se o contato com um de seus pais não é bom, o seu risco de desenvolvimento da
depressão pode aumentar.

Criação Fria
Isto se aplica em particular a criação “fria”. Muitas pessoas depressivas infelizmente
foram criadas por pais "frios" e receberam uma criação dura e controlada.

Adultos que foram depressivos falam aproximadamente 10 vezes mais sobre a criação
fria do que pessoas que estão bem. Isso explica o raciocínio de que as pessoas que são
depressivas lembram de sua criação como sendo “fria” porque seu estado mental é
afetado negativamente. Mas testes apontam que eles descrevem isso da mesma maneira
quando estão recuperados, como testemunhas da criação descrevendo-a da mesma
forma.

No entanto não há dúvidas de que a criação marcada por um controle frio cria uma
vulnerabilidade para a depressão. Mas outras circunstâncias durante a infância também
podem ser causas contribuintes para a depressão, tais como:

 Abuso físico e sexual


 Conflitos e discussões em casa
 Pais que usam sentimentos de vergonha como forma de criação.
 Pais que abertamente preferem os outros irmãos
 Pais que foram muito exigentes, por exemplo no que diz respeito ao desempenho
escolar
Circunstâncias Externas Atuais
Também podem ser as circunstâncias externas atuais que pressionam e causam "danos"
a você por um longo período de tempo. As circunstâncias externas atuais sozinhas não
podem originar depressão, mas podem desencadear a depressão se você tiver pré-
disposição a tê-la.

Alguns dos fatores de estresse duradouros que aumentam seu risco de desenvolvimento
de depressão são:

 Uma relação emocional não satisfatória ou conflituosa


 Estresse induzido pelo divórcio
 Estresse induzido por um ambiente de trabalho insatisfatório
 Desemprego prolongado
 Solidão

Esses fatores podem, em alguns casos, contribuir para desencadear a depressão. Destes
fatores, a solidão é um dos mais importantes. Se você não tem alguém próximo a você
com a qual possa conversar sobre qualquer coisa, você corre um grande risco de
desenvolver depressão. Relacionamentos superficiais não substituem a pessoa a qual
você é próximo. No entanto você também corre o risco de desenvolver depressão se
você só tiver relacionamentos superficiais.

Fatores Internos
Os fatores internos de depressão são características psicológicas que podem aumentar o
risco de desenvolver a depressão. Podem ser nervosismo comum, uma maneira muito
negativa de pensar ou um padrão de comportamento passivo.

Nervosismo comum
Sua tendência a ficar nervoso depende tanto da sua hereditariedade quanto do ambiente
em que você vive. O nervosismo é como qualquer outro traço de personalidade
determinado tanto por seus genes quanto pelo seu desenvolvimento pessoal. Se você é
emocionalmente vulnerável, você corre grande risco de se tornar depressivo.

Se você tem tendência a reagir com fortes sentimentos negativos, você pode facilmente
ficar para baixo e sem emoção se for submetido a pressões externas como divórcio ou
ao ser despedido. Se você geralmente é muito nervoso, você precisa evitar ambientes
que pressionam ou influenciem o estresse, de maneira a não aumentar o risco de
desenvolvimento da depressão.

Uma maneira muito negativa de pensar


Uma maneira negativa de pensar indica que você está inclinado a pensar de um jeito
pessimista e negativo, especialmente quando você está tendo problemas com
adversidades.

Se você tem uma maneira negativa de pensar, é especialmente marcado por três coisas:

 Uma inclinação em assumir a culpa por eventos desagradáveis.


 Uma inclinação em acreditar que acontecimentos infelizes acontecem muito em
sua vida.
 Acredita que nada vai melhorar. Você acredita que estará sujeito a
acontecimentos desagradáveis para o resto de sua vida.

Um novo estudo americano mostrou que um homem jovem com uma maneira negativa
de pensar tem um risco 16 vezes maior de se tornar depressivo se comparado a outros.

Padrão de comportamento passivo


É chamado de padrão de comportamento passivo quando você reage a adversidades
através de:

 Parar completamente
 Desistir de solucionar os problemas
 Fugir dos problemas

O risco de se tornar depressivo seria menor se, durante sua infância (ou depois), você
aprendesse como solucionar seus problemas, por exemplo, sendo ativo ao invés de
passivo. Um modo de solucionar seus problemas é falando com alguém sobre eles.

Mas se você tem um padrão de resposta passiva, pode ser resultado de um pensamento
negativo. Talvez você normalmente diga para si mesmo: “Eu não posso fazer nada
mesmo”. E a razão de você pensar desta maneira pode ser porque você não aprendeu
como resolver seus problemas de uma maneira ativa e construtiva.

Uma auto-estima baixa ou instável (que passa por altos e baixos com relação a
prosperidade e adversidade) também pode aumentar o risco de desenvolvimento da
depressão. O mesmo se aplica as pessoas com um alto grau de dependência emocional a
outras pessoas ou pessoas que geralmente não confiam nas outras.

Auto Reforço
Muitos pensamentos, sentimentos e comportamentos que ocorrem conectados à
depressão, também podem contribuir para prolongar e fortalecer o curso da depressão,
por isso o efeito de auto-potencialização.
Sentimentos e memórias
Se você se sente mal, isso pode afetar sua memória de uma maneira que apenas faz você
pensar mais em memórias negativas do que positivas. Você pode, por exemplo, sentir
que a vida até agora tem sido monótona mesmo que este não seja o caso. Essa distorção
de memória fortalece e prolonga sua depressão.

Em estudos, onde sujeitos saudáveis foram tornados depressivos através de hipnose e de


substâncias químicas, foi provado que os sentimentos distorcem a memória. Estes
sujeitos testados, que se tornaram depressivos "artificialmente", lembraram-se de seu
passado de uma maneira mais negativa do que a maneira de algumas horas antes,
quando estavam em seu estado de humor normal.

Mudança Comportamental
Se você está deprimido, ocorre uma mudança comportamental que infelizmente, pode
significar que sua relação com os outros está se deteriorando. Porque seu
comportamento está mudando conforme você vai ficando mais passivo e mais
“negativo” com os outros, sua relação, por exemplo, com os membros de sua família ou
seus colegas de trabalho piora.

Seu comportamento negativo para com os outros também causa uma reação negativa
deles para com você. Isso é com certeza um problema, porque eles se distanciam de
você ao invés de confortá-lo e encorajá-lo. Você, no entanto, se torna ainda mais
convencido sobre o sofrimento de sua vida e isso pode significar que você caia em uma
depressão profunda.

Círculos Viciosos
Essas duas circunstâncias criam um "círculo vicioso”de auto-reforço de pensamentos e
sentimentos negativos e de relações negativas com os outros. Isso eventualmente cria
dois círculos viciosos, um círculo interior e outro exterior.

O círculo vicioso interior é o de pensamentos negativos sobre a vida, que


constantemente prevalece como um padrão de pensamento em você e que o torna
vulnerável. Durante períodos de adversidade, o círculo vicioso interno faz sentir
rigorosamente para baixo. Esse desapontamento aumenta seus pensamentos negativos,
seus pensamentos negativos aumentam o desapontamento e assim isso continua.

O círculo vicioso externo aumenta sua tendência em reagir passivamente ou


negativamente para com os outros. Assim você empurra as pessoas mais próximas para
longe de você, o que significa que você se torna mais solitário. E quando você se torna
mais solitário, você se torna mais depressivo e etc.

Terapia cognitiva
Os círculos viciosos podem continuar muito depois da causa externa causadora da
depressão ter terminado (como um divórcio ou perda do emprego) Isso significa que
você e as pessoas ao seu redor se esqueceram do que é que iniciou a depressão!

Mas você pode fazer alguma coisa sobre essa situação.Terapia cognitivo-
comportamental é uma forma de psicoterapia que na verdade é sobre analise e mudança
das formas inapropriadas de pensar e de agir. Portanto essa forma de terapia é o método
de tratamento psicológico mais efetivo para tratar a depressão.

O uso do diagnóstico
O diagnóstico é uma ferramenta que os médicos usam quando tem que descobrir de qual
doença você está sofrendo. Se você, por exemplo, apresenta sintomas que podem
indicar depressão, o médico irá com base em seus sintomas e em seu próprio exame,
chegar a um diagnóstico que será usado para responder as seguintes questões:

 Você sofre de depressão ou não?


 Se a resposta for sim, qual o tipo de depressão - leve, moderada ou grave?
 Você sofre de mais alguma coisa- doença física, ansiedade, abuso, psicose?
 Qual o curso que a doença seguirá - existe algum risco de suicídio? A
depressão sempre precisa ser tratada! Você, no entanto, precisa ser internado?
 Qual tratamento é o melhor neste caso- medicamento e/ou psicoterapia? Ou
eletroconvulsoterapia?
 Quais complicações podem ocorrer – por exemplo efeitos colaterais e/ou abuso?
 Recaídas e novas depressões podem ser prevenidas - você precisa tomar
medicamento profilático por muito tempo?

O diagnóstico também é um pré-requisito para estar apto a pesquisar e obter novos


conhecimentos. Através do uso do diagnóstico podemos comparar um grupo de
pacientes com outro e ver qual dos tratamentos é o melhor. Pelo acompanhamento dos
pacientes que tiveram o mesmo diagnóstico nós obtemos novos conhecimentos sobre

 A causa da doença
 O curso da doença
 Possíveis complicações
 Qual o melhor tratamento
 Como a doença pode ser prevenida

Sistemas de diagnóstico
Os sistemas de diagnóstico contêm uma lista de todas as doenças de que conhecemos.
Existem dois sistemas de diagnóstico oficiais, CID-10 e DSM-IV, e ambos contêm
doenças psiquiátricas. No Brasil e em muitos países, a lista oficial do diagnóstico é a
CID-10, enquanto a DSM-IV é usada nos EUA em particular.

Os diagnósticos são ferramentas de trabalho que são constantemente melhoradas e


desenvolvidas, portanto os dois sistemas de diagnóstico têm um número (10 e IV
respectivamente) indicando qual é a versão.

CID-10
A Organização Mundial da Saúde (OMS) vem por muitos anos administrando e
publicando CID (uma abreviação para Classificação Estatística Internacional de
Doenças e Problemas Relacionados à Saúde). A CID-10 contém todos os diagnósticos
psiquiátricos oficiais. Todos os médicos utilizam essa classificação em atestados
médicos, quando você recebe alta hospitalar e em outras situações oficiais.

Diagnósticos relacionados são agrupados nos sistemas de diagnóstico. Existe, dentre


outros, um grupo de diagnósticos na CID-10 chamado “transtornos afetivos”, onde as
diferentes formas de depressão estão listadas.

Afeto é uma designação de que diz respeito tanto ao seu humor momentâneo quanto a
média do seu humor por um período de tempo. Nos transtornos afetivos, as mudanças
de humor são tão graves e prolongadas que elas inibem seu aproveitamento da vida.

Os transtornos afetivos são divididos em duas longas séries de diagnósticos. É


necessário dividir os transtornos afetivos, como as depressões que se apresentam de
diferentes modos. Diferentes tipos de depressão requerem diferentes tipos de tratamento
e medidas preventivas.

Demarcação da doença depressiva


Mesmo que seu médico saiba que você tem uma alteração do sistema de serotonina no
cérebro, quando você está sofrendo de depressão, ele não pode medir essa alteração com
um exame de sangue, por exemplo, ou chegar a um diagnóstico por esse meio.

O médico chega a um diagnóstico de depressão fazendo-lhe perguntas e o examinando.

O episódio depressivo é chamado F32 no sistema CID-10. O médico faz o diagnóstico


depois de um exame, depois do qual os diferentes sintomas da CID-10 são avaliados. O
médico basicamente segue um questionário que foi desenvolvido como um tipo de teste
de triagem para diagnosticar doenças depressivas.
A figura 1 mostra o questionário de depressão. De acordo com a CID-10 o diagnóstico
de depressão se aplica às duas últimas semanas, durante a qual todo sintoma deve ter
durado por mais da metade do tempo.

Uma importante dimensão na doença depressiva é a gravidade dos sintomas. A CID-10


divide o diagnóstico de F32 em leve, moderado e grave, dependendo de quantos
sintomas são apresentados.

O questionário de depressão é um guia para fazer um diagnóstico de CID-10, mas


nunca deve substituir a avaliação de um médico. Você deve estar atento a isto se deseja
testar esse questionário por conta própria. Mas se sua pontuação nesse questionário for
maior que 20, você deve considerar isso como um sinal de que precisa procurar seu
médico.

Inventário de Depressão de Beck


Outro instrumento de triagem que foi nomeado em homenagem ao psiquiatra
americano Aaron Beck, que o desenvolveu com base no modelo de psicoterapia
cognitiva, é o Inventário de Depressão de Beck (BDI, sigla em inglês). Tem sido
amplamente usado em todo o mundo, onde o efeito da psicoterapia cognitiva é avaliado.

Escala de Depressão de Hamilton


O psiquiatra britânico Max Hamilton desenvolveu a HAM-D, uma escala de depressão
que dentre outras coisas é usada pelo médico em uma entrevista com o paciente , onde
ele/ela pergunta uma série de questões sobre depressão. O médico pode depois calcular
o grau dos sintomas depressivos.

A HAM-D também é usada quando o Conselho Nacional de Saúde está avaliando se um


novo medicamento deve ser aprovado para uso contra a depressão.

Qualidade de Vida
A depressão envolve áreas que, dentre outras coisas, afetam o funcionamento social
diário. A depressão é distinguível da ansiedade, por exemplo, na maneira em que ela
não apenas afeta o interesse real nas tarefas diárias mas também o desempenho das
tarefas diárias que temos que fazer. Isso pode ser uma forma de perda de energia, menos
auto-confiança, dificuldade de concentração etc.

Ansiedade
Se estiver sofrendo de depressão, você ficará nervoso com freqüência e terá sintomas de
ansiedade. E se estiver sofrendo de condições ansiosas, você também ficará deprimido
com freqüência.
O estado de ansiedade é uma doença em que ansiedade, preocupação e nervosismo são
tão evidentes e incômodos que você tem que mudar e limitar sua vida. Há coisas que
você é incapaz de fazer e pode haver lugares onde você não será capaz de freqüentar
devido a sua ansiedade.

Debilidade
Nos piores casos, você pode ficar tão ansioso de tantas formas que a ansiedade o
debilita. Em tais casos, você definitivamente precisa de tratamento para ansiedade.

Alguns psiquiatras acreditam que apresentar ansiedade é ter depressão oculta sob os
sintomas de ansiedade. Outros psiquiatras acreditam que as duas doenças são
independentes, e que durante o processo de ansiedade você desenvolve uma depressão
secundária.

Ansiedade e sintomas físicos inexplicáveis em todos os casos estão intimamente


relacionados a depressão. Se você não for tratado a tempo, uma única doença pode te
levar a outras. Infelizmente, você corre o risco de ter todas as doenças se esteve doente
por muito tempo.

Tratamento
Por sorte, há vários tratamentos eficazes para condições ansiosas. É importante para seu
tratamento que seu psiquiatra possa predizer a evolução da condição e escolher o
tratamento apropriado. Por isso, os transtornos de ansiedade têm sido divididos em
diferentes diagnósticos, assim como as depressões também estão divididas em
diagnósticos.

Na lista de diagnósticos de psiquiatria CID-10 há um número de transtornos de


ansiedade, que assim como todos os outros diagnósticos podem se sobrepor Muitas
vezes, você pode observar mais de um estado de ansiedade simultaneamente.

Os transtornos de ansiedade estão inclusos juntamente com outros diagnósticos


semelhantes em um capítulo no CID-10 chamado “Condições relatadas como
nervosismo e estresse, e condições com sintomas físicos determinados
psicologicamente"

Nesta seção, você pode ler sobre diferentes tipos de ansiedade.

Ansiedade natural
Ansiedade é uma reação emocional com que estamos familiarizados. Provavelmente,
você pode se lembrar do mal-estar das últimas horas e minutos antes de um exame. Ou
quando você está prestes a proferir um discurso em um grande evento. Suas mãos ficam
úmidas e trêmulas. Você sente seu coração batendo no seu peito. Você sente que precisa
ir ao banheiro. Não pensa com clareza e perde facilmente o controle. Quando você
enfim responde, sua voz está fraca e rouca.

Conhecemos a sensação de ansiedade quando estamos esperando a resposta de um


médico a respeito de um exame, quando vamos a uma entrevista de emprego, no
primeiro encontro, ou quando estamos prestes a sofrer um acidente de carro.

Suas reações físicas e mentais são basicamente as mesmas conforme você fica ansioso,
não importa por qual motivo. É a mesma reação que você sente quando fica assustado
com um perigo de verdade. Distraído, você pode estar andando na frente de um carro e
chegar perto de ser atropelado. Ou pode ser ameaçado por um grupo de bêbados à noite.

Ansiedade fóbica
Há uma diferença entre ansiedade natural e ansiedade como parte de uma enfermidade
mental. Muitas pessoas sofrem de uma ansiedade irreal. Na maioria dos casos pode estar
sob a forma de:

 medo de dentista
 medo de água
 medo de altura
 medo de lugares fechados
 medo do escuro
 medo de cães, gatos, cobras ou aranhas

A maioria das pessoas não precisa ser tratada de suas fobias. Mas se sua ansiedade está
presente em grande parte do seu cotidiano, você deve buscar tratamento. Você vai se
sentir melhor com remédios e psicoterapia.

Ansiedade generalizada
Se você está sofrendo de um transtorno de ansiedade generalizada, normalmente você
fica ansioso e nervoso com muitas coisas. Problemas grandes e pequenos em sua vida
diária o preocupam tanto que você acha difícil se concentrar em outras coisas. Você
também tem uma série de sintomas físicos de ansiedade. A ansiedade generalizada pode
ser tratada com eficácia com remédios e psicoterapia.

Agorafobia
Agorafobia é um tipo de ansiedade que faz com que você tenha dificuldade para ficar
sozinho. Algumas pessoas ficam particularmente nervosas quando estão sozinhos em
casa, enquanto outros se sentem pior quando têm que andar sozinhos na rua, usar
transporte público ou ficar na fila do supermercado. Essas situações podem revelar
sintomas físicos e psicológicos de ansiedade.

A agorafobia pode ser tratada eficazmente com medicamento e psicoterapia.

Transtorno do Pânico
Com o transtorno de pânico, você sofre repentinamente de ataques de pânico e
ansiedade. Esses sintomas são de natureza física e mental. Você pode ter a sensação de
que vai desmaiar, morrer, enlouquecer ou ter um acesso de fúria. Você tem sintomas
físicos tais como problemas de respiração, dores no peito, transpiração e mãos trêmulas.

Um ataque de pânico surge de repente e dura alguns minutos. Quando se recupera, você
sente-se exausto, mas não mais ansioso. Se tiver vários ataques, você poderá ficar mais
nervoso a cada ataque. Você pode ter sintomas de ansiedade entre os ataques e muitos
desenvolverão agorafobia com o tempo.

Os ataques de pânico podem ser tratados de maneira eficaz com medicamentos e


psicoterapia.

TEPT
TEPT é a abreviação para Transtorno de Estresse Pós-Traumático, ou seja, reações de
tensão e estresse, as quais ocorrem após uma situação traumática.

Se você se envolveu em acidentes ou foi submetido a outros traumas mentais, pode ter
os sintomas de ansiedade prolongados. Os sintomas de ansiedade pioram cada vez que
alguma coisa o lembra dos eventos a que foi submetido. E você pode apresentar traumas
em forma de pensamentos, imagens ou em sonhos. Muitas vezes, o TEPT pode ser
tratado com medicamentos e psicoterapia.

TOC
TOC corresponde a Transtorno Obsessivo Compulsivo. É uma doença em que a
ansiedade pode estar ligada a ações ou pensamentos específicos. Significa que você tem
que repetir uma determinada ação por várias vezes, você pode, por exemplo, tomar
banho várias vezes, ou pode pensar em determinadas seqüências de palavras ou frases a
fim de se acalmar. Ou talvez você só tenha que executar rituais que consomem tempo,
como andar até a porta da frente várias vezes ao dia para verificar se ela está trancada.

Se estiver sofrendo de TOC, tratamento eficaz com medicamentos e psicoterapia é


normalmente possível.

Medo de doenças (hipocondria)


Todos nós já experimentamos dores e sintomas físicos quando estamos estressados ou
preocupados. Todo mundo também já teve a experiência de essas dores passam se
ficamos muito preocupados com outras coisas. As sensações físicas também podem ir
e vir, dependendo de como nos sentimos mentalmente. Elas não são um sinal de uma
doença física séria, mas você pode ficar muito preocupado em ficar seriamente doente.

Hipocondria e sintomas físicos que não são causados por uma doença são comuns. É
muito comum que médicos adquiram um sintoma após o outro durante o curso na escola
de medicina. Os sintomas são adquiridos cada vez que se aprende uma nova doença.

Em algumas doenças mentais, você adquire sintomas exclusivamente físicos. Embora


você seja examinado por inteiro, seus sintomas não podem ser explicados por uma
doença física.

Você deve ficar preocupado em sofrer algo grave, mas fora isso você não se sente
ansioso ou deprimido.

A hipocondria pode ser tratada eficazmente com medicamentos e psicoterapia.

Somatização
Sintomas inexplicáveis são denominados “somatização”. Você pode ter diversos
sintomas em seu corpo inteiro, tais como:

 dores musculares
 dor nas articulações
 redução da força nos músculos
 dificuldade de caminhar
 problemas de memória
 distúrbios visuais
 problemas de audição
 problemas na fala
 tontura
 cansaço
 sensação de frio e calor
 sintomas cardíacos
 dificuldade para respirar
 náusea
 dor de estômago
 indigestão
 problemas de disúria
 problemas abdominais

Pode ser crônico


Na maioria dos casos, você ficará calmo e melhor depois que o médico o examinar e
explicar que você não está sofrendo de uma doença grave. No entanto, algumas
pessoas ainda continuarão a apresentar os sintomas e medo de doenças, embora tenham
sido examinadas várias vezes.

Em casos individuais, a somatização pode ser uma doença crônica prolongada que
dificulta você ir para o trabalho e ser ativo no seu tempo livre. Se tiver sintomas físicos
prolongados inexplicáveis, você está sofrendo de um estado somático e deve procurar
tratamento.

Como em outras doenças, você também pode desenvolver ansiedade e depressão, se o


medo de doenças e a somatização continuarem.

Suicídio
20% das pessoas que sofrem de depressão recorrente acabam tirando suas próprias
vidas. Se você já teve depressão grave, nós alertamos você a lembrar que a doença pode
ser tratada e não deve conduzir sua vida para esse caminho.

O risco de cometer suicídio é de 15-20 vezes maior entre pessoas com depressão
recorrente do que entre pessoas que não tenham depressão. Mas você pode fazer muita
coisa para prevenir depressões recorrentes.

Metades de todos os suicídios são cometidos por pessoas que sofrem de doença mental,
particularmente depressão, o que já é bastante. Lendo sobre depressão - por exemplo no
Depnet – você se retira do grupo de risco porque obter informações sobre depressão
aumenta suas chances de recuperação.

Gênero
Existem muito mais pessoas que tentam o suicídio do que pessoas que morrem disso.
Geralmente as mulheres tentam cometer suicídio de 2-3 vezes mais do que os homens.
Mas os homens cometem suicídio de 2-3 vezes mais freqüentemente do que as
mulheres.

Tentativas anteriores de suicídio


Pessoas que anteriormente já tentaram tirar suas próprias vidas têm um risco maior de
cometer suicídio. Mas nunca é muito tarde para mandar a depressão embora e com isso
os pensamentos suicidas.

Suicídio na Família
O risco de suicídio parece ser hereditário. O suicídio ocorre mais freqüentemente em
algumas famílias. Resultados de estudos com gêmeos e adotados sugerem que não é
apenas a tendência a desenvolver depressão que é hereditária mas também o real risco
de cometer suicídio.

Abuso de álcool e medicamentos


Pessoas que sofrem de depressão e simultaneamente abusam do álcool e de
medicamentos tem o risco aumentado de cometer suicídio. Mas o abuso de álcool e a
depressão podem ser tratados.

Doença Física
Pessoas que sofrem de depressão e de doença física séria têm o risco aumentado de
cometer suicídio. Mas o risco aumentado pode ser dramaticamente reduzido através da
prevenção e do tratamento da depressão.

Falta de apoio social


Pessoas que são sozinhas, sem família, amigos e outro apoio social também parecem ter
um risco aumentado de cometer suicídio. O mesmo se aplica às pessoas que estão
desempregadas. No entanto é uma boa idéia tentar fazer contato com outras pessoas.
Você pode, por exemplo, fazer parte de associações, academias de ginástica ou clube de
esportes.

Fases iniciais da doença


O maior risco de tentativas de suicídio residem na fase inicial da doença. A maioria dos
suicídios são cometidos durante um dos primeiros episódios depressivos. É importante
que você seja examinado por um médico. Mesmo se você apenas tenha o pensamento de
depressão.

Imediatamente depois de sua alta


Nas semanas logo após a alta da enfermaria psiquiátrica, o risco de cometer suicídio é
particularmente grande. No entanto você deve ter certeza de estar bem próximo a sua
família e amigos. Evite ficar sozinho. Use o DepNet por exemplo para contatar outros
ou achar onde existe alguém para falar com você.

Quando você para de tomar seus medicamentos


Se você de repente parar de tomar antidepressivos ou medicamentos estabilizadores do
humor (ex. lítio) o risco de desenvolver depressão novamente aumenta. O risco de
suicídio é especialmente grande imediatamente depois que você para de tomar a
medicação.

Tratamento
Mesmo que a depressão possa ser uma doença séria e muito dolorida, felizmente
existem diversas opções de tratamento efetivo. O primeiro passo será sempre ir
consultar seu médico, que pode te ajudar ainda mais no sistema e sugerir o tratamento
particular que será melhor para você.

Entre as formas mais comuns de tratamento de depressão estão a psicoterapia,


medicamentos (ambos com velhos e novos tipos), terapia com luz e, em casos graves,
eletroconvulsoterapia. Adicionalmente, pesquisas estão constantemente sendo
realizadas em outros tipos de tratamento, dentre os quais os TMS (estimulação
transcraniana magnética) que é particularmente promissor.

Você pode ler mais sobre essas formas de tratamento nesta seção.

Tratamento com medicamentos


Se você sofre de depressão, a quantidade de substâncias sinalizadoras
(neurotransmissores) está reduzida em seu cérebro. As substâncias sinalizadoras de
maior importância são:

 serotonina
 noradrenalina
 dopamina

Quando tratamos a depressão com antidepressivos, a quantidade de substâncias


sinalizadoras no cérebro é aumentada e isso faz seu humor ficar normal.
Durante os últimos 40 anos houve um rápido desenvolvimento no tratamento
medicamentoso da depressão. Muitos tipos de antidepressivos têm sido desenvolvidos,
os quais são todos efetivos. Se você toma o medicamento corretamente, você pode
quase sempre melhorar sua condição em um período de tempo relativamente curto.

A maioria das pessoas é tratada por seus clínicos gerais


O tratamento de depressão era previamente uma tarefa para especialistas. Hoje em dia
a maioria das pessoas com depressão está se tratando com seus próprios Médicos
Clínicos Gerais porque agora temos diferentes tipos de novos antidepressivos. O
comum a todos eles é que

 São eficazes contra a depressão


 São eficazes após um período relativamente curto
 Geralmente tem poucos eventos adversos ou estes são de curta duração.
 Não causam dependência
 Não são tóxicos mesmo se ingerida uma overdose
 Não requerem que você faça exames regulares como exames de sangue e etc.

O tratamento com antidepressivos deve sempre estar associado a conversas regulares


com seu médico. Durante essas conversas o médico irá lhe dar informações detalhadas
sobre a doença e sobre as vantagens e desvantagens (efeitos adversos) que o tratamento
pode ocasionar.

Siga os conselhos do médico


O objetivo do tratamento de depressão é remover seus sintomas, da mesma forma em
que a insulina remove os sintomas do diabetes. A coisa mais importante para um
tratamento com antidepressivo funcionar é que você tome seus medicamentos como
prescrito pelo seu médico. É uma idéia muito ruim reduzir a quantidade de
medicamento que você toma ou não tomar seu medicamento todos os dias. Na verdade
existem muitas pessoas que tomam menos medicamentos do que deveriam.

Nós gostaríamos de agir contra essa tendência. Fazemos isso para informar você sobre o
propósito desse tratamento, seus efeitos e condições adversas que podem ocorrer.
Quando você está bem informado, você saberá o quanto importante é tomar seus
medicamentos de acordo com o que seu médico ou psiquiatra tenha prescrito.

Exames
Todos que recebem tratamento médico têm que ir ao médico para realizar exames. É
importante para monitorar precisamente como o tratamento está funcionando e quando
você se sentirá bem novamente. Na maioria dos casos, não há problemas associados a
esse tratamento. Você se sentirá bem novamente com o medicamento recomendado pelo
seu médico. De duas a três semanas passarão antes de você começar a notar os efeitos
do medicamento. No entanto é muito comum sentir nada até quatro a seis semanas de
tratamento.
Em casos raros o medicamento e a dose que seu médico prescreve não funcionam
efetivamente. Por sorte, seu médico ou psiquiatra tem muitas possibilidades de melhorar
seu tratamento escolhendo:

 Apontar o quanto é importante lembrar de tomar o medicamento corretamente


 Continuar seu tratamento por um pouco mais sem fazer nenhuma mudança nele
 Dar uma dose maior do mesmo medicamento
 Mudar para outro antidepressivo
 Combinar antidepressivos com outras formas de medicamento
 Combinar antidepressivos e psicoterapia
 Combinar antidepressivos e ECT

Exames de sangue
Se você está tomando um dos novos antidepressivos (ISRS), não é necessário monitorar
o tratamento com exames de sangue. Mas se você toma ADT (antidepressivos
tricíclicos) a quantidade de ADT no sangue tem que ser medida. Isso é feito através de
exames de sangue oito dias depois de ter começado o seu tratamento. O exame de
sangue deve ser colhido 12 horas depois de tomar sua última dose e esta será ajustada de
acordo com os resultados do exame de sangue. A quantidade de ADT no sangue deve
ser checada regularmente durante o seu tratamento.

Fases do tratamento
Você precisa estar alerta sobre o fato de que sua depressão pode recorrer se seu
tratamento for interrompido muito cedo. Então dividimos o tratamento de depressão em
três fases:

 Tratamento agudo
 Tratamento de manutenção
 Tratamento preventivo

Tratamento agudo
O período do início do seu tratamento até que os sintomas de depressão desapareçam é
chamado de tratamento agudo. Depois do tratamento agudo você se sentirá
completamente bem. O tratamento agudo geralmente leva de um a dois meses.

É importante lembrar que os sintomas desaparecem gradualmente em algumas semanas.


Nós advertimos fortemente que não interrompa seu tratamento apenas pelo fato de não
estar mais sentindo nenhum efeito após uma semana. Tenha muita paciência - isso é o
melhor para você.
Sua família geralmente notará o efeito do seu tratamento antes que você mesmo
perceba. Então você deve ouvi-los.

De 4-6 semanas de tratamento, o efeito estará no máximo e nesse momento você


definitivamente poderá dizer que está se sentindo melhor.

Tratamento de manutenção
Depois de um bom tratamento agudo você se sentirá completamente bem. Seu humor,
energia e interesse nas pessoas ao seu redor terão voltado. Você será capaz de retomar o
trabalho e outras atividades. Você poderá viver sua vida do jeito que costumava antes da
depressão.

É muito importante que você não tenha uma recaída, como, por exemplo, que a
depressão ocorra novamente. A melhor maneira de evitar que isso aconteça é continuar
seu tratamento com antidepressivos, tomando a mesma dose do tratamento agudo.

Continue tomando seu medicamento


Depressão é uma doença séria e difícil, e não desaparece sozinha depois de uma
semana. Se você não recebe tratamento para sua depressão, ela irá durar de 6 a 12
meses. Isso é um longo tempo ruim e causa grande sofrimento.

Nós não temos como repetir isso o suficiente. Se você parar de tomar seu medicamento
durante esse período, corre o risco de ter depressão de novo.

Portanto nós aconselhamos você a continuar com seu tratamento e não modificar a
dosagem até que a depressão tenha cessado por sua própria conta, por exemplo,
aproximadamente um ano depois de seus sintomas terem desaparecido.

Se o seu tratamento precisar ser interrompido depois de um ano, recomendamos então


que você reduza gradualmente os antidepressivos de um a dois meses. Uma interrupção
abrupta de antidepressivos pode infelizmente causar uma recaída. E você
definitivamente não deve correr nenhum risco quando se trata de algo tão importante em
sua vida!

Tratamento preventivo
Depois do tratamento de manutenção você e seu médico devem decidir se precisam ou
não continuar com o tratamento preventivo.

Se você já teve uma depressão, o risco de desenvolver uma nova depressão em uma fase
posterior é de aproximadamente 50%. Neste caso seu tratamento preventivo deve durar
um ano. Se você teve de três a quatro depressões, infelizmente o risco de desenvolver
uma nova é muito grande (90%). O seu tratamento preventivo deve durar no mínimo 5
anos e em casos graves, para o resto de sua vida.

Seu tratamento deve ser idêntico, em termos de tipos de medicamentos e de dosagem,


àquele que for mais efetivo em seu tratamento agudo. Durante o tratamento preventivo
você pode levar uma vida normal e cuidar de sua família, continuar seus estudos e
trabalho.

Pode ser permanente


O objetivo do tratamento de prevenção é o de evitar novos episódios de depressão. Se
você teve uma série de depressões, o tratamento preventivo é especialmente importante,
como mais depressões podem surgir, é mais fácil que uma nova se desenvolva.

O tratamento preventivo é longo, e em alguns casos é para a vida toda. Você pode até
considerar isso como uma coisa negativa, mas pense apenas sobre o que você ganhará
com o tratamento: você poderá evitar o desenvolvimento de outra depressão para
sempre.

Tipos de medicação
Existem dois grupos principais de antidepressivos, um formado por medicamentos mais
modernos (principalmente os ISRS e as medicações de dupla-ação) e outro formado
pelos medicamentos mais antigos, os antidepressivos tricíclicos (ADT) e os inibidores
da monoaminoxidase (IMAO).

ISRS
A classe de antidepressivo mais usada na atualidade é a dos ISRS (uma abreviação para
Inibidor Seletivo da Recaptação de Serotonina). Esses medicamentos aumentam o efeito
da substância de sinalização serotonina no cérebro, e são efetivos no tratamento da
depressão.

Alguns dos ISRS disponíveis no mercado Brasileiro são: Prozac® (fluoxetina),


Cipramil® (citalopram), Lexapro® (escitalopram), Zoloft® (sertralina), Aropax®
(paroxetina) e Luvox® (fluvoxamina). Com esses tipos de medicamentos você evita
problemas se precisar tomar outro tipo de medicamento simultaneamente.

Medicações de dupla ação


Outro tipo de medicamento que é muito usado é a medicação de dupla ação.
Medicações de dupla ação aumentam o efeito das substâncias de sinalização serotonina
e noradrenalina no cérebro. Alguns dos medicamentos de dupla-ação disponíveis no
mercado Brasileiro são: Efexor® XR (venlafaxina), Cymbalta® (duloxetina) e Pristiq®
(desvenlafaxina).

Os efeitos adversos dos ISRS e das medicações de dupla ação


Essa é uma lista de efeitos adversos que podem surgir no tratamento com ISRS ou com
medicações de dupla-ação. Os efeitos adversos podem variar dependendo da medicação,
então pergunte ao seu médico sobre os efeitos adversos conhecidos da medicação que
você está recebendo. Os efeitos podem ser

 agitação
 dificuldade para dormir
 boca seca
 náusea e vômito
 dor de cabeça
 constipação
 tendência a suar
 problemas sexuais (falta de desejo, ejaculação retardada/ausente)
 aumento de peso
 pressão sanguínea alta
 alterações no balanço de sódio do corpo

ADT
Os ADT (antidepressivos tricíclicos) aumentam as substâncias sinalizadoras serotonina
e noradrenalina no cérebro e também bloqueiam diferentes receptores no sistema
nervoso central. Portanto eles têm um efeito ligeiramente diferente dos ISRS e também
tem um pouco mais de efeitos adversos. Esse grupo compreende, principalmente:
Tryptanol® (amitriptilina), Pamelor® (nortriptilina), Anafranil® (clomipramina) e
Tofranil® (imipramina).

Efeitos adversos do ADT

Os efeitos adversos que podem ocorrer no tratamento com ADT podem ser

 boca seca
 constipação
 sudorese
 problemas de visão para focar a uma distância pequena (especialmente na
juventude)
 disúria (especialmente em homens idosos com próstata aumentada)
 tontura (especialmente ao levantar-se de uma posição sentada ou deitada)
 aumento de peso
 tremor leve nas mãos
 efeitos no ritmo do coração (especialmente com doses muito altas)

Pessoas muito idosas ou frágeis, pessoas com baixa oxigenação do coração e pessoas
com sérios distúrbios de batimentos cardíacos devem evitar o tratamento com ADT.

IMAO
Um tipo de medicação que é usada apenas muito raramente são os IMAO (inibidores da
monoaminoxidase).
O Parnate® (tranilcipromina) é a medicação mais antiga, que deve ser usada apenas
após orientações de um especialista (psiquiatra), devido à possibilidade de efeitos
adversos muito sérios durante o tratamento. O Auroxix® (moclobemida) não está
associado a efeitos adversos tão sérios como os do tratamento com o Parnate®, porém
não aprece ser tão eficaz e não é muito usado no Brasil.

Outros antidepressivos

Existem outras classes de antidepressivos que são usados como tratamento isolado
(monoterapia) da depressão ou em associação a um ISRS ou a um medicamento de
dupla-ação, para potencializar o tratamento. Alguns comumente usados no Brasil são:
Remeron® (mirtazapina), Wellbutrin® (bupropiona), Donaren® (trazodona) e
Valdoxan® (agomelatina).

Psicoterapia
Psicoterapia é uma designação do tratamento psicológico e existem várias áreas
terapêuticas e muitos métodos. O método mais embasado cientificamente é a terapia
cognitiva. Ela trata do modo como as pessoas pensam. A psicoterapia é baseada em um
modelo teórico, em observações clínicas e em igual cooperação entre paciente e
terapeuta.

Se você é depressivo, você sabe muito sobre como é ser depressivo. O terapeuta por
outro lado, sabe muito sobre a reação das pessoas e como as mudanças podem
acontecer.

O psicoterapeuta se especializa nas seguintes áreas:

 Terapia cognitiva comportamental


 Teoria psicodinâmica
 Terapia sistêmica
 Terapia existencial humanista

Terapia cognitiva comportamental


O objetivo da terapia cognitiva comportamental é o de

 Criar boas alianças entre você e sua terapia


 Fazer uma avaliação aprofundada do seu problema.
 Encontrar objetivos reais para o tratamento
 Mudar o comportamento
 Mudar os pensamentos
 Mudar os sentimentos
 Ajudar a atingir as mudanças necessárias
Se você está sofrendo de depressão, o terapeuta irá ensina-lo a:

 Usar métodos que reduzirão a ansiedade


 Usar métodos que irão melhorar sua atividade e humor
 Construir sua habilidade social
 Construir sua auto-estima
 Regular seus sentimentos
 Resolver os problemas

Existem métodos diferentes que podem corresponder a diferentes problemas e


condições mentais. A quantidade de terapia necessária depende do indivíduo. Mas em
média o processo de terapia é de 12-20 sessões se você estiver sofrendo de depressão
moderada.

Terapia psicodinâmica

O tratamento é baseado na teoria de Freud sobre estágios psico sexuais, conflitos


inconscientes e mecanismos de defesa. Em conversas de apoio, onde os terapeutas
simpaticamente ouvem, a ênfase é em quais estratégias "a autoconsciência" (o ego) usa
para se defender da ansiedade.

O terapeuta coloca a ênfase na percepção. Portanto seu terapeuta usa métodos como
desvendar e interpretar, livres associações e interpretação de sonhos. O tratamento
geralmente dura alguns anos e de um ponto de vista científico seus efeitos foram
documentados como sendo limitados.

Terapia sistêmica
O tratamento tem como ponto de início o seu envolvimento e relações com as outras
pessoas. O terapêuta geralmente trabalha junto com sua família. Que deve ser dito – a
quem e quando? Na terapia sistêmica, você aprende como pode mudar a comunicação
inapropriada e problemas de relação com os outros.

A terapia sistêmica também é adequada para trabalhar com as relações e a comunicação


em organizações. O tratamento varia na duração e consiste em conversas de
esclarecimento e aconselhamento. Não existem muitas pesquisas sendo feitas nessa
área.

Terapia existencial humanista


A maior parte das escolas de psicoterapia tem conhecimento e usa as idéias de grandes
humanistas. Na terapia existencial humanista, a terapia é focada no que é significante
para você e em seu jeito único de olhar para você mesmo e para o mundo.

A terapia funciona com os aspectos imprevisíveis e transitórios da sua vida. O


tratamento consiste em conversas de apoio, dramatizações, psicodrama etc. É difícil
fazer alguma pesquisa sobre essa forma de psicoterapia, pois os objetivos não são
tangíveis nem específicos e, portanto, não sabemos exatamente seu efeito.
Terapia cognitiva para depressão
Hoje existe um grande consenso sobre a terapia cognitiva ser a forma de tratamento
psicológico mais eficaz para depressão. A terapia cognitiva é superior se comparada a
outras terapias quando utilizada para tratar de sintomas agudos da depressão e de
prevenção de recaídas.

Terapia cognitiva para o tratamento de depressão pode focar em:

 Mudança no processo negativo e destrutivo de pensar


 Mudança de comportamento inapropriado, o que agrava o problema
 Amenizar as experiências traumáticas e reduzir a dor psicológica
 Desencadeamento e resolução dos problemas
 Construção da auto-estima e das habilidades sociais
 Desenvolvimento da comunicação
 Fornecer ajuda a pensamentos suicidas e ameaças de suicídio.
 Reduzir a probabilidade de recaídas

Um dos aspectos mais difíceis da depressão é ficar tão para baixo e ansioso que você
não consegue achar nenhuma saída! Você se sente sem saída e talvez pense que não
possa mais suportar a vida. Você não consegue mais enxergar nenhuma possibilidade de
melhora. Esses são todos os sintomas.

A depressão precisa ser tratada o mais rápido possível. O melhor tratamento é a


combinação de antidepressivos e psicoterapia (terapia cognitiva comportamental). Para
que o medicamento aumente sua motivação, energia, apetite e nível de concentração
assim como ajudar você a se afastar dos pensamentos negativos. Você pode se
beneficiar mais com o tratamento psicoterapêutico.

Com o tratamento cognitivo você irá aprender a analisar a conexão entre pensamentos,
sentimentos e comportamentos e as reações físicas do corpo.

Quando você consegue analisar a ligação entre esses itens, você achará mais fácil
relacionar de forma realista o que está acontecendo com você. Também se tornará mais
fácil para você reagir bem em uma situação crítica.

Vantagens do tratamento cognitivo


A melhor coisa sobre tratamento cognitivo é que você pode aprender alguma coisa, a
qual você poderá usar durante sua vida. Você aprenderá:

 Princípios da resolução de problemas


 A distinção entre sintomas e eventos reais
 A lidar com as dificuldades da vida
 A controlar episódios de mau humor e humor depressivo.
 A controlar os sentimentos
 A melhorar suas habilidades

A depressão de quatro pessoas


É importante que você descubra sua depressão o mais cedo possível. Também é muito
importante que você comece seu tratamento o mais cedo possível. Isso pode ser útil para
conseguir uma visão dos outros tratamentos e, portanto, nós apresentamos aqui quatro
pessoas diferentes com depressão.

Jens
Jens se aposentou. Ele não conseguia entender porque se sentia tão cansado, já que ele
não precisava mais trabalhar todos os dias. Seis meses antes Jens perdeu sua esposa,
com quem foi casado por 28 anos. Ela morreu de câncer. Jens encontrou dificuldades
em seguir com sua vida. Ele pensa constantemente: “Eu odeio envelhecer. Me sinto
muito mal. Ninguém mais precisa de mim”. Jeans não sabia que esses eram sintomas de
depressão. Ele só descobriu isso quando seu médico fez o diagnóstico. O médico
também teve certeza de que ele iniciaria o tratamento.

Louise
Louise foi relatada como doente. Ele não ousava ir trabalhar. Quando Louise estava no
trabalho, ela se sentia inadequada e desnecessária. Ela sentia que não podia fazer mais
nada. Apenas em pensar em resolver uma tarefa já dava nela um ataque de pânico.
Depois de um longo período de tempo, Louise começou a pensar em suicídio. Tudo
para ela era muito doloroso. Ela sempre pensava: “Está tudo perdido. Eu sou um
fracasso. Isso nunca irá melhorar”.

Erik
Erik havia lutado contra seu vício por álcool durante muitos anos. Ele tentou consertar
sua baixa auto-estima com o álcool. O álcool diminuía o medo de “não ser bom o
bastante”. Quando Erick bebia, ele se sentia mais forte. Ele sentia que tinha mais
controle sobre as coisas. Mas quando ele ficava sóbrio, sentia-se culpado. Ele ficava
ansioso e sua auto-estima ficou muito baixa.

Erik mudou de emprego em uma idade relativamente avançada. No novo emprego, ele
sentia medo de ser pego cometendo algum erro. Ele constantemente acreditava que seu
chefe iria despedi-lo. Ele também acreditava que seus colegas estavam procurando erros
cometidos por ele. Ele acreditava que seus colegas usariam seus erros contra ele. Ele
sempre pensava:

 “Eu não devo cometer nenhum erro".


 “Eu tenho que ser perfeito”.
 “Eles não devem descobrir como eu sou ruim em tudo."

Vera
Vera luta contra a ansiedade. Ela sempre lutou a vida toda. Quando criança seu padrasto
abusava sexualmente dela. Vera também já passou por dois casamentos onde ela foi
abusada e machucada por maridos violentos e alcoólatras. Vera ficou mais depressiva
e começou a se isolar.

Um dia no supermercado, ela ficou atormentada com ansiedade. Ela começou a suar e a
sentir dores no coração. Então ela foi levada ao Departamento Médico. Ela acreditava
que tinha um problema no coração e que estava para morrer. Mas o médico disse a ela
que não estava morrendo. Depois da experiência do supermercado, Vera não ousava sair
na rua. Ela sempre pensava: “Eu vou morrer, existe alguma coisa errada com meu
coração".

A depressão é descoberta tardiamente.


O comum entre Jens, Louise, Erik e Vera é que eles descobriram a depressão
tardiamente. Por um longo tempo eles se sentiram “inadequados” e não “bons o
bastante”. Estavam com estado de espírito para baixo e muito preocupados. Eles
também ficavam ansiosos com facilidade. A maneira que eles expressavam seus
sentimentos refletia o mais grave sintoma psicológico de depressão. Eles também
tinham sintomas físicos como cansaço, lentidão e dor.

Com ajuda profissional, isso tudo ocorria com eles porque sofriam de depressão. Mas
eles achavam difícil de acreditar que poderiam ser tratados e que esses sentimentos
poderiam terminar.

Eles aprenderam sobre seus pensamentos e sentimentos através da terapia cognitiva.

Eletrochoque
O tratamento mais comum para depressão é realizado com medicamentos
antidepressivos e psicoterapia, mas existem outras formas de tratamento. Uma delas é a
eletroconvulsoterapia ou terapia eletroconvulsiva (TEC), que também é chamada de
eletrochoque.

Apesar dos rumores, a TEC é um tratamento eficaz, rápido e suave para a depressão.
Falar em “eletrochoque” pode soar como um tratamento antiquado e perigoso, mas a
verdade é que a TEC é um tratamento seguro. A TEC é o tratamento mais rápido e mais
eficaz para depressão. O tratamento pode ser usado tanto por idosos quanto em pessoas
que sofrem de doenças do coração ou em pessoas frágeis, até mesmo em mulheres
grávidas.

Anestesia

Você é totalmente anestesiado e então lhe aplicam uma injeção que relaxa os músculos.
Depois provocam uma convulsão através de um choque elétrico fraco nas regiões
temporais ou na região temporal direita e parte superior da cabeça.

EMT (rTMS)
Por sorte, constantemente novas descobertas no tratamento da depressão estão sendo
feitas. Uma dessas descobertas é a chamada Estimulação Magnética Transcraniana
(EMT), que é um tratamento novo e promissor. Nós esperamos que a EMT possa ser
suplementar no tratamento de depressão mas no entanto ainda está em fase de pesquisa.

O método tem certas similaridades à TEC, mas ao contrário da TEC ele não induz uma
convulsão. Além disso, o tratamento é realizado sem anestesia. Talvez a EMT possa
substituir parcialmente a TEC no futuro, mas ainda não é seguro afirmar isso.

O tratamento é realizado colocando um imã na cabeça sob a região temporal nos lados
direito e esquerdo. Quando mandamos a corrente através de uma bobina bidirecional,
uma pulsação cria um campo magnético. Isso provoca uma corrente elétrica localizada
no cérebro, sob a bobina, que ativa as células cerebrais.

Interesses relacionados