Você está na página 1de 10

29/05/2014

Desempenho Operacional
 Desempenho operacional

 É um complexo conjunto de informações que definem,

em termos quali-quantitativos, os atributos da


Prof. Dr. Marcelo Romero Ramos da Silva
maquinaria agrícola quando executam operações sob
determinadas condições de trabalho.

1 2

 Podem ser agrupadas da seguinte forma:

 Características operacionais: Capacidade Operacional (CO)


 Abrange dados relativos à qualidade e à quantidade de trabalho
 Designa-se por capacidade operacional de máquinas e
desenvolvido pela maquina, sob determinadas condições de
implementos agrícolas,
trabalho;
 A quantidade de trabalho que são capazes de executar
 Características dinâmicas:
na unidade de tempo.
 Abrange dados de potência requerida para acionamento e de
velocidade de trabalho da maquina, sob determinadas condições de A capacidade operacional de máquinas e implementos
trabalho; agrícolas pode ser expressa pela relação:
 Características de manejo:

 Focaliza os aspectos relacionados com as regulagens, a manutenção,


as reparações, a estabilidade etc. 3

1
29/05/2014

 Tipos de Capacidade Operacional.


Capacidade Operacional (CO)

Quantidade de trabalho que a maquinaria é capaz de executar na  a)De acordo com o tipo de operação
 - Capacidade de Campo - ( Cc)
unidade de tempo.
 - Capacidade de Produção - (Cp)
 - Capacidade de Manipulação - (Cm)
QTE
CO  (equação 1)
T  b) De acordo com as dimensões dos órgãos ativos
 - Capacidade Teórica - (CT)

QTE = Quantidade de trabalho Executado na "produção“


T = Unidade de Tempo  c) De acordo com o tempo considerado
 - Capacidade Efetiva - (CE)
 - Capacidade Operacional - (CO)

5 6

Capacidade de Campo – Cc Capacidade de Campo Teórica – CcT


Aplicada na máquina e implementos que devem desloca-ser no Obtida a partir de dados relativos às dimensões dos órgãos ativos da
campo, cobrindo determinada área. máquina (largura de corte e velocidade de deslocamento).
(equação 3)

(ha h-1) (equação 2)


AT
Cc  CcT = L x V (m2/s -1, m2/mim-1, ha/h-1, ha/dia-1, etc)
T
AT: área trabalhada
T: unidade de tempo CcT = Capacidade de Campo Teórica
L = Largura de Corte
A Cc pode ser expressa em alqueires/dia, ha/dia, ha/minuto, m2/s, V = Velocidade de deslocamento
etc., dependendo das unidades adotadas para área e tempo.
7 8

2
29/05/2014

 A largura de corte é medida na projeção, sobre um plano


perpendicular à direção de deslocamento, da região abrangida pelo
conjunto dos órgãos ativos.
 No caso de um arado, a projeção dos bordos dos discos determina
Capacidade de campo efetiva – CcE
sua largura de corte, conforme ilustra a figura.
Capacidade demonstrada pela máquina no campo.

Representa a capacidade básica da máquina, isto é,


 A capacidade medida no campo durante certo intervalo de tempo:

AT (ha h-1, ha dia-1, m2 mim-1, etc) (equação 4)


CcE
Tp

Onde: CcE = Capacidade de campo efetiva

AT = Área trabalhada na “produção”

Tp = Tempo de Produção (cronometrado)

9 10

 O tempo máquina (TM) inclui três parcelas, que são:


Capacidade de campo operacional – CcO  TPe: tempo de preparação,
Inclui os efeitos de fatores de ordem operacional, como interrupções para  É consumido no preparo da máquina para entrar em operação e, após o trabalho,
reparos na máquina (TPe), interrupções pelos operadores (TI), requeridos deixa-la em condições, de ser armazenada no galpão.

pelo próprio trabalho da máquina, quando em operação no campo.


 TI: tempo de interrupção,
 Refere-se ao tempo gasto em interrupções decorrentes do próprio trabalho da
máquina no campo (giros em cabeceiras, desembuchamento, ajuste em operação,
AT (ha/h-1, ha/dia-1, m2/mim) (equação 5) reabastecimento e descarga de produtos, etc).
CcO 
TM
 TPr: tempo de produção,
CcO = Capacidade de campo operacional  Representa o tempo consumido exclusivamente em trabalho produtivo.
AT = Área trabalhada na “produção”
TM = Tempo máquina (Tpe + TI + TPr)
Portanto,

11 TM = TPe + TI + TPr 12

3
29/05/2014

Capacidade de produção – Cp
Aplicada a máquinas móveis ou estacionárias, cujo trabalho produtivo
(“produção”) é medido em peso ou volume do produto que sofreu ação dos
órgãos ativos.

PouV
Cp  (kg h-1, kg dia-1, t dia-1) (equação 6)
T

Cp = Capacidade de produção
P ou V = Peso ou Volume de Produto que sai da máquina (trabalhados
pelos órgãos ativos).
T = Unidade de Tempo

13 14

Capacidade de manipulação – CM

Aplicações semelhantes à Cp, porém é usada de forma mais específica, para


máquinas destinadas a separar materiais ou modificar o estado do produto
agrícola (beneficiadores, classificadores, secadores).

PouV (equação 7)
CM  (kg h-1, t h-1 , etc
etc))
T

CM = Capacidade de manipulação

P ou V = Peso ou volume que entra na máquina

T = Unidade de tempo

15 16

4
29/05/2014

Capacidade de Manipulação
Máquinas que processam produtos
Colhedoras de Cereais

CM = CE . P
 Capacidade de manipulação:

CM = 3,78 ha/h x 3000 Kg/ha


CM = 11.340 kg.h-1

CM = 11.340 kg.h-1/60 = 189 sacas h-1


17

Rendimento Operacional
Rendimento de Campo Efetivo – RcE
Rendimento de Campo Teórico – RcT
Perdas devidas aos tempos consumidos em preparo da máquina e de
Estima perdas devidas ao não-aproveitamento integral das interrupções no trabalho.
dimensões da largura de corte da máquina (ou órgão ativos) Reflete as condições de aproveitamento do tempo disponível.

CcE CcO
RcT  x100 (%) (equação 8) RcE  x100(%) (esquação 9)
CcT CcE

Onde: RcT = Rendimento de Campo Teórico


RcE = Rendimento de Campo Efetivo
CcE = Capacidade de Campo Efetiva
CcO = Capacidade de Campo Operacional
CcT = Capacidade de Campo Teórico CcE = Capacidade de Campo Efetiva

19 20

5
29/05/2014

 O rendimento operacional, ou “eficiência de campo” é


 O rendimento de campo é um indicativo das perdas devidas aos
designado pela relação entre capacidade operacionais da
tempos mortos.
mesma natureza.

 Quanto maior for o rendimento de campo, melhor está sendo


 Entre os diversos rendimento o mais importante é o rendimento
aproveitada a capacidade de maquinaria. de campo efetivo ou também denominado de rendimento de
campo (Rc) que é calculado pela equação:
 Para as diversas operações agrícolas,
 São adotados rendimento de campo médios baseados em dados
obtidos em medições feitas em várias regiões, em função do
equipamento utilizado e para propriedades de tamanho regular.

A eficiência depende de: Como se determina a eficiência ?


 Habilidade do operador; A. CT = velocidade x largura de trabalho
 Formato da área;

 Métodos de trabalhos; B. A capacidade efetiva e a eficiência podem ser obtidos por:


 Tempos perdidos 1. Estudo de tempos e movimentos: valores obtidos em
 (manobra, descanso do condições de campo, média de três repetições para cada
operador, reposição de operação agrícola
insumos, descarregamento,
2. Tabelas com valores médios: encontradas na literatura.
outros)

23 24

6
29/05/2014

Eficácia de descascamento (E%)


Eficácia Operacional
Relação percentual entre quantidade de sementes contidas no produto
Permite avaliar a habilidade com que as máquinas in natura (Sn) e quantidade de sementes intactas (Sb), recolhidas na
bica de produto beneficiado.
executam as operações agrícolas.
Mede a qualidade das operações.
Sb (esquação 10)
E%  x100 (%)
Sn
Exemplo de uma máquina descascadora:

 (E%): relação percentual entre a quantidade de sementes contidas no produto


A eficácia operacional pode ser expressa através dos
in natura.
seguintes parâmetros:  SN: e a quantidade de sementes intactas.

 SB: recolhidas na bica de produto beneficiado da máquina descascadora.

27

7
29/05/2014

Retorno (R%)
Quebra (Q%)
Relação percentual entre quantidade de produto que sai na bica
(recolhimento) sem ser beneficiado (Fb) e quantidade de produto in Relação percentual entre quantidade sementes quebradas
natura (Fn).
no beneficiamento (Sq) e quantidade de sementes intactas

Fb contidas no produto in natura (Sn).


R%  x100(%) (esquação 11)
Fn
Sq
Q%  x100 (%) (esquação 12)
 ( R% ): relação percentual entre a quantidade de cocos. Sn
 Fb: apesar de terem passado pelo mecanismo descascador, não foram
descascados,
 Fn: quantidade total de cocos, contida no produto in natura que penetra na

máquina:

ARADO

31

8
29/05/2014

Eficiência de campo (Ec) Capacidade Operacional


 Exemplo2

 Exemplo1:  Certo agricultor dispõe de um trator de 61 cv e um

 Se uma semeadora-adubadora plantou 5 ha de milho em arado de 3 discos de 26 polegadas. Se trabalhar a uma


4 horas. E considerando que esta máquina de semeadura velocidade de 5,4 km/h, durante 10 dias, uma jornada
desenvolveu uma velocidade de trabalho de 5 km/h e diária de 10 horas, que área poderá ser arada?
largura efetiva de 4 m (4 linhas com espaçamento de 1 m
entre linhas), então qual é a eficiência de campo?

Exemplo 3
Exemplo 4
 Cálculo de capacidade operacional em
aração. 2) Qual a área arada por dia de 8 horas com um conjunto
trator + arado, que se desloca a 4 km/hora, tendo o
1) Qual é a capacidade efetiva de trabalho de um
trator 2 discos com corte de 28 centímetros cada um. A
conjunto trator + arado, que se desloca a 4,5 km/hora,
eficiência é de 85%.
considerando que:
a) Área arada por hora
a) o arado tem 3 discos
b) Área arada por dia 8 horas
b) a largura de corte de cada disco é de 28 centímetros
c) a eficiência é de 80%

35 36

9
29/05/2014

37

10

Você também pode gostar