Você está na página 1de 7

APLICAÇÃO WEBMAPPING PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS

ESTATÍSTICOS DOS BAIRROS DA ZONA CENTRO DE TERESINA, PIAUÍ

Daniel VERAS (1); Adriano OLIVEIRA (2)


(1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI), Praça da Liberdade n 1597, (86) 3215-1106,
(86) 3215-5224, e-mail: danielsveras@gmail.com
(2) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI), e-mail: adrianodcarlos@hotmail.com

RESUMO

O presente trabalho apresentou uma aplicação webmapping para a disponibilização de dados


estatísticos dos bairros da zona centro de Teresina. Foi desenvolvida utilizando o software gratuito
AlovMap, uma das várias soluções WebGIS encontradas hoje no mercado. O trabalho desenvolveu-
se a partir da tarefa de reunir dados e indicadores econômicos, sociais e estruturais dos bairros que
fazem parte da zona centro da cidade de Teresina e disponibilizá-los de forma dinâmica na web. A
partir da criação da aplicação foi possível visualizar de forma rápida e simples, os indicadores dos
bairros econômicos, sociais e estruturais dos bairros e ainda a sua distribuição espacial, permitindo
a visualização dos dados estatísticos de forma georreferenciada para que fenômenos
socioeconômicos possam ser compreendidos de uma forma mais abrangente no espaço geográfico.
Palavras-chave: dados espaciais, WebGIS, Webmapping, Alov, Teresina.

1. INTRODUÇÃO
A grande maioria dos problemas de gestão pública no Brasil depende da distribuição espacial do
fenômeno subjacente (ALMEIDA, C.M., et al., 2007), ou seja, para combater a exclusão social
precisamos saber onde estão e quem são os excluídos, para reduzir a criminalidade precisamos
identificar os padrões e as áreas de ocorrências. Enfim, conhecer nossos territórios é condição
essencial para gerarmos políticas públicas consistentes em temas como: exclusão social,
atendimento da saúde, segurança pública, etc. O acesso remoto a estas informações é uma
perspectiva a mais no gerenciamento dos problemas de gestão pública.
As tecnologias digitais não alteraram apenas a forma de concepção e produção de aplicações
cartográficas, mas também sua distribuição. Até a primeira metade dos anos 90, a mídia discreta era
o meio predominante para a distribuição de produtos cartográficos, a partir daí, a computação
ocupou um espaço cada vez maior na produção e distribuição desses produtos. Hoje a internet é
potencialmente o maior instrumento de disseminação de dados.
O avanço da Tecnologia de Informação (TI) e a disseminação da Internet no cotidiano
possibilitaram o surgimento de sistemas com capacidade de disponibilizar "mapas
inteligentes" em ambiente intranet/Internet. Dessa forma, um usuário, mesmo sem
conhecimentos aprofundados na área de geoprocessamento, pode usufruir desses benefícios
tecnológicos com o uso puro e simples de um navegador de Internet padrão (Transpetro, 2002).
O trabalho ora apresentado tem por objetivo a construção de uma aplicação webmapping para a
disponibilização de dados estatísticos dos bairros da zona centro de Teresina. Os dados serão
disponibilizados na web como forma de permitir o acesso remoto a essas informações pela
população em geral e também por quem lida de alguma forma com o planejamento e organização da
cidade.
2. REFERENCIAL TEÓRICO
Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são sistemas automatizados usados para armazenar,
analisar e manipular dados geográficos, ou seja, dados que representam objetos e fenômenos em
que a localização geográfica é uma característica indispensável (CÂMARA et al., 1996). De acordo
com Miranda e Souza (2002), com o advento da Internet, tem-se procurado enfatizar a face social
do SIG, inserindo-o no contexto da rede.
O conjunto de dados cartográficos disponibilizados na Web, que recebe a denominação de
Webmapping ou WebGIS, provê aos usuários a possibilidade de acesso às informações geográficas
de modo interativo, dinâmico, atualizado e remoto.
A World Wide Web foi desenvolvida em 1989, por Timothy Berners-Lee, tendo inicialmente o
objetivo de possibilitar que equipes internacionais de pesquisadores de física compartilhassem
informações entre si. De acordo com Scrimger et al. (2002), a WWW é um sistema de documentos
em hipermídia que são interligados e executados na Internet. Os documentos podem estar na forma
de vídeos, sons, hipertextos e figuras. Para visualizar a informação, utiliza-se um software chamado
de navegador (browser) para descarregar informações chamadas de documentos ou páginas, de
servidores web e mostrá-los na tela do usuário. O usuário pode então seguir as hiperligações na
página para outros documentos ou mesmo enviar informações de volta para o servidor para interagir
com ele.

2.1. Disponibilização de dados geográficos na web


A disponibilização de dados geográficos na Internet teve início com a publicação de imagens de
mapas em páginas estáticas desenvolvidas em HTML. Apesar de não apresentar interatividade com
o usuário, é possível produzir e manter disponíveis uma grande quantidade de mapas (DAVIS Jr. et
at., 2005). Nesse tipo de aplicação os dados eram visualizados, através de arquivos pré-existentes, e
disponibilizados geralmente em formato matricial (jpg, bmp, gif, tiff, etc). Esses dados eram
simplesmente visualizados ou baixados pelo usuário, para usos diversos.
A disponibilização estática, em formato matricial, não atende de forma eficiente à maioria das
necessidades atuais dos usuários e nem as dos pesquisadores que analisam a informação espacial.
De acordo com Davis Jr. (2005), a tendência atual é a disponibilização de dados geográficos em
formato vetorial em interfaces que apresentem interatividade com o usuário. Nestes tipos de
aplicações, o usuário é capaz de manipular os mapas e temas do seu interesse, obtendo uma melhor
visualização através de ferramentas como: pan (arrasta o mapa pela área de trabalho) zoom
(aumenta ou diminui a visualização de objetos no mapa), cálculo de distâncias, impressão em
diversas escalas, além de acesso, por meio de um clique do mouse, das informações não-espaciais
dos objetos.
O AlovMap é um software gratuito para uso pessoal, educacional e não comercial. De acordo com
Miranda (2002), o ALOV Map é um servidor de mapas que apresenta as seguintes características:
• Permite a publicação, consulta e exploração de informação geográfica nos formatos vetorial
e raster na web;
• É gratuito;
• Permite que sejam visualizadas camadas, legendas, pop-ups e imagens;
• Possui boa interação com o usuário;
• Permite acessos rápidos às informações;
• Acesso à informação via browsers;
• Suporta navegação ilimitada no mapa;
• Dados geográficos e atributos ligando endereços da Internet e banco de dados SQL.
O software é distribuído em duas versões: cliente (applet) e cliente/servidor. O applet é executado
do “lado” do cliente e a manipulação do mapa é feita no próprio computador do usuário onde está
instalado o aplicativo, ao servidor cabe apenas inicialização do aplicativo. Ao ser inicializado, o
aplicativa descarregará todos os mapas, via servidor HTTP (Hypertext Transfer Protocol), para ser
executado pela Java Virtual Machine (JVM) residente no navegador. A versão cliente/servidor por
outro lado, é mais flexível e permite uma maior carga de dados. Otimiza a eficiência do aplicativo
pois utiliza banco de dados estruturados SQL (Structured Query Language) para diminuir o tráfico
na rede. É baseado em servlets Java, e pode ser integrado a qualquer servidor web. (ALOV, 2009).

3. MATERIAL E MÉTODOS
3.1. Área de Estudo
O município de Teresina, capital do estado do Piauí, ocupa uma área de 1.809 Km², localiza-se na
região centro-norte do Estado, área do Médio - Parnaíba, na confluência dos rios Parnaíba e Poti, a
72m acima do nível do mar e 339 Km continente adentro, tem uma população de 801.971 habitantes
(IBGE, 2006).
A região centro de Teresina é caracterizado pelas atividades comerciais, financeiras e de serviços
em geral. Constitui-se de um agrupamento de 23 (vinte e três) bairros (PMT, 2002), com uma
população residente de 122.333 habitantes (IBGE, 2007).

Fig. 01 – Localização do município de Teresina em relação ao Estado do Piauí e ao Brasil. Em destaque a zona urbana
da cidade.
3.2. Disponibilização dos dados na web
Para este trabalho foi utilizado a versão cliente do AlovMap, que é um Applet, escrito em linguagem
Java, para a visualização de dados no formato shapefile. A configuração do aplicativo é efetuado
por meio da criação de dois arquivos: um em HTML (Hypertext Markup Language) e outro em
XML (Extensible Markup Language). O arquivo HTML é responsável pela apresentação gráfica do
site, além de chamar o applet para ser carregado na máquina cliente. Entre os vários parâmetros
destaca-se o pid onde é informado em qual arquivo XML encontra-se a configuração do projeto. O
arquivo XML é onde se define o conteúdo do projeto (identificação, domínio, legendas, mapas
temáticos e planos de informação, etc).
A edição dos cartogramas foi realizada utilizando-se o software ArcGIS 9.3 (ESRI), onde o objetivo
era a geração de mapas temáticos a partir da importação de tabela contendo os dados a serem
trabalhados.
Foram utilizados dados da Prefeitura Municipal de Teresina (PMT) adaptados do Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), censo demográfico de 2000 e contagem da população
de 2007, sendo os temas:
▫ Aspectos Demográficos
ƒ População (2000)
ƒ População (2007)
ƒ Densidade demográfica (2000)
▫ Aspectos Sócio-Econômicos
ƒ Educação
• Número de escolas públicas (2001)
• População alfabetizada (2000)
• População sem instrução - menos de 1 ano de estudo (2000)
ƒ Saúde
• Número de famílias cadastradas no Programa Saúde da Família – PSF (2002)
• Número de crianças menores de 1 ano de idade com a vacinação em dia
(2002)
ƒ Renda
• Renda média mensal dos chefes de família (2000)
▫ Aspectos Estruturais
ƒ Número de praças (2002)
ƒ Domicílios permanentes (2000)
ƒ Domicílios permanentes (2007)
ƒ Número de domicílio com abastecimento de água (2000)
ƒ Número de domicílios com coleta regular de lixo (2000)
ƒ Condição de ocupação do domicílio – próprio (2000)
ƒ Condição de ocupação do domicílio – alugado (2000)
ƒ Condição de ocupação do domicílio – outros (2000)
ƒ Número de domicílios com esgotamento sanitário – rede geral (2000)
ƒ Número de domicílios com esgotamento sanitário – fossa séptica (2000) 
ƒ Número de domicílios com esgotamento sanitário – fossa comum (2000) 

4. RESULTADOS E DISCURSSÕES
Para a apresentação dos dados na web foram criados dois arquivos no formato shapefile, sendo um
contendo as feições de cada objeto (bairro) e outro contendo na tabela de atributos todos os dados
que seriam disponibilizados.
Para a apresentação do aplicativo na internet está sendo desenvolvido uma página na web onde a
aplicação será publicada e sofrerá o acréscimo para que seja disponibilizado informações sobre
todos os bairros da cidade de Teresina.
A página inicial da aplicação apresenta a visualização das feições geográficas da cidade de
Teresina, dividida em bairros (PMT, 2002), bem como a visualização dos bairros que formam a
Região Centro da cidade.

Fig. 02 – Página inicial do aplicativo com o limite urbano da cidade. Em destaque os bairros de Teresina, os bairros da
zona Centro de Teresina e os Rios de Teresina.

Através do menu suspenso de Mapas Temáticos o usuário tem acesso aos diversos produtos
cartográficos. Sendo 20 (vinte) no total segue abaixo um exemplo de cada, dividido por aspectos.
Aspectos Demográficos

Fig. 03 – Apresentação dos dados de População no ano de 2007, destaque (zoom) no agrupamento dos bairros da zona
centro de Teresina.
Aspectos Sócio-Econômicos

Fig. 04 – Apresentação dos dados de Renda mensal Média no ano de 2000, destaque (zoom) no agrupamento dos
bairros da zona centro de Teresina.

Aspectos Estruturais

Fig. 05 – Apresentação dos dados do Número de domicílios com coleta de lixo regular, destaque (zoom) no
agrupamento dos bairros da zona centro de Teresina.

5. CONCLUSÃO
A utilização da internet como forma de disseminação de dados georreferenciados espacialmente na
cidade, conforme desenvolvido neste trabalho, apresentou-se uma forma rápida e eficaz de
apresentar informações importantes para quem lida de alguma forma com o planejamento e
organização da cidade.
Através da disponibilização na web dos dados estatísticos dos bairros da zona centro de Teresina foi
possível analisar a dinâmica espacial dos indicadores sociais, econômicos e estruturais dessa zona
da cidade.
A utilização da versão cliente do AlovMap para implementação da aplicação desenvolvida mostrou-
se satisfatória, sendo possível implementar uma grande variedade de ferramentas de interação do
usuário com o aplicativo de maneira simples, dentre eles: cálculo de distâncias, consulta dos dados
não-espaciais nas tabelas de atributos dos objetos, zoom, pam, etc.
REFERÊNCIAS
ALOV. Documentation. 2002. Disponível em: <http://alov.org/index.html>.Acesso em: 28ago.
2009.

ALMEIDA, C. M. de; CÂMARA, G.; MONTEIRO, A. M. V. (org.) Geoinformação em


urbanismo: cidade real x cidade virtual – São Paulo: Oficina de Textos, 2007.

CÂMARA, G.; CASANOVA, M.A.; HEMERLY, A.S.; MAGALHÃES, G.C.; MEDEIROS,


C.M.B. Sistemas de informações geográficas. In: CÂMARA, G.et al. Anatomia de Sistemas de
informação geográfica. Rio de Janeiro. 1996. p.21-36. Disponível em:
<http://www.dpi.inpe.br/geopro/livros/anatomia.pdf>. Acesso em: 04 mai.2009.

DAVIS Jr., C.A.; SOUZA, L.A.; BORGES, K.A.V. Disseminação de dados geográficos na
Internet. In: CASANOVA, M. et al (eds.). Banco de dados geográficos. 2005. Disponível em:
<http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/bdados/>. Acessado em: 28 jul. 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. População -Contagem


da População 2007. 2007. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/
populacao/contagem2007/default.shtm>. Acessado em: 16 maio 2008.

MEDEIROS, L.C.; OLIVEIRA, L.C.S.; SILVA, M.M.Sistema de disponibilização de


informações geográficas do estado de Goiás na Internet. Goiânia, 2005, Disponível em:
<http://www.sieg.go.gov.br/downloads/SIG_ONLINE.pdf>. Acesso em: 15 maio 2008.
MIRANDA, J.I.; SOUZA, K.X.S. Publicando mapas na web: Uso do ALOV Map. 2002.9f.
Comunicado técnico, Embrapa informática agropecuária, Campinas, nov. 2002.
TRANSPETRO, 2002. GIS: mapas inteligentes na Rede. In: Jornal da Transpetro. Ano I, Nº 4,
abril/2002.

PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA - PMT. Teresina em Bairros. Teresina, 2005.


Disponível em
<http://www.teresina.pi.gov.br/portalpmt/orgao/downloads.php?org_codigo=14&cat_ codigo=69>

SCRIMGER, R.et al.TCP/IP a bíblia. São Paulo: Editora Elsevier, 2002. 642p.