Você está na página 1de 2

ANTINOMIA E CONFLITOS DE NORMAS

ANTINOMIA

DO GREGO ANTI = OPOSIÇÃO + NOMOS = NORMA.

Maria Helena Diniz: antinomia é a presença de suas normas conflitantes, sem que se possa saber
qual delas deverá ser aplicada ao caso singular

Tércio Sampaio Ferraz Jr: a oposição que ocorre enquanto duas normas contraditórias (total ou
parcialmente), emanadas de autoridades competentes num mesmo âmbito normativo que
colocam o sujeito numa posição insustentável pela ausência ou inconsistência de critérios aptos a
permitir-lhe uma saída nos quadros de um ordenamento dado.

CARACTERÍSTICAS DA ANTINOMIA:

 necessário que as normas sejam, efetivamente, jurídicas;

 estejam em vigor;

 sejam integrantes da mesma ordem jurídica;

 devem emanar de autoridade competente num mesmo sistema de referência normativo,


prescrevendo comandos ao mesmo sujeito;

 o conteúdo de cada uma delas deve ser a negação do outro;

CLASSIFICAÇÃO DA ANTINOMIA:

Antinomia aparente: Ocorre quando os critérios empregados para elidi-la partirem de normas
integrantes da ordem jurídica.

Antinomia real: ocorre se não houver, na ordem jurídica, critério normativo para a sua eliminação,
tornando-se inevitável a criação de norma derrogatória.

CAUSA DO SURGIMENTO DA ANTINOMIA:

O positivismo jurídico, com sua disponibilidade espaço-temporal, é adaptável às prováveis


necessidade sociais, razão pela qual há uma profusão de normas sendo criadas cotidianamente.

Esse crescimento normativo, fruto do positivismo, pode provocar um conflito de normas.


Assim sendo, a antinomia jurídica como fenômeno legal moderno surge como algo inerente ao
sistema normativo em que se transformou o direito. É de suma importância caracterizar que
justamente por ser o sistema normativo algo mutável de acordo com as situações fáticas da
sociedade humana, as antinomias aparecem.

FORMAS DE SOLUÇÃO DE ANTINOMIA

1) CRITÉRIO CRONOLÓGICO (LEX POSTERIOR DEROGAT LEGI PRIORI)

Lei posterior prevalece sobre anterior OU Inaplicabilidade da norma anterior incompatível com a
nova norma.

O preceito do presente critério é, justamente, a possibilidade da transmudação das normas


componentes do sistema, passando de velhas e não eficazes, para novas e realmente reguladoras,
no sentido da visão social atual ou pelo menos mais contemporânea.

2) CRITÉRIO HIERÁRQUICO (LEX SUPERIOR DEROGAT LEGI INFERIOR):

Ineficácia da norma inferior.

Ou seja, a norma inferior não pode ir de encontro à norma superior.

O uso deste critério para solução de antinomia remeterá o aplicador ou intérprete ao uso da
norma hierarquicamente superior, quando se tratar de normas de diferentes níveis

3) CRITÉRIO DA ESPECIALIDADE (LEX SPECIALIS DEROGAT LEGI GENERALI)

A norma específica prevalece sobre a norma geral.

A norma é considerada especial, em seu sentido de especificidade, quando possuir todos os


elementos típicos da norma geral e ainda acrescentar outros, tanto de natureza objetiva ou
subjetiva.

Estes elementos acrescidos pela norma especial são denominados, pela doutrina, de
especializantes.