Você está na página 1de 7

POESIA

CONTEMPORÂNEA
• Despoetização
• Dramaticidade agressiva
• Busca pela inovação formal

CARACTERÍSTICAS • Fuga da realidade


GERAIS • Distanciamento da experiência
comum e da língua usual
• Discursividade
• Intertextualidade
RUY BELO 1933-1978
• Crença neorrealista e a hipérbole
surrealista
• Denúncia da opressão social
• Inquietações metafísicas
• Tradição lírica portuguesa
• Criação poética
E TUDO ERA POSSÍVEL
Na minha juventude antes de ter saído
da casa de meus pais disposto a viajar
E tudo se passava numa outra vida
eu conhecia já o rebentar do mar e havia para as coisas sempre uma saída
das páginas dos livros que já tinha lido Quando foi isso? Eu próprio não o sei dizer

Só sei que tinha o poder duma criança


Chegava o mês de maio era tudo florido entre as coisas e mim havia vizinhança
e tudo era possível era só querer
o rolo das manhãs punha-se a circular
e era só ouvir o sonhador falar
da vida como se ela houvesse acontecido http://ensina.rtp.pt/artigo/e-tudo-era-possivel-de-ruy-belo/
Relação com Saramago

“A si mesmo se vê como um ser duplo, o


“pega na caneta, e escreve no livro das Ricardo Reis limpo, barbeado, digno de
entradas, a respeito de si mesmo, o todos os dias, e este outro, também Ricardo
que é necessário para que fique a Reis, mas só de nome, porque não pode ser
saber-se quem diz ser […] nome a mesma pessoa o vagabundo de barba
Ricardo Reis, idade quarenta e oito crescida, roupa amarrotada, camisa como
anos, natural do Porto, estado civil um trapo, chapéu manchado de suor, sapatos
solteiro, profissão médico, última só poeira, um pedindo contas ao outro da
residência Rio de Janeiro, Brasil”(p.19) loucura que foi ter vindo a Fátima sem fé, só
por causa duma irracional esperança. (p.377)
Ano da morte de Ricardo Reis
Ano da morte de Ricardo Reis
Relação com Saramago
Ricardo Reis Pessoano Ricardo Reis Saramaguiano
Preocupado com questões existenciais e básicas
Alheio e indiferente a tudo
do quotidiano
Procura o ideal e a perfeição clássica Atraído pelas imperfeições terrenas
Move-se, num lugar caótico, sem tempo para a
Move-o a contemplação
contemplação
Disciplinado Descuidado
QUESTÃO
• O poema está claramente marcado por um “antes” e um
“agora”. Escreve um texto expositivo, onde explicita a que
momentos da vida do eu correspondem o “antes” e o “agora”;
qual o acontecimento separa os dois momentos; que fontes do
conhecimento estão associadas ao “antes” e explica a utilização
do pretérito imperfeito.