Você está na página 1de 46

Santificação Total

Adam Clarke (1760/62-1832)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

Jun/2018
C597
Clarke, Adam (1760/62-1832)
Santificação total / Adam Clarke
Tradução , adaptação e edição por Silvio Dutra – Rio de
Janeiro, 2018.
46p.; 14,8 x 21cm

1. Teologia. 2. Vida Cristã 2. Graça 3. Fé. 4. Alves,


Silvio Dutra I. Título
CDD 230

2
A palavra "santificar" tem dois significados. 1.
Significa consagrar, separar-se da terra e de uso
comum e dedicar ou dedicar-se a Deus e ao seu
serviço. 2. Significa tornar santo ou puro.

Muitos falam muito, e de fato bem, do que Cristo


fez por nós: mas quão pouco é falado sobre o que ele
deve fazer em nós! E, no entanto, tudo o que ele fez
por nós é em referência ao que ele deve fazer em nós.
Ele encarnou, sofreu, morreu e ressuscitou dos
mortos; ascendeu ao céu, e aparece na presença de
Deus por nós. Estes eram todos atos salvadores,
expiatórios e mediadores para nós; para que ele
possa nos reconciliar com Deus; para que ele pudesse
apagar nosso pecado; para purificar a nossa
consciência das obras mortas; que ele poderia
amarrar o homem forte - tirar a armadura em que ele
confiava, lavar o coração poluído, destruir todo
desejo imundo e abominável, todos os
temperamentos atormentadores e profanos; para
que ele possa fazer do coração seu trono, encher a
alma com sua luz, poder e vida; e, em uma palavra,
"destruir as obras do diabo". Estes são feitos em nós;
sem o qual não podemos ser salvos para a vida
eterna. Mas esses atos feitos em nós são
consequentes dos atos praticados por nós: pois se Ele
não tivesse encarnado, sofrido e morrido em nosso
lugar, não poderíamos receber nem perdão nem
santidade; e se não purificasse nossos corações, não
3
poderíamos entrar no lugar onde tudo é pureza: pois
a visão beatífica é dada somente àqueles que são
purificados de toda injustiça; porque está escrito:
"Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles
verão a Deus". Nada é purificado pela morte; nada na
sepultura; nada no céu. As pedras vivas do templo,
como as que estão em Jerusalém, são talhadas e
cortadas aqui, na igreja militante, para prepará-las
para entrar na composição da igreja triunfante.

Esta perfeição é a restauração do homem ao estado


de santidade do qual ele caiu, criando-o de novo em
Cristo Jesus, e restaurando para ele aquela imagem e
semelhança de Deus que ele perdeu. Um significado
maior do que isso não pode ter; um significado
menor não deve ter. Deus fez o homem nesse grau de
perfeição que agradou à sua infinita sabedoria e
bondade. O pecado desfigurou essa imagem divina;
Jesus veio para restaurá-lo. O pecado não deve
triunfar; e o Redentor da humanidade deve ter sua
glória. Mas se o homem não for perfeitamente salvo
de todo pecado, o pecado triunfa, e Satanás exulta,
porque eles fizeram um mal que Cristo não pode ou
não irá remover. Dizer que ele não pode, seria uma
blasfêmia chocante contra o infinito poder e
dignidade do grande Criador; dizer que não, seria
igualmente contra a infinita benevolência e
santidade de sua natureza. Todo pecado, seja em
poder, culpa ou contaminação, é obra do diabo; e ele,
Jesus, veio para destruir a obra do diabo; e como toda
4
iniquidade é pecado, assim o seu sangue purifica de
todo pecado, porque purifica de toda injustiça.

Muitos distorcem o termo perfeição no cristianismo;


porque eles pensam que o que está implícito nisto é
inconsistente com um estado de provação, e com
sabor de orgulho e presunção; mas devemos prestar
atenção em como cambaleamos qualquer palavra de
Deus; e muito mais como negamos ou desperdiçamos
o significado de qualquer de seus ditos, para que ele
não nos reprove, e seremos encontrados mentirosos
diante dele. Mas pode ser que o termo seja rejeitado
porque não é compreendido. Vamos examinar sua
importação.

A palavra "perfeição", em referência a qualquer


pessoa ou coisa, significa que tal pessoa ou coisa está
completa ou acabada; que não tem nada de
redundante e não está em nada com defeito. E,
portanto, essa observação de um aprendizado civil é
ao mesmo tempo correta e ilustrativa, a saber:
"Contamos como perfeitas aquelas coisas às quais
nada necessário lhes falta para o fim a que foram
instituídas". E ser perfeito muitas vezes significa "ser
irrepreensível e claro "; e, de acordo com a definição
acima de Hooker, pode-se dizer que um homem é
perfeito, quando responde ao fim pelo qual Deus o
fez; e como Deus requer que todo homem o ame de
todo o seu coração, alma, mente e força, e seu
próximo como a si mesmo; então é um homem
5
perfeito aquele que faz isso; pois ele responde ao fim
para o qual Deus o criou; e isso é mais evidente pela
natureza desse amor que enche seu coração: pois,
como o amor é o princípio da obediência, assim
aquele que ama seu Deus com todos os seus poderes,
lhe obedecerá com todos os seus poderes; e aquele
que ama o próximo como a si mesmo não só não lhe
fará dano, mas, pelo contrário, trabalhará para
promover seus melhores interesses. Por que a
doutrina que ordena tal estado de perfeição como
deveria ser temida, ridicularizada ou desprezada, é
uma coisa muito estranha; e a oposição a ela só pode
ser da mente carnal que é inimiga de Deus; “que não
está sujeita à lei de Deus, nem de fato pode ser." E se
eu não tivesse outra prova de que o homem tenha
caído de Deus, sua oposição à santidade cristã seria
para mim suficiente.

Todo o desígnio de Deus era restaurar o homem à sua


imagem e elevá-lo das ruínas de sua queda; em uma
palavra, para torná-lo perfeito; apagar todos os seus
pecados, purificar sua alma e enchê-lo de santidade;
de modo que nenhum temperamento ímpio, desejo
mau ou afeição ou paixão impura se aloje ou tenha
qualquer ser dentro dele; isto e isto é somente
religião verdadeira, ou perfeição cristã; e uma
salvação menor do que esta seria desonrosa para o
sacrifício de Cristo e a operação do Espírito Santo; e
seria indigno da denominação de "cristianismo",
como seria de "santidade ou perfeição". Os que
6
ridicularizam isso são escarnecedores da palavra de
Deus; muitos deles totalmente irreligiosos, sentados
no banco dos desdenhosos. Aqueles que negam,
negam todo o escopo e desígnio da revelação divina e
da missão de Jesus Cristo. E aqueles que pregam a
doutrina oposta são ou antinomianos especulativos,
ou defensores de Baal. Quando Paulo diz que
"adverte todo homem, e ensina todo homem em toda
a sabedoria, a fim de que apresente todo homem
PERFEITO ... em Cristo Jesus, " ele deve dizer
alguma coisa. O que então é isso? Deve significar
"aquela santidade sem a qual ninguém verá o
Senhor". Chame-a com o nome que queiramos, deve
implicar o perdão de toda transgressão e a remoção
de todo o corpo do pecado e da morte; pois isso deve
acontecer antes que possamos ser como ele e vê-lo
como ele é, no esplendor de sua própria glória. Essa
aptidão, então, de aparecer diante de Deus, e
completa preparação para a glória eterna, é o que eu
defendo, oro e recomendo sinceramente a todos os
verdadeiros crentes, sob o nome de perfeição cristã.
Se eu tivesse um nome melhor, um mais enérgico,
um com uma plenitude maior de significado, mais
digno da eficácia do sangue que comprou nossa paz e
purificou de toda injustiça, eu de bom grado adotaria
e usaria. Até mesmo a palavra "perfeição" tem, em
algumas relações, tantas qualificações e abatimentos
que não podem se comportar com aquela salvação
plena e gloriosa recomendada no evangelho, e
comprada e selada pelo sangue da cruz, que eu
7
alegremente deixaria, e empregaria uma palavra
mais positiva e inequívoca em seu significado e mais
digna do mérito da expiação infinita de Cristo e da
energia de seu Espírito todo-poderoso; mas não há
nenhuma em nossa língua; que eu deploro como uma
inconveniência e uma perda. Por que então há tantos,
mesmo entre ministros sinceros e piedosos e pessoas,
que são tão opostas ao termo, e tanto alarmadas com
a profissão? Eu respondo, porque eles acham que
nenhum homem pode ser totalmente salvo do pecado
nesta vida. Eu pergunto: Onde está isto, em palavras
inequívocas, escritas no Novo Testamento? Onde,
nesse livro, é insinuado que o pecado nunca é
totalmente destruído até que a morte ocorra, e a alma
e o corpo estejam separados? Em lugar algum. Na
doutrina papista infundada do purgatório, essa
doutrina, não com consequências mais racionais, é
mantida: essa doutrina permite que, tão inveterado
seja o pecado, não possa ser totalmente destruído
nem mesmo na morte; e que um fogo penal, em um
estado intermediário entre o céu e o inferno, é
necessário para expiar aquilo que o sangue de Cristo
não havia cancelado; e purificar daquilo que a
energia do Todo-Poderoso Espírito não havia
purificado antes da morte. Mesmo os papistas não
podiam ver que um mal moral fosse detido na alma
por sua conexão física com o corpo; e que exigia a
dissolução dessa conexão física antes que o contágio
moral pudesse ser removido. Os protestantes, que
professam e certamente possuem uma fé melhor, são
8
os únicos que mantêm o purgatório no leito de morte;
e quão positivamente eles sustentam a morte como o
libertador completo de toda corrupção, e o
destruidor final do pecado, como se fosse revelado
em todas as páginas da Bíblia! Considerando que,
não há uma passagem no volume sagrado que diz tal
coisa. Se isto fosse verdade, então a morte, longe de
ser o último inimigo, seria o último e melhor amigo,
e o maior de todos os libertadores: pois se os últimos
restos de todos os pecados internos de todos os
crentes são destruídos pela morte, e uma massa
assustadora isso fará, então a morte, que a remove,
deve ser o maior benfeitor da humanidade. A verdade
é que ela não é a causa nem o meio de sua destruição.
É o sangue de Jesus que purifica de toda injustiça.
Supõe-se que o pecado que habita é útil mesmo para
os verdadeiros crentes, porque os humilha e os
mantém baixos em sua própria avaliação. Um
pequeno exame mostrará que isso é contrário ao fato.
É geralmente, se não universalmente permitido, que
o orgulho é a essência do pecado, se não a sua própria
essência; e a raiz de onde toda a obliquidade moral
flui. Como então o orgulho pode nos humilhar? Isso
não é absurdo? Onde há um cristão sincero, seja seu
credo o que possa ser, que não deplore seu coração
orgulhoso, rebelde e não subjugado e seja, como a
causa de toda a sua miséria; a coisa que estraga seus
melhores sacrifícios e impede sua comunhão com
Deus? Quantas vezes essas pessoas dizem ou cantam,
tanto em suas devoções públicas quanto privadas, -
9
"Mas orgulho, aquele pecado ocupado, estraga tudo
que eu executo!" Se não houvesse orgulho, não
haveria pecado; e o coração do qual é expulso tem a
humildade, mansidão e gentileza de Cristo
implantadas em seu lugar. Mas ainda é alegado,
como um fato indubitável, que "um homem é
humilhado sob um sentimento de pecado interior".
Eu concedo que aqueles que veem, sentem e
deploram seu pecado interior são humilhados: mas é
o pecado que humilha? Não. É a graça de Deus, que
mostra e condena o pecado, que nos humilha. Nem o
diabo nem sua obra jamais se mostrarão. O orgulho
funciona frequentemente sob uma máscara densa e,
muitas vezes, assume a roupagem da humildade.
Quão verdadeira é essa palavra, e de quantos é a
língua! "Sou orgulhoso de minha humildade" E, para
esconder seu trabalho, o próprio Satanás é
transformado em um anjo de luz! Parece então que
atribuímos essa humilhação orgulhosa a uma causa
errada. Nós nunca somos humilhados sob um
sentimento de pecado interior até que o Espírito de
Deus o leve para a luz, e nos mostre, não apenas sua
horrível deformidade, mas sua hostilidade a Deus; e
ele manifesta isto, para que ele possa levá-lo embora:
mas uma falsa opinião faz o homem abraçar o
monstro, e contemplar suas correntes com
complacência! Tem sido objetado a esta perfeição,
esta obra perfeita de Deus na alma, que "Quanto
maior o sentido que temos de nossa própria
pecaminosidade, tanto mais Cristo será exaltado na
10
alma: pois, se a coisa fosse possível para um homem
ser purificado de todo pecado nesta vida, ele não
sentiria necessidade de um Salvador, Cristo seria
desvalorizado por ele como não precisando mais de
seu poder salvador". Essa objeção equivoca todo o
estado do caso. Como Cristo é exaltado na visão da
alma? Como é que ele se torna precioso para nós?
Não é de um senso do que ele fez por nós? E o que ele
fez em nós? Algum homem alguma vez amou a Deus
até que sentiu que Deus o amava? Não o "amamos
porque ele nos amou primeiro?" É o nome JESUS. . .
isso é precioso para nós? ou Jesus, o Salvador, nos
salvando de nossos pecados? Toda a nossa confiança
é depositada nele por causa de algum ato salvífico?
ou, por causa de sua operação contínua como o
Salvador? Qualquer efeito pode subsistir sem a sua
causa? A causa não deve continuar a operar para
manter o efeito? Valorizamos uma boa causa mais
pela produção instantânea de um efeito bom e
importante, do que por sua energia contínua,
exercida para manter esse efeito bom e importante?
Todas essas perguntas podem ser respondidas por
uma criança. O que é que purifica a alma e destrói o
pecado? Não é o poder poderoso da graça de Deus? O
que é que mantém a alma limpa? Não é o mesmo
poder que habita em nós? Não mais um efeito
subsiste sem a sua causa, do que uma alma
santificada permanece na santidade sem o
Santificador que habita em nós. Quando Cristo
expulsa o homem de braços fortes, ele tira a
11
armadura em que confiava, estraga seus bens, limpa
e entra na casa, de modo que o coração se torna a
habitação de Deus pelo Espírito. Pode então um
homem subestimar aquele Cristo que não apenas
apagou sua iniquidade, mas limpou sua alma de todo
pecado; e cuja presença e obra poderosa interna
constituem toda a sua santidade e toda a sua
felicidade? Impossível! Jesus nunca foi tão altamente
valorizado, tão intensamente amado, tão
afetuosamente obedecido, como agora. O grande
Salvador não tem sua mais alta glória de seus atos
expiatórios e redentores, mas da manifestação de seu
poder salvador. "Mas as pessoas que professam ter
sido feitas assim são orgulhosas e arrogantes, e toda
a sua conduta diz ao próximo, “Fique aqui, eu sou
mais santo do que tu”." Nenhuma pessoa que age
assim jamais recebeu essa graça. Ele é um hipócrita
ou um autoenganador. Aqueles que o receberam
estão cheios de mansidão, mansidão e
longanimidade: amam a Deus de todo o coração,
amam até os inimigos; amam toda a família humana
e são servos de todos. Eles sabem que não têm nada
além do que receberam. No esplendor da santidade
de Deus, eles se sentem absorvidos. Eles não têm
nem luz, poder, amor nem felicidade, senão de seu
Salvador residente. Sua santidade, embora encha a
alma, ainda é apenas uma gota do oceano infinito. A
chama do seu amor, embora penetre todo o seu ser, é
apenas uma faísca do incompreensível Sol da justiça.
Em um espírito e de uma forma que ninguém além
12
de si pode compreender e sentir plenamente, eles
podem dizer ou cantar: "Eu abomino a mim mesmo
quando vejo Deus, e Deus é tudo em todos." Não tem
sido uma pequena misericórdia para mim que, no
decorrer de minha vida religiosa, eu tenha
encontrado muitas pessoas que professaram que o
sangue de Cristo as salvou de todo pecado, e cuja
profissão foi mantida por uma vida imaculada ; mas
eu nunca conheci um deles que não fosse do espírito
acima descrito. Eles eram homens forte na fé, do
amor mais puro, com as afeições mais santas, as
vidas mais obedientes e as mais úteis na sociedade.
Tenho visto tal andar com Deus por muitos anos; e
como tive o privilégio de observar sua caminhada na
vida, também tive o privilégio de prestar testemunho
quando da morte, quando o sol parecia se tornar
mais e mais brilhante em seu ambiente; e, embora
tenham passado por grande tribulação, descobriram
que suas vestes eram lavadas e tornadas brancas pelo
sangue do Cordeiro. Eles testemunharam
plenamente os grandes efeitos que, nesta vida, fluem
da justificação, adoção e santificação; ou seja,
garantia do amor de Deus, paz de consciência, alegria
no Espírito Santo, aumento da graça e perseverança
na mesma até o fim de suas vidas. Ó Deus! que minha
morte seja como a desses justos! e que meu fim seja
como o deles! Amém. Não vale a pena mencionar
outra objeção que foi iniciada pelos ignorantes, os
sem valor e os ímpios. "As pessoas que professam
isso deixam a Cristo fora de questão; ou pensam que
13
purificaram seus próprios corações ou que
conquistaram sua pretensa perfeição por seus
próprios méritos." Nada pode ser mais falso do que
essa calúnia. Eu sei que as pessoas em cujo credo a
doutrina da "salvação de todo o pecado nesta vida" o
bem é um artigo proeminente. Mas as pessoas
seguram mais conscienciosamente que toda a nossa
salvação, desde a primeira aurora de luz na alma até
a sua entrada no reino da glória, é tudo por e através
de Cristo. Somente ele convence a alma do pecado,
justifica o ímpio, santifica o profano, preserva esse
estado de salvação e traz à bênção eterna. Nenhuma
alma jamais foi ou pode ser salva, senão através de
sua agonia e seu suor sangrento, sua cruz e paixão,
sua morte e sepultamento, sua gloriosa ressurreição
e ascensão, e continuou a intercessão à mão direita
de Deus. em fervoroso apelo a Deus para purificar o
sangue que ele não purificou, como eles gastam na
condenação desta doutrina, cujo estado glorioso da
igreja devemos logo testemunhar! Em vez de compor
com a iniquidade e atormentar suas mentes para
descobrir com quão pouca graça eles podem ser
salvos, eles renunciariam ao diabo e a todas as suas
obras; e determinar-se a nunca descansar até
descobrirem que Ele o feriu sob os pés e que o sangue
de Cristo os limpou de toda injustiça. Por que os
homens não tentarão até onde Deus os salvará? Nem
deixem de orar e acreditar por mais e mais, até que
eles achem que Deus segurou sua mão? Quando eles
acham que sua agonizante fé e oração não recebem
14
mais resposta, então, e não até então, podem concluir
que Deus não será mais gracioso, e que ele não
salvará perfeitamente aqueles que vierem a ele
através de Jesus Cristo. Mas é mais objetável, que até
mesmo o próprio Paulo nega essa doutrina da
perfeição, negando-a em referência a si mesmo: "Não
como se eu já tivesse alcançado, ou já fosse perfeito,
mas eu prossigo para o alvo", Filipenses 3. 12. A
interpretação que fazem deste texto está errada: o
apóstolo não está falando de sua restauração à
imagem de Deus; mas para completar seu curso
ministerial e receber a coroa do martírio; como
demonstrei em minhas anotações sobre esse lugar, e
ao qual devo implorar para encaminhar o leitor. Há
outro ponto que foi produzido, pelo menos
indiretamente, na forma de uma objeção a essa
doutrina: "Onde estão aqueles adultos, aqueles
cristãos perfeitos? Nós não conhecemos nenhum
deles, mas ouvimos que algumas pessoas professam
esses extraordinários graus de santidade tornando-
se escandalosa em suas vidas". Quando uma
pergunta deste tipo é feita por alguém que teme a
Deus, e deseja sinceramente a sua salvação, e apenas
deseja ter evidência completa de que a coisa é
atingível, para que ele possa se livrar do pó, e levantar
e sair, e possuir a boa terra - merece ser seriamente
atendida. Para tal eu diria: Pode haver vários, mesmo
no círculo de seu próprio conhecimento religioso,
cujos temperamentos malignos e afeições profanas
Deus destruiu; e, enchendo-os com sua própria
15
santidade, eles estão aptos a amá-lo de todo o
coração, alma, mente e força; e seu próximo como a
si mesmos. Mas tais não fazem profissões públicas:
sua conduta, seu espírito, todo o teor de sua vida, é
seu testemunho. Mais uma vez: pode não haver
nenhum tal entre o seu conhecido religioso, porque
eles não conhecem o privilégio deles, ou eles,
infelizmente, se sentam sob um ministério onde a
doutrina é depreciada; e em tais congregações e
igrejas a santidade nunca é abundante; os homens
são muito aptos a serem preguiçosos e infiéis à graça
que receberam; eles não precisam que as exortações
de seus ministros tenham cuidado de procurar ou
esperar um coração purificado de toda injustiça;
esforçar-se ou agonizar para "entrar no portão
estreito" não é um trabalho agradável para carne e
sangue; e eles estão contentes de ter qualquer coisa
para aceitar sua indolência espiritual; e tais ministros
sempre são um coadjutor poderoso; do pai da
mentira, e o espírito do erro operará no coração não
renovado, enchendo-o de trevas, preconceito e
incredulidade. Não é de admirar, portanto, que em
tais lugares, e sob tal ministério, não haja homem
que possa ser "apresentado perfeito em Cristo Jesus".
Mas onde quer que a trombeta dê o sonido certo, e as
pessoas saiam para a batalha, chefiadas pelo Capitão
de sua salvação, ali o inimigo é desbaratado, e crentes
genuínos trazidos para a liberdade dos filhos de
Deus. Quanto a alguns que professaram ter recebido
esta salvação, e depois se tornaram escandalosos em
16
suas vidas (embora em todos os meus longos
trabalhos ministeriais e extensos conhecimentos
religiosos, eu nunca encontrei apenas um exemplo),
eu apenas observaria que eles possivelmente teriam
sido enganados; achei que eles tinham o que não
tinham; ou eles podem ter se tornado infiéis a essa
graça e a perderam; e isso é possível em toda a
extensão de um estado de provação. Houve anjos que
não guardaram seu primeiro estado; e todos nós
sabemos, a nosso custo, que aquele que era a cabeça
e a fonte de toda a família humana, que foi feito à
imagem e semelhança de Deus, pecou contra Deus e
caiu desse estado. E assim, qualquer um de seus
descendentes pode cair de qualquer grau da graça de
Deus enquanto estiver em seu estado de provação; e
todo homem deve cair, sempre que ele ou deixarem
de vigiar para a oração, e deixarem de ser "obreiros
juntamente com Deus". A fé deve sempre deve ser
mantida em vigor, trabalhando pelo amor; e esse
amor só é seguro quando encontrado exercendo suas
energias no caminho da obediência. Uma objeção
desse tipo contra a doutrina da perfeição cristã se
aplicará à força contra toda a revelação de Deus,
como ela pode fazer contra uma das doutrinas;
porque essa revelação traz o relato da deserção dos
anjos e da queda do homem. A verdade é que
nenhuma doutrina de Deus que se baseia no
conhecimento, experiência, fidelidade ou
infidelidade do homem; está na veracidade de Deus
que deu isto. Se não houvesse um homem que fosse
17
justificado gratuitamente pela redenção de Jesus; no
entanto, a doutrina da "justificação pela fé" é
verdadeira; porque é uma doutrina que se sustenta
na verdade de Deus. E suponha que ninguém possa
ser encontrado em todas as igrejas de Cristo cujo
coração foi purificado de toda injustiça, e que amou
a Deus e ao homem com todos os seus poderes
regenerados, mas a doutrina da perfeição cristã
ainda seria verdadeira; porque Cristo se manifestou
para destruir a obra do diabo; e o sangue dele limpa
de toda injustiça. E suponha que todo homem seja
um mentiroso, mas Deus é verdadeiro. Não é a
profissão de uma doutrina que estabelece a sua
verdade; é a verdade de Deus, da qual procedeu. A
experiência do homem pode ilustrar isso; mas é a
verdade de Deus que confirma isso. Em todos os
casos dessa natureza, devemos cessar para sempre do
homem, creditarmos implicitamente o testemunho
de Deus e olhar para Ele em e através de quem todas
as promessas de Deus são sim e amém, a saber, nosso
Senhor Jesus Cristo.

(Nota do tradutor:

Santificação – Progressiva ou Instantânea?

Todas as ordenanças bíblicas são sempre no sentido


de se alcançar ainda enquanto vivemos neste mundo
uma santificação total, de todo corpo, alma e espírito.
18
Está claramente revelado que a vontade de Deus para
conosco em Cristo Jesus, é a nossa santificação, sem
a qual, também se diz que ninguém o verá.

Soa por toda a Bíblia a seguinte ordenança: Não


peque mais.

A Bíblia nos exorta a mortificar o pecado e não mais


servir ao pecado, mas servir a Deus oferecendo os
nossos membros para a prática da justiça.

Agora, o grande dilema e desafio é entender por quais


meios tal objetivo deve ser alcançado.

Primeiro, sabemos que Jesus morreu para este


propósito principal de redimir-nos do pecado e nos
apresentar santos e inculpáveis a Deus Pai.

Segundo, para isto somos justificados pela fé nEle, e


pela justificação recebemos o dom do Espírito Santo
para operar a nossa regeneração e santificação.

Não padece qualquer dúvida que a justificação e a


regeneração ocorrem instantânea e
simultaneamente no dia da nossa conversão a Cristo.

Mas, quanto à santificação, é instantânea ou


progressiva?

Antes de tudo, uma parte considerável da


santificação nos é concedida pelo poder do Espírito
19
na regeneração, quando somos transformados em
novas criaturas.

Mas muito do pecado, apesar da crucificação do


nosso velho homem, permanece ainda no crente, e é
seu dever despojar-se destes resquícios de pecado,
pela mortificação deles.

Qual era o ensino dos apóstolos em relação a isto, e


conforme prevaleceu na Igreja Primitiva, consoante
o puro ensino de Jesus? Eles exortavam os crentes a
andarem em santidade de vida. Que estivessem
sempre congregados para serem cheios do Espírito
Santo, e assim, edificarem-se mutuamente, pelo
exercício dos dons espirituais respectivos que haviam
recebido.

Com isto, eles cresciam na graça e no conhecimento


de Jesus, e exortavam-se mutuamente ao amor e às
boas obras.

Havia constante oração na igreja para a santificação


dos crentes e para o cumprimento de toda a vontade
de Deus, em obediência às Suas ordenanças.

Vemos portanto, que em meio a isto, fica diluída a


noção de se buscar ou esperar por uma segunda
operação instantânea do Espírito Santo para a
santificação total, conforme é o caso da regeneração,
pois, na prática, o que se vê, é que há um crescimento
20
gradual no conhecimento e na prática da verdade,
pela implantação da justiça de Cristo à nossa vida.

O que deve ser rejeitado a todo custo é o pensamento


pernicioso de se retardar por nossa própria conta a
obra de santificação, por um consentimento da
prática de certas práticas pecaminosas, aí incluídos
uma mente não renovada e a omissão de deveres,
como se fosse possível ser santificado ao mesmo
tempo em que se tem um viver pecaminoso e
mundano.

Daí sermos incentivados pela Bíblia a uma plena


diligência no crescimento na graça com vistas a
alcançarmos a maturidade espiritual e uma fé
confirmada pelo Senhor, de modo a não sermos mais
agitados por qualquer vento de falsa doutrina.

A partir desta maturidade obtida, que a Bíblia chama


de perfeição, há maiores graus de santificação que
ainda podem e devem ser obtidos, e nisto não se pode
dizer que seja um processo para alcançar a perfeição
cristã, uma vez que esta foi atingida na maturidade, e
o que se tem agora é a busca da perfeição absoluta, a
qual por mais perto que cheguemos perto dela,
jamais poderá ser atingida deste outro lado do céu,
porque bondade e perfeição absolutas pertencem
somente a Deus.)
21
É uma grande coisa; ser cheio da plenitude de Deus é
ainda maior; ser cheio de toda a plenitude de Deus
que é o maior de todos. Isso confunde
completamente o sentido e confunde o
entendimento, levando imediatamente a considerar
a imensidão de Deus, a infinitude de seus atributos e
a perfeição absoluta de cada um deles! Mas deve
haver um sentido em que até mesmo essa petição
maravilhosa foi entendida pelo apóstolo e pode ser
compreendida por nós. A maioria das pessoas, ao
citar estas palavras, esforça-se para corrigir ou
explicar o apóstolo adicionando a palavra
comunicável. Mas isso é tão ocioso quanto inútil e
impertinente. A razão certamente nos diz que Paulo
não oraria para que eles fossem preenchidos com o
que não poderia ser comunicado. O apóstolo
certamente significava o que ele dizia e seria
entendido em seu próprio significado; e logo veremos
qual é esse significado. Por meio da "plenitude de
Deus", devemos entender todos os dons e graças que
ele prometeu conceder ao homem a fim de sua plena
salvação aqui, e para que ele esteja totalmente
preparado para o futuro gozo de glória daqui em
diante. Ser cheio de toda a plenitude de Deus é ter o
coração esvaziado e purificado de todo pecado e
corrupção, e cheio de humildade, mansidão,
benignidade, bondade, justiça, santidade,
misericórdia e verdade, e amor a Deus e ao homem.
E que isso implica um esvaziamento completo da
alma de tudo o que não é de Deus, e não leva a ele, é
22
evidente a partir disso que aquilo que Deus preenche,
nem o pecado, nem Satanás pode preencher, ou de
qualquer maneira, ocupar; pois, se um recipiente for
preenchido com um fluido ou substância, nenhuma
gota ou partícula de qualquer outro tipo pode
penetrá-lo, sem deslocar o mesmo quantum da
matéria original daquela que é posteriormente
introduzida. De Deus não pode ser dito que encha
toda a alma enquanto qualquer lugar, parte, paixão
ou faculdade é preenchida, ou menos ou mais
ocupada, pelo pecado ou Satanás: e como nem o
pecado nem Satanás podem estar onde Deus enche e
ocupa o todo, então os termos da oração que Satanás
não terá nenhum domínio sobre aquela alma nem
nela estará. Uma plenitude de humildade impede
todo orgulho; de mansidão, exclui a ira; de gentileza,
toda ferocidade; da bondade, todo mal; da justiça,
toda injustiça; de santidade, todo pecado; de
misericórdia, toda indelicadeza e vingança; da
verdade, toda falsidade e dissimulação: e onde Deus
é amado de todo o coração, alma, mente e força, não
há lugar para inimizade ou ódio a ele, ou para
qualquer coisa relacionada a ele; então, onde um
homem ama o próximo como a si mesmo, nenhum
mal será trabalhado para aquele próximo; mas, ao
contrário, toda afeição amável existirá para ele; e
todo tipo de ação, na medida em que poder e
circunstâncias permitam, será feito a ele. Assim, o ser
cheio da plenitude de Deus produzirá obediência
constante, piedosa e afetuosa a ele, e uma
23
benevolência invariável em relação ao próximo; isto
é, qualquer homem, todo e qualquer ser humano. Tal
homem é salvo de todo pecado; a lei é cumprida nele;
e ele sempre possui e age sob a influência desse amor
a Deus e ao homem que é o cumprimento da lei. É
impossível, com qualquer consistência bíblica ou
racional, entender essas palavras em qualquer
sentido inferior; mas quanto mais elas implicam, (e
mais, elas implicam) quem pode dizer? Muitos
pregadores, e multidões de pessoas professantes, são
estudiosos para descobrir quantas imperfeições e
infidelidades, e quanto pecado interior, são
consistentes com um seguro estado na religião; mas
quão poucos, muito poucos, estão trazendo o padrão
justo do evangelho para tentar o auge dos membros
da igreja; se eles estão aptos para o exército celestial;
se a sua estatura qualifica-os para as fileiras da igreja
militante! "A medida da estatura da plenitude"
raramente é vista; a medida da estatura de pequenez,
anã e vazi é frequentemente exibida. Alguns dizem:
"O corpo do pecado nos crentes é, de fato, um tirano
enfraquecido, conquistado e deposto, e o golpe da
morte termina sua destruição". Então, a morte de
Cristo e as influências do Espírito Santo só foram
suficientes para depor e enfraquecer o pecado tirano;
mas a nossa morte deve entrar em efeito para a sua
destruição total! Assim, nossa morte é, pelo menos
parcialmente, nosso “salvador”; e assim, aquilo que
era um efeito do pecado ("pois o pecado entrou no
mundo e a morte pelo pecado") se torna o meio de
24
finalmente destruí-lo; isto é, o efeito de uma causa
pode se tornar tão poderoso a ponto de reagir a essa
causa e produzir sua aniquilação! A divindade e
filosofia desse sentimento são igualmente absurdas.
É o sangue de Cristo que purifica de toda injustiça; e
a santificação de um crente não depende mais da
morte do que sua justificação. Se for dito que "os
crentes não cessam do pecado até que morram", eu
tenho apenas que dizer que eles são crentes que não
fazem uso adequado de sua fé: e o que pode ser dito
mais de todo o rebanho de transgressores e infiéis?
Eles deixam de pecar quando deixam de respirar. Se
a religião cristã não trouxer outros privilégios para
seus seguidores, bem poderíamos perguntar: "Onde
o sábio se diferencia do tolo, porque ambos têm um
fim?" Mas todo o evangelho ensina uma doutrina
contrária. É estranho encontrar alguém que acredite
em todo o sistema do evangelho e que ainda viva em
pecado! "Salvação do pecado" é o longo e contínuo
som, como é o espírito e o desígnio do evangelho.
Nosso nome cristão, nosso convênio batismal, nossa
profissão de fé em Cristo e a declarada crença em sua
palavra, todos nos chamam para isso: pode-se dizer
que temos mais vozes do que eles? Nosso interesse
próprio, como respeita à felicidade de uma vida
piedosa e às glórias da bem-aventurança eterna; às
dores e à miséria de uma vida de pecado, levando ao
verme que nunca morre e ao fogo que não se apaga;
segundo, mais poderosamente, as chamadas acima.

25
Leitor, coloque estas coisas no coração e responda a
esta pergunta a Deus: "Como escaparei se
negligenciar tão grande salvação?" E então, como tua
consciência responderá, que tua mente e tua mão
comecem a agir. Como não há fim para os méritos de
Cristo encarnado e crucificado; nenhum limite à
misericórdia e amor de Deus; nenhum impedimento
para a energia onipotente e influência santificante do
Espírito Santo; não há limites para a melhoria da
alma humana; assim, não pode haver limites para a
influência salvadora que Deus dispensará ao coração
de todo crente genuíno. Podemos pedir e receber, e
nossa alegria será plena! Bem, podemos abençoar e
louvar a Deus, "que nos chamou para tal estado de
salvação"; um estado em que podemos ser salvos; e,
pela graça desse estado, continuar no mesmo até o
fim de nossas vidas! Como o pecado é a causa da
ruína da humanidade, o sistema evangélico, que
exibe sua cura, é apropriadamente chamado de "boas
novas, ou boas notícias". E é uma boa notícia, porque
proclama Aquele que salva o seu povo dos seus
pecados; e seria de fato desonroso para aquela graça,
e o infinito daquele que a buscou, supor, muito mais
para afirmar, que o pecado havia feito feridas que a
graça não curaria. De tal triunfo, Satanás será
privado. "Aquele que comete pecado é do diabo."
Ouvi isto, vós que defendeis Baal, e não podem
suportar o pensamento daquela doutrina que afirma
que os crentes devem ser salvos de todo o pecado
nesta vida! Aquele que comete pecado é um filho do
26
diabo e mostra que ele ainda tem a natureza do diabo
nele; "porque o diabo peca desde o princípio": ele foi
o pai do pecado - trouxe o pecado ao mundo e
mantém o pecado no mundo, vivendo no coração de
seus próprios filhos, levando-os assim à
transgressão; e persuade os outros de que eles não
podem ser salvos dos seus pecados nesta vida, para
que ele possa assegurar uma residência contínua em
seus corações. Ele também sabe que se ele tiver um
lugar ao longo da vida, provavelmente o terá na
morte; e, se assim for, por toda a eternidade. "Isto é,"
dizem alguns, "ele não peca habitualmente como
fazia antigamente". Isso está trazendo a influência e
os privilégios do nascimento celestial muito baixos
de fato. Temos a mais indubitável evidência de que
muitos dos filósofos pagãos tinham adquirido, por
disciplina mental e cultivo, toda uma ascendência
sobre todos os seus hábitos viciosos. Talvez meu
leitor se recorde da história do fisionomista, que,
chegando ao lugar onde Sócrates estava dando uma
palestra, seus alunos, desejando colocar os princípios
da ciência do homem à prova, desejou que ele
examinasse a face de seu mestre, e dissesse qual era
seu caráter moral. Depois de uma contemplação
completa do rosto do filósofo, ele o declarou "o velho
mais glutão, bêbado, brutal e libidinoso que ele já
conheceu". Como o caráter de Sócrates era o
contrário de tudo isso, seus discípulos começaram a
insultar o fisionomista. Sócrates interferiu e disse:
"Os princípios de sua ciência podem ser muito
27
corretos; pois eu era assim, mas eu a conquistei por
minha filosofia". Ó cristãos teólogos! Vós verdadeiros
ou fingidos ministros do evangelho! Permitirás que a
influência da graça de Cristo não seja tão extensa
como a da filosofia de um pagão que nunca ouviu
falar do Deus verdadeiro? Muitos nos dizem que
"nenhum homem pode ser salvo do pecado nesta
vida". Essas pessoas nos permitirão perguntar:
Quanto ao pecado podemos ser salvos nesta vida?
Algo deve ser averiguado sobre este assunto:

1. Que a alma possa ter algum objetivo determinado


em vista.

2. Que não perca seu tempo, nem empregue sua fé e


energia, orando pelo que é impossível de ser
alcançado.

Agora, como Cristo foi manifestado para tirar nossos


pecados, para destruir as obras do diabo; e como seu
sangue purifica de todo pecado e injustiça, não é
evidente que Deus quer dizer que os crentes em
Cristo serão salvos de todo pecado? Pois se o sangue
dele limpa de todo pecado, se ele destruir as obras do
diabo, (e o pecado é a obra do diabo), e se aquele que
é nascido de Deus não cometer pecado, então ele
deve ser purificado de todo pecado ; e enquanto ele
continua nesse estado ele vive sem pecar contra
Deus, pois a semente de Deus permanece nele, e ele
não pode pecar, porque ele nasceu, ou foi gerado de
28
Deus. Como estranhamente deformado e cegado pelo
preconceito e sistema devem os homens sejam quem
forem, diante de tal evidência, ainda se atrever a
sustentar que nenhum homem pode ser salvo de seu
pecado nesta vida; mas deve diariamente cometer
pecado em pensamento, palavra e ação! Isto é, todo
homem é colocado sob a fatal necessidade de pecar
em tantos caminhos contra Deus quanto o diabo
através de sua maldade natural; pois até o próprio
diabo não pode ter outro meio de pecar contra Deus,
exceto por pensamento, palavra e ação. E ainda, de
acordo com estes e outros do mesmo credo, "até
mesmo o mais regenerado pecado contra Deus
enquanto eles viverem". É uma salva miserável dizer
"eles não pecam tanto quanto costumavam fazer, e
não pecam habitualmente, apenas ocasionalmente".
Infelizmente para este sistema! Não poderia a graça
que os salvou parcialmente salvá-los perfeitamente?
Não poderia o poder de Deus que os salvou do pecado
habitual salvá-los do pecado ocasional ou acidental?
Suponhamos que o pecado, quão potente possa ser, é
tão potente quanto o Espírito e a graça de Cristo? E
não podemos perguntar: Se fosse para a glória de
Deus e para o bem deles que eles foram parcialmente
salvos, não teria sido mais para a glória de Deus e seu
bem se eles tivessem sido perfeitamente salvos? Mas
a letra e o espírito da palavra de Deus, e o desígnio e
fim da vinda de Cristo, é salvar seu povo de seus
pecados. A perfeição do sistema do evangelho não é
que ele faz concessões ao pecado, mas que faz uma
29
expiação por ele; não que tolere o pecado, mas que o
destrua. Contudo, inveterada que seja a doença do
pecado, a graça do Senhor Jesus pode curá-la
completamente. Deus não estabelece limites para as
comunicações da sua graça e do seu Espírito àqueles
que são fiéis. E como não há limites para as graças,
então não deve haver nenhuma para o exercício
dessas graças. Nenhum homem pode sentir que ele
ama demais a Deus, ou que ele ama demais o homem
por amor a Deus. Sendo assim purificado e refinado
em suas almas, pelo Espírito que habita em nós, que
até mesmo a luz de Deus brilhando em seus corações
não será. capaz de descobrir uma falta que o amor de
Deus não eliminou: "Sê perfeito e serás perfeito", isto
é, totalmente perfeito: ser exatamente como o santo
Deus gostaria que você fosse, como o Deus Todo-
Poderoso pode te fazer e viver como o Deus todo-
suficiente te apoiará; pois só Ele que torna a alma
santa pode preservá-la em santidade. Nosso bendito
Senhor parece ter estas palavras claramente em
vista: "Vós sereis perfeitos como perfeito é o vosso
Pai celeste". v, 48. Mas o que isso implica? Por que,
para ser salvo de todo o poder, a culpa e a
contaminação do pecado. Esta é apenas a parte
negativa da salvação, mas também tem uma parte
positiva; ser aperfeiçoado - ser perfeito como nosso
Pai que está no céu é perfeito, ser cheio da plenitude
de Deus, ter Cristo habitando continuamente no
coração pela fé, e estar arraigado e fundado no amor.
Este é o estado em que o homem foi criado; porque
30
ele foi feito à imagem e semelhança de Deus. Este é o
estado do qual o homem caiu; porque ele quebrou o
mandamento de Deus. E este é o estado no qual toda
alma humana deveria ser criada e que habitaria com
Deus em glória; porque Cristo foi encarnado e
morreu para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si
mesmo. Que privilégio glorioso! E quem pode
duvidar da possibilidade de sua realização que
acredita no amor onipotente de Deus, o infinito
mérito do sangue da expiação e a energia onipresente
e purificadora do Espírito Santo? Quantas almas
miseráveis empregam aquele tempo para disputar e
criticar a possibilidade de serem salvos de seus
pecados, que deveriam se dedicar a orar e acreditar
que poderiam ser salvos das mãos de seus inimigos!
Mas alguns podem dizer: "Você sobrecarrega o
significado do termo; significa apenas: Seja sincero;
pois, como a obediência perfeita é impossível, Deus
aceita a obediência sincera". Se por sinceridade a
objeção significa "bons desejos e, geralmente, bons
propósitos, com um coração impuro e uma vida
manchada", então afirmo que nada disso está
implícito no texto, nem na palavra original. Mas se a
palavra sinceridade for tomada em seu sentido
correto e literal, não tenho objeções a ela. Sincero é
composto de sine cera, "sem cera"; e, aplicada a
assuntos morais, é uma metáfora retirada do mel
clarificado, da qual cada átomo do favo ou da cera é
separado. Então, seja proclamado do céu: "Anda
diante de mim, e sê sincero! Expurgai o fermento
31
velho, para que sejais massa nova em Deus; e assim
sereis perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste".
Isso é sinceridade.

Leitor, lembre-se de que o sangue de Cristo purifica


de todo pecado. Dez mil reclamações sobre textos
isolados nunca podem diminuir, muito menos
destruir, o mérito e a eficácia da grande expiação.
Deus nunca dá um preceito, mas oferece graça
suficiente para capacitá-lo a realizá-lo. Creia como
ele a desejaria e agirá como ele te fortalecerá, e você
acreditará em todas as coisas de maneira salvífica, e
fará todas as coisas bem. Deus é santo; e esta é a
eterna razão pela qual todo o seu povo deve ser santo
- deve ser purificado de toda a imundícia da carne e
do espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de
Deus. Nenhuma fé em qualquer credo em particular,
nenhuma observância religiosa, nenhum ato de
benevolência e caridade, nenhuma mortificação,
atrito ou contrição pode ser um substituto para isso.
Nós devemos ser feitos participantes da natureza
divina. Nós devemos ser salvos de nossos pecados -
da corrupção que está no mundo, e sermos santos
interiormente e justos exteriormente, ou nunca
vermos a Deus. Para este propósito, Jesus Cristo
viveu, morreu e reviveu, para nos purificar para si
mesmo; que pela fé em seu sangue nossos pecados
podem ser apagados, e nossas almas restauradas à
imagem de Deus.
32
Leitor, estás faminto e sedento de justiça? Então,
bem-aventurado és tu, pois serás preenchido. Deus
está sempre pronto, pelo poder do seu Espírito, a
levar-nos a todos os graus de vida, luz e amor,
necessários para nos preparar para um peso eterno
de glória. Pode haver pouca dificuldade em alcançar
o fim de nossa fé, a salvação de nossas almas de todo
pecado, se Deus nos levar adiante; e isso ele fará se
nos submetermos a sermos salvos à sua maneira e
nos seus próprios termos. Muitos fazem um clamor
violento contra a doutrina da perfeição; isto é, contra
o coração sendo purificado de todo pecado nesta
vida, e cheio de amor a Deus e ao homem; porque eles
julgam ser impossível! É demais dizer que eles não
conhecem nem a Escritura nem o poder de Deus?
Certamente a Escritura promete a coisa, e o poder de
Deus pode nos levar à posse dela. O objetivo de todas
as promessas e dispensações de Deus era trazer o
homem caído de volta à imagem de Deus, que ele
tinha perdido. Esta, de fato, é a soma e substância da
religião de Cristo. Nós temos participado de uma
natureza terrena, sensual e diabólica; o desígnio de
Deus, por Cristo, é remover isso, e nos tornar
participantes da natureza divina, e nos salvar de toda
a corrupção, em princípio e fato, que está no mundo.
Diz-se que Enoque não apenas "andou com Deus",
colocando-o sempre diante de seus olhos -
começando, continuando e terminando cada obra
para a sua glória -, mas também" agradou a Deus" e
teve "o testemunho de que ele agradou a Deus". Por
33
isso, aprendemos que era então possível viver de
modo a não ofender a Deus: consequentemente, para
não cometer pecado contra ele, e para ter a evidência
contínua ou testemunho de que tudo o que um
homem fez e propôs foi agradável aos olhos de Deus.
Aquele que busca o coração, e por quem os
dispositivos são pesados: e se era possível, então, é
certamente, através da mesma graça, possível agora;
porque Deus e Cristo e a fé ainda são os mesmos. A
petição: "Seja feita a vossa vontade assim na terra
como no céu", assinala com certeza a libertação de
todo pecado; pois nada que é profano pode consistir
com a vontade divina; e, se isto for cumprido no
homem, certamente o pecado será banido de sua
alma. Ainda: os santos anjos nunca misturam
iniquidade com sua amorosa obediência; e, como o
nosso Senhor nos ensina a orar para que façamos a
sua vontade aqui como eles fazem no céu, pode-se
pensar que ele iria colocar uma petição em nossas
bocas cujo cumprimento era impossível? O leitor é
provavelmente espantado com a escassez de grandes
estrelas em todo o firmamento do céu. Permitirá que
ele leve sua mente um pouco mais adiante e fique
perplexo comigo, ou deplore comigo o fato de que,
dentre os milhões de cristãos nas proximidades e o
esplendor do eterno sol da justiça, quão poucos são
encontrados? A primeira ordem. O primeiro amor!
Quão poucos podem ser examinados pelo teste
estabelecido em 1 Coríntios 13! Quão poucos amam a
Deus com todo seu coração, alma, mente e força, e
34
seus próximos como a si mesmos! Quão poucos
cristãos maduros são encontrados na Igreja! Quão
poucos estão, em todas as coisas, vivendo para a
eternidade! Quanta luz, quão pouco calor e quão
pouca influência e atividade há entre os que levam o
nome de Cristo! Quão poucas estrelas de primeira
magnitude terá o Filho de Deus para enfeitar a coroa
de sua glória! Poucos estão se esforçando para se
distinguir em retidão; e parece ser uma preocupação
principal para muitos, descobrir quão pouca graça
eles podem ter, e ainda escapar do inferno; quão
pouca conformidade à vontade de Deus eles podem
ter, e ainda assim chegar ao céu. No temor de Deus,
registro este testemunho, que percebi ser o trabalho
de muitos para rebaixar o padrão do cristianismo e
suavizar ou explicar as promessas de Deus que ele
próprio vinculou aos deveres; e, porque sabem que
não podem ser salvos por suas boas obras, ficam
contentes por não ter boas obras; e assim a
necessidade de obediência cristã e santidade cristã
não faz parte proeminente de alguns credos
modernos.

Que todos aqueles que retêm a doutrina apostólica,


que o sangue de Cristo purifica de todos os pecados
nesta vida, pressionem cada crente a ir para a
perfeição, e espere ser salvo, enquanto aqui embaixo,
na plenitude da bênção do evangelho de Jesus. A
todos os que minha alma diz, trabalhem para
mostrar-se aprovados para Deus; obreiros que não
35
precisam se envergonhar, justamente dividindo a
palavra da verdade; e que o prazer do Senhor
prospere em suas mãos! Amém. Muitos empregam
esse tempo em chorar e lamentar seus corações
impuros, que devem ser gastos em oração e fé diante
de Deus, para que suas impurezas sejam lavadas. Em
que estado da nação estão muitos membros da igreja
cristã,temo que o que algumas pessoas chamam de
suas fraquezas possa ser chamado de suas forças; o
poder prevalecente e frequentemente governante de
orgulho, raiva, má vontade, etc, porque quão poucos
pensam que os maus sentimentos são pecados! O
termo gentil "fraqueza" suaviza a iniquidade; e como
Paulo, tão grande e tão santo homem, diz que eles
tinham suas fraquezas, como podem esperar ficar
sem eles? Estes devem saber que estão em um erro
perigoso; que Paulo não denota nada do tipo; porque
ele fala de seus sofrimentos e somente destes. Uma
palavra mais: a graça e o poder de Cristo não
pareceriam mais visíveis ao matar o leão do que ao
mantê-lo acorrentado? Destruindo o pecado, raiz e
ramo, e enchendo a alma com sua própria santidade,
com amor a Deus e ao homem, com a mente, todos
os temperamentos santos e celestiais que estavam em
si mesmos, do que deixando esses temperamentos
impuros e profanos viverem e muitas vezes reinar no
coração? A doutrina é desacreditada para o
evangelho, e totalmente anticristã "Se eles pecam
contra ti, porque não há homem que não peque", 1
Reis 8. 46. Neste verso podemos observar que a
36
segunda cláusula, como é aqui traduzido, torna a
suposição na primeira cláusula inteiramente nula;
porque, se não houver homem algum que não pecou
é inútil dizer: "Se eles pecam"; mas essa contradição
é retirada por referência ao original, que deve ser
traduzido: "Se eles pecarem contra ti"; ou, "Eles
devem pecar contra ti; porque não há homem que
não possa pecar"; isto é, não há homem impecável;
nenhum infalível; nenhum que não seja passível de
transgressão. Este é o verdadeiro significado da frase
em várias partes da Bíblia, e assim nossos tradutores
entenderam o original; pois, mesmo no trigésimo
primeiro verso deste capítulo, eles traduziram: "Se
um homem transgredir"; o que certamente implica
que ele pode ou não fazê-lo: e dessa forma eles
traduziram a mesma palavra: "Se uma alma pecar",
em Levítico 5. 1; 6. 2; 1 Samuel 2. 25; 2 Crônicas 6.
22; e em vários outros lugares. A verdade é que o
hebraico não tem disposição para expressar palavras
do modo permissivo ou optativo; mas para expressar
esse sentido, usa o tempo futuro da conjugação kal.
Este texto tem sido uma fortaleza maravilhosa para
todos os que creem que não há redenção do pecado
nesta vida; que nenhum homem pode viver sem
cometer pecado; e que não podemos nos libertar
completamente até morrermos.

1. O texto não fala de tal doutrina; fala apenas da


possibilidade de todo homem pecar; e isso deve ser
verdade em um estado de provação.
37
2. Não há outro texto nos registros divinos que seja
mais para o propósito do que isto.

3. A doutrina está totalmente em oposição ao


desígnio do evangelho; porque Jesus veio para salvar
seu povo de seus pecados e destruir as obras do
diabo.

4. É uma doutrina perigosa e destrutiva, e deve ser


apagada do credo de todo cristão. Há muitos que
estão procurando desculpar seus crimes por todos os
meios ao seu alcance; e não precisamos incorporar
suas desculpas em um credo, para completar seu
engano, afirmando que seus pecados são inevitáveis.
A alma foi feita para Deus, e nunca pode ser unida a
ele, nem ser feliz, até ser salva do pecado. Aquele que
é salvo do seu pecado, e unido a Deus, possui a maior
felicidade que a alma humana pode desfrutar, seja
neste ou no mundo vindouro. Onde uma alma é salva
de todo pecado, ela é capaz de ser totalmente
empregada no mundo na obra do Senhor: é então, e
não até então, totalmente ajustada para o uso do
Mestre. Todos os que são ensinados por Cristo não
são apenas salvos, mas seus entendimentos são
muito melhorados. A verdadeira religião, a
civilização, o aperfeiçoamento mental, o senso
comum e o comportamento ordenado andam de
mãos dadas. Quando a luz de Cristo habita
plenamente no coração, ela estende sua influência a
todo pensamento, palavra e ação; e dirige seu
38
possuidor como ele deve agir em todos os lugares e
circunstâncias. Nossas almas nunca podem ser
verdadeiramente felizes até que nossas vontades
sejam inteiramente submetidas e se tornem uma com
a vontade de Deus. Enquanto há um coração vazio e
ansioso, há uma contínua fonte transbordante de
salvação. Se descobrimos, em qualquer lugar, ou a
qualquer momento, que o azeite deixa de fluir, é
porque não há vasos vazios; sem almas famintas e
sedentas de retidão. Encontramos falhas nas
dispensações da misericórdia de Deus e
perguntamos: "Por que os dias anteriores foram
melhores que esses?" Se fôssemos tão dedicados à
nossa salvação quanto os nossos antepassados eram
pela deles, deveríamos ter recursos iguais e tanta
razão para cantar em voz alta a misericórdia divina:
"Sede santos", diz o Senhor, "pois sou santo". Aquele
que pode dar graças na lembrança de sua santidade é
aquele que ama a santidade; quem odeia o pecado;
que anseia ser salvo dele, e recebe encorajamento
pela lembrança da santidade de Deus, como ele vê
nesta natureza santa que ele deve compartilhar, e a
perfeição que ele está aqui para alcançar. Mas a
maioria dos que se chamam cristãos odeiam a
doutrina da santidade; nunca a ouve inculcar sem
dor; e a parte principal de seus estudos, e de seus
pastores, é descobrir com quão pouca santidade eles
podem racionalmente esperar entrar no reino dos
céus. Oh delírio fatal e destruidor de almas! Por
quanto tempo um Deus santo sofrerá doutrinas tão
39
abomináveis para poluir sua igreja e destruir as
almas dos homens.

Aumento da imagem e favor de Deus. Toda graça e


influência divina que recebestes é uma semente, uma
semente celestial que, se for regada com o orvalho do
céu de cima, aumentará e multiplicará infinitamente.
Aquele que continua a crer, amar e obedecer,
crescerá na graça e aumentará continuamente no
conhecimento de Jesus Cristo, como seu Sacrifício,
Santificador, Conselheiro, Preservador e Salvador
final. A vida de um cristão é um crescimento: ele é
primogênito de Deus e é uma criancinha: torna-se
jovem e pai em Cristo. Todo pai já foi um bebê; e, se
ele não tivesse crescido, ele nunca teria sido um
homem. Aqueles que se contentam com a graça que
receberam quando convertidos a Deus, estão, na
melhor das hipóteses, em um estado contínuo de
infância; mas encontramos, na ordem da natureza,
que o bebê que não cresce e cresce diariamente
também é doentio e logo morre: assim, na ordem da
graça, aquele que não crescer em Jesus Cristo é
doentio, e em breve morrerá - morrerá para todos os
sentidos e influência das coisas celestiais. Há muitos
que se gabam da graça de sua conversão; pessoas que
nunca foram mais do que bebês, e há muito
perderam até aquela graça, porque não cresceram
nela. Que aquele que lê entenda. Para obter um
coração limpo, o homem deve conhecer e sentir sua
depravação, reconhecê-la e deplorá-la diante de
40
Deus, a fim de ser plenamente santificado. Poucos
são perdoados, porque não sentem e confessam seus
pecados; e poucos são santificados e purificados de
todo pecado, porque não sentem e confessam sua
própria ferida e a praga de seus corações. Como o
sangue de Jesus Cristo, o mérito de sua paixão e
morte, aplicado pela fé, expurga a consciência de
todas as obras mortas, assim o mesmo purifica o
coração de toda injustiça. Como toda iniquidade é
pecado, assim, aquele que é purificado de toda
injustiça é purificado de todo pecado. Tentar evitar
isso e implorar a continuidade do pecado no coração
durante a vida é ingrato, iníquo e blasfemo; porque,
como aquele que diz que não pecou, faz de Deus um
mentiroso, que declarou o contrário através de cada
parte de sua revelação, assim aquele que diz que o
sangue de Cristo não pode ou não quer nos purificar
de todo pecado nesta vida também faz mentiroso ao
seu Criador, que declarou o contrário, e assim mostra
que a palavra, a doutrina de Deus, não está nele.

Leitor, é direito inato de todo filho de Deus ser


purificado de todo pecado, manter-se limpo das
manchas do mundo, e assim viver como para nunca
mais ofender seu Criador. Todas as coisas são
possíveis àquele que crê, porque todas as coisas são
possíveis ao sangue infinitamente meritório e ao
espírito poderoso do Senhor Jesus. Todo homem
cujo coração está cheio do amor de Deus é cheio de
humildade; porque não há homem tão humilde como
41
aquele cujo coração é purificado de todo pecado. Já
foi dito que o pecado interior nos humilha, ajudando-
nos a ser humildes; nunca houve uma falsidade
maior: o orgulho é a própria essência do pecado;
aquele que tem pecado tem orgulho; e orgulho,
também, em proporção ao seu pecado: esta é uma
mera doutrina papista; e, estranho dizer, a doutrina
sobre a qual sua doutrina do mérito é fundada! Eles
dizem, Deus deixa concupiscência no coração de todo
cristão, que, ao se esforçar e superar de tempos em
tempos, ele pode ter uma acumulação de atos
meritórios. Certos protestantes dizem: "É um
verdadeiro sinal de um estado muito gracioso
quando um homem sente e deplora sua corrupção
inata". Quão perto estes vêm aos papistas, cuja
doutrina eles professam detestar e abominar! A
verdade é que não é nenhum sinal da graça; ele
apenas argumenta, como eles usam, que o homem
tem luz para mostrar-lhe suas corrupções, mas ele
ainda não tem graça para destruí-las. Ele está
convencido de que deveria ter a mente de Cristo, mas
sente que tem a mente de Satanás; ele deplora; e, se
sua má doutrina não o impedir, ele não descansará
até sentir o sangue de Cristo purificando-o de todo
pecado. Qualquer homem pode esperar ser salvo de
seu pecado interior no outro mundo? Nenhum,
exceto aqueles que sustentam a doutrina papista e
antiescriturística do purgatório. "Mas esta libertação
é esperada na morte." Onde está a promessa de que
será então dada? Não há uma dessas em toda a
42
Bíblia! E acreditar em algo essencial à nossa
glorificação, sem qualquer promessa de apoiar essa
fé em referência ao ponto sobre o qual ela é
exercitada, é um desespero que argumenta também
a ausência da fé verdadeira como a da razão correta.
Multidões de tais pessoas estão continuamente
deplorando sua falta de fé, mesmo quando têm as
promessas mais claras e explícitas; e, no entanto,
estranho dizer, que arriscam a salvação deles na hora
da morte com uma libertação que em nenhum lugar
é prometida nos oráculos sagrados! "Mas quem tem
essa bênção?" Todo aquele que veio a Deus no
caminho certo para isso. "Onde está isto?" Busque a
bênção como deveria, e em breve você poderá
responder à pergunta. "Mas é uma grande bênção a
ser esperada." Nada é grande demais para um crente
esperar, o que Deus prometeu, e Cristo comprou com
seu sangue. "Se eu tivesse essa bênção, não seria
capaz de retê-la." Todas as coisas são possíveis para
aquele que crê. Além disso, como todos os outros
dons de Deus, ele vem com um princípio de
preservação; "e sobre toda a tua glória haverá uma
defesa". "Ainda assim, uma pessoa tão infiel como eu
não posso esperar." Talvez a infidelidade que você
deplore veio através da falta dessa bênção: e quanto
à inutilidade, nenhuma alma sob o céu merece o
mínimo das misericórdias de Deus. Não é pelo teu
valor que ele te deu alguma coisa, senão por amor do
seu Filho. Você pode dizer: "Quando me senti um
pecador, afundando na perdição, fugi para o sangue
43
expiatório e encontrei perdão; mas essa santificação
é um trabalho muito maior". Não; falando à maneira
dos homens, a justificação é muito maior que a
santificação. Quando você era um pecador, ímpio,
um inimigo em tua mente por obras más, um filho do
diabo, um herdeiro do inferno, Deus te perdoou em
teu lançar sua alma no mérito da grande oferta do
Sacrifício de Jesus: tua sentença foi revertida, teu
estado foi mudado, tu te puseste entre as crianças, e
o Espírito de Deus testemunhou com o teu que tu
eras seu filho. Que mudança! E que bênção! Então, o
que é essa santificação completa? É a purificação do
sangue que não foi purificado; está lavando a alma de
um verdadeiro crente dos restos do pecado; é fazer
alguém que já é um filho de Deus mais santo, que ele
seja mais feliz, mais útil no mundo e traga mais glória
ao seu Pai celestial. Por melhor que seja este
trabalho, quão pouco, humanamente falando, é
quando comparado com o que Deus já fez por ti! Mas
suponha que fosse dez mil vezes maior, alguma coisa
é muito difícil para Deus? Não são todas as coisas
possíveis para aquele que acredita? E o sangue de
Cristo não purifica de toda injustiça? Levanta-te,
pois, e seja batizado com maior efusão do Espírito
Santo, e lava o teu pecado, invocando o nome do
Senhor. Estás cansado da mente carnal que é
inimizade contra Deus? Você pode ser feliz enquanto
é profano? Sabe alguma coisa do amor de Deus para
contigo? Tu não sabes que ele deu o seu Filho para
morrer por ti? Você o ama em troca de seu amor?
44
Você tem um pouco de amor por ele? E você pode
amá-lo um pouco, sem desejar amá-lo mais? Tu não
sentes que tua felicidade cresce em proporção ao teu
amor e sujeição a ele? Você não deseja ser feliz? E tu
não sabes que a santidade e a felicidade são tão
inseparáveis como o pecado e a miséria? Você pode
ter muita felicidade ou muita santidade? Você pode
ser santificado e feliz cedo demais? Não estás
cansado de um coração pecaminoso? Não são o teu
mau temperamento, orgulho, raiva, mau humor,
frieza, cobiça, e as várias paixões profanas que
muitas vezes agitam a tua alma, uma fonte de miséria
em ti? E você não está disposto a tê-los destruídos?
Levanta-te, pois, e sacode-te do pó e invoca o teu
Deus! O ouvido dele não é pesado que não possa
ouvir: e a mão dele não é encurtada que não possa
salvar. Eis que agora é o tempo aceito! Agora é o dia
da salvação! Era necessário que Jesus Cristo
morresse por ti, para que sejas salvo; mas ele
entregou sua vida por ti dois mil anos atrás! E ele
mesmo te convida a vir, pois todas as coisas estão
prontas agora. Tal é a natureza de Deus que ele não
pode estar mais disposto a te salvar em qualquer
tempo futuro do que ele está agora. Ele quer que você
o ame agora de todo o coração; mas ele sabe que você
não pode amá-lo assim até que a inimizade da mente
carnal seja removida; e isso ele está disposto a este
momento para destruir. O poder do Senhor está,
portanto, presente para curar. Volte-se de todo
pecado; desista de todo ídolo; corte toda mão direita;
45
arranque todo olho direito. Esteja disposto a separar-
se de seus inimigos para receber seu melhor amigo.
O teu dia já passou, a noite está próxima, os sepulcros
estão prontos para ti e aqui não tens cidade. Um mês,
uma semana, um dia, uma hora, sim, mesmo um
momento, pode enviar-te para a eternidade. E se
você morrer em seus pecados, onde Deus está, você
nunca virá. Não espere a redenção na morte: ela não
pode fazer nada por ti, mesmo sob a melhor
consideração: é o teu último inimigo. Lembre-se
então que nada além do sangue de Jesus pode
purificá-lo de toda injustiça. Portanto, agarre-se à
esperança que está diante de ti. O portão pode
parecer estreito; mas esforça-te e passarás! "Vinde a
mim", diz Jesus. Ouça sua voz, acredite em todos os
riscos e lute com Deus. Amém e Amém!

46

Interesses relacionados