Você está na página 1de 54

1

Antenas e Propagação

Artur Andrade Moura


amoura@fe.up.pt
2
Antenas Filiformes
• Equações de Maxwell e Relações Constitutivas
– Forma diferencial no domínio do tempo
Lei de Faraday

Equações Lei de Ampére


de Maxwell
Lei de Gauss

Continuidade das linhas de força de B

ε - permitividade
Relações
Constitutivas
µ - permeabilidade
3
Antenas Filiformes
– Notação fasorial para grandezas sinusoidais

(o mesmo para H)

Equações
de Maxwell

Condutividade

Num meio linear, homogéneo e


Relações isotrópico ε, µ e σ são constantes.
Constitutivas
4
Antenas Filiformes
• Determinação dos campos radiados
– Normalmente é mais simples determinar os campos devidos às
fontes recorrendo a vectores potenciais
• A – vector potencial magnético
• F – vector potencial eléctrico
5
Antenas Filiformes
– Vector potencial magnético A devido a uma fonte de corrente J
• Dado que

• E usando a identidade vectorial (válida para qualquer vector)

• Podemos definir o vector potencial magnético pela relação

• Substituindo na equação de Maxwell para o rotacional de E vem

• Da identidade vectorial (onde φe é um potencial eléctrico escalar arbitrário)

• Podemos escrever para o campo eléctrico


6
Antenas Filiformes
– Equação de onda
• Aplicando o operador rotacional à equação
e usando a identidade vectorial
temos
(1)
• Substituindo as relações seguintes em (1)

• Obtém-se

sendo
• Definindo a divergência de A pela condição de Lorentz

• Obtemos finalmente

Equação de onda
7
Antenas Filiformes
– A equação de onda

é uma equação não homogénea que permite calcular o vector


potencial A a partir do conhecimento da densidade de corrente J
da fonte
– Uma vez obtido A podem-se calcular os campos pelas relações
seguintes

Obtém-se o campo magnético a partir de A

A partir do campo magnético obtém-se o


campo eléctrico, supondo a densidade de
corrente nula pois estamos interessados
nos pontos do espaço fora da fonte
8
Antenas Filiformes
– A solução da equação de onda, para pontos do espaço fora da
fonte, pode ser feita por analogia com o caso estático (w = 0 e k
= 0) mas multiplicando pelo factor e-jKr
– Para o caso da fonte estar na origem das coordenadas o
integral a resolver é o seguinte
9
Antenas Filiformes
– Para o caso da fonte estar fora da origem das coordenadas o
integral a resolver é o seguinte
10
Antenas Filiformes
• Dualidade
• Se duas equações que descrevem o comportamento de duas grandezas
distintas têm a mesma forma matemática as suas soluções são idênticas;
as grandezas que ocupam as mesmas posições nas duas equações são
ditas grandezas duais assim como as equações

Grandezas Duais Equações Duais


11
Antenas Filiformes
• Dipolo infinitesimal ou elementar
(comprimento l << λ e raio a << λ)
– Esta antena constitui o elemento base para o estudo das
antenas filiformes de qualquer comprimento
– Considerando a antena na origem dos sistema de coordenadas
e orientada segundo o eixo dos zz temos
12
Antenas Filiformes
– Partindo do potencial vector magnético

– Considerando que a densidade de corrente pode ser substituída


por uma corrente constante na direcção do eixo dos zz

– No passo seguinte obtém-se o campo magnético calculando o


rotacional do vector potencial, pela relação
13
Antenas Filiformes
– A transformação de coordenadas rectangulares para esféricas é
0
0

– O rotacional em coordenadas esféricas terá apenas componente


segundo φ que podemos obter pela expressão seguinte
14
Antenas Filiformes
– Do rotacional do potencial vector obtém-se o campo magnético

– Obtemos agora o campo eléctrico da equação de Maxwell

• considerando J = 0 pois estamos interessados no campo eléctrico em


pontos do espaço fora da fonte

Impedância
intrínseca
de meio
15
Antenas Filiformes
As expressões obtidas para os campos permitem distinguir três
regiões espaciais em torno do dipolo elementar
• Região reactiva do campo próximo Kr << 1
– No campo eléctrico dominam os termos proporcionais a 1/r3

Em fase entre si mas em


quadratura com o campo
magnético (a potência média
associada é nula, daí o
nome de região reactiva)
16
Antenas Filiformes
• Região de radiação do campo próximo Kr > 1
– No campo eléctrico o termo proporcional a 1/r3 é desprezável

Existe uma componente


relevante do campo
eléctrico (Er) segundo a
direcção da propagação
pelo que não temos
ainda uma onda TEM
17
Antenas Filiformes
• Região do campo distante Kr >> 1
– No campo eléctrico domina o termo proporcional a 1/r

Esta é a região de interesse do ponto vista da


radiação. Os campos eléctrico e magnético
estão em fase, são perpendiculares entre si e
estão num plano perpendicular à direcção
radial da propagação, constituindo assim uma
onda TEM (Transverse ElectroMagnetic).
A impedância de onda é igual à impedância
intrínseca do meio.
No campo distante a onda electromagnética
radiada comporta-se como uma onda plana.

Impedância de onda
18
Antenas Filiformes
• Densidade de potência
– É dada pelo vector de Poynting

– Com componentes segundo r e θ


19
Antenas Filiformes
• Potência Média Total
– A potência média total na direcção radial é dada por

– Podemos também escrever

Prad + jQ
20
Antenas Filiformes
• Potência radiada
– A parte real da potência média total é a potência média radiada
que normalmente designamos apenas por potência radiada Prad
Note-se que não depende de r, o que significa
que terá sempre o mesmo valor qualquer que
seja a esfera que se considera para integrar a
densidade de potência. Isto significa que a
densidade de potência W tem de diminuir
proporcionalmente ao aumento da área da
esfera de integração, isto é, W ~1/r2
• Potência reactiva Q
– A parte imaginária da potência média total é a potência reactiva
Decresce rapidamente
com a distância r, sendo
desprezável no campo
distante
21
Antenas Filiformes
• Resistência de radiação do dipolo elementar
– A partir da potência radiada pode-se definir a resistência de
radiação da seguinte forma

120π
– Uma antena filiforme real pode ser aproximada pelo dipolo
elementar se l << λ (usualmente considera-se l ≤ λ/50)
– Para l = λ/50 obtém-se uma resistência de radiação de 0,361 Ω
o que significa uma desadaptação elevada quando estas
antenas são alimentadas por linhas de 50 ou 75 Ω
22
Antenas Filiformes
• Diagrama de radiação
– A intensidade de radiação é dada por

– Cujo máximo ocorre para θ = 90º

Omnidireccional nos
planos perpendiculares
ao dipolo e tipo “figura
de oito” nos planos
que contêm o dipolo

Diagrama de radiação normalizado


23
Antenas Filiformes
• Directividade
– Aplicando a definição obtém-se para a directividade máxima do
dipolo elementar

• Área efectiva máxima


24
Antenas Filiformes
• Dipolo pequeno ou electricamente curto
(comprimento λ/50 < l ≤ λ/10 e raio a << λ)

z’ = z e R ≈ r
Distribuição de corrente linear com máximo
na origem e nula nos extremos da antena
25
Antenas Filiformes
– Calculando o potencial vector com a distribuição de corrente
triangular vem

– Como z’ = z e R ≈ r obtemos o resultado seguinte

Metade do valor do potencial


vector do dipolo elementar
26
Antenas Filiformes
– Como o potencial vector do dipolo curto é metade do obtido para
o dipolo elementar então os campos radiados serão também
metade
– Para o campo distante temos

– Como a intensidade de radiação é proporcional a Eθ2 então a


intensidade do dipolo curto será ¼ da do dipolo elementar
– O mesmo para a densidade de potência
27
Antenas Filiformes
– Do mesmo modo se conclui que quer a potência radiada quer a
resistência de radiação do dipolo curto serão as do dipolo
elementar multiplicadas por ¼

– A directividade e a área efectiva têm o mesmo valor do dipolo


elementar

– O diagrama de radiação normalizado é igual para os dois


dipolos (curto e elementar)
28
Antenas Filiformes
• Dipolo de comprimento finito (Regiões envolventes)
• Região do campo distante

Nas amplitudes
Para o campo distante podemos considerar R e R≈r
r paralelos e tomar as seguintes aproximações
Nas fases
R ≈ r – z’cosθ
29
Antenas Filiformes
• Região do campo distante
– As aproximações R ≈ r nas amplitudes e R ≈ r – z’cosθ nas
fases são válidas para r ≥ 2l2/λ
• Garantem um erro de fase menor que π/8 rad
– Esta aproximação é estendida para outros tipos de antenas
substituindo-se l pela maior dimensão da antena D

Região do campo distante (Fraunhofer)

• Define-se região reactiva do campo próximo se


Região de Fresnel

• Região de radiação do campo próximo se


30
Antenas Filiformes
• Dipolo de comprimento finito
– Distribuição de corrente na antena
Toma-se como analogia o que se
passa numa linha de transmissão em
circuito aberto e considera-se para a
antena uma distribuição de corrente
sinusoidal, com um máximo I0 e com
nulos de corrente nos extremos.

Distribuição de corrente para vários valores de l


31
Antenas Filiformes
• Determinação dos campos radiados distantes
• Considera-se o dipolo de comprimento finito constituído por dipolos
elementares de comprimento dz’.
• Cada dipolo elementar colocado na sua coordenada z’ tem uma distribuição
de corrente constante e igual ao valor da distribuição de corrente I(z’) para
essa coordenada.
• Recorrendo à sobreposição somam-se os campos distantes devidos a todos
os dipolos elementares que constituem o dipolo finito. Esta soma é um
integral onde se tomam as aproximações para o cálculo do campo distante,
isto é, nas amplitudes R ≈ r e nas fases R ≈ r – z’cosθ
32
Antenas Filiformes
• Determinação dos campos radiados distantes
• A resolução do integral anterior pode fazer-se recorrendo a

sendo

• O resultado obtido é

• E para o campo magnético vem


33
Antenas Filiformes
• Densidade média de potência radiada

• Intensidade de radiação
34
Antenas Filiformes
• Diagrama de radiação

Para l ≤ λ não ocorrem


lóbulos secundários

Plano vertical
35
Antenas Filiformes
• Diagrama de radiação
– Para l ≥ λ teremos lóbulos secundários (na figura l = 1.25 λ)

Diagrama 3D

Plano vertical
36
Antenas Filiformes
• Potência radiada

– A resolução deste integral exige manipulações matemáticas


extensas obtendo-se

– Onde C = 0,5772 é a
constante de Euler e
os integrais Ci e Si ao
lado estão tabelados
37
Antenas Filiformes
• Resistência de radiação, directividade e área
efectiva

• Resistência de entrada
Dependendo do valor de l normalmente o
valor da corrente de entrada será diferente
do máximo I0 da distribuição de corrente;
deve referir-se a resistência de entrada à
corrente de entrada Iin
38
Antenas Filiformes
• Dipolo de meio comprimento de onda
• Utilizam-se as expressões para o dipolo de comprimento finito com l = λ/2

• Campos radiados distantes

• Densidade de radiação, intensidade de radiação


39
Antenas Filiformes
• Diagrama de radiação (normalizado)

Omnidireccional nos planos


perpendiculares à antena

Direcção de máximo θ = π/2

Largura de feixe a meia


potência de 78º

Diagrama 3D
40
Antenas Filiformes
• Potência radiada

• Directividade e área efectiva


41
Antenas Filiformes
• Resistência de radiação
– Neste caso temos distribuição de corrente com Iin = I0

• Impedância de entrada

– Normalmente para eliminar a parte imaginária de Zin reduz-se o


comprimento físico l da antena para valores entre 0,47λ e 0,48λ,
isto é, procura-se o valor de l correspondente à primeira
ressonância onde Zin fica puramente real
42
Antenas Filiformes
• Dipolo dobrado
• Em certos casos práticos usam-se linhas de transmissão com impedâncias
características mais elevadas que 50 Ω ou 75 Ω (por ex. 300 Ω). Para
promover a adaptação podem usar-se modificações do dipolo, sendo um
exemplo o dipolo dobrado.

s→0
Com s muito pequeno podemos dizer que o campo
distante radiado pelo dipolo dobrado é o dobro do
dipolo de meio comprimento de onda, logo para as
λ/2 Id Idd resistências de radiação teremos a relação

Rdd = 4Rd
Dipolo λ/2 Dipolo Se em vez de dois elementos usarmos N elementos
Dobrado próximos teremos

Rdd = N2Rd
43
Antenas Filiformes
• Dipolo situado acima de um plano condutor
perfeito e infinito
– Recorre-se à teoria das imagens considerando uma antena
virtual, a antena imagem, abaixo do plano condutor

A localização da antena imagem


é tal que o campo produzido
pela antena real, em qualquer
ponto acima do plano condutor,
pode ser obtido somando o
campo directo proveniente da
antena real com o campo
proveniente da antena imagem
44
Antenas Filiformes
• Dipolo elementar vertical a uma altura h do
plano condutor perfeito e infinito

Imagem

Aproximações para cálculo do campo distante

Nas amplitudes Nas fases


r1 ≈ r2 ≈ r r1 ≈ r – hcosθ
r2 ≈ r + hcosθ
45
Antenas Filiformes
– Campo directo

– Campo reflectido (provem da antena imagem)

Coeficiente de reflexão vale 1

– Somando os dois campos e aplicando as aproximações nas


amplitudes e nas fases para o cálculo do campo distante temos

Factor do Factor de
elemento EF(θ) agrupamento
AF(θ)
46
Antenas Filiformes
– Intensidade de radiação (máxima em θ = π/2)

– Diagrama de radiação
O número total de
lóbulos vem dado
pelo inteiro mais
próximo de 2h/λ + 1

Plano Vertical
47
Antenas Filiformes
– Potência radiada, directividade e resistência de radiação

• Kh elevado então D0 e Rr ficam


iguais às do dipolo isolado
• Kh = 0 então D0 e Rr são o
dobro do dipolo isolado
• O máximo da directividade
ocorre para h = 0,458λ
48
Antenas Filiformes
• O monopolo
– Antena vertical com l = λ/4, alimentada na sua base junto a um
plano condutor perfeito
Monopolo
• Acima do plano xy as antenas
produzem o mesmo campo, logo a
intensidade de radiação e densidade
de potência são iguais nesse semi-
espaço
• A potência radiada pelo monopolo e
a resistência de radiação são metade Dipolo
do dipolo isolado Equivalente

• A directividade do monopolo é o
dobro do dipolo isolado
• A impedãncia de entrada é metade
da do dipolo isolado
Imagem
49
Antenas Filiformes
• Dipolo elementar horizontal a uma altura h do
plano condutor perfeito e infinito
Usam-se as mesmas aproximações
para cálculo do campo distante

Nas amplitudes
r1 ≈ r2 ≈ r

Nas fases
r1 ≈ r – hcosθ
r2 ≈ r + hcosθ
Imagem

Supondo antena na direcção do eixo dos yy


50
Antenas Filiformes
– Campo directo

– Campo reflectido (provem da antena imagem)

Coeficiente de reflexão vale -1


– Somando os dois campos e aplicando as aproximações nas
amplitudes e nas fases para o cálculo do campo distante temos

EF(θ) AF(θ)

Nota:
51
Antenas Filiformes
– Intensidade de radiação

– Diagrama de radiação

O número total de
lóbulos vem dado pelo
inteiro mais próximo de
2h/λ com no mínimo 1

Plano vertical que contém a antena


52
Antenas Filiformes
– Potência radiada, resistência de radiação e directividade

R(kh)

Notar que h = 0 não pode ser


considerado pois antena ficaria
sobre o plano condutor perfeito
não radiando
53
Antenas Filiformes
• Efeito da terra (considerada como plana)
– Campo distante para o dipolo elementar vertical a uma altura h
da terra

• O coeficiente de reflexão Rv
depende das impedâncias
intrínsecas do ar e da terra e
dos ângulos de incidência e
de refracção
• O programa que iremos
usar permite considerar este
efeito de terra para vários
tipos de solos

Plano Vertical
54
Antenas Filiformes
• Efeito da terra (considerada como plana)
– Campo distante para o dipolo elementar horizontal a uma altura
h da terra

• O coeficiente de reflexão Rh
depende das impedâncias
intrínsecas do ar e da terra e
dos ângulos de incidência e
de refracção
• Neste caso o diagrama não
é muito diferente da situação
de um plano condutor perfeito

Plano vertical que contém a antena