Você está na página 1de 161

RELATOS DE CASOS DE TERAPIA REPARATIVA

RELATOS DE CASOS DE TERAPIA REPARATIVA Joseph Nicolosi

Joseph Nicolosi

Traduzido do Original: SANAR LA HOMOSEXUALIDAD -HISTORIAS DE CASOS DE LA TERAPIA REPARATIVA, Joseph Nicolosi

Tradução: Hugo Dracena

Edição: Equipe Closet Full

Divulgação em língua portuguesa: Closet Full e Courage Brasil

Disponibilizamos o arquivo gratuitamente na internet pois entendemos sua importância no momento em que vivemos no Brasil.

Pedimos gentilmente a todos que divulguem esse material, em blogs, sites e redes sociais.

Assim, estaremos empenhados em lutar contra toda mentira e manipulação sobre o assunto.

Unam-se a nós nessa batalha!

Maiores informações: contato@closetfull.com.br

Para conhecer mais materiais: www.closetfull.com.br

É PROIBIDO COMERCIALIZAR OU ALTERAR ESSE ARQUIVO

SUMÁRIO

SUMÁRIO

3

INTRODUÇÃO

4

CAPÍTULO 1 ALBERT, O MENINO INTERIOR

6

CAPÍTULO 2 TOM, UM HOMEM CASADO

21

CAPÍTULO 3 PADRE JOHN, A VIDA DUPLA

37

CAPÍTULO 4 CHARLIE, A BUSCA PELA IDENTIDADE MASCULINA

51

CAPÍTULO 5 DAN, UM HOMEM COM IRA

67

CAPÍTULO 6 STEVE, À PROCURA DE SÍMBOLOS MASCULINOS

78

CAPÍTULO 7 EDWARD, A AGONIA DE UM JOVEM

88

CAPÍTULO 8 ROGER: “REALMENTE QUERO ISSO?”

107

CAPÍTULO 9 COMO FUNCIONA A TERAPIA EM GRUPO

129

CAPÍTULO 10 RECAPITULAÇÃO

153

INTRODUÇÃO

Utilizando transcrições reais de sessões gravadas em fitas-cassete, este livro utiliza os princípios básicos de meu trabalho anterior, mais técnico, Terapia Reparativa da Homossexualidade Masculina. Nesse livro, é possível encontrar exemplos claros da forma como trabalho com meus pacientes enquanto enfrentam as distorções que escurecem suas verdadeiras identidades masculinas.

Foram necessárias algumas restrições nas expressões verbais e uma simplificação dos termos clínicos para destacar os temas do processo de reparação. Além disso, para preservar a privacidade dos pacientes, cada caso aqui apresentado é um misto de experiências de diversos indivíduos com problemas similares. Nenhum caso se adapta detalhadamente a um único paciente. Qualquer fato que aponte para uma pessoa concreta é pura coincidência.

O Movimento de Libertação Gay tem alcançado grande êxito por meio do drama dos testemunhos

pessoais. Quando todos os argumentos teóricos, tanto os que eram a favor quanto os contrários à ideia da homossexualidade como patologia, foram apresentados à Associação Psiquiátrica Americana (APA) em 1973, foi a perspectiva sociopolítica que teve maior influência. Ouvindo algumas histórias pessoais de frustração no tratamento de alguns gays, a associação psiquiátrica suprimiu a homossexualidade como categoria de diagnóstico.

Agora, exatamente 20 anos depois, oferecemos o lado oposto do testemunho pessoal, o dos homossexuais que tentaram aceitar uma identidade gay, mas que não se sentiram satisfeitos e logo

se beneficiaram da psicoterapia para ajudá-los a libertar-se do conflito de identidade de gênero que reside por detrás da maioria dos casos de homossexualidade.

Ainda que a história de cada paciente seja única, escolhi oito homens como representantes das

personalidades que encontrei ao longo dos doze anos em que tratei a mais de 200 pacientes homossexuais. Cada paciente possui algum dos aspectos presentes nesses oito homens – como a fragilidade de Albert, a integridade de Charlie, a ira de Dan, o narcisismo de Steve e a ambivalência

de Roger.

Alguns leitores podem surpreender-se com o estilo direto de minha intervenção terapêutica. Em parte, essa impressão pode dever-se à síntese editorial da transcrição. Por questões de brevidade e clareza, algumas das sutilezas podem ter sido supridas.

Por outra parte, a terapia reparativa requer um terapeuta mais aplicado – um “provocador benevolente”, que saia da tradição de analista não aplicado e opaco para converter-se em uma presença masculina relevante.

O terapeuta deve equilibrar espírito ativo com o ânimo vigoroso para seguir o modelo pai-filho e

mentor-aluno. Esse é um princípio essencial para a terapia reparativa.

A terapia reparativa não explica todas as formas de homossexualidade, senão somente a síndrome

predominante que encontrei em minha consulta. Essa terapia não é para todos os homossexuais. Alguns podem preferir a Terapia da Afirmação Gay. Muitos homossexuais preferem pensar: “eu nasci desta forma”, evitando, assim, trabalhar os problemas dos quais tratamos aqui.

Além disso, não foi encontrada nenhuma evidência conclusiva para qualquer base biológica da homossexualidade. Ainda que alguns homens possam estar predispostos à passividade e à sensibilidade por causa de seus temperamentos (e, portanto, à ferida de identidade de gênero que ode conduzir à homossexualidade), sempre me pareceu que o “nasci dessa forma” não é senão outra forma de dizer: “não quero ver os problemas de desenvolvimento que me fizeram homossexual”.

Este livro foi escrito em um momento de debate público sem precedentes sobre as inquietudes políticas, legislativas e psicoterapêuticas sobre a homossexualidade. No momento em que o publicamos, debate-se agora questões como os gays no exército, os gays nos Boy Scouts e as emendas de direitos dos gays de Óregon. Entre todos os ramos de profissionais da saúde mental, fazem-se tentativas de qualificar a terapia reparativa como ilegal e carente de ética, sobre o pretexto de que não produz mudanças e que, ao paciente, faz mais mal que bem.

Qualquer terapia psicológica que tente tratar da homossexualidade provavelmente provoque ceticismo. Compreende-se uma reação assim, considerada a história do tratamento. As hostilidades que se faziam no passado em nome do tratamento incluem terapia de eletrochoque, castração e cirurgia de cérebro. Foram cometidas muitas injustiças sociais sobre os homossexuais pelos que utilizam como justificativa o fato de que a homossexualidade é uma desordem de desenvolvimento.

Não é nossa intenção contribuir com a hostilidade reacionária. Ademais, existe uma distinção entre ciência e política, e a ciência não deveria render-se à pressão da política gay.

A NARTH – National Association for Research and Therapy of Homosexuality (Associação Nacional para a Investigação e Terapia de Homossexualidade) foi formada recentemente para combater a politização de assuntos científicos e de tratamento. A NARTH defenderá os direitos dos terapeutas de tratar os homossexuais insatisfeitos. Somente poucos meses depois de seu início, mais de cem psiquiatras titulados, psicólogos, orientadores sociais e trabalhadores sociais se haviam unido a essa organização. A NARTH defenderá os direitos dos terapeutas de seguirem estudando e aperfeiçoando técnicas terapêuticas para homens e mulheres que lutam contra pensamentos, sentimentos e condutas homossexuais e que não a querem aceitar como parte de suas identidades mais profundas.

Gostaria de apresentar meu apreço aos investigadores psicanalíticos mais precoces na tradição da etapa do pré-Édipo, do impulso reparador, que moldaram minha compreensão de meus pacientes, especialmente a Sandor Rado, M.D., Irving Bieber, M.D., e Charles W. Socarides, M.D.

CAPÍTULO 1

ALBERT, O MENINO INTERIOR

Albert entrou caminhando com cautela em meu consultório. Parecia inseguro, como se não soubesse por que viera ver-me. Olhou-me rápida e timidamente e logo se pôs a observar o Boulevard Ventura que aparecia por trás da janela.

“Alegro-me em conhecê-lo, Senhor O’Connor”, disse a ele, convidando-o para que sentasse em uma poltrona, na qual ele se sentou com certa dúvida.

Sentei-me na cadeira de frente para Albert e olhei o rosto pálido de um jovem vestido com gosto e, de certa forma, meio atarracado. Albert olhou ao redor da sala e logo comentou: “Gostei de suas plantas. Seu consultório parece um jardim botânico”.

Sempre gostei muito da cor verde. Nas paredes de bosque verde estavam penduradas pinturas clássicas italianas da época do Alto Renascimento. Em cima do sofá, há um quadro delicado, de cor âmbar suave, de A Virgem e o Menino, de Da Vinci. Há plantas verdes exuberantes em macetas terracota italianas, que se elevam sobre as cristaleiras do quadro até o teto. Duas estantes maciças de livros arqueadas de nogueira escura dominam as paredes opostas, carregadas celestialmente com livros e com samambaias postas em macetas e heras que fazem cascatas. Sabia que Albert apreciaria o ambiente. Havia dito, por telefone, que trabalhava em um viveiro.

Suas palavras seguintes foram: “Parece muito com meu quarto em casa, todo esse verdor”, sorriu ligeiramente. “Onde quer que eu esteja, gosto de estar rodeado por plantas e flores”. Albert falava em um tom ligeiramente afeminado, com a qualidade triste de um menino perdido.

“Uma senhora veio hoje ao viveiro com uma samambaia doente”, ele dizia. “‘Não está lhe dando luz suficiente’, foi o que disse a ela, ‘as samambaias amam muita luz, assim como a luz indireta do sol’. Ela era muito sensível. Gosto muito de ajudar gente assim”. Um sorriso satisfeito cruzou seu rosto: “Ultimamente, tenho me sentido como essa samambaia doente, que não foi cuidada corretamente”.

Senti uma fragilidade, quase uma delicadeza, em Albert, que parecia ter ficado distante em seu mundo de fantasia da infância. Albert vivia ainda com seus pais no mesmo rancho de distribuição irregular de Malibu em que havia crescido. Seu único irmão, um meio-irmão mais velho, já havia, há muito tempo, adquirido independência e se casado.

Durante suas primeiras sessões, Albert estava tranquilo, às vezes olhando-me com seus olhos sinceros como se não soubesse o que dizer. Assim foi até algumas semanas mais tarde quando se sentiu cômodo o bastante para revelar seus intensos sentimentos sexuais. Albert se sentia como um menino pequeno preso em um corpo de homem, atormentado demais por desejos que não queria reconhecer. Enquanto me contava sua história, a imagem do bom menino se rompeu e suas palavras passaram a ser mais enfáticas. Logo sua voz se punha mais estridente, quase histérica.

Em um dia de chuva, Albert começou a falar sobre um aspecto comum da experiência homossexual, que chamo de alienação do corpo. A maioria dos homossexuais descobre uma fascinação excluída de seus corpos, mais que a cômoda familiaridade que com frequência se percebe nos homens heterossexuais. De fato, é esse conforto natural com o próprio corpo que em geral faz com que os heterossexuais sejam tão atrativos para os gays. A exclusão de Albert de seu corpo era extrema. Ele havia sido educado em um lar em que o corpo masculino era considerado vergonhoso e sujo.

Neste dia, ele se sentou em sua poltrona de forma quase desafiante, contando em sua voz infantil:

“Foi uma semana ruim e andei tendo sentimentos estranhos. Ainda não fui capaz de superá-los”. E acrescentou com um tom de culpa na voz: “Tenho me sentido excitado”.

“Tem sido uma semana ruim porque andou se sentindo excitado?”, perguntei.

“Sim. Não tenho conseguido dormir. Tenho me sentido cansado sem saber por quê”. Continuou:

“Agora me dou conta de que minha reação a qualquer sentimento sexual é sempre o medo e depois a ira”.

“Sua ira é uma defesa contra o medo. Mas medo de quê? Por que seus sentimentos sexuais te assustam?”

“Não sei.” Respondeu inutilmente. E então: “Sinto muitos conflitos, vergonha sobre algo físico, sobre mim”.

Assenti, escutando.

“Minha mãe sempre dava uma grande importância a tudo o que tivesse a ver com meu corpo”.

“Verdade?”

“Sim. Quando era pequeno, ela tinha um ataque do coração toda vez que eu urinava na cama ou algo do tipo. Se eu ficava doente, chamava todas as tias e tios, quase tendo um ataque de nervos. Até que um dia realmente enlouqueceu quando me pegou em uma espécie de brincadeira sexual com meu primo”.

“O que aconteceu?”

“Foi meu primo quem começou. Fez isso comigo durante vários anos. Nunca considerei o sexo como algo ruim. Nunca me dei conta do que me estava passando. De fato, pensava que era meu melhor amigo”.

“Quantos anos você tinha quando começou?” Perguntei.

“Cerca de 9, e meu primo 15. Era muito agressivo sexualmente. Sempre queria dominar. E eu me

sentia solitário, não tinha ninguém. E

alguém me quisesse. Agora tenho que perdoar a mim mesmo por ter aceitado sexo como amor. Eu permiti que meu primo fizesse comigo coisas que eu sabia que estavam mal e que eu odiava. Chorava em meu interior, mas seguia com o ato e lhe permitia que fizesse qualquer coisa que quisesse”.

admitiu, “terei que dizer que estava desesperado para que

”,

Perguntei: “Com que frequência acontecia isso?”

“Muitas vezes. Cada vez que eu ia à sua casa, durante uns quatro anos”.

“E quanto a seus pais? Onde estavam?”

“Não sei onde estavam. Não tenho nem ideia. Só me sentia desamparado todo o tempo. Se não fizesse o que meu primo queria, não o teria como amigo. É um manipulador nato. Desde que era pequeno me manipulava para conseguir o que queria. Durante um longo tempo continuava com ele externamente, mas em meu interior nunca o quis. Inclusive, quando pensava que estava conseguindo amor, o que me fazia me produzia ódio”.

Albert continuou: “finalmente, meu primo me deixou de lado. Uma ou duas vezes entrei no mesmo tipo de servidão sexual com outro garoto na escola, agradando-lhe para que fosse meu amigo. Não sei por que deixei que os homens me manipulassem. Creio que porque pareciam aventureiros e emocionantes e nos divertíamos depois”. Albert estava falando de uma espécie de aventura masculina ou de diversão que se perde ao se assumir o papel de um “bom menino”.

“E o que sua mãe fez quando te pegou aquela vez com seu primo?”

“Me castigou

por isso que sou claustrofóbico. Ela dizia que Deus havia destruído uma cidade inteira devido a

me bateu com uma cinta e me trancou por muitas horas no banheiro. Creio que seja

gente que fazia coisas como as que eu fizera”.

Albert continuou: “Como dizia, só tenho feito sexo algumas vezes desde esses incidentes com meu primo. Cada vez, estava de acordo externamente com ele, mas por dentro o odiava. Pensava: ‘não quero, isso é muito humilhante’. Mas logo no momento seguinte pensava: ‘Vamos, não é tão mal assim. Só era humilhante quando era molestado, na infância’. Entretanto, me sentia exatamente como um menino na hora do sexo”.

Expliquei a Albert a teoria do impulso reparador – que seu jogo de sexo, quando era criança, era uma tentativa de explorar e assegurar sua própria masculinidade por meio do contato com outros homens. Como a maioria dos homens que entram na terapia reparativa, Albert experimentou um alívio e voltou a sentir segurança para compreender que sua conduta homossexual era uma tentativa de reparar a alienação que sentia de sua própria masculinidade.

Albert me havia descrito uma infância muito isolada. Havia experimentado muito pouco contato com outros meninos e nenhuma afirmação de sua masculinidade por parte de sua mãe e de seu pai. Sentindo-se inadequado como homem, tentou encontrar atenção, afeto e aprovação masculinos (os três “As”, como explicava) por meio do contato homossexual. A vergonha à qual sua mãe o expôs só aprofundou seu sentido de alienação do masculino.

“Você precisa se sentir mais relaxado e com mais aceitação em relação a seu corpo”, disse a ele.

“Eu sei,” disse Albert. “Sinto que estou atrás do volante de um enorme caminhão, mas não tenho habilitação para conduzir. Sinto-me como um menino pequeno no corpo de um homem”, então sua voz infantil se alterou e subiu de volume, “é realmente duro para mim, muito duro. Sempre me senti tão culpado pela condenação de Deus quando não podia me controlar”.

“Você sentia que seu corpo masculino nunca foi aceito por seus pais”.

“Sempre odiei fazer a barba”, dizia, “e odiava sentir-me excitado. De fato, ainda o faço”.

Como se estivesse sendo escutado e compreendido pela primeira vez em sua vida, Albert expressava livremente suas frustrações profundas e enterradas durante tanto tempo. “Qualquer

função corporal parece um problema”. Suas palavras caiam como num repique. “Em momentos simples, em que tenho de fazer alguma coisa, meu corpo se esquenta, sinto-me muito tenso. Sei que vou acabar perdendo o controle e me masturbando. Logo me dá medo de que alguém perceba. Sempre tento forçar-me a ter um orgasmo antes de sair de viagem. Tenho medo de que, ficando na casa de um amigo ou acampando com alguém, tenha uma polução noturna. Me dá pânico imaginar que alguém veja que minha cama está molhada”.

“Quando vou ao banheiro masculino, rezo para que esteja vazio. Então, vou até ao vaso e tento urinar”

“Você tem vergonha de urinar?”, disse eu.

“Quê?”, exclamou ele, olhando-me surpreso.

“‘Vergonha de urinar’

uma afirmação relacionada com ser homossexual”.

Quando um homem tem problemas para urinar em um banheiro público. É

Ele manteve-se em silêncio e logo depois disse: “acho horrível ser uma pessoa sexuada que pode sentir-se excitado e ter uma ereção. Pior ainda, penso em ter relações com homens”.

Logo perguntou tremendo: “por que mereço essa humilhação, Dr. Nicolosi? Que crime cometi?”

“Seu crime”, respondi, “foi ter nascido homem”.

“Sinto-me humilhado por meus sentimentos sexuais”, confessou. Logo depois, um lamento: “Estou totalmente, totalmente, totalmente envergonhado deles”.

“A masturbação”, disse, “é a minha forma de castigar aos meus pais por não falarem comigo sobre sexo. Minha forma de afrontar à minha mãe, ao meu pai e à minha igreja por não me permitirem ser sexuado”.

“É uma rebelião contra o fato de ter sido tratado como um ser neutro”, acrescentei. “Sua masturbação é, na verdade, uma autoafirmação”.

“Sim”, disse Albert, com orgulho em sua voz, “é basicamente como dizer ‘que se fodam’ para todos os que me magoaram em minha vida. Faz quinze anos que estou nessa batalha. É uma forma de dizer aos meus pais: ‘vocês não me quiseram homem, assim tive de encontrar uma forma de me permitir sair!’”

“Sabemos que os homossexuais tendem a masturbar-se mai que os heterossexuais”, disse- lhe, “é

uma forma de fazer contato ritual como pênis

para conectar-se com a masculinidade perdida”.

Albert assentiu, considerando isso. “Tenho tanto medo aqui dentro”, confessou, “Tenho medo de ser masculino, de ser um homem. É este o pensamento que me acusa: ‘Você realmente não pode ser assim!’”

Seus ombros se levantaram em um profundo suspiro de desânimo. “Por que digo todas essas coisas a mim mesmo?”

“É um guia que você segue”, disse.

“Por que a sexualidade é agradável para os outros, mas não é para mim?”, queixou-se, “por que não

posso crescer como os demais?”

Ele se respondeu de forma tão precisa como eu poderia ter feito, dizendo: “Ainda não posso relacionar-me com minha mãe e meu pai como um adulto. Ainda me sinto como uma criança ao lado deles”.

Já havia ouvido essas palavras muitas vezes de meus pacientes homossexuais. “Sei como ser um

bom menino com minha mãe e meu pai, mas não sei como ser um homem perto deles”. Conforme passavam os meses, Albert progredia de forma lenta, mas significativa. Estava dando passos na autoafirmação e não se torturava tanto com a culpa por seus sentimentos sexuais.

O caso de Albert é um dramático exemplo de um homem que não podia aceitar seus esforços

masculinos naturais. Além dele, muitos homossexuais descrevem uma base similar de serem tratados como o puro e bom menino desprovido de sentimentos sexuais. Geralmente quem dá essa falsa identidade ao menino é sua mãe. O pai – que seria a única fonte válida de identificação

masculina – permanece emocionalmente ausente, fracassando em intervir ou até mesmo em dar-se conta da influência excessiva de sua esposa.

É bastante comum encontrar mães angustiadas na base do desenvolvimento de homens

homossexuais. Essas mães intrusas e que estão em tudo buscam o melhor para seus filhos, mas são incapazes de reconhecer e responder às suas necessidades autênticas.

“Recordo que minha mãe me dizia coisas positivas, mas eu sabia que não eram verdadeiras. Uma vez meus sentimentos foram feridos por outros garotos quando jogava kickball. Devia ter uns 8 anos e era muito descuidado. Lembro que minha mãe me disse: ‘’Oh, você não precisa desses meninos. Você é muito melhor que eles, em todos os aspectos’.”

Riu-se com pesar. “Seu consolo me fez sentir bem, mas mesmo então suspeitei que estava mentindo. Segui com ele por que me sentia bem”.

“E qual era a mentira?”

“Que de alguma maneira eu era melhor que os outros meninos, que não precisava jogar com eles”.

Ainda que a mãe de Albert fosse ansiosa e demasiadamente aplicada, paradoxalmente era também descuidada. Albert me disse que, quando era menino, havia tido infecções crônicas de ouvido. Em sua ansiedade para fazer as coisas corretamente, sua mãe lhe havia medicado exageradamente com uma ministração contínua de antibióticos. Como consequência, ele desenvolveu uma alergia severa à penicilina, que ainda hoje lhe causa problemas.

Albert refletia: “Percebo agora quanta dignidade meus pais tiraram de mim”, continuou com a voz triste. “Só com o senhor me sinto livre para expor esse lado feio que tenho”. Calou-se e logo acrescentou em um tom desconcertante: “É estranho. Recentemente tenho começado a me sentir cada vez mais distante dos meus pais. Esse distanciamento é muito pequeno porque, apesar de tudo, ainda os amo”.

“Não, não é pequeno”, assegurei. “Você está enfrentando inquietações importantes e que estavam enterradas durante muito tempo. Finalmente está conseguindo olhar honestamente para seus pais e para a forma como te afetaram. Você tem de voltar atrás para fazer isso”.

Suspirando, com aparência de frustração: “Gostaria de poder te ver todos os dias durante um mês para poder me livrar do peso dessas lutas. Gostaria de ter um mês inteiro livre do meu trabalho para

terminar com essa merda”.

“Não pode ter pressa com o processo de autoaceitação,” disse-lhe. “Não é fácil mudar a forma como nos vemos. Requer trabalho, baseado em um processo gradual de pequenos êxitos”.

Albert parecia não estar de acordo. “Bem, pelo menos tenho conseguido controlar a masturbação compulsiva. A batalha não é tão grande como era”.

“Houve uma época em que estive mais de um ano sem me masturbar. Rezava, caminhava, fazia qualquer coisa que podia para tirar da mente os impulsos do meu corpo. Senti que a experiência era muito humilhante. Mas então comecei a perder o controle do meu corpo outra vez. Constantemente tinha fantasias homossexuais. Pensava em sexo o tempo todo. Sexualizava qualquer palavra que podia ser sexualizada. Por exemplo, cada vez que ouvia a palavra ‘vai’, pensava em orgasmo. Sentia-me muito assustado. E foi aí que te procurei”.

Interrompi: “Mesmo que não a praticasse durante um ano, a masturbação ainda te controlava. Se quiser conseguir controlar isso, você terá de relaxar e ser mais tolerante consigo mesmo”.

Ele resumiu sua confissão: “Quando me encontrava fora de controle, costumava falar coisas sujas. Podia escrever as histórias pornô mais asquerosas que você pode imaginar”. Riu-se totalmente:

“Pornografia total”. Então acrescentou: “Era uma sensação de ódio. Uma reação de ira. Não era eu. Eu era sempre o pio são Francisco”. Sorriu cinicamente, “o que cuidava das árvores e das flores”.

Albert padecia claramente de uma tendência obsessivo-compulsiva. Permitir expressar na terapia esses angustiosos “segredos sujos”, especialmente a outro homem, serviu para dissipar sua intensidade.

Dizia, deixando-se apoderar novamente pela histeria: “como posso mudar o estado de confusão em que me encontro quando se supões que essa é a forma como devo ser? Um bom menino é o que meus pais querem. Entretanto, meu corpo me leva a uma direção diferente. Isso parece uma contradição”.

“Certamente você está vivendo essa contradição,” indiquei “Está tentando ser tanto o bom menino como alguém que se masturba compulsivamente.” Prossegui: “e está tentando se excluir do seu próprio gênero, como se fosse um esquizofrênico”.

Albert disse pensativamente: “Acho que minha conduta é uma resposta a todo o abuso que sofri quando era criança. Só por ser um menino. Lembro-me de pensar: ‘Deus meu, pode ser que, se fosse uma menina, meus pais me amassem’”.

“Por que iriam te amar mais se fosse menina?” Perguntei.

“Não sei”. Desconcertou a voz. “Mas minha mãe não podia ter controle sobre o fato de eu ser um menino. Quanto a meu pai, na verdade, não me amaria mais, de qualquer forma. Tinha muito pouco que fazer comigo. Quando ele resolvia ser um pai aplicado, fazia isso com David, seu filho do primeiro casamento”.

Albert manteve-se em silêncio. Logo, trouxe à tona outra barreira de sua infância: “Minha mãe era quem mandava em casa. Estava em cima de mim e de meu pai o tempo todo, vinte e quatro horas por dia. Meu pai, como eu, estava totalmente esgotado por sua dominação. Duvido de que aquilo que ele me dissesse produzisse algum efeito sobre mim”.

Sua voz se elevou outra vez ao nível da histeria enquanto dizia: “Por que não me lembro de coisas

que meu pai e eu fizemos juntos? Por que essas lembranças estão tão enterradas, tão distantes?” Ele mesmo respondeu: “Porque qualquer recordação do meu pai é eclipsada por minha mãe. Tudo era

dominado por ela

Completamente em seu poder”.

Depois, quase um grito: “Por que acha que me sinto sem forças? Ainda estou debaixo de seu poder. Ela me vigia todos os dias, está no comando de tudo”.

“Você tem toda a razão”, disse eu.

De alguma maneira conseguiu acalmar-se. Logo seguiu com uma voz mais normal: “Não é a minha vida, é a sua vida que estou levando. Não é brincadeira. Todos os dias, surge alguma situação na qual é baseado nas palavras da mamãe que eu decido o que tenho que fazer. Quando estou de pé na cozinha comendo uma bolacha, sei que não deveria deixar as migalhas caírem no tapete de linóleo. ‘As migalhas atraem formigas, Albert’. Os cabelos que estão na pia do banheiro têm de ser limpos com um lenço de papel. ‘Os bons meninos deixam o banheiro exatamente como o encontraram, Albert’. Essas coisas da mamãe me vêm constantemente”.

Era por isso que Albert se identificava com as plantas que cuidava. Tratava suas plantas da mesma forma que desejava ser tratado – gentil e amavelmente.

“Dou-me conta de que tenho de fazer uma escolha”, disse Albert. “Posso escolher ser muito agradável e superficial enquanto estou com você aqui ou posso ser extremamente honesto e usar esse tempo para minha recuperação.”

“Está certo,” disse-lhe. “A essência da terapia é recordar lentamente a ferida. Logo, recuperar lentamente o verdadeiro eu do qual sua ferida fez com que se excluísse”.

“Desde que venho aqui”, disse ele, quase com ira, “Tenho me sentido mais como um menino pequeno, mais fora de controle e emocional. Tenho chorado mais nas últimas semanas que nos últimos cinco anos”.

Expliquei a ele que a terapia traz para fora os sentimentos enterrados, e que tudo estava se passando como deveria.

“Ultimamente tenho estado em um ponto no qual deixo que as emoções me dominem você”, disse Albert repentinamente.

Graças a

Não estava certo se aquilo fora um sarcasmo, mas decidi não perguntar. “Como você se sente quando chora?”, perguntei.

“Envergonhado, é claro. Quando era um menino pequeno, fiz uma promessa de não chorar e que

sempre a cumpriria”. Sua voz soava com orgulho. “Mas este choro vem na verdade do profundo do

Uma ferida profunda, como se eu tivesse sido arrancado de algo

interior. Vem de uma ferida real

pelo qual ainda sinto um anseio profundo”.

“Você ainda pode voltar a esse algo pelo qual sente um anseio profundo”, disse-lhe.

“Como farei isso?”

“Por meio da introspecção, e depois por meio das novas relações”.

“Novas relações?”

“Sim, porque somente a compreensão intelectual não é capaz de nos transformar realmente”.

“E o que devo fazer?”, perguntou Albert de forma pensativa.

“As novas experiências é que nos transformam. Você ainda não está experimentando intimidade não-sexual com um homem. Esse é o próximo desafio sobre o qual deve trabalhar”.

Albert sempre aparecia regularmente em seu horário. Nunca chegava um segundo atrasado, como se considerasse precioso cada momento. Um dia me disse – no que estava se convertendo em um tom mais firme, mais assertivo – “Comecei a realizar progressos maiores aqui. Grandes raios de iluminação, choques de consciência. Posso ver que estive progredindo”.

Um dia anunciou algo do qual não havia me falado. Disse: “foi minha mãe que, na verdade, me incentivou a buscar a terapia. Ela via que estava só e que não era feliz, por isso pensou que poderia me ajudar a falar com alguém. Não ganho muito dinheiro no viveiro, por isso ela e meu pai me dão dinheiro para poder vir”.

Estava surpreso. Ela não parecia uma mulher que quisesse que seu filho conhecesse mais acerca de seu verdadeiro eu. Com certeza, ela não sabia os temas reais dos quais estávamos tratando.

“Isso é muito compreensível da parte de seus pais”, disse.

“Na verdade, da minha mãe”, corrigiu. “Meu pai só segue sua decisão”.

Aquilo me pareceu delicado. Como dizem em Hollywood: “não há coisa igual a um almoço grátis”. Entretanto, minha preocupação era que Albert pudesse se sentir comprometido pela generosidade deles. Perguntei: “como se sente quanto ao fato de seus pais pagarem sua terapia?”.

“Bem!”, disse enfaticamente. “Eles me meteram nesse saco, agora que me tirem!”

Isso tinha sentido, dadas as circunstâncias de Albert. Aceitando sua resposta pelo momento, fiz uma nota para estar atento a qualquer intrusão dos pais.

“Recentemente tenho me visto olhando mais para os homens”, disse-me Albert.

“Mentalmente, vejo muitos homens, como em uma vitrine, o que só me faz sentir pior. Saí em uma noite dessas e me senti atraído por um cara que vi, deve ter a minha idade – mas, ao mesmo tempo em que sentia essa atração magnética por ele, sentia também uma necessidade de me afastar”.

“Creio que a razão pela qual você se encontra olhando para outros homens”, disse, “é que você ainda não tem uma imagem masculina apropriada dentro de você, e assim busca essa imagem masculina no exterior”.

Albert assentiu: “boa parte da atração se baseia na curiosidade, em querer saber como são os outros rapazes!”, havia som de desespero em sua voz.

“Mas que parte de você se manifesta bruscamente nessas situações?”

“A parte que sente medo dos homens”. Ouvi a ambivalência do mesmo sexo de Albert, tão característica da condição homossexual. Mesmo quando erotizava os homens, sentia-se incômodo

em sua presença.

Logo Albert parecia sentir necessidade de fugir de uma confrontação com sua ambivalência dolorosa. Em vez disso, voltou a uma discussão sobre sua infância feliz. Decidi ir com ele.

“Gostaria de poder esquecer todos os conflitos de sexo e maturidade”, dizia. “Gostaria de voltar ao amor que sentia tão livremente quando era um bebê e era feliz somente por existir.

Depois disso, as realidades da vida transformaram tudo em um pesadelo”.

“O que foi, exatamente, que fez com que uma existência tão feliz se tornasse tão amarga?” Perguntei.

Seguindo outro curto silêncio de Albert: “Creio que quando perdi esse sentido profundo de vinculação com minha mãe, começou o medo. Quando me emancipei de minha mãe, não havia identidade adulta na qual me encaixasse. Tinha esse sentimento de estar suspenso, abandonado”.

“E, de alguma forma, estava. Em um período crítico do seu desenvolvimento – a fase de identidade de gênero – você tinha que se individualizar de sua mãe e desenvolver uma identificação com seu pai. Era seu pai que personificava as petições do mundo exterior. Como dizia Freud, o pai personifica o Princípio da Realidade. Mas você nunca recebeu o apoio necessário dele e de qualquer outra figura masculina”.

De repente, Albert mudou de tema, voltando a retratar o tema mais agradável de sua infância dos sonhos. “Costumava desenhar muito. Era um bom artista. Todos os desenhos eram de coisas

femininas – rosas, pássaros de cores, bailarinas

Nenhum soldado ou carro, só imagens de beleza.

Nunca desenhava homens. Não tinha boa imagem dos homens na minha cabeça. Na verdade, não estava seguro de como deveria parecer um homem.

Se tentava desenhar a Sagrada Família, o menino parecia normal – com uma cara de bebê genérica. Mas passava a maior parte do tempo criando a Virgem Maria. As pregas e dobras de sua capa, seu cabelo, seu nariz, seus lábios. Tentava criar, com empenho, a última e mais bonita Virgem. Quando chegava são José, não tinha ideia. Simplesmente não podia desenhar seu rosto.

Então, quando tinha 11 ou 12 anos, lembro-me de tentar desenhar quadros pornográficos e me sentir muito insatisfeito porque não podia desenhar um homem. Sentia raiva porque fazia homens que pareciam femininos. Tentava desenhar um quadro pornográfico masculino, mas sempre terminava parecendo a Virgem.”

Fingindo

pornografia”.

um

tom

pio,

disse-lhe:

“Certamente

Deus

se

agradava

mais

da

Virgem

que

da

“Provavelmente.” Albert riu. “Mas sabe, talvez seja essa a razão pela qual alguns gays tornem- se

desenhistas de moda feminina

Ainda olham suas mães como a Virgem.” Acrescentou: “Minha

mãe sempre costumava me confundir para decidir onde começava ou terminava”.

Sinto-me como

ela, igual a ela. É como se fossem duas mulheres conversando. E eu não quero isso. Lembro-me de quando era adolescente e levei uma amiga à Dairy Queen. Por fora, parecíamos noivos, mas, internamente, sentia que éramos iguais. Ugh! Odeio isso! Quando volto a pensar naquilo, fico cheio de desgosto!”

“Até mesmo agora, quando falo com uma cliente no viveiro, conecto-me com ela

Estava contente de ouvir Albert descrever seu desencanto, sabendo que sua individuação do feminino estava agora no caminho certo.

“Sabe”, disse Albert, “Tem vezes que você quer ser por você mesmo. Por sua masculinidade”.

“Tenho tentado definir meu corpo, por isso coloquei alguns pesos na garagem, onde me exercito. Quando estou suado, fico somente com roupa de baixo. Assim, quando minha mãe entra em casa, ela percebe que eu estava malhando e diz: ‘Oh, que bom! Vamos nos exercitar juntos!’.

Mas eu não quero fazer exercício com ela! Ali estou, suado e só de samba-canção, mas nada disso parece desconcertá-la ”

“Minha mãe e eu pertencemos ao mesmo clube de saúde e ela quer que eu continue indo com ela. Ela cresceu em uma família que estava sempre junta,” disse Albert. “E essa é sua interpretação da forma como as coisas deveriam ser: sempre juntas”.

“Talvez você mesmo devesse explicar isso a ela. Ela nunca foi um rapaz, não sabe como se sente”.

A queixa de Albert sobre seus pais era bastante típica dos homossexuais: quando era criança, nunca conseguiu bastante de seu pai, mas tinha em excesso de sua mãe. Enquanto ressentia-se da ausência do pai em sua vida, ressentia também a intrusão e interferência da mãe. O pai nunca teve autoridade e a mãe esgotava o poder que tinha. Eu o exortei: “Explique a sua mãe que está tentando seguir seu próprio caminho”.

Em um tom de desânimo, Albert disse: “O problema é que não sei como dizer”. Parecia desconcertado. “Não creio que me entenda. Sempre terminamos discutindo”.

“Ela tira sua energia”, comentei.

“Exatamente. Ninguém tira minha energia como minha mãe”.

Repeti: “Ninguém pode tirar sua energia masculina como sua mãe”.

Albert exalou um forte suspiro, com tristeza em seu rosto, enquanto se permitia explorar seus pensamentos mais ocultos.

Decidi conduzi-lo para uma ideia relacionada: “E essa é a razão pela qual você tem medo de ter intimidade com mulheres”.

“É mesmo?” Disse com a voz de um menino surpreendido.

“Sim. Porque não confia nas mulheres. Tem amigas platônicas, mas quando começa a se sentir mais íntimo de uma mulher, tem medo de perder o controle para ela. Tem medo de que ela tire seu poder pessoal como faz sua mãe”.

Logo perguntei: “Você consegue falar com sua mãe e dizer-lhe como se sente quando está com ela?”

“Ela não me entende”, disse de forma tranquila, mas firme, “se tento explicar a ela minha necessidade de independência, ela se sente rejeitada e insultada”.

“Tem alguma coisa que você sente que está preparado para dizer a ela?”

“Sobre os déficits, as necessidades”.

“Bem,” assenti. “Essa é a essência do problema homossexual, de todas as formas. Fale com ela em termos de querer desenvolver um sentido mais sólido de sua masculinidade”.

Albert seguiu falando: “Durante as últimas duas semanas tenho estado andando de bicicleta com Jack, um garoto que conheci no clube de bicicletas que frequento. Fazemos dez milhas na estrada da Costa antes de ir ao viveiro”.

“Muito bem. E você desfruta de sua companhia?”

“Sim. Levanto-me pela manhã, e não é como esse sentimento fraco de arrancar-se da cama. Gosto

de levantar cedo, justo quando começa a amanhecer e a brisa da costa ainda está fresca”.

“Jack e eu nos damos verdadeiramente bem, e em grande parte porque não me preocupo quanto ao que pensa de mim. Mas ainda sou sempre um pouco tímido quando ando de bicicleta. Preocupa-me que alguém possa estar me olhando e pense: ‘Oh, esse cara é marica’. Às vezes me dá certo medo de esbarrar em uma pedra e cair de bunda no chão. Mas tão rápido quanto entro no calor, o pensamento se desvanece. Digo a mim mesmo: ‘pense somente no que está fazendo’. E quando deixo de olhar para mim mesmo e paro de pensar no que pareço, me encho desse sentimento de poder”.

“Está fazendo um bom progresso. Tem um fogo em seu interior e o desafio agora é mantê-lo aceso. Depois de conseguir uma boa chama acesa, começa ela começará a se extinguir se não puser outro tronco sobre ele.”

“A chama é o seu momento de desenvolvimento e os troncos são novos desafios. Um tronco será o desafio de falar com sua mãe. Ainda outro pode ser esses passeios a longa distância de bicicleta. Mas outro tronco será manter essas amizades masculinas. Essas são as coisas que deixam o fogo aceso”.

Poucos meses depois, Albert entrou em meu consultório e falou emocionado: “Na última vez que te

vi aconteceu algo absolutamente incrível”. Sua voz era muito mais forte agora. Inclusive sem toda

aquela emoção histérica, havia perdido esse timbre. Já não evitava encontrar meu olhar, dirigindo-se

a mim diretamente.

“Na última sessão me senti fraco e sozinho. Creio que sentia pena de mim mesmo. Mas você me deixou inquieto. Você me desafiou e tenho que dizer que doeu. Assim, quatro noites depois, Steve,

do nosso grupo, me chamou e também me deixou inquieto”.

“Sério?”. Estava gratamente surpreendido de que Steve pudesse ter uma intervenção tão decisiva.

“É como se ele tivesse me iluminado. Aquela sensação que ocorre uma vez ou outra. Disse: ‘Você realmente tem de sair dessa e lutar’. Disse-me para deixar de me queixar e crescer. Senti-me insultado e disse: ‘o que você quer dizer? Não posso acreditar em você, Steve’. Mas ele continuou:

‘está fazendo um grande festival pena por Albert O’Connor. Não lembra desse livro de Van den Aardweg? Deixe de levar isso tão a sério! Se quer sair dessa autocompaixão, pode exagerá-la por um tempo, mas depois tem de rir dela’. O que Steve me disse doeu muito”.

Suspirou. “Depois disso, me senti bastante deprimido, como se tivesse sido traído. Havia recebido uma maldição dupla. Primeiro você, depois ele. Pensei: ‘Que merda! ’. Mas logo comecei a raciocinar: ‘Steve tinha razão. Os dois têm. Vocês estão dizendo a mesma coisa’”.

“E, desde então, quando sinto que vem a autocompaixão, procuro apagá-la a uma proporção quase ridícula de propósito para depois rir de mim mesmo”.

Continuou: “Disse que tenho tido muito poucas tentações recentemente para entrar nessas maratonas de masturbação compulsiva. Realmente estou começando a compreender as coisas agora”.

“Estão acontecendo coisas”. Estava encantado com seu progresso. “É incrível, tão libertador! Sinto-me vivo pela primeira vez na vida!”

Albert continuou, depois, falando de seu clube de bicicletas. Disse: “Senti-me um pouco fraco o princípio ao lado daqueles ciclistas de longa distância, mas segui participando. Na semana passada notei uma garota que encontrava em um desses clubes de ciclistas. Não é uma beleza extraordinária, de forma alguma – tem espinhas no rosto. Mas havia algo em sua personalidade que me atraía. Não era sexual, mas pela primeira vez não me senti como uma das garotas. Senti-me como eu mesmo, da minha forma”.

Recordar seus sentimentos sobre a moça o levou a associações sobre seu corpo e continuou:

“Inclusive agora, sentado aqui, não sinto timidez por causa do meu corpo”.

“Por quê?” Perguntei.

“Neste momento sinto-me a vontade fazendo qualquer coisa com minhas mãos”. Agitou sua mão

direita no ar, depois perguntou: “O movimento da minha mão é um movimento amaneirado afeminado? De qualquer forma, não me incomoda, como quer que chame”.

Sabe

“É só algo que se move – uma mão,” disse. Logo acrescentei: “Estão acontecendo muitas coisas boas a você”.

Pela primeira vez na sessão, pareceu preocupado. Disse: “Mas você já me viu animado assim antes, para logo depois me ver cair”.

“Sim,” disse. “Você caiu, sim, mas e daí? Você pode ter muitas quedas, mas isso não é importante. O que é importante é aprender com suas quedar e reduzir seu tempo de recuperação”.

“O que você quer dizer com ‘tempo de recuperação’?”

Expliquei: “É o tempo entre a queda e sua volta ao ímpeto. Recusar-se a afundar na auto derrota é essencial”.

“Quando estou nesse ímpeto, sinto como se tivesse sido libertado”. Parecia mais feliz. “Só de estar aqui, sinto que sou meu verdadeiro eu”.

“Este é seu verdadeiro eu,” disse. “O eu que é espontâneo, igual, que fala francamente, diretamente e em intimidade com outro homem. O eu que não precisa romantizar ou invejar aos demais homens”.

Pensei: “Pouco a pouco, Albert está-se libertando”.

Na sessão seguinte, Albert pôs em questão um tema importante. Logo que sentou, me disse:

“Recordo que minha mãe sempre estava realmente tensa, nervosa, ansiosa – especialmente com

minha saúde. Na verdade, estava obcecada. Em parte porque quando ela era menina sua própria saúde era bastante frágil”.

“Minha mãe tinha dores de cabeça muito fortes quando era criança. Creio que me transmitiu o pânico que sentia por essas dores. Quando era pequeno, eu tinha muitas dores de estômago. Ela entrava em pânico. Era o fim do mundo quando tinha essas dores de estômago. Sempre me servia chá de gengibre e me deixava em casa, sem aula, durante uma semana”.

“Qualquer resfriado era desproporcionalmente exagerado com horror. Minha mãe nunca via as doenças e as dores como naturais. Era como se nossa família tivesse cometido algum crime espantoso e estivesse sendo castigada por isso por meio das doenças. Creio que por isso andar de bicicleta era tão importante para mim. Quero apagar essa imagem de corpo frágil”.

“Quando experimentava o êxito era como caminhar em uma corda bamba. Sabia que podia cair a qualquer minuto, por isso não desfrutava da situação. Minha mãe sempre me recordava que poderia acabar me ferrando, por isso nunca me sentia bem, nem feliz, nem emocionado”.

A fala de Albert me lembrou o significado do conceito de poder intrínseco da Dra. Althea Horner, que o define com o lema: “Sou”, “Posso” e “Consigo fazer”. O valor desse poder intrínseco é transmitido pelos pais. O sentido de poder do menino está essencialmente unido à sua masculinidade. É por meio de sua masculinidade que se descobre esse poder intrínseco. Assim, se não se sente completamente masculino, sempre se sentirá, de alguma forma, sem poder.

Albert disse: “Não só estive levantando cedo para andar de bicicleta, como também tive, hoje, o desejo de sair para jogar basquete. Nunca havia feito isso quando era criança. Depois de todos esses anos, ainda queria ter a sensação de ter uma bola em minha mão e saber o que se sente ao metê-la em uma cesta. Não me importava se parecia um amador”.

Comentei: “Sabemos que uma transformação genuína tem lugar quando descobrimos muitas manifestações pequenas de mudança. Todas juntas representam que algo está mudando verdadeiramente. Realmente há algo se passando em seu interior.”

“Ouço as pessoas dizerem que os homossexuais não devem tentar mudar”, disse Albert com irritação em sua voz, “que um homossexual deve seguir seus sentimentos, quer goste deles ou não”. Seu tom de voz se fez inflexível. “Mas quem são eles para dizerem que não se deve buscar mudança? Nunca me senti bem vivendo como vivia. Pouco a pouco estou me convertendo em uma pessoa diferente. Finalmente estou conseguindo ser eu mesmo”.

O dia em que Albert deixou a terapia foi quase três anos depois do dia em que entrou pela primeira vez em uma consulta. Seu discurso era muito mais seguro. O ataque de histeria ocasional havia desaparecido. Sorria com mais frequência e falava que um dia possuiria seu próprio viveiro.

Algumas mães, como a de Albert, chegam a exigir tanto que seus filhos estejam disponíveis para elas que isso tem, como preço, a individuação masculina do menino. Estão tão presas em suas próprias necessidades narcisistas que nunca veem as necessidades de seus filhos. Como disse Robert Bly: “As mulheres podem fazer meninos, mas só os homens fazem homens”. Não havia homem que fizesse a Albert porque seu pai não fora forte o bastante para interromper a relação insana entre mãe e filho. Albert tivera que sobreviver emocionalmente com um pai que não sabia como relacionar-se com ele. Para fazê-lo, havia desenvolvido uma exclusão auto protetora em relação aos homens. Criado pelo psicanalista britânico John Bowlby, o termo exclusão defensiva foi adaptado à homossexualidade pela psicóloga Elizabeth Moberly. Descreve a manobra auto protetora infantil de um menino contra a ferida emocional.

A relação dolorosa de Albert com seu pai teve, como consequência, uma exclusão defensiva. O trauma (que pode ser causado pelo abandono, pelo abuso ou pela hostilidade) produz medo, que é a base da alienação. Quando estamos impressionados pelo medo, permanecemos alienados daquilo que o produz. A exclusão defensiva de Albert foi transferida para sua relação com outros homens. Distanciado emocionalmente dos homens e da masculinidade, os romantizava.

Representavam a parte de si mesmo que não havia desenvolvido.

Ainda que se apaixone por outros homens e tenha intimidade sexual com eles, o homossexual nunca se permite identificar-se com a masculinidade. Admira-a, romantiza e até pode viver o papel masculino de forma superficial, mas mantém uma resistência interna em reivindicar sua identidade masculina plena. Essa resistência da exclusão defensiva emerge nas relações masculinas em forma de crítica, de encontro de culpas e de promiscuidade. O homossexual pode amar a outros homens, mas existe também a hostilidade e o medo deles. Assim, suas relações com os homens são invariavelmente ambivalentes.

Somente em relações masculinas de longa duração, íntimas, de aceitação, honestas e não sexuais, o homossexual pode começar a resolver a exclusão defensiva que produz a ambivalência do mesmo sexo. Albert havia começado a solucionar essa exclusão através de relações com muitos homens: eu mesmo, os homens do trabalho e os de seu grupo.

Cada um de nós, homem ou mulher, é conduzido pelo poder do amor romântico. É uma das formas pelas quais a natureza assegura a perduração da espécie humana. As relações amorosas ganham seu poder de nosso impulso inconsciente para chegar a ser um ser humano pleno. Nos heterossexuais, essa fonte de impulso une ao homem e à mulher por meio do desejo mútuo. Mas nos homossexuais

o impulso é uma tentativa de satisfazer um déficit na totalidade do gênero original. Assim, dois homens nunca podem compreender-se mutuamente de maneira plena e aberta. Não só existe uma inadaptação anatômica natural como também uma insuficiência psicológica inerente. Os dois amantes chegam à relação com o mesmo déficit, buscando simbolicamente completar seu gênero original.

Por volta de um ano depois, Albert me chamou por telefone para uma atualização de pontos, como a chamamos. Desde o fim de sua terapia, havia se unido a um grupo de apoio a ex-gays que, disse- me, havia-lhe sido de grande ajuda. Com esse grupo, havia continuado explorando as relações passadas com seus pais para compreender o impacto que permanecia em sua vida.

Albert me falou de uma amiga, Helene, que havia conhecido no viveiro. “Ela ama as violetas africanas”, disse-me com entusiasmo. Haviam saído continuamente durante meses.

Antes que pudesse perguntar, Albert disse: “Sim, ela sabe de tudo”. Descreveu Helene como “a melhor amiga que já tive em minha vida. Posso dizer a ela tudo o que se passa em minha mente ela me apoia”. Ele disse que sua relação era “física, mas ainda não sexual”.

A descrição de Albert de seus sentimentos por Helene não era incomum para um homem com uma

base homossexual. É comum para esses homens proceder lentamente em direção à intimidade sexual com uma mulher. Seus relacionamentos com frequência se desenvolvem em três artes:

amizade, depois afeto e, posteriormente, a expressão desse afeto por meio da sexualidade.

Isso está em contraste com o homem heterossexual, que primeiro se sente atraído sexualmente pela mulher para depois conhecê-la como amiga.

Muitos homens com base homossexual esperam encontrar-se atraídos pelas mulheres da mesma

forma que os heterossexuais. Entretanto, as formas de aproximar-se das mulheres podem ser diferentes para cada um. Os homens ex-gays necessitam estar seguros disso por sua história.

Podem tomar um caminho diferente – amizade primeiro, sexo depois – para o mesmo objetivo. Sobre suas atrações homossexuais, Albert disse: “É muito diferente do que foi no passado.

Agora, graças a Helene, meu objetivo é reivindicar completamente a heterossexualidade que nunca

desenvolvi. E me sinto responsável em nossa relação

portanto, quando aparecem essas velhas atrações, digo: ‘o que se passa aqui? ’, logo posso perceber que esses sentimentos por outros homens têm a ver com sentimentos por mim mesmo, como medo,

estresse etc.”

Já não sou só eu, somos Helene e eu. E,

Continuando, Albert me disse: “Compreendo essas atrações como algo que não recebi quando era pequeno – algo que merecia. E estou conseguindo cada vez mais o que necessito com meu grupo de apoio e abrindo-me aos demais homens, algo maravilhoso para mim”.

Perguntei então: “Isso significa que suas atrações não desapareceram por completo?”

Em um tom inusitadamente decisivo, respondeu Albert: “Creio que sempre podem voltar, agora ou depois, dependendo da profundidade da carência. Vejo meu crescimento como um processo contínuo. Conseguir amor e apoio de Helene e dos homens de meu grupo de apoio faz toda a diferença”.

Enquanto falava, Albert parecia compreender, por fim, o conceito de falso eu – a estrutura de identidade que jaz por trás da etiqueta do eu gay. “Sigo compreendendo minha educação e seus efeitos sobre mim no presente. As mensagens que recebia quando era pequeno eram: ‘você é fraco, não é macho, não é nada’. Na adolescência mudou para ‘deve ser gay’. Agora estou buscando refutar essa falsa identidade que os outros tentaram me impor – uma identidade que me fizeram crer que era minha. Não. Não sou gay. Agora estou determinado a ser o homem que quero ser, e não a apaixonar-me por ele”.

CAPÍTULO 2

TOM, UM HOMEM CASADO

Thomas James entrou em meu consultório de Encino – um homem surpreendentemente atraente, cerca de 1,80m de altura. Seu rosto era liso, bronzeado e limpo. Seus olhos eram de um azul intenso que combinavam com a cor pastel de sua pólo. Usava calças chino grossas e mocassins marrons.

Ofereci a mão e sorri. Tom devolveu a saudação com um rápido e forçado aperto de mãos. Logo, deixou cair seu corpo magro na cadeira estofada que lhe indiquei.

Enquanto se sentava em seu lugar, seus olhos percorreram a sala como se estivesse avaliando. Depois, estando satisfeita sua curiosidade, inclinou-se para frente e começou a falar:

“Primeiro, Dr. Nicolosi, deixe-me apresentar os fatos. Tenho 40 anos. Fui casado por 15 e tenho dois filhos: um menino de 10 anos e uma menina de 7. Sou dono do West Valley Sporting Goods e, para dizer sem rodeios, tenho me dado muito bem nestes dez anos em que tenho esse negócio”

.

Acendeu um cigarro, tragou-o impacientemente e o depositou no cinzeiro.

“Minha esposa, Cynthia, e eu nos separamos há poucos meses. Eu tive uma aventura com um

garoto jovem, Andy, que trabalhava para mim na loja. Tem 24 anos”. Ele riu. “Eu poderia ser seu

pai”.

“Quando Cynthia ficou sabendo, ficou furiosa. Disse: ‘quero que pegue suas coisas e vá embora dessa casa hoje mesmo’”.

“Quanto tempo faz isso?” Perguntei.

“Seis meses. Saí de casa deixando minha esposa e meus dois filhos para viver essa terrível vida

solitária”.

Houve um silêncio. Depois, ele disse: “Doutor, realmente não gosto da minha esposa. É uma boa mãe para meus filhos, mas muito negativa comigo e com tudo o que me diz respeito. Somos muito

diferentes

crianças. E controla tudo em casa. Sinto-me como um anão de enfeite de jardim dentro de casa”.

Sou ambicioso e gosto de sair, enquanto ela está sempre ocupada com a casa e com as

Assenti: “Bom, diga-me, como ela ficou sabendo de sua relação com Andy?”

“Foi em um sábado à noite. Senti que tinha que sair de casa. Não havia descansado – como me acontece com frequência – de forma que chamei Andy e combinamos de nos encontrar em um bar gay que costumávamos frequentar”.

“Em meu caminho para a porta, Cynthia me deteve e quis saber aonde eu ia. Pela primeira vez, não

sei o porquê, soltei impulsivamente toda a história. Disse-lhe que era gay e que iria ver meu amante”.

“Ela ficou pasma. Disse: ‘em todos esses anos que vivemos juntos, por que nunca me contou?’. A princípio não sabia o que dizer. Depois, confessei: acho que é porque pensava que poderia viver ambas as formas de vida”.

“Disse, então, que Andy era meu amante. O rapaz era um amigo da família. Como sua família vive fora da cidade, havia estado conosco nas últimas festas de Ação de Graças e Natal”.

“Quando ouviu que Andy era meu amante, Cynthia ficou realmente furiosa. Disse: ‘quer dizer que andava fazendo sexo com esse garoto pelas minhas costas enquanto o recebia em minha casa?’”

Tom fez uma pausa durante um tempo, pegou seu cigarro e se tombou no sofá. Olhando ao redor da sala, soprando sobre seu cigarro e exalando profundamente, parecia a caminho de um complacente momento de tranquilidade.

Depois, chegou ao núcleo do que o estava inquietando: “Na verdade, pensava que seria mais feliz

fora de casa. Nenhuma exigência de nada

minha família tenho me sentido sem valor, vazio”.

só responder por mim mesmo. Mas desde que deixei

Moveu a cabeça com tristeza. “Fazer sexo com um homem é uma situação solitária. As relações entre homens não duram, e em parte se deve à desonestidade dessas relações. Há muito engano. Esse é o meu maior medo de ser gay. Terminar sozinho, não ter ninguém comigo em casa”.

Suas seguintes palavras foram súbitas e mordazes, como se fossem cheias de repressão: “Não sei por que estou aqui, Dr. Nicolosi. Tudo o que sei é que não gosto do que fiz com minha vida.

Enganei minha esposa, enganei minha mãe. Os últimos três homens que vieram se foram. Até

Agora, nem

sequer me sinto bem indo vê-los. Não tenho um verdadeiro lar. Quando vou para casa ver meus filhos, me pergunto: ‘será que minha esposa falou para eles de mim, de minha homossexualidade?’. Sinto-me terrivelmente deprimido e não sei para onde está me conduzindo essa nova vida”.

mesmo Andy me deixou e agora estou completamente sozinho. Perdi meus filhos

Mais silêncio. Depois, encolhendo os ombros amplamente, disse: “Tenho vivido uma mentira durante tanto tempo que não sei se posso ser restaurado. Pode ser que eu sequer queira ser curado. Um passo para trás e outro para frente, um para trás e outro para frente. Às vezes penso que não existe uma resposta”.

“Então deve ter ouvido que ajudo homossexuais e transformarem sua sexualidade”.

Assentiu. “Ouvi que seu trabalho está muito distante do politicamente correto. Que há muitos terapeutas gays que não gostam de você pelo que faz. Mas eu gosto do que ouvi falar de você e esse é o motivo pelo qual estou aqui”.

“Ótimo”, estava feliz por ele ter compreendido meu enfoque desde o princípio. “Porque se você quer ajuda para divorciar-se de sua esposa para ter uma vida com seu parceiro gay, não me dedico a isso. Por outro lado, se quer compreender por que é homossexual e o que pode fazer para mudá-lo, podemos começar agora mesmo”.

Tom olhou-me com apreço e riu. “Gosto do seu enfoque. Não perde tempo, não é?”. Tragou profundamente o cigarro e o pôs no cinzeiro. “Por onde começo?”

“Diga o que preciso saber para te ajudar”.

Quando, na semana seguinte, Tom entrou no consultório, parecia sério e preocupado. Fazendo apenas uma pausa para me cumprimentar, continuou com o relato de sua história.

Enquanto me falava de si mesmo, se fez aparente que Tom era, de alguma forma, diferente da maioria dos homossexuais que me procuravam. Como a maioria dos clientes, Tom descreveu uma queixa enorme contra seu pai. Como eles, tinha um sentimento interno de inadequação como homem. Por outro lado, Tom não mostrava evidência externa de déficit de inadequação de gênero.

Não tinha problemas de asserção com os demais homens e tratava energicamente aos demais ao dirigir o negócio. Era geralmente enérgico ao perseguir o que queria. Parecia divertido e confidente. Entretanto, debaixo disso, tinha a fragilidade emocional típica de muitos clientes homossexuais. Tom, além disso, não dirigia suas relações pessoais da forma como dirigia suas relações de negócios. Com as relações de amor, tinha a tendência de ser passivo, como fez com Cynthia, com Andy e com seus filhos. Essa obediência era parte de um modelo de relação que começou em tenra infância.

Tom me falou de seus problemas nas relações com os homens: “Já houve alguns homens magníficos que tentaram aproximar-se de mim e serem meus amigos, mas uma vez que se aproximaram, eu dizia: ‘Fora!’. Gosto mais de quando posso sustentá-los em meus braços, quando são mais jovens ou menos poderosos e posso controlá-los”. Com uma risada irônica: “Talvez seja por isso que me sinta tão livre no trabalho: ali sou o chefe”.

“Mas não sei,” continuou “Da mesma forma que necessito desse sentimento de ter o controle, há vezes em que pareço perder o controle tão rápido que deixo o sexo dominar as coisas.”

“Você sabe,” acrescentou. “Uma vez que se sexualiza os sentimentos por um homem, não há como ser seu amigo. É uma vida de ame-os ou deixe-os”. Sua voz ficou séria. “Acho que a terapia é a única relação íntima que terei com um homem sem sexualizar a relação”.

“Essa é uma introspecção excelente,” disse eu. “Com efeito, essa é a essência da terapia reparativa – aprender a estabelecer relações íntimas e não sexuais com outros homens. Porque, como a maioria dos homossexuais, você tem muito mais que um simples problema sexual. Você necessita de algo dos outros homens. Quais são essas necessidades básicas que você busca suprir em uma relação com um homem?”

Pensou durante um minuto e logo respondeu abruptamente: “Preciso de emoção”. Sua voz era sincera, querendo que eu compreendesse a intensidade de sua necessidade. “Consigo um sentimento especial de excitação com essa atenção masculina. Tem algo que se aviva dentro de mim quando faço sexo com um homem”. Buscando palavras, continuou: “Há uma eletricidade, um poder que essa carga de masculinidade que me dá”.

Pensava que era hora de explicar a Tom como a conduta homossexual é evidência do impulso reparador para satisfazer três necessidades emocionais, necessidades nunca satisfeitas na relação com o pai: afeto, atenção e aprovação.

Como a maioria dos homens extrovertidos, Tom reclamava a atenção na maioria das vezes. “Quando era menino, nunca tive amigos homens, por razões que bem podem ser circunstanciais. Os meninos da minha idade pareciam distanciar-se e eu sempre terminava sozinho com minhas irmãs. De alguma forma sempre me senti enganado pelos amigos homens”.

Incentivei-o para que me contasse mais de sua infância.

“Muito da minha infância é um vapor. Sequer lembro muito bem da relação dos meus pais comigo ou de muito do que se passou em meus primeiros anos. A maior parte é como um vazio”.

“Pode recordar de alguma coisa?” Perguntei.

Fez uma pausa e logo disse bruscamente: “Meu pai me prometeu que me daria um coelho uma vez, mas nunca me deu. Minha irmã prometeu que me levaria a uma festa de carnaval uma vez, mas logo se esqueceu. Nunca senti muita alegria enquanto crescia”.

“O que mais?”

Pensou um momento e logo recordou: “Quando tinha 10 anos, me senti realmente entusiasmado quando um garoto mais velho que morava ao lado da minha casa me pediu para que fosse com ele jogar beisebol. Mais tarde, implicou-me em jogos e práticas sexuais”.

“Isso é interessante.” Comentei.

“O que é interessante?”

“Que as únicas recordações que você trouxe à luz são de enganos”.

Tom riu amargamente. “Deve ser meu estado de ânimo, devido à minha ruptura com Andy”.

Ele tentou minimizar a importância da minha interpretação e eu lhe disse que não concordava que somente o estado de ânimo estivesse por trás da coleção particular de recordações apresentada.

Com efeito, o desencanto e a traição na infância é um tema repetido na vida de meus clientes. Na idade adulta, permanece o medo de que se sintam vulneráveis.

Perguntei: “Você sentiu, enquanto crescia, que de alguma forma tinha que comprometer sua identidade? Sua mãe ou seu pai te expressaram de alguma forma que, para receber seu amor e atenção, você tinha de ser diferente do que era?”

Uma expressão de questionamento cruzou seus penetrantes olhos azuis: “Na verdade, não posso responder isso. Não me lembro de sua relação comigo nem do que se passou em minha infância. A maioria está em branco”.

Não me surpreendi. As crianças geralmente têm vagas recordações da infância devido ao fato de suas identidades verdadeiras terem sido enterradas há muito tempo em favor das falsas que aprenderam a adotar. Eu sabia que, quando Tom começasse a confiar mais em mim, as recordações fluiriam. Mas estava claro que, por hora, simplesmente necessitava continuar falando, de forma que decidi não seguir nesse tema em particular. Mudando de tema, perguntei: “Você tem estado muito exposto ao mundo gay?”

“Bem pouco,” disse ele. “Experimentei tantas facetas dele quanto pude – os bares da moda, as viagens de fim de semana à Rua Castro de San Francisco. Cheguei a passar uma semana em um cruzeiro gay uma vez – disse a Cynthia que tinha de viajar a negócios. Tinha curiosidade. Queria provar de tudo”.

“E o que você viu? Como se sentiu?”

“Bem, pelas minhas experiências, percebi que há muita infelicidade. No mundo heterossexual, há mais do que parece para manter a gente com fé. O mundo gay tem muitas oportunidades sociais e sexuais. E os gays não têm o apoio social do matrimônio”.

Perguntei: “Você vê algum problema real nas relações entre homens? Ou acha é um estigma social que faz com que as relações monogâmicas gays sejam tão difíceis de se sustentar?”

Pressionei Tom para que fizesse essa distinção. Um homem que crê que a infelicidade das relações homossexuais deve-se somente ao estigma social não será candidato à terapia reparativa. Deve ser dirigido por uma insatisfação com a vida gay.

“Há algo realmente difícil nas relações gays”, disse Tom, concedendo, “Provavelmente é mais que o juízo da sociedade”. Depois admitiu: “É o fato de estarem dois homens juntos”.

Tom começou a compartilhar algumas ideias que somente um homem que havia levado uma vida dupla poderia dizer: “Os homens têm uma tendência a entregar-se menos, a não se dar tão voluntária e espontaneamente como as mulheres. As mulheres parecem bastante seguras em colocar-se em segundo lugar. Com frequência, veem em seus maridos uma continuação de si mesmas. Parecem menos cheias de seus egos”.

Continuou: “Os homens têm uma tendência a ter medo da intimidade”.

“Você crê que a intimidade entre dois homens pode ser tão profunda quanto a que há entre um homem e uma mulher?” Perguntei.

Sua resposta foi direta: “Não creio. Porque a mulher traz algo que complementa a relação. Equilibra-se com as qualidades que do homem”.

Disse a ele que estava em boas condições de saber devido ao fato de ter experimentado as duas relações. Então perguntei: “Você pode me descrever em que se diferencia o sexo entre dois homens do sexo entre um homem e uma mulher?”

“A experiência sexual com os homens é mais

dizer isso, mas o sexo com as mulheres é mais doméstico, mais inibido. Há uma excitação animal mais crua com os homens enquanto que com uma mulher é mais emocional, uma experiência mais global”.

Buscava a palavra. “Mais sexual. Parece estranho

Continuou: “Há outra grande diferença. Muitas vezes, senão na maioria das experiências gays, o sexo vem antes de tudo. Dois homens juntos tendem a querer sexo imediatamente”.

“E depois, o que sucede?” Perguntei.

“Vendo por minha experiência, o aspecto sexual da relação geralmente não se mantém. Na maioria dos casos, a relação fracassa rapidamente”.

“Isso parece apoiar a investigação sobre as relações gays,” respondi. Depois perguntei: “Até que ponto você esteve implicado sexualmente com homens?”

“O sexo com homens dominava bastante meus pensamentos quando era mais jovem. Começou quando meu irmão mais velho fez sexo comigo quando tinha 8 anos. Então veio o garoto da casa ao lado, era constantemente, por volta de um ano. Depois disso, houve dois garotos no colégio e mais

dois na universidade. Então me apaixonei por Cynthia, e fui fiel a ela durante cinco nos, até que nasceu nossa filha. Foi um pouco depois que Andy entrou em minha vida”.

É significativo que Tom permanecesse fiel à sua esposa até o nascimento de sua primeira filha. É

um padrão comum que a conduta homossexual de um marido saia à superfície como problema quando a esposa fica grávida de seu primeiro filho. Isso tem a ver com a necessidade de fugir das responsabilidades e, neste exemplo, da responsabilidade iminente da paternidade. O homem que luta com impulsos sexuais se sente sobrecarregado pelas exigências de seu papel de marido e pai. Esses sentimentos parecem ser parte de uma tendência mais geral de evitar a responsabilidade relacional, que é um problema encontrado frequentemente entre os homens que lutam contra a homossexualidade.

O que Tom disse depois confirmava minha opinião: “No transcurso de minha relação com Andy,

também tive aventuras com outros homens. Às vezes, quando Andy e eu não estávamos bem, a sexualidade se convertia em uma obsessão”.

“Como podia fazer sexo com homens estranhos enquanto mantinha uma relação com Andy?” Ele encolheu os ombros. “Não sei”, disse com tristeza, “da mesma forma que não sei por que fazia sexo com Andy enquanto estava casado com Cynthia”.

“Mas já sabe,” reconsiderou. “Apesar de tudo, ainda confio em Cynthia. Depois que me expulsou

de casa, Andy e eu dividimos um apartamento. Depois Andy se foi, e eu não podia controlar minhas

emoções, minhas mudanças de humor. Estava tão deprimido que chamei Cynthia para chorar em seu ombro”.

“Só um minuto,” interrompi. “Deixe-me ver se entendi: você esperava que Cynthia te consolasse quando Andy te deixou?”

Assentiu como um menino pequeno.

“Isso não seria um pouco

trabalho – um amigo da família – pelas costas de sua mulher. Ele te deixa e depois espera que ela te

console?”

surrealista?” Perguntei. “Estava tendo uma aventura com um rapaz do

“Não sabia o que fazer, a quem acudir”, disse. “Acho que estava muito atormentado, em crise”. Pensou por um momento. “Agora que você diz, não posso acreditar que pude fazer tanto mal a ela. Porque a amo. Há uma razão pela qual me casei com ela. Fomos bons amigos durante dezoito anos”.

O narcisismo de Tom me era óbvio, mas havia uma possibilidade mais remota. “Você crê que sua

insensibilidade margeava a hostilidade?”

Tom me olhou desconcertado. Ficou calado durante um longo momento e depois disse: “Quando penso, acho que é bastante óbvio”.

“Por que você acha que a fez mal – além de sua absorção em si mesmo e em sua própria angústia?”

“Bem, como você sabe, simplesmente não posso ser eu mesmo com Cynthia. Quando pus os pés em sua casa, tornei-me um Sr. Nada. É sua casa, seu lar. Portanto, sim, pode ser que a tenha feito sofrer por meio de minha relação com Andy”.

Na resposta de Tom percebi uma queixa comum de muitos homossexuais casados: sentimentos da

perda do controle de suas esposas, com um inevitável ressentimento contra elas.

Ele ficou tranquilo de novo e permaneceu em silêncio. Depois disse, em um tom orgulhoso: “Eu a fiz bastante feliz até que conheci Andy. Quero dizer, até que me virou de ponta-cabeça. Tirou o melhor de mim – fez com que o velho se parecesse com um tonto”.

Podia ver que Tom havia sido propulsado à terapia por essa profunda dor. Sua vida dupla já não funcionava. Foi esse trauma que o levou a refletir sobre a vida que andava levando.

Quis voltar ao que Tom estava dizendo anteriormente: “Fale-me de como se sentia em casa com Cynthia”.

“Simplesmente nunca me senti apreciado por ela”, disse. “Eu sempre sentia que estava ali a descanso. Como quem tinha de sair. Fazer alguma loucura. Encontrar algo excitante”.

“Por que,” continuou. “Em toda a minha vida me senti tão dirigido? Tão cansado e ansioso? Nunca estou satisfeito com nada por muito tempo”.

Isso é algo que escuto com frequência dos homossexuais. Sentem que estão fora do controle, que suas necessidades não são reconhecidas pelos demais e se encontram aprisionados por trás de uma fachada queixosa e cooperadora. Sua forma de conseguir alívio desse falso eu do qual se queixa é tendo relações sexuais. O aborrecimento, a ansiedade e a depressão são os estados de ânimo identificados com mais frequência como incitadores da conduta homossexual. Quando termina a aventura, voltam ao que o psiquiatra Harry Gershman chama de “padrões petrificadores da existência”.

Os apologistas defendem que as insatisfações desses homens surgem do estilo de vida do

matrimônio não natural ao qual se forçam a adaptar. Mas eu estou convencido de que os problemas

se devem a algo muito mais profundo que a forçada conformidade social. Os homossexuais que

estão casados não são os únicos atribulados por essa montanha russa de sentimentos. Tenho observado esse mesmo modelo de flutuação – insatisfação desamparada alternada com euforia homoerótica – também na vida dos homossexuais dentro de relações gays.

O estado de ânimo de Tom mudou subitamente e sua voz se tornou aguda: “Eu vivi uma mentira

durante tanto tempo. Não sei se posso mudar. Tudo parece um modelo sem esperança. Às vezes penso em me matar, quando chego ao fundo do ciclo”.

Depois disso, permaneceu calado e, então, encolhendo os ombros, disse: “Pode ser que Deus tenha me feito dessa forma. Se sou gay, Deus me fez gay, mas, Deus Santo, por que tinha que dar uma boa esposa e filhos?”

Aqui ouvi o fluir de um verdadeiro desespero misturado com super dramatização. Decidi não comentar esse último para não ser mal interpretado como antipático como anteriormente. Sabia que a frase “nasci gay” era uma taquigrafia de “não quero olhar para minhas experiências da primeira infância que causaram minha tendência homossexual”.

“Não há um gene gay”, disse eu. “Isso é um assunto de identidade”.

Um dia, poucos meses depois, Tom entrou dando saltos no consultório e se largou pesadamente na poltrona. Tinha um estado de ânimo falante e parecia estar contente por estar comigo.

“Há poucos anos fiz terapia com um psicólogo gay. Estava lutando com minha homossexualidade,

minha autoimagem e meu casamento. Cynthia e eu não íamos muito bem.

Havia saído de casa várias vezes. Queria deixá-la. Estava aborrecido. A única coisa que me mantinha ali era o fato de amar aos meus filhos. Estava tendo aventuras escandalosas com Andy e outros homens e estava ficando louco.

Ainda que o psicólogo não tenha me conduzido ativamente ao mundo gay, na verdade, tampouco me disse nada contra. Ficava calado e comentava muito pouco”. Tom refletiu um sorriso rápido:

“Não como você”.

“Honestamente, teria gostado que ele tivesse me orientado um pouco melhor. Dizer algo do tipo:

‘ei, vamos pôr sua vida em ordem, pôr as mãos na obra para que deixe esses loucos casos amorosos’. Creio que pensava que eu poderia fazer isso sozinho. Não fiz”.

“Como terminou sua terapia?” Perguntei.

“Terminou abruptamente no sexto aniversário de minha filha, durante uma de minhas separações de Cynthia. Estava triste e frustrado por perder minha família porque meu terapeuta disse: ‘você não está perdendo sua família. Se escolher ficar com seu amante, ainda poderá ver seus filhos’. Fiquei pensando: ‘mas não estarei ali às três da manhã quando as crianças acordarem chorando chamando pelo pai’”.

“Você estava perdendo sua família”, coincidi.

“Falam de ‘tempo de qualidade’” prosseguiu. “Entretanto, eu digo: ‘também existe um tempo de quantidade’. No aniversário de minha filha, finalmente voltei a esse estado de desânimo e disse a

ele: ‘provavelmente você não sabe pelo que estou passando. Sou um homem casado, tenho um caso com outro homem e minha filha faz seis anos hoje. Sabe o que isso significa realmente? Pode compreender os sentimentos que estão no meu interior?’. Disse a ele que deixaria de ser gay se era

o preço que tinha de pagar”.

“Sentia que ele não podia se relacionar com você?”

“Sim, creio que me frustrei. Não podia me compreender”.

Nesse momento, Tom se incorporou, olhou-me diretamente e disse: “Vou ter de encontrar a melhor

forma de trabalhar dentro da situação. Provavelmente sempre terei tendências homossexuais, você me disse. Mas também sou consciente de que existe uma opção, um ato de vontade implicado. Ainda gostaria de fazer sexo com homens, mas o custo simplesmente é alto demais. Meu casamento

e meus filhos são mais importantes”.

No final, Tom estava comprometendo-se seriamente em superar sua atração pelos homens. Sabia que era uma decisão que o Movimento dos Direitos Gay reprovaria. Diriam que era desonestidade com seu verdadeiro eu, hipocrisia – esse tipo de retórica. Eu, entretanto, sentia grande respeito por Tom James. Havia escolhido o caminho difícil, mas creio que o correto.

Tom vinha regularmente duas vezes por semana. Lutando contra o tráfego da rodovia de Los Angeles por toda a tarde, de alguma forma conseguia aparecer com pontualidade a suas sessões.

Costumava chegar com impaciência para falar, mas um dia se sentou desconsolado e colapsado em sua poltrona.

“Tenho que fazer alguma coisa com minha vida. Ainda não tenho um lar real e estou ficando em um hotel qualquer. Estou sozinho e deprimido”.

Evidentemente, Tom tinha que tomar uma decisão clara. Perguntei: “Alguma vez, você teve algum amigo íntimo homem?”

“Acho que sim”, disse. Mas enquanto Tom contava de novo seus amigos, ficava claro que tinha muitos conhecidos, mas não verdadeiros amigos. Ainda que gostasse de sair, fosse amistoso e extrovertido, na verdade, ninguém o conhecia. Tendia a ocultar-se atrás de uma fachada gregária.

Disse eu: “Você nunca teve uma amizade cômoda e de confiança com um homem com quem pudesse ser você mesmo. Mais ainda, o elemento sexual sempre produziu um curto-circuito com as amizades ao ter contatos rápidos e impessoais”.

“Realmente acreditava que Andy era meu melhor amigo”, continuou. “Mas, olhando para trás, está

claro que era só uma ilusão. Tivemos uma relação desequilibrada – eu era seu chefe e muito mais

velho

como vantagem” Tom se manteve em silêncio durante um momento. Depois, falou com um suspiro:

“acho que ambos nos usamos mutuamente”.

Poderia ser seu pai. Quanto mais penso nisso, mais me dou conta de que ele utilizava isso

“E sabe o que mais, Joe? Estive pensando. Estive usando minha homossexualidade como desculpa, como escapatória”.

“O que quer dizer?” Perguntei.

“Quando não utilizo a etiqueta gay, tenho que afrontar a vida, afrontar a mim mesmo. Estive utilizando meu problema como uma forma de não crescer”.

Esperei que seguisse: “Não tenho que cumprir minhas responsabilidades! Não tenho que pensar em minha família ou nos demais! Sou gay!”. Seu tom era de auto ridicularização.

Não é incomum que os homens descubram, ao longo do tratamento, que encontram uma sensação de segurança ou de caminhada para trás justificável ante os desafios das responsabilidades adultas quando reivindicam a etiqueta “gay” para si mesmos. Para alguns homens, essa identidade serve como defesa contra as ansiedades da intimidade homem-mulher e outros desafios adultos. Tom também utilizava a etiqueta “gay” para libertar-se de um sentido pesado de responsabilidades.

Disse Tom: “Sempre me pus esse título enfeitado de força e bravura. Mas agora me dou conta de que nunca me senti verdadeiramente bravo ou de que afrontei a verdade da qual estava fugindo”.

Não disse nada, esperando que ele continuasse.

“Me sentia deprimido e cheio de ansiedade. Posso ver que só estava brincando de ser um homem real. Não creio que possa sê-lo, não da forma que andei vivento. Não sei se serei capaz algum dia de estabelecer-me e de levar as responsabilidades de minha família”.

Seguiu um enorme silêncio. Por fim, pensativamente, disse: “Pergunto-me se quero ser um homem, nos termos que requereria de mim”.

Havia um tom de sabedoria em sua voz enquanto dizia, depois: “Não há nada mais triste que um mariquinha velho. Esse é um ditado antigo”.

Parecia-me que estava ouvindo algo de auto dramatização nisso pelo que o conduzi a alguma responsabilidade.

“Você disse muitas vezes que se sente um estranho em sua própria casa, que parece ‘a casa de

Cynthia’. Queixa-se de sentir-se como um estranho

respeitado. O que está mal em sua casa que não te permite ser forte alguma autoridade?”

Que te impede de assumir

Que tem de ir trabalhar para se sentir

“Não sei”, encolheu-se Tom, concedendo. “Mas é algo do qual seria melhor começar a falar. Cynthia me chamou na semana passada e perguntou se gostaria de tentar voltar a viver com ela”.

“E o que você disse?”

“Bem, admito que me alegrou ouvir sua voz. Realmente gostaria de fazer o possível para ir bem com ela. Disse que o faria”.

“Que bom”.

“Ela está querendo te chamar para ver o que se pode fazer para salvar nosso casamento”.

Falei com Cynthia naquela noite e ela perguntou se poderia me ver pelo bem de Tom, ainda que eu não duvidasse de que ela tivesse, igualmente, preocupações consigo mesma. Eu estava prestes a sair de férias de verão, de forma que marcamos um horário para setembro quando Cynthia viria sozinha para se consultar comigo.

Depois de ouvir Tom descrever sua vida no lar como aborrecida e tediosa, fiquei surpreso quando descobri que Cynthia era uma loira encantadora, extrovertida e bem vestida. Depois, uma vez mais, sabendo da importância que Tom dava às aparências, deveria ter esperado que sua esposa fosse surpreendentemente atraente.

Mesmo que Cynthia e eu nunca nos houvéssemos visto antes, saudamo-nos para a sessão como se fôssemos velhos amigos. Esse sentido de familiaridade imediata não me deixou dúvida do fato de que nós dois conhecíamos o mesmo homem intimamente. Além disso, ela viu em mim um aliado.

Eu não era simplesmente um terapeuta neutro. Estava a favor do casamento e da diminuição da homossexualidade de Tom. Alguns psicoterapeutas sugerem aos clientes que uma esposa deve aceitar as aventuras homossexuais do marido. Racionalizam esse conselho absurdo falando de “respeitar a natureza verdadeira e bissexual do esposo”. Nunca cri na existência da bissexualidade. Para mim, o chamado bissexual é alguém que não resolveu sua homossexualidade.

Cynthia começou assegurando-me de que havia vindo para ajudar Tom. Encorajei-a a falar de si mesma e contar sua própria história. Seu pai era alcoólatra e sua mãe, inadequada e frágil emocionalmente. Pude entender por que se havia visto arrastada pela energia e auto possessão que irradiava de Tom.

Cynthia me falou da noite em que soube da verdade sobre a sexualidade de Tom. “Em uma explosão de histeria, ele me contou tudo sobre sua vida. Foi a coisa mais horrível que aconteceu em minha vida”, admitiu. Sua voz se acalmou enquanto prosseguia. “Por um momento, não podia acreditar”.

Perguntei: “Como você lidou com o que ele disse?”

“Fiquei aborrecida

assimilar a verdade. Pedi a ele que fosse embora imediatamente. Estava tão desgostosa que não podia olhar para sua cara. Depois, senti tristeza por ele, pelas crianças e por mim mesma”.

Era mais fácil que lidar com meu horror. Quero dizer, simplesmente não podia

“Você já tinha alguma suspeita de que ele tivesse esse problema?”

“Só suspeitava vagamente.” Disse ela. “Antes de nos casarmos, Tom havia me falado que tivera algumas experiências homossexuais. Acho que eu não sabia o que fazer com isso. Durante anos ele saía à noite e chegava em casa muito tarde. A ideia passava por minha mente mas, na verdade, nunca quis pensar nisso”.

“Tom é um bom homem e eu o amo muito. Mas o que Tom quer, ele consegue. Realmente é muito egocêntrico”, disse com uma risada ligeira. “Com frequência sentia que tinha três filhos em vez de dois. Como um menino, Tom sempre espera atenção especial. Pode ser muito generoso com as pessoas, mas tem sempre de estar em cena. Por exemplo, sei que ele ama muito nossos filhos, mas às vezes parece que os quer pelo amor que podem dar a ele. Ele fala: ‘o que houve? Por que não

vêm e beijam o papai? ’. Se estão ocupados fazendo outra coisa e não lhe prestam atenção, ele logo

se sente ofendido”.

A descrição de Cynthia me era familiar. Havia ouvido relatos similares de esposas de homens como

Tom. Um homem assim está, com frequência, casado e funciona bem bissexualmente. Tende a ser exibicionista e narcisista e ter – ao menos superficialmente – um sentido muito inflado de sua própria importância. Está determinado a ter tudo – quer dizer, casamento e família junto com as relações gay. É bastante diferente do cliente mais típico que tende a sentir-se inferior, auto dubitativo e sem poder.

Perguntei a Cynthia: “Que futuro você vê aqui?”

“Bem, amo muito a Tom”, disse. “Ele acredita em você, Joe, e espero que consiga superar seu problema”.

“Você crê que pode perdoá-lo pelo que se passou?”

“Toda a vida eu tive de fazer compromissos” disse. “Cremos que se seguirmos na direção que tomamos, podemos ser felizes. Realmente estive muito mais conectada à minha família desde que voltamos a viver juntos. Mas sempre terei minhas dúvidas, se sai à noite ”

Revelando a força da psique feminina, acrescentou: “Sei quando Tom e eu nos conectamos. Posso sentir a diferença. Quando Tom se afasta de mim é que me preocupa”.

“Conhece a diferença?”

“Claro. Durante os anos que Tom estava com Andy, sentia que sua energia estava de alguma forma em outro lugar – fora da família”.

A intuição de Cynthia tinha razão. Muitos maridos homossexuais disseram que, quando têm aventuras com outros homens, se encontram evitando suas esposas e famílias. Como dizia um homem casado: “o grande obstáculo é a culpa. Depois de fazer sexo, chego em casa e me encontro fugindo de minha família. Durante dias, não me sinto digno de participar com nada junto de minha esposa e das crianças”.

A atitude de Cynthia era típica da maioria das esposas com as quais trabalhei. Uma esposa se sentia

profundamente traída, ferida e enfadada por muitos meses, mas o mais comum é que se comprometa a fim de salvar seu casamento. O que parece mais importante é a sinceridade e honestidade do marido ao tratar do problema. Uma esposa estará disposta a tratar qualquer coisa sempre que seu marido for honesto. O marido que pode explicar a sua esposa com paciência e honestidade as necessidades emocionais insatisfeitas que jazem por trás de sua conduta homossexual geralmente perceberá que tem uma aliada poderosa. Sua esposa demonstrará sua compreensão se lhe for dada a oportunidade de compreender as motivações que residem por trás de sua conduta.

Considerando o nível prévio de desonestidade por parte de muitos maridos, sempre me senti surpreendido pela flexibilidade e resistência das esposas que decidem manter o compromisso matrimonial. Uma esposa que ama seu marido descerá aos infernos e voltará com ele se for tratada como uma companheira amada e respeitada.

Existem aspectos terapêuticos particulares para homens casados que, como Tom, tenham base homossexual. Esses homens têm o dever não só de resolver sua atração pelo mesmo sexo como também de permanecer em consonância com suas esposas. Esses homens oferecem, geralmente, muitas razões para evitar suas esposas: ‘está sobrecarregada’, ‘é crítica’, ‘é mesquinha’, ‘negativa’, ‘uma puta’, ‘não presta atenção em nada’, ‘não é compreensiva’

Certamente que uma esposa que não se sente amada terá suas próprias reações defensivas e de fato pode ser culpada de todas as críticas. Pode ser que haja muitos motivos para que o marido evite intimidade com ela, não sendo a culpa a menor delas. Mas esses obstáculos para a intimidade devem ser tratados na terapia.

Em nossa seguinte sessão, Tom falou de sua preocupação com o problema que sofria há muito tempo de sentir-se excluído e sem descanso quando estava em casa com sua família.

Costumava assumir uma atitude passiva e de exclusão quando se sentia aborrecido, desconectado e com ressentimento. O aborrecimento é, com efeito, um sentimento expressado com frequência por clientes homossexuais. Considero que esse estado de ânimo faz parte de uma condição homossexual.

Perguntei: “Você sabe por que se aborrece em sua própria casa?”

“Não sei,” disse. “No meio de toda a atividade familiar simplesmente perco o interesse e sinto que quero sair correndo”.

Expliquei: “O aborrecimento surge quando você está em uma situação que não permite que você se expresse”.

Tom pareceu confuso. Continuei: “A maioria das pessoas crê que o aborrecimento é consequência de ‘não fazer nada, de não me ocorrer nada’. Com efeito, no interior há sempre algo para fazer, se somente o respeitarmos”.

“Da próxima vez que se sentir aborrecido, pergunte-se: ‘como eu gostaria de me expressar neste momento? O que não estou me permitindo dizer ou fazer? ’. Creio que você se sente inibido e golpeado e que debaixo disso existe um elemento de ira. Tente sentir os sentimentos reais que jazem debaixo do aborrecimento. Se realmente se permitir fazê-lo, creio que já não se aborrecerá mais”.

Nas semanas seguintes, Tom e Cynthia progrediram em seu trabalho de alcançar honestidade e igualdade mútua em sua relação. Enquanto que no trabalho anterior ambos haviam sido vítimas,

agora estavam muito mais seguros no casamento. Uma parte importante do tratamento consistia em conseguir que Tom se conectasse com sua esposa e sentisse sua presença. Durante muitos anos, havia estado tão preocupado consigo mesmo que a havia retirado virtualmente de sua consciência. Agora, em vez de se excluir, seu esforço era para identificar seus sentimentos e expressá-los. Esse processo lhe faria voltar a conectar-se com Cynthia de forma invariável.

“Como eu quero que funcione com ela!” Dizia. “Cortar definitivamente com o mundo gay e estar só com homens heterossexuais. Gostaria muito de ter agora um amigo homem real, não um amante. Talvez algum homem casado, com família. Necessito desse tipo de amizade se vou ter uma vida de homem de família”.

Por esse tempo, Tom havia chegado a compreender muito mais de si mesmo e de suas prioridades mais profundas e havia começado a crer que podia ter um casamento monogâmico.

Disse-me: “O mais importante de tudo é manter minha família unida. Meus filhos necessitam de um pai. Minha esposa necessita de um marido. E eu necessito de uma família”. Estava começando a ver o quão carente de sentido e irrelevante era a sequência de aventuras que havia tido.

“Tinha ressentimento contra Cynthia por reger minha vida mas, olhando para trás, não lhe deixei opção”, disse. “Simplesmente abdiquei das responsabilidades de minha família”.

“Assim é”, disse a ele. “Você mantinha um papel de passividade e evitação em casa. Mostrava seu ressentimento por estar ocupado com as responsabilidades da família com uma rejeição passiva e implicante. Criou um vazio que lguém tinha de preencher. E, é claro, Cynthia tentou preenchê-lo. Então, você a acusava – injustamente – de ser controladora”.

“Tenho me dado muito bem com Cynthia”, disse ele. “Às vezes, ela se queixa da casa e das crianças, não parando de falar, mas eu logo falo com ela e explico como aquilo me afeta, então ela se cala e me apoia em silêncio. Tem se adaptado muito à forma como me sinto”.

“As pequenas lutas que temos agora não são nada comparadas com as que costumávamos ter”. Acrescentou: “Porque há algo, em algum lugar, que”

“Onde?”, desafiei.

Tom pareceu confuso por um momento, e depois respondeu: “Em mim. Sinto-me mais centrado, mais aterrissado em meu lugar em casa. Sempre tive a sensação de querer flutuar para longe, de sair dali, de escapar para outro lugar. Já não sinto isso. E quando sinto, sei de onde vem”.

“De onde vem?”

“Vem de não me deixar pertencer”. Tom falava lenta e pensativamente, escolhendo cada palavra com cuidado. “Vem de não ser honesto com meus sentimentos. E de não me conectar com as pessoas mais importantes para mim. Por muito tempo, senti-me isolado e distante de Cynthia”.

“Simplesmente evitando”, disse a ele.

“Sim. Ficava metido em minha casca e mantinha a todos fora dela”. Houve uma grande pausa.

“Mas então,” disse. “Existiam esses pequenos momentos em que a graça abria caminho e me golpeava com algo bonito – algo sobre meus filhos ou alguma qualidade de Cynthia – e de repente via o quão delicada era essa casca”.

“Um desses momentos aconteceu quando Cynthia e eu fazíamos amor e depois ela começou a chorar. Minha primeira reação foi perguntar: ‘o que fiz de mal? ’, as lágrimas eram um pouco inquietantes. Mas ela disse: ‘simplesmente sustenha-me’, de forma que soube que estava tudo bem. Depois, ela disse: ‘quando me sinto assim com você, abro meu coração e jazo aqui completamente desnuda para você. Realmente quero set totalmente sua, totalmente aberta para você. Mas quando você está distante, ausente para nós, então tenho que manter a família unida e tenho que ser a pessoa forte. Tenho que fazer o trabalho da família, tenho que endurecer a mim mesma, endurecer-me para cuidar do negócio e preparar as coisas para nós. Na verdade, não quero ocupar o papel masculino ou essas qualidades masculinas’.”

“Nesses momentos de aproximação”, continuou Tom. “Quando a verdade de nossas vidas se atravessa, abro-me para ela e ela se torna suave e feminina”.

Suspirou: “Se ela se abria para mim, era bom, mas também me dava medo, porque a deixava mais vulnerável para ser ferida, e com mais profundidade. Assim, tenho que trabalhar para não causar-lhe mais mal”. Olhou-me gravemente: “É uma responsabilidade pesada”.

“Outro dia,” continuou. “Estávamos na cozinha e ela me perguntou: ‘se alguma vez você voltasse a cair, você me diria? ’. Pensei nisso durante um minuto e depois disse que sim. Queria dizer: ‘não acontecerá’, mas um homem nunca pode dizer nunca. Mas estou trabalhando para não voltar a cair mais, pelo que pude prometer-lhe honestamente que lhe diria. Todo o trabalho que fiz me fez progredir. Já não sinto esse desespero. Sei exatamente o que há por trás dos lapsos momentâneos. Quando não estou bem, sei por que não estou bem e sei o que tenho que fazer para voltar ao caminho outra vez”.

“Compreendo a dinâmica subjacente, as necessidades reais, vejo que não é a mesma atração pelos homens senão algo de que careço em meu interior o que causa as atrações por homens com esse poder. Não se trata de quem é esse homem atrativo ali. Se trata de quem sou eu aqui”.

“Direi a mim mesmo (levantou a voz em um tom afeminado dramático): ‘Oh, possivelmente não

posso resistir a essa tentação

quero passar pelos processos de pensamento necessários e não quero recordar a verdade sobre mim mesmo. Permito que a fantasia me sobrecarregue’”. Uma vez que Tom viu a verdade sobre si

mesmo, só podia esquecer se quisesse.

não

Nasci assim! Mas isso é realmente melancolia da minha parte

A fórmula terapêutica de Tom dependia de três coisas: confrontar as necessidades emocionais insatisfeitas que jaziam por trás de sua conduta homossexual; desenvolver amizades masculinas não eróticas e abrir caminho à exclusão social de Cynthia. A pedido de Cynthia, Tom pediu a seu antigo amante, Andy, que deixasse a loja e o ajudou a encontrar emprego em outro lugar. Tom estava decidido a vê-lo como uma pessoa do passado e a pôr-se a caminho do futuro com sua esposa e seus filhos.

Quando Tom se aproximava dos últimos dias de seu terceiro ano de terapia, falamos do fim.

“O que você acha, doutor?” Perguntou. “Estou preparado para me graduar?”

“Creio que sim.” Assegurei.

“Gostaria de sentir total confiança de que não voltarei a cair nas velhas coisas que me fizeram vir até aqui”.

Disse eu, então: “Você já se comprometeu com a honestidade. É mais honesto com você mesmo hoje do que em qualquer momento anterior de sua vida. Pode ser que tenha uma queda, pode ser que experimente alguns reveses, mas isso não me preocupa porque as ideias estão aí.

Você as compreende. Simplesmente seja honesto com você mesmo e com Cynthia”.

Tom assentiu com gravidade.

“As ideias genuínas não se podem perder ou esquecer,” disse a ele. “Não pode voltar nunca ao lugar em que estava, psicologicamente, quando veio aqui pela primeira vez”.

Falando em voz baixa e lenta, Tom disse: “Desfrutei muito do que aprendi com você, Joe. Você me ajudou muito e isso é muito importante. Vou sentir muita falta, na verdade, de dar e compartilhar, o que veio de você”.

Dei-me conta de que Tom se sentia intensamente ambivalente sobre o fim de nossa relação.

Quando chegaram os momentos finais de sua última sessão, disse a ele: “Quando precisar, pode voltar, é claro – mesmo que seja só para uma simples sessão”.

“Obrigado.” Disse de pé e dando-me a mão com brio. “Sentirei sua falta, e dos companheiros do grupo também. Aprendi muito com você”. Havia algo diferente em sua voz, mas enquanto nos aproximávamos da porta, voltou a olhar para trás uma vez mais, com melancolia.

Dois anos depois do fim de sua terapia comigo, Tom soube que era soropositivo. Permaneci em contato tanto com Tom quanto com Cynthia, recebendo ligações deles com frequência durante os três anos seguintes. De vez em quando, discutíamos uma variedade de problemas – a comunicação entre eles, assuntos de pais, especialmente sobre seu filho, Sean, que estava agora na adolescência.

Tom começou a mostrar, cada vez mais, os sintomas da AIDS e, quando se fez evidente que morreria rápido, Cynthia me pediu para que prestasse assessoria familiar. Era o momento de preparar os meninos para o final. Tom e Cynthia me pediram que os ajudasse a dizê-lo a eles. Pude ver sua força incrível quando os quatro estavam sentados no sofá do salão. Durante duas horas, houve perguntas, lágrimas e compartilhamento de amor.

Fui ver Tom em sua casa nas semanas finais enquanto se punha cada vez mais fraco. Havia cinco anos que terminara a terapia. Um dia, quando estava prestes a ir embora, me chamou ao seu lado.

Com a voz surpreendentemente forte, me disse: “Se não fosse por você, agora não estaria com minha família. Terei a bênção de morrer com minha esposa e meus filhos ao meu lado. Estou muito agradecido por isso”.

“E doutor,” – tossiu – “Estará contente em saber que mantive minha promessa a Cynthia”.

Uma semana depois, Cynthia me ligou em uma tarde. Sua voz era baixa e triste. Disse que Tom havia falecido naquela manhã.

Depois da morte de Tom, continuei tendo contato com Cynthia e seus filhos, e fiz o melhor que pude para ajudá-los em seu período de dor. Ela me disse como suas relações com Tom se haviam aprofundado e sua vida familiar era melhor do que jamais havia sido. Tom havia desenvolvido uma relação profunda com seus filhos, que ajudaram a cuidar dele em sua casa enquanto piorava. Cynthia também havia cuidado dele fielmente. Morreu em seu próprio quarto em companhia de sua

família e de uma freira de sua paróquia que havia ido levar-lhe a comunhão.

A terapia reparativa ajudou Tom a deixar de lado sua vida dupla. Produziu nele a ideia de que podia chegar até o fim e viver de acordo com suas convicções. Sinto-me satisfeito em poder ajudá-lo a encontrar o que estava buscando.

CAPÍTULO 3

PADRE JOHN, A VIDA DUPLA

O

padre John era um sacerdote católico de 52 anos que tinha uma voz extremamente rica, profunda

e

elegante. Era um homem eloquente, talvez o homem mais eloquente que já havia conhecido.

Podia imaginá-lo dando um sermão estrondoso com seu encantador acento no púlpito de uma catedral. Procedia de uma família irlandesa inquebrantável e possuía um sentido de humor agridoce ao qual apelava, com frequência, para rir de si mesmo.

Entretanto, apesar dos risos de todos os absurdos selvagens da vida, era um homem profundamente espiritual que se viu envolto em uma terrível batalha com o que chamava de seu “lado obscuro”. Em sua primeira sessão, contou que era arrastado compulsivamente a saunas e livrarias gay. Em uma ansiosa pressa para confessar tudo, apenas podia escolher as palavras suficientemente rápido.

“Meu vício pela pornografia funciona como um ímã que me tira da reitoria todos os fins de semana. Todas as sextas-feiras pela noite, saio de carro em direção à West Hollywood e vou à minha fonte favorita”. Riu cinicamente: “o Circo dos Livros”.

“O que é isso?” Perguntei.

“É

de material para todos os gostos e inclinações”.

um marco cultural gay de Santa Mônica, e é um circo”, informou. “É como um supermercado

Prosseguiu: “De todas as formas, costumo retirar dois ou três filmes de homens e os levo a um quarto alugado em um pequeno motel barato, em sala exclusiva”, pronunciou o nome com um tom fingido e arrogante: “Motel Peaks Tropicana. Levo meu vídeo e subo para o quarto”. Olhou para mim e continuou de uma forma um pouco tímida: “Então, organizo para mim sozinho o que chamo de ‘festa-maratona de masturbação’”.

Precipitou-se: “Ás vezes chamo o serviço de companhia para que me mande um jovem em meu quarto. Já sabe, para sexo”. Olhou-me, suspirou profundamente e confessou: “Mas me sinto profundamente culpado depois”.

O Padre John seguiu com uma descrição incisiva da psicologia da pornografia: “A pornografia é

uma anestesia: entorpece minha dor, proporciona-me uma situação de excitação”.

Esse sacerdote, tal e como aprendi, era um homem com muitas facetas. Não seguia o caminho de um homem típico do clero. Era crítico com a Igreja Católica porque não se sentia apoiado em sua luta pessoal contra a conduta homossexual. Também era crítico com Deus e com frequência expressava essa crítica em nossas sessões.

O caso do Padre John não era só mais um escândalo de um padre que descumpriu seus votos. Não

era simplesmente um caso de um sacerdote que era “só um homem, como todos os demais

homens”. O que é significativo na luta do Padre John contra sua homossexualidade é como isso o empurrou a um ciclo de frustração de pecado, culpa, arrependimento e mais pecado para chegar a conseguir uma relação íntima com Deus. Paradoxalmente, foi através de sua luta contra a homossexualidade que o Padre John chegou a conhecer realmente a Deus.

Durante os três primeiros meses de terapia, o Padre John parecia estar dando grandes passos para frente. De fato, estava desempenhando o papel do bom paciente. Então, um dia, veio e me disse a verdade: “Não tenho sido honesto com você. Na verdade, estou indo de mal a pior”. Então, admitiu com sua voz encantadora cheia de ironia: “Simulava estar levando uma vida nova através de você”.

Depois de um silêncio curto e tenso, continuou: “Estive tentando fazer com você o que fiz com meus superiores: cumprir com suas expectativas. Não estive enfrentando meus sentimentos interiores. A verdade é que estou quase seguro de que não terei êxito nessa luta”. Encolheu os ombros como sinal de desespero. “Em algum nível profundo penso que não quero melhorar. Quero arrancar todos esses pensamentos da minha vida. Esquecê-los. Penso: ‘Não posso dominar isso. Sou muito fraco, mereço pena, que me tratem gentilmente’. Quero que até mesmo Deus se retire”.

“Não sei”, havia tristeza nessa voz elegante. “Durante tantos anos julguei ser um homem real, mas tudo não passou de simulação. Em algum nível profundo, não creio que possa sê-lo. Pode ser que eu sequer queira ser um homem. De alguma forma, não posso imaginar a mim mesmo levando uma vida normal.”

“Em toda a grande literatura e mitologia,” disse eu. “O herói, em primeiro momento, recusa a oportunidade de uma consciência maior, Até mesmo Jesus orou pedindo para ser liberado de sua cruz: ‘aparta de mim esse cálice’.”

O Padre John seguiu com a voz triste: “Grande parte da minha vida está presa ainda nesses fetiches

pervertidos e juvenis. Não sei por que tenho essa grande preocupação em olhar pênis. Sei que é ridículo, mas é tão irresistível ”

Ficou em silêncio por tanto tempo que, por fim, falei eu: “Tente ir mais além da fixação para

concentrar-se na intenção do pênis natural de procriação”.

Sua compatibilidade anatômica com a vagina, seu propósito

“É uma preocupação infantil, isso é o que devo recordar a mim mesmo”, disse com vergonha.

“Absolutamente. A maioria dos homossexuais se centra de forma obsessiva no pênis. A maior parte da conduta homossexual é comparável a dois meninos pequenos que brincam de ‘mostre o seu que eu mostro o meu’. É uma conduta fetichista. O pênis tem um poder simbólico importante.

É um símbolo da masculinidade que você sente que necessita mas que não tem. Algum trauma,

alguma lacuna em seu desenvolvimento busca satisfação em uma fixação fálica. Isso é parte da homossexualidade.”

O Padre John disse pensativo: “A maioria dos gays que conheço está obcecada por seu próprio

pênis. Estão fascinados por sua própria anatomia. ‘Meu pênis é meu melhor amigo’, disse-me um

cara gay. É triste”.

“Exatamente. O homossexual não integrou a masculinidade à sua própria identidade. Está alienado de sua própria anatomia masculina. Vê seu pênis como algo mais que uma parte de si mesmo”.

“Mas por que fazem isso? Por que todas essas ‘obsessões’ no mundo gay? Por que essa preocupação

com o pênis?”

“Pode ser que, em sua infância, o papel de menino na família dependia da negação de sua masculinidade. Seu lugar especial com a mãe provavelmente requeria o constante abandono de seus esforços masculinos. Assim que agora quer proteger sua frágil masculinidade. Sempre tem medo de que a arrebatem”.

Continuei: “A orientação de gênero do menino depende de seu lugar na família. A forma como a mãe o trata. A forma como o pai o trata. A forma como ambos os progenitores mostram estima por sua masculinidade”.

O Padre John assentiu. Podia ver que havia estado escutando com atenção: “Penso na minha pobre mãe, descanse em paz. Tentou fazer o melhor que pôde. Porque, se meu pai não satisfez minhas

necessidades emocionais, provavelmente tampouco estava satisfazendo as suas. Ele era só um zero

a esquerda em nossa casa. Eu necessitava de alguém e minha mãe parecia um pai feminino com o qual podia me relacionar”.

Silêncio de novo, e então: “Suponho que ela se sentia frustrada em seu casamento. Sei que se sentia sozinha e tentou preencher esse vazio comigo.”

Um sorriso e um olhar ausente apareceram em seu rosto. “Com certa frequência, tirava uns poucos dólares que havia juntado. Nós dois nos arrumávamos e ela falava para meu pai: ‘Johnnie e eu vamos aproveitar’. Utilizava a palavra aproveitar para dizer que íamos à parte baixa da cidade para ver um filme. Eu ia vestido de padre e ela colocava seu pequeno chapéu e. Depois nos dirigíamos a um restaurante e jantávamos juntos de forma muito agradável, falando de tudo o que passava pela nossa cabeça. Quando voltávamos para casa, meu pai estava na frente da televisão e apenas notava que havíamos entrado. Minha mãe e eu estávamos tão contentes como duas pessoas que haviam saído”.

Mais uma vez ensimesmou-se em seus pensamentos. Então, os divulgou brevemente: “Pergunto-me se meu pai ou meu avô foram homossexuais”. Ouço frequentemente essas questões de meus clientes. Apesar de esses familiares provavelmente nunca terem sido homossexuais, a questão surge pela percepção de certa debilidade masculina em seus pais. “Sei que meu pai nunca teve muito amor para dar porque seu próprio pai sempre estava fora de casa quando ele era pequeno. Era um carpinteiro. E meu pai só falou de seu avô uma vez”.

Pensei sobre o pouco que os pais de homossexuais falam de seus próprios pais. Com frequência, a relação inadequada entre pai e filho se remonta desde o avô e o bisavô. O Padre John não só tinha um pai inadequado como também uma mãe possessora. Como resultado, esse menino particularmente sensível e vulnerável cresceu homossexual.

O Padre John agitou a cabeça tristemente. “Sempre vi meu pai como uma pessoa perdida. Não havia um sentido de presença masculina em casa. Minha mãe era quem sempre intervinha para preencher

o vazio. Tinha que entrar e ocupar o lugar dele, além de manter o seu”.

Acrescentou: “Cresci sentindo que ela era tanto minha mãe quanto meu pai”. Havia ira em sua voz, como se sentisse que aquilo não fora justo para ela.

Comentei: “A mãe nunca pode ser o pai. Processos emocionais completamente diferentes se dão entre mãe e filho e entre pai e filho. É um homem que faz um homem”.

“Já sabia, eu acho”, suspirou, mas o som da ira ainda tremia em sua voz. Mudando de tema, disse:

“Meu sentimento mais forte da infância sempre foi o medo”.

Ouvi essas palavras de quase todos os clientes que procuraram por mim com um problema de homossexualidade. O sentimento principal da infância de quase todos os homens era a vulnerabilidade e a incerteza, mesmo antes que a sexualidade chegasse a ser um assunto consciente.

A consulta do Padre John estava prestes a terminar quando lhe perguntei: “agora que está vindo há três meses, está satisfeito de estarmos fazendo todo o possível por você?”

Ele admitiu com honestidade: “Bem, devo admitir que não estou fazendo tudo o que posso. Tenho estado como que esperando”.

“Esperando pelo quê?”

“Só esperando. Simplesmente que venha a mim todo o bem que possa me acontecer”.

O Padre John estava descrevendo uma das resistências fundamentais da condição homossexual

chamada evitação das mudanças dolorosas de vida. Era a hora de afrontar uma dimensão essencial

de sua terapia: a reivindicação de seu poder intrínseco.

“Espero que não me julgue por minha passividade”, disse o Padre John gravemente.

Movi a cabeça: “Não me concerne te julgar. Mas me concerne significado dessa atitude em termos

de sua capacidade e vontade para se responsabilizar por sua vida. Essa passividade é uma parte de

sua identidade que terá que mudar”.

Parecia desconcertado: “Preciso de uma imagem mais clara do que você quer dizer”.

“A terapia reparativa não é só sobre sexo, sexo e sexo. Estamos aqui para entender o quadro total da formação de sua identidade. Para restaurar sua sexualidade, é essencial mudar essa percepção que você tem de si mesmo de vítima passiva e desamparada. Uma mudança real requer muito mais que reprimir o comportamento sexual. Estamos atrás de uma transformação maior”.

“Bom, estou pronto”, disse seriamente. “Essa obsessão homossexual está consumindo minha vida. Quero ser restaurado de uma vez e para sempre. Ao menos uma vez em minha vida, quero sentir-me uma pessoa plena”.

“Mas isso é algo com o qual você terá de lutar. Para sempre. Não estou falando de uma semana. Alguns dias serão grandes batalhas; outros, batalhas pequenas. Mas todos os dias haverá uma batalha de algum tipo”, adverti.

Os críticos da terapia reparativa creem que a técnica utiliza a culpabilidade como ferramenta para manipular a supressão do comportamento homossexual. Paradoxalmente, muitos homens, como o Padre John, passam logo por uma fase necessária da terapia na qual, em vez da supressão, há um incremento da conduta homossexual. Ainda que isso possa parecer contraditório com o objetivo da terapia, oferece ao cliente a oportunidade de avaliar por si mesmo os efeitos subjetivos de sua conduta. Enquanto que alguns homens não necessitam dessa conduta para saber que não é para eles, outros necessitam ver as consequências pessoais. Para eles, a conduta homossexual serve como expressão da autocompreensão e da faculdade pessoal que descobriram nas primeiras etapas da terapia. O sexo e a asserção se inter-relacionam no homem e quando a terapia começa primeiro a facultar ao cliente, ele pode dirigir mal esse poder de forma sexual. Mais ainda, dentro da relação de transferência com o terapeuta, o aumento da atividade homossexual pode ser uma forma de o cliente

por à prova a aceitação que o terapeuta tenha dele.

Durante seus primeiros três meses de terapia, o Padre John teve estados de ânimo mesclados. Às vezes, enfrentava as verdades de sua vida e, em outras, evadia-se em negação passiva.

Em uma manhã, ele me disse: “No sábado passado, pela noite, não tinha nada para fazer, pelo que pensei em dar um passeio. Fiz algo que há muitos meses não fazia: fui a um bar gay. Senti-me um pouco incômodo no princípio, mas depois fui ficando mais a vontade. Tomei uma cerveja e, depois de um tempo, aproximou-se de mim um homem de minha idade, mais ou menos. Estava bem e começamos a falar”.

Interrompi: “O que estava bem?”

“Bom, que alguém

homens de meia-idade como eu não costumam chamar a atenção”. Continuou: “De qualquer forma, ficamos ali conversando durante quase uma hora. Disse-me que era casado. Realmente nos demos muito bem e nos dirigimos para meu quatro no Tropicana Peaks. Sentamo-nos ali no sofá e falamos durante outras três horas. Conversamos durante mais três horas. Falamos de todo tipo de coisas. Tínhamos muito em comum, muitas experiências iguais. Realmente nos compreendíamos.

fizesse o primeiro movimento sobre mim em um lugar no qual

algum cara

Senti que o homem

era alguém gentil e doce”.

“Parece que realmente se conectaram”, disse. “E depois?”

“Depois nada”, disse o Padre John. “Bem, depois fomos para o dormitório e fizemos sexo.

Sexo seguro”, acrescentou. “Masturbação mútua”.

“Você vai vê-lo outra vez?”

“Não. Creio que não.”

“Mas parecia que vocês tinham compatibilidade. Ou a base para uma compatibilidade. Tinham muito em comum.”

“Não sei. Foi agradável durante aquele momento, mas não creio que queira seguir com isso”. Suspirou. “Para ser honesto com Deus, Joe, realmente não me importa se termino fazendo sexo com outros homens. Às vezes, a totalidade parece requerer esforço demais”.

“Por que você fez sexo com esse homem?”

“Não sei”.

Sua indiferença estava chegando a ser irritante. Esperei.

Finalmente: “Parecia que era o que tinha de fazer. Já sabe, o fato de estarmos ali o implicava”.

“Estar ali?”

“Sim. Você sabe, no sofá, no Peaks”.

“Você tinha o desejo de fazer sexo com ele?”

“Realmente, não. Creio que só aconteceu”.

“Ele fez alguma pressão?”

“Na verdade, não. Provavelmente ele estava tão indiferente quanto eu”.

Enquanto explorávamos as motivações do Padre John, ambos estávamos encantados em perceber uma diminuição em sua compulsão. Mas, evidentemente, ele ainda era incapaz de formar de formar

a convicção de traçar a linha entre a amizade masculina e a sexualidade. Debaixo dessa dificuldade

para manter os limites jazia o assunto mais profundo da identidade. Recordava do que me havia dito em uma sessão anterior: “Não me sinto um homem real e não creio que possa sê-lo. Pode ser que eu sequer queira ser um homem”. Poderia o Padre John, alguma vez, ver-se como um homem que recebe atenção e aprovação masculina e tolerar a ausência de sexo?”

Como muitos de meus clientes homossexuais, o Padre John levava uma vida de isolamento emocional. Desejava relações de aproximação e afeto masculino, mas só encontrava sexo de curta duração.

“Seus déficits em relação ao mesmo sexo serão satisfeitos por meio de vínculo masculino, não com sexualidade masculina. Veja o que você fez no sábado. Vai e se senta em um sofá com um estranho

e fala durante três ou quatro horas, algo que você gosta muito; depois vão fazer sexo.

Mas

atitude com relação a essa conduta? Está bem ou não está bem?”

O que é isso? Não quer voltar a ver o cara de novo? Tem alguma contradição aí. Qual é sua

O Padre John respondeu: “Não tenho certeza sobre qual conduta me faz mal. Não tenho certeza se vou para o inferno por ter intimidade com um homem durante uma noite. Não tenho certeza de nada ”

“Olhe”, disse-lhe abruptamente. “Deixemos os eufemismos ilusórios. Não vamos chamar de intimidade quando se trata simplesmente de sexo. Como pode ser intimidade se não quer mais voltar a vê-lo?”

Ele falou mais alto agora, parecendo enfadado: “Não vou te dar uma resposta sobre mim mesmo nesse ponto porque não sei qual é a resposta”.

“Sente que estou sendo duro demais agora?”

Pareceu aliviado com minha pergunta. “Não”, respondeu. “Está bem, Joe”.

“Está bem não ter nenhuma resposta agora”, disse. “Aprecio que responda à minha pergunta honestamente”.

Houve um comprido silêncio entre nós. Perguntei: “Como se sente perambulando por aí afora?”

“Até certo ponto, eu gosto. Certamente esse par de horas me dá satisfação. E há uma validez para seguir meus sentimentos. ‘Aí é onde estou em minha vida agora’. Tenho reconhecido esses sentimentos. Também os aceitei e estou começando a compreendê-los. Pode ser que compreendê- los seja tudo o que posso pedir a mim mesmo”.

Encolheu os ombros. “Já sabe, ás vezes penso: ‘essa é minha vida. Qualquer que seja a causa de eu

ser assim, estou presa a ela. Deveria deixar de esquentar a cabaça tentando mudar’. Mas, por outro lado, a terapia me ajudou muito. A maior parte de minha felicidade e autoaceitação recente se devem à compreensão que adquiri com ela. Posso dizer que a verdade me libertou”.

“Mas você sabe, Joe, o que me preocupa é que, enquanto os conceitos podem estar bem e serem verdadeiros – o fato de eu estar tentando satisfazer déficits do mesmo sexo – pode ser que haja um erro no processo terapêutico. Pode ser que não valha a pena tentar mudar”. Olhou-me seriamente. “Como vai o processo, Joe?”

Antes que pudesse responder, continuou: “Olhando para trás, para esse menino pequeno que fui, vejo que não vivi senão vergonha, temor e isolamento. Ninguém com quem falar, sem amigos reais, realizando favores sexuais atrás do estábulo de um primo oito anos mais velho. Não tinha identidade. Tinha medo da morte. Estava à deriva, vazio, sozinho. Tudo o que tinha de amizade e aproximação era agradando a esse garoto mais velho”.

“Sempre esse sentido de profunda desconexão”, disse.

essa parte de mim pode ser que

não mude. Pode ser que esteja preso para sempre na busca dessa situação rápida. Não quero colocar

“Sim”, respondeu ele. “O sexo me tirou dessa desconexão. E Joe

um golpe de culpa sobre mim mesmo pelo que faço – caso volte a fazê-lo”.

“Quero ser realista”, continuou. “Se isso vai tão longe que me fará crescer e mudar de vida, quero aceitá-lo. Quero fazer sexo se sinto que tenho vontade, e não me importa se vou ter de carregar alguma culpa por isso”.

Depois acrescentou: “Creio que o que estou dizendo é que quero que você me contradiga.

Quero te ouvir dizer: ‘Mas você não pode! ’”

“Mas por quê?” Perguntei.

“Quero que me diga que não é realmente nesse ponto que me encontro em meu desenvolvimento. Este é o menino que está dentro de mim, o menino que fala agora – o menino que desafia seu pai”.

“E de fato é.” Concordei.

O Padre John fez uma pausa. Depois introduziu-se subitamente em uma profanidade enfadada: “Sei que não estou transando com mulheres e que não sou uma mulher – mas também não sou um maldito homem! Que merda eu sou? Um híbrido macho-fêmea? Ou só um menino pequeno no corpo de um homem de meia-idade que se tornou”

“Há um menino pequeno ferido aí”, assegurei. “Há um menino pequeno ferido”.

“Certamente há”. O Padre John mostrou um ligeiro sinal de prazer em seu rosto. “É algo do qual você falou muitas vezes em teoria, mas agora posso vê-lo. Você tem razão – esse menino pequeno tem de ser tratado”. Olhou-me com curiosidade. “Mas quero saber como passei de ser um menino ferido de 5 anos a ter a conduta sexual atual. Por quê?”

“Para preencher um vazio interior”.

“Pode ser que tenha razão”, admitiu. “Mas se ter uma vida sexual ativa como a que tenho procede da dor, não é uma dor atual. Hoje não tenho nenhuma causa de dor. Meus pais morreram há muito

tempo, em paz descansem. Tenho vocação religiosa. Devo dizer que nunca havia tido melhor situação na vida”.

“Um homem que se encontra levando À prática sentimentos inaceitáveis está vivendo com um vazio que arrasta desde relações antigas”, expliquei.

O Padre John se dirigiu a mim com uma voz cheia de frustração: “Por que estou envolvido nisso?

As tendas pornôs, a atração pelas coisas que odeio, a vida dupla que trai o voto que fiz quando me

tornei sacerdote

Por que tenho tantos conflitos?”

Antes que eu pudesse responder, ele continuou: “Você já sabe, às vezes achava que estas sessões não passavam de merda. Poderia sentar-me em casa e meditar nisso por mim mesmo, por Deus! Mas agora vejo que realmente necessito ir ao fundo disso”, sua voz se fez mais tensa, “porque realmente estou sentindo esse menino pequeno. Estou sentindo o isolamento e o sofrimento que o menino pequeno suportou”.

Suspirou pesadamente: “Posso ver que, a não ser que nos voltemos a esse menino – curemos esse menino – não vou nunca ser um homem”.

Levantando-se de sua cadeira, gesticulava de modo suplicante enquanto perguntava: “portanto, o que eu deveria fazer agora?”

Disse-lhe: “Você necessita de relações masculinas próximas e honestas – intimidade, com tudo o que a palavra implica. Não estamos falando de sexo. Você necessita de dois ou três homens em sua vida para que, de fato, possa ter a experiência de conhecê-los – não sexualmente, mas como amigos. Conhecê-los e compreendê-los de uma forma que nunca compreendeu seu pai.

Nossa relação satisfaz a essas necessidades até um ponto, mas é artificial devido aos limites terapêuticos necessários”.

“Não é artificial para mim”, protestou o Padre John. “Tenho construído uma enorme confiança em você. Disse-lhe coisas sobre mim que nunca havia dito antes a ninguém”.

Olhou-me expressando em seus olhos uma mistura de afeto e ira. “Não quero sentar em algum maldito bar e falar com um estranho, contando-lhe as mesmas coisas que disse para você”.

“É claro que não”, concordei. “Você precisa de uma amizade genuína – um homem do grupo, por exemplo, que compreenda suas lutas. Mas em algum ponto você se chocará com a exclusão defensiva do homossexual, pelo que também precisará estar próximo de um homem heterossexual que posse te dar uma perspectiva diferente”.

Disse o Padre John: “Mas primeiro preciso compreender mais desse menino pequeno ferido”. E com isso concluímos a sessão.

Passado um tempo, as condutas sexuais do Padre John começaram a diminuir. Falava menos de suas relações sexuais e mais sobre sua relação com Deus. Ao mesmo tempo em que se fazia mais forte para manter seu voto de celibato, parecia mais livre para crescer em sua compreensão espiritual.

“Minha atitude para com Deus havia sido muito perversa durante tanto tempo”, disse o Padre John

Odiava Deus, na verdade, odiava”.

Ficou em silêncio, depois disse: “desafortunadamente, projetei muito de minha própria merda sobre este ser que eu chamava de Deus”.

um dia. “Nunca havia sonhado que estaria dizendo isso, mas

“Com certeza”, disse eu.

Continuou – esse homem que era sempre verbal – “Quando me sinto separado de Deus, entro nesse modelo de pensamento obscuro e retorcido. Toda a minha vida foi uma classe de auto expiação para subornar Deus. Durante dez anos de meu presbiterado houve esse ciclo vazio de sucumbir à tentação e depois correr para a varinha mágica da confissão para estar bem com Deus e limpo de

novo

Depois, os desejos sexuais explodiam outra vez. Era um comportamento doente.

Todo esse enfoque enfermo da religião era para subornar Deus. Estava tentando suborná-lo dizendo:

‘não me condene por viver essa vida dupla e te darei todo o resto da minha vida’. Ao longo de toda essa relação cíclica e vazia com Deus, não sentia mais que ira e ódio. Tenho até medo de acudir a Jesus porque Jesus é um homem, e eu estive completamente alienado dos homens e da masculinidade”.

Respirou profundamente e continuou: “Ainda que esse vício em sexo ainda seja forte em mim, já não sinto o enorme desamparo que sentia anteriormente. Estou chegando a sentir que Deus pode tratar desse problema. Que compreenda minha luta”.

Silêncio de novo. Depois: “Freud tinha razão. Deus é uma projeção da figura paterna. As relações que temos com nossos entes queridos aqui na Terra podem expandir ou estrangular nossa experiência de Deus. Estava atrofiado na relação com meu pai terreno, por isso sempre foi difícil conhecer meu pai celestial”.

“Essa relação nova que você tem com Deus é muito heterossexual”, comentei.

“O que quer dizer?”, o Padre John parecia surpreso.

“Um menino homossexual tem medo e desconfia de seu pai e associa esses sentimentos a Deus. Não só se esconde de seus pais, o terreno e o espiritual, como também dos outros meninos, dos chefes, dos patrões etc.”.

Continuei: “O menino homossexual foge e se esconde de seu pai – da mesma forma que foge da relação com Deus, o Pai. Quando o menino heterossexual sente hostilidade por seu pai, ele permite que essa hostilidade venha à luz – põe ela para fora. Quando você fugiu de Deus e o excluiu de sua luta, foi a forma de esconder-se do menino homossexual – uma fuga do desafio do pai”.

“O primeiro desafio que o menino pré-homossexual recusou foi o desafio do pai. Enquanto crescia, continuava fugindo do desafio masculino. Logo, deu-se uma tensão dolorosa entre ele mesmo e outros homens. Alienando-se do mundo masculino, romantizou aos homens e tentou livrar-se dessa tensão com o contato erótico”.

O Padre John assentiu. Durante um longo tempo, houve silêncio entre nós. Ao fim, disse: “Daqui

Posso sentir a reação dentro de mim.

Finalmente estou alcançando algo real. Tudo em meu coração está se abrindo a esse novo Deus que está vindo”.

está saindo muito bem. Os santos sejam louvados

Continuou: “O desafio cristão, creio eu, é restabelecer a harmonia com nosso Criador. Mas, de algumas formas muito importantes, eu rompi o nexo entre Deus e eu. Havia perdido a alegria de viver, estava deprimido e amargurado. Se estou alienado, a consequência é a morte”.

“Em plena alienação da homossexualidade, inclusive, desafiei-me a lutar para manter a retidão de

Cristo. Estou começando a ver que, de formas inesperadas, essa maldição da luta homossexual me trouxe várias bênçãos”.

“De formas surpreendentes”, disse-lhe. “Somos abençoados por nossas lutas. Elas podem simplesmente terminar com um ciclo neurótico e fútil, ou podem nos redimir”.

O Padre John respondeu: “Creio que meus próprios companheiros, os padres, não sabem como

tratar isso. O conselho tradicional da igreja para a conduta homossexual é arrependimento, arrependimento e arrependimento, depois tomar banhos frios e criar um hobby. Mas, se você não soluciona nada, é arrojado de volta ao ciclo sem fim da confissão. Então, há o conselho dos padres

liberais e gays: ‘Deus te ama não importa o que você faça. Se quer se deitar com um homem, Deus

te compreende’. Ambos os extremos perdem a verdade essencial”.

Enquanto escutava suas palavras, sentia-me privilegiado em ouvir o fluir de revelações que vêm somente da luta pessoal de um homem. O Padre John estava encontrando, enfim, o que havia buscado durante tanto tempo.

Várias semanas depois, estávamos em uma discussão acerca do sadomasoquismo nas relações entre

o mesmo sexo. O Padre John me havia perguntado por que se sentia tão atraído por esse tipo de pornografia.

“Existe uma grande quantidade de sadomasoquismo nas relações homossexuais. É um modelo que começou com a relação com o pai. Quando o menino pequeno quer aproximar-se de seu pai e não consegue, sente vontade de degradar-se a si mesmo para receber essa atenção. É uma forma hostil e auto nociva de ganhar pontos com o pai. Essa é a razão pela qual a vida e a pornografia do homossexual contêm temas de sadomasoquismo. Quer amor e atenção de alguém por quem sente hostilidade. Não são sempre que você vê senão os maiores temas sutis de controle e domínio tão característicos da pornografia gay”.

O Padre John respondeu: “Nunca esqueci que meu pai era um homem grande e robusto. Tinha

braços enormes e costumava menosprezar-me por ser esse menino pequeno e anêmico. Dizia: ‘você

acha que algum dia terá grandes músculos como esses? Acha que algum dia será um homem grande

e robusto como eu? ’”

Disse-lhe: “Assim é como se sente o homossexual quando olha para outros homens. Sente-se estafado e enfadado. O mundo dos homens é um mistério. Os homens heterossexuais parecem

possuir essa qualidade de masculinidade que é tão fácil, tão carente de timidez, tão natural – e o gay não a tem. Onde existe uma intensa dependência e anseio de algo, o que simplesmente se consegue

é estar enfadado.

Continuei: “A maioria desses homens sente ira em relação a seus pais porque sentem que não conseguiu afirmação masculina suficiente. Deixados com esse sentimento de dependência e ira hostil, sentem uma excitação masoquista quando são degradados. Ainda que o estejam tratando

duramente, dá-se uma excitação porque houve o estabelecimento de uma conexão – houve a quebra

de uma barreira. ‘A única forma de estar próximo do masculino é me rebaixando’, ele diz.

Isso explica o prazer que se sente tão frequentemente em relações sadomasoquistas”. Pensei no primeiro cliente que me ensinou essa introspecção na perda e no sadomasoquismo masculino. Na escola de graduação, não era politicamente correto discutir a causa ou o tratamento da homossexualidade, de forma que minha formação como psicólogo não me preparou para meu trabalho. Entretanto, quando estava de interno em um hospital, deparei-me com o caso de Ryan, um menino de 8 anos cuja mãe estava preocupada com sua conduta infantil e socialmente inapropriada,

além de sua experimentação com outros meninos.

Minha única chave para o problema de Ryan era sua queixa progressiva e amarga de que seu pai o ignorava. Faminto por atenção masculina, Ryan ficava encantado em me ver a cada semana e, enquanto crescia nossa relação, odiava ir embora quando terminava nossa sessão. Sua conduta chegou a ser cada vez mais agressiva fisicamente em relação a mim e os limites físicos logo se tornaram um problema. Sua forma de me querer parecia um assalto. Escalava sobre mim agressivamente, com exigências, quase com enfado, como se não pudesse saciar seu afeto. Sabia que essa intensa relação de amor e ódio tinha muito a ver com os sentimentos ambivalentes do menino para com seu pai.

“Já sabe, Joe”, disse o Padre John. “Tive uma introspecção na semana passada. Estive usando a pornografia para mostrar para mim o que são os homens. Quando estou em uma sessão pornô ou paquerando outros homens, entro nessa necessidade de saber como é ser ele”.

Suas palavras ressoavam em meus ouvidos. A base da atração homoerótica é a necessidade de averiguar como é ser o outro.

“De algum modo, em minha mente de menino pequeno, esses caras na tela eram homens reais, como os que eu queria ser. De algum modo, os atores pornô representavam para mim o que são os homens de verdade”.

“Depois refleti: ‘a propósito, quem são esses homens? Por que estariam fazendo isso diante de uma câmera se eram tão normais? ’. Comecei a considerar: ‘têm trabalho das nove às cinco, ou esses pobres bastardos necessitam desse dinheiro ganhado dessa forma? Têm namorada? ’. A fantasia gay é que esses atores pornô são homens regulares em todos os sentidos, exceto no fato de fazerem isso diante de uma câmera. Até parece!”

“Enquanto crescia em minha própria masculinidade, passei a ver esses homens não como imagens masculinas às quais seguir, senão como homens que só estão tão destruídos quanto eu”.

“Isso não termina nunca, Joe”. O Padre John utilizou essas palavras para iniciar nossa seguinte sessão. Estava falando da busca por uma coincidência expandida do passado, dizendo que se fôssemos passar todos os dias nos aprofundando em nossas recordações, nunca nos conheceríamos totalmente. Nem seríamos libertos totalmente de nossos primeiros conflitos.

“Os desejos que tive ainda são parte de mim. Às vezes, ainda vou de carro ao Circo dos Livros. Entretanto, tenho uma reação estranha quando entro ali”. O Padre John parecia contente consigo mesmo. “Depois de um pouco de tempo, tenho um sentimento de aversão. Estou cheio de ódio por esse lixo e de ira por ter gastado tanto tempo precioso e energia. A pornografia é uma violação psíquica de minha bondade e de minha pessoa. É nociva tanto emocional quanto espiritualmente. Esgota-me e depois me custa dois dias para recuperar o sentido de dignidade”.

“Quando sinto esses velhos impulsos de ir ao Circo dos Livros ou de perambular por aí, digo:

‘Senhor Jesus, sinto uma grande dor dentro de mim que se mascara nesse desejo sexual. Ajude-me a saná-la”.

“E já sabe, Joe, as desordens dos meus pais – descansem em paz – creio que foram perdoadas e que estão no céu, pelo que rezo todos os dias também, Digo: ‘pai e mãe, agora vocês estão em um lugar diferente, se Deus quiser, e são totalmente um com sua sexualidade. Deixem que, de alguma maneira, a bondade que estão experimentando venha a mim agora para que possa ser a pessoa íntegra que quero ser’”.

“Já não estou agachando-me em uma esquina e sentindo vergonha de mim mesmo. Inclusive, quando tenho esse impulso compulsivo, falo com Deus e digo: ‘Permita-me utilizar essa experiência com toda a sua negatividade. Utilize-a para ensinar-me, como diz o escritor Colin Cook, para fracassar com êxito. Senhor, se alguma vez falhei, devolva-me a vitória’”.

“Isso me ajuda, Joe, rezar e agradecer a Deus. Depois, quando vem um homem atrativo, olho para ele e depois louvo a Deus por poder somente olhá-lo e depois seguir com minha vida. É um exercício que faço em minha vida. Imagino o homem como esposo e pai. Desenho sua sexualidade em um contexto natural”.

“E sabe o que mais? Está passando-me uma coisa bonita recentemente. Estou me dando conta das mulheres! Não é forçado, nem uma ideia mental que estou pondo em mim mesmo. Estou descobrindo essa abertura em mim para me dar conta da beleza de uma mulher. Estou aberto às suas fortalezas e habilidades mentais, inclusive de seus atributos físicos. Quando vejo uma mulher bonita, bendigo ao Senhor. É só uma coisa normal e natural que começou a acontecer”.

“Não trato de compreender, só bendigo a Deus por haver uma mulher ali e ser bonita. Não há cordas atadas, não há compulsão sexual. Ela só está ali e bendigo ao Senhor por isso”.

“Houve um momento, há uns quinze anos, no qual comprava uma revista Playboy e olhava as páginas centrais e tentava me masturbar, tentando ser normal. Mas agora estou conseguindo me sentir mais cômodo com qualquer nível de atração que eu sinta ou não”.

“Costumava entrar no banheiro masculino e ficar de pé ao lado de outro homem lutando para urinar. Sempre era como um sentimento de defesa, a pressão que punha em mim mesmo – do tipo ‘isto é uma prova do sistema de emissão de urgência’ – e se não podia urinar não era um homem de verdade”.

“Até o final do instituto e até mesmo no seminário passei um inferno sustentando minha – creio que tinha a maior de Los Angeles por toda essa tensão. Mas agora posso fazê-lo. Creio que é porque estou mais em paz com quem sou como homem”.

Durante muitos anos, o Padre John esteve em um predicamento comum para muitos padres. Havia utilizado seu papel de padre como uma forma de se evadir. O presbiterado pode ser um lugar solitário, com o padre alienado não só dos demais padres como também dos paroquianos.

“Hoje chamei a um dos diáconos e compartilhei com ele algo que aconteceu durante a semana”, continuou o Padre John. “Suas palavras foram amigáveis e compreensíveis, que podia contar com ele. Eu disse a mim mesmo: ‘que maravilha. Estava precisando disso’”.

Continuou: “Você pode escutar a mesma sonata um milhão de vezes, até que um dia, de repente, em um concerto, começa um movimento e você pensa: ‘nunca havia me dado conta de que essa peça estava aí! ’. Você entra nesse estado que antes não era familiar e tudo parece mais bonito. Poderia dizer que a melodia encantadora que descobri recentemente são as relações boas com homens casados como esse diácono”.

O Padre John também havia feito amizade com Tom James, o membro casado de nosso grupo de psicoterapia. Disse: “estava com Tom outra noite, entrando na dor com a qual estava tratando. Tom disse: ‘só quero te sustentar’, e me sustentou. Eu estava rígido como um cubo de gelo – com medo da morte. Tom disse: ‘Você está tremendo! ’. Estava tão determinado a aceitar o calor de sua amizade mas a não permitir qualquer sentimento mal tratado. Logo relaxei. O que Tom fez foi me

dar uma palmada nas costas, e eu precisava disso. As relações de afeto como essa estão me liberando para centrar-me em minhas necessidades reais, como fortalecer minha identidade masculina que busquei nas outras pessoas”.

“Todo esse processo não é só psicológico, mas também espiritual. Voei anos-luz em somente doze meses de trabalho com você, Joe. Estou estendendo uma mão aos demais e permitindo que me ajudem. E estou encontrando também a confiança de permitir-me oferecer assessoramento. Na semana passada, um rapaz jovem entrou no confessionário e falou de suas lutas com sentimentos homossexuais. Estava triste por causa da culpa que lhe fazia sentir a igreja.

Pude oferecer-lhe compreensão e direção específica devido ao que estou aprendendo de mim mesmo”.

“Expliquei a esse rapaz que se suas necessidades naturais e genuínas de masculinidade permanecem insatisfeitas, ele continua experimentando sentimentos homossexuais. Que é possível satisfazer essas necessidades de forma autêntica por meio de relações sadias com o mesmo sexo, destruindo esse impulso sexual que busca romper as barreiras de forma erótica. Pode derribar essa tensão de

formas sãs

construtivamente”.

Acrescentou suavemente: “Não estou seguro de que a conduta homossexual seja pecado mortal. Deus compreende o déficit que nos leva a ela”. Depois, disse pensativamente: “Gostaria que a igreja fosse mais compreensiva”.

“É tarefa difícil”, concordei. “E você tem razão, isso não termina nunca. Os alcoólicos dificilmente perdem completamente o impulso de beber. A pessoa que cresce com autoestima baixa não se transforma em alguém que explode autoconfiança. Nunca chegamos à plenitude nessa vida”.

“Mas já estou fazendo isso muito melhor – louvados sejam os santos! Agora, minhas tentações sexuais são tentações de fundo. Deixaram de me preocupar”, disse.

“Essa é a essência: ser consciente das atrações, mas crescer em consciência”.

“É justamente o que é”, concordou “É uma consciência desenvolvida. Uma consciência mais plena. Compreendo esses sentimentos e eles já não me escravizam”.

Em uma manhã ensolarada de primavera, quatro meses depois, veio o Padre John, tomou seu assento no sofá e sorriu com paz e auto satisfação. Ambos sabíamos que se aproximava o fim de sua terapia.

“Hoje é três de junho, festa de São Carlos Luanga – patrono dos homossexuais”, disse-me. “Creio que o espírito de são Carlos me esteve guiando. Estava limpando o armário na semana passada e encontrei um velho filme pornô que costumava levar comigo ao Tropicana. Para minha surpresa, só pude ver um pequeno segmento dele antes que algo dissesse em meus ouvidos: ‘Isso é doente! Isso não é definitivamente são’. Vendo o filme, sentia que diminuía minha integridade.

Enquanto a olhava, dizia a Deus: ‘Isso não vem de ti. Isso é feito pelos homens e não é bom para mim’”.

“Agora, quando tenho esse impulso de ir ao circo dos livros, sou consciente de que é uma necessidade mais profunda o que estou sentindo, mascarada de erotismo. Começo a falar imediatamente com Cristo. Digo: ‘ajude-me com esse vazio que se mascara desse desejo erótico’. depois de tudo, Joe, como pode um homem preencher o vazio de seu coração com filmes pornô?”

Adverti: “esses vícios podem te levar outra vez à sua vida do passado se você não se cuidar”.

“Sim, eu sei. Mas uma das maiores esperanças de mudança que vejo”, disse-me o Padre John, “é que agora, quando caio, não passo o tempo me envolvendo na miséria da culpa. Essa foi a história da minha vida – ir ao confessionário e admitir meu erro – mas depois de tudo cair outra vez”.

Em um tom confessional, disse-me: “Pela primeira vez em minha vida, estive afrontando meus sentimentos homossexuais de verdade. Não estou só os reprimindo. Realmente estou afrontando o que estou fazendo. Agora posso dizer a verdade: ‘sou um viciado e estou me tratando’”.

“Estive pensando sobre esse problema global da masturbação. Quero libertar-me dele também – para manter meu voto de castidade. Creio que só tenho que ser honesto com Cristo.

Digo algo assim: ‘sinto-me como se estivesse masturbando-me nesse momento e não sou feliz por estar me rendendo a essa prática. Mas Jesus, fique comigo nessa batalha apesar de meus sentimentos”.

Pensou durante alguns segundos. Depois disse: “Minha forma de tratar Deus no passado era deixando-o de fora para evitá-lo. Agora, sei que Deus espera que eu o afronte”.

“Não tinha uma relação com Deus Pai porque não tinha um conceito de pai. Posso ver como algumas feministas que tiveram relações terríveis com seus pais querem um Deus feminino. Não podem confiar em Deus, o Pai”.

Durante sua última sessão, o Padre John lamentou: “Essa terapia me tirou a diversão de um encontro homossexual. Ainda que eu saiba que posso cair outra vez em um instante, sei que não vou me satisfazer. O ato se converteu em uma carga. Já não mantém a excitação – a esperança, a fantasia – que uma vez o fez atrativo”.

“Agora sei para onde me leva”, disse enfaticamente. “Não me leva a lugar algum”.

CAPÍTULO 4

CHARLIE, A BUSCA PELA IDENTIDADE MASCULINA

Um dos homens mais inteligentes e introspectivos que já tive o privilégio de conhecer é Charles Keenan, o Charlie, como me pedia que o chamasse. Charlie tinha uma ligeira estrutura e algumas maneiras afeminadas, mas isso não indicava debilidade de caráter em absoluto. Charlie era um homem de uma fortaleza incomum e de uma claridade de propósito.

Com trinta e dois anos, Charlie era o chefe de uma biblioteca biomédica universitária na qual havia trabalhado durante vários anos. Era culto, educado e falava muito bem.

Na primeira sessão de Charlie, ele cruzou a sala e sentou rapidamente como alguém que sabia exatamente o que queria. “Nos últimos dez anos tive muito pouco contato com o mundo gay”, disse. “Durante um ano, tive uma relação com um rapaz chamado Derek. Não é uma má relação – nos tratamos mutuamente bem – mas quero algo mais em minha vida. Vejo claramente que isso não é tudo”.

“O que quer dizer com ‘tudo’?” Perguntei.

“Não tenho esposa, não tenho filhos e não tenho o tipo de relação com a qual quero envelhecer”.

“Que tipo de relação você está buscando?”

“Bem, só penso que há falta algo que um homem não pode dar a outro”.

Fez uma pausa e suspirou, tentando encontrar as palavras adequadas para continuar. “Bem, a maioria dos gays que conheço insistem que os homossexuais já nascem assim. Mas não posso evitar ver como um insulto à minha dignidade alguém dizer que sou assim devido a algo genético.

Eu pertenci ao mundo gay durante muito tempo para dizer que quando um homem anseia pela masculinidade dessa forma, a ponto de querer absorver a de outro homem, então existe, inegavelmente, um grande problema”.

“Não quero ser gay”, continuou com ira. “Nunca crerei que isso me foi determinado pela genética”.

Acendi meu cachimbo e inclinei-me para a frente, impaciente para ouvir mais do que esse homem dizia.

“Eu li muito sobre a homossexualidade”, disse Charlie. “Trabalhar na biblioteca da Universidade deu-me a oportunidade de ler dezenas de volumes sobre a matéria”. Riu de forma afogada. “Passo meu horário de almoço ao redor da sessão WM-16. De fato, um dos livros que li foi o seu Terapia

Reparativa da Homossexualidade Masculina. Ajudou-me muito e decidi te ligar quando averiguei que estava aqui na área de Los Angeles”.

“Fico feliz que tenha te ajudado”, disse-lhe. “Que tal começarmos com a síndrome de déficit de identidade masculina que descrevo nele? Reflita sobre sua própria experiência de forma exata”.

Charlie riu. “É a história da minha vida!”

“Bem, então fale de você mesmo. Comecemos pela sua infância”.

Ambos nos sentamos em nossas cadeiras e nos acomodamos. Charlie suspirou e olhou para fora da janela. “Bem, olhando para minha infância, posso ver que nasci artista, talvez um pouco sem asserção”.

Pude perceber que estava impaciente para falar, mas encontrar as palavras adequadas era uma luta

evidente. “Creio que não tive os

no joelho quando era jovem que me deixou um pouco fraco e que me impediu de fazer muitas atividades masculinas, como jogar beisebol. Mas não creio que nada disso, em si mesmo, signifique que tinha de ser homossexual”.

diferente, mais sensível. Passei por uma operação

os porque era

“Estou de acordo”, disse. “Muitos meninos pré-homossexuais encaixam na imagem que você descreveu – sensível, sem agressividade, excluído das atividades masculinas. Mas alguns outros meninos que crescem heterossexuais também se encaixam nessa imagem. É algo mais profundo que isso que faz com que um menino se torne homossexual”.

“Bem”, continuou Charlie, rindo. “Eu temo que não tenha algo mais – tinha a base homossexual clássica. Fui educado em uma casa de mulheres, com uma mãe que me mimava, uma avó dominante e duas irmãs mais velhas. Quando era bem novo, meu pai tomou uma decisão: ‘não posso manejar essa família. Estarei próximo, pagarei a pensão, mas não vou me implicar com nada nessa casa’. Assim, não teve nenhuma relação profunda com nenhum de nós. Era basicamente um homem gentil e agradável, mas um completo estranho”.

Depois de uma breve pausa, Charlie prosseguiu: “Estou certo de que meu pai tinha suas próprias inferioridades privadas. Algo ia mal nele. Tenha sido gay ou não, tinha algum problema com sua masculinidade, porque certamente não sabia como dirigir-se como um homem dentro de sua própria casa. Realmente duvido de que soubesse o que fazer com um filho. Tem esse menino pequeno e pensa: ‘que demônios faço com este’?”

“Minha mãe e minha avó me converteram em uma bonequinha. Lia, desenhava, ficava em casa – você sabe, o clássico. Pode-se dizer que, durante muitos anos, minha mãe me absorveu.

Conduziu minha vida para seus próprios fins. Sua relação com seu próprio pai foi horrenda, também com seu irmão e depois com seu marido. Assim, eu era o novo homem pequeno, o modelável, sobre o qual ela poderia resolver toda a merda do passado. Ela queria o tipo de relação com um homem que não tivera antes, pelo que me criou para si mesma e me secou”.

“Imagino que você nunca quis estar nem perto de uma mulher de novo”, comentei.

“Bem, na verdade, tive duas namoradas. Mas todas as mulheres com as quais ficava eram como minha mãe. Eu não tinha identidade, dignidade, limites com minha mãe. E me recuso a casar com minha mãe!”. Rindo, ele disse: “Escolho-as perfeitamente. Sempre me encontro preso ao que você chama de papel de bom menino”.

Continuou: “Eu o odeio. Tiraram-me a vida com essa história de bom menino”. Bateu com o punho no braço da cadeira, expressando no rosto ira e vergonha.

“Quando você se deu conta de que era homossexual?”

Charlie suspirou e relaxou nas profundas almofadas, fechando os olhos por um momento.

“Tinha ao redor de 13 anos”, disse. “Convidaram-me para uma festa de acampamento com um grupo de adolescentes. convidaram a mim porque eu estava com as garotas e pensavam que eu poderia ser um ‘’ para eles. Entretanto, o líder do grupo ficou amigo meu, nós fizemos sexo e Bingo! Agora sou aceito pelo líder! Tenho essa relação especial com ele, satisfaço suas necessidades sexuais e ele me protege”.

Interpretei: “o sexo se tornou sua entrada rápida no mundo dos homens”.

“Sim”, disse ele. “Assim me sinto como um homem, sou um deles. Havia descoberto uma maneira de me relacionar com esse garoto. Sempre o havia admirado à distância. Não sabia o que se

passaria, mas pensei: ‘não importa

e

tinha que admitir que era bem excitante”.

“Então, você passou a fazer sexo com homens a partir desse momento?”

“Na verdade, não. Passaram alguns anos mais antes de eu entrar no mundo gay. Tive duas relações com mulheres na universidade mas esse garoto em particular, Andy, ainda estava em minhas fantasias. De fato, eu gostava de pensar que se unia a nós”.

Eu estava confuso. “Quer dizer que, enquanto fazia amor com sua namorada, imaginava que estava com Andy?”

“Não. Andy estava ali apoiando o que eu estava fazendo, animando-me”.

“Isso é interessante. Creio que essa fantasia com Andy estava sustentando simbolicamente sua identidade masculina ferida”, disse-lhe.

“Bem, pode ser que sim. Porque imaginava que ele estava do outro lado da cama me animando e buscava a palavra, “incentivava para que eu fizesse sexo com minha namorada.

”,

Dizia-me que eu era um , que estava fazendo certo e que me aplaudia enquanto fazíamos”.

Clarifiquei: “Esse homem da fantasia serve de apoio para reparar simbolicamente seu déficit de atenção masculina”.

“Creio que sim”, concordou Charlie. “Porque eu estava ali para ela e, até certo ponto, desfrutava Mas, de alguma forma, necessitava de Andy”.

Charlie podia ter relações heterossexuais, mas necessitava da imagem da masculinidade de outro homem. Sua utilização da fantasia de Andy revelava uma forma da qual se utiliza a terapia reparativa para sanar a masculinidade ferida de um homem. Proporcionou-me também uma forma de expressar o que faríamos nessa terapia.

“Charlie, toda esta terapia será a atualização desse homem fantasioso que está no mais profundo de sua psique. Assim, você o encontrará dentro de si mesmo e não precisará tomar a masculinidade de outro homem”.

“Encontrar dentro de mim. Gosto dessa ideia. Trabalhar sobre o que já sou mas não processei ainda”. Charlie disse que queria pensar sobre esse assunto e, com isso em mente, terminaríamos nossa sessão.

Na semana seguinte, decidimos trabalhar alguns aspectos de sua infância. “Sabe, Joe, quando eu era pequeno eu fui enganado”, disse ele. Sentou-se na borda da cadeira. “Pode-se dizer que, sendo o menino da minha mãe, eu fui enganado”.

“Pensei muito no que você disse na última sessão. De alguma forma”, fez um gesto forçado no ar com seu cigarro, “de alguma forma, continuei me enganando mantendo-me nas relações homossexuais e não me desafiando para me tornar um desses homens pelos quais me apaixono”.

“Nasci homem. E minha identidade é algo que quero ser, completamente”. Inclinou-se para frente,

Só que me sinto

inseguro em minha masculinidade. Sabe o que quero dizer? Sempre senti que, de alguma forma, era

excluído do grupo dos homens”.

aumentando a voz com frustração. “Não é que eu não gostasse nunca da ideia

“Realmente quero mudar esse sentimento. Quero afirmar o sentido de masculinidade que invejo nos demais e deixar de admirar a dos outros homens. Mas sabe o que mais me incomoda?”.

Abaixou o cigarro e falou enfaticamente: “A sociedade, a psicologia, o mundo gay – querem-me dizer que nasci desejando a outros homens. Eu não nasci assim; isso é uma ferida que me foi infligida!”

Enquanto escutava, não podia evitar sentir admiração pela aquisição bem merecida de autocompreensão desse brilhante jovem. Havia lutado e questionado a si mesmo e o que pensava não era uma opinião que lhe faria ganhar amigos no mundo gay.

“Como eu explicava, meu trabalho me oferece a oportunidade de ler muitos livros sobre

homossexualidade”, disse Charlie. “Muitos dos livros mais velhos de psicanálise encaixam perfeitamente em minha experiência. A família clássica de pai inadequado e mãe superprotetora. O menino que não gostava de jogos nem de brigas. Mas se você ler os livros recentes de psicólogos gays, pensaria que todo mundo está de acordo que a homossexualidade é inata, impossível de mudar e, em todos os sentidos, tão normal quanto a heterossexualidade. Como pode ser normal?”, sua voz se elevou e se encheu de profunda ira. “Você sabe, Joe, a Mãe Natureza não fez um pênis para

Quando um

entrar em um ânus! Isso é anormal! É pervertido! Até mesmo no mundo animal

cachorro monta em outro, ele o faz em sinal de domínio, não é o mesmo que faria se fosse uma cadela no cio, por exemplo”.

Charlie riu e sentou comodamente nas almofadas do sofá. Então suspirou, olhou ao redor e disse de forma nociva e em voz baixa: “Quer ouvir uma piada de verdade? Sabe por que os cientistas ainda não encontraram a cura para a AIDS? Porque não podem fazer com que esses pequenos ratinhos brancos fodam de forma extrema!”. Charlie parecia encantado consigo mesmo pela expressão não característica de profanidade.

Disse-lhe: “Bem, você sabe que, de fato, às vezes se observa a conduta homossexual em animais. Mas nenhum animal prefere a homossexualidade. No que se refere à homossexualidade em outras sociedades, todas as culturas favorecem fortemente a heterossexualidade”.

Agora sentia uma necessidade intensa de expressar minhas convicções como Charlie fizera antes:

“os porta vozes da cultura gay dizem que somos presunçosos em utilizar nossos valores quando dizemos se algo é normal. Mas então, em que se baseia a sociedade para definir a linha de

normalidade? Não acha que a pedofilia parece normal para o que abusa de crianças?”

“Não sei”, disse Charlie. “É uma pergunta interessante, não é?”

“Houve um artigo em um trabalho de 1990 do Diário da Homossexualidade”, disse a ele.

“Um terço dos pedófilos reclamava que seus desejos sexuais por crianças eram uma parte natural de sua constituição. Sentiam que era ‘inato’, um ‘feito da natureza’, ‘inerente a eles’, e assim por diante, o que explicavam dizendo: ‘simplesmente sou assim’. Porque criam que nasceram dessa forma, sentiam que não podiam mudar. Portanto, afirmavam que tinham o mesmo direito que as demais pessoas de buscar a expressão de sua sexualidade”.

“Isso é incrível”, disse Charlie.

“Veja bem, não estou pondo a homossexualidade no mesmo nível da pedofilia”, disse. “Os gays consentem a seus pares adultos. Mas ambas as condutas são justificadas erroneamente pela reivindicação de que se sentem normais”.

Charlie bateu o punho em seu joelho e olhou-me atentamente. “Não proclamam nossos corpos, com seu projeto e formas, a sabedoria da natureza? Não se supões que somos chamados a viver a complementaridade natural entre macho e fêmea? Não deveria isso demonstrar perfeitamente o sentido evidente para todos?”

“Qualquer homem com essa ideia”, resumi. “Nunca estará satisfeito sendo gay”.

Na semana seguinte, Charlie decidiu falar de seus terapeutas anteriores. Estava impaciente por expressar suas frustrações.

“Passei por três terapeutas nos últimos cinco anos”, disse. “O primeiro, estou seguro de que era gay, ainda que nunca me dissesse. Disse-me que eu era gay e que devia aceitá-lo. Manteve-se dizendo que eu deveria ir ao Centro de Serviços da Comunidade Gay e Lésbica para fazer um círculo de amigos na comunidade gay. Fui várias vezes e as pessoas que conheci ali eram agradáveis, mas me davam muita pena. Na verdade, não podia me relacionar com eles nem ir onde iam”.

“Esse psicólogo não tinha ideia de por que eu me sentia atraído por outros homens e não queria me ajudar a explorar o assunto. Dizia: ‘ninguém quer saber por que um homem é heterossexual, não é? Então, por que temos que nos preocupar com o motivo de você ser homossexual? ’. Evitou totalmente discutir como pode ter contribuído a relação com meus pais.

Antes de deixá-lo, disse: ‘Veja, preciso de alguém que me ajude a ir para onde eu quero conduzir minha vida, não aonde você acha que deveria me levar’. Obviamente, ele achava que eu estava negando uma parte integral da minha natureza”.

“Meu segundo terapeuta foi um jovem heterossexual. Dizia que eu era afortunado por ser bissexual porque tinha mais companheiros sexuais para escolher!”, deu uma longa risada.

“Tremenda idiotice! Esqueça! Depois encontrei uma terapeuta, uma mulher cristã de bons pensamentos. Tentou me ajudar a superar a homossexualidade, mas simplesmente não sabia como. Gastei meu dinheiro ensinando a ela o que havia lido! Finalmente, descobri seu livro e procurei por você”.

Disse-lhe: “Charlie, estou assombrado pelo que sabe sobre sua tendência, sobre o que significa e de

onde vem”.

Ele respondeu: “estou assombrado de como os outros que estão em meu lugar não parecem saber ou não querem saber. Perguntei a muitos gays: ‘por que você acha que é gay? ’. Não querem falar sobre isso. Têm um medo mortal!”

Pensou durante um momento e depois disse: “Escolher viver o estilo de vida gay é como um último recurso – uma forma conveniente de ter contato com alguém. Passei muitos anos até descobrir que o que vivo é um acesso rápido. Pude seguir assim, seguir fazendo isso, mas me dei conta de que não sou o tipo de gente que se conforma com algo para sempre”.

Então, Charlie verbalizou um assunto nuclear da condição homossexual: “Sempre soube que tinha um problema de intimidade tanto com homens quanto com mulheres e sei que isso tem relação com minha homossexualidade, mas não sei exatamente como”.

Continuou: “Meu maior problema é sentir-me sozinho o tempo todo. Desconectado. Ainda que esteja rodeado de gente o dia inteiro no trabalho, vivo em isolamento emocional. Na semana passada, me sentia vazio e ansioso. Não tinha a menor ambição de fazer nada e qualquer trabalho parecia exigir demasiado esforço”.

Ema expressão de desespero assumiu seu rosto atrativo e gentil. Esperei que dissesse algo mais.

Suspirou e continuou: “Tenho tido êxito em evitar contatos homossexuais

meu êxito se deva simplesmente à idade à diminuição da libido?” Sorriu arrependido.

Pode ser que

Mas

“Em sua pequena piada ouvi uma tendência clara em desacreditar-se, a não se dar crédito por suas conquistas. Muitos homossexuais em tratamento são lentos para se dar crédito pelo que conseguiram. Não lhes foi ensinado a reconhecer seu poder intrínseco.

Charlie suspirou impacientemente e olhou diretamente em meus olhos: “Estou sem sexo, mas estou

sozinho e

difícil fazer isso por vontade imposta”.

Quero saber como posso deixar de buscar sexo com homens para sempre. É muito

“Alegro-me que se dê conta disso”.

“Sinto-me vazio, muito cansado. Como em um beco sem saída”.

“Esse vazio”, disse eu. “É reflexo de uma energia inexplorada que subjaz abaixo da superfície. Se não entra em contato com essa energia e a despreza, você cairá em uma depressão a toda escala e, depois, o que acha que acontecerá?” Avisei: “A depressão é a calma antes da tormenta das relações sexuais de novo”.

“Isso eu sei bem”, assentiu Charlie. “Posso me imaginar visitando os bares se não fizer algo para conseguir ser reconectado. Espero que possa me ajudar a acender o fogo adequado e montar no trem outra vez. Engraçado – ainda que eu saiba muito sobre meu problema emocionalmente, ainda não me sinto curado emocionalmente”.

“Bem, Charlie, nosso tempo está acabando, mas vamos pensar nesse paradoxo até a próxima sessão. Há um mundo de diferença entre mudar intelectualmente e mudar emocionalmente”.

Quando nos encontramos outra vez, na terça-feira seguinte, Charlie continuou com a discussão da semana anterior. “Você tinha razão quando me disse que era muito duro comigo mesmo. É parte do meu problema. Nunca me dou crédito por nada. Estimulo a mim mesmo com uma ideia nova e logo

deixo a peteca cair, questionando a mim mesmo e acreditando em toda classe de dúvidas e medos que sei que são desnecessários e irreais. Sinto um constante inferioridade, uma ferida profunda em meu interior”.

Então confessou: “Uma das coisas que me fazem voltar a me paralisar e a me deprimir é que parece que não sei como deixar meus pais, emocionalmente falando. Como cortar o cordão umbilical e

continuar

”,

buscava as palavras adequadas, “continuar sendo seu amigo”.

“Ter uma relação com eles, mas não como um menino”, clarifiquei.

“Sim. Ter algum tipo de relação de igual para igual com eles”. Pensou durante um momento, depois acrescentou: “não sei como ser real, como ser eu mesmo ao seu redor. Como me relacionar de forma genuína. Não estou seguro de quais são meus sentimentos com relação a eles”.

Enquanto começava a afrontar como não havia sido tratado honestamente por seus pais, Charlie entrou em uma das fases mais dolorosas da terapia reparativa. Fora de suas necessidades narcisistas, seus pais, especialmente sua mãe, havia-lhe requerido que fosse um bom menino e, dessa forma, comprometeu seu próprio desenvolvimento autônomo masculino.

“A ferida que tem dentro de você vem de dar-se conta de que não foi reconhecido como indivíduo”, disse. “Em algumas áreas não foi bem atendido, em outras, demasiadamente mimado.

Seus pais não te deram um sentido forte de verdadeira identidade”. É esse tipo de infância que levou aos autores Leanne Payne e Colin Cook a descreverem o homossexual como um órfão.

“Talvez seja isso”, disse ele. “Intelectualmente me sinto seguro de mim mesmo, mas

Sinto que, de alguma forma, não sou nada. Não sou nada e isso me deixa

doente

emocionalmente

Disse-lhe: “voltar e reclamar sua verdadeira identidade significa começar a trabalhar seu caminho de volta através da ferida”.

“E quanto à minha ira?” Perguntou. “Também tenho muita ira”.

“Com certeza. A ira é uma defesa contra a ferida, contra a injustiça. Por isso, muitos dos homens estão assim. Sua ira não é só pela intolerância da sociedade ou com a homossexualidade.

Vem de sua consciência, em algum nível profundo, de que essa parte que essa parte de sua identidade essencial lhe foi arrebatada em seus primeiros anos de vida”.

“Mas como reconheço esses sentimentos de ira em relação a meus pais? Tenho que repudiá-los emocionalmente?”

“Não creio que tenha de repudiá-los”, disse. “A tarefa é ser um adulto com eles, não um menino pequeno manipulado por eles”.

Ele suspirou e disse: “Sinto-me paralisado quando penso no que há diante de mim”.

Respondi: “Essa é uma fase crítica e de transição em sua terapia. Já não é o menino manipulado, mas ainda não sabe como ser o adulto autônomo”.

“É exatamente aí que estou”, assentiu. “Como posso me tornar um adulto com relação a meus pais?

Sei que não posso mudar meu pai. Quando era pequeno, nunca consegui que me reconhecesse de forma nenhuma. Pode ser que se eu o tivesse acompanhado para praticas os esportes dos quais gostava – ele amava descer pelas águas bravas do rio e pescar. Não fui com ele, a não ser umas duas vezes, porque não gostava de ficar afastando os mosquitos a noite toda e ouvir os coiotes uivando nos arbustos. Quando comecei a negar-me a acompanhá-lo em suas viagens, creio que sentiu que eu o rejeitava. De alguma forma, creio que foi culpa minha que me deixasse com minha mãe e minhas irmãs”.

“Se você centra sua terapia em mudar seu pai, estará sabotando seu tratamento. Provavelmente não conseguirá mudar seu pai, mas pode mudar a forma como se relaciona com ele. Não vai querer ”

voltar a se sentir frustrado porque isso te levará

“De volta a algum relacionamento homossexual. E isso não é o que quero”, disse ele abruptamente.

“E regressará na semana seguinte com os mesmos problemas”, acrescentei.

“Tem razão”. Então, acrescentou pensativamente: “Tão rápido como deixo de tratar do meu pai, afronto os problemas de novo. Posso esquecê-lo por um momento, tirar a luta de minha mente, mas está claro que perco meu tempo, que vou ter de tratar eventualmente desse problema.

Se não posso mudá-lo, posso mudar a forma de me relacionar com ele”.

Sentia a pressão que Charlie punha sobre si mesmo e sentia que necessitava voltar a dar-lhe segurança: “Não é algo que tenha de resolver instantaneamente. A grande vantagem dessa terapia é que há muitas formas de progredir – atividade física, desenvolvimento de amizades masculinas saudáveis, começar um diálogo baseado no respeito com ambos os pais. Há muitos desafios que te farão progredir”.

“Porque acabo de me sentir golpeado

“A natureza ativa e iniciadora da terapia reparativa enfatiza os desafios diários do mundo”, expliquei. “Mas, quando você está golpeado em um nível consciente, olhe para o inconsciente. Ponha atenção ao que se apresenta em seus sonhos”. Ainda que Charlie se sentisse estancado, tinha muito que aprender com a corrente oculta que vinha de seu inconsciente.

Considerando minhas palavras, Charlie disse de repente: “Na noite passada, tive um sonho

diferente, que posso recordar só de forma vaga. Estava passando mal tentando me centrar nele

quando acordei. Foi tão breve pai”.

Duvidou, depois disse: “Ah, lembro! Estava nu diante de meu

”.

Olhou-me e disse: “isso foi tudo”.

“Nenhum sentimento?” Perguntei.

“Não, nenhum em particular”. Encolheu os ombros.

“Havia algum sentimento sexual?”

“Nada. Só uma atitude objetiva de ‘estou aqui’”.

“Como você interpreta esse sonho?”

“Não tenho nem ideia. Nunca havia sonhado algo assim antes”.

“O que poderia estar tentando dizer ficando nu na frente do seu pai?”

Respondeu: “Este sou eu! Quero que olhe para mim!”

“Esse sonho tem um tema reparador”, disse-lhe. “É a tentativa de uma cura de si mesmo.

Seu pai representa a masculinidade que nunca afirmou em você. A afirmação masculina que você gostaria de ter. Você diz: ‘olhe para mim! Olhe-me pelo que sou! Sou um homem, reconheça-me! ’, isso é o que você quer. Creio que é um sonho importante que representa exatamente o que quer alcançar aqui em sua terapia”.

Charlie sorriu: “Precisamente! A imagem é tão simples, mas tão perfeitamente simbólica. Isso é exatamente o que eu quero”. Um olhar maravilhado cruzou seu rosto. “É assombroso. Em algum nível de minha psique sei do que necessito e já estou me esforçando para isso”.

Ele riu: “Talvez não esteja tão golpeado como creio que estou”. E, com essa frase, concluiu nossa sessão”.

Algumas poucas sessões depois, Charlie recordou como, quando era jovenzinho, havia aceitado ter relações sexuais com um garoto mais velho. Então, com vergonha considerável, admitiu que essa não foi simplesmente um incidente único senão um padrão regular. Agora tentava entrar no mundo desse menino pequeno – o que havia buscado?

Perguntou: “O que leva um menino a fazer isso, Joe?” A dor e a vergonha ainda estavam em seu rosto.

“Você tinha de fazer algo, tinha de satisfazer alguma necessidade”, respondi.

“Mas por que assim?”

Então, Charlie respondeu à sua própria pergunta: “Era uma busca por mim. Era algo que não encontrava em mim mesmo ”

Charlie havia tocado uma verdade essencial sobre a condição homossexual: ela representa um esforço para encontrar uma parte perdida da identidade. Quando comecei o trabalho clínico com homossexuais, a princípio pensava que era simplesmente um problema sexual.

Posteriormente, dei-me conta de que era um problema de identidade de gênero. Hoje, vejo como um problema de identidade nuclear. A homossexualidade representa a perda de uma identidade verdadeira e de aspectos do próprio poder masculino.

“A maioria desses meninos com os quais tive contato sexual hoje estão casados”, disse Charlie. “Não se engancharam à homossexualidade como eu”.

A percepção de Charlie era exata. Para muitos meninos, o homoerotismo satisfaz uma curiosidade normal. Mas, para outros, como ele, essa conduta expressa um anelo emocional bem mais profundo. Em Charlie havia uma necessidade de satisfazer sua identidade essencial masculina – uma necessidade que buscava liberar na intimidade sexual com outros homens.

Perguntei a Charlie: “Você encontrou alguma satisfação durante os anos posteriores, quando

pertencia ao mundo gay?”

“De alguma forma, sim”, disse ele. “Dava-me um sentimento libertador. Passava algumas horas em um bar gay depois de um dia de trabalho duro na biblioteca. Ao final, estava em um mundo de homens que estavam na mesma situação que eu e não havia pretexto, nada para esconder. Podia conhecer um rapaz e ir para casa com ele durante horas – era como o prazer de desfrutar de um bom prato de comida depois de um dia de trabalho”.

Sua utilização da palavra “comida” me inquietou. Então, o ato homossexual era comparável ao ato de comer, devorar? Pode representar a felação o mesmo impulso inconsciente para satisfazer uma necessidade fisiológica, como a alimentação? A “ceia”, nesse caso, pode ser tanto primitiva quanto prazerosa, incorporando as fantasias relacionadas a outro homem dentro do eu, tornando esse eu mais forte. Pensei nos ritos de iniciação masculina das tribos primitivas, como a Sambia da Nova Guiné, onde os jovens são iniciados na masculinidade e na força por meio do ritual de engolir o sêmen de homens mais velhos.

Também me lembrei da ideia de Carl Jung acerca da condição homossexual. Tal como parafraseado

nas

profundezas da própria psique, que se busca no plano biológico por meio da “fusão” com outro

por seu biógrafo, segundo Jung, a homossexualidade trata-se de “um ser desenvolvido (

)

homem (Jacobi, 1969, p. 51).

Charlie e eu seguimos falando dos padrões vistos com tanta frequência nas famílias de homossexuais. Enquanto insistem que a homossexualidade é estritamente genética, os apologistas gays têm desestimado as investigações sobre as origens familiares da homossexualidade. Descartam bruscamente as averiguações psicanalíticas clássicas sobre a homossexualidade como “desaprovadas” ou “defasadas”. Temem que, caso se consiga demonstrar uma conexão com padrões familiares abalados, então a sociedade seja menos tolerante com a homossexualidade.

Entretanto, costumo me perguntar se compensa que a tolerância exista à custa da verdade. Por que não podemos ter a verdade com a tolerância?

Expliquei a Charlie como o menino pré-homossexual é, em termos gerais, o que Alice Miller (1987) chama de “menino usado”, mas que é usado de forma particular. Pode ser que a mãe utilize o filho para gratificar suas necessidades emocionais não satisfeitas por seu marido. O “bom menino” é a criação de uma percepção feminina distorcida do que se supõe que deva ser um homem. O pai, por outro lado, usa o filho pré-homossexual de forma mais sutil. Pode ser que seja esforçado, mas inadequado, bem intencionado, mas descuidado. Às vezes o pai sacrifica o filho para atender às necessidades da mãe. Delega ao filho a responsabilidade de manter a mãe feliz. De qualquer forma, o uso do menino nessa relação tríade sacrifica sua masculinidade.

Charlie disse lentamente: “em outras palavras, pode ser que o menino tenha sido inaceitável para sua mãe até que extinguisse sua masculinidade”.

“Nunca a extinguiu”, corrigi. “Simplesmente nunca teve nenhum estímulo para afirmá-la. Para permanecer nas boas graças da mãe, pode ser que tenha tido de negar seu desejo pela masculinidade. Pelo amor da mãe teve de submergir o que chamamos de esforços masculinos”.

“Porque ela queria que ele fosse seu bom menino para sempre?” Perguntou Charlie.

“Com frequência. Muitas mães querem que seus filhos sejam bons, puros, que sejam para elas como uma pequena mascote. O papel de bom menino exclui a masculinidade, uma vez que a masculinidade traz consigo a independência, a autonomia e o exercício do poder pessoal”,

expliquei. “O que faz ao filho diferente da mãe é precisamente sua masculinidade. Se a expressa, sua mãe pensa: ‘ele não será como eu’. Algumas mães se sentem ameaçadas por essa diferença de gênero”.

“Como se ela quisesse que ele fosse seu companheiro”, disse Charlie com uma expressão de desgosto.

“Sim”, disse eu, acrescentando: “Essas mães não querem, conscientemente, que seus filhos sejam homossexuais. Quando descobrem, vinte anos depois, que seu filho tem problemas com homossexualidade, costumam ter um choque e ficam muito tristes. Não se dão conta de que elas mesmas ajudaram a estabelecer as bases dessa tendência”.

“E quando a mãe está criando esse menino bonzinho e neutralizado, o pai não intervém!”, a voz de Charlie carregava uma certa ira.

Respondi: “Exatamente. Um papel importante do pai forte e educado é destruir o vínculo simbiótico cômodo da relação entre mãe e filho. Muitos pais são boas pessoas, mas simplesmente não veem o que está se passando”.

“Assim, pode ser que haja muitos meninos que tenham o mesmo tipo de mãe que eu tive, mas seus pais intervieram e detiveram o que estava se passando. Se eu tivesse tido um pais mais implicado, minha educação poderia ter-se equilibrado de forma diferente”.

“Totalmente. E, quem sabe se você, você mesmo, tivesse sido um pouco mais duro e resistente, pode ser que tivesse se afastado de sua mãe e aberto caminho à reserva e falta de implicação de seu pai. Mas era um menino sensível e não do tipo que é apto para tomar desafios emocionais. Por isso, a homossexualidade costuma ser não um problema de mãe e filho ou de pai e filho”, expliquei. “É um equilíbrio entre os três. O eminente psiquiatra Irving Bieber se referia a isso como ‘relação tríade’”.

Charlie recordou: “É divertido, estava olhando recentemente algumas fotos da família e minha irmã disse que, toda vez que tirávamos uma foto familiar, eu não queria sair. Conseguia escapulir para fora do alcance da câmera”.

“Uma retirada. Um sentimento de diferença. Ouço isso o tempo todo. O menino pré-homossexual não se sente parte da família”.

“Foi o que se passou comigo”, disse Charlie.

“Posso compreender isso, já que você não foi levado a sério por seus pais”.

“Fui tratado como um objeto de posse”, disse. Então, acrescentou: “Quando estava na escola de gramática, tive um problema de peso e os meninos do colégio costumavam tirar sarro de mim e me chamar de gordo. Mas minha mãe me olhava com orgulho um dia enquanto comia uma torta de creme de chocolate inteira. Até esses dias, falava com orgulho sobre o quão lindo que o Charlie estava enquanto terminava toda a torta de uma vez”.

“Era uma possessão adorável”, disse-lhe.

“Como os três pequenos cachorrinhos que ela pegou para cuidar quando os três filhos cresceram e saído de casa”. Ele riu. “Esses cachorros ocupam nossos lugares!”

“Fizeram com que você vivesse uma falsa identidade que sacrificou sua autonomia e sua identidade masculina”, disse-lhe. “A gente não costuma se dar conta de que está vivendo uma falsa identidade até começar a experimentar uma certa identidade dela. Quando começa a viver seu verdadeiro eu,

terá uma sensação de libertação, de espontaneidade e de poder interior. O falso eu costuma deixar

na pessoa sentimentos de consciência rígida e, de alguma forma, de vazio e morte por dentro”.

“E o sentimento do verdadeiro eu? Ficará comigo, com o tempo?”, perguntou Charlie. Então disse com uma nota de encanto em sua voz: “estou começando a me sentir mais forte. Estou progredindo com meus amigos heterossexuais e estou pensando em ir a uma academia”.

“Que bom. Está se movendo na direção correta”.

“Quero me sentir melhor em relação a meu corpo”, disse. “Estou ficando mais velho e mais flácido”, falou dando palmadas na barriga, “o que é deprimente. Tinha uma boa presença quando estava na universidade. Havia deixado essa imagem de menino gordo perdendo muito peso e fazendo exercício, de forma que me sentia mais sexy. Fazia bem me sentir desejado pelos homens nos bares, esse tipo de vaidade”.

Essa “vaidade” nos conduziu a uma discussão acerca de uma condição homossexual que chamo de alienação do corpo. Os gays têm a tendência de perceber seu próprio corpo masculino com uma fascinação excluída, como se fossem objetos. O corpo do homossexual, particularmente o pênis, é

algo que ele carrega, mas que não possui. Esse sentimento de não possuir o próprio corpo pode tomar a forma de complexo de inferioridade ou superioridade, mas nunca existe uma conexão tranquila com ele. Muitos clientes expressam um sentido de desconexão de seus corpos que começa

na tenra infância. Existe também uma excessiva modéstia, que costuma continuar até a idade adulta.

Pode ser que descrevam uma falta de vontade de tirar a camiseta, mesmo na praia ou no calor. Descrevem uma vergonha de se despir na frente de outros meninos, inclusive seus irmãos. A timidez pode se alternar com o exibicionismo, que é um intento exagerado de compensar a timidez. Tanto a timidez quanto o exibicionismo são formas de alienação do corpo.

Esse mesmo complexo de inferioridade e de incômodo ressurge nos anos posteriores, quando o jovem desenvolve certa sobrecarga de preocupação com o tamanho do pênis.

Relacionado com isso está a vergonha de urinar na frente de outros homens nos banheiros públicos.

O que vemos nessa dinâmica de alienação é um fracasso da família (e do pai em particular) em

integrar o menino em sua masculinidade por meio de seu próprio corpo.

Mesmo quando descreve sua participação em esportes, o homossexual experimenta, com frequência, uma exclusão objetiva. Sua tendência é observar a si mesmo e aos movimentos de seu corpo, mais que sentir a si mesmo, que está movendo esse corpo. Porque carece dessa confiança em seus movimentos naturais, é provável que inveje essa qualidade nos heterossexuais. Por essa e por outras razões, vejo que a homossexualidade não é simplesmente um problema sexual, senão um problema maior, relacionado ao seu próprio lugar no mundo.

Voltando ao problema da vaidade, disse a Charlie: “Seu interesse em se implicar em seu progresso físico é grande, mas não deveria ser buscado por vaidade. Não vai querer que seu corpo seja um objeto. Essa é uma necessidade que procede do falso eu. O objetivo é desenvolver um sentido interno de propriedade. Você é seu corpo, está centrado em sua masculinidade. Você não o leva, ele é que te leva. O orgulho que sente por seu corpo deve surgir de sua identificação com outros homens. Compreende a diferença?”

“Totalmente”, respondeu ele. “Conheço ambas as possibilidades. O prazer em olhar meu corpo,

procedente do narcisismo, e, por outro lado, o sentido de estar centrado em minha masculinidade. Sei a diferença, mas, às vezes, é difícil alcançar essa outra forma de me perceber”.

“Tem razão”, assegurei. “O que importa é que você sabe a diferença”.

“Durante um longo tempo, depois que perdi peso, sentia-me orgulhoso porque tinha um bom corpo que chamava a atenção de outros homens. Nos bares, os homens me olhavam e isso me fazia sentir bem comigo mesmo. Entretanto, de alguma forma, eu o odiava – permanecia buscando encontrar o que realmente queria”.

“O que era?”

“Um homem”.

Assustado com essa contradição, perguntei: “seu corpo permanecia na busca por outro homem?”

“Assim era”.

“Explique-me isso”.

“Tudo o que queria era estar perto de um homem. Não de um gay, mas sim de um heterossexual – um homem 100% masculino e natural. Mas esses homens não se apaixonavam por mim – eles queriam o que não podem ser, isso é, uma mulher. Esse é o paradoxo da condição homossexual”.

Pensando nisso, terminamos nossa sessão.

Charlie logo começou a progredir com suas amizades heterossexuais. Passou a frequentar uma academia onde estava descobrindo que poderia ter amigos heterossexuais sem estar sobrecarregado em tensões homossexuais. Agora, falava de um novo amigo, Rich, a quem descrevia como “um grande homem, muito afirmativo. Heterossexual, e não tem nem ideia do que estou vivendo”.

“Tenho uma pergunta”, disse-lhe. “Alguma atração por ele?”

“Uma ligeira”, admitiu Charlie depois de uma pausa de reflexão. “Sim. Às vezes, comparo-o comigo mesmo e me encontro pensando: ‘ele tem algo que eu não tenho’. Daí vem uma certa atração sexual”.

Continuou: “Um dia, na semana passada, Rich entrou caminhando no vestiário. Tinha uma camisa de corte e seus músculos estavam bem evidentes. Não me sentia bem com meus braços e peitorais fracos e senti que despertava em mim uma atração. Disse para mim mesmo: ‘se quer o que ele tem, terá que trabalhar por isso como ele o fez. Se crê que ele conseguiu isso da noite para o dia, está enganado. Pagou com suor por esse corpo’”.

De todos os homens com os quais trabalhei, Charlie era o melhor em utilizar uma técnica chamada conversa de auto mentor, a prática de falar consigo mesmo com a voz de um pai forte e benevolente interiorizado.

Continuou falando de seu novo amigo: “Rich sempre me faz rir. Ajuda-me a ser menos sério. Gosto desse seu sentido de espontaneidade, esse entusiasmo e humor louco. Não (saca) nada fora de proporção, diferente de mim”.

Manteve-se calado por um momento, depois disse o seguinte: “Outro dia fui golpeado por uma

verdade que me veio pela graça de Deus. Dei-me conta de que não há ninguém neste mundo que possa dar a mim a minha identidade masculina. Nenhum outro homem. Reside dentro de mim, só que está inativa. Ninguém pode oferecê-la. Nem eu posso consegui-la mudando minha imagem externa. A chave real para mudar é atualizar o que já tenho dentro de mim”.

Charlie parecia impaciente para continuar falando: “Rich e eu saímos há umas duas semanas e parecia que ia chover antes de voltar ao carro. Rich pareceu não se importar porque não disse nada, mas eu estava ficando nervoso. Minha mãe sempre dizia ‘Vai chover!’ como se como se me molhar fosse supor a própria morte, como se fosse morrer de pneumonia. A maioria dos homens não se importa em se molhar, claro, mas a voz de minha mãe sempre soava como uma velha gravação dentro de minha cabeça. Assim, pensei: ‘se molhar, molhou, e daí?’. Bem, ficamos ensopados. Pensei: ‘e agora, o que faremos?’. Rich seguiu caminhando sem dizer nada, como se não fosse importante”.

Charlie me lançou um tênue sorriso, como se estivesse feliz por haver quebrado um dos maiores vínculos com os quais sua mãe o havia oprimido.

“Realmente creio que estou progredindo”, continuou Charlie, “senti isso em alguns sonhos que tive recentemente. Na noite passada, sonhei que estava na base de um caminho em uma montanha com meu amigo Eric. Levávamos mochilas e botas de excursão e nós tiramos as camisetas debaixo do sol da tarde. Ambos parecíamos musculosos e eu me sentia bem comigo mesmo. De repente passaram caminhando duas moças loiras e eu dizia: ‘ei, Eric, não são bonitas? ’.

Ele respondia que sim, e isso parecia uma amizade alegre”.

“Muito interessante. E como interpretaria esse sonho? Lembra-se das regras básicas de interpretação de sonhos – todo sonho é significativo e cada parte desse sonho representa uma parte de você”.

Começou: “havia um sentimento, no sonho, de ser feliz simplesmente por ser eu, e isso me encantava. A sensação de ser despreocupado e forte. Queria apropriar-me desse sentimento e mantê- lo. Não me sinto dessa forma com frequência e era uma altura real para mim”.

Perguntei: “A pergunta agora é: por que Eric está no sonho?”

“Deixe-me pensar nisso”, disse Charlie. Sentando-se, olhou para cima e meditou. “Bem que veja nele qualidades que gostaria de ter em mim”.

pode ser

“Certamente”, disse eu. “Sente que vai conseguir essas qualidades?”

“Pouco a pouco, sim”

“Quais qualidades?”

“A espontaneidade, a liberdade. Isso é o que Eric representa – essas são as qualidades que mais admiro nele”.

“Que parte de você é representada pela montanha?”

Charlie pensou por um momento e depois respondeu: “Suponho que é minha luta. A terapia é como escalar uma montanha. E pode-se dizer, de certa forma, que Eric é meu companheiro e meu guia”.

Charlie parecia mais seguro com esse sonho. Via nele a satisfação que procede da compreensão de como seus sonhos, em perfeito simbolismo, refletiam seus esforços conscientes.

Charlie havia percorrido um longo caminho e, por isso, nós dois estávamos contentes.

Muitos homens vieram a mim cronicamente deprimidos e infelizes, passando pelos movimentos da vida enquanto perdem algum tipo de vitalidade essencial. Os porta vozes gays dizem que esses homens estão cheios de ódio por si mesmos devido à sua interiorização da homofobia social. Ou diriam que esses homens se sentem cronicamente vazios porque não se permitem encontrar satisfação em um amante masculino. Mas essa vitalidade havia desaparecido há tanto tempo como Charlie podia recordar e sabia que tinha a ver com sua masculinidade perdida.

Durante o transcurso da terapia, cada cliente passa por momentos de desespero durante os quais tento fazê-lo consciente da nova vida que emergirá do outro lado de sua luta. Estou a seu lado enquanto suporta a dor que é sempre parte da cura, enquanto pergunta, uma e outra vez, “por que sou eu quem deve sofrer”. Houve muitas vezes em que Charlie se perguntou se conseguiria subir essa montanha.

No último ano de tratamento, Charlie entrou na terapia de grupo, onde contribuiu com uma presença pensativa e de introspecção. O respeito que ganhou do restante do grupo era evidente:

quando Charlie falava, todos escutavam. Sua claridade de expressão e sua visão penetrante deram a ele a posição de líder admirado. Com frequência, Charlie dirigia a direção do debate de nosso grupo. Fez muitos amigos íntimos entre os homens, apoiando-os quando perdiam seu rumo.

Quando saía caminhando de meu consultório pela última vez, sabia que não era o único que sentiria sua falta.

Charlie Keenan mudou em muitos sentidos. O que buscava mais da terapia reparativa era estar centrado em sua própria identidade masculina. Através desse ganho, esperava encontrar uma diminuição de suas distrações homossexuais. Depois de dois anos, deixou meu consultório sentindo que havia conseguido aquilo para o qual havia vindo à terapia.

Ainda tenho em minha mesa um folheto no qual Charlie escreveu algumas reflexões:

Hoje, minha terapia desenreda os enganos que infligiram essa insegurança masculina sobre mim. Minha terapia tem sido um processo sofisticado de descobrir a verdade, provando-a e vivendo confidencialmente pela primeira vez em minha vida. Minha terapia me mostra que sou um membro total do clube de homens porque nasci homem. Minha terapia me põe na companhia de outros homens com a mesma luta. Nós acreditamos uns nos outros e nos ajudamos mutuamente a viver essa energia e identidade masculina, mais que a perpetuar a mensagem mítica de que não merecemos a identidade masculina sã de que desfrutam todos os homens.

Esses dois anos e meio foram uma bênção de liberdade e poder. Meu sentido de satisfação com minha masculinidade está vivo e crescendo agora:

1. Não anelo mais a masculinidade. Em vez disso, eu a afirmo.

2. Já não supervalorizo (desejo sexualmente) nem menosprezo (exclusão defensiva) os homens de

minha vida. Em vez disso, fico com eles como um igual.

4.

Falo com mais frequência e sou mais assertivo.

5. Em espírito, sou menos reprimido.

6. Em ação, tenho mais controle. Tenho mais vontade de me arriscar.

7. Por meio do exercício tenho feito melhores amigos e tenho e tenho menos ódio do meu corpo.

Pode ser que nunca me veja completamente livre desse desajuste que tenho desde que era pequeno mas estou fazendo o máximo que posso com meu corpo.

8. Posso apreciar melhor o feminino em minhas amigas mulheres porque seu contraste comigo é

agora mais aparente.

9.

Busco a energia masculina em todas as coisas e encontro formas de experimentá-la ou expressá-

la

genuinamente desde dentro porque fazer isso é viver e sanar.

Só que há homossexuais que aceitam a ideia de que nasceram assim. Vendem-se barato. Recusam admitir que possam estar carentes (como está todo ser humano). Recusam buscar as raízes de seu problema porque é repugnante ver como alguém, quem sabe sem querer, disse “não” à

responsabilidade que se coloca sobre nós para vivermos como fomos criados. É um pecado de orgulho que cega essas pessoas, que as engana na crença de que a abertura é uma vergonha. Não é.

A vergonha real é não aceitar o perdão nem conceder o perdão. Eu perdoei aos homens que me

fizeram dano como perdoei a mim mesmo pelos anos de fuga.

Tenho a esperança de que todo homem que padece de homossexualidade possa abrir-se para receber

a mesma graça que eu recebi. Essa graça foi a que me possibilitou ver que minhas tendências

homossexuais não eram um grito para ter outro homem – era um grito para ter a masculinidade.

Charlie ainda me envia algumas notas e sempre estou contente de saber algo dele. Os homens do grupo ainda sentem sua falta.

CAPÍTULO 5

DAN, UM HOMEM COM IRA

Jennie, minha secretária, me chamou na porta: “seu paciente das seis está aqui”. A porta estava

entreaberta e Jennie olhava pela fresta. “Esse cara parece um pouco

forte”, sussurrou.

Um minuto depois, Jennie apresentou Dan Prescott a mim. Alto, musculoso, cerca de 40 anos, Dan entrou pavoneando-se no consultório, dirigindo a mim um inquietante e penetrante olhar com seus brilhantes olhos castanhos. Parecia um adolescente dos anos cinquenta, com seus jeans azuis ajustados e sua camiseta branca com as mangas encolhidas sobre os bíceps. Nos demos as mãos e indiquei a ele um assento enquanto sentava-me de frente para ele.

Quase antes de sentar-se, Dan começou: “Permita-me dar uma informação básica: não desejo perder tempo. É como diz o ditado, tempo é dinheiro”. Seu sorriso era um tanto cínico.

Inclinou-se para trás e falou com decisão: “Estou cambaleando pelo ambiente gay desde os dezesseis anos. Já vi de tudo. Envolvi-me com álcool e drogas pesadas, toda classe de merda. Devo ter tido relações com centenas de rapazes. Realmente, eu fodi com minha vida”.

Suspirou profundamente e baixou os olhos. Sua brusquidão de repente se suavizou.

“Cheguei à conclusão de que não vale a pena”. Sacudiu com tristeza a cabeça. “É tanta dor. A fugaz

esperança de conhecer esse amigo especial, de encontrar essa relação para toda a vida como se buscasse as palavras. “Bom, dei-me conta de que não é possível”.

”, vacilou,

Deteve-se, esperando de mim uma resposta. Não obtendo, continuou: “Durante os últimos três anos tenho me esforçado muito para ficar sóbrio e tenho tido bastante êxito”. Apesar de si mesmo, os olhos de Dan mostravam um indício de orgulho. Obviamente, era difícil para ele se sentir bem a respeito de qualquer conquista pessoal.

“E por que veio a mim neste momento?”

“Ouvi falar do que você faz aqui”, gesticulava pela sala. “E pensei que poderia me ajudar. Quero abandonar o sexo com homens como abandonei as drogas e o álcool. Para mim, o sexo com homens é só outro vício”.

Vacilou, depois acrescentou: “Pensei que poderia me dar conselhos melhores que o ‘simplesmente diga não’”. Por um momento, escapou-lhe um sorriso.

Pondo-se rapidamente sério outra vez, continuou: “Quero saber mais sobre mim, conseguir mais de

mim mesmo. E quero sair desta contínua

esta

bom, infelicidade”.

Enquanto falava-lhe, dei-me conta de que Dan olhava para mim ardendo de ira. De fato, era um dos

homens mais hostis que haviam entrado em meu consultório. Dan sempre estava irritado e disposto

a sentir-se ofendido. Sua ira estava à flor da pele e parecia pronta a explodir em qualquer momento.

Além disso, por trás da ira descobriria um medo paralisante igualmente intenso que suportava desde

a infância.

Em tom de chacota, Dan disse que trabalhava como “ajudante do ajudante de produção” de um programa de televisão para crianças. Pouco a pouco, fui escutando a história de sua luta contra o vício que desenvolvia nas livrarias para adultos ou nas ruas da parte oeste de Hollywood.

Com o tempo, aprendi que a ira de Dan lhe servia de defesa frente à vulnerabilidade necessária para o contato interpessoal autêntico. Observando seu corpo no assento, descobri que, quando Dan estabelecia uma conexão emocional comigo, ainda que breve, cessava imediatamente sua intranquilidade física. Sua expressão verbal tornava-se concentrada, incrivelmente penetrante e lúcida. Para Dan, a ira era uma forma de exclusão defensiva. Mantinha as pessoas apartadas dele e o protegia da ferida que ele sempre antecipava.

Disse-me ele: “Estou aborrecido com meus amigos, meus chefes, cada um desses filhos da puta! Mas ninguém me fode tanto quanto minha mãe! Visitá-la por dois minutos já é o suficiente para me deixar completamente louco”. Retorceu-se com tensão em seu assento.

“Como outro dia. Está sempre dizendo que não vou lá o suficiente. Tenho as chaves de sua casa,

assim, quando vou, acabo fazendo muito barulho. Ela dá a volta e salta (imitando uma voz feminina) ‘Meu Deus, é você! ’, põe a mão no peito e fala: ‘por que não disse nada?’. Então, durante todo o tempo que eu permanecer ali, ela fica falando do que fiz para tratar seu sistema

nervoso!”

“Sinto vontade de ir embora de lá. Aquela mulher sempre foi um caso perdido de histeria!” Recuperando a compostura, continuou: “Dou-me conta de que é uma mulher mais velha, mas é tão típico precisamente de minha mãe essa forma de atuar! Tenho a esperança de que algum dia deixe de pensar tanto em si mesma, de ser tão histérica, e entenda a mensagem”.

“Qual mensagem?” Perguntei.

Atrapalhado com a pergunta, Dan se deteve por um momento e, depois, disse com amargura: “Que ”

me veja

Que pense em mim

Que

“Que te reconheça”, disse assentindo. Falando por ele, continuei: “‘Mãe, sou eu, seu filho! Será que você pode se esquecer, por um momento, de seus nervos e lembrar que é seu filho que está diante de você? ’. Seria isso o que você gostaria de dizer a ela?”

Dan assentiu. Sua expressão me dizia que eu o havia compreendido.

Tal como Dan compreendia sua primeira infância, estava claro que sua mãe, com efeito, havia abandonado a ele emocionalmente. Esse temor do abandono lhe havia deixado um vazio e uma ira interiores que não pareciam apaziguar com nada em sua vida.

Dan disse: “Há um instrumento musical hindu chamado sitar que toca sempre a mesma nota, a nota sruti”. Movei a cabeça. “Minha nota sruti é: ‘não consigo o que as demais pessoas conseguem na vida. As relações não funcionam para mim’.”

“A frustração, a ira, a amargura e a decepção estão sempre presentes”, disse eu. “Você pode se distrair por um momento, conseguir certo alívio, mas, quando a distração termina, essa nota básica

ainda está aí soando”.

Na semana seguinte, Dan lançou-se no assento e começou logo a falar de seus lamentos.

Ainda que ainda não tivesse estabelecido uma conexão emocional comigo – de fato, parecia ignorar constantemente o que eu tinha a dizer – não tinha problema em descrever as coisas que o preocupavam.

“Desde que posso me recordar, sempre houve uma luta poderosa entre meu pai e eu”, disse, acompanhando sua afirmação com um soco no ar. “A única ocasião que tínhamos para nos relacionar era quando brigávamos”.

“Com frequência, ocorria em torno da mesa na hora da refeição, e isso remonta à época em que eu usava fraldas. Como todas as crianças, eu não queria comer tudo. Era uma grande luta de poder entre nós. Ele queria me obrigar a comer e eu não comia. Eu ficava ali sentado na mesa durante o que pareciam horas. Tornava-se uma batalha de vontades – continuávamos durante um longo tempo, ele gritando e eu chorando. E, é claro, minha mãe ficava histérica, totalmente impotente”.

“Para você, qual era o motivo dessa batalha?”

“Tratava-se de algo mais que simplesmente comida, disso eu sei”, moveu a cabeça, incapaz de especular mais além.

Eu pressionei: “seja o que for, devia ser muito importante. Imagine o grande custo emocional para um menino pequeno que, seguramente, estava faminto”.

Dan encolheu os ombros com impotência.

“Lutar com seu pai era algo muito importante”.

“Suponho”.

“Porque não estava lutando só por teimosia. Lutava por um aspecto vital de sua identidade: seu poder e autonomia. Uma atenção negativa era melhor que nenhuma atenção – era melhor ter seu pai brigando com você do que te ignorando”.

Dan permaneceu em silêncio.

Continuei: “O terrível é que a batalha se tornava uma auto derrota. Você acreditava que conseguiria autonomia, mas terminava se encerrando em um modelo destrutivo”.

Podia ver claramente que as brigas de Dan com seu pai haviam estabelecido um modelo duradouro de relações masculinas hostis. Sua auto derrota no modo de relacionar-se com homens era uma tentativa retorcida de conseguir reconhecimento e atenção masculinas. As mulheres eram depreciadas como pouco fiáveis, fracas e manipuladoras. Os homens eram vistos por ele como apaixonantes e fortes, porém desesperadamente inalcançáveis.

“Meu pai, meu pai! Pensar no homem que me faz chorar. Nada mais que um boneco de trapo, nojento, gordo e grande. Recorda-me o Jackie Gleason, tem um bom coração, mas imbecil.

Não tinha amigos e, na maioria das vezes, sequer queria crianças ao seu redor. Gritava ‘moleques, calem essas malditas bocas e deem o fora daqui!’. Justo diante de nós. Que ridículo! Era um filho da

puta! Eu o odiava. Acredita que, quando morreu, deram-me um retrato dele? Não quero nenhuma porra de retrato desse homem na minha casa!”

Em voz baixa, acrescentou: “apesar de tudo, sinto sua falta”.

“Existe ira, mas

”,

disse eu.

“Sim”.

“Mas ira e amor”.

“Sim. O que constitui um conflito amor – ódio”.

“Convertido em ódio por si mesmo”, acrescentei.

Houve um longo silêncio.

Repentinamente, Dan falou: “No trabalho, há um travesti chamado Tyrone, e só de olhar para ele sinto náuseas. Com os amigos, rimos e tiramos sarro dele, sempre fazemos do pobre bastardo bode expiatório, e digo coisas como ‘Enquanto não encosta em mim, há há há’. Não gosto de me identificar com Tyrone nem de me sentir atraído por outros homens, ser como ele”.

“Mas eu sou”, acrescentou. “E não gosto de me masturbar pensando em homens. Estou preso a essa merda e quero sair. Estou frustrado e aborrecido!”

“Recorde do que representam esses sentimentos por outros homens”, disse eu. “São esforços compreensíveis e naturais para conseguir amor e compreensão masculinas. Claro que você deseja homens – nunca teve suficiente amor de homens quando era jovem e vulnerável. Esses sentimentos são uma resposta de uma ferida profunda”.

“Já não aguento mais! ‘Se me chamar de bicha, te quebro os dentes’, já tive muitos aborrecimentos desse tipo”.

Dan ainda não estava disposto a reconhecer essas necessidades. Ele riu, com seu sorriso cínico, como se quisesse evitar qualquer simpatia ou sentimentalismo sobre esse assunto.

Um mês mais tarde, Dan relatou uma velha recordação que considerava de grande importância. “Havia um porão”, falava com nostalgia, “Ainda tenho sonhos com esse porão.

Tínhamos uma casa de campo nos arredores de Sioux City. Uma terra com um escuro solo com cheiro de umidade. Meu pai escapava de nós e passava horas em sua oficina no porão. Eu era proibido de ir até lá – poderia quebrar as ferramentas ou me machucar, dizia ele, de modo que eu tinha de ficar quieto lá em cima olhando para baixo, observando como meu pai trabalhava”.

“O que nunca esquecerei”, disse Dan. “É o sentimento de mistério sobre o que estava acontecendo ali em baixo. às vezes, meu pai permitia que meus irmãos o ajudassem e eu os ouvia conversando,

Era o mistério total acerca

do meu pai, porque até hoje continuo sem entendê-lo”. Vacilou. “Sequer estou seguro de amá-lo ou odiá-lo”.

trabalhando e rindo. Não era o mistério sobre o que se fazia no porão

“Ele não te permitia entrar no mundo dos homens”, disse eu. “Nunca te ensinou a desenvolver sua identidade masculina”.

Voltou a ofegar. “Esse porão está relacionado com meu pai. Se penso nele, penso no porão”.

Dan continuou: “Se tivesse que pintar uma imagem que representasse toda a minha infância, deveria ser a de espiar, no escuro, o meu pai e meus irmãos. Se me sentia excluído do porão, sentia- me muito mais excluído em outros sentidos. Recordo de um domingo pela manhã, quando meu irmão Dick me chamou. ‘Adivinha o que papai está fazendo aqui em baixo? ’.

Respondi: ‘O quê? ’ Mas estava só me provocando. Nunca me respondeu”.

Pensou por um momento, depois acrescentou: “Creio que é assim que me sinto em relação aos homens”.

Quantas vezes já ouvi meus clientes homossexuais descreverem os homens como mistérios?

Como o pai e os irmãos de Dan trabalhando no porão, os homens são emocionantes e incognoscíveis. A curiosidade natural de um garoto e sua sã necessidade de conhecer outros homens, quando frustrada na infância, é erotizada mais tarde.

Com o passar dos meses, comecei a ver um lado vulnerável de Dan que estivera profundamente escondido no interior daquele homem fanfarrão e enfurecido que a princípio entrou em meu consultório. Logo chegou a ser normal que Dan chorasse durante as sessões.

Nosso trabalho trouxe à luz muitas recordações dolorosas reprimidas sobre seu pai. Durante uma sessão, Dan levantou-se de seu assento e, imitando seu pai, encarou-me diretamente: “Não creia que pode me fazer frente! Você não é nada!”

Baixou a voz outra vez. “Você não é nada!”, fazendo um gesto com o mindinho: “É isso o que você é. Não creia que poderá me desafiar alguma vez!”

Deixando-se cair sobre o assento, continuou: “Lembro que, não devia ter mais que 4 ou 5 anos, armei um escândalo por algo e ele gritou: ‘Não gosta de como fazemos as coisas? As coisas não são boas para você? Vá embora! Saia da minha casa, moleque!”

Olhou para mim, os olhos como pratos, com uma expressão atônita. Por um momento, a ira desapareceu e ali estava a cara de um menino pequeno, paralisado pelo terror. Pude ver que Dan – o aborrecido, frio e tenso Dan – havia-se assustado em seu coração.

O pai de Dan pertencia a uma pequena minoria de pais explicitamente punitivos, até mesmo cruéis. Pais como os de Dan parecem necessitar de um menino mais novo para que seja a figura masculina fraca À qual possa intimidar para aumentar seu próprio sentido de poder. Os pais de meus clientes, na maioria, não chegavam a ser tão hostis, apenas inadequados, passivos ou emocionalmente distantes. Muitas dessas características dos pais foram demonstradas no estudo clássico de casos do psiquiatra Irving Bieber.

“Às vezes, mau pai tentava me ajudar com a lição de casa. Falava para que eu sentasse à mesa da cozinha e ficasse lá até que encontrasse a solução para as questões. Eu chorava, mas ele continuava insistindo. ‘Cale a boca e pense, você vai resolver esse problema!’. Essa era sua forma de me ajudar”.

Houve uma grande pausa. “Realmente odiava esse homem”. A voz de Dan era surpreendentemente áspera. Durante um longo tempo esteve sentado em silêncio. “Oh, por que não posso falar sobre meu pai?”

Junto com os traumáticos ataques ocasionais de seu pai, Dan descrevia um contínuo abandono cotidiano tanto do pai quanto da mãe. Como muitos de meus clientes, Dan sentia que não o haviam levado a sério. Em uma sessão, disse: “nunca senti que meu verdadeiro eu importasse. Não creio que meu pai nem minha mãe me conhecessem de fato. Na verdade, davam voltas em relação a meus sentimentos e muitas vezes os interpretavam mal”. Nessas últimas palavras, reconheci a causa última da falta de identidade tantas vezes encontrada na condição homossexual. Essa sensação de não ser levado a sério é o fundamento do falso eu visto com tanta frequência no homossexual.

“Joe, lembra-se dos anos sessenta, quando todos usavam o cabelo quadrado na nuca, reto e não em ponta?”

Assenti.

“Quando tinha 13 anos, disse ao barbeiro que me deixasse com a nuca quadrada. Imagino que estava tentando parecer legal, na moda ou algo assim. Quando cheguei em casa, minha mãe começou a gritar: ‘Que desgosto! Quem você pensa que é?’. Fez-me voltar ao barbeiro e, diante de todos, pediu que arrumasse meu cabelo, em forma de ponta”. Suspirou. “Foi uma das experiências mais humilhantes da minha vida. Nunca mais, Joe, fui capaz de voltar àquele barbeiro de novo”.

Dan continuou: “Nunca senti o que é ser ouvido ou compreendido, e creio que ainda carrego esse sentimento. Nas reuniões semanais do estúdio, costumo me sentir muito acelerado, melodramático até certo ponto. Acabo exagerando para conseguir reconhecimento. Sinto-me como se estivesse lutando para que me escutassem”.

Concordei. “Sempre sentiu que suas opiniões, juízos e decisões eram ignoradas ou desvalorizadas”.

O doutor Van der Aardweg observou que o homossexual costuma ter tendência à dramatização exacerbada. O medo de ser ignorado pode explicar também as características exageradas e o comportamento fora do padrão tão frequentemente observadas na cultura gay.

Desfiles, protestos e manifestações pelos direitos gay – organizados como uma defesa contra o fato de não serem ouvidos – se apresentam, em geral, de um modo carnavalesco, estrambótico e teatral. Alguém observou: “Os gays são como as demais pessoas, só que o são mais intensamente”.

Como tantos meninos pré-homossexuais, Dan havia desenvolvido, durante sua infância, o falso-eu estereotipado do menino bonzinho, cômodo e educado. Seu comportamento submisso, entretanto, alternava-se com suas explosões de ira. Esse lado de sua personalidade, o “menino-problema”, era tão falso quando a fachada do “bom menino” posto que também era um papel criado a partir da estrutura familiar disfuncional. Essas hostis explosões alternavam-se com longos períodos de introversão pacífica sempre que experimentava o mesmo sentido de abandono e de não ser ouvido, como tantos outros meninos pré-homossexuais.

Esses meninos oscilam entre a ira e o desespero calado, tendo eliminado sua verdadeira natureza alegre, receptiva e espontânea. Ao considerar essa morte de sua verdadeira natureza, pude sentir a ira do pequeno Dan em sua cadeira na mesa de jantar e entender sua recusa em comer com a família.

Conforme avançavam os meses e Dan crescia em paz e autocompreensão, ele conseguiu compreender alguns fatores que haviam motivado sua conduta. Viu sua ira como uma forma de ocultar seu medo do profundo abandono que provinha de sua antiga relação com sua mãe.

Preocupada com suas próprias ansiedades e obsessões, havia recusado pateticamente a Dan.

Enquanto o plano de fundo para os profundos problemas de caráter de Dan havia sido criado por sua mãe, seu pai foi responsável por dispor o cenário para os desejos eróticos pelos homens. As atrações homossexuais que Dan desenvolveu na idade adulta eram uma tentativa de preencher o vazio entre ele e os outros homens, simbolizados pelo porão de seu pai.

Dan dizia: “Olho para trás e vejo que minha homossexualidade vem de um desejo de pertencer ao grupo dos homens, de estar conectado. A princípio, não era sexo em absoluto o que buscava”.

Vacilava, lutando para expressar com palavras uma recordação importante. “Quando ainda estava no instituto, recordo que quis fazer amizade com um rapaz, Jerry. Mas ele não queria ser meu amigo”. Sua voz aumentou em um tom de frustração. “Mas foi um inferno! Passei por um incrível isolamento. Houve um dia em que falei para ele: ‘eu me sinto sexualmente atraído por você’. Eu estava chorando. Volto àquilo neste momento e vejo que ele era um garoto atrativo com o qual eu queria fazer amizade, mas não sabia como ser só amigo, sem o aspecto sexual”. Dan tinha os olhos como pratos enquanto falava, com uma expressão de impotência.

Assenti sem dizer nada.

“Olhando para trás”, disse ele, “dou-me conta de que fazer sexo com homens era uma forma de preencher um vazio. O sexo era uma catarse emocional. Precisava fazer sexo para expressar um sentimento por um homem, ainda que durasse só um momento”.

“Preciso me agarrar a isso!”, continuou Dan com desespero na voz. “Anseio tão profundamente por esse contato! A necessidade continua até hoje em dia. Durante muito tempo não foi sexual. Só

queria, sabe

Atenção”.

Continuou: “Poucos meses depois de deixar o instituto, encontrei um homem em um bar. Eu não estava bem e, depois de irmos para a cama, comecei a chorar e a falar-lhe de Jerry (riu). Assustei o cara, que deve ter pensado ‘que cara estranho, esse com o qual fui me envolver’. Não voltei mais a vê-lo – provavelmente se alegrou por se ver livre de mim – mas saí aliviado, já que finalmente havia alcançado um sentimento profundo”.

“A ferida, a dor interior

dentro de mim. Mas, quando encontro alguém que possa me ajudar a pôr essa dor para fora”, sua

frustração se acentuava a cada palavra. “Não consigo deixá-la sair!”

continuou Dan. “Sempre estou querendo mostrar a alguém, tirar de

”,

“As pessoas sempre me irritam”, continuou, retorcendo-se em seu assento com tensão.

“Sempre me sinto irritado e inquieto em minha vida, desde que era pequeno. Inclusive quando estava com um homem que me atraía, terminava sentindo esse aborrecimento, como se estivesse matando o tempo até que o verdadeiro homem da minha vida viesse me preencher”. Deteve-se.

“Mas agora sei que esse homem não existe. Tudo foi um sonho impossível”.

“Sente-se vazio, inquieto”, disse-lhe eu.

“E então fujo disso”.

“Como foge disso?”

“Os vícios usuais – drogas, álcool, sexo”. Pensou por um instante, depois acrescentou: “E, nas escassas ocasiões em que me mantive em uma relação por umas poucas semanas, acabava metido

em uma relação dependente e destrutiva. Quanto mais tinha, mais desejava – nunca era o suficiente”.

“Porque se tratava de algo equivocado”.

Dan parecia confuso.

Eu o esclareci: “Se fosse algo correto – uma verdadeira afirmação de você mesmo – você estaria satisfeito. Mas o que é errado – esse excesso de romantismo, a idealização – nunca satisfaz.

Sente-se bem durante um tempo, faz você esquecer a dor e a solidão”.

Dan assentiu, dando-me razão.

“Junto a isto, está a necessidade de possuir. Não só estar com – também possuir. Começa a vê-lo como uma parte perdida de você mesmo”.

Dan riu com pesar. “Rapidamente eu me encontrava adquirindo a personalidade do cara com quem me envolvia. Começava imitando as coisas que ele fazia. Tão desesperadamente necessito de uma identidade que olho para os outros para que me digam quem eu sou”. Suspirou.

“É tão humilhante que simplesmente deixo de buscar relações”.

O relato de Dan evocou uma vez mais as três necessidades insatisfeitas da infância que subjazem às atrações homossexuais, ou os três “As”: as necessidades de afeto, atenção e aprovação. Para cada cliente, essas necessidades podem ter importâncias diferentes. Entretanto, representam o modo mediante o qual os homens lutam pela identidade masculina.

Em homens como Dan – seriamente rejeitados na primeira infância – sob suas atrações homoeróticas, jaz não só a identidade masculina, como também a própria identidade pessoal. A necessidade de identidade era tão desesperadora para Dan que constantemente se encontrava preso a relações de dependência que o faziam sentir-se vulnerável e ultrajado.

Uma grande proporção de clientes homossexuais encontra-se em relações de dependência e têm

problemas com os limites interpessoais. Com frequência, tenho acreditado que isso acontece porque

a identidade de gênero está intimamente relacionada com a formação do ego. O homem com uma

identidade de gênero debilitada também terá um sentido debilitado de si mesmo e dos limites pessoais.

O conflito existencial do homossexual é que, até que se identifique completamente com os homens, os desejará eroticamente. Entretanto, não pode identificar-se com a masculinidade enquanto continuar a erotizando. Para identificar-se com os homens, deve renunciar a erotização que nutre por eles. O único modo pelo qual um homem pode assimilar a masculinidade em sua identidade é

arriscando-se a ter amizades masculinas não sexuais caracterizadas pela reciprocidade, a intimidade,

a afirmação e o companheirismo.

Consultando a um psicoterapeuta masculino, o homem homossexual tem a esperança, talvez pela primeira vez em sua vida, de encontrar outro homem que o entenda e aceite. Através de sua relação com um terapeuta do mesmo sexo e da compreensão dos membros do grupo de terapia comprometidos de igual modo, pode trabalhar para restaurar essa relação que seus homens significativos anteriores foram incapazes de proporcionar.

Em cada caso de homossexualidade, o êxito do tratamento depende, em grande medida, da criação de relações masculinas íntimas não-sexuais. O cliente deve deixar para trás sua exclusão defensiva para reconciliar seu amor/ódio ambivalente pelos homens, se quer resolver seu conflito homossexual. Dan descrevia essa verdadeira ambivalência durante uma sessão:

“Não quero depender de ninguém. Já tenho bastantes “afaste-se de mim!” aqui dentro.

Necessito de amigos mas não quero amigos. Como em outro dia, um cara chamado Brent disse:

‘venha à minha casa depois do trabalho’. Eu disse: ‘sim, eu vou’. Depois de alguns poucos minutos pensei: ‘Quer saber? Que se foda! Não quero ir! Para que eu iria a essa casa idiota?’. Assim, disse a ele que havia surgido um compromisso, que estaria ocupado”.

“Assim, voltou à sua casa, a seu pequeno mundo solitário”, recordei.

“Sim. Por que não posso ser normal? Preciso de amigos”, disse Dan. “Preciso de você

”.

Houve um longo e doloroso silêncio. “Dizer isso é duro para mim”.

Um dia, Dan admitiu um estranho padrão de comportamento. “O assunto ‘Jerry’, do qual te falei – quando chorei diante de um rapaz – foi há quase vinte anos. Desde então, creio que me tornei muito mais cético em relação ao amor. Durante os últimos anos, tenho me sentido atraído por homens do tipo que ‘mandam’ – o típico homem mais velho, dominante. Mas, quando se fecha a porta e estamos sozinhos, gosto de inverter os papeis”. Deu um breve sorriso.

“Como é isso?”

“Gosto de saber que posso derrotar uma pessoa que tenta me controlar. Assim, procuro um homem que seja a figura dominante, mas torno-me o homem dominante no encontro sexual”.

“Como você toma o controle?”

“Gosto de humilhá-lo. Decidir se nos beijamos, o que faremos na cama. Gosto de convencer meu companheiro a fazer coisas que não gostaria de fazer, coisas humilhantes”. Vacilou, parecendo avaliar minha reação. “E, se ele não gosta de ser o passivo, tento convencê-lo a deixar-me penetrá- lo”. Esboçou um sorriso. “Há muita gratificação emocional na dominação, em conseguir que outro homem se ponha debaixo de mim. Para mim, essa é uma posição que me satisfaz especialmente. E nunca permito que ele veja nenhuma emoção minha”.

“Como assim?”

“É que, mesmo durante o sexo, não desejo mostrar nenhum prazer”.

“Por quê?”

“Bom, por causa do controle. Gosto de demonstrar que posso ocultar meus sentimentos”.

Dan começou a reconhecer a ira que sentia precisamente por pessoas nas quais buscava gratificação sexual. Esse comportamento sadomasoquista, encontrado com frequência na homossexualidade, remonta-se ao pai inalcançável que o garoto deseja, mas que despreza.

Dan passou muitos meses da terapia trabalhando seus sentimentos por seu pai e sua mãe.

Eram esses profundos sentimentos de amor e de dolorosa dependência que buscava experimentar outra vez com o fim de saná-los. Desenterrar esses sentimentos em uma relação segura e compreensiva era a única esperança de alívio para a sensação de vazio com a qual vivia. Como todas as pessoas cuja estrutura do caráter foi ferida pela rejeição na infância, Dan sustentava uma dolorosa luta para preencher esse vazio. Agora, era bastante consciente de que o vazio de seu coração não seria preenchido pelas drogas, pelo álcool ou pelas relações homossexuais. Havia começado a renunciar o sonho eterno gay – o de encontrar essa pessoa especial, essa solução, esse complemento idealizado. Logo, deu-se conta de que a cura verdadeira viria a partir de um lento acúmulo de introspecções positivas, isto é, a assimilação de sentimentos bons a partir de relações sãs.

Como disse ao grupo em uma sessão de terapia: “participar do ambiente gay é como usar uma droga – proporciona um prazer momentâneo, mas totalmente destrutivo para o espírito”.

Finalmente, Dan fez as pazes com as lembranças de seu pai. Apesar de ser um processo doloroso, Dan precisava cumpri-lo para ficar em paz consigo mesmo.

Há uma classe particular de ira que caracteriza as relações do homossexual com seu pai.

Enquanto os homens heterossexuais também possam falar de problemas com os pais, pude notar uma diferença qualitativa em sua ira. A ira do homem heterossexual está presente dentro de uma aceitação realista dos defeitos paternos. Mas o homossexual mantém um fortíssimo ressentimento, um rancor e uma ferida profunda que bloqueia qualquer tipo de compreensão de seu pai como homem.

Um mal entendido frequente é o de que, para crescer e mudar, deve-se conseguir a aceitação paterna no presente. Esse erro está embasado na suposição inconsciente de que o pai possui a chave da cura do filho – mais uma vez, a projeção do pai onipotente. Um passo significativo no desenvolvimento do cliente é dar-se conta de que é ele – e não o pai – quem agora tem a força que pode proporcionar- lhe sua identidade masculina. O cliente também precisa lembrar-se de que o dano foi causado não precisamente por seu pai, mas também por sua própria participação quando era criança, por meio da exclusão defensiva. De fato, muitos dos pais de meus clientes contemplam seus filhos recusando- lhes desde a tenra infância.

Dan estava sendo convidado a abandonar sua atitude defensiva em relação a todos os homens – começando por seu pai. Perdoar ao pai não é uma tarefa fácil. Significa, com frequência, aceitar ao pai com todas as suas limitações, incluindo a habilidade limitada para demonstrar amor, afeto e aceitação.

Muitos clientes devem aceitar o fato de que seus pais não podem mudar, como esperavam que fizessem. Um cliente expressava isso da seguinte forma: “Sei que meu pai nunca será diferente.

Estarei tão próximo dele quanto puder. Mas, o que ele não puder dar, terei de encontrar na intimidade emocional com outros homens”.

Pode parecer mortal, para um jovem, dar-se conta de que deve renunciar, de uma vez por todas, à fantasia de receber o amor de seu pai. Compreender, perdoar e amar a seu pai é, ironicamente, ser pai de seu pai – dar a seu pai o que ele mesmo, o filho, desejou uma vez tão desesperadamente. Com frequência, a compreensão por parte do filho resulta na compreensão por parte do pai e de como tratou seu próprio filho.

Quase todos os meus clientes contam que seus pais tinham muito pouco o que dizer acerca de seus

próprios pais. Frequentemente, o pai na sombra – o homem que não se implica e que é ineficaz – pode ser rastreado no pai, no avô e no bisavô. Deste modo, as bases de um homem homossexual podem estar assentadas em várias gerações anteriores.

Acho interessante que a ideologia gay continue negando esse importante fator comum na homossexualidade – os problemas na relação entre pai e filho. De fato, na psicologia gay, há uma recusa persistente em conceder qualquer importância aos pais.

A autoestima de Dan continuou melhorando ao longo dos três anos em que esteve na terapia. “Tenho de continuar trabalhando a aceitação de mim mesmo, isso é essencial para meu bem estar. Sem isso, não tenho esperança de sobreviver”, disse-me ele. Tornou-se mais capaz de desenvolver relações de confiança, de evitar a antecipação da traição. Pouco a pouco, conseguiu abandonar seus aborrecimentos defensivos comigo, com os membros do grupo e com os demais homens do mundo.

Sua segunda meta mais importante era a contínua busca por relações íntimas, não sexuais, com homens. Quando essas necessidades foram sendo satisfeitas, ele me disse: “pela primeira vez em minha vida posso contemplar a possibilidade de ter uma relação com uma mulher”.

Dan estava livre das drogas e do álcool durante três anos antes de começar a terapia. Como me disse em nossa primeira sessão, sua meta seguinte era o que ele chamava de “sobriedade sexual”. Depois do primeiro ano de tratamento, havia alcançado sua meta da sobriedade sexual, com exceção de algumas masturbações ocasionais com fantasias homossexuais. Em Dan, a implicação sexual ainda abalava toda a sua estrutura relacional. Não podia manejar essa dimensão das relações. Em seu caso, a escolha de permanecer em celibato enquanto trabalhava seus problemas foi muito sensata. Como me dizia sempre: “é uma forma mais simples de viver”.

A meta do celibato foi alcançada por meio do compromisso com um estilo de vida ordenado, com as

sessões individuais semanais e a psicoterapia de grupo semanal, com seu vínculo com o Alcoólicos Anônimos e cultivando amizades masculinas não sexuais. Manteve também o vínculo com sua

igreja e se comprometeu em praticar jogging 1 diariamente.

A ordem foi uma chave essencial para a cura de Dan e, através dessa ordem, aprendeu, pouco a

pouco, a alcançar um nível mais alto de confiança e a penetrar na dor de seu profundo vazio interior. Aprendeu que, com o tempo, o amadurecimento e a vida ordenada, a dor diminuiria.

Entretanto, ainda que a ordem tenha conduzido Dan a sua meta de abstinência, ela é só um passo para a cura. O que Dan precisava realmente para ser curado era da lenta absorção de introspecções positivas. Através da terapia, começou a deixar-se tocar por outros seres humanos e, por sua vez, começou a ver além de sua própria dor para criar empatia pelos sentimentos das outras pessoas.

A privação de Dan na primeira infância e o dano ao caráter resultante operavam em um nível mais

profundo que suas dificuldades sexuais. De fato, essa ferida de caráter, mais básica que sua homossexualidade, não seria curada tão rapidamente. Na verdade, há alguns poucos homens com orientação homossexual na terapia que lutam contra déficits de caráter. Sua dor é profunda e seu trabalho terapêutico, particularmente difícil.

Quando nossas sessões chegaram a seu fim, Dan compreendeu mais claramente o contraste entre suas necessidades autênticas e suas buscas falsas.

Como me disse em nossa última sessão: “a abstinência me mantém livre de problemas, mas agora sei que é na intimidade homem a homem que acontece a verdadeira cura”.

1Jogging: atividade física que consiste em uma corrida em ritmo lento (NT).

CAPÍTULO 6

STEVE, À PROCURA DE SÍMBOLOS MASCULINOS

Steve Johnson era um homem de boa aparência, colegiado de 24 anos. Chegou à sua primeira sessão vestindo cáqui e camisa listrada. Entretanto, ainda que Steve fosse tão atraente, parecia ser pouco estudado e um pouco afeminado. Trabalhava como investigador legal para uma empresa de de Los Angeles.

Steve tinha um estilo social encantador e gregário, mas, por trás dessa energia externa, ocultava um lado profundamente depressivo e problemático, além de sua suavidade e de certa passividade, que ele odiava particularmente.

A busca constante de Steve por atenção masculina e sua atração colegial faziam-no particularmente desejável nos círculos sociais gays. Disse-me que estivera levando uma vida social frenética de relações sem compromisso, o que fazia com que se sentisse fora de controle e muito infeliz. “Fora de controle” é uma queixa que se ouve com frequência na experiência de vida de muitos homossexuais.

Nesta primeira sessão, Steve descreveu a base familiar clássica – um pai fraco e emocionalmente distante e uma relação íntima com uma mãe excessivamente protetora. Tinha dois irmãos mais velhos com os quais ele nunca se dera bem.

Steve era mais manipulador e extrovertido que a maioria dos meus clientes. Sua personalidade poderia ser classificada como narcisista – ou seja, tendia a valorizar aos demais de acordo com a forma como o faziam sentir sobre si mesmo. Se alguém o adulava, então ele gostava.

A todos os demais, descartava como pessoas sem importância. Com seu problema de caráter narcisista, a homossexualidade de Steve representava um problema particular.

Steve sempre tinha a necessidade de ter controle sobre os demais, ainda que constantemente se sentisse fora de controle em relação a si mesmo e suas relações. Com efeito, frequentemente encontrava-se na dolorosa posição de ser ele o manipulado. A combinação de passividade e de anseio por atenção positiva produzia nele um enorme conflito.

Em sua primeira sessão, Steve queixou-se: “Meu interior parece tão fraco. Sou arrastado por um homem que é forte. Experimentei esse problema durante a maior parte de minha vida. Sinto que careço de um empurrão para frente.”

“Carece de um empurrão masculino para frente”, disse.

Assentiu pensativamente. “Poderia dizer isso por mim, o sexo com um homem serve

”.

Parou, como se buscasse as palavras. “Ah, demonstra que sou atrativo, que os homens gostam de mim. O sexo com outros homens é realmente fácil, instantâneo”, cruzando os dedos, “e dá certo sentido à minha vida”.

“Vida?” Perguntei.

Com um sorriso de vergonha, disse: “Sim. Se tenho relações sexuais, quer dizer que tenho vida social”. Então, com tristeza: “na verdade, ainda estou isolado”.

Depois disse: “Creio que você possa me ajudar a desenvolver alguma esperança de se sentir um homem”. Sua voz parecia triste: “estou escandalizado com minha falta de confiança em mim mesmo como homem”. Acrescentou: “mas pelo menos me sinto melhor agora que tomei a decisão

de

vir aqui e afrontar meus problemas”.

O

narcisismo é uma inversão emocional aumentada na própria imagem de si mesmo. O narcisista se

defende contra a ferida armando-se com materialismo e as últimas modas e equipamentos, além de adotar uma preocupação extrema com todos os detalhes de seu corpo.

Essa preocupação estende-se para além de seu próprio corpo para incluir uma preocupação com a escolha do carro, da casa, da decoração do interior e todos os demais detalhes pessoais. Essa preocupação obsessiva com a imagem é o modo como o narcisista se protege de uma sensação interna de vulnerabilidade. A homossexualidade está muito frequentemente relacionada com o narcisismo pois ambas as condições podem ter origem em uma relação inadequada com os pais na mais tenra infância. Houve uma ferida no sentido mais profundo do eu – uma ferida narcisista.

Do mesmo modo que o corpo manda sangue para reparar uma ferida física, assim faz também o centro psíquico para reparar uma ferida psicológica. A pessoa com uma ferida no sentido de seu eu encontra-se continuamente protegendo essa ferida, e o resultado, como em uma ferida do corpo, é uma hiper compensação, que, neste caso, tomará forma de um estilo grandioso e narcisista.

A pessoa ferida de forma narcisista se relaciona com os demais de acordo com a forma como

intensificarão sua dor ou a aliviarão. Os que não podem aliviá-la são deixados de lado. Essas relações não são baseadas no contato entre “eu e você”, mas sim no “eu e um objeto”. Nos homens com orientação homossexual, isso é visto, às vezes, na busca compulsiva por sexo anônimo.

Enquanto Steve descrevia suas relações com outros homens, falava de chegar a se decepcionar rapidamente logo que descobria algo não masculino em cada homem.

“Sempre estou buscando essa magia – o homem que possa satisfazer meu ideal”, continuou Steve.

“Fale-me qual é o seu ideal”, pedi.

“Deixe-me ver”, pensou por um momento, depois disse: “A masculinidade. Tem de estar muito seguro de si mesmo. Muito junto de mim. Muito confidente. Mas há poucos homens assim, de forma que minha seleção teve de ser, necessariamente, limitada”.

Perguntei: “Por que esses homens são tão atrativos?”

Pensou, depois respondeu: “Bem, não me sinto muito forte nessas áreas. Por isso me atraem. Sempre me atraíram, desde pequeno”.

“Exatamente”, disse eu. “Você compreende que sua atração por eles é uma projeção dos ideais da

masculinidade”.

Assentiu. “Quero e espero que sejam masculinos, que sejam mais fortes que eu e, quando me dou conta de que são como eu, é como se isso fosse um enorme defeito. Deixo-os imediatamente”. Steve continuou, então, falando por muito tempo sobre suas relações infelizes e, antes que tivesse a oportunidade de dizer-lhe algo como resposta, era hora de terminar nossa sessão. Enquanto se levantava para ir, Steve admitiu: “Sei que esses padrões no qual estou metidos não são sadios”. Havia tristeza e derrota em sua voz. “E sei que eles são uma grande parte da razão pela qual estou sempre sozinho”. Olhou para trás, buscando-me: “Só espero que seja você quem finalmente poderá me ajudar”.

Depois de vários meses de terapia, Steve conseguir romper o padrão frenético de relações de curta duração. Ambos estávamos contentes com o progresso que ele havia feito. Entretanto, nem tudo lhe ia bem. Entrou em meu consultório em uma manhã ensolarada e deixou-se cair desanimado em sua poltrona usual.

“Estou me controlando muito melhor na área sexual agora”, disse. “Ainda acho bonito quando vejo

um homem masculino e bem formado

Ainda tenho a apreciação estética. Mas agora não tenho de

desejar um homem assim. Não tenho de possuí-lo”.

“No entanto”, disse, “Meu verdadeiro calcanhar de Aquiles ainda é essa sensação de solidão. É o mais duro de tratar, para mim”.

Steve e eu entramos em uma discussão sobre a importância de estabelecer amizades masculinas não sexuais. Havia estado progredindo bem durante as semanas por meio de introspecções, inclusive em mudança de conduta. Entretanto, sua passividade e depressão ainda o preveniam de buscar amizades masculinas. Sentia-se debilitado.

Falamos de como essas relações seriam diferentes das que teve com seus companheiros.

“Estive pensando nas relações que tive com alguns dos homens com os quais fiquei e lembro que, quando ficava com alguém que considerava muito masculino e me sentia aceito por ele, sentia um aumento correspondente em minha própria sensação de masculinidade”.

“Essa é uma motivação subjacente da homossexualidade”, disse-lhe. “Sente que pode absorver a masculinidade de outro homem. Você obtém de forma vicária a masculinidade do outro”; “Mas o sentimento nunca dura”, disse Steve. “É só por um momento”.

“Sim, é só isso”, respondi. “Quando se erotiza a masculinidade, ela nunca pode ser interiorizada”.

Steve parecia desconcertado e perguntou: “mas por que isso acontece?”

“Porque seu amante fica como um símbolo erótico, não como uma pessoa real que possa te afetar. A transformação profunda tem lugar quando você experimenta intimidade autêntica homem a homem. Isso é o que te transformará. A intimidade honesta com homens é o que o homossexual deseja de verdade – mas também é o que ele teme. As relações honestas te tirarão desse ciclo mortífero de solidão. Com efeito, poderíamos passar algum tempo trabalhando a forma como pode conseguir iniciar essas relações”.

De repente, Steve deixou de lado o tema com um suspiro de frustração. “Bem, de todas as formas Devo contar-lhe que tive um dia péssimo”.

Decidi que já havíamos conversado bastante sobre as relações masculinas e perguntei-lhe: “Por que teve um dia péssimo?”

“Não quero entrar em todos os detalhes. Tudo era muito difícil, tudo contra mim”.

Sentou-se em silêncio durante um minuto e depois disse: “Vi um bonito casal de noivos hoje”. Sua voz tinha um tom de inveja.

“O que só estimulou o desejo e a solidão”, disse eu.

“Sim. Era como se tivessem uma relação íntima, ambos pareciam muito satisfeitos. Senti pena de mim mesmo, como se, de alguma forma, não me encaixasse no quadro. Isso é algo que vivo durante anos”, admitiu. “Sinto pena de mim mesmo e espero que outras pessoas também sintam. Estive vagabundeando tanto recentemente por me sentir privado que a tentação piorou como nunca”.

“E essa autocompaixão te dá permissão para abandonar a abstinência pela qual esteve trabalhando tão duro. ‘Oh, pobre de mim, mereço um descanso. Vou buscar um companheiro e dar renda solta às minhas fantasias’”. Continuei, tentando ser gentil: “compreende como a autocompaixão pode compor a base para as regressões?”

“Ainda não tenho amigos homens significativos”, disse com voz queixosa.

“Assim que, de fato, acabou mergulhado nessa solidão”, completei. “Você precisa de amigos, Steve. Precisa de amigos homens. Tem de dar passos para que essas coisas comecem a acontecer”.

“Creio que sim”. Suspirou e encolheu os ombros com tristeza. Steve podia ver que privar-se de amizades masculinas íntimas o levava à solidão, À autocompaixão e a contatos sexuais compulsivos. Podia seguir e seguir com descrições de seus problemas e de seus “pobre de mim”, mas, quando disse-lhe para que fizesse algo, a conversação fracassou. Ainda que costumasse estar de acordo com o que eu dizia, suspeitava que minhas palavras não estavam tendo muito impacto. Steve podia falar de si mesmo em detalhes dramáticos e sem fim – suas memórias, experiências de vida, roupas, os homens que achava atraentes, as injustiças que havia sofrido. No entanto, perguntava-me se ele estava-se permitindo mover-se a um nível mais profundo pelo que dizia.

Poucas semanas depois, entrou Steve e, antes que pudesse falar, foi correndo para sua poltrona, descrevendo um incidente ocorrido em sua infância que falava de seu desejo frustrado em conectar- se com o masculino.

Disse de forma excitada: “Recordo que, na sexta série, estavam organizando um evento para pais e filhos patrocinado pelo sistema escolar, para ensinar aos meninos sobre sexualidade. Devia ter uns doze anos. Era um sábado e estava emocionado. Supunha-se que era um filme em um auditório da cidade que seria seguido de um debate. Minha mãe empurrou meu pai para que me levasse – não era fácil tirá-lo da frente da televisão. Lembro que fomos juntos de trem”.

“O que teve de especial nesse evento foi que um dos apresentadores era um professor que eu particularmente admirava. Creio que estava apaixonado por ele”. Steve parecia meio envergonhado e continuou: “Estava tão emocionado. Inclusive me vesti de forma sedutora para a ocasião”. Deu um sorriso ligeiro.

“O que quer dizer com ‘vestido de forma sedutora’?”

“Vestia uma dessas calças curtas e bem ajustadas que eu gostava”. Refletiu uns poucos segundos e

depois disse: “Mesmo então, já gostava de roupa ajustada”.

Estava surpreso em ouvir que um garoto de doze anos pudesse pensar de forma tão sensual.

Continuou: “Mas, quando cheguei lá, quem apresentaria o evento era uma mulher, não meu professor. Ela era a principal, e era uma mulher!”

Acrescentou com uma risada violenta: “E uma puta também! Todo mundo a odiava! Vai ensinar sobre sexualidade masculina? Este é o dia dos pais e filhos e ela vai nos dirigir? E pensar que me vesti para ela!”

Nós dois rimos diante dessa situação absurda. Steve continuou: “Foi horrível!”

Debaixo de seu humor ultrajante, podia sentir a decepção dolorosa do menino que se havia visto privado da oportunidade de ter uma experiência que necessitava com homens, a da masculinidade. De repente, Steve se pôs mais sério. Disse: “Realmente estava esperando pela oportunidade de compartilhar algumas intimidades”.

Essas palavras – compartilhar algumas intimidades – captam muito bem o que o menino pré- homossexual deseja tão intensamente dos homens.

“De qualquer forma”, continuou Steve. “Debatiam a masturbação, mas ainda não sabia o que era.

Assim, de volta para casa de trem, tentei falar com meu pai sobre o que havíamos visto e ele só me

ele riu e moveu os braços no

ar, “meu pai me deu esta resposta muito bizarra: ‘sim, a masturbação é má, a não ser que faça quando estiver casado’. Ainda que tivesse doze anos, pensei: ‘cara, isso não faz sentido! Do que está falando? ’. Não havia como compartilhar intimidades com esse homem”.

deu respostas muito curtas. Perguntei se a masturbação era ruim e

”,

Agora, Steve parecia cansado. Suspirando, disse: “sempre estive buscando esses homens e essas experiências internas com eles”.

“E ainda pode encontrá-las”, assegurei. “Vamos colocá-lo na terapia em grupo. Creio que esteja preparado”.

Pôr Steve em um grupo era importante porque ele não tomava bastante iniciativa, por conta própria, para desenvolver um círculo de amigos homens. Entretanto, estava preocupado de que o grupo pusesse tentações em seu caminho. Steve era atraente, e particularmente vulnerável.

O Padre John era o que me preocupava particularmente. Seguramente, ele veria em Steve alguém que fizesse seu tipo – o jovem atraente e de boa aparência que ele buscava em suas revistas pornô. Esperava que o Padre John, vinte anos mais velho que Steve, chegasse a representar o platônico bom pai que este sempre havia desejado. Sua atração simbólica seria um risco, mas era hora de tomá-lo.

Steve estava, agora, em seu terceiro mês de tratamento. Estava se dando bem no grupo e nós dois estávamos animados. Decidi trazer à discussão um problema em nossas sessões individuais ao qual ele havia se referido anteriormente.

“Faz algumas semanas”, recordei-lhe, “você disse que tinha um problema há muito tempo do qual queria falar. Algum tipo de problema sexual”.

“Ah, sim. Eu

”,

confuso e buscando as palavras, começou a balanças as mãos com exasperação.

“Afronte-o”, animei.

“Bem, como te disse, odeio meu trabalho. Todo mundo pede demais de mim. ‘Steve faça isso, Steve, faça aquilo! ’. Chego em casa sem energia para nada e a única coisa que me dá um pouco de ”

luz é pensar nesse

nessa mania louca e repetitiva

Calou-se outra vez. Disse gentilmente: “Fale-me dessa mania”.

“Bem, tenho um fetiche por certas roupas de vaqueiro e por dirigir certos tipos de carros e caminhonetes”.

“Como assim?”

“Bem, às vezes saio de compras, nas quais consigo todas essas roupas de estilo vaqueiro.

Normalmente, visto-me assim”, disse, apontando para sua camisa Calvin Klein. “Conservador, sabe, semi-colegial. Mas, em casa, às escondidas, tenho essas roupas de vaqueiro – os vaqueiros Levi, camisa e chapéu de vaqueiro, botas de pele de serpente, coisas assim”. Fez uma pausa e acrescentou: “talvez, também uma jaqueta marrom”.

Tudo me faz sentir mais masculino. Imagino-me com uma garota vestido dessa forma”.

“E depois?” Perguntei.

“Bem, imagino-me fazendo amor com ela quando estou vestindo essa roupa. Visto-me assim e me

masturbo

Às vezes, faço diante do espelho. É uma mania ridícula

Doente. Eu não a entendo”.

Depois, acrescentou: “Não costumo comprar material do Oeste de alta qualidade porque sei que não manterei a roupa depois”.

“Por quê?”

“Porque sei que, se a mantiver em casa, voltarei a cair nisso de novo. Se sei que estão lá, então, quando estiver triste e aborrecido, usarei a roupa como uma saída. E depois me sinto uma merda”.

“E o que você faz com a roupa?”

“Tento devolver o que puder ou dou aos pobres, como se fizesse penitência”.

Continuou: “É tempo perdido. Tenho que ir às grandes lojas, comprar a roupa, ir para casa.

Então, depois de experimentar várias emoções, tenho que passar pela loucura de livrar-me dela. Às vezes, levo-as de volta à loja e tento devolvê-la. Sinto-me um idiota falando com o mesmo vendedor”. Um sorriso frustrado. “Todos eles já me devem reconhecer”.

Riu. “Fico contente ao me imaginar fazendo amor com uma garota. Mas a parte estranha é que tenho de usar essa roupa e estar em um jipe ou algo do tipo”. Disse seriamente: “sinto-me tão pervertido e tão tonto!”

Ouvindo essa autodepreciação, intervi: “Steve, se você compreender como e por que se passa isso com você, passará a se condenar menos”.

Continuou, como se não me ouvisse: “Uma vez, ia pela estrada de Los Angeles para alugar um Land Rover novo com toda essa roupa do Oeste, para me divertir com ele. Metia-me entre as colinas com toda essa fantasia e me masturbava. Ou, Às vezes, quando saio de viagem, procuro por algum veículo abandonado”.

“Está bem, vamos ver, quais são suas associações com a roupa e os carros do Oeste?”

Steve olhou para mim com um olhar vazio.

“Símbolos masculinos?” Sugeri.

“Com certeza”.

“Alguma lembrança em particular?”

De novo, pareceu confuso, como se nunca houvesse considerado as origens de sua conduta.

“Lembro que, quando era pequeno, o menino da casa ao lado, Robbie, tinha uma roupa do Oeste. Exibia-se com elas e menosprezava os outros que não tinham igual, dizia que tinham roupas chatas e insignificantes. Eu ficava incendiado por aquilo. Robbie era o verdadeiro marca-tendências da vizinhança”.

“O que mais ele dizia?”

“Bem, mencionou o quanto gostava das partes de metal das calças”.

“As partes de metal?”

“Sim.”

“Sim. Tento conseguir as calças de vaqueiro, mas hoje em dia são difíceis de encontrar. Cooper não existe mais, já sabe”.

Podia ver que só estávamos desvendando a superfície do mundo da moda. Decidi entrar com a ”

psicodinâmica. Disse: “de alguma forma, você acredita que os comentários de Bobbie

“Robbie”, corrigiu com firmeza.

“Ah, sim, obrigado”, disse. “De alguma forma, foram significativos os comentários de Robbie sobre as calças de vaqueiro. Fale mais sobre isso”.

“Sempre admirei Robbie. Como disse, ele era um marca-tendências e eu invejava sua família. Seu pai era advogado e sua mãe era muito elegante”. Acrescentou subitamente: “diferente da minha família, que estava sempre brigando e gritando”.

“Quantos anos tinham você e Bobbie nessa época?”

“Robbie, Robbie. Eu tinha 13 anos e ele dois anos mais velho, com 15”.

“Você apreciava Robbie? Admirava-o?”

“Ah, sim. Mas Robbie nunca foi afirmativo comigo. Na verdade, acho que não gostava de mim. Sua atitude era do tipo ‘todo mundo gosta de mim’, sabe”.

“Você crê que seus fetiches pelo Oeste começaram com ele?”

“Pode ser. Mas meu pai também gostava muito dos filmes do Oeste e assistia na televisão o tempo todo. Sentava-me com ele e via Lee Majors em ‘Big Valley’ e Michael Landon em ‘Bonanza’.

Lembro-me de um sonho que tive uma vez, de alguém que saía de uma caminhonete vestido de vaqueiro, um homem tipo macho”.

“Estive pensando: e se me casar? Terei de vestir essas roupas para ter relações sexuais? E, se o fizesse, minha mulher se perguntaria: ‘ele está tendo um orgasmo comigo ou consigo mesmo?’”

“Hmm. Bem, ainda nos ocuparemos do casamento”, assegurei-lhe.

De repente, Steve disse em tom desesperado: “Não sei como parar!”

Esse fetiche era a forma de Steve de compensar sua sensação de impotência. Incapaz de manter vínculos interpessoais, permitia-se, com frequência, ser usado pelos demais. Isso havia sido um problema durante um longo tempo no escritório, onde era manipulado por seu chefe e seus companheiros. Externamente era o garoto agradável, colaborador, congenial, que nunca dizia não ao trabalho extra. Interiormente, Steve era cheio de ira, que só conseguia expressar de forma indireta. Seu modelo era voltar para casa ao final do dia sentindo-se manipulado e esgotado emocionalmente, usando logo seu fetiche do Oeste para dar a si mesmo a sensação de poder que não podia encontrar internamente.

Expliquei-lhe: “a roupa do Oeste é uma armadura para sustentar seu poder masculino. Você se sente excitado sexualmente por sua imagem, convertendo-se em seu próprio objeto sexual”.

“Sim”, disse. “Sempre senti que, de alguma forma, era um fetiche, mas nunca compreendi o que se passava”.

“O que você tem de fazer é interiorizar os símbolos da masculinidade, possuí-los, e não objetivá- los. Sua masculinidade é uma forma de imitação, como acontece com o menino pequeno que passa o creme de barbear do pai ou experimenta suas roupas”.

“Então, isso significa que ainda sou um menino pequeno”, disse Steve ruborizando um pouco.

“Nesse sentido, sim. A imitação que você faz é inapropriada porque é um pouco tardia.

Além disso, a energia erótica se uniu a esses símbolos masculinos. Nesse ponto, isso que você faz se chama fetiche”.

Nas semanas seguintes, Steve começou a entender como Robbie representava sua própria identidade masculina não atualizada. Steve estava preso a uma falsa identificação masculina que consistia apenas na imitação. Nunca havia-se identificado totalmente com Robbie (ou com a masculinidade em geral) e não havia interiorizado nunca, de forma genuína, os atributos masculinos.

A questão de por que Steve nunca se havia identificado totalmente com os homens não tem uma resposta simples. Mas podemos suspeitar que a indiferença de seu pai foi um fator chave.

Evidentemente, não encontrou outros homens afirmadores com os quais podia sentir-se seguro o

bastante para compartilhar a identidade masculina que desejava. Os objetos do fetiche são eleitos e

se infundem com energia sexual devido a algum significado pessoal poderoso.

Steve só podia conseguir a falsa identificação – isto é, a imitação – usando símbolos de homens admirados. Enquanto a imitação oferece gratificação temporária, nunca conduz a uma mudança de identidade mais profunda. A verdadeira transformação requereria o contato real com homens reais, não só a apropriação de símbolos masculinos.

Enquanto conduzia um jipe ou usava roupas de vaqueiro, Steve convertia-se na imagem masculina do vaqueiro. Como era uma imagem, algo externo, excitava-se com ela. Ninguém pode sexualizar o que é subjetivo – o que se sente que está dentro e faz parte dele mesmo. Só sexualizamos o que sentimos que não somos.

Conforme progredia, Steve começou a identificar todas as emoções importantes que sempre

precediam sua conduta compulsiva do fetiche. Podia identificar os sentimentos de solidão, estresse

e perda de controle que resultavam no impulso pelo fetiche. Por meio da compreensão do

simbolismo desse fetiche e sabendo quando estava mais vulnerável a ele, conseguiu diminuir muito seus efeitos.

Um dia, saltava parecendo particularmente alegre. “No fim de semana passado, ia pela estrada da Costa do Pacífico com um homem que sabe o que se passa comigo. Enquanto dirigia, disse-lhe:

‘pela primeira vez em anos, estou começando a controlar minha sexualidade e meu peso’”. Ele falava muito contente.

“Seu peso?” Perguntei.

“Sim. Toda a vida eu tive problemas com a dieta”.

“Parece bastante normal”, assegurei.

“Bem, Às vezes entro nessa compulsão por comer demais. Sou viciado nos Almond Joys”.

“Eu gosto dos Mounds”, deixei escapar de forma reflexiva.

“Oh!”, disse ele animado. “Então gosta de coco com chocolate preto!”

Senti que me estava detendo em outra das digressões de Steve. Rapidamente, voltei a orientar a conversa para seu progresso na terapia.

Enquanto Steve discutia seu problema de dieta, fez-se evidente que tinha uma séria desordem com comida, que incluía um ciclo de descontrole e purificação. Comida e sexo, as duas paixões incontroláveis na vida de Steve, ele abusava delas para aliviar o desespero interior.

Enquanto avaliávamos o que se havia realizado até o momento, podíamos ver que Steve havia ido bastante bem durante nossas vinte sessões. Tinha menos necessidade de utilizar seu fetiche do Oeste. Ele e o Padre John haviam ficado amigos e se viam fora da terapia.

Afortunadamente, o Padre John podia ver além do atrativo físico de Steve e tinha com ele uma boa relação, que parecia estar curando-os mutuamente. O Padre John converteu-se em seu mentor e pôde ajudar Steve a permanecer afastado de sua compulsão pelo fetiche.

Depois de dois ou três meses, o grupo viu que Steve estava ficando mais calado. Um dia, seu silêncio foi desafiado por Charlie. Forçado a falar ao grupo, disse-lhes o que se estava sucedendo.

Pigarreando com a garganta, Steve começou: “Em verdade, tenho obtido muita força de vocês”, olhou ao redor para os demais. “Mas, durante os últimos meses, estive sentindo que necessito de um descanso”. Os membros do grupo olharam com expectativa.

“Ainda tenho fé nesta terapia”, gaguejou Steve.

Depois chegou ao núcleo da questão: “mas não tenho fé em mim. Na verdade

continuar levando isso a cabo”. Os homens tentaram racionar com ele, mas não lhe puderam convencer a permanecer por mais tempo.

Não creio que possa

Essa foi a última sessão de Steve.

O que havia mantido Steve na terapia durante cinco meses era sua grande necessidade de atenção masculina sem divisão. A terapia ofereceu-lhe a oportunidade de receber os três As dos homens – atenção, afeto e aprovação. Não estou seguro do quanto escutou o que eu lhe havia dito.

Muito mais que receber o que tinha a oferecer, creio que estava desfrutando de sua oportunidade de falar e de ser ouvido.

Entretanto, enquanto Steve desfrutava da atenção que recebia, nunca confiou verdadeiramente em si. Essa carência de confiança se evidenciou com sua luta secreta com a bulimia, que havia mantido oculta até quase o final de nossas sessões.

Alguns meses depois, o Padre John se encontrou com Steve para almoçar. Steve disse-lhe que havia voltado ao estilo de vida gay e que havia mudado de ideia – já não cria na ideia de qualquer tipo de terapia de mudança.

Ouvindo a mudança de rumo de Steve, senti tristeza. Ele havia conseguido alguma introspecção em sua conduta e compreendia melhor suas relações masculinas. Mas as pessoas escolhem suas ideologias para satisfazer suas necessidades. Creio que acabou voltando à ideologia gay porque não podia satisfazer às demandas da terapia reparativa. Nunca pôde desenvolver a certeza clara de que podia mudar. Como gostaria de encontrar uma forma de transmitir-lhe a convicção de que a mudança era possível.

CAPÍTULO 7

EDWARD, A AGONIA DE UM JOVEM

O jovem Edward Peterson foi trazido a meu consultório por sua mãe porque havia encontrado

algumas revistas pornográficas em seu quarto. Essa descoberta levou à confissão dolorosa de Edward de que era homossexual. Triste e confusa, a Sra. Peterson insistiu em que Edward passasse em uma consulta com um psicólogo.

Mãe e filho viviam em uma grande casa que passava por cima do oceano nas Paliçadas do Pacífico, enquanto o irmão e a irmã de Edward viviam com o ex-marido da Sra. Peterson na cidade de Los Angeles. Seu pai era um famoso advogado criminal.

A Sra. Peterson foi vestida com um traje de linho com bolsa e sapatos correspondentes de crocodilo.

Seu aperto de mãos foi forte e sua forma direta. Apresentou a seu filho com uma expressão severa e depois voltou-se para deixar-nos. Olhando por cima do ombro, disse com tristeza: “espero que possa ajudá-lo, Dr. Nicolosi”.

Costuma ser a mãe a que reconhece o problema de homossexualidade de seu filho e muitas mães foram instrumentais para trazê-los ao tratamento. O pai, com frequência, parece cego ante as dificuldades e, se as vê, raras vezes é uma força ativa para iniciar o tratamento de seu filho. De fato, a mãe de Edward havia estado preocupada com sua maneira afeminada e sua carência de amigos homens durante anos. Com frequência havia suspeitado que isso poderia levá-lo à homossexualidade. Por outro lado, seu pai havia-se surpreendido completamente quando ouviu sobre o interesse de Edward pela pornografia gay.

Senti uma dor particular por esse garoto adolescente que tentava fazer a coisa certa enquanto se sentava de frente para mim meio assustado e meio desafiante. Era um menino ou um homem? Ed era claramente algo de ambos. Seu cabelo escuro caía sobre seu rosto pálido e sensível. Era magro

e, de alguma forma, ligeiro, mas mostrava um peito e uns braços em desenvolvimento sob a

camiseta volumosa. Quando sua mãe o deixou a sós comigo, estava claramente assustado.

Depois de alguma conversa, fui direto ao ponto: “Falemos francamente do porquê de estar aqui. Sua mãe não está contente com sua homossexualidade”.

Edward moveu-se em sua cadeira e riu nervoso.

“E você, como se sente em relação a isso? Quer trabalhar para mudá-lo? Ou o que quer é que te

ajude a aceitá-lo?”. Parecia perplexo. Depois, disse em voz baixa, bastante devagar: “é que eu

Fez uma pausa e depois acrescentou: “é

óbvio que a homossexualidade não é algo socialmente aceitável. Quero dizer, que só por essa razão, não quero ser gay”.

nunca tinha falado com muita gente sobre isso antes

”.

“Mas você mesmo não se sente motivado para mudar seus sentimentos?”

“Não, não creio”. Meio que sorriu e pareceu envergonhado.

Esse é o dilema essencial do adolescente – seu desejo de pôr sua vida em um caminho são em conflito com o forte desejo de satisfazer intensas atrações eróticas. A diferença do adulto que vem a mim depois de adotar o estilo de vida gay durante anos e que decidiu que não a quer, não se pode esperar de um adolescente que sublime a gratificação sexual em longo prazo. Especialmente quando a cultura popular lhe diz que deve abraçar sua homossexualidade.

“A razão pela qual te pergunto”, disse-lhe. “É que não posso ajudá-lo a adquirir uma identidade gay. Esse não é o tipo de trabalho que realizo. Se for o que quer, deve procurar um psicólogo de afirmação gay”.

Edward parecia inseguro. “Eu não sei. Temos uma sessão de assessoramento gay na escola. O

assessor me deu muitos conselhos, alguns livros e panfletos gays e procurou me afirmar nessa

área

assim, creio que gostaria de ouvir a versão diferente que você tem”.

Sabia que Edward estava falando do Projeto 10, um serviço das escolas públicas formado por orientadores gays voluntários. Esses programas, aos quais me oponho fortemente, não fazem com que os estudantes tomem consciência de que existe qualquer outra alternativa. A mensagem é: “você nunca mudará. Sua única opção é aceitar e abraçar uma identidade gay”.

Sentia que Edward estava-se confundindo com mensagens contraditórias. Não tinha vindo para comprar ideologias e estava perdendo o interesse por elas. Decidi centrar-me no que ele mesmo via como suas necessidades.

“Obviamente, compreendo que sua atração por outros rapazes é muito forte e muito importante para você agora. Não tentaremos pôr fim a esses sentimentos agora, a menos que você queira. Se quiser, agora podemos passar algumas sessões compreendendo você, vendo o que está se passando em sua vida”.

Ele concordou, com aparência de alívio. Disse: “Meu maior problema, agora, é o colégio. Tenho fobia ao colégio”.

“O que, exatamente, te dá medo no colégio?” Perguntei.

“Tudo,” respondeu ele. “Eu não sei

tudo”. Parecia estancado.

“Mas sua mãe me disse que você tinha um papel importante na peça do colégio e que está na lista do decano. Como pode ter fobia ao colégio e ser um estudante de honra?”

“Ah, não, não é o trabalho,” corrigiu. “É só que fico nervoso logo que me aproximo do prédio do colégio”.

“Bem, tentaremos nos concentrar no que faz você ficar tão nervoso no colégio”.

Meu tom preocupado parecia confortá-lo. Pela primeira vez nessa sessão, ele começava a centrar-se.

“Não sei. Existe o medo de estar sob o controle de algo, talvez dos professores ou dos chefes. Posso

manejar outras coisas sociais, como aulas de teatro ou coisas assim

”.

“Para a maioria dos garotos, está tudo bem com o instituto”, continuou, “encaixam-se perfeitamente nele. Mas, por alguma razão, eu sou diferente”.

“Por que você acha que é diferente?”

“Não sei”, disse ele, perplexo, “não sei a razão. Só sei que sou”. Olhava-me desamparado.

“Muito bem, não nos concentremos nas causas,” disse eu. “Comecemos com a experiência. O que você sente?”

“É como se estivesse no cárcere e todo mundo me dissesse o que tenho de fazer”.

Suspeitei que o verdadeiro problema era que Ed carecia de apoio social. Sem amigos que o compreendessem e aos quais pudesse confiar seus conflitos, sentia-se sozinho e alienado, voltando- se à satisfação no trabalho acadêmico e buscando autoexpressão no teatro.

“Qualquer coisa seria melhor que o colégio”, continuou em tom de autocompaixão.

Desafiei: “qualquer coisa seria melhor que ter de conviver com pessoas de sua idade?”

“Bem, exceto para as aulas de teatro,” corrigiu Ed. “Na realidade, sinto-me cômodo tratando com os estudos de teatro”.

“Pode ser que não queira encaixar-se aos demais alunos, especialmente com os garotos?”

Ed olhou-me. “Isso é verdade”, disse solenemente. “Não quero encaixar-me aos demais garotos. Sou diferente”.

Ed estava usando seu interesse teatral para justificar o sentimento de diferença que precedia sua homossexualidade (“sou muito artístico, muito diferente e muito especial para estar com os demais garotos do instituto”). Esse modelo de gay-artístico justificava sua exclusão dos “aborrecidos” garotos heterossexuais. Esse ia ser um tema repetido nos primeiros quatro meses em que estivemos juntos.

“E esse é o grande problema,” disse-lhe. “A maior bifurcação no caminho de sua vida. Seguirá confrontando essa bifurcação pelo resto de sua vida – entrar no mundo heterossexual ou permanecer no mundo gay”.

Os instrutores gays estão em desacordo em como manejar esse assunto. Alguns discutem que o gay é como o heterossexual exceto em sua “preferência” sexual. Outros mantêm que uma “sensibilidade gay” separa invariavelmente às pessoas gays da sociedade convencional.

Sentia que Ed não podia manejar essa questão agora – era por demais abstrata e futurista. A qualquer momento, o relógio nos diria que a sessão havia terminado.

“Bem, Ed”, perguntei, “Já conseguiu o bastante de mim ou quer provar mais uma sessão?”

“Não sei”, encolheu-se com indiferença.

Esperei.

Ele pensou um minuto. “Voltarei mais uma vez, eu acho. Gostaria de falar um pouco mais de minha fobia escolar”.

Na semana seguinte, Ed entrou lentamente, com a mesma aparência de abatimento com a qual viera

na sessão anterior. Perguntei a mim mesmo o quanto haveria de atuação naquilo. Como ele não tinha nada a dizer por si mesmo, comecei abordando a relação com sua mãe. “Você e sua mãe vivem juntos e seu irmão e sua irmã vivem com seu pai. Como é isso?”

“Meu irmão e minha irmã são mais velhos, por isso foram viver com meu pai. Viver com ele é como viver por si mesmo”.

“Mais liberdade?”

“Sim. Por isso quero ir morar com ele”. Riu amargamente. “Meu pai nunca sabe o que se passa – está sempre ocupado com seus assuntos na advocacia. Nunca se implicou muito com nossas vidas. Creio que isso torna mais fácil viver com ele”. Soava como se estivesse desgostoso.

“Há outra razão pela qual quero sair de casa agora,” acrescentou. “Gostaria de fugir de minha mãe”.

“Por quê?”

“Não aguento mais as constantes brigas com ela”. A voz de Ed ainda era baixa, só que mais determinada.

“O que ela faz para te incomodar?”

“Bem, na verdade nós éramos muito íntimos. Talvez por ser o mais novo, minha mãe me mantinha próximo de si. Sempre fazia coisas com ela. Creio que nunca tive muitos amigos. Mas agora, às vezes ela parece um pouco chata”. Ficou em silêncio.

“Como assim chata?”

Encolheu os ombros sem dizer nada.

“Vamos”, insisti. “É importante identificar por que você não se sente bem com ela”. A passividade de Ed estava começando a me incomodar.

Houve uma longa pausa. “É só que é muito ruidosa. Fazíamos tudo juntos. Quero dizer, nunca havíamos brigado até o ano passado”.

“Talvez, quando vieram à tona seus sentimentos sexuais, isso criou um conflito e mudou a atitude de sua mãe?”

Continuou como se eu não tivesse feito a pergunta: “Só sinto isso, não sei, é como se tivesse toda essa ira contra ela, ainda que não quisesse”.

Esse era o típico conflito de todo adolescente – mas experimentado com maior intensidade por um adolescente homossexual. Ed queria muito a sua mãe, mas também tinha o impulso para atrasar por mais tempo sua separação dela. Ainda que inconscientemente, sentia que sua aproximação dela havia contribuído para sua homossexualidade. Os garotos heterossexuais geralmente alcançam a autonomia de suas mães muitos anos antes.

“De acordo”, disse eu. “Necessitamos compreender por que está aborrecido com sua mãe.

Porque já sabemos por que está aborrecido com seu pai. Seu pai e não é efetivo”.

“Como assim ‘não é efetivo’?” Perguntou Ed.

“Quer dizer ‘não ter efeito’. Seu pai teve pouco efeito sobre você”.

“Sim, era um fraco”. Havia desprezo manifesto em sua voz. Continuou: “minha mãe tem problemas para decidir-se. Uma semana diz que ter meu próprio carro seria bom para mim, na seguinte diz que é ‘perigoso’”.

“Um carro?” Perguntei.

“Eu pensei que um carro me faria sentir melhor sobre o colégio. Promove certa liberdade”.

“Assim, ela te anima e depois te desanima”.

“Sim”. Alívio em sua voz. “Ela me faz sentir culpado por tudo”.

Aqui, ouvi a base de sua sensação de ausência de poder. “Sente que ela te confunde e te frustra?”

“Sim. Nunca sei se posso confiar nela. Na noite passada, ouvi-a ligar para meu pai e dizer: ‘venha e convide o Ed para jantar ou fazer alguma coisa’. Depois entrou no meu quarto e disse: ‘seu pai ligou e disse que quer sair com você’. Eu pensei: ‘que estranho! Por que me chamaria? Não costuma fazê-lo’”.

“Entendi”, disse.

“Assim, peguei o telefone sem fio e ouvi meu pai dizer: ‘mas Beatrice, não quero sair com ele agora. Já jantei! ’. Coloquei o telefone de volta no gancho e disse: ‘esquece, mãe! Não me sinto com vontade de sair esta noite!”.

“Mas não disse a ela o porquê”.

“Não, não me incomodei. Para quê?”

“Em vez de expressar sua ira ou dizer-lhes que se sente manipulado, fica de mal humor. Então seus pais se perguntam: ‘por que o Ed está tão calado? Por que está tão mal humorado?”

“Agora que penso, dou-me conta de que esse tipo de coisa se passava quando eu era pequeno. Minha mãe dizia: ‘crianças, o papai vai levar vocês à Disneylândia’, ou outro lugar qualquer. E ele nos levava. Só que ficava de mal humor, como se não quisesse estar ali”.

“Certo”, disse, animando-o a continuar.

“E provavelmente porque ela havia mandado”.

Ouvi o modelo familiar das vidas de muitos de meus pacientes homossexuais – um padrão de comunicação manipulador que não dá opção ao menino senão a de retirar-se no isolamento auto protetor.

“Ela sempre tinha de estar no controle”, disse Ed desamparado.

Fez uma pausa. Havia uma triste expressão em seu rosto “Mas, apesar de tudo, sei que ela me ama. Faz tudo o que supõe que uma boa mãe deve fazer, como jantares deliciosos ou levar-me à igreja e

coisas assim. Mas parece que se importa demais, implica-se demais”, as palavras falhavam.

Pensou durante um minuto. Depois continuou: “nunca tenho vontade de falar com ela sobre algo pessoal. Ela tenta começar uma conversa e diz: ‘que tipo de carro você quer comprar, Eddie?’, e já fico suscetível. Mas em outras vezes penso: ‘meu Deus! Só estou sendo um idiota e ela tentando ser uma boa mãe!’”

O pai não se importa o bastante e a mãe se importa demais. Disse: “esses mesmos sentimentos de intrusão e perda do poder pessoal serão transferidos às garotas que conhece. Se uma moça consegue demasiada intimidade, logo tenta afastá-la”.

“Sim”, admitiu. “É interessante que traga isso à questão. Lembro que, no ano passado, era muito popular e tinha muitas amigas. Entretanto, quando alguma delas começava a demonstrar que gostava muito de mim, tornava-me muito rude com ela, como faço com minha mãe”.

“Exato. Primeiro, você tem medo de que ela espere uma reação romântica. Mas, mais do que isso, você não quer se ver preso à mesma situação que tem com sua mãe – sentir-se manipulado por ela e responsável pelos seus sentimentos”.

Edward estivera olhando para baixo distraído, mas agora me olhava assustado.

Sabia que havia identificado um conflito familiar existente na maioria dos homossexuais. Continuei: “quando era um menino pequeno e sua mãe não estava contente, sua tarefa era fazê-la feliz. Essa sensação de responsabilidade pelos sentimentos de sua mãe é transferida para as relações com outras garotas que conseguem demasiada intimidade com você. Inconscientemente, os sentimentos e expectativas delas te afetam. Cuidar dela é incomodamente familiar – é uma velha tarefa, e significa a negação de suas próprias necessidades”.

Edward assentiu lentamente.

“Além disso, você é rude com as meninas porque tem demasiada feminilidade em você mesmo. O que te atrai no masculino é que sente falta dele dentro de si”.

Mudando de tema, continuou: “Fiz uma audiência para o espetáculo Oklahoma! no teatro de verão. Aspirava a Curly, o papel principal”.

“Não é coincidência que te encante o teatro”, assinalei. “O teatro é uma forma de fugir de você mesmo. Quer ser um artista para estar acima dos homens ‘normais’. O teatro é uma perpetuação do falso eu”.

Olhei para o relógio. “A propósito, está na hora de terminarmos a sessão. Quer ter outra consulta ou já ouviu mais do que queria ouvir?”

Ed disse: “tenho que ver o programa de ensaios do teatro”.

“Lembre-se: você decide se e quando quer continuar”.

“Eu sei”. Houve um sorriso ligeiro em seu rosto enquanto desfrutava da sensação de ser ele quem decidia as coisas. Finalmente, disse: “Verei você na próxima semana, na mesma hora, tudo bem, Doutor?”

Ed não via seu problema de homossexualidade. Com o passar do tempo, tornou-se um assunto

distante, algo que não abordava porque não sabia como começar a tratá-lo. Em vez disso, falava somente do colégio e de “problemas de relações”.