Você está na página 1de 7

TE053-Ondas Eletromagnéticas

O TEOREMA DE POYNTING E CONSERVAÇ ÃO DA


ENERGIA

P ROF. C ÉSAR AUGUSTO DARTORA - UFPR

E- MAIL : CADARTORA @ ELETRICA . UFPR . BR

C URITIBA -PR
Prof. Dr. C.A. Dartora

Roteiro da Aula:

• Equações de Maxwell, Força de Lorentz e Densidade de Força

• Trabalho Realizado e Densidade de Potência

• Demonstração do Teorema de Poynting

• Interpretação Fı́sica das Quantidades Relevantes

• Vetor de Poynting em Regime Harmônico

A Lei de Faraday e Aplicações 2/7


Prof. Dr. C.A. Dartora

1 Leis de Conservação e o Vetor de Poynting

Vamos agora deduzir um importante teorema, que mostra que o campo


eletromagnético é capaz de transportar energia, e portanto produzir pressão
e transportar momento linear e momento angular, ou seja, o campo eletro-
magnético é um ente fı́sico real, com energia, momento linear e angular, e
não meramente um artifı́cio matemático utilizado para estudar problemas
eletromagnéticos. A força total exercida sobre uma partı́cula é dada pela
força de Lorentz:
F = q(E + v × B) (1)
que, para uma distribuição de cargas podemos escrever:
Z
F= (ρE + J × B)dV (2)
O trabalho realizado no sistema de partı́culas é simplesmente dado por:
Z Z Z
W= F · dl = (ρE + J × B) · dl dV (3)
Ainda é conveniente definir uma densidade de trabalho realizado, e neste
caso temos simplesmente:
dW
Z
= (ρE + J × B) · dl (4)
dV
A Lei de Faraday e Aplicações 3/7
Prof. Dr. C.A. Dartora

Sabemos que a força magnética não realiza trabalho, e por isso podemos
escrever:
dW
Z Z Z
= ρE · dl = ρv · Edt = dtJ · E (5)
dV
ou para a densidade de potência (potência é P = dW /dt):
dP
= J·E (6)
dV
Fazendo uso das equações de Maxwell temos:
∂D
J = ∇×H−
∂t
e substituimos então:
 
dP ∂D
= ∇×H− ·E (7)
dV ∂t
É conveniente ainda incluir um termo ∇ × E + ∂B/∂t = 0, que é um termo
nulo, das equações de Maxwell, mas que será útil para o que segue, então
fazemos:    
dP ∂D ∂B
= ∇×H− ·E− ∇×E+ ·H (8)
dV ∂t ∂t

A Lei de Faraday e Aplicações 4/7


Prof. Dr. C.A. Dartora

Expandindo temos então:


 
dP ∂D ∂B
= (∇ × H · E − ∇ × E · H) − ·E+ ·H (9)
dV ∂t ∂t
Utilizemos agora a seguinte propriedade vetorial:
∇ · (E × H) = ∇ × E · H − ∇ × H · E
e ainda, se D = εE e B = µH:
∂D ∂B 1∂
·E+ ·H = (D · E + B · H)
∂t ∂t 2 ∂t
para finalmente obter:
 
dP ∂ 1 2 1 2
= −∇ · (E × H) − εE + εB = J · E (10)
dV ∂t 2 2µ
A equação acima pode ser reescrita agora, na sua forma final e mais elegante:
∂u
∇ · S + = −J · E (11)
∂t
onde
S = E×H 
 (12)
1 1
u= εE2 + B2 (13)
2 µ
A Lei de Faraday e Aplicações 5/7
Prof. Dr. C.A. Dartora

Esta é a forma pontual da equação de conservação da energia. O vetor S


é conhecido como vetor de Poynting, devido ao fı́sico que o descobriu. O
vetor de Poynting tem unidades de potência por unidade de área, ou seja,
corresponde a uma densidade de fluxo de energia (W/m2 ou J/(s.m2), no
SI). Já u é uma densidade de energia eletromagnética, e o termo J · E é o
termo dissipativo, ou seja, a perda de energia eletromagnética das partı́culas
cuja densidade de corrente é J, para o campo. Então podemos colocar o sig-
nificado da equação puntual: A divergência do vetor de Poynting S significa
que há uma energia eletromagnética saindo ou entrando no ponto, deve ser
igual ao negativo da densidade de energia eletromagnética armazenada no
ponto adicionado ao termo de perda de energia das partı́culas para o campo.
Podemos colocar a equação na sua forma integral, para obtermos:
d
I Z Z
S · da + u dV = − J · E dV (14)
a dt V V
onde da é o diferencial de superfı́cie, a é a superfı́cie que encerra o vol-
ume total V . Trocamos a notação de superfı́cie para não confundir com
o vetor de Poynting. Nessa forma podemos dizer que um fluxo de energia
eletromagnética, atravessa os contornos de um volume V pela superfı́cie de
contorno a, na forma do vetor de Poynting,
R
se diminui no interior do volume
V a energia total eletromagnética u dV e se as partı́culas, representadas
A Lei de Faraday e Aplicações 6/7
Prof. Dr. C.A. Dartora

por J cedem energia ao campo. Em outras palavras o fluxo de energia eletro-


magnética para fora de uma superfı́cie a fechada, deve ser igual à diminuição
da energia eletromagnética armazenada no interior do volume adicionada a
uma taxa dissipativa de trabalho dos campos sobre as partı́culas.
Em regime harmônico interessa-nos a média sobre um perı́odo de oscilação,
ou valor RMS do vetor de Poynting S e que pode ser escrita na forma abaixo,
1
Smed = ℜ [E × H∗] , (15)
2
de acordo com os resultados mostrados no Capı́tulo 2, para a álgebra de
Vetores e Fasores.

A Lei de Faraday e Aplicações 7/7