Você está na página 1de 8

Capítulo 4

Questões de revisão
1. O que é um mercado competitivo? Descreva brevemente os tipos de mercado que
não são perfeitamente competitivos.
Mercado competitivo é um mercado que há tantos compradores e vendedores que
cada um deles tem impacto insignificante sobre o preço de mercado. Mercados que
não são perfeitamente competitivos: Oligopólio: tem poucos vendedores, que nem
sempre competem agressivamente. Monopólio: tem um só vendedor, que é quem
determina o preço. Monopolisticamente competitivo: há muitos vendedores, mas cada
um oferecendo um produto ligeiramente diferente, com isso, cada vendedor pode ate
certo ponto, estabelecer os preços de seu próprio produto.

2. O que são a escala de demanda e a curva de demanda? Como estão relacionadas?


Por que a curva de demanda se inclina para baixo?
A escala de demanda mostra a quantidade demandada a cada preço. A curva de
demanda, que representa graficamente a escala de demanda, mostra como a
quantidade demandada do bem varia quando seu preço altera. Com um preço menor
aumenta a quantidade demandada, a curva de demanda se inclina para baixo.

3. Uma mudança dos gostos dos consumidores leva a um movimento ao longo da


curva de demanda ou a um deslocamento desta? Uma mudança no preço leva a um
movimento ao longo da curva
cur va de demanda ou a um deslocamento
desl ocamento desta?
Uma mudança dos gostos dos consumidores leva a um deslocamento da curva de
demanda e uma mudança no preço leva a um movimento ao longo da curva de
demanda.

Capítulo 5
Questões de Revisão
1.Defina a elasticidade-preço da demanda e a elasticidade-renda da demanda.
Elasticidade-preço da demanda: uma medida do quanto a quantidade demandada de
um bem reage a uma mudança no preço do bem em questão, calculada como a
variação percentual da quantidade demandada dividida pela variação percentual do
preço.

2. Liste e explique os quatro determinantes da elasticidade-preço da demanda.


Disponibilidade de bens substitutos próximos: Bens substitutos próximos tendem a ter
demanda mais elástica porque é mais fácil para os consumidores trocá-los por outros.
Bens necessários versus bens supérfluos : Os bens necessários tendem a ter demanda
inelástica, enquanto a demanda por bens de luxo tende a ser elástica.
Definição do mercado: A elasticidade da demanda em qualquer mercado depende de
como traçamos os limites deste. Mercados definidos de forma restrita tendem a ter
demanda mais elástica do que mercados definidos de forma ampla, uma vez que é
mais fácil encontrar substitutos para bens definidos de maneira restrita.
Horizonte de tempo: Os bens tendem a apresentar demanda mais elástica em
horizontes de tempo mais longos.

Problemas e Aplicações
1.Para cada um dos pares de bens abaixo, qual dos dois bens você espera que tenha
demanda mais elástica e por quê?
a.  jeans da marca Levi’s® ou roupas: O jeans Levi’s® tem uma demanda mais elástica
porque existem muitos substitutos próximos. Existem poucos substitutos para roupa
porque o mercado é definido de modo muito amplo.
b. cigarros durante a próxima semana ou cigarros durante os próximos cinco anos:  Os
cigarros, nos próximos cinco anos, têm uma demanda mais elástica porque, no longo
prazo, a evidência mostra que um aumento no preço fará com que algumas pessoas
parem de fumar e outras, mais jovens, evitem começar a fumar. Como a maioria dos
fumantes são viciados, a demanda por cigarros nas próximas semanas (no curto prazo)
é muito inelástica.
c. insulina ou Advil (um analgésico): O analgésico Advil tem uma demanda mais
elástica porque existem muitos substitutos próximos para uma marca específica de
analgésico. Quando se trata de diabetes, não existe substituto próximo à insulina.
d. Viagem a negócios ou viagem de férias: Viajar nas férias é um luxo, então a
demanda é mais elástica. Viajar a negócios é uma necessidade, então a demanda é
mais inelástica.

Capítulo 6
Questões de Revisão
1.Dê um exemplo de preço máximo e outro de preço mínimo.
Preço máximo: O governo determina o preço máximo da gasolina, pois acredita que
com isso mais pessoas terão acesso ao produto.
Preço mínimo: O governo determina o preço mínimo do álcool, pois acredita que com
isso irá melhorar a renda dos produtores de cana de açúcar.

2. O que causa escassez de um bem: um preço máximo ou um preço mínimo? E qual


dos dois causa excedente?
Quando o governo impõe um preço máximo a um mercado competitivo, surge a
escassez do produto e os vendedores são obrigados a racionar os bens escassos entre
um número grande de compradores em potencial.
Já quando o governo impõe um preço mínimo a um mercado competitivo, surge o
excedente do produto e os vendedores não conseguirão vender a quantidade que
desejam ao preço de mercado.

Problemas e Aplicações
1. Os trabalhadores gostariam de receber salários mais altos e as empresas
gostariam de pagar salários mais baixos.
a. Suponha que os trabalhadores sejam bem-sucedidos em tem um salário mínimo
estabelecido acima do salário de equilíbrio. O que acontecerá ao número de
trabalhadores empregados quando comparado ao equilíbrio original? Explique: Com
um salário acima do equilíbrio, a quantidade demandada de trabalho pelas empresas
diminuiria. Assim, embora mais trabalhadores quisessem trabalhar, aumentando a
quantidade ofertada de trabalho, o número de trabalhadores empregados diminuiria.
b. Suponha que as empresas sejam bem-sucedidas em ter um salário máximo
estabelecido abaixo do salário de equilíbrio. O que acontecerá ao número de
trabalhadores empregados comparado ao equilíbrio original? Explique: Com um
salário abaixo do equilíbrio, a quantidade ofertada de trabalho pelos trabalhadores
diminuiria. Assim, embora as empresas quisessem contratar mais trabalhadores com
salários menores, a quantidade de trabalhadores empregados diminuiria.
c. Que salário maximiza o número de trabalhadores empregados? Por quê?: O salário
de equilíbrio maximiza a quantidade de trabalhadores empregados. São necessários
tanto um comprador quanto um vendedor para uma transação ser realizada. A
qualquer salário diferente do salário de equilíbrio, ou a quantidade ofertada ou a
quantidade demandada diminui, resultando em menos trabalhadores empregados. Às
vezes, os economistas referem- se a esse resultado como “o lado mais curto do
mercado ganha”.

Capítulo 13
Questões de Revisão
2.Qual é a relação entre a receita total, o lucro e o custo total de uma empresa?
Lucro = Receita total  – Custo total

3. Represente graficamente uma função de produção que apresente o produto


marginal decrescente do trabalho. Represente graficamente a curva de custo total a
ela associada. (Nos dois casos, lembre-se de dar nomes aos eixos.) Explique o
formato dessas duas curvas.
Problemas e Aplicações
1. Sua tia está pensando em abrir uma loja de ferragens. Ela estima que lhe custaria
$500 mil por ano alugar um imóvel e comprar o estoque. Além disso, ela teria que
abrir mão de seu emprego de contadora, em que ganha $50 mil por ano.
a. Defina o custo da oportunidade: O custo de oportunidade de algo é aquilo de que
devemos abrir mão para obtê-lo.
b. Qual o custo de oportunidade de sua tia de operar um loja de ferragens por um
ano? Se ela achar que pode vender $510 mil em mercadorias por ano, deve abrir a
loja? Explique: O custo de oportunidade de operar a loja de ferragens é de $ 550 mil;
sendo $ 500 mil para alugar a loja e comprar o estoque e $ 50 mil de custo de
oportunidade, pois sua tia iria abrir mão de seu emprego como contadora para
administrar a loja. Como o custo de oportunidade total de $ 550 mil supera a receita
de $ 510 mil, sua tia não deve abrir a loja, porque seu lucro seria negativo.
Capítulo 14
Problemas e Aplicações
2. Muitos barcos pequenos são feitos de fibra de vidro, um derivado do petróleo.
Suponhamos que o preço do petróleo aumente.
a. Usando diagramas, demonstre o que acontece com as curvas de custos de uma
empresa individual fabricante de barcos e com a curva de oferta do mercado: Como
mostra a Figura 3, a curva de custo marginal inicial de uma empresa típica é CMg1 e
sua curva de custo total médio é CTM1. No equilíbrio inicial, a curva de oferta do
mercado, O1, cruza com a curva de demanda no preço P1, o qual é igual ao mínimo do
custo total médio da empresa típica. Portanto, a empresa individual não tem lucro
econômico. O aumento do preço do petróleo aumenta os custos de produção para as
empresas individuais e, portanto, desloca a curva de oferta de mercado para a
esquerda. Figura 3

b. O que acontece com os lucros dos fabricantes de barcos no curto prazo? O que
acontece com o número de fabricantes de barcos no longo prazo?:   O aumento do
preço do petróleo desloca as curvas de custo da empresa típica até CMg2 e CTM2 e
desloca a curva de oferta do mercado até O2. O preço de equilíbrio aumenta de P1
para P2, mas o preço não aumenta tanto quanto o aumento do custo marginal para a
empresa. Como resultado, o preço é menor que o custo total médio para a empresa,
então os lucros são negativos. No longo prazo, os lucros negativos levam algumas
empresas a saírem do mercado. Com isso, a curva de oferta de mercado se desloca
para a esquerda. Isso continua até que o preço aumente para igualar o ponto mínimo
na curva do custo total médio da empresa típica. O equilíbrio de longo prazo ocorre
com a curva de oferta O3, preço de equilíbrio P3, produção total do mercado Q3 e
produção da empresa q3. Além disso, no longo prazo, os lucros serão zero novamente
e terão menos empresas no mercado.

Capítulo 23
Problemas e Aplicações
3. Como vimos neste capítulo, o PIB não inclui o valor de bens usados que são
revendidos. Por que a inclusão dessas transações faria do PIB uma medida menos
precisa do bem-estar econômico?
Se o PIB incluísse bens que são revendidos, seriam contadas, no PIB, a produção desse
ano mais as vendas de bens produzidos em um ano anterior. Seria uma dupla
contagem de bens, que foram vendidas mais de uma vez, contaríamos os mesmos
bens no PIB por vários anos, se eles fossem produzidas em um ano e revendidos em
outro.

4. Considere uma economia que produz apenas barras de chocolate. No ano 1, a


quantidade produzida é de 3 barras e o preço é $4. No ano 2, a quantidade produzida
é de 4 barras e o preço é $5. No ano 3, a quantidade produzida é de 5 barras e o
preço é de $6. O ano 1 e o ano-base.
a. Qual é o PIB nominal de cada ano?
Calculando o PIB nominal:
Ano 1: (3 barras x $ 4) = $ 12
Ano 2: (4 barras x $ 5) = $ 20
Ano 3: (5 barras x $ 6) = $ 30
b. Qual o PIB real de cada ano?
Calculando o PIB real:
Ano 1: (3 barras x $ 4) = $ 12
Ano 2: (4 barras x $ 4) = $ 16
Ano 3: (5 barras x $ 4) = $ 20
c. Qual é o deflator do PIB de cada ano?
Calculando o deflator do PIB:
Ano 1: $ 12/$ 12 x 100 = 100
Ano 2: $ 20/$ 16 x 100 = 125
Ano 3: $ 30/$ 20 x 100 = 150
d. Qual é a porcentagem da taxa de crescimento do PIB real do ano 1 para o ano 2?
A taxa de crescimento do Ano 2 para o Ano 3 = (16  – 12)/12 x 100% = 33.3%
e. Qual é a taxa de inflação, como medida pelo deflator do PIB, do ano 2 para o ano
3?
A taxa de inflação do Ano 2 para o Ano 3 = (150  – 125)/125 x 100% = 20%.
f. Neste cenário de economia favorável, como você teria respondido às questões (d)
e (e) sem responder primeiramente as questões (b) e (c)?
Para calcular a taxa de crescimento do PIB real, poderíamos simplesmente calcular a
variação percentual na quantidade das barras. Para calcular a taxa de inflação,
podemos medir a variação percentual no preço das barras.

Capítulo 25
Questões de revisão
1.Liste e descreva quatro determinantes da produtividade.
Capital físico:  o estoque de equipamento e estruturas usado para produzir bens e
serviços.
Capital humano: o conhecimento e as habilidades que os trabalhadores adquirem por
meio da educação, treinamento e experiência.
Recursos naturais: os insumos para a produção de bens e serviços que são fornecidos
pela natureza, como terra, rios e depósitos minerais.
Conhecimento tecnológico:  o conhecimento que a sociedade tem das melhores
maneiras de produzir bens e serviços.

2. O que o nível do PIB de uma nação mede? O que a taxa de crescimento do PIB
mede? Você preferiria viver em uma nação com o nível do PIB elevado e baixa taxa
de crescimento ou com baixo nível do PIB e elevada taxa de crescimento?
O nível do PIB de uma nação mede qual é o poder aquisitivo do cidadão médio daquele
país. A taxa de crescimento do PIB mede a velocidade com que o PIB real cresceu em
um ano típico. Eu preferiria viver em uma nação com o nível do PIB elevado e baixa
taxa de crescimento.

3. Explique como uma maior poupança leva a um padrão de vida mais elevado. O
que poderia impedir um formulador de políticas públicas de tentar elevar a taxa de
poupança?
Com uma maior poupança, tem se um aumento no investimento e assim, um aumento
na produtividade.

Capítulo 26
Questões de Revisão
4. O que é poupança nacional? O que é poupança privada? O que é poupança
pública? Como essas três variáveis se relacionam?
Poupança nacional (poupança):  é o que resta da renda total da economia após o
pagamento das despesas de consumo e das compras do governo.
Poupança privada: é a renda que fica com as famílias após o pagamento de impostos e
de suas despesas de consumo.
Poupança pública: a receita tributária que fica com o governo após o pagamento de
suas despesas.
O sistema financeiro é o mecanismo que está por trás dessa identidade S = I e quem
coordena as pessoas que estão decidindo quanto poupar e as que estão decidindo
quanto investir. Isso ocorre através do mercado de títulos, o mercado de ações, os
bancos, os fundos mútuos e os demais mercados e intermediários financeiros se
colocam entre os dois lados da equação S = I. Eles apropriam da poupança nacional e a
direcionam ao investimento nacional.

5. O que é um déficit orçamentário do governo? Como ele afeta as taxas de juros, o


investimento e o crescimento econômico?
Déficit orçamentário: ocorre quando o governo gasta mais do que arrecada em
impostos. Quando o governo gasta mais do que arrecada em receita tributária, o
déficit orçamentário resultante reduz a poupança nacional. A oferta de fundos para
empréstimos diminui e a taxa de juros de equilíbrio aumenta. Assim, quando o
governo toma empréstimos para financiar seu déficit 4 orçamentário, desloca as
famílias e empresas que, em outras condições, desejariam levantar empréstimos para
financiar investimentos.

Problemas e Aplicações
1. Muitos trabalhadores têm grandes quantidades de ações emitidas pelas empresas
em que trabalham. Na sua opinião, por que as empresas encorajam esse
comportamento? Por que uma pessoa poderia não querer ter ações de empresa em
que trabalha?
As empresas incentivam seus funcionários a terem ações da empresa porque isto dá
aos empregados o incentivo para se preocuparem com os lucros da empresa, e não
apenas com os seus próprios salários. Assim, se os funcionários constatam
desperdícios ou notam áreas em que a empresa pode melhorar, eles vão realizar ações
que melhorem a empresa, porque sabem que o valor de suas ações subirá como
resultado. Também dá aos funcionários um incentivo adicional para se empenharem
mais no trabalho, sabendo que, se a empresa vai bem, eles vão lucrar.
Mas, do ponto de vista de um funcionário, possuir ações da empresa para a qual
trabalha pode ser arriscado. Os vencimentos ou o salário do empregado já estão
ligados à performance da empresa. Se a empresa tem problemas, o funcionário pode
ser demitido ou ter seu salário reduzido. Se o funcionário possui ações na empresa,
então é um golpe duplo  –  o trabalhador está desempregado, ou recebe um salário
mais baixo, e o valor das ações também cai. Assim, possuir ações de sua própria
empresa é uma situação muito arriscada. Para a maioria dos funcionários seria melhor
diversificar  –  possuir ações ou títulos de outras companhias  –  assim sua sorte não
dependeria tanto da empresa para a qual trabalham.