Você está na página 1de 36

UNIPAM - CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS

FACULDADE DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS AGRÁRIAS

SINALIZAÇÃO VIÁRIA
- INTRODUÇÃO

Patos de Minas
Outubro / 2010
I. CONCEITO / DEFINIÇÃO

SINALIZAÇÃO “é o conjunto de sinais de trânsito e dispositivos de


segurança colocados na via pública com o objetivo de garantir a sua
utilização adequada, possibilitando melhor fluidez no trânsito e maior
segurança dos veículos e pedestres que nela circulam.” (Anexo I do
CTB/1997)

SINAIS DE TRÂNSITO “são elementos de sinalização viária que se utilizam


de placas, marcas viárias, equipamentos de controle luminosos,
dispositivos auxiliares, apitos e gestos, destinados exclusivamente a
ordenar ou dirigir o trânsito dos veículos e pedestres.” (Anexo I do
CTB/1997)

SINALIZAÇÃO = SINAIS DE TRÂNSITO + DISPOSITIVOS DE


SEGURANÇA
SINAIS DE TRÂNSITO = PLACAS + MARCAS + SINAIS LUMINOSOS

+ DISPOSITIVOS AUXILIARES

+ APITOS E GESTOS DA AUTORIDADE DE TRÂNSITO


26/10/2010 2
I. CONCEITO / DEFINIÇÃO (cont.)

DISPOSITIVOS AUXILIARES: materiais de composições, formas, cores e


refletividade diversos, aplicados em obstáculos, no pavimento da via
ou adjacente à mesma.” (Anexo II do CTB/1997)

Res.160/04: “São elementos aplicados ao pavimento da via, junto à


ela ou nos obstáculos próximos, de forma a tornar eficiente e segura a
operação da via, sendo constituídos de materiais, formas e cores
diversos, dotados ou não de refletividade.”

DISPOSITIVO DE SEGURANÇA: “qualquer elemento que tenha a função


específica de proporcionar maior segurança ao usuário da via,
alertando-o sobre situações de perigo que possam colocar em risco
sua integridade física e dos demais usuários da via, ou danificar
seriamente o veículo.” (Anexo I do CTB/1997)

... inclui dispositivos de proteção, entre outros ...


26/10/2010 3
I. CONCEITO / DEFINIÇÃO (cont.)

SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA: “é um sub-sistema da sinalização que se


compõe de luzes acionadas, alternada ou intermitentemente, através
de sistema elétrico/eletrônico, cuja função é controlar deslocamentos
de veículos e/ou pedestres.” (Anexo II do CTB/1997)

SEMÁFORO: “sinalização luminosa destinada a controlar os


deslocamentos de veículos e/ou de pedestres, numa intersecção ou
seção de pista, composta por luzes acionadas alternadas ou
intermitente.”

SINALIZAÇÃO LUMINOSA: categoria mais ampla ainda não definida ...


(“dispositivos luminosos: que se utilizam de recursos luminosos para
proporcionar melhores condições de visualização da sinalização, ou
que, conjugados a elementos eletrônicos, permitem a variação da
sinalização ou de mensagens” !!!)

... painéis de mensagem variável podem exibir sinalização de trânsito ...


podem ser considerados variação de forma, com requisitos específicos

26/10/2010 4
I.1. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA

Classificação do CTB/1997 (Art.87):

 Verticais
 Horizontais
 Dispositivos de Sinalização Auxiliar
 Luminosos
 Sonoros
 Gestos do Agente de Trânsito e do Condutor

Prevalência no CTB/1997 (Art.89):

 As ordens do Agente de Trânsito sobre as normas gerais de


circulação e outros sinais;
 As indicações do semáforo sobre os demais sinais e normas;
 As indicações dos sinais sobre as demais normas gerais de trânsito;

26/10/2010 5
I.3. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA (cont.)

 Tipos de Sinalização de Trânsito

Sinalização Vertical (Placas): de Regulamentação


de Advertência
de Indicação

Sinalização Horizontal (Marcas): Longitudinais


Transversais
Símbolos e Inscrições

Sinalização Luminosa (Semáforos): de Regulamentação


(Painéis) de Advertência
(de Indicação ...)

Sinalização Temporária/de Obras: V,H,L

26/10/2010 6
I.1. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA (cont.)

 Tipos de Dispositivos Auxiliares de Sinalização

 Dispositivos Delimitadores:
Balizadores ....................................................................................... V
Delineadores ..................................................................................... H
 Dispositivos de Canalização; ..................................................... H
 Dispositivos de Sinalização de Alerta; ...................................... V
 Alterações nas Características do Pavimento; ........................ H
 Dispositivos Luminosos; ........................................................... L
 Dispositivos de Uso Temporário. ....................................... V,H,L

... Anexo II do CTB/1997 também inclui dispositivos de proteção contínua

26/10/2010 7
I.3. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA (cont.)

 Manuais de Sinalização de Trânsito Oficiais (adotados pelo CONTRAN)

Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito:


vol.1-Sinalização Vertical de Regulamentação
vol.2-Sinalização Vertical de Advertência
vol.3-Sinalização Vertical de Indicação
vol.4-Sinalização Horizontal
vol.5-Sinalização Semafórica
vol.6-Sinalização de Obras e Dispositivos Auxiliares

Manual de Sinalização de Trânsito:


Parte I-Sinalização Vertical
Parte II-Marcas Viárias
Parte III-Dispositivos Auxiliares à Sinalização
(versão anterior, referente ao CNT/1966, vige no que não contrariar
o CTB/1997 e enquanto não forem revogados pela atualização ...)

26/10/2010 8
I.3. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA (cont.)

 Normas de Acessibilidade da ABNT: NBR 9050/2004


Condições Gerais de Circulação:

 Pisos devem ter superfície regular, firme, estável e antiderrapante, que não
provoque trepidação em dispositivos com rodas;

 Inclinação transversal até 2% (interna) ou 3% (externa); inclinação


longitudinal até 5%; se mais de 5%, tratar como rampa;

 Piso tátil de alerta deve ser usado em situações que envolvem risco;

 Piso tátil direcional deve ser usado na ausência ou descontinuidade de linha


guia identificável (elemento natural ou edificado que possa ser usado como guia
de balizamento por pessoa com deficiência visual);

 Desníveis devem ser evitados; até 5mm não demandam tratamento especial;
de 5a15mm devem ter forma em rampa até 1:2 (50%); se maiores que 15mm,
devem ser tratados como degraus;

 Grelhas e juntas de dilatação devem ficar fora da circulação principal; se


transversais, devem ter dimensão máxima de 15mm, em rotas acessíveis

26/10/2010 9
I.3. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA (cont.)

 Tampas de caixas de inspeção e de visita devem ser absolutamente


niveladas; eventual fresta deve ter dimensão máxima de 15mm; devem ter
superfície regular, firme, estável e antiderrapante; eventual textura não pode
ser igual à sinalização de piso tátil de alerta ou direcional;

 Capachos: embutidos e nivelados; eventual desnível até 5mm; carpetes:


borda firmemente fixada; tapetes: devem ser evitados ...

 Normas de Acessibilidade da ABNT: NBR 9050/2004

26/10/2010 10
I.3. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA (cont.)

26/10/2010 11
I.3. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA (cont.)

26/10/2010 12
I.3. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA (cont.)

26/10/2010 13
I.3. CLASSIFICAÇÃO E PREVALÊNCIA (cont.)

26/10/2010 14
I.4. FUNÇÕES DA SINALIZAÇÃO
a sinalização deve conquistar atenção/respeito do usuário
Respeito (conspicuidade: propriedade de distinguir-se no cenário)

Clareza a mensagem deve ser de fácil identificação, sem


ambigüidades;

Rapidez o significado da mensagem não deve demandar muito


tempo para ser percebido;
a transmissão da mensagem deve se fazer durante todo
Constância
período de validade (dia, noite).

Uniformidade: meio de atingir clareza e rapidez no entendimento

Legalidade: conformidade com o CTB, seus anexos, resoluções e


portarias do CONTRAN, normas e recomendações
técnicas existentes

Economia: custos de implantação e manutenção

26/10/2010 15
I.4. FUNÇÕES DA SINALIZAÇÃO (cont.)
Uniformidade / Padronização da sinalização (J.Cucci)
- Exemplos de placas de outros países (adaptado)
I.4. FUNÇÕES DA SINALIZAÇÃO (cont.)

26/10/2010 TTC - Sinalização de Áreas Escolares, DENATRAN, 2000 17


I.4. FUNÇÕES DA SINALIZAÇÃO (cont.)

 Princípios de Sinalização
Comuns: aplicam-se a todo tipo de sinalização, em qualquer circunstância
- Qualquer condição distinta da expectativa do usuário da via deve ser
sinalizada (alteração da norma, alteração da condição, ...)
- Os trechos de transição são críticos, devem ocorrer em pequeno número
e espaçados, devem ser progressivos ...
(a pré-sinalização auxilia a transição ...)
- Deve-se manter a comunicação com o usuário ao longo de todo o trecho
(pré-sinalizar ..., sinalizar a transição ..., sinalizar o percurso ..., sinalizar a
transição final ... e sinalizar a normalização ...)
- Deve-se manter um entorno seguro, tolerante a falhas do usuário da via

 Sinalização Permanente X Temporária


- Sin.Temporária: mesmos requisitos, materiais móveis e menos duráveis
(condições mais restritivas devem determinar a redução da velocidade
local ou a utilização de dispositivos especiais de proteção ...)

26/10/2010 18
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA

 PROJETO
Definição dos dispositivos a serem utilizados.

 IMPLANTAÇÃO
Execução dos padrões definidos em projeto e ajustes.

 OPERAÇÃO
Avaliação da efetividade da sinalização na operação de tráfego.

 MANUTENÇÃO
Limpeza, substituição e reposição de dispositivos.

26/10/2010 19
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

 PROJETO: Ativividades envolvidas (baseado em Brito&Santos, 1999)

– CONCEPÇÃO
elaboração do projeto funcional ...

– DETALHAMENTO
elaboração do projeto executivo ...

– IMPLANTAÇÃO/PRÉ-VISTORIA
acompanhamento da execução da obra/serviço ...

– ENTRADA EM OPERAÇÃO/VISTORIA
acompanhamento operação da obra/serviço ...

– MONITORAÇÃO/AVALIAÇÃO
monitoração e avaliação do projeto ...

– OPERAÇÃO/MANUTENÇÃO NORMAL
26/10/2010 20
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

PADRÕES DE REPRESENTAÇÃO DO PROJETO:

Componentes usuais:

- alinhamento das vias projeto


geométrico

- sentidos de circulação plano de


circulação

26/10/2010 21
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

PADRÕES DE REPRESENTAÇÃO DO PROJETO:

Componentes usuais: projeto de sinalização ...

- sinalização horizontal

descrição ou detalhe:

15 AM
10
15 AM

- sinalização vertical ...

para evitar ambiguidade:


- placa (ou código)
sempre na posição real;
- linha de chamada
sempre perpendicular à
placa (ou código);

26/10/2010 22
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

PADRÕES DE REPRESENTAÇÃO DO PROJETO:

Componentes usuais: projeto de sinalização ...


- sinalização semafórica

- dispositivos auxiliares ...

26/10/2010 23
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

PADRÕES DE REPRESENTAÇÃO DO PROJETO:

Componentes usuais: projeto de sinalização ...


- quadros de serviços e materiais ...
tipo de placa (código) colocar retirar remanejar quantidade (m2)
R24a 50cm 02 01 01 material cor colocar retirar
A33a 50cm - 03 01 termoplástico Am X 45,0 -
extrudado Br X 24,0 8,0
tipo de elemento colocar retirar remanejar tinta à frio Am X 36,0 -
GF 300x200x200 01 - - Br - -
GF 200x200 - - 02
coluna simples 02 01 -

- diagramação das placas (de orientação: POT) ...

cada placa de orientação é


singular e tem de ser diagramada,
com especificações precisas para
fabricação (material, tinta, mas
também a disposição das letras e
símbolos, os espaçamentos, as
orlas, os afastamentos, etc ...)

26/10/2010 24
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

 Exemplo de projeto (CET, 1992)

26/10/2010 25
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

26/10/2010 26
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

 Representação gráfica da Sinalização Vertical


(adaptado da aula do Prof.J.Cucci)
Traçado do alinhamento viário existente: preferencialmente em traço-ponto
ou traço fino (para não confundir com a sinalização horizontal).

Sentidos de circulação: circulação existente (símbolo vazado)


circulação proposta (símbolo preenchido)

26/10/2010 27
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

 Representação gráfica da Sinalização Vertical


(adaptado da aula do Prof.J.Cucci)
Representação das placas: tipo de placa, suporte, linha de chamada

desenho ou código da placa (R-24a)

linha de chamada
placa em coluna simples
(ortogonal à placa) placa em coluna dupla
suporte
placa em coluna tripla
placa em pórtico
placa em semi-pórtico

sentido
do tráfego representação da placa em planta

26/10/2010 28
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

 Representação gráfica da Sinalização Vertical


(adaptado da aula do Prof.J.Cucci)
Representação das placas: sempre voltada para o sentido do tráfego ao
qual se deseja sinalizar

para evitar ambiguidade:


km/h
30

- placa (ou código)


sempre na posição real;
- linha de chamada
sempre perpendicular à
placa (ou código);

26/10/2010 29
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

 Representação gráfica da Sinalização Vertical


(adaptado da aula do Prof.J.Cucci)
Providências (serviços): colocar (col);
retirar (ret);
Sempre escrita na mesma posição de leitura da placa remanejar (rem);
existente (ex);
lavar (lav)...
ret
km/h
ex 30

26/10/2010 30
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

 Resumo de projeto (adaptado da aula do Prof.J.Cucci)


Materiais
Tabela (ou Quadro) Resumo de Quantidades
Serviços

TIPO (código) COLOCAR RETIRAR REMANEJAR


(un) (m2) (un) (un)
R-1 01 - - -

R-24a 05 - 02 01

A-33 - - 03 02
C-1 01 4,8 - -

O quadro resumo pode também conter as quantidades de suportes

26/10/2010 31
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

 Representação gráfica da Sinalização Horizontal (J.Cucci)

- Existente

- A retirar

- Proposta

- Identificação de cor, tipo (largura, separação, traço, ...), extensão, ...


exemplo: AM, LSO-dupla contínua
(significa: linha de separação de fluxos opostos, amarela, dupla e contínua)
(0,15/0,10/0,15 m), 20,0 m
(significa: largura 15 cm, cada linha, separação 10 cm, extensão 20 metros)
alternativa: usar detalhes de projeto
15 AM
10
15 AM
26/10/2010 32
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

 Exemplo de quadro-resumo de quantidades de um projeto (J.Cucci)

Providência (m2)
Material Cor
Col Ret tinta a
retirar
Termoplástico Am X 360,0 45,0
Extrudado
Br X 24,0 8,0
tinta a
Hot Spray Am aplicar
Br X 234,5
tinta
Película Am
amarela
Br X 12,0

tinta Tinta a frio Am X 36,0


branca
Br

indica que a cor está


presente no projeto 33
26/10/2010
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

Representação gráfica para projeto

 Grupo focal existente (Ex):


 Grupo focal proposto (Col):
 Grupo focal a retirar (Ret):
 Grupo focal de pedestres:
 Grupo focal de pedestres c/botoeira:

Col

Rua 2

Ex
Ret
26/10/2010 34
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

Representação gráfica para projeto


Quadro resumo do projeto:

Material Col Ret Rem


Grupo Focal Veicular 04 - -

Grupo Focal Pedestre 04 - -

Coluna com Braço Projetado 02 01 -

Coluna Simples 04 - -

Controlador (Marca/Tipo) “n” grupos 01 - -

Anteparos 02 - -

Botoeiras - - -

Grupo focal amarelo piscante - 01 -

26/10/2010 35
I.5. ATIVIDADES RELATIVAS À SINALIZAÇÃO VIÁRIA (cont.)

 Complementos de projeto (adaptado da aula do Prof.J.Cucci)


Amarração: informações precisas para localização do ponto a receber a
sinalização. Exemplos de referências – postes de iluminação, guias
rebaixadas, alinhamento de vias, bocas de lobo, divisas de imóveis etc ...
Exemplos de amarração:
Imóvel N. 41

E ex
Imóvel N. 45

6,0 15,0

N. 56

E ret
col
E

26/10/2010 36