Você está na página 1de 67

4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Funções de Várias Variáveis

Professor: Solange Regina Cromianski

Universidade Federal do Amapá - UNIFAP


email: solange.cromianski@unifap.br

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 1 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


A maioria das relações que ocorrem na fı́sica, economia, engenharia e, de
modo geral, na natureza é traduzido por funções de duas, três ou mais
variáveis reais; daı́ a conveniência de um estudo detalhado de tais
funções.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 2 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


A maioria das relações que ocorrem na fı́sica, economia, engenharia e, de
modo geral, na natureza é traduzido por funções de duas, três ou mais
variáveis reais; daı́ a conveniência de um estudo detalhado de tais
funções.

Notação e Terminologia Há muitas fórmulas familiares em que uma


variável dada depende de outras duas ou mais variáveis.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 2 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


A maioria das relações que ocorrem na fı́sica, economia, engenharia e, de
modo geral, na natureza é traduzido por funções de duas, três ou mais
variáveis reais; daı́ a conveniência de um estudo detalhado de tais
funções.

Notação e Terminologia Há muitas fórmulas familiares em que uma


variável dada depende de outras duas ou mais variáveis.

Exemplos:
1) Área A de um triângulo: Depende do comprimento da base b e
da altura h, A = 13 bh;

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 2 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


A maioria das relações que ocorrem na fı́sica, economia, engenharia e, de
modo geral, na natureza é traduzido por funções de duas, três ou mais
variáveis reais; daı́ a conveniência de um estudo detalhado de tais
funções.

Notação e Terminologia Há muitas fórmulas familiares em que uma


variável dada depende de outras duas ou mais variáveis.

Exemplos:
1) Área A de um triângulo: Depende do comprimento da base b e
da altura h, A = 13 bh;
2) Volume V de uma caixa retangular: Depende do comprimento
l, da largura w e da altura h, V = lwh;

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 2 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


A maioria das relações que ocorrem na fı́sica, economia, engenharia e, de
modo geral, na natureza é traduzido por funções de duas, três ou mais
variáveis reais; daı́ a conveniência de um estudo detalhado de tais
funções.

Notação e Terminologia Há muitas fórmulas familiares em que uma


variável dada depende de outras duas ou mais variáveis.

Exemplos:
1) Área A de um triângulo: Depende do comprimento da base b e
da altura h, A = 13 bh;
2) Volume V de uma caixa retangular: Depende do comprimento
l, da largura w e da altura h, V = lwh;
3) Média aritmética x de n números reais x1 , x2 , ..., xn : Depende
desses números, x = n1 (x1 + x2 + ... + xn );

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 2 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplos:
1) Área A de um triângulo: Depende do comprimento da base b e
da altura h, A = 13 bh;
2) Volume V de uma caixa retangular: Depende do comprimento
l, da largura w e da altura h, V = lwh;
3) Média aritmética x de n números reais x1 , x2 , ..., xn : Depende
desses números, x = n1 (x1 + x2 + ... + xn );

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 3 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplos:
1) Área A de um triângulo: Depende do comprimento da base b e
da altura h, A = 13 bh;
2) Volume V de uma caixa retangular: Depende do comprimento
l, da largura w e da altura h, V = lwh;
3) Média aritmética x de n números reais x1 , x2 , ..., xn : Depende
desses números, x = n1 (x1 + x2 + ... + xn );

Assim, dizemos que


1) A é uma função das duas variáveis b e h;

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 3 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplos:
1) Área A de um triângulo: Depende do comprimento da base b e
da altura h, A = 13 bh;
2) Volume V de uma caixa retangular: Depende do comprimento
l, da largura w e da altura h, V = lwh;
3) Média aritmética x de n números reais x1 , x2 , ..., xn : Depende
desses números, x = n1 (x1 + x2 + ... + xn );

Assim, dizemos que


1) A é uma função das duas variáveis b e h;
2) V é uma função das três variáveis l, w e h;

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 3 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplos:
1) Área A de um triângulo: Depende do comprimento da base b e
da altura h, A = 13 bh;
2) Volume V de uma caixa retangular: Depende do comprimento
l, da largura w e da altura h, V = lwh;
3) Média aritmética x de n números reais x1 , x2 , ..., xn : Depende
desses números, x = n1 (x1 + x2 + ... + xn );

Assim, dizemos que


1) A é uma função das duas variáveis b e h;
2) V é uma função das três variáveis l, w e h;
3) x é uma função das n variáveis x1 , x2 , ..., xn ;

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 3 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


A terminologia e a notação para funções de duas ou mais variáveis são
análogas àquelas para funções de uma variável.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 4 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


A terminologia e a notação para funções de duas ou mais variáveis são
análogas àquelas para funções de uma variável.
Por exemplo
A expressão
z = f (x, y)
significa que z é uma função de x e de y no sentido de que um único
valor da variável dependente z é determinado especificando valores para
as variáveis independentes x e y.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 4 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


A terminologia e a notação para funções de duas ou mais variáveis são
análogas àquelas para funções de uma variável.
Por exemplo
A expressão
z = f (x, y)
significa que z é uma função de x e de y no sentido de que um único
valor da variável dependente z é determinado especificando valores para
as variáveis independentes x e y.
A expressão
w = f (x, y, z)
expressa w em função de x, y e z.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 4 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


A terminologia e a notação para funções de duas ou mais variáveis são
análogas àquelas para funções de uma variável.
Por exemplo
A expressão
z = f (x, y)
significa que z é uma função de x e de y no sentido de que um único
valor da variável dependente z é determinado especificando valores para
as variáveis independentes x e y.
A expressão
w = f (x, y, z)
expressa w em função de x, y e z.
A expressão
u = f (x1 , x2 , ..., xn )
expressa u em função de x1 , x2 , ..., xn .
Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 4 / 38
4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Definição: Funções de duas variáveis reais a valores reais. É


uma função f : A → R, onde A é um subconjunto de R2 . Uma tal função
associa, a cada par (x, y) ∈ A, um único número f (x, y) ∈ R.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 5 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Definição: Funções de duas variáveis reais a valores reais. É


uma função f : A → R, onde A é um subconjunto de R2 . Uma tal função
associa, a cada par (x, y) ∈ A, um único número f (x, y) ∈ R.

O conjunto A é o domı́nio de f e será indicado por Df .


O conjunto
Imf = {f (x, y) ∈ R|(x, y) ∈ Df }
é a imagem de f .
As palavras aplicação e transformação são sinônimas de função.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 5 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


A função f transforma o par (x, y) no número f (x, y).

Geometricamente podemos ver (x, y) como um ponto do plano xy e


pensar em f como uma regra que associa um único valor numérico
z = f (x, y) ao ponto (x, y).

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 6 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplo 1: Seja f a função de duas variáveis a valores reais dada por


x+y
f (x, y) =
x−y
Determine o domı́nio de f .

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 7 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplo 1: Seja f a função de duas variáveis a valores reais dada por


x+y
f (x, y) =
x−y
Determine o domı́nio de f .
Solução: O domı́nio de f é o conjunto de todos os pares (x, y) de
números reais, com x 6= y, isto é: Df = {(x, y) ∈ R2 |x 6= y}. Esta função
transforma o par (x, y) no número real
x+y
x−y

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 7 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplo 2: Seja f a função dada no exemplo anterior


x+y
f (x, y) =
x−y
Calcule.
a) f (2, 3) b) f (a + b, a − b)

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 8 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplo 2: Seja f a função dada no exemplo anterior


x+y
f (x, y) =
x−y
Calcule.
a) f (2, 3) b) f (a + b, a − b)

Solução:
2+3
a) f (2, 3) = = −5
2−3
a+b+a−b a
b) f (a + b, a − b) = =
a + b − (a + b) b

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 8 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplo 3: Seja f dada por



f (x, y) = 3x2 y − 1

Calcule.
a) f (1, 4) b)f (t2 , t) c) domı́nio de f

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 9 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplo 3: Seja f dada por



f (x, y) = 3x2 y − 1

Calcule.
a) f (1, 4) b)f (t2 , t) c) domı́nio de f

Solução:

a) f (1, 4) = 3(1)2 4 − 1 = 3.2 − 1 = 6 − 1 = 5
√ √
b) f (t2 , t) = 3(t2 )2 t − 1 = 3t4 t − 1
c) O domı́nio de f é o conjunto de todos os pares (x, y) de números reais,
com y ≥ 0, isto é: Df = {(x, y) ∈ R2 |y ≥ 0}.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 9 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


Outra forma de visualizar o comportamento de uma função de duas
variáveis é considerar seu gráfico.
Exemplo 4: Represente graficamente o domı́nio da função f dada por
√ p
f (x, y) = y − x + 1 − y

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 10 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis


Outra forma de visualizar o comportamento de uma função de duas
variáveis é considerar seu gráfico.
Exemplo 4: Represente graficamente o domı́nio da função f dada por
√ p
f (x, y) = y − x + 1 − y

Solução: O domı́nio da f é o conjunto de todos os pares (x, y), com


y − x ≥ 0 e 1 − y ≥ 0, ou seja: Df = {(x, y) ∈ R2 |y ≥ x e y ≤ 1}.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 10 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplo 5: Represente graficamente o domı́nio da função z = f (x, y)


dada por p
z = y − x2

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 11 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.1) Funções de duas ou mais variáveis

Exemplo 5: Represente graficamente o domı́nio da função z = f (x, y)


dada por p
z = y − x2

Solução: O domı́nio da f é o conjunto de todos os pares (x, y), com


y − x2 ≥ 0 ⇔ y ≥ x2 , ou seja: Df = {(x, y) ∈ R2 |y ≥ x2 }.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 11 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

1 4.1) Funções de duas ou mais variáveis

2 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis

3 4.3) Curvas de Nı́vel

4 4.4) Funções de Três Variáveis Reais

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 12 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis


Definição: Se f for uma função de duas variáveis, definimos o gráfico de
f (x, y) no espaço xyz como sendo o gráfico da equação z = f (x, y). Em
geral, tal gráfico será uma superfı́cie tridimensional.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 13 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis


Definição: Se f for uma função de duas variáveis, definimos o gráfico de
f (x, y) no espaço xyz como sendo o gráfico da equação z = f (x, y). Em
geral, tal gráfico será uma superfı́cie tridimensional.

Gráfico: Seja z = f (x, y), com (x, y) ∈ A, uma função real de duas
variáveis reais. O conjunto
Gf = {(x, y, z) ∈ R3 |z = f (x, y), (x, y) ∈ A}
denomina-se gráfico de f .

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 13 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis


Definição: Se f for uma função de duas variáveis, definimos o gráfico de
f (x, y) no espaço xyz como sendo o gráfico da equação z = f (x, y). Em
geral, tal gráfico será uma superfı́cie tridimensional.

Gráfico: Seja z = f (x, y), com (x, y) ∈ A, uma função real de duas
variáveis reais. O conjunto
Gf = {(x, y, z) ∈ R3 |z = f (x, y), (x, y) ∈ A}
denomina-se gráfico de f .

O gráfico de f pode ser pensado como o lugar geométrico descrito pelo


ponto (x, y, f (x, y)), quando (x, y) percorre o domı́nio de f .

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 13 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis

Exemplo 1: Em cada parte, descreva o gráfico da função num sistema


de coordenadas xyz.
p
a) f (x, y) = 1 − x − 21 y b)f (x, y) = 1 − x2 − y 2
p
c) f (x, y) = − x2 + y 2

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 14 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis

Exemplo 1: Em cada parte, descreva o gráfico da função num sistema


de coordenadas xyz.
p
a) f (x, y) = 1 − x − 21 y b)f (x, y) = 1 − x2 − y 2
p
c) f (x, y) = − x2 + y 2

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 14 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis


Solução:
a) Por definição, o gráfico da função dada é o gráfico da equação
1
z =1−x− y
2
que representa um plano. Uma parte triangular do plano pode ser
esboçada plotando as interseções com os eixos coordenados e unindo-os
com segmentos de reta.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 15 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis


Solução:
b) Por definição, o gráfico da função dada é o gráfico da equação
p
z = 1 − x2 − y 2
dai temos que z ≥ 0. Elevando ambos os lados ao quadrado temos
x2 + y 2 + z 2 = 1
que representa uma esfera de raio 1 e centrada na origem. Como z ≥ 0, o
gráfico é somente a semi-esfera superior.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 16 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis


Solução:
c) Por definição, o gráfico da função dada é o gráfico da equação
p
z = − x2 + y 2
dai temos que z ≤ 0. Elevando ambos os lados ao quadrado temos
x2 + y 2 = z 2
que representa a equação de um cone circular. Como z ≤ 0, o gráfico é a
folha inferior do cone.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 17 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

1 4.1) Funções de duas ou mais variáveis

2 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis

3 4.3) Curvas de Nı́vel

4 4.4) Funções de Três Variáveis Reais

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 18 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.3) Curvas de Nı́vel


Curvas de Nı́vel: Sejam z = f (x, y) uma função e c ∈ Imf . O
conjunto de todos os pontos (x, y) de Df tais que f (x, y) = c
denomina-se curva de nı́vel de f correspondente ao nı́vel z = c. Assim, f
é constante a cada curva de nı́vel.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 19 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.3) Curvas de Nı́vel


Curvas de Nı́vel: Sejam z = f (x, y) uma função e c ∈ Imf . O
conjunto de todos os pontos (x, y) de Df tais que f (x, y) = c
denomina-se curva de nı́vel de f correspondente ao nı́vel z = c. Assim, f
é constante a cada curva de nı́vel.

A projeção da interseção f (x, y) = c sobre o plano xy é a curva de nı́vel.


Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 19 / 38
4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.3) Curvas de Nı́vel


Exemplo 1: Desenhe as curvas de nı́vel de
f (x, y) = x2 + y 2

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 20 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.3) Curvas de Nı́vel


Exemplo 1: Desenhe as curvas de nı́vel de
f (x, y) = x2 + y 2

Solução: Observamos, inicialmente, que a imagem de f é o conjunto de


todos os reais z ≥ 0. Seja, então, c ≥ 0. A curva de nı́vel correspondente
a z = c é
f (x, y) = c ou x2 + y 2 = c.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 20 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.3) Curvas de Nı́vel


Exemplo 1: Desenhe as curvas de nı́vel de
f (x, y) = x2 + y 2

Solução: Observamos, inicialmente, que a imagem de f é o conjunto de


todos os reais z ≥ 0. Seja, então, c ≥ 0. A curva de nı́vel correspondente
a z = c é
f (x, y) = c ou x2 + y 2 = c.

Assim, as curvas de nı́vel (c > 0) são circunferências concêntricas de


centro na origem. Sobre cada curva de nı́vel x2 + y 2 = c a função assume
sempre o mesmo valor c. A curva de nı́vel em c = 0 é o ponto (0, 0).

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 20 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.3) Curvas de Nı́vel


1
Exemplo 2: Seja f a função dada por z = . Determine o
x2 + y 2
domı́nio e a imagem e desenhe as curvas de nı́vel.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 21 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.3) Curvas de Nı́vel


1
Exemplo 2: Seja f a função dada por z = . Determine o
x2 + y 2
domı́nio e a imagem e desenhe as curvas de nı́vel.
Solução: Df = {(x, y) ∈ R2 |(x, y) 6= (0, 0)} e Imf = {z ∈ R|z > 0}

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 21 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.3) Curvas de Nı́vel


1
Exemplo 2: Seja f a função dada por z = . Determine o
x2 + y 2
domı́nio e a imagem e desenhe as curvas de nı́vel.
Solução: Df = {(x, y) ∈ R2 |(x, y) 6= (0, 0)} e Imf = {z ∈ R|z > 0}
A curva de nı́vel correspondente a z = c (c > 0) é
1 1
= c ou x2 + y 2 =
x2 + y 2 c

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 21 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.3) Curvas de Nı́vel


1
Exemplo 2: Seja f a função dada por z = . Determine o
x2 + y 2
domı́nio e a imagem e desenhe as curvas de nı́vel.
Solução: Df = {(x, y) ∈ R2 |(x, y) 6= (0, 0)} e Imf = {z ∈ R|z > 0}
A curva de nı́vel correspondente a z = c (c > 0) é
1 1
= c ou x2 + y 2 =
x2 + y 2 c

As curvas de nı́vel são circunferências concêntricas de centro na origem.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 21 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.3) Curvas de Nı́vel


1
Exemplo 2: Seja f a função dada por z = . Determine o
x2 + y 2
domı́nio e a imagem e desenhe as curvas de nı́vel.
Solução: Df = {(x, y) ∈ R2 |(x, y) 6= (0, 0)} e Imf = {z ∈ R|z > 0}
A curva de nı́vel correspondente a z = c (c > 0) é
1 1
= c ou x2 + y 2 =
x2 + y 2 c

As curvas de nı́vel são circunferências concêntricas de centro na origem.


Quando c → +∞, o raio tende a 0. Quando c → 0, o raio tende a +∞.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 21 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.3) Curvas de Nı́vel


1
Exemplo 2: Seja f a função dada por z = . Determine o
x2 + y 2
domı́nio e a imagem e desenhe as curvas de nı́vel.
Solução: Df = {(x, y) ∈ R2 |(x, y) 6= (0, 0)} e Imf = {z ∈ R|z > 0}
A curva de nı́vel correspondente a z = c (c > 0) é
1 1
= c ou x2 + y 2 =
x2 + y 2 c

As curvas de nı́vel são circunferências concêntricas de centro na origem.


Quando c → +∞, o raio tende a 0. Quando c → 0, o raio tende a +∞.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 21 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

1 4.1) Funções de duas ou mais variáveis

2 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis

3 4.3) Curvas de Nı́vel

4 4.4) Funções de Três Variáveis Reais

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 22 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.4) Funções de três variáveis reais a valores reais:


Superfı́cies de Nı́vel

Uma função de três variáveis reais a valores reais, definida em A ⊂ R3 , é


uma função que associa, a cada terna ordenada (x, y, z) ∈ A, um único
número real w = f (x, y, z). O gráfico de tal função é o conjunto

Gf = {(x, y, z, w) ∈ R4 |w = f (x, y, z), (x, y, z) ∈ A}

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 23 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.4) Funções de três variáveis reais a valores reais:


Superfı́cies de Nı́vel

Uma função de três variáveis reais a valores reais, definida em A ⊂ R3 , é


uma função que associa, a cada terna ordenada (x, y, z) ∈ A, um único
número real w = f (x, y, z). O gráfico de tal função é o conjunto

Gf = {(x, y, z, w) ∈ R4 |w = f (x, y, z), (x, y, z) ∈ A}

O gráfico de f é então um subconjunto do R4 , não nos sendo possı́vel,


portanto, representá-lo geometricamente.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 23 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.4) Funções de três variáveis reais a valores reais:


Superfı́cies de Nı́vel

Uma função de três variáveis reais a valores reais, definida em A ⊂ R3 , é


uma função que associa, a cada terna ordenada (x, y, z) ∈ A, um único
número real w = f (x, y, z). O gráfico de tal função é o conjunto

Gf = {(x, y, z, w) ∈ R4 |w = f (x, y, z), (x, y, z) ∈ A}

O gráfico de f é então um subconjunto do R4 , não nos sendo possı́vel,


portanto, representá-lo geometricamente.

Para se ter uma visão geométrica de tal função, podemos nos valer de
suas superfı́cies de nı́vel.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 23 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.4) Funções de três variáveis reais a valores reais:


Superfı́cies de Nı́vel

Uma função de três variáveis reais a valores reais, definida em A ⊂ R3 , é


uma função que associa, a cada terna ordenada (x, y, z) ∈ A, um único
número real w = f (x, y, z). O gráfico de tal função é o conjunto

Gf = {(x, y, z, w) ∈ R4 |w = f (x, y, z), (x, y, z) ∈ A}

O gráfico de f é então um subconjunto do R4 , não nos sendo possı́vel,


portanto, representá-lo geometricamente.

Para se ter uma visão geométrica de tal função, podemos nos valer de
suas superfı́cies de nı́vel.

Seja c ∈ Imf o conjunto de todos os pontos (x, y, z) ∈ A, tais que


f (x, y, z) = c denomina-se superfı́cie de nı́vel correspondente ao nı́vel
w = c.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 23 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.4) Funções de três variáveis reais a valores reais:


Superfı́cies de Nı́vel
Exemplo 1: Seja f (x, y, z) = y. Para cada real c, a superfı́cie de nı́vel
correspondente a w = c é o plano y = c.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 24 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.4) Funções de três variáveis reais a valores reais:


Superfı́cies de Nı́vel
Exemplo 2: Descreva as superfı́cies de nı́vel de f (x, y, z) = x2 + y 2 + z 2 .

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 25 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

4.4) Funções de três variáveis reais a valores reais:


Superfı́cies de Nı́vel
Exemplo 2: Descreva as superfı́cies de nı́vel de f (x, y, z) = x2 + y 2 + z 2 .

Solução: As superfı́cies de nı́vel têm equações da forma


x2 + y 2 + z 2 = k

Para k > 0, o gráfico dessa equação é uma esfera de raio k centrada na
origem.
Para k = 0, o gráfico é o único ponto (0, 0, 0).
Para k < 0, não há superfı́cie de nı́vel.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 25 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Revisão Cônicas: Livro: WINTERLE P. ”Vetores e


Geometria Analı́tica”
Parábola: Parábola é o conjunto de todos os pontos de um plano
equidistantes de um ponto fixo e de uma reta fixa desse plano.

Foco: é o ponto F.
Diretriz: é a reta d.
Eixo: é a reta e que passa por F e é perpendicular a d. É fácil ver pela
própria definição de parábola que essa curva é simétrica em relação ao
seu eixo.
Vértice: é o ponto V de interseção da parábola com o seu eixo.
Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 26 / 38
4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Revisão Cônicas: Livro: WINTERLE P. ”Vetores e


Geometria Analı́tica”

Parábola: Equações Reduzidas:


1) O eixo da parábola é o eixo dos y: x2 = 2py;
2) O eixo da parábola é o eixo dos x: y 2 = 2px;

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 27 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Revisão Cônicas: Livro: WINTERLE P. ”Vetores e


Geometria Analı́tica”
Elipse: Elipse é o conjunto de todos os pontos de um plano cuja soma
das distâncias a dois pontos fixos desse plano é constante.

Focos: são os pontos F1 e F2 .


Distância focal: é a distância 2c entre os focos.
Centro: é o ponto médio C do segmento F1 F2 .
Eixo maior: é o segmento A1 A2 de comprimento 2a (este segmento
contém os focos).
Eixo menor: é o segmento B1 B2 de comprimento 2b e perpendicular a
A1 A2 no seu ponto médio.
Vértices: são os pontos A1 , A2 , B1 e B2 .
Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 28 / 38
4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Revisão Cônicas: Livro: WINTERLE P. ”Vetores e


Geometria Analı́tica”

Elipse: Equações Reduzidas:


x2 y2
1) O eixo maior está sobre eixo dos x: + = 1;
a2 b2
2 2
x x
2) O eixo maior está sobre eixo dos y: 2 + 2 = 1;
b a

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 29 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Revisão Cônicas: Livro: WINTERLE P. ”Vetores e


Geometria Analı́tica”

Hipérbole: é o conjunto de todos os pontos de um plano cuja diferença


das distâncias, em valor absoluto, a dois pontos fixos desse plano é
constante.

Focos: são os pontos F1 e F2 .


Distância focal: é a distância 2c entre os focos.
Centro: é o ponto médio C do segmento F1 F2 .
Vértices: são os pontos A1 e A2 .
Eixo real ou transverso: é o segmento A1 A2 de comprimento 2a.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 30 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Revisão Cônicas: Livro: WINTERLE P. ”Vetores e


Geometria Analı́tica”

Hipérbole: Equações Reduzidas:


x2 y2
1) O eixo real está sobre o eixo dos x: − = 1;
a2 b2
2 2
y x
2) O eixo real está sobre o eixo dos y: 2 − 2 = 1;
a b

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 31 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Revisão Cônicas: Livro: WINTERLE P. ”Vetores e


Geometria Analı́tica”

A equação geral do 20 grau nas três variáveis x, y e z

ax2 + by 2 + cz 2 + 2dxy + 2exz + 2f yz + mx + ny + pz + q = 0

onde pelo menos um dos coeficientes a, b, c, d, e ou f é diferente de zero


(a fim de assegurar o segundo grau da equação), representa uma
superfı́cie quádrica, ou simplesmente uma quádrica.
Superfı́cie de revolução é a superfı́cie gerada por uma curva plana
(chamada geratriz) que gira 360o em torno de uma reta (chamada eixo)
situada no plano da curva. Neste caso, o traço da superfı́cie em um
plano perpendicular ao eixo é uma circunferência e a equação da
superfı́cie de revolução é obtida pela equação da geratriz.

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 32 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Revisão Cônicas: Livro: WINTERLE P. ”Vetores e


Geometria Analı́tica”
Ao girarmos uma elipse em torno do eixo Oy ou Ox, obtemos o
elipsoide de revolução.
A equação do elipsoide é dada por

x2 y2 z2
+ + =1
a2 b2 c2

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 33 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Revisão Cônicas: Livro: WINTERLE P. ”Vetores e


Geometria Analı́tica”
Ao girarmos uma hipérbole em torno do eixo Oy ou Ox, obtemos o
hiperboloide de revolução.
Hiperboloide de uma folha: é obtido pela rotação da hipérbole em
torno do eixo Oz

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 34 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Revisão Cônicas: Livro: WINTERLE P. ”Vetores e


Geometria Analı́tica”
Hiperboloide de duas folhas: é obtido pela rotação da hipérbole em
torno do eixo Oy

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 35 / 38


4.1) Funções de duas ou mais variáveis 4.2) Gráficos de Funções de duas variáveis 4.3) Curvas de Nı́vel 4.

Revisão Cônicas: Livro: WINTERLE P. ”Vetores e


Geometria Analı́tica”
A rotação da parábola em torno do eixo Oz, Ox ou Oy resulta no
paraboloide de revolução.
Paraboloide Elı́ptico

Solange Cromianski (UNIFAP) Cálculo Aplicado II 36 / 38