Você está na página 1de 7

Cláudio Manuel da Costa (1729 – 1789) (Glauceste Gerais, ou seja, faz ataques diretos ao despotismo

Satúrnio/ Doroteu em Cartas chilenas – Musa: Nice ou Nise) do Fanfarrão Minésio, em Cartas Chilenas.
Nasceu na cidade de Ribeirão do Carmo (hoje Mariana), em
Minas Gerais, no ano de 1729. Aos vinte anos foi a Portugal Silva Alvarenga (1749-1814) (Alcino Palmireno – Musa:
para estudar Direito na faculdade de Coimbra, dividindo as Glaura): Considerado como o mais brasileiro dos árcades,
obrigações do curso com a produção literária. Depois de pela sensibilidade rítmica de seus versos, Silva Alvarenga,
terminada a faculdade, retorna ao Brasil onde exerce a função cujo pseudônimo árcade era Alcino Palmireno, ficou
de advogado na então cidade de Vila Rica (hoje Ouro Preto). conhecido por uma única obra, Glaura, publicada em 1799,
Em Minas Gerais ajudou a fundar a Arcádia Ultramarina com composta de rondós e madrigais (“composições poéticas que
os poetas com Manuel Inácio da Silva, Silva Alvarenga e encerram um pensamento delicado, terno ou galante/canções
Tomás Antônio Gonzaga entre outros poetas e intelectuais. pastoris”). A obra Glaura revela um lirismo de inspiração
Adotou, no ano de 1773, o pseudônimo de Glauceste galante, onde o poeta Alcino celebra a pastora Glaura, que se
Satúrnio, sob o qual escreveu a maioria de suas poesias. esquiva num clima de galante sensualidade. O refinamento da
Inspirados pelo pensamento iluminista, os integrantes da galanteria, o detalhismo acentuado e uma relativa
Arcádia desenvolveram uma conspiração política contra o superficialidade temática permite que se considere o estilo de
governador da capitania, culminando na Conjuração Mineira. Silva Alvarenga um exemplo do chamado rococó (“excesso
Por essa época, sua poesia adquire um tom político e o poeta de ornatos” - “acúmulo ornamental”). Por outro lado, há
se mostra preocupado com diversas questões políticas e quem defenda que em função de sua espontaneidade e
sociais. O movimento levou seus membros à prisão, sob pronuncia quase sentimental, aliadas a uma certa melancolia,
acusação de lesa-majestade, isto é, de traição ao rei de o poeta deva ser incluído num espaço pré- romântico.
Portugal. Anos mais tarde, ao final do século XIX, como Frei Santa Rita Durão (1722 – 1784): Uma de sua obras
homenagem, Claudio Manoel da Costa foi escolhido o de destaque foi: Caramuru. Tema: A glorificação do
Patrono da cadeira de número oito da Academia Brasileira de colonizador branco e agente da catequese católica, Diogo
Letras. OBRAS: Obras poéticas (1768) + Vila Rica (1839). Álvares Corrêia, que maravilhou os índios com um tiro de
Poeta de transição: utilização de princípios estéticos do arcabuz na Bahia do século XVI, casando-se com a filha do
arcadismo e influências barrocas: o sofrimento. Influência cacique, Paraguaçu, e passando a viver entre eles. Outros
camoniana: gosto pela antítese e pelo soneto. É racionalmente aspectos. Louvação do índio que se converte à religião do
árcade e emotivamente barroco. Temas barrocos: o dominador luso e o auxilia na conquista da terra. A cena
desencanto com a vida; a brevidade dolorosa do amor; a mais famosa da epopeia é a morte da índia Moema, após a
rapidez com que todos os sentimentos passam. Na épica, partida para a França de Diogo Álvares e sua
Cláudio escreveu Vila Rica, poema inspirado nas epopeias noiva, Paraguaçu. Moema vai nadando atrás do navio até ser
clássicas, que trata da penetração bandeirante, da descoberta tragada pelas ondas.
da minas, da fundação de Vila Rica e de revoltas locais
José Basílio da Gama (1741-1795). Poeta mineiro e autor do
Tomás Antônio Gonzaga (1744 – 1810) (Dirceu/ Critilo poema épico O Uraguai (1769), Basílio da Gama, nesse texto,
em Cartas chilenas – Musa: Marília) aborda as disputas entre os europeus, os jesuítas e os índios
Sua obra lírica de maior destaque foi: Marília de Dirceu (um sendo considerado um marco no literatura brasileira.
conjunto de liras).Esta poesia foi tipicamente árcade, visto Diferente do poema épico clássico, O Uraguai é composto de
que estava presa aos esquemas bucólicos e pastoris. Nesta cinco cantos, com ausência de rima (rima branca) e
obra Dirceu , o pastor, é também, um funcionário público, estrofação. Participou da Arcádia Romana na Itália e foi preso
juiz, quarentão, que amava uma moça de uns 17 anos, e com em Portugal em 1768, acusado de manter relações de
o sonho da estabilidade de um lar burguês cheio de filhos. A amizades com os jesuítas. Suas Principais obras são: O
obra foi escrita em três partes que correspondem a momentos Uraguai" (1769), Epitalâmio às Núpcias da Senhora. Dona
históricos diferentes na vida do poeta. A I parte em liberdade, Maria Amália (1769), A Declamação Trágica (1772) e
onde predominam as convenções neoclássicas, como os Quitúbia (1791). O enredo de Uraguai é a luta de portugueses
cortejos amorosos de pastores, o locus amoenus, e as e espanhóis contra os índios e os jesuítas em Sete Povos das
referências mitológicas. O pastor faz a corte à pastora Marília Missões; de acordo com um tratado entre Portugal e Espanha,
e tenta convencê-la da felicidade no casamento. Também Sete Povos das Missões passaria a pertencer à Espanha, mas
ocorre a referência ao tema carpe diem, onde aparece a os nativos locais se recusam a sair do local. O poema foi
preocupação de Gonzaga com a própria idade. A II na escrito em decassílabos brancos, sem divisão de estrofes. São
prisão, é bem notada devido as referências biográficas, como: cinco cantos em que, apesar do poeta ser um representante do
o cárcere, o processo judicial, o medo, a perspectiva da morte, Arcadismo, já vemos características do Romantismo na
a solidão, e o sentimento de injustiça. E a III provavelmente descrição da natureza brasileira e na idealização de nossos
logo após o degredo para a África. A expressão sentimental nativos. Elemento temático muito importante: a exaltação da
da obra dá-se, na maior parte das liras. Em alguns momentos figura do índio. O poema O Uraguai, não enfatiza a guerra em
das partes II e III, o autor escapa dos padrões árcades e si, nem as ações dos vencedores, nem os vilões jesuítas -
desabafa a sua dor, o sentimento de medo do futuro e da morte tratados caricaturalmente. Ganham destaque, de fato, e
e, sobretudo, a saudade de Marília. Nestes momentos, as liras descrição física e moral do índio, o choque de culturas e a
adquirem um caráter pré-romântico. Ele também teve paisagem nacional. Além disso, o autor cria passagens de
destaque com uma obra satírica, onde sob pseudônimo forte lirismo, como a do episódio da morte de Lindóia.
de Critilo, satirizou os desmandos do governador de Minas
Manuel Maria Barbosa du Bocage (1765 – 1805) (Elmano ATIVIDADES
Sadino – musa: Urselina) era filho de bacharel e neto de um
almirante francês por parte de mãe, de quem herdou o 1. (Espcex (Aman) 2014) Leia os versos abaixo:
sobrenome que usou em todas as suas obras, o Bocage. Em
suas obras, pode-se ver muito sobre sua infância triste e longe “Se não tivermos lãs e peles finas,
do pai, já que o bacharel foi acusado de desviar a décima da podem mui bem cobrir as carnes nossas
cidade de Beja e acabou condenado à prisão, fazendo assim as peles dos cordeiros mal curtidas,
com que Bocage crescesse sem a presença do pai. Sua mãe e os panos feitos com as lãs mais grossas.
faleceu quando ele tinha apenas dez anos e seu pai ainda Mas ao menos será o teu vestido
estava preso, o que tornou sua vida cheia de melancolia. por mãos de amor, por minhas mãos cosido.”
Acredita-se que Bocage entrou no exército por causa de um
amor não correspondido, mas acabou desertando logo depois A característica presente na poesia árcade, presente
de terminar seus estudos na Escola da Marinha Real. Mesmo no fragmento acima, é
assim, ele foi nomeado por D. Maria I como guarda. No ano a) aurea mediocritas.
de 1786, embarcou para a Índia, mas acabou aportando na b) cultismo.
cidade brasileira do Rio de Janeiro. Sua paixão pela cidade c) ideias iluministas.
brasileira foi tanta que Bocage acabou escrevendo uma série d) conflito espiritual.
de poesias com a intenção de adular o vice-rei e, assim, e) carpe diem.
permanecer morando na cidade mesmo depois que a nau que
veio fosse embora. No entanto, não conseguiu tal feito e TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:
acabou voltando para sua viagem a caminho das Índias, A(s) questão(ões) a seguir toma(m) por base a letra
descendo ainda em Moçambique e Pangim, onde novamente de uma guarânia dos compositores sertanejos Goiá
voltou aos estudos, mas três anos depois desertou. Logo (Gerson Coutinho da Silva, 1935-1981) e Belmonte
depois, Bocage foi preso pela inquisição e acabou se (Pascoal Zanetti Todarelli, 1937-1972).
dedicando à tradução de poemas latinos e também franceses
para passar o tempo. Quando voltou para Portugal, Bocage Saudade de minha terra
iniciou sua carreira na atividade literária entrando no De que me adianta viver na cidade,
movimento de Arcadismo de corpo e alma, que tem como Se a felicidade não me acompanhar?
característica o culto e exaltação a natureza e o lema do carpe Adeus, paulistinha do meu coração,
diem, além de usar a mitologia clássica. Bocage participou de Lá pro meu sertão eu quero voltar;
uma associação arcádica conhecida como Nova Arcádia, Ver a madrugada, quando a passarada,
onde adotou o pseudônimo Elmano Sadino, assinando assim Fazendo alvorada, começa a cantar.
algumas obras. Porém, Bocage não conseguiu se manter por Com satisfação, arreio o burrão,
muito tempo nesse estilo arcádico, já que achava a poesia Cortando o estradão, saio a galopar;
muito artificial. Foi aí que se dedicou a escrever no viés mais E vou escutando o gado berrando,
romântico do arcadismo, decorrendo mais sobre seus dramas Sabiá cantando no jequitibá.
amorosos, mundo interior e dramas existenciais, conseguindo Por Nossa Senhora, meu sertão querido,
alcançar uma enorme gama de leitores e se tornando na época Vivo arrependido por ter te deixado.
o poeta mais lido no país lusitano. Foi exatamente por isso Nesta nova vida, aqui da cidade,
que Bocage ficou conhecido como um poeta de transição, já De tanta saudade eu tenho chorado;
que sua obra tem características arcádicas e românticas. Foi Aqui tem alguém, diz que me quer bem,
considerado assim um sonetista lírico escrevendo idílios, Mas não me convém, eu tenho pensado,
canções, fábulas, epístolas e odes, assim como Antero de E fico com pena, mas esta morena
Quental e o mais conhecido dos poetas portugueses, Camões. Não sabe o sistema em que fui criado.
Tô aqui cantando, de longe escutando,
Sobre a obra de Bocage Alguém está chorando com o rádio ligado.
Que saudade imensa, do campo e do mato,
Bocage tem mais de 11 obras famosas em Portugal, entre elas Do manso regato que corta as campinas.
estão Mágoas Amorosas de Elmano, A Pavorosa Ilusão, Ia aos domingos passear de canoa
Improvisos de Bocage, Convite à Marília, Elegia, A Virtude Na linda lagoa de águas cristalinas;
Laureada, O Triunfo da Religião, Cantiga à Morte de D. Inês Que doces lembranças daquelas festanças,
de Castro, À Puríssima Conceição de Nossa Senhora, Onde tinha danças e lindas meninas!
Queixumes do Pastor Elmano Contra a Falsidade da Pastora Eu vivo hoje em dia, sem ter alegria,
Urselina e À Morte de Leandro e Hero. Com algumas de suas O mundo judia, mas também ensina.
obras Bocage foi acusado, processado e preso pela Inquisição Estou contrariado, mas não derrotado,
já que satirizava o clero e a nobreza portuguesa em um tom Eu sou bem guiado pelas mãos divinas.
forte e por vezes agressivo. No entanto, depois de ser preso Pra minha mãezinha, já telegrafei,
deixou de lado os poemas e poesias satíricas e passou a ser Que já me cansei de tanto sofrer.
conhecido por seu conteúdo obsceno e picante, com o qual Nesta madrugada, estarei de partida
também ganhou muito visibilidade. Manuel Maria Barbosa Pra terra querida que me viu nascer;
du Bocage acabou por falecer no ano de 1805 na cidade Já ouço sonhando o galo cantando,
portuguesa de Lisboa. Sua importância é tão grande para os O inhambu piando no escurecer,
portugueses que, mesmo depois de mais de 200 anos de sua A lua prateada, clareando a estrada,
morte, ele ainda é lembrado na cidade em que nasceu no dia A relva molhada desde o anoitecer.
15 de setembro, dia de seu nascimento, com um feriado Eu preciso ir, pra ver tudo ali,
municipal. Foi lá que nasci, lá quero morrer.
Torno a ver-vos, ó montes; o destino
(Goiá em duas vozes – o compositor interpreta suas Aqui me torna a pôr nestes oiteiros;
músicas. Discos Chororó. CD nº 10548, s/d.) Onde um tempo os gabões deixei grosseiros
Pelo traje da Corte rico e fino.

3. (Unesp 2013) Relendo os primeiros seis versos Aqui estou entre Almendro, entre Corino,
da terceira estrofe, percebe-se que o conteúdo neles Os meus fiéis, meus doces companheiros,
relatado apresenta analogia com a poesia do Vendo correr os míseros vaqueiros
Arcadismo, de que foram típicos representantes em Atrás de seu cansado desatino.
nosso país Tomás Antônio Gonzaga e Cláudio
Manuel da Costa. Indique duas dessas semelhanças. Se o bem desta choupana pode tanto,
Que chega a ter mais preço, e mais valia,
4. (Uepa 2012) “Sobre Bocage, sabemos que foi Que da cidade o lisonjeiro encanto;
um homem situado entre dois mundos, entre as
regras rígidas de um Arcadismo decadente, Aqui descanse a louca fantasia;
refletindo um mundo racional, ordenado e concreto, E o que 'té agora se tornava em pranto,
e a liberdade de um Romantismo ascendente, Se converta em afetos de alegria.
quando a literatura se abre à individualidade e à
renovação". O campo como locus amoenus, livre de mazelas
sociais e morais, foi o grande tema literário à época
(www.lpm-editores.com.br – 03.09.11) neoclássica, quando a literatura também expressou
uma resistência à Cidade, considerada então
O comentário acima nos permite concluir que violento símbolo do poder monárquico e da
Bocage sofreu a violência simbólica quando uma corrupção moral. Interprete as opções abaixo e
regra pastoril e neoclássica, disfarçada de gosto e assinale aquela em que se sintetiza o modo de
verdade inquestionáveis, impediu parcialmente a resistência expresso nos versos de Cláudio Manuel
expressão de sua liberdade criadora. Interprete os da Costa acima transcritos.
versos abaixo e assinale os que tematizam a a) apego à metrificação tradicional
resistência a tal regra. b) bucolismo e paralelismo
a) Só eu (tirano Amor! tirana Sorte!) c) aurea mediocritas
Só eu por Nise ingrata aborrecido d) inutilia truncat
Para ter fim meu pranto espero a morte. e) fugere urbem
b) Ó trevas, que enlutais a Natureza,
Longos ciprestes desta selva anosa, 7. (Ufsm 2012) A luta é um dos assuntos
Mochos de voz sinistra e lamentosa, preferidos da literatura épica. Leia o seguinte
Que dissolveis dos fados a incerteza; trecho do poema épico O Uraguai, de Basílio da
c) Das terras a pior tu és, ó Goa, Gama, que trata desse assunto:
Tu pareces mais ermo que cidade,
Mas alojas em ti maior vaidade Tatu-Guaçu mais forte na desgraça
Que Londres, que Paris ou que Lisboa. Já banhado em seu sangue pretendia
d) Ó retrato da Morte! Ó Noite amiga, Por seu braço ele só pôr termo à guerra.
Por cuja escuridão suspiro há tanto! Caitutu de outra parte altivo e forte
Calada testemunha de meu pranto, Opunha o peito à fúria do inimigo,
De meus desgostos secretária antiga! E servia de muro à sua gente.
e) Razão, de que me serve o teu socorro? Fez proezas Sepé naquele dia.
Mandas-me não amar, eu ardo, eu amo; Conhecido de todos, no perigo
Dizes-me que sossegue: eu peno, eu morro. Mostrava descoberto o rosto e o peito
Forçando os seus co'exemplo e co'as palavras.
5. (Upf 2012) Na poesia de Cláudio Manuel da
Costa verifica-se um conflito entre as solicitações Assinale verdadeira (V) ou falsa (F) em cada uma
da poética neoclássica ou árcade, que o levam a das afirmações relacionadas com O Uraguai.
conceber artificialmente uma paisagem
_________________, e o sentimento nativista do ( ) O assunto d' O Uraguai é a expedição mista
escritor, que o impele a aproveitar artisticamente a de portugueses e espanhóis contra as missões
paisagem ______________ de sua pátria. jesuíticas do Rio Grande do Sul, para executar as
cláusulas do tratado de Madrid, em1756.
A alternativa que completa corretamente as lacunas ( ) Mesmo se posicionando favoravelmente aos
do texto anterior é: vencedores europeus, o narrador de O Uraguai
a) amena - bucólica deixa perceber, em passagens como a citada, sua
b) rústica - bucólica simpatia e admiração pelo povo indígena.
c) bucólica - rústica ( ) No fragmento referido, Tatu-Guaçu, Sepé e
d) rústica - amena Caitutu têm exaltadas suas forças físicas e morais,
e) bucólica - amena lembrando os heróis épicos da antiguidade.
( ) A análise formal dos versos confirma que
6. (Uepa 2012) LXII Basílio da Gama imita fielmente a epopeia clássica,
representada pelo modelo vernáculo da época: Os
Lusíadas, de Camões. entremos na mesma esfera;
( ) A valorização do índio e da natureza venha Palas, venha Juno,
brasileira corresponde aos ideais iluministas e Venha a deusa de Citera.
árcades da vida primitiva e natural e prenuncia uma Porém, não, que se Marília
tendência da literatura romântica: o nativismo. no certame antigo entrasse,
bem que a Páris não peitasse,
A sequência correta é a todas as três vencera.
a) F – V – F – V – V.
b) F – F – V – V – V. Vai-te, Amor, em vão socorres
c) V – V – V – F – V. ao mais grato empenho meu:
d) V – F – V – F – F. para formar-lhe o retrato
e) V – F – F – F – V. não bastam tintas do céu.

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:


“Eu, Marília, não sou algum vaqueiro, Vocabulário
Que viva de guardar alheio gado; Certame: disputa
De tosco trato, de expressões grosseiro, Juno: deusa da mitologia romana, esposa de Júpiter
Dos frios gelo e dos sóis queimado. Palas: deusa da mitologia romana, presidia a guerra
Tenho próprio casal e nele assisto; Deusa de Citera: Afrodite, deusa do amor
Dá-me vinho, legume, fruta, azeite; Páris: príncipe troiano, responsável por escolher a
Das brancas ovelhinhas tiro o leite, deusa mais bela do Olimpo
E mais as finas lãs de que me visto.
Graças, Marília bela,
Graças à minha estrela! 10. (Ufsm 2012) Relacione as colunas e, na
sequência, assinale a alternativa correspondente.
(fredb.sites.uol.com.br/lusdecam.htm, adaptado)
1. Estética barroca
2. Estética árcade
8. (G1 - ifsp 2012) Pode-se afirmar que se destaca
no poema ( ) Apresenta texto poético claro, conciso,
a) o racionalismo, característica do Barroco. objetivo, com estrutura frasal geralmente em ordem
b) o conceptismo, característica do Arcadismo. direta.
c) o cultismo, característica do Barroco. ( ) Caracteriza-se por figuras de linguagem, tais
d) o teocentrismo, característica do Barroco. como: metáfora, antítese, hipérbole, alegoria.
e) o pastoralismo, característica do Arcadismo. ( ) Registra a ambiguidade, valorizando os
detalhes, os jogos de palavras, a tensão entre os
9. (G1 - ifsp 2012) A análise do trecho permite opostos e o conflito exposto pelos contrastes.
afirmar que o eu lírico ( ) Retoma o ideal de simplicidade, herdado do
a) valoriza os trajes ricos da cidade. modelo clássico greco-romano, correspondente à
b) despreza a vida humilde. tradição do equilíbrio e da racionalidade: a justa
c) manifesta preocupação religiosa. medida.
d) valoriza os benefícios de sua vida no campo.
e) apresenta a vida na cidade como mais desejável A sequência correta é
do que a vida no campo. a) 1 – 1 – 2 – 2.
b) 2 – 1 – 1 – 2.
TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 3 QUESTÕES: c) 1 – 2 – 2 – 1.
A beleza da forma física feminina constituiu d) 2 – 1 – 2 – 2.
assunto predileto da poesia arcádica brasileira. Leia e) 1 – 2 – 1 – 2.
as seguintes estrofes da Lira 27 de Marília de
Dirceu, de Tomás Antônio Gonzaga: 11. (Ufsm 2012) Com respeito ao texto referido,
todas as afirmativas estão corretas, EXCETO:
Vou retratar a Marília, a) Na lira 27, Dirceu exalta a beleza de Marília e,
a Marília, meus amores; para fazer isso, recorre a personagens da
porém como? se eu não vejo Antiguidade Clássica.
quem me empreste as finas cores: b) Os versos dessa lira são regulares, formados por
dar-mas a terra não pode; sete sílabas métricas.
não, que a sua cor mimosa c) Com a alusão à tentativa de trazer as "tintas do
vence o lírio, vence a rosa, céu" para pintar o retrato de Marília, o eu lírico
o jasmim e as outras flores. sugere que a beleza dela atinge a esfera do divino,
do sublime, transcendendo a beleza encontrada no
Ah! socorre, Amor, socorre mundo terreno.
ao mais grato empenho meu! d) Há uma equivalência de sentido entre os quatro
Voa sobre os astros, voa, últimos versos da primeira estrofe e os quatro
Traze-me as tintas do céu. últimos versos da segunda estrofe.
[...] e) O eu lírico tem como interlocutor o Amor, isto é,
Entremos, Amor, entremos, a divindade da mitologia clássica que rege o
sentimento amoroso. As frias tardes, em que negra nuvem
os chuveiros não lance,
12. (Ufsm 2012) O Arcadismo volta aos princípios irei contigo ao prado florescente:
clássicos greco-romanos e renascentistas. Nesse aqui me buscarás um sítio ameno,
sentido, a estética árcade cria e segue um grupo de onde os membros descanse,
preceitos herdados do Classicismo. Assinale o e ao brando sol me aquente.
trecho poético de Marília de Dirceu que
corresponde ao preceito em negrito. Apenas me sentar, então, movendo
a) “Verás em cima da espaçosa mesa/altos volumes os olhos por aquela
de enredados feitos;/ver-me-ás folhear os grandes vistosa parte, que ficar fronteira,
livros,/e decidir os pleitos.” – Fugere urbem. apontando direi: — Ali falamos,
b) “Enquanto pasta alegre o manso gado,/minha ali, ó minha bela,
bela Marília, nos sentemos/à sombra deste cedro te vi a vez primeira.
levantado./Um pouco meditemos/na regular
beleza,/que em tudo quanto vive nos descobre/a Verterão os meus olhos duas fontes,
sábia Natureza.” – Locus amoenus. nascidas de alegria;
c) “Se não tivermos lãs e peles finas,/podem mui farão teus olhos ternos outro tanto;
bem cobrir as carnes nossas/as peles dos cordeiros então darei, Marília, frios beijos
malcurtidas,/e os panos feitos com as lãs mais na mão formosa e pia,
grossas./Mas ao menos será o teu vestido/por mãos que me limpar o pranto.
de amor, por minhas mãos cosido.” – Inutilia
truncat. Assim irá, Marília, docemente
d) “Pela Ninfa, que jaz vertida em Louro,/o grande meu corpo suportando
Deus Apolo não delira?/Jove, mudado em Touro/e do tempo desumano a dura guerra.
já mudado em velha não suspira?/Seguir aos Contente morrerei, por ser Marília
Deuses nunca foi desdouro./Graças, ó Nise quem, sentida, chorando
bela,/graças à minha Estrela!” – Carpe diem. meus baços olhos cerra.
e) “Quando apareces/Na madrugada,/Mal-
embrulhada/Na larga roupa,/E desgrenhada/Sem (Tomás Antônio Gonzaga. Marília de Dirceu e
fita, ou flor;/Ah! que então brilha/A mais poesias. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora,
natureza!/Então se mostra/Tua beleza/Inda maior.” 1982.)
– Aurea mediocritas.

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 3 QUESTÕES: 13. (Unesp 2012) Marque a alternativa em que o
Leia o poema de Tomás Antônio Gonzaga (1744- verso apresenta acento tônico na segunda e na sexta
1810). sílabas:
a) o tempo arrebatado.
18 b) das belezas que teve.
Não vês aquele velho respeitável, c) daqui a poucos anos.
que à muleta encostado, d) e ao brando sol me aquente.
apenas mal se move e mal se arrasta? e) na mão formosa e pia.
Oh! quanto estrago não lhe fez o tempo,
o tempo arrebatado, 14. (Unesp 2012) No conteúdo da quinta estrofe do
que o mesmo bronze gasta! poema encontramos uma das características mais
marcantes do Arcadismo:
Enrugaram-se as faces e perderam a) paisagem bucólica.
seus olhos a viveza: b) pessimismo irônico.
voltou-se o seu cabelo em branca neve; c) conflito dos elementos naturais.
já lhe treme a cabeça, a mão, o queixo, d) filosofia moral.
nem tem uma beleza e) desencanto com o amor.
das belezas que teve.
15. (Unesp 2012) A leitura atenta deste poema do
Assim também serei, minha Marília, livro Marília de Dirceu revela que o eu lírico
daqui a poucos anos, a) sente total desânimo perante a existência e os
que o ímpio tempo para todos corre. sentimentos.
Os dentes cairão e os meus cabelos. b) aceita com resignação a velhice e a morte
Ah! sentirei os danos, amenizadas pelo amor.
que evita só quem morre. c) está em crise existencial e não acredita na
durabilidade do amor.
Mas sempre passarei uma velhice d) protesta ao Criador pela precariedade da
muito menos penosa. existência humana.
Não trarei a muleta carregada, e) não aceita de nenhum modo o envelhecimento e
descansarei o já vergado corpo prefere morrer ainda jovem.
na tua mão piedosa,
na tua mão nevada.
2. Gabarito: bucolismo árcade, e a identificação com natureza
rústica da Colônia.
Resposta da questão 1:
[A] Resposta da questão 6:
[E]
Do latim, “mediocridade dourada”, aurea
mediocritas são as palavras usadas pelo poeta latino Os versos de Cláudio Manuel da Costa revelam o
Horácio para exaltar as vantagens de uma condição desejo do eu lírico de afastar-se da cidade: “Se o
de vida simples, média, sem luxo, mas também bem desta choupana pode tanto,/ Que chega a ter
distante da pobreza. Esse conceito é apresentado mais preço, e mais valia, / Que da cidade o
pelo poeta nos versos, pois o eu lírico propõe a sua lisonjeiro encanto;” e refugiar-se no campo “Aqui
amada vestimentas rústicas, “com as lãs mais descanse a louca fantasia”.
grossas”, em contraposição às “lãs e peles finas”.
Resposta da questão 7:
Resposta da questão 2: [C]
[B]
Basílio da Gama escreveu O Uraguai inspirado em
As opções [A], [C], [D] e [E] são incorretas, pois Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões. No entanto,
Basílio da Gama não imita fielmente a epopeia
[A] nas cantigas de amor, o eu lírico é masculino; clássica de Camões. Enquanto Os Lusíadas é
[C] a idealização é típica do Romantismo; composto por 8.816 versos decassílabos,
[D] o amor, o casamento, a relação homem e distribuídos em dez cantos, O Uraguai possui 1.377
mulher são questões abordadas no Modernismo, versos brancos, sem estrofação regular, distribuídos
questionamentos que provocam reconhecimento e em cinco cantos. Assim, a única afirmação falsa é a
valorização da mulher no espaço social da época; quarta, e a sequência correta é: V – V – V – F – V.
[E] a estética barroca nega a concepção da figura
do ser perfeito típico do Classicismo e apresenta a Resposta da questão 8:
mulher como alguém dual, merecedora de elogios e [E]
também de críticas.
O Arcadismo, escola literária surgida na Europa no
Assim, é correta apenas [B]. século XVIII e, por isso, também denominada
setecentismo ou neoclassicismo, valoriza a vida
Resposta da questão 3: simples, bucólica e pastoril (locus ameonus),
“Que saudade imensa, do campo e do mato,/Do refúgio para quem sentia a opressão dos centros
manso regato que corta as campinas./Ia aos urbanos dominados pelo regime do absolutismo
domingos passear de canoa/Na linda lagoa de águas monárquico.
cristalinas;/Que doces lembranças daquelas
festanças,/Onde tinha danças e lindas meninas!” Resposta da questão 9:
[D]
O excerto acima retoma os tópicos do movimento
neoclássico: busca da simplicidade em contato O eu lírico dirige-se à mulher objeto da sua afeição
direto com a natureza bucólica (“manso regato”, e enumera-lhe as razões pelas quais se considera
“Na linda lagoa de águas cristalinas”) e o abandono uma pessoa de sorte: ter boa aparência e ser dono
do status social exigido na vida urbana, resumidos de uma propriedade rural que lhe dá boas rendas.
nos termos latinos LOCUS AMOENUS (lugar Assim, depreende-se que o eu lírico valoriza os
ameno) e FUGERE URBEM (fugir da cidade), benefícios da vida no campo, como se afirma em
respectivamente. [D].

Resposta da questão 4: Resposta da questão 10:


[E] [B]

Embora a sua poesia esteja inserida no movimento O Barroco foi um estilo artístico que se iniciou no
árcade, Bocage é um autor que expressa o período final do século XVI na Itália. O termo “barroco”,
de transição entre o estilo clássico e o romântico. O em sua origem, significa “pérola irregular”, o que
poeta muitas vezes oscila entre a convenção indica sua característica de excesso, excesso de
(“Razão”, “Mandas-me não amar”, “Dizes-me que sentimentos (o homem barroco vivia entre altos e
sossegue”) e o imperativo do amor (“eu ardo, eu baixos), de palavras, de figuras de linguagem, de
amo”, “eu peno, eu morro”), característica presente oposições, de contrastes. Já o Arcadismo, escola
na estrofe da alternativa [E]. literária surgida no século XVIII, valorizava o
equilíbrio e a simplicidade, inclusive na forma,
Resposta da questão 5: tendo em vista sua retomada dos valores clássicos.
[C] Assim, é correta a disposição: 2 – 1 – 1 – 2.

A poesia de Cláudio Manuel da Costa revela Resposta da questão 11:


oscilação do eu lírico entre o apego à Metrópole, [D]
cuja ambientação se enquadrava no perfil do
Nos quatro últimos versos da primeira estrofe,
Dirceu afirma que a beleza de Marília é superior ao
que de melhor se encontra na natureza. Marília é
mais bela do que as mais lindas flores. Nos quatro
últimos versos da segunda estrofe, ele compara a
beleza da amada com a das deusas do Olimpo.
Assim, no primeiro caso, a comparação é com
elementos terrenos, no segundo, com elementos
mitológicos. Desse modo, não é possível afirmar
que haja equivalência.

Resposta da questão 12:


[B]

O conceito Locus amoenus do Arcadismo diz


respeito à busca de uma vida simples, bucólica,
pastoril; ao refugiar-se em um local tranquilo,
ameno, em oposição à vida nos centros urbanos. No
trecho em questão, isso é claramente evidenciado:
“nos sentemos/à sombra deste cedro levantado./Um
pouco meditemos/na regular beleza,/que em tudo
quanto vive nos descobre/a sábia Natureza”.

Resposta da questão 13:


[A]

No verso “o tempo arrebatado”, a acentuação recai


sobre a segunda e sexta sílabas, pois os termos
“tempo” e “arrebatado” são paroxítonos: o/- tem/-
po ar/- re/- ba/- ta-/ (do).

Resposta da questão 14:


[A]

Expressões como “prado florescente”, “sítio


ameno” e “brando sol” reproduzem o cenário
idílico característico da poesia árcade. Inspirados
na frase fugere urbem (fugir da cidade), do escritor
latino Horácio, os autores árcades voltavam-se para
a natureza em busca de uma vida simples, bucólica,
pastoril, do locus amoenus (refúgio ameno).

Resposta da questão 15:


[B]

Em vários momentos, o eu lírico confessa-se


resignado com a aproximação da velhice e
inevitabilidade da morte, momentos que serão
amenizados pela presença e amor de Marília.
3.

Você também pode gostar