Você está na página 1de 27

Manual de Ensaio

Projeto: Ensaios Econômicos da FACECON/PPGE

2017
BELÉM
Sumário
1- Introdução ....................................................................................................................................... 3
2- Qual o objetivo de um ensaio? ........................................................................................................ 3
3- Apresentação do ensaio: .................................................................................................................. 4
4- Critérios de avaliação ...................................................................................................................... 9
5- Assumindo uma atitude crítica ...................................................................................................... 10
6- Estágios para a escrita do ensaio ................................................................................................... 16
7- Introdução e conclusão .................................................................................................................. 22
8- Principais tipos de ensaios............................................................................................................. 23
9- Pesquisa ......................................................................................................................................... 24
9 – Referências ...................................................................................................................................... 27
1- Introdução

O objetivo desse Manual de Ensaios é facilitar a confecção dos ensaios para as disciplinas que
fazem parte do projeto Ensaios Econômicos da Faculdade de Ciências Econômicas e Pós-
Graduação em Economia (FACECON/PPGE/UFPA).

Esse manual de ensaio é inspirado no texto: GODWIN, J. Planning your essay. Palgrave
Macmillan, UK, 2009. Os professor Douglas Alencar e Gian Frabetti em colaboração com
alguns professores da Facecon/UFPA, fez uma tradução livre do livro, tentando trazer para a
realidade dos alunos do curso de graduação em economia da Universidade Federal do Pará,
além de complementar com outras fontes e exemplos. Esse manual, é para uso exclusivo da
FACECON/PPGE/UFPA. A distribuição é apenas para professores e alunos do curso de
economia.

O ensaio terá o peso de 30% da nota final do aluno.

2- Qual o objetivo de um ensaio?

O objetivo de um ensaio é demonstrar conhecimento e entendimento em um determinado


assunto. O ensaio pode ter vários formatos dependendo do tema escolhido. Caso um formato
pré-determinado tenha sido estabelecido, deve-se seguir o formato sugerido.

Como que o seu ensaio demonstra o conhecimento e entendimento em um determinado tema?

Para escrever um ensaio de forma eficaz o autor deve:

 ter uma ideia clara do que ele tem que fazer


 coletar informações
 apresentar o seu argumento
 usar a linguagem e estilo de escrita mais apropriado
 escrever o ensaio no tempo determinado e atentar para o limite de palavras

Fazendo isso o autor usará diferentes habilidades acadêmicas, como:

 decisões focadas no trabalho


 habilidades de pesquisa
 habilidades de planejamento para produzir um argumento lógico
 habilidade de escrita usando termos discutidos na disciplina
 administrar o tempo e ter a habilidade de trabalhar com deadline
O que é pedido para o autor no ensaio?

O professor/tutor/orientador quer atestar que o autor:

 conseguiu aprender e aplicar o aprendizado do curso nesse trabalho em particular


 assumir um ponto de vista particular e desenvolver um argumento que suporta esse
ponto de vista
 avaliar a evidência que foi encontrada. Deve-se perguntar se essa evidência é
relevante, se a fonte é confiável
 mostrar um link claro entre a teoria, evidência e prática. Normalmente essa evidência
pode ser mostrada com dados, como estatística básica e/ou econometria
 deve-se seguir os critérios acadêmicos, como o uso de várias fontes confiáveis (artigos
acadêmicos, em revistas ou journals que utilizam avaliação por pares)

3- Apresentação do ensaio:

O ensaio deve obedecer aos critérios acadêmicos. Deve ter no mínimo de 1800 palavras e no
máximo 20001.

 papel formato A4
 pode-se usar os dois lados da folha
 fonte: Times New Roman
 tamanho da fonte 12; tamanho 10 para citações diretas, tabelas, legendas, ilustrações
 usar a cor preta
 alinhamento justificado
 espaçamento simples
 6 pontos antes e depois do parágrafo
 deve-se pular uma linha no final e começo de cada subseção
 não é preciso usar recuo no início dos parágrafos
 as subseções do trabalho deve estar enumerada
 margens: superior (3,0 cm), inferior (2,0 cm), esquerda (3,0 cm) e direita (2,0 cm).

1
Esse manual pode ser usado para monografias, iniciação cientifica, dissertações e etc. A principal variação é o
número de palavras. Para uma monografia o número de palavras é entre 6000 a 7000 palavras, uma
dissertação entre 14000 a 15000. Obviamente, os orientadores devem determinar o número de palavras que
devem ser escritas.
Olhando para os resultados do aprendizado

O aluno deve conseguir responder à questão problema de forma apropriada. Além disso o
aluno deve conseguir justificar e explicar claramente a metodologia aplicada.

2.2 Objetivo geral

A pergunta problema pode começar, como aponta Scarano e Racy (2006), com:

 existe relação entre X e Y?


 quais os fatores determinantes de...
 quais os efeitos de X sobre Y?
 quais as características de X?
 quais as semelhanças (diferenças) entre X e Y?

Palavras como: discutir, avaliar, analisar criticamente e etc, mostra o processo que o autor do
trabalho deve atravessar. Indicam o grau de profundidade da pesquisa.

Quais os processos o autor de um trabalho cientifico pode aplicar em um texto acadêmico?

Abaixo algumas das ferramentas que você poderá aplicar. Não precisa necessariamente
aplicar todas em um mesmo texto. Mas quando aplicar tenha certeza que entende o que
significa.

Analisar Separe os argumentos em partes, explique cada parte de um


argumento. Mostre como os argumentos são importantes e como
cada parte do argumento está internamente conectado.
Argumentar Faça o caso a favor ou contra um determinado argumento, usando
evidências empíricas para suportar seu ponto de vista.
Avaliar Identifique pontos fortes e fracos de um determinado argumento. O
argumento parece aderente a realidade? Sim ou não. Julgue o
argumento com base na sua visão da realidade.
Comentário Mostre no seu texto que você entendeu o argumento. Mostre
evidência a favor ou contrária a um determinado argumento.
Compare Mostre diferenças e similaridades em relação aos argumentos. Nesse
caso, você poderá comparar os resultados de diferentes artigos. Ou
ainda, você pode comparar seu argumento com argumento de outros
autores.
Contraste Mostre que determinados argumentos são diferentes.
Analise criticamente Além de analisar o texto, você deverá adicionar suas próprias
reflexões ao texto.
Avaliar criticamente Compare os argumentos uns contra os outros. Avalie pontos fracos e
fortes da teoria ou argumento. Mostre evidências contrárias e a favor
para os dois ou mais argumentos. Dê suporte com modelos, teorias,
ou evidência para um dos argumentos.
Critique Lembre-se, criticar não significa gostar ou não de uma determinada
teoria. Criticar uma teoria significa mostrar que você consegue
mostrar pontos fortes e fracos de um determinado argumento. Na
sequência você deve mostrar evidências que dará suporte ao seu
argumento, deve discutir essa evidência e desenhar uma conclusão a
partir do argumento e evidência.
Definição Mostre o argumento de forma clara e concisa, explicando os
significados e mostrando os limites.
Descrever Descreva os principais aspectos, de maneira concisa e curta.
Examine Mostre o argumento em detalhes
Ilustração Explique seu argumento usando exemplos, dados, estatística,
mostrando claramente o seu ponto.
Interprete Simplifique, explique o que a “coisa” significa em especial os
dados, ou os resultados das estatísticas. Não deixe de mostrar seu
julgamento.
Resumo Explique os principais pontos nas suas próprias palavras.
Prove Estabeleça que o argumento seja verdadeiro com evidência e
argumentos sólidos.

A pergunta problema também é conhecida como objetivo geral.

Exemplo:

“O crescimento econômico do Brasil, no período demarcado entre 1980 a 2008, foi restrito
pelo Balanço de Pagamentos?”
Objetivo geral

Esse trabalho visa analisar se o crescimento econômico no Brasil, após os anos 1980, sofreu
bloqueio, devido a restrições externas, vale dizer, em consequência do Balanço de
Pagamentos. Para tanto, faz-se necessária uma caracterização da questão do crescimento
econômico sob restrição causada pelo Balanço de Pagamentos, com uma revisão bibliografia
das teorias que englobam essa questão, a partir da abordagem de crescimento econômico sob
restrição externa elaborada por Thirlwall (1979), em seu modelo seminal. Esta pode ser
expressa da seguinte forma: y = x /  , sendo y o crescimento econômico compatível com o
equilíbrio no Balanço de Pagamentos; x a taxa de crescimento das exportações; e π a
elasticidade-renda das importações, ou seja, no longo prazo a expansão da renda real interna é
dada pela relação entre o crescimento das exportações e a elasticidade renda por importações
do país analisado (ALENCAR; STRACHMAN, 2013, p.296).”

2.3 Objetivos específicos

Os objetivos específicos são os passos para atingir o objetivo geral

Exemplo

 analisar o papel da taxa de câmbio em relação as exportações e importações


 avaliar o comportamento das contas do Balanço de Pagamentos no período analisado
 avaliar se houve restrição ao crescimento com o uso de econometria

Justificativa

É preciso justificar a escolha do tópico, do tema. O porquê o autor escolheu esse tema, qual a
importância desse tema.

 relação do tópico com o contexto do curso;


 é preciso avançar no tema, em que estágio a teoria se encontra
 qual a relevância do tópico do ponto de vista amplo;
 o tema é importante para alguma questão em particular?
 o seu tema avança na literatura discutida?
 o porquê escolheu determinado país, localidade e período pesquisado. Talvez essa
deve ser uma das questões mais importantes na hora de justificar o seu trabalho.
Exemplo

“O Brasil foi escolhido por se tratar de uma das maiores economias da América Latina e do
mundo.”

2.4 Metodologia

Metodologia significa como o autor irá alcançar o objetivo proposto.

 O trabalho será com base em procedimentos de investigação empírica, teórica ou


ambas?
 Quais dados serão usados?
 Onde serão coletados? (fontes)
 Como esses dados serão tratados?

Exemplo

“México, Brasil e Argentina foram escolhidos em função da importância relativa de suas


economias para a região da América Latina e Caribe, pois a soma de seus PIBs representa, de
acordo com dados da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe – Cepal – (2008),
73% do PIB regional. O período foi escolhido em função da efetivação do processo de
estabilização e de um conjunto de reformas de caráter liberalizante, ocorrido nesses três
países. Ademais, um elemento comum às três economias foi o recurso à poupança externa,
associado ao processo de estabilização e ao modelo de crescimento econômico preconizado.
Desafortunadamente, os três países sofreram crises financeiras, sendo o México em 1995, o
Brasil em 1999 e a Argentina em 2001. Os principais dados, de cada uma das economias
envolvidas, necessários para a realização deste trabalho foram: saldo em transações correntes;
PIB; exportações de bens e serviços; reservas internacionais; dívida externa total; dívida
externa liquida; dívida externa de curto prazo; e serviço da dívida. Esses dados foram obtidos
junto às seguintes bases: World Economic Outlook e Balance of Payments, do Fundo
Monetário Internacional, e World Development Indicators, do Banco Mundial. De posse dos
dados, primeiramente mostrou-se o comportamento do recurso à poupança externa pelos
países em pauta, vis- à-vis a evolução da liquidez internacional. Apresentou-se, ainda, a
composição das fontes de poupança de México, Brasil e Argentina. Além disso, evidenciou-se
o baixo ritmo dos investimentos, a partir da evolução da relação FBKF/ PIB, no período. A
partir de então, foram calculados, para todos os anos do período e cada um dos países, os
seguintes indicadores de vulnerabilidade: dívida externa total/exportações de bens e serviços;
dívida externa total/PIB; serviço da dívida total/exportações de bens e serviços; PIB/serviço
da dívida total; reservas internacionais/dívida externa total; reservas internacionais/serviço da
dívida total; dívida externa de curto prazo/dívida externa total; dívida externa de curto
prazo/exportações de bens e serviços; dívida de curto prazo/ reservas internacionais; reservas
internacionais frente a frente com investimentos em carteira. Em seguida, foi realizada uma
análise comparativa desses indicadores, entre as economias pesquisadas, em busca das
regularidades e especificidades de cada país. (ALENCAR; SCARANO, 2010, p. 51)”

Essa metodologia está demasiadamente grande para ser colocada na introdução do trabalho,
ou para um ensaio. Na introdução é usada uma versão resumida dessa metodologia. O mesmo
para um ensaio de 2000 palavras.

4- Critérios de avaliação

A avaliação de um ensaio ou de qualquer trabalho acadêmico é feito a partir de critérios claros


e pré-estabelecidos.

Critério Pontuação
Respondeu à questão problema: o ensaio 1
responde à pergunta de forma clara? O título
do ensaio atravessa de forma coerente todo o
ensaio?
Entendimento do tema: é demostrado de 1
forma consistente, coerente e de forma
lúcida com a evidência das leituras?
Argumentação: a argumentação é suportada 1
pela teoria e pela evidência empírica?
Informações relevantes 1
Estrutura/organização: A estrutura do ensaio 1
está clara? A conclusão está relacionada
com os pontos feitos na introdução do
trabalho?
Avaliação crítica/pensamento crítico: o 1
ensaio apresenta de forma crítica a literatura
relevante, os conceitos, os métodos
utilizados. O trabalho mostra as perspectivas
alternativas e controversas sobre o tema?
Apresentação/estilo 1
Variedade de leituras (revistas científicas) 2
Gramática 1
Escolha do tópico 0

Preparação para começar o trabalho

Antes mesmo de começar o trabalho é importante colocar-se algumas perguntas como:

 Qual o prazo para entrega do trabalho?


 Quantas palavras poderá ter o trabalho?
 Qual o formato/estrutura do trabalho?
 Quanto esse trabalho vale na nota final?
 Qual a importância desse trabalho do ponto de vista do aprendizado?
 Qual a importância desse trabalho para a sua carreira como economista?

5- Assumindo uma atitude crítica

5.1 Significado da palavra “crítica”

 crítica
 substantivo feminino
 opinião desfavorável; censura, condenação. ("faz muitas c. ao pai")
 atividade de examinar e avaliar minuciosamente uma produção artística, literária ou
científica, bem como costumes e comportamentos. ("c. literária, musical")
 algo decisivo, crucial (“passa por um momento c.”)
 fil exame de um princípio ou ideia, fato ou percepção, para produzir uma apreciação
lógica, epistemológica, estética ou moral sobre o objeto da investigação.

5.2 Qual a importância de se ter uma atitude crítica?


 “Estudar os estudos”, ou seja, pensar a qualidade das evidências, dos métodos, para
além de admitir as conclusões dos textos que lemos.
 Identificar contextos, lugares de fala a partir dos quais os autores realizam afirmações.
 Avaliar nossas próprias ações e decisões, a fim de desenvolver melhores abordagens.
 PERCEBA QUE VOCÊ JÁ TEM UMA POSTURA NATURALMENTE CRÍTICA
PARA MUITAS COISAS NA SUA VIDA.

Você sabe que notícias podem estar sendo contadas pela metade, que anunciantes de
mercadorias jamais vão destacar seus defeitos, confronta pontos de vista em conversas
cotidianas, debate filmes com seus amigos e, enfim, assume responsabilidade por seus
próprios julgamentos e ações.

5.3 Traçando sua estratégia de trabalho


5.4 A escada para o pensamento crítico
 COMPREENDER - Assimilar os pontos principais, pressupostos, argumentos e
evidências apresentadas.
 ANALISAR - Examinar como os componentes principais se encaixam e se relacionam
entre si.
 COMPARAR - Explorar as similaridades e diferenças entre as ideias sobre as quais
você está lendo.
 SINTETIZAR - Unir diferentes fontes para servir à construção de um argumento ou de
uma ideia sua.
 AVALIAR - Estabelecer a relevância de uma ideia de acordo com as necessidades do
seu trabalho.
 APLICAR - Transferir a compreensão que você alcançou da sua avaliação crítica para
responder questões, fazer trabalhos e criar projetos.
 JUSTIFICAR - Usar o pensamento crítico para desenvolver argumentos, chegar a
conclusões, fazer inferências, identificar implicações.

5.5 Pesquisa crítica online


 Google
 Google acadêmico
 Procure na biblioteca livros relacionados às disciplinas dos grandes blocos do curso,
como: Macroeconomia, microeconomia, economia política, história econômica,
métodos quantitativos.
 Os tópicos dos cursos que estão nos programas das disciplinas podem ser bons termos
para a sua pesquisa;
 O Wikipédia pode ser um bom começo, mas lembre-se: não, nunca, jamais cite o
Wikipédia;
 Colocar apenas uma palavra para pesquisa pode ser indesejado.
 Ex: Pesquisa sobre política fiscal. Caso a pesquisa se restrinja a palavra “fiscal” o
resultado será nulo. Contudo, experimento um terma mais amplo, como “restrição
fiscal expansionista”. O resultado será:

Quando é pesquisado o tema “restrição fiscal expansionista”, em 30 segundo foram


encontrados 9.590 trabalhos sobre o tema. E agora?
Você irá se deparar com inúmeros textos. Como saber qual será útil a sua pesquisa?

Perguntas que você fará ao resumo do texto:


 Porque da pesquisa? Qual o objetivo da pesquisa?
 O que o autor do texto encontrou? Qual a conclusão do texto?
 Como que ele chegou a conclusão? Evidências empíricas? Teóricas? Históricas?
 E daí? Quais as implicações do argumento do autor?
 Como que esse texto específico será útil para minha pesquisa?

Dicas de anotações
 Copie a referencia inteira, isso facilita na hora que você precisar voltar no texto; Ex:
ALENCAR, Douglas Alcantara; STRACHMAN, Eduardo. Restrição externa e taxa de
câmbio no Brasil: 1980-2008. Pesquisa & Debate, p. 295-313, 2013.
 Preste atenção nos pontos que são importantes para sua pesquisa-> foque nos aspectos
que interessam a sua pesquisa especifica;
 faça diagramas, e mais importante, escreva um determinado argumento e/ou ideia nas
suas próprias palavras (talvez seja a dica mais importante. Reescrever um argumento
nas suas próprias palavras te ajuda a entender o texto);
 Evite escrever sentenças longas (aqui você está anotando as ideias, ainda não está
escrevendo o trabalho. Isso serve também para as avaliações);
 Evite copiar como está no texto. Tente parafrasear sempre que possível. Não tendo
como, copie parte de sentenças, o mais curto possível;
 Deixe algum espaço entre as anotações, para caso você queira incrementar
determinada ideia;
 Confira com o original se as suas notas estão corretas (é importante não haver erros
conceituais).
5.7 A fonte que você está pesquisando é confiável?
Novamente iremos perguntar:

O que?
 É um fato? O que o texto está falando está correto? O argumento é baseado em
evidências?
 O que é a evidencia? É teórica, empírica, histórica?
 O autor apresenta as fontes? De onde estão saindo as ideias? Argumentos? Dados?
 Os dados, argumentos e etc estão detalhados?
Por que?
 Onde você pegou o texto? Foi uma revista acadêmica? Um blog? De um instituto de
pesquisa? Qual o objetivo dessa revista, blog ou instituto de pesquisa? (Lembre-se,
não existe neutralidade, a não ser detergente neutro!);
 Por que o material está disponível? Para ser vendido? Para espalhar ideias?
Quem?
 Quem é o responsável pelo site? É uma universidade? Um instituto de pesquisa? O
que querem com isso? Quem financia?
Como?
 O site é de fácil acesso? Fácil de navegar?
 Quando?
 É atualizado?
 Onde?
 Onde fica a universidade, instituto e etc?
5.8 Uma anotação breve deve ter:
Resumo:
 O objetivo do trabalho; questão problema;
 O argumento principal, ideia central, resultados encontrados, conclusão;
 O texto é geral ou específico?
Avaliação:
 O que você achou do texto?
 Quem escreveu? Quais os pontos fracos e fortes do texto? Existem limitações?
 Reflexão :
 O texto é útil para a sua pesquisa? O texto de ajuda a entender algum tema?

6- Estágios para a escrita do ensaio


Trabalho base

Pesquisa

Revisar o planejamento Planejamento/edição

Escrevendo

1º rascunho

2º rascunho

3º rascunho

Editando
Verificação
Checando

Entrega

5.1 Trabalho de Base

 No trabalho de base o autor precisa encontrar quais são as coisas que ele precisa saber
 Faça o primeiro plano
 Selecione e analise a questão problema
 Planejamento do tempo dividido nas diferentes tarefas

Nessa fase antes de começar a pesquisa é preciso planejamento. Além de pensar a questão
problema, repensar, reescrever essa questão, também deve-se escrever e pensar na
metodologia e justificativa. O autor deve fazer algumas leituras, conversar com os colegas e
professores sobre as suas ideias. É preciso ter uma pergunta problema que seja possível de ser
respondida no prazo estabelecido para a entrega do ensaio.

Ter uma tabela com as datas e tarefas a serem completadas é importante para ajudar o autor a
se organizar e se planejar. De nada adianta deixar para escrever o ensaio na última semana
antes da entrega. Certamente o trabalho ficará insuficiente para ser aprovado na disciplina.

Exemplo de tabela para o controle das tarefas a serem desenvolvidas.

Período Tarefa
Semana 1 Pensar nas coisas que o autor deve saber antes da pesquisa/
quantas palavras/páginas/ qual o prazo final para entrega do
ensaio/ analise o que o autor (você) terá que fazer.
Semana 2 Pesquisa preliminar. Nessa fase o autor utiliza o Google
Acadêmico e procura por palavras chaves relativas ao seu
trabalho. Por exemplo: “crescimento sob restrição externa”,
“crescimento e taxa de câmbio” e etc. Outra possibilidade é
procurar pelas revistas acadêmicas nos sites dessas revistas.
Revistas importantes no Brasil são a: Estudos Econômicos,
Nova Economia, Economia e Sociedade, e etc. Nessa fase o
autor seleciona os textos que irá ler a fim de escrever o
referencial teórico.
Semana 3 Planejamento dos textos que serão mais importantes a leitura.
Planeje o que fará semana a semana. É importante trabalhar
todos os dias, ou todas as semanas no ensaio. Fazendo aos
poucos, mas consistentemente, o autor terá melhores
resultados ao final do processo.
Semana 4 Revise seu planejamento. Será possível fazer tudo em tempo?
O autor terá que avançar nas leituras?
Semana 5 Leia e escreva resumos dos textos mais importantes. Faça seus
próprios esquemas dos textos. Qual o objetivo geral dos
textos? Quais os objetivos específicos? Qual a justificativa?
Qual a metodologia? Quais os principais argumentos que os
textos usam? As fontes de dados são confiáveis? Os autores
dos textos respondem à pergunta problema? A teoria é
confirmada pela evidência empírica? A metodologia de análise
é consistente? O que outros autores escrevem sobre o mesmo
tema? Existe alguma controversa? Responder a essas
perguntas podem te ajudar a entender o texto, e te ajudará a
fazer uma leitura crítica do texto.
Semana 6 Escreva o primeiro rascunho do texto. Aqui o autor usa suas
leituras e começa a escrever o texto de modo a tentar
responder à pergunta problema.
Semana 7 Revise o planejamento/ começo o processo de edição, o que
significa reler o texto e procurar por erros, analisar a coerência
interna do texto.
Semana 8 Aprofundar as pesquisas. Pesquisar por mais textos. Procurar
por dados para dar suporte ao seu argumento. Analisar com
recursos estatísticos.
Semana 9 Escrever o segundo rascunho. Aqui o autor irá utilizar as
leituras realizadas e irá analisar os dados.
Semana 10 Revise o planejamento, revise e edite o segundo rascunho.
Semana 11 Pesquise por mais textos para dar consistência a seus
argumentos.
Semana 12 Escreva o terceiro rascunho.
Semana 13 Edição do texto.
Semana 14 Ler novamente todo o ensaio e procure por erros.
Semana 15 Entrega do trabalho.

O planejamento é uma das fases mais importantes da escrita de um trabalho acadêmico. Na


sequência, indicamos um passo a passo para o planejamento:

 começando: procure saber o formato do trabalho, quantas páginas, ou quantas


palavras, qual a estrutura sugerida, ou qual a estrutura você irá usar. Quantas seções ou
capítulos, e o que você irá escrever em cada uma dessas seções e/ou capítulos.
 na sequência: analise a sua questão problema. Essa questão irá te guiar pelo trabalho,
sabia como a correção do trabalho será feita. O que você irá ganhar fazendo esse
trabalho.
 depois: tente colocar no papel o que você já sabe do tema que irá desenvolver e o que
falta pesquisa, e onde pesquisar.
 ainda depois: nessa fase do planejamento, você será capaz de saber sobre o quê será
cada seção, como irá desenvolver o trabalho. Mas não se preocupe se a estrutura que
você planejou nessa fase inicial de planejamento mudar. Replanejar, reescrever é parte
fundamental do processo.
 finalmente: você irá replanejar, reescrever os rascunhos. Você terá o primeiro
rascunho, o segundo e terceiro. É importante replanejar, reavaliar o seu trabalho a cada
uma dessas fases de escrita do trabalho.

Sobre a divisão do trabalho, uma forma simples de dividir, supondo que o limite de
palavras é de 2000, com margem de 200 palavras para mais ou para menos, é:

i) introdução – 10% - 200 palavras


ii) desenvolvimento – 80% - 1600 palavras
iii) conclusão – 10% - 200 palavras

O desenvolvimento você pode dividir em:

i) 2 seções de 800 palavras


ii) 4 seções de 400 palavras
iii) 5 seções de mais ou menos 300 palavras

A estrutura de um trabalho acadêmico normalmente é baseada na estrutura de diamante.

Começo Introdução do trabalho

O corpo do trabalho. Aqui o autor desenvolve o


Meio argumento em seções/capítulos claros. Cada parágrafo
tem começo meio e fim

Fim Conclusão do trabalho


Todo o trabalho é escrito com a mesma estrutura. O ensaio como um todo terá essa estrutura
assim como cada um dos parágrafos.

Como podemos construir um parágrafo?

O parágrafo é dividido em: O quê? Evidência, exemplo e, e daí?

 O quê? – mostre claramente do que se trata o parágrafo. Qual o assunto que o autor irá
tratar nesse parágrafo. É também conhecida como a sentença tópico.
 Evidência – o autor mostrou evidência que suporta o seu argumento? Ou mostrou
evidência de um ponto de vista contrário. A evidência pode ser uma teoria, um
modelo, uma ideia ou um conceito.
 E daí? – o que você irá fazer com a informação discutida? Mostre porque o que você
está argumentando é importante.

Analisando mais a fundo a estrutura do parágrafo.

O parágrafo pode ser dividido como segue:

i) Primeira sentença, ou a sentença tópico: aqui o autor introduz o objeto do


parágrafo;
ii) Segunda sentença: nessa segunda sentença o autor explica os conceitos que irá
tratar, as palavras chaves, os pontos problemáticos;
iii) Sentenças do meio do parágrafo: nessas sentenças o autor pode discutir evidências
para dar suporte ao seu ponto de vista (essencial). Pode usar exemplos (se for
preciso). E ainda pode discutir pontos de vista alternativos (se for pertinente).
iv) Penúltima sentença: aqui o autor faz comentários sobre a evidência. A teoria é
corroborada pela evidência? Pergunte a você mesmo, e daí? Coloque a sua
opinião, a sua voz no parágrafo.
v) Sentença de conclusão: Na conclusão, discuta as consequências e as implicações
do seu argumento e link as ideias com o próximo parágrafo.

Abaixo um exemplo de parágrafo escrito no formato sugerido:


Sentença tópico No modelo clássico a oferta e demanda por fundos emprestáveis
determinam a taxa de juros, e, portanto o montante de investimento em
uma economia.
Segunda sentença Nesse modelo, a taxa de juros, que determina o montante do
investimento depende da oferta e demanda por fundos emprestáveis o
que significa que a oferta de fundos emprestáveis (poupança) depende da
taxa de juros, quanto maior a taxa de juros, mais os agentes trocam
consumo presente por consumo futuro. Com o aumento da oferta de
fundos emprestáveis maior a pressão pela queda da taxa de juros e maior
será o montante do investimento.
Sentenças do Muitos economistas, entre eles Samuel Pessoa argumentam que o
meio do crescimento da economia chinesa se dá graças ao aumento da poupança,
parágrafo o que reduz a taxa de juros e aumenta o investimento. Por outro lado, nos
últimos anos a economia brasileira tem mostrado o aumento da poupança
e mesmo assim, o investimento não aumenta.
Penúltima A evidência não parece corroborar a teoria clássica para o determinante
sentença do investimento. O caso da economia brasileira é exemplar nesse
sentido. Por mais que a poupança aumente, a taxa de investimento não
necessariamente aumenta.
Sentença de Como a teoria clássica parece não explicar os determinantes do
conclusão investimento, a utilização dessa teoria para a prática de políticas
macroeconômicas pode levar a resultados indesejados. Nesse caso é
preciso explorar outras teorias para explicar a determinação da taxa de
juros, e, portanto, o investimento. A teoria de Keynes (1936),
concorrente da teoria clássica pode elucidar melhor a questão, e é
discutida a seguir.

7- Introdução e conclusão

A introdução do trabalho acadêmico tem três funções:


i) Fazer o leitor ficar interessado no seu trabalho. O popular “vender o peixe”;
ii) Prover ao leitor informações importantes para que ele entenda o trabalho. Na
introdução deve-se mostrar claramente o objetivo, metodologia e justificativa para
o trabalho. Isso mostrará ao leitor o que o autor quer fazer, como irá fazer, e onde
vai chegar;
1) Interprete a questão que está propondo. Explique a questão como se o leitor
não tivesse tido contato com o tema que você está estudando.
2) Discuta um pouco do contexto em que a sua pesquisa está inserida. Isso ajuda
o leitor a entender a sua pergunta, ou o objetivo do seu trabalho dentro de um
determinado contexto teórico ou histórico. O contexto importa!
3) Defina os termos que são importantes, palavras que são pouco conhecidas.
iii) Mostrar ao leitor o que pretende-se cobrir no decorrer do trabalho. Discuta onde
você pretende chegar com o seu trabalho. Qual seu argumento e qual a conclusão
você pretende chegar. Qual será o seu argumento?

Quais os principais aspectos da conclusão?

i) Recapitule o que foi explorado no trabalho (um parágrafo é suficiente)


ii) Resuma os principais resultados
iii) Apresente sua conclusão que será suportada pela evidência (empírica e/ou teórica)
iv) Quais as implicações da sua conclusão? Por exemplo, em termos de política
econômica.
v) Não se esqueça de responder a sua pergunta, ou seja, escreva uma sentença que
tenha um link direto com a introdução, respondendo a pergunta.

Não coloque na conclusão novas informações que não foram trabalhadas no texto.

E finalmente, tudo que escrever no trabalho acadêmico deve dar suporte para a sua
conclusão.

8- Principais tipos de ensaios

Os principais tipos de ensaios são:

1) Argumentativo – nesse tipo de ensaio é feita discussão, julgamento, avaliação, analise


e etc;
2) Informativo – descritivo e resenha;
3) Comparativo/contraste – mostra a diferença entre diferentes teorias, evidências e etc;
4) Causa e efeito – mostre que x causa y. Por exemplo, aumento do investimento
agregado aumenta a poupança agregada.

7.1 Ensaio argumentativo

Nesse tipo de ensaio, é esperado que o autor assuma uma posição, que mostre seu ponto de
vista.

O autor pode pensar

Pontos a favor – Evidência e exemplos

Pontos contra – Evidência e exemplos

Discussão

Pontos fortes e fracos do seu argumento

Pontos fortes e fracos dos argumentos concorrentes

Os outros tipos de ensaio são semelhantes ao argumentativo, dependendo do foco do estudo.


Se por um ensaio informativo, organize os pontos mais importantes da informação, e
explique. No caso de um ensaio comparativo, o autor deve comparar argumentos, mostrando
semelhanças, diferenças e pontos de convergência. No caso de um ensaio de causa e efeito,
deve-se detalhar ao máximo o caminho pelo qual do ponto “A” chega-se ao ponto “B”.

9- Pesquisa
Primeiro passo:

O primeiro passo para a pesquisa de um ensaio, monografia e pesquisas acadêmicas em geral


é preciso leitura. O pesquisador, no caso de um ensaio para uma disciplina, poderá escolher
um dos tópicos da disciplina, que lhe parece interessante e aprofundar a leitura naquele
determinado tópico.

Caso o ensaio seja livre, ler sobre economia contemporânea pode ser uma forma de encontrar
tópicos para pesquisa.

O autor deve colocar tudo no papel. A estratégia de começo da pesquisa segue 4 ações: i) faça
um brainstorming, o que significa, coleque no papel todas as ideias de pesquisa que você
pensou. Algumas dessas ideias podem ser usadas para o ensaio; ii) em um primeiro momento,
escreva livremente. Não se preocupe com a gramática ou com a organização, coloque no
papel. Depois você terá que voltar no texto, várias vezes, para reorganizar, reescrever e
corrigir a gramática. O autor desse documento, na primeira versão, está escrevendo sem se
preocupar com os detalhes; iii) faça um mapa mental de como será a organização, qual o
ponto “A”, qual o caminho até chegar no ponto “B”; iv) explique suas ideias para um amigo,
para um parente, com o professor. Converse sobre o que você quer fazer. Com isso você irá,
aos poucos, melhorar a ideia, focar, e ter mais clareza sobre o caminho que irá tomar.

7.1 Coletando informações

Como destacado no começo desse documento, pesquisa em economia no geral envolve a


teoria e a validação dessa teoria com a evidência empírica.

TEORIA EVIDÊNCIA
O ideal é que a teoria seja explicada, com argumentos favoráveis e argumentos contrários,
caso seja possível. Na sequência deve-se buscar por evidência empírica com o uso de
metodologias estatísticas, dependendo do trabalho (para trabalhos puramente teóricos, a
evidência pode ser argumentos de autoridade, e a discussão em torno da teoria).

8.2 Sua fonte é confiável?

Fontes são geralmente uma questão importante quanto estamos tratando de teoria e de dados
para corroborar a teoria. Alguns alunos tendem a citar o Wikipédia em um trabalho
acadêmico. O problema da Wikipédia é que qualquer pessoa pode editar. Não é
necessariamente ruim, contudo, o conteúdo lá não passar por pareceres técnicos. Revistas
acadêmicas por sua vez passam por rigorosos processos de prova e contra prova, os chamados
peer-reviewed artigos. O Wikipédia pode ser uma boa fonte para começar a pesquisa,
entender do tópico a ser estudado, contudo, não deve ser citado em um trabalho acadêmico.
Algumas revistas acadêmicas, como a Nova Economia ou Economia e Sociedade, tem um
processo rigoroso para aceitar publicar um artigo acadêmico em suas revistas, por esse
motivo são consideradas fontes confiáveis. Quando procurar por fontes, seja artigos, livros,
dados oficiais, ou publicações deve-se atentar para: i) precisão; ii) autoridade; iii) viés; iv)
grau de profundidade; v) atualização dos dados; vi) compare as fontes.

Você poderá fazer um checklist para determinar o quanto a confiável é a fonte que está
usando.

Checklist Sim Não


Precisão:
A informação pode ser achada em outros lugares?
Outros autores usam a mesma fonte? Seja artigos ou dados.
As informações se encaixam nas informações que você já conhece?
Autoridade:
O autor é filiado a uma organização de respeito? De alguma
universidade ou órgão de pesquisa.
Você consegue encontrar mais informações sobre o autor?
É uma revista listada no Qualis da Capes?
Viés:
O autor recebe verbas de alguma organização em específica para
publicar? É de algum instituto de pesquisa que defende um
determinado ponto de vista? O autor está fazendo um trabalho
científico ou propaganda para um determinado ponto de vista?
Grau de profundidade:
A informação está suficientemente detalhada?
A metodologia de pesquisa dos dados é oficial? Confiável?
Atualidade:
Os dados ou texto é atual?
Comparação:
Você pode comparar a informação com outras fontes?

9 – Referências

As referências devem seguir as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas


(ABNT), como por exemplo:

ALENCAR, D. A.; SCARANO, P. R. . Poupança externa, vulnerabilidade e crise cambial: os


casos de México, Brasil e Argentina. Revista de Economia Mackenzie (Impresso), v.
8, p. 35-68, 2010.

ALENCAR, D. A.; STRACHMAN, E. . Restrição externa e taxa de câmbio no Brasil, 1980-


2008.. Pesquisa & Debate (PUCSP. 1985. Impresso), v. 24, p. 295-313, 2013.

GODWIN, J. Planning your essay. Palgrave Macmillan, UK, 2009.

SCARANO, P. R.; RACY, José Caio . Manual para a elaboração da monografia. 2006.
(Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Manual).