Você está na página 1de 1

NOME: Naiara Kathleen Sobral de Queiroz

R.A: 180001859

PROFESSOR: Marcius

MATERIA: Sociologia Jurídica

TEMA: Síntese dissertativa (livro: Tempos Liquidos)

O autor começa o livro falando sobre a insegurança das cidades. Elas foram
construídas, no intuito de passar proteção à seus habitantes o que não acontece, pois
é associada mais frequentemente ao perigo, do que à segurança e isso não à toa, pois
é no medo que se baseia a legitimidade da política contemporânea, que é incapaz de
alcançar a origem global dos problemas – o que acaba por deixar ainda maior as
angústias da vida na modernidade líquida.

O governo dos EUA, junto de seus vários satélites mal disfarçados de “empresas
internacionais” geraram como “produtos perigosos” o nacionalismo, fanatismo religioso,
o fascismo e, claro, o terrorismo, que vem avançando lado-a-lado com o progresso da
globalização liberal. O mercado sem fronteiras é uma ajuda para a injustiça e apara
uma nova desordem mundial.

Para se tornarem mais seguras as pessoas acabam deixando de lado sua própria
liberdade. A vida social sofre alterações quando as pessoas começam a viver atrás de
muros, andam com seguranças e armados, adquirem carros blindados. Os medos nos
estimulam a assumir uma ação defensiva.

A passagem da modernidade solida para a “liquida” é uma é uma condição onde as


organizações sociais, não podem manter-se da mesma forma por um longo período de
tempo (são destruídas mais rapidamente que o tempo que levam para serem
moldadas). Há duas razões para a qual a vida liquida traz seus medos em questão, que
são: I) Num planeta onde existem “autoestradas” da informação, nada que aconteça
em alguma parte dele, pode ficar do “lado de fora” da intelectualidade; II) Num lugar
onde a circulação do capital é livre, o que acontece em um determinado local, tem certo
peso na forma de como as pessoas de outros lugares vivem. Nada pode ser
considerado estar do “lado de fora”. O bem-estar de um lugar, nunca será inocente em
relação à forma miserável de outro. Uma sociedade que é aberta, sempre estará sujeita
a golpes do destino.

https://blogdoprofessorleandromoreira.wordpress.com/2017/05/12/resenha-tempos-liquidos-bauman/