Você está na página 1de 5

INCURSÕES INICIAIS NO “PROGRAMA DE AVANÇOS NA REGULARIZAÇÃO

FUNDIÁRIA DE INTERESSE SOCIAL DAS TERRAS OCUPADAS DA UFPA”

Ádria Martins da Ponte1

Lucas Albuquerque Fonseca da Silva2

João Daniel Macedo Sá3

PARF - Programa de Avanços na regularização fundiária de interesse social das terras


ocupadas da UFPa. (extensão)4

Palavras-Chave: Regularização Fundiária; Direito de Laje; Condomínio de Passagem.


Direito de Passagem.

Ocupando uma área de 4.470.274,00 m² a Universidade Federal do Pará insere-se na


primeira légua patrimonial de Belém e representa em torno de 2,5% da área continental desta
cidade (CARDOSO et al, 2014, p. 310). A realidade da ocupação metropolitana trouxe
repercussões a esta área, quando, a partir dos anos de 1970 boa parte da área da Universidade,
correspondente a área denominada “C” (que abrange contemporaneamente parte dos bairros
do Marco, Terra Firme e Guamá) foi gradativamente ocupada pelo crescimento demográfico
informal, que se fundamentou notadamente nas facilidades locacionais da região ocupada
(LIMA, 2004, p. 147).
A partir da ocupação informal uma vultosa quantidade de demandas pelo
reconhecimento do direito a posse nesta área iniciou-se na década de 1980. Nesse contexto a
Universidade começou a promover estudos para a demarcação das áreas ocupadas, o que
culminou com a publicação de um Decreto Presidencial (não-numerado de 11 de novembro de
1991 - Presidente Fernando Collor de Mello) autorizando a UFPA a alienar, vender, ceder ou
realizar atos de interesse social nas terras nele indicadas (CARDOSO, 2014, p. 311).

1
Acadêmica do curso de graduação em Direito da Universidade Federal do Pará. Bolsista do Programa
Institucional de Bolsas de Extensão – PIBEX/UFPA.
2
Acadêmico do curso de graduação em Direito da Universidade Federal do Pará. Bolsista da Assessoria de
Orientação Normativa em TI – CTIC/UFPA. Monitor da Disciplina Direito Civil III -ICJ/UFPA. Extensionista
vinculado a PROEX/UFPA. http://lattes.cnpq.br/8854377022020453.
3
Mestre e doutor em Direito pela Universidade Federal do Pará (2009 e 2015). Possui graduação em Direito pela
Universidade Federal do Pará (2006), em Engenharia Ambiental pela Universidade do Estado do Pará (2005) e
Especialização em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental pela Faculdade Oswaldo Cruz de São Paulo (2007).
Professor adjunto da Universidade Federal do Pará. Advogado. http://lattes.cnpq.br/9744534971209709.
4
Projeto de extensão vinculado ao Instituto de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Pará (Belém-PA).
Plano de trabalho financiado, no período 2018-2019, pela Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal do
Pará. A Comissão de Regularização Fundiária-CRF/UFPA, fornece apoio logístico necessário para a consecução
dos fins do projeto de extensão.
2

Em 2007, em incursão profunda as demandas de reconhecimento do direito à moradia,


foi criada a Comissão de Regularização Fundiária da Universidade Federal do Pará –
CRF/UFPa, atualmente encarregada de levar a cabo os processos de regularização da posse
nas áreas da Universidade.
O Programa de avanços na regularização fundiária de interesse social das terras
ocupadas da UFPa se insere nesse contexto a partir do ano de 2018, se debruçando no
cotidiano da CRF para além do reconhecimento de direitos relativos à posse - regularização
fundiária de imóveis por instrumentos como a Concessão de Direito Real de Uso (art. 7º, DL
nº 271/67) e Concessão de Uso Especial para Fins de Moradia (Art. 1º da MP 2220/01,
alterada pela Lei nº 13.465/17), ao identificar que podem ser reconhecidas outras situações
jurídicas decorrentes de conflitos na comunidade, relativas às ocupações existentes na parte
“C”, de propriedade da Universidade.
Verificou-se que há espaço para um verdadeiro aprofundamento do processo de
regularização fundiária a partir do reconhecimento de outros direitos presentes no
ordenamento jurídico, no campo do Direito Civil. Nesse sentido, foram escolhidos para ser
foco do projeto o Direito de Laje, o Condomínio de Passagem5.
Ambos os institutos têm previsão na Lei nº 13.465/2017, originada da conversão da
Medida Provisória nº 759 de 22 de dezembro de 2016, que atualmente norteia a regularização
fundiária urbana e rural no Brasil e que trouxe inúmeras inovações em seu bojo. O direito de
laje, segundo Gagliano e Pamplona Filho (2017) é definido como um instituto que consiste na
coexistência de unidades habitacionais autônomas, situadas em uma mesma área. No mesmo
sentido para Pablo Stoze (2017, p. 4) consiste no direito real sobre a unidade imobiliária
autônoma erigida sobre a propriedade de outrem.
Por sua vez, o condomínio urbano simples (art. 61 a 63 da Lei nº 13.465-17), é aquele
em que se identificam 3 características, tais sejam: as construções sobre o mesmo terreno, as
unidades imobiliárias com fração ideal, matrícula própria e acesso à via pública, e; respeitados
os parâmetros urbanísticos locais. Tal tipo de condomínio pode ser utilizado para definir o
condomínio de passagem.
Metodologicamente o projeto de extensão se desenvolve em duas frentes: teórica e
prática. A frente teórica vem sendo realizada com a revisão bibliográfica e legal concernente à
problemática. Os principais diplomas normativos a serem analisados são: Leis nº 13.465/17,
e, nº 11.952/09; Decretos 7.341/10 e 9.310/18. Quanto à incursão prática, determinante a

5
Ainda, no curso do projeto foram identificadas outras demandas, que se configuram no Direito Civil como
passagem forçada (art. 1285 do Código Civil de 2002).
3

extensão universitária, o procedimento adotado até o presente momento é a identificação no


universo de processos de regularização fundiária da CRF/UFPA aqueles que possuem as
características dos institutos acima mencionados.
Sobre o processo de identificação utilizado, se observa a partir da análise dos
processos administrativos instruídos no âmbito da UFPA e registrados no sistema SIPAC 6,
notadamente das fichas de dados socioeconômicos, memorial descritivo do imóvel
(notadamente imagens e croqui esquemático e a área do lote). Até o presente momento, foram
revisados 33 processos, sendo identificadas quarto situações de Direito de Laje, uma de
Condomínio de Passagem e Laje, e ainda se a identificação de uma passagem forçada. A fase
seguinte, de acordo com a metodologia do projeto será de incursões a comunidade, onde serão
identificadas outras situações jurídicas-alvo do projeto.
Desta feita, duas providências serão tomadas, quais sejam: a) a construção de
instrumentos jurídicos aptos a conformar a situação jurídica das lajes, e; b) a capacitação da
comunidade, com orientação jurídica adequada para que os habitantes compreendam o objeto
da Lei e as formas de regularização de suas situações.
Programa-se orientação jurídica de forma expositiva, utilizando inicialmente o espaço
disponibilizado pela CRF/UFPa, com indicação de horário semanal para atendimentos e
mediação dos conflitos, com apoio material de um instrumento sistematizado, em linguagem
acessível ao público em geral, que será elaborado pelos bolsistas e voluntários do projeto,
com revisão do professor orientador. Das reuniões de orientação podem resultar acordos, que
serão minutados e levados aos entes competentes para que sejam dotados de efetividade.
A elaboração dos modelos de instrumentos jurídicos aptos a regularizar as situações
expostas será construída de igual forma pelos bolsistas e voluntários do projeto, com revisão
do professor orientador.
Por se tratar de um projeto em andamento inicial, ainda se verificam incipientes os
resultados do mesmo, sendo necessário aguardar o andamento para conclusões incisivas.
Apesar disso vem se mostrando determinante no que diz respeito a formar profissionais aptos
para o mundo do trabalho e o exercício da cidadania, com o fomento da importância da
extensão na formação de intermediadores de conflitos e profissionais aptos a redação de
instrumentos jurídicos.

6
Sistema Integrado de Administração, Patrimônio e Contratos. Trata-se do sistema informacional que registra o
andamento dos processos administrativos instruídos no âmbito da Universidade Federal do Pará. A construção
dos instrumentos legais de conformação da posse, na CRF, perpassa por um processo administrativo que
congrega todas as etapas de concessão da terra urbana.
4

Os estudos vem promovendo o diálogo entre as ações de ensino, pesquisa e extensão,


em consonância com o PDI institucional e o Projeto Político-Pedagógico do curso de
graduação em Direito, que busca a aquisição de habilidades técnicas que articulem, a partir do
estabelecimento de diálogos epistemológicos entre as áreas que fundamentam a formação do
bacharel, as capacidades instituídas no percurso curricular curso, quais sejam a formação
geral, humanística e axiológica da ciência do direito.
Sob a ótica dos Direitos Reais presentes no Código Civil e legislação esparsa, o
projeto de extensão vem se direcionando no sentido de alcançar avanços nos procedimentos
de regularização documental, cartorária e jurídica das diversas situações presentes nas áreas
contidas na "Parte C" das terras da Universidade Federal do Pará - Campus Guamá, em
consonância com a competência basilar presente no PPP do curso de Graduação em Direito,
tal seja, a qualificação e aperfeiçoamento de profissionais com capacidades compatíveis à
resolução dos mais relevantes problemas para a Amazônia e para a sociedade brasileira,
dentre os quais se insere as discussões sobre posse, propriedade e outros direitos reais.
A busca é incessante no sentido de promover com qualidade, em tempo razoável os
objetivos do projeto, como orientação jurídica na identificação de outras relações (como o
Direito de Laje e o Condomínio de Passagem) de Direitos Reais nas áreas inicialmente
regularizadas pela CRF/UFPA; avançar na regularização da posse dos imóveis ocupados, por
meio do instituto do Direito de Laje, através do Direito Real de Uso (CDRU) ou demais
instrumentos a serem definidos, para fins de uso residencial ou demais usos, de forma gratuita
ou onerosa, conforme o atendimento aos requisitos legais estabelecidos na legislação
pertinente; bem como avançar na regularização dos condomínios de passagem, conforme o
atendimento aos requisitos legais estabelecidos na legislação pertinente e ainda avançar na
regularização dos condomínios de passagem, conforme o atendimento aos requisitos legais
estabelecidos na legislação pertinente.

REFERÊNCIAS

LIMA, J. J. Segregação socioespacial e forma urbana. Belém no final dos anos 90. In
FERNANDES, E. e VALENÇA, M.M (org.). Brasil Urbano. Rio de Janeiro, Mauad, 2004.
p. 147-170.

CARDOSO, Myrian S. da S.; MULLER, S. C.; DUARTE, A. A. A. M.; LIMA, J. J. F. Ações


de regularização fundiária e de mensuração das desconformidades urbanas: os casos das terras
da união sobre a tutela da universidade federal do Pará na cidade de Belém-PA. URBE -
Revista Brasileira de Gestão Urbana, Curitiba, v. 6, n. 3, p. 307-322, 2014.
5

STOLZE, Pablo. Direito Real de Laje: Primeiras Impressões. Revista Direito UNIFACS –
Debate Virtual. Salvador, v. x, n. 168, s.p., 2016. Disponível em:
<http://www.revistas.unifacs.br/index.php/redu/article/view/4740/3103>. Acesso em 28 mai.
2018.

GAGLIANO, Pablo Stolze; PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil:
Contratos - Teoria Geral. v. 4. São Paulo: Saraiva, 2017.