Você está na página 1de 3

RESENHA DO FILME “O JULGAMENTO DE

NUREMBERG”

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, França; Inglaterra e Estados Unidos


(os países aliados), se juntam em Nuremberg com a finalidade de decidir qual
seria o destino dos oficiais nazistas, que foram julgados por crimes grotescos
cometidos em campos de concentração durante a guerra. O Julgamento de
Nuremberg foi convencionado pelo Tribunal Militar Internacional, com o
propósito inicial de julgar os principais criminosos da Guerra. O tribunal ouviu
mais de 240 depoimentos.

O tribunal contou com presença de quatro juízes, ou seja, cada um


representava um dos países aliados. O julgamento ainda se utilizou de dois
tipos de tribunal, um sistema de promotoria e defesa julgados de maneira
exclusiva pelos juízes, além disso, não houve participação de jurados.

O filme “O Julgamento de Nuremberg”, trata sobre os acontecimentos após a


Segunda Guerra Mundial, como foco no julgamento de crimes praticados
contra a humanidade durante a guerra, tendo como principais acusados
aqueles que eram subordinados a Hitler.

Dentre os subordinados a Hitler, Goring, um dos seguidores mais próximos a


Hitler possui destaque durante o filme, já que acreditava nos ideais
concebidos por seu superior sem questionar, dessa forma, acabava por
praticar inúmeros crimes, sem mostrar arrependimento algum, crimes esses
como os contra a humanidade, crimes contra a paz e principalmente crimes
de guerra.

A partir do filme conseguimos visualizar alguns princípios que regem o


processo penal, no momento do julgamento. O princípio do Juiz Natural,
determina que ninguém poderá ser sentenciado senão pela autoridade
competente, afirmando a garantia do órgão julgador técnico e isento de
opinião, dessa forma, Juiz Natural é aquele que é investido de absoluta
imparcialidade. Parecido o Juiz Natural, também é presente o princípio do
Promotor Natural, que da mesma forma determina que ninguém pode ser
processado senão por autoridade competente, ou seja, ninguém poderá ser
processado criminalmente senão pelo Ministério Público.

O princípio do Devido Processo Legal, assegura que todos possuam o direito


a um processo com todas as fases e garantias constitucionais previstas em
lei, caso o processo não siga todo o procedimento com suas regras básicas, o
mesmo será nulo. O princípio do Contraditório assegura ampla defesa aos
acusados, dispõe que o acusado possui direito de defesa sem restrições e
que o processo deve assegurar a igualdade das partes.

Fica evidente que a ideia central do julgamento é punir os culpados da


maneira mais correta possível nos parâmetros da justiça, sem que
ocorressem injustiças, novamente sendo remetido aos direitos humanos, até
mesmo na abordagem em relação aos acusados no decorrer do julgamento,
com a finalidade da presença de todos até o final.

Além disso, o julgamento de Nuremberg foi bastante importante para a


compreensão de crimes de guerra, crimes contra a paz, como também para
os crimes contra a humanidade, já que até então não existia uma estimativa
acerca desses crimes cometidos por autoridades sobre seus próprios
cidadãos.

No tribunal são presenciadas cenas que ilustram as atrocidades cometidas


pelos nazistas durante a guerra, ficando evidente a violação aos Direitos
Humanos. Para os crimes contra a humanidade, ficou definido que
escravidão, deportação, assassinato e entre outros atos considerados
desumanos contra a população, que ocorreram durante a guerra, também
como perseguições como motivos políticos, religiosos, raciais.
No fim do filme, consequentemente o final do julgamento, foram prolatadas
sentenças de pena de morte, prisões com penas de duração longa e
perpétuas, um dos impactos causados pelas alterações advindas de crimes
de guerra e crimes contra a paz. Além disso, são perceptíveis os princípios
que regem o processo, citados acima, principalmente o contraditório e ampla
defesa, quanto aos acusados.