Você está na página 1de 24

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS


CURSO DE ENGENHARIA DE ENERGIA

ÁLYSSON MAX COSTA DE OLIVEIRA


MATHEUS FONSECA BASTOS

SISTEMA DE MEDIÇÃO ELÉTRICA VIA WIFI

MOSSORÓ-RN
2016
ÁLYSSON MAX COSTA DE OLIVEIRA
MATHEUS FONSECA BASTOS

SISTEMA DE MEDIÇÃO ELÉTRICA VIA WIFI

Trabalho apresentado à disciplina de Medidas


Elétricas, na Universidade Federal Rural do Semi-
Árido (UFERSA), Campus Mossoró para a
obtenção da nota referente a terceira unidade.

Orientadora: Prof. Samanta Mesquita de Holanda -


UFERSA

MOSSORÓ-RN
2016
RESUMO

O cenário tecnológico vem crescendo no mundo e junto a ele vem crescendo


a procura por sistemas automatizados como, casas inteligentes, monitoramento de
sistema de geração de energia elétrica, etc. A proposta do presente trabalho
consiste no desenvolvimento de um sistema autônomo de medição de energia
elétrica, capaz de realizar medições de qualquer equipamento e fornecer seus dados
via wifi. Para tanto, fez-se necessário o desenvolvimento de um programa para
realizar a aquisição de dados do mesmo. Foram utilizados sensores de tensão e
corrente para a aquisição dos dados e para interpretação destes foi utilizado o
Arduino.

Palavras Chaves: Automação, Sistema Autônomo, Medidas


ABSTRACT
LISTA DE TABELAS

TABELA 1: ESPECIFICAÇÕES DO ARDUINO UNO .............................................................. 13


TABELA 2: DADOS COLETADOS DE UM PAINEL FOTOVOLTAICO ........................................ 21
LISTA DE FIGURAS

FIGURA 1: CONVERSOR CC/CC BUCK ................................................................. 11


FIGURA 2: CONVERSOR CC/CC BOOST ............................................................... 11
FIGURA 3: CONVERSOR CC/CC BUCK-BOOST ...................................................... 12
FIGURA 4: ARDUINO UNO .................................................................................... 13
FIGURA 5: W IFI SHIELD ....................................................................................... 14
FIGURA 6: MÓDULO REAL TIME CLOCK - RTC....................................................... 15
FIGURA 7: SENSOR DE CORRENTE AC-DC ........................................................... 15
FIGURA 8: DIVISOR DE TENSÃO ............................................................................ 16
FIGURA 9: SENSOR DE TENSÃO ........................................................................... 19
LISTA DE SIMBOLOS E ABREVIATURAS

CA – Corrente Alternada
CC – Corrente Continua
PWM – Pulse Width Modulated
SUMÁRIO

CAPITULO 1 ...................................................................................................... 9

INTRODUÇÃO ................................................................................................ 9
OBJETIVO....................................................................................................... 9
OBJETIVO GERAL .......................................................................................... 9
OBJETIVOS ESPECÍFICOS ........................................................................... 9

CAPITULO 2 .................................................................................................... 10

CONVERSORES CC/CC .............................................................................. 10


CONVERSOR CC/CC – BUCK .................................................................. 10
CONVERSORES CC/CC – BOOST .......................................................... 11
CONVERSORES CC/CC – BUCK-BOOST ............................................... 12
ARDUINO ...................................................................................................... 12
WIFI SHIELD.............................................................................................. 14
SENSORES .................................................................................................. 14
RTC – Real Time Clock ............................................................................ 14
ASC712 – Sensor de Corrente ................................................................. 15
Sensor de Tensão .................................................................................... 16

CAPITULO 3 .................................................................................................... 18

METODOLOGIA DA PESQUISA ................................................................... 18


SENSOR DE TENSÃO .............................................................................. 18
SENSOR DE CORRENTE ......................................................................... 20

CAPITULO 4 .................................................................................................... 21

RESULTADOS E DISCUSSÕES ................................................................... 21

CAPITULO 5 .................................................................................................... 22

CONCLUSÃO................................................................................................ 22

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................ 23


CAPITULO 1

INTRODUÇÃO

OBJETIVO
O trabalho em estudo tem como objetivo analisar as grandezas elétricas
(tensão, corrente, potência) de qualquer equipamento via wifi.

OBJETIVO GERAL

Automatizar o sistema de medição elétrica, de modo a permitir seu


monitoramento via wifi.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Esse trabalho objetiva mostrar como monitor as grandezas elétricas de


uma determinada carga.
 Desenvolver um algoritmo específico de acordo com os parâmetros a
serem usados.
 Desenvolver um algoritmo para receber os dados via wifi, utilizando o
wifi shield.
CAPITULO 2

CONVERSORES CC/CC

Os conversores CC/CC são dispositivos eletrônicos utilizados quando a


fonte de energia gerada é em corrente continua e a carga que está sendo
alimentada necessita de uma corrente continua em um valor de tensão
diferente. São conversores de potência que utilizam comutação de sinal e
armazenamento de energia através de elementos semicondutores (indutor ou
capacitor). Devido a característica de comutação, também são conhecidos
como fontes chaveadas (GASPARI, 2010).
O principio de funcionamento dos conversores CC/CC se baseia no
armazenamento temporário da energia de entrada e da liberação na saída com
uma tensão diferente. Comparado com os reguladores de tensão linear esse
método de conversão é mais eficiente, alcançando valores superiores a 80%
de eficiência.
Os conversores CC/CC podem ser utilizados tanto para diminuir a tensão
de saída em relação à tensão de entrada, como pode ser utilizado para elevar
a tensão de saída. São denominados de Step-down e Step-up.
O uso deste tipo de conversor é bastante recomendado em arranjos
fotovoltaicos, onde tem a função de absorver a potência do arranjo a uma
tensão fixa, comportando-se como um gerador de corrente, de modo a acionar
o motor elétrico acoplado à bomba.
Os conversores podem ser classificados basicamente em três categorias:
Buck, Boost, Buck-Boost.

CONVERSOR CC/CC – BUCK

A Figura 10 representa o circuito de um conversor CC/CC Buck. O


conversor Buck é formado por uma chave (S), um diodo (D) e um filtro na
saída, que é constituído de um indutor (L) e um capacitor (C).
Os conversores CC/CC possuem dois modos de funcionamento, podendo
ser eles em condução contínua ou descontínua. O modo de condução depende
da corrente no indutor. Se a corrente no indutor não atinge o valor zero, o
conversor está operando em modo de condução contínua. Se a corrente atinge
o valor zero a cada comutação, o conversor está operando em modo de
condução descontínua.

Figura 1: Conversor CC/CC Buck

Fonte: PSIM

CONVERSORES CC/CC – BOOST

A Figura 11 representa o circuito de um conversor CC/CC Boost, que é


formado por uma chave (S), um diodo (D), um indutor na entrada(L) e por um
capacitor que serve como filtro na saída (C). Da mesma forma que os
conversores CC/CC Buck possuem dois modos de operação, os conversores
CC/CC Boost também possuem dois modos de operação, sendo eles: modo
condução contínua e modo de condução descontinua.

Figura 2: Conversor CC/CC Boost

Fonte: PSIM

O conversor Boost é um conversor elevador ou Step-up, cujo principio de


funcionamento é semelhante ao de um conversor Buck com diferença no nível
de tensão na saída, onde o conversor Boost eleva o sinal de corrente, ou seja,
a tensão na saída é regulada para ser maior que a de entrada.

CONVERSORES CC/CC – BUCK-BOOST

A Figura 12 representa o circuito de um conversor CC/CC Buck-Boost,


que é conhecido com abaixador/elevador de tensão, pois a tensão de saída
pode ser regulada para ser maior ou menor que a de entrada. É formado por
uma chave (S), um diodo (D), um indutor (L) e por um capacitor que funciona
como um filtro na saída (C).

Figura 3: Conversor CC/CC Buck-Boost

Fonte: PSIM

ARDUINO

O Arduino é uma plataforma open-source de prototipagem eletrônica com


hardware e software flexíveis e de fácil manuseio, ou seja, o Arduino é formado
por dois componentes: A placa, que é o Hardware onde será construído o
projeto e a IDE Arduino, que é o Software onde será desenvolvida a
programação do projeto.
A vantagem da plataforma Arduino é a grande facilidade de sua utilização,
podendo ser utilizadas por pessoas que não são da área, aprendendo apenas
o básico da programação para criar seus próprios projetos.
O Arduino utilizado no presente trabalho é o Arduino Uno (Figura 13), que
possui 14 pinos de entrada/saída digital, 6 entradas analógicas, um cristal
oscilador de 16MHz, uma conexão USB, uma entrada de alimentação, uma
conexão ICSP e um botão de reset.
A alimentação da placa pode ser feita tanto pelo USB quanto por uma
fonte de bateria externa. Em caso de se utilizar uma fonte de alimentação a
tensão deve ser de 6 a 20V, porém é recomendado utilizar uma tensão de no
máximo de 12V.

Figura 4: Arduino Uno

Fonte: Arduino.cc

A Tabela 1 lista as características da placa.

Tabela 1: Especificações do Arduino Uno


Tensão Operacional 5V
Tensão de entrada recomendada 7-12V
Tensão de entrada limite 6-20V
Pinos E/S digitais 14
Pinos de entrada analógica 6
Corrente CC por pino E/S 40mA
Corrente CC para o pino 3,3V 50mA
Flash Memory 32 KB
Velocidade de Clock 16 MHz
Fonte: Arduino.cc
WIFI SHIELD

O Wifi Shield (Figura 14) é utilizado junto ao Arduino de modo a fornecer


uma conexão sem fio (wifi).

Figura 5: Wifi Shield

Fonte: Arduino.cc

SENSORES

Os sensores são dispositivos capazes de transformar uma grandeza física


em um sinal elétrico, respondendo a um estímulo físico/químico de maneira
mensurável analogicamente, ou seja, são dispositivos sensíveis a alguma
forma de energia que pode ser luminosa, térmica, cinética.

RTC – Real Time Clock

O módulo RTC ou Real Time Clock (Figura 15) é um módulo que possui
56 bytes de memória não-volátil, é capaz de armazenar e fornecer informações
completas de data como o dia da semana, dia do mês, ano e outras funções
como a hora, minutos e segundos. É bastante utilizado em projetos onde é
necessário criar um datalogger.
Figura 6: Módulo Real Time Clock - RTC

Fonte: LabdeGaragem

ASC712 – Sensor de Corrente

O sensor de corrente ACS712 (Figura 16) é um sensor de corrente AC-


DC que permite medir correntes de até 30A de forma segura, pois utiliza o
efeito hall para realizar a medição e gera no pino Out uma tensão proporcional
à corrente detectável (66mV/A).

Figura 7: Sensor de Corrente AC-DC

Fonte: LabdeGaragem
O principio de funcionamento do sensor de efeito hall se baseia em
detectar o campo magnético gerado pela passagem de uma corrente, isolando
completamente os bornes de ligação e os pinos Vcc, GND e Out.
O sensor ASC712 é do tipo invasivo, ou seja, é necessário interromper o
circuito para realizar a medição, diferente dos sensores não invasivo que
envolve apenas um dos fios do circuito para medir a corrente. Para projetos
permanentes o uso do sensor ASC712 é uma ótima opção, como por exemplo,
em projetos residenciais.

Sensor de Tensão

Os sensores de tensão são baseados no principio dos divisores de tensão


(Figura 17), ou seja, são dimensionados para entregar na porta Analógica do
Arduino 5V.

Figura 8: Divisor de Tensão

Fonte: br-arduino

A tensão medida no circuito do presente trabalho foi realizada através de


um divisor de tensão que foi dimensionado para suportar uma tensão de
entrada Vin, e uma tensão de saída Vout
Um divisor de tensão é composto basicamente por dois resistores (R1 e
R2) conectados em série ao terra. A tensão de entrada Vin é conectada a R1, e
o terminal de R2 é conectado ao terra. A tensão obtida na conexão entre R1 e
R2 é a tensão de saída Vout. A partir da equação abaixo do divisor de tensão é
possível calcular os valores de R1 e R2 a serem utilizados.

𝑉𝑜𝑢𝑡 = 𝑉𝑖𝑛 ∗ 𝑅2 ÷ (𝑅1 + 𝑅2)

A partir da equação do divisor de tensão acima é importante obedecer


dois critérios:
1- Quanto maior a soma R1+R2, menos o circuito de medição irá
interferir nas propriedades sendo medidas.
2- O valor de Vout deve ser no máximo 5V, para evitar danos à porta
Analógica ou ao próprio Arduino.

Para que o primeiro critério seja aceito, é necessário que R1 seja muito
grande, dependendo do projeto a ser feito o resistor tem que ser maior ou
menor.
A partir do valor de R1, é possível achar R2 com base na tensão de
entrada e de saída utilizada.
CAPITULO 3

METODOLOGIA DA PESQUISA

Uma vez adquirido o embasamento teórico necessário para compreender


o funcionamento de cada componente, inicia-se a etapa de implementação do
sistema.
O trabalho será realizado com o auxílio de uma fonte de tensão CC e um
painel fotovoltaico, onde será desenvolvido um algoritmo capaz de analisar os
dados de tensão, corrente e potência. Esses dados serão armazenados em um
SD-Card e transmitidos via wifi para um servidor.
Será utilizado um microcontrolador responsável por controlar o sistema,
bem como um computador onde serão armazenados os dados coletados via
rede através do microcontrolador wifi shield.

SENSOR DE TENSÃO

As Portas Analógicas do Arduino são limitadas a uma tensão de 5V,


portanto, para medir tensões em outras faixas, é necessário converte-las para
esse valor. A forma mais simples de converter tensões de outras faixas é
usando a regra do divisor de tensão, que é a mesma regra utilizada nos
sensores de tensão.
O sensor será dimensionado a partir de um divisor de tensão simples,
composto por dois resistores conectados em série à terra. A tensão de entrada
Vin é conectada ao terminal de R1, e o terminal de R2 é conectado à terra. A
tensão de saída Vout é obtida entre os terminais de R1 e R2.
Para garantir o primeiro critério do dimensionamento, foi utilizado um
resistor (R1) com valor bastante alto (1MΩ).
Para atender ao segundo critério do dimensionamento, a partir do valor
adotado de R1, basta resolver a equação do divisor de tensão para saber o
valor de R2, correspondente ao valor máximo declarado de Vin, e ao valor
máximo de Vout.
A partir de um valor máximo adotado como tensão de entrada (50V), é
possível encontrar o valor de R2 da seguinte forma

𝑉𝑜𝑢𝑡 = 𝑉𝑖𝑛 ∗ 𝑅2 ÷ (𝑅1 + 𝑅2)


5 = 50 ∗ 𝑅2 ÷ (1𝑀Ω + 𝑅2)
5 ÷ 50 ∗ 𝑅2 = 𝑅2 ÷ (1𝑀Ω + 𝑅2)
5𝑀Ω + 5 ∗ 𝑅2 = 50 ∗ 𝑅2
45 ∗ 𝑅2 = 5𝑀Ω
𝑅2 = 111𝑘Ω

Deste modo, para qualquer valor de entrada Vin entre 0V e 50V vai
corresponder a um valor de saída Vout entre 0V e 5V.
O circuito do divisor de tensão pode ser representado pela Figura 18.

Figura 9: Sensor de Tensão

Fonte: br-arduino (Editado,2016)


SENSOR DE CORRENTE

O sensor de corrente ASC712 é ligado a porta analógica A0, que está


ligada ao pino OUT do sensor, calculando a tensão de entrada e também a
corrente que está circulando no circuito naquele momento.
Para realizar o calculo da corrente do circuito, será utilizado uma variável
(mVperAmp) onde é armazenado um valor (66mV/A) disponível no datasheet
do fabricante, o valor da corrente é gerado pela variável (CurrentValue ()).
Caso o sensor a ser utilizado seja de outros modelos, como por exemplo,
5A e 20A, o valor da variável de armazenamento deverá ser alterada conforme
o datasheet do fabricante.
O laço onde é realizado o calculo da corrente AC-DC, pode ser
representado a seguir:

// REINICIA O VALOR ATUAL E ATUALIZA NA PROXIMA LEITURA


currentValue = 0;

//INICIA A ANALISE DOS VALAORES PARA MEDIR A CORRENTE CONSUMIDA


for (int index = 0; index < 5000; index++) {
sensorValue = analogRead(sensorPin);
sensorValue = (sensorValue - 510) * voltsporUnidade;
currentValue = currentValue + (sensorValue / mVperAmp) * 1000;
delay(1);

currentValue = currentValue / 5000; // 5000mV


CAPITULO 4

RESULTADOS E DISCUSSÕES

Neste capitulo será apresentado os resultados obtidos da coleta realizada


pelo Arduino de um Sistema Autônomo de Limpeza em um Painel Fotovoltaico.
Também será descrito as dificuldades encontradas durante a elaboração do
trabalho e as soluções tomadas.
Os dados coletados foram organizados em uma planilha, com as
medições feitas de 1 (uma) em 1 (uma) hora, das 07h00min às 17:00 horas.
A Tabela 2 apresenta a média dos dados coletados de um painel
fotovoltaico exposto ao sol com uma inclinação angular de 5º.

Tabela 2: Dados Coletados de um Painel Fotovoltaico


HORÁRIO CORRENTE (A) TENSÃO (V) POTÊNCIA (W)
07:00:00 0,08 17,43 1,39
08:00:00 0,07 18,93 1,33
09:00:00 0,07 19,68 1,38
10:00:00 0,08 19,49 1,56
11:00:00 0,09 18,22 1,64
12:00:00 0,08 18,98 1,52
13:00:00 0,08 18,05 1,44
14:00:00 0,07 18,95 1,33
15:00:00 0,06 18,73 1,12
16:00:00 0,08 18,12 1,45
Fonte: Autoria própria

De acordo com as especificações do fabricante, o painel fotovoltaico gera


uma tensão máxima de 21.5 V e uma corrente de 1.9 A. Com base nesses
dados é possível observar que a tensão teve uma redução de 10% com base
nos dados do fabricante. Como não utilizou nenhuma carga nessa analise
apenas o Arduino, a corrente foi mantida praticamente a mesma.
CAPITULO 5

CONCLUSÃO

A motivação deste trabalho foi a percepção de desenvolver um sistema


capaz de realizar as medições de grandezas (tensão, corrente, potência, etc.)
em qualquer equipamento através de um Arduino e disponibilizar esses dados
via wifi.
Por fim, concluiu-se que os dados obtidos através do arduino tiveram uma
pequena variação quando comparado com os valores obtidos com
equipamentos destinados a essa função, porem, essa variação é insignificante,
visto que para valores de grandezas elevadas a variação se torna praticamente
nula.
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[ABADE, 2016] A. K., (2016). “Energia fotovoltaica no Brasil: projeto piloto ou


grande mercado”. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA. DESAFIO DA
REESTRUTURAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL, 7,
1996, Rio de Janeiro Anais... Rio de Janeiro:UFRJ,1996. p 347-357.

Arduino, Getting Started with Arduino and Genuino UNO. Disponível em:
< https://www.arduino.cc/en/Guide/ArduinoUno>. Acesso em 31 de outubro de
2016.

[Braga, 2008] Renata. P., (2008). “Energia Solar Fotovoltaica: Fundamentos e


Aplicações”. In Tese de Graduação , UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, 2008.

BR-ARDUINO, Voltímetro com Arduino: como montar, programar e calibrar.


Disponível em: <http://br-arduino.org/2015/06/voltimetro-com-arduino-como-
montar-programar-e-calibrar.html>. Acesso em 31 de outubro de 2016.

David Shamah, World’s first self-cleaning solar park in the Arava Valley.
Disponível em: < http://www.timesofisrael.com/worlds-first-self-cleaning-solar-
park-in-the-arava-valley/>. Acesso em 26 de outubro de 2016.

[Gomes, 2016] Christiane, H., (2016). “Sistema Supervisório para


Acompanhamento de Consumo de Energia Elétrica Residencial”. In Tese de
Graduação, UTFPR, Curitiba, PR, 2016.

[Hinrichs, 2010] Roger. A., (2010). “Energia e Meio Ambiente”. Tradução


técnica: Lineu Belico dos Reis, Flávio Maron Vichi, Leonardo Freire Mello. São
Paulo: Cengage Learning, 2010.

Laboratório de Garagem, Como Gravar Dados no Cartao Sd Externo.


Disponível em: <http://labdegaragem.com/forum/topics/como-gravar-dados-no-
cartao-sd-externo-no-arduino-ajuda-pfv >. Acesso em 31 de outubro de 2016.

[LOPES, 2013] Ricardo, J., (2013). “Efeito do Sombreamento nos Painéis


Fotovoltaicos”. In Tese de Mestrado, Universidade de Évora, Lisboa, 2013.

[LOPES, 2005] Álvaro, P., (2005). “ A Energia Solar Fotovoltaica Utilizada em


Bombeamento de Água – Aplicações e Perspectivas”. In Tese de Mestrado,
UFLA, Lavras, MG, 2005.

[NIEDZIALKOSKI, 2013] Rosana, K., (2013). “Desempenho de Painéis Solares


Mono e Policristalinos em um Sistema de Bombeamento de Água”. In Tese de
Mestrado, UNIOESTE, Cascavel, PR, 2013.

[RIBEIRO, 2012] Uirê. G, V., (2012). “Estudo de Viabilidade Econômica de


Instalação de Fontes de Energia Renováveis Baseadas em Células
Fotovoltaicas para o uso Residencial”. In Tese de Graduação, USP, São Paulo,
2012.
[RODRIGUES, 2007] Leandro, G., (2007). “Estudo e Desenvolvimento de um
Conversor DC-DC de Topologia Buck para Aplicação Aeroespacial” In Tese de
Graduação, USP, São Carlos, SP, 2007.

Rüther, Ricardo
Edifícios solares fotovoltaicos: o potencial da geração solar
fotovoltaica integrada a edificações urbanas e interligada à rede
elétrica pública no Brasil / Ricardo Rüther. – Florianópolis :
LABSOLAR, 2004.

TESSARO, Alcione R., SOUZA, Samuel N, M., RICIERI, Reinaldo P., et


al. Desempenho de um Painel Fotovoltaico Acoplado a um Rastreador Solar.
In: ENCONTRO DE ENERGIA NO MEIO RURAL, 6., 2006,
Campinas. Disponível em: <
http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC000000
0022006000100046&lng=en&nrm=abn>. Acessado em 26 de outubro de 2016.