Você está na página 1de 4

O cidadão de papel.

A infância, a adolescência
e os Direitos Humanos

Gilberto Dimenstein
São Paulo, Editora Ática, 200 Edição/
10 Impressão, 2002, 184p.

Por Es-ther Maria de Magalhães Árantes'

Lançado pela primeira vez em 1993, ganha- que vão da, mortalidade infantil à desnutri
dor do Prêmio Jabuti 1994, considerado melhor çao, da falta de, escolaridade ao desernPrego

livro de não- •icçao e fortemente recomendado _ :passando pelos problemas do meio ambiente".
pela Fundação Nacional do Livro Infantil e u- , irrienstein,.,que, a raiz da violência do
Afirma 11)
veria; o livro O cidadão' de papel, ' objeto desta cotidiano brasileiro é a incapacidade de se Ofe-
Resenha, consta como sendo a 20- ediçao/1-. recer "um Mínimo de igualdade de- oportuni-
,
impreS'são,l-de'-2062, péla Editora Ática. dades as pessoas".
Tendo como um de seus objetivos ajüdar,a Não apenas o objeto do livro é a siçao
formar leitores, na qual se encontram os direitos humanos de
• o autor traz para análise situa
ções de fragilidade vividas no dia-a-dia da soci- crianças e adolescentes no Brasil, c()rnTste é
edade brasileira, principalmente de crianças e um livro dedicado, sobretudo, para os -adoles-
adolescentes, deixando claro como-o conceito de centes e jovens,'embora-adultos também se be-
cidadania se relaciona com os mecanismos de neficiem de sua leitura, dada a quantidade de
promoção de -direitos: Ou seja, uma cidadan informações trabalhadas (reportagens, :estatís-
frágil, como a'"de,papel , é aquela cujos direitos ticas, relatórios, censos, pesquisas, legislação)
nao se traduzem 'em práticas concretas, perma- O livro se dispõe a dialociar com os ado-
necendo, -portanto,- também `no papel".- lé-scentes, sendo altamente instrutivo 'para o
„ •
Não há como; no espaço, de uma Resenha educador atento: em nenhum momento • o au-
abordar todos' os temas' tratados no livro: Morta tor menospreza _a capacidade dos ãdolescen-
trabalho, educação, moradia, ViOlênciá tes-,de compreenderem a complexidade dos
desemprego, urbanização, meio ambiente,- infla problemas tratados: -A Partir de um problema
ção, recessão, dentre outros. Forçoso, então que preocupa grande parte da - juventude Ur-
apontar ao leitor, a principal ' linha de reflexa() bana atual, qual seja, á chamada "questão da
do autor o'que,já se encontra prometido no violência",
_ ó autor problematiza as circUnstân-

subtítulo do livro: A infância, a a'dolescência'e ,cias, naS quais tal violência ,se dá, prevenindo
os Direitos Humanos nó Brasil:: - ,tanto unia associação fácil entre pobrezae Cri-
, minalidade,'-conio propostas de -uso' da violên-
A partir, dos direitoshumanos declarados,
cia para combater a violência, como os grupos
por exemplo: "Todos Os homens nascem livres e
de extermínio.
, Assim, O-autor vai, ;asso a pas-
iguais em dignidade edireitos'', e ricamente ilus-
trado corá fotos do cotidiano e reportagens reti-
radas de jornais e;reVistas-, o autor vai aPiesen-
tandoi,os fatores que produzem a'fragilidade: a o da Foculdade de Educação, od
dom d
Ocfod niàe Direito's Hurécicio-s/UER.1 ire
cidadania, no Brasil estabelecendo as relações ol de Di;ititoé Huéléniís/CFP
Nãéidn-
EZiobç

!Interagir: Pensando a Extensão, RIO de Janeiro, n. 7, p. 151-153, Ionljul 20051 151 —


so, discutindo o desemprego, a falta de: escolas, índices' de mortalidade na =faixa etária entre
IL .« « Ét 51# Élk 33 0‘ 5I *.
. desnutnçao, afome, 'a precariedade da mora-
a 44.e 25 anos tem aumentado emrdecorrência
diwetc:, Com,linguagçm simples, 'direta e aces fatores externos como acidentes, suicídios-
sível, a engrenagem,.que e assassmatos:De qualquer modo, em que pese -
«P. Ihk * et a a -4, 311L111 1$. IN
vai aparecendo as constantes atualizaçoes feitas pelo autor, é
1, 451 11.5111k4 ff 1 ew,
Asar pe bom.que o,professor pe„rmaneça!atento aos nu-
, de_ o livro se voltar para
. as constan
.tes,violaçõeS dós direitos umanos,no,cotidiarió meros, índices ,e estatísticas, què podem sofreri
..,..
da «dlltbrasrll̀r , constitutivas justamente do yanaçoes, mesmo nas edições mais recentes.
r is. ti „ir. , .15 W
que denomina cidadania deipapel. Dimens- No caso específico da édiçaolutilizada,para esta
* ..* 9. a* .& . ill g á* 9 11 AI
tem nao quis produzir um livro pessimista, que Resenha de 2002 o valor do 'salário mínimo
incu nos adole ntes sentim• ta resentauoQØ 2001, que era R$180,00
alento, de que "nada é possível" Ao cofitrário, — valo . - rent do atua1„que,.. é?deiR$350,00.
m"ost‘ ra experiL2Tas bem ?Uc'eviclidasIcOstnalla Embora possamos conffclérialqa tfritt -
P?st(!ral!'dO‘Mengr, que veslim. co' n!seguiho 111 ivorkahd,
j o outolã§àssuficiettei ptrak L-

resultados na diminuição 1. ento 6s ntessidadg4sit,s de uma fa-
seqüentemente,,naLMértalidade infantil. pa c ar z e. orreçáo • a info iação
11 I 11! I Ir passada ao aluno há que se registrar qdifergi-
a /..)livPo foi pensado para ser utilizado por dl A 3 ..11 II .4 II *
ça numérica e,aproveitar aoporturudade, como
professores e litnifos o cófite!ttó escolar. Neste .
gere própno autor, para discutir renda; tn
sentido, .„ é bastante informativo. a o e,o que. consideramos com necessida-
perem relatolytnos, meramentejestatísticos e es báskas.
e
con
• tabilizadores das mazelas humanas, pois os
aa a st ta a
relatos saor humaruzados, C0111 rostos,geografias
III ! III
Todas estas são as,rvirtudes que pude per-
e nomes. Não'sã~eros números, mas 'das er neste livro, tão bem intenciona d
- rç wm. entari,to, 'ainda' q;,ü,,, eli;ó74'nt o r tenha se
que1 ra'z CO ãwa a e revela a fina sensibi-
Idade do autor. preocupado em fazer ai a:içá das próprias Ca-
tegonas utilizadas e destacritica pro-
,de
mover 'à'esnatura1.izaçao de.características
,apresenta um roteiro para discussão, 1:;em como -
-estigma tizadoras atribuídas.-.àéobreza;4pelo-;.
4%.
sugestoes de livros, filmesie sites e ica os ao rie?ilastímlrellaçro 14dYis!spIctibrs acredito que
aslluittolMlsapen'is Ltát"c" dl também di- a I '11N
o, autor, não tenha sido suficientemente clar
* 5 111 0,
o.
35„ * *é. * * *
cas de comolere assistir aos filmes criticamen- Airn é:que, ao falar :do usuário de s'ubstâriCi-
te, deixan o e ado leitor e o expecta r as psicoativas, a ele refereCorno,"drogadol",
Zr` -PrWW`
passwooSugere ao professor como os diferentes não faiérao?la nectsSâlia'disitritão erftreddé- t
* * * *
temas podem ser abordados de forma interes- rentes &tipos ,del,usePe sulltâncigs, relacio-

sante e dinânu 4-7
nando a "dependência e -d7oga s" ao coatigi-
Com° o livro .tem etensão e apresen- mento de suicídio, roirliscbikde-sexual
tar ao jovem a situaçaojatu e nao uma análi- minalidade. Sabemos que esta é um4questão
sHóricalemboila fdel4at às veze/ s teiota/quwe lan*- polemica,1wiInas o as,opinioes, sendo
«t'-.eø •q' que a
çar mao para melhor situar a questão presente, ópria le --t " siati apon-
, ,T. , .. ..
o autor, e suas árias edições, tem se preocu:
padoTem atualizar as intormaçoes i já que ai , tada como um dos componentes-do-problema,
a ri er
aumentand o ernmuito a popu açaoarcer
ín*dices .vão 't salteranct gará melhor oti para Pfr Z * s< 15. & 1 A&
nao apenas ,no ?Brasil como ev outros pai-
piorjustament,como ',, ' >resti 'I " tad o'da imp- "lemen- Se. Não que as,considerações que o autor fa
tação de polític-as Pública;de 'garantias de di-: .ern relação ao uso de crack e cola desapatei-
-,;*-- .«-;-- c, ,:bk.: f,rák 4".';s ?; / p r ia 4ia,(
reitos, ou ae sua ausencia. A sr, se 04 u,rn ro, pelos charnados meninos de rua' não es-
lado, tem havido mligla tas taxas de mortal,i- tejam corretas. 'Apenas que, ao generalizara '."1 e
P.i A .415 Jv, rt. , #,,,p,;, . è: „ - Ir
dade infantil em virtude de po i icas ublic s q estao para o drogado sem as necessárias
e privilegiam c ação, aleitamento ma- co dera loco t os os tipos
1-# W*L.
terno, combate fome etc, por outro lado, os substâncias no mesmo saco de gatos"

152 Interagir Pensando o Extensão, Rio de Janeiro, n. 7, p. 151-153, jan./jul. 20051


O outro Ponto diz respeito à associação en-
tre baixa escolaridade ou_ `:ignorância , que não
querem dizer a mesma coisa --e gravidez na ado-
lescência..Ern relação a eSte:terná, o,autor re-
corre:Ta diversos estudos,- preocupado ein de-
monstrar Como a : gravidez na adolescência está,
muitaS ve±es;'associada„ à precanedade dos di-
reitos 'de cidadania, Mas inclui, nas paginas .98
e 99,- nm 'texto de Drauzio Varella, cuja conclu-
são consideramos particularmente infeliz:
Ainda: que não seja Por solidariedade ou eco-
nOmia- de.'}ecUrsoS, pelo Menos por prudência-é
preciso agir. Afinal, quantos Marginais que nos
tir:arn:a. tranqüilidade nas cidades brasileiras
descendern de meninas engravidadas em idade
de brincar com boneCa?":"Alg-uns' estudos indi-
cam 'g:Lie -.21 gr-avidez na adolescência nem sem,:
pre está relacionada ao descuido, - à baixa esco-
laridade e rnar'g,inalidade,--sendo urn fenômeno
Mais Complexo culturalmente do ,que imagina-
mos a princípio.
Finalizando, mais do que apresentar cer-
tezas, um bom livro e, aquele que promove a cu-
riosidade e •instiga o debate. Para além dós
, • nu
meros-e das estatísticas, o livro de Dirnenstein é
certamente uma oportimidade para se pensar,a
humanidade das .pessoas- que- no' Brasil se en-
contram concretarnente sob risco;:tornando-nos
parceiros para Criar uma nova , vida.

1 Interagir: Pensando o Extensão, Rio de Janeiro, n. 7, p. 151-153, jan./jul. 20051 153-