Você está na página 1de 91

Planilha do Excel do Avô Zé José Carlos B S Geada Avô Zé

NOTA: Antes de começar verificar se na configuração do Windows o simbolo de separação dos milhares é "espaç
Esta planilha procura resolver alguns problemas, que de uma maneira geral não são considerados nos bons
programas de Topografia; visto estes serem destinados a Engenheiros e não a Topógrafos, isto é, são
destinados a projectos e não a acompanhamento de obras.
Assim, temos
Na 1ª folha:
O cálculo do Pothenot, mas procurando obter um maior rigor; e um ajustamento com os marcos à volta,
possibilita o ajustamento por coeficientes de direcção; isto é, ajusta as coordenadas às direcções que
medirmos para os marcos que nos rodeiam.
Se além da tripeça medirmos para outras direcções, será feito o cálculo considerando as três primeiras
direcções como sendo a tripeça, e depois permite-nos ajustar, considerando as outras. Assim ficaremos
com umas coordenadas ajustadas a todas as direcções que medirmos.
Na 2ª folha:
Problema de Hansen. Neste caso aparecem as quatro figuras com as quais poderemos resolver o problema.
O cálculo foi feito de maneira a ser sempre o mesmo em qualquer das figuras; havendo necessidade de
escolhermos a figura que pretendemos e indicar os elementos de acordo com o indicado na figura.
Na 3ª folha:
Temos irradiações onde poderemos calcular todas as irradiações feitas de uma estação.
Na 4ª folha:
Instruções para o conjunto de folhas que se seguem: Campo; Poligonal; Diagrama e Área
Na 5ª folha:
O registo de campo que servirá de base para os cálculos da poligonal.
Vamos verificar que aparecem as quatro hipóteses: Graus Horizontal, Graus Inclinada ou Grados Horizontal,
Grados Inclinada. Tomei a iniciativa de considerar estes casos, por ter verificado que no Brasil ainda usam
o sistema sexagésimal. Mas como a tendência é para se passar para o sistema centesimal, devido às
facilidades da informática, achei por bem considerar os dois; embora todos os meus programas terem sido
feitos todos para o sistema centesimal, visto ser esse que se usa em Portugal.
O facto de se indicar se a distância foi medida na horizontal ou inclinada, tem por finalidade indicar os
cálculos a efectuar. Embora seja possível fazer o programa sem ser necessário perguntar, torna-se mais
fácil assim.
Assim será bom que antes de se iniciarem os cálculos, se escolha o sistema.
O registo de campo pode ter elementos para além dos da poligonal. Ao registar-se a poligonal, serão
escolhidos os elementos respectivos.
Na 6ª folha:
Cálculo da poligonal. Nesta foi considerada a correcção do coeficiente de deformação linear (correcção
cartográfica » K), a aplicar devido à deformação cartográfica. O cálculo da correcção para UTM será feito
por programa, clicando no Botão. Para qualquer outro sistema terá de ser introduzido. Esta correcção deve
ser sempre considerada, porque por vezes provoca maus resultados nos trabalhos, se a não introduzirmos.
Em determinadas zonas em que esta deformação é muito grande, terá também de ser considerada ao fazer
a locação (implantação) de pontos para execução de trabalhos. Não é correcto ignorar essa diferença.
Por norma, quem executa o Projecto, considera apenas a cartografia, o que é um erro, visto ser necessário
considerar sempre dois sistemas de coordenadas: Um da Rede, e outro de Trabalho.
O da Rede apresenta as coordenadas com a sua deformação cartográfica, e a redução ao Elipsóide.
O de trabalho apresenta as coordenadas reais sem qualquer deformação, e sem redução ao Elipsóide; isto é,
com as distâncias reais do terreno. Normalmente não haverá grande importância, porque o Topógrafo ajusta
tudo. Mas em alguns casos poderá dar erros graves, e não é justo que seja o Topógrafo a pagar pelos erros
dos que projectaram. Receber coordenadas e elementos cartográficos e transformá-los em elementos reais
dá trabalho, e custa dinheiro. Por isso é mais fácil passar a batata quente para o Topógrafo.
Na poligonal são apresentados os erros de fecho, para que se possa verificar se estão dentro das tolerâncias
para o trabalho pretendido.
Na 7ª folha:
Temos Coordenadas, que serve para copiar as coordenadas da poligonal ou para importar coordenadas de
ficheiro *.txt, a fim de servir para os cálculos seguintes
Na 8ª folha:
Aparece o Diagrama. » O diagrama é uma relação das coordenadas de todos os marcos de uma propriedade,
com o cálculo dos ângulos internos e dos lados. É feito a partir das coordenadas que estiverem na folha
coordenadas, quer estas sejam copiadas da poligonal, quer sejam importadas de um ficheiro *.txt.
Na 9ª folha:
Aparece o cálculo da Área da propriedade de que se calculou o Diagrama.
Na 10ª folha:
Aparecem as instruções do conjunto de cálculos que se seguem.
Na 11ª folha:
Importar serve para importar ficheiros *.txt a fim de se fazerem os cálculos seguintes.
Foi considerada a possibilidade de usar códigos. Por isso será » Nº Y X Z Cod ou Nº X Y Z Cod
No caso de não se usarem códigos, procede-se sempre da mesma maneira.
Tendo em consideração que o Topógrafo poderá chegar ao campo e verificar que se esqueceu dos elementos
de apoio, fiz a folha RotoTranslação, que se destina a ajudar a resolver esse problema.
Por outro lado, casos há em que temos dois marcos de apoio, mas que não têm qualquer visibilidade, quer
para saída, quer para fecho.
12ª RotoTranslação:
Este cálculo serve para passarmos de coordenadas de um sistema, para as coordenadas de outro, introduzindo
as correcções respectivas. Podemos coordenar com a estação total todos os pontos do levantamento, incluindo
dois marcos com coordenadas da rede, mas dar-lhes coordenadas nossas. Ao executar o RotoTranslação,
serão transformadas das nossas coordenadas em coordenadas do sistema escolhido, e feita a correcção dos
erros cometidos por nós.
No caso de termos dois marcos de apoio sem visibilidades faremos do seguinte modo:
Fazemos uma poligonal, saindo do marco A (1º marco coordenado), ao qual atribuirmos as coordenadas que
quisermos. Visamos a 1ª marca da poligonal, mas apenas medimos a distância e a cota.
Depois passamos para a 1ª marca, e fazemos uma poligonal normal; e seguimos por todas as outras marcas,
até a última.
Passamos para o marco de fecho; e tal como no primeiro apenas medimos a distância e a cota.
Nota:
O facto de dizer para medirmos do 1º marco para a 1ª marca , e da última marca para o segundo marco
(fecho), tem apenas a finalidade de comprovar se as distâncias e as cotas estão correctas.
Com estas coordenadas, em ficheiro *.txt importamos para a folha Importar.
Na folha RotoTranslação copiamos as coordenadas da folha importar.
Nas colunas B C D E, nas linhas A e B escrevemos as nossas coordenadas dos marcos de apoio de saída
e fecho.
Nas colunas F G H I, nas mesmas linhas escrevemos as coordenadas da rede desses mesmos marcos.
Ao clicarmos no botão de Transformação será feita a passagem dum sistema para outro, isto é, das nossas
coordenadas para as da rede.
Este programa também serve para passar das coordenadas de um sistema para outro, desde que sejam
coordenadas planimétricas.
Os cálculos são feitos tendo em consideração a diferença entre o Azimute verdadeiro e o nosso Azimute.
E tendo em conta a diferença da distância entre eles. Calculada das coordenadas verdadeira e das nossas.
Por irradiação a partir do marco A, com a distância corrigida, refaz todos os cálculos.
Na 13ª folha:
Temos o DxfPontos: Com base nas coordenadas dos pontos Importados ou transformados pela
RotoTranslação, irá fazer um ficheiro *.dxf com todas as coordenadas, considerando vários níveis (Leyrs):
Planimetria, que considera todos os pontos com a cota zero (0), para se poder desenhar no AutoCad,
utilizando as linhas do terreno.
Altimetria – em que considera os pontos com a respectiva cota.
Se desejarmos desenhar com as linhas de terreno, convém desligar o nível Altimetria.
Niveis com os nomes dos códigos, e nele incluidos os nºs de todos os pontos do mesmo código
No caso de não se usarem códigos, será feito um nivel com o nome de Numeros
Desta forma poderemos fechar todos os códigos e abrir só o que queremos trabalhar
Cotas – onde se encontram todos os valores das cotas.
Estes dois elementos aparecem com cores diferentes, para se distinguirem.
A altura da letra das cotas pode ser estabelecida por nós, ficando já com o tamanho certo para impressão
do desenho.
Na 14ª folha:
Temos o DxfFinal – que é devido ao facto de ser necessário mudar a vírgula por ponto, como separador
decimal, a fim de trabalhar no AutoCad; e também para gravação do ficheiro só com os elementos que nos
interessam.
Ao gravar será feita a gravação com a extensão *.prn. Depois teremos de mudá-la com o Explorador, para *.dxf .

Na 15ª folha:
Temos as instruções para a folha Locação. Usei este termo por me parecer que é o termo usado no Brasil. Mas
para mim seria Implantação, ou piquetagem.
Esta folha considera a existência de várias estações e muitos pontos para locar (implantar). Sabendo que poderá
dar-se o caso de um dos pontos que queremos locar não ser visível duma estação, temos a possibilidade de
obter elementos de outra estação, alterando o raio.
Ao indicarmos a estação e o raio, o programa irá determinar quais os pontos que estão dentro daquele raio e
calcula o azimute e a distância para todos eles.
Para fazer a locação bastará estacionar na estação pretendida, e orientar a estação total de modo a que a
direcção horizontal coincida com o norte, isto é, de modo a que a direcção para o marco de orientação seja
igual ao Azimute para esse marco. Depois bastará girar na direcção do ponto, e medir a distância pretendida.
A diferença entre a medida para o prisma onde está o auxiliar e a distância para o ponto a locar, dar-nos-á a
deslocação do prisma, para mais ou para menos, para atingir o ponto a locar. Bastará dar ao auxiliar uma
régua, e ele poderá fazer a deslocação correcta, logo à primeira vez.
Este método, em relação ao das estações locais, tem a vantagem de a deslocação ser só num sentido, e não
em dois. Com um pouco de treino, logo na primeira deslocação consegue-se colocar o prisma no ponto a locar.
O que torna o trabalho mais rápido, e assim possibilitando fazer mais em menos tempo.
Na 16ª folha:
Foi feito um programa para ocálculo de Nivelamento Geométrico simples, de uma linha de nivelamento.
Na 17ª Folha:
Foi feito um programa para ocálculo de Pontos de Nivelamento Geométrico saídos todos da mesma marca,
para onde se fez uma visada à ré.

Espero que este trabalho seja útil a muitos Técnicos de Topografia.

Abraços a todos
Avô Zé
a Avô Zé
eparação dos milhares é "espaço"
nsiderados nos bons
os, isto é, são

marcos à volta,
direcções que

s três primeiras
Assim ficaremos

resolver o problema.
necessidade de

u Grados Horizontal,
Brasil ainda usam
mal, devido às
gramas terem sido

ade indicar os
ar, torna-se mais

gonal, serão

near (correcção
ra UTM será feito
sta correcção deve
não introduzirmos.
onsiderada ao fazer
ssa diferença.
isto ser necessário

ao Elipsóide.
o ao Elipsóide; isto é,
e o Topógrafo ajusta
a pagar pelos erros
em elementos reais

entro das tolerâncias

ar coordenadas de
s de uma propriedade,
tiverem na folha

queceu dos elementos

er visibilidade, quer

s de outro, introduzindo
levantamento, incluindo
o RotoTranslação,
feita a correcção dos

as coordenadas que

das as outras marcas,

segundo marco

s de apoio de saída

mesmos marcos.
, isto é, das nossas

desde que sejam

o nosso Azimute.
deira e das nossas.

ios níveis (Leyrs):


ar no AutoCad,
o para impressão

como separador
elementos que nos

o Explorador, para *.dxf .

o usado no Brasil. Mas

ar). Sabendo que poderá


os a possibilidade de

dentro daquele raio e

l de modo a que a
de orientação seja
distância pretendida.
a locar, dar-nos-á a
ar ao auxiliar uma

ó num sentido, e não


risma no ponto a locar.

de nivelamento.

s da mesma marca,
José Carlos B S Geada
Avô Zé Ajuste por coeficientes
Grau Grado

s 1 s Direcção Azimutal Cálculos
Estação Pontos Visados Graus min seg a= Da=

b= Db=

Ma Ea=

Mb Eb=

Pa t=

Pb F=

X2= Y2=
d X= d Y=
»» Clicar em » Opções (Clicar nas duas bolas) Xp= Yp=
»» Escolher o sistema » Graus ou Grados
» Preencher com os elementos: Xpm= Ypm=
Altura
» Na coluna A o nome da estação; » Na coluna B o nome do Direcções Altura
dos vértices visados; Cotas
Taqueo Verticais Visada
» Nas colunas C D E as direcções » Graus/grados m
minutos segundos.
» Se foi feito um giro, devemos terminar sempre com a
direcção de fecho do giro; portanto no mínimo 4 direcções.
» As 3 primeiras direcções são as da tripeça.
» As outras direcções (até 6), servirão para o ajuste por
coeficientes de direcção.
» Logo que se acaba de preencher as direcções e as
coordenadas, o cálculo é efectuado automaticamente.
» No caso de se usarem 4, 5 ou 6 direcções podemos depois
clicar no botão verde e será feito o ajuste por coeficientes Distâncias Desniveis
de direcção, isto é, será feito um novo cálculo considerando
todas as direcções.
Ajuste por coeficientes
2 3
Coordenadas
X Y
4

5
Estação

6
« Cota Média
Cota do
Ponto
Graus

Grados
José Carlos B S
Geada
» Escolher o sistema
»Graus ou » Grados Avô Zé
» Escolher a figura e
atribuir a cada ponto a
letra correspondente.

1 DIRECÇÕES HORIZONTAIS ÂNGULOS


MARCOS COORDENADAS Graus Min Seg Graus

B X= Y= P»C 1
C X= Y= P»B 2
K= XB-XC YB-YC P»Q 3
CP= Q»P 4
BP= PQ= PQ= Q»C 5
CQ= XP= YP= Q»B 6
BQ= XQ= YQ= r C»B 7
B r C»P 8
Cotas
C r B»Q
Direc Vert alt taq alt vis
P»C
P»B
P»Q
Q»C
Q»B
Q»P
ÂNGULOS
Min Minutos
Seg

alt vis Cotas


Escolher o sistema, e se a distância é inclinada
GrausHorizontal ou horizontal José Carlos B S Geada
» Graus Horizontal » Graus Inclinada Avô Zé
GrausInclinada » Grados Horizontal » Grados Inclinada

1 GradosHorizontal Nome X Y Cota


H Estação
GradosInclinada
Orientação
Rumo saida »
Altura do Taqueómetro »»
Nome Direcção H Direcção V Altura Distância X Y
Pontos Irradiados Graus min seg Graus min seg visada
S Geada
Avô Zé

«« Direc Horz

Cota
José Carlos B S Geada Avô Zé
Antes de começarmos devemos ver as instruções »» Instr-Dxf
Depois de executarmos as indicações iniciais da folha indicada, podemos voltar a esta.

Devemos começar por assinalar qual o formato dos ângulos clicando num
dos botões da folha de Campo » Graus inclinada » Graus horizontal
» Grados inclinada » Grados horizontal
O facto de escolhermos num destes 4 casos, deve-se a ser necessário indicar
se a distância foi medida inclinada ou na horizontal.
Depois passamos à folha de "Poligonal" e escrevemos os elementos de Saida
e de Fecho » nomes, coordenadas X Y Z
A seguir vamos prencher a folha de campo, nas células sombreadas com os
elementos de campo.
Tanto faz estar a trabalhar em Graus ou Grados, nas direcções devemos
Escrever da seguinte maneira: na 1ª coluna Graus/Grados, na 2ª minutos,
na 3ª segundos, indicando a decimal, se houver "» 34,6"
Nas distâncias, escrevemos na coluna destinada ao efeito.
Terminado o preenchimento dos elementos de campo, vamos para a folha Poligonal
e clicamos no botão UTM » K para se fazer a correcção cartográfica .
Caso contrário deixamos estar o valor »» 1
A correcção cartográfica (Factor de escala), aqui calculada é uma média, e não rigorosa
Se quisermos maior rigor poderemos obtê-la das tabelas e escrevê-la na célula amarela.
Terminado o preenchimento e o estabelecimento de parâmetros, bastará
clicar em Calcular e serão efectuados todos os cálculos e compensações.
Por cima dos Azimutes, Dx, Dy, Dz aparecem os erros de fecho, para se verificar
se está dentro do permitido, ou desejado.
Nas folhas Campo e Poligonal, se pretendermos limpar os valores de campo e
de apoio temos em cada folha um botão que fará a limpeza.
Se pretendermos calcular os ângulos internos , os lados e a área de algum prédio
que tenham estas ou parte destas coordenadas da Poligonal, devemos primeiro copiá-las
para a direita da folha Poligonal.
Para isso, na folha Poligonal clicamos no botão Copiar coordenadas, que está à direita
Para se fazer a cópia das coordenadas para o local onde serão utilizadas.
Estas folhas estão preparadas para calcular com as coordenadas de uma poligonal
ou com quaisquer outras, vindas da folha Importar.
Passamos depois à folha Coordenadas e clicamos no botão amarelo para se copiarem
as coordenadas de Importar, para a folha Coordenadas.
Ou no botão verde se quisermos fazer a Cópia da Poligonal para o local de uso.
Se não utilizarmos as coordenadas da poligonal, mas sim coordenadas importadas dum
.txt devemos importar o ficheiro na folha Importar e seguir as instruções que lá estão
Depois passamos à folha de "Coordenadas", seguindo as instruções já descritas
Na folha Diagrama temos dois botões para escolhermos se em Graus ou em grados.
Logo que esta cópia seja feita, os cálculos no Diagrama e na Área serão automáticos.
É bom fazer a escolha antes dos cálculos, mas em qualquer altura o poderemos fazer.
Sempre que mudarmos de Graus para Grados ou vice-versa, os cálculos serão refeitos.
Na folha de Campo temos uma tecla para Limpar; na folha de Poligonal temos duas
teclas para Limpar » uma limpa a poligonal e outra limpa as coordenadas copiadas.
E na folha Coordenadas temos duas teclas para Limpar » uma limpa os elementos dos
vértices da parcela e o outra limpa as coordenadas totais
Nas outras folhas não temos, porque sendo o cálculo automático, ao limpar as outras,
estas também apagam.
Não esquecer que para evitar estar a substituir o que escrevemos, devem ter sempre o
original guardado, donde se tiram as cópias de trabalho.

Felicidades! Avô Zé
r i
e r
c e
ç c
ã ç
o ã
o Alt
Direcção
Vértice Alt Instr Lados HDirecção Verical Visada Distância Dist Reduzida
Horizontal o V
Graus min seg r Graus min seg e
i r
z t
o i
n c
t a
a l
l
Média das ● Graus inclinada
Dist H José Carlos B S
Geada Avô Zé
x
Graus horizontal
Grados
inclinada

Grados horizontal

Limpar

Clicar no botão desejado


»Graus inclinada » Graus horizontal
» Grados inclinada »Grados horizontal
Nome 1 X Y
José Carlos B S Geada Avô
Zé Vértice de saida »
Vértice de fecho »
Escrever os elementos de partida Ds »»
e chegada, assinalados a Verde.
1 Rumo
Preencher a correcção cartog., se
for caso disso, de contrário deixar UTM » K corr cart 1.00000000 Calcular
1

Alt Direcções Direcções Alt


Vértice Lado horizontais
Distância verticais Dist Cart Ângulo
taque visada
Cota X Y Nome
Vért visado »
Vért visado »
#VALUE! ««« Rumo de Saída
Copiar coordenadas »
«« Distância #VALUE! ««« Rumo de Fecho

Calcular Erros de Fecho Limpar


Limpar »

D
D
Rumo DX DY DZ
correcto correcto Y correcto correcto
X Y COTA
X
coordenadas »

Limpar »

Nome X Y Cota
Copia de "Importar" Clicar aqui para
Copia coord da parcela coordenadas dos
José Carlos B S Geada Avô Zé
da parcela
Copia de "Poligonal" Limpar parcela
Limpar coordenadas

Nº X Y Cota Nº X Y Cota

Escrever aqui os
vértices da parce

16.000
Clicar aqui para copiar as
d da parcela coordenadas dos vértices
da parcela

Escrever aqui os
vértices da parcela
Diagrama é o cálculo dos ângulos JosÉ Carlos B S Geada Processo nº
internos e dos lados da parcela, a Avô Zé
partir das coordenadas
De:
Escrever apenas o nº do processo, nome, Executou:
Diagrama do contorno perimetral da parcela quem executou o trabalho,
2 e a data. Data:
LADOS ANGULOS E AZIMUTES
Lados
cartofráficos DX DY X Y Cotas
VERT. EXTREMOS ANGULOS AZIMUTES
0.000 0.000 0.000

Processo nº
Coordenadas correctas
De:
Diagrama dos marcos de contorno perimetral da parcela denominada Executou:
parcela Data:
LADOS ANGULOS E AZIMUTES LADOS
CARTOGRÁFI ðX ðY X Y Cotas
VERT. EXTREMOS ANGULOS AZIMUTES COS
Processo nº
Coordenadas correctas
De:
Diagrama dos marcos de contorno perimetral da parcela denominada Executou:
parcela Data:
LADOS ANGULOS E AZIMUTES LADOS
CARTOGRÁFI ðX ðY X Y Cotas
VERT. EXTREMOS ANGULOS AZIMUTES COS
José Carlos B S Geada Avô Zé
COORDENADAS
PONTOS Xa + Xb Ya - Yb PRODUTOS Xa - Xb Ya + Yb
XM1: YM1:
0.000 0.000 0.000 0.000

m2
SOMAS
Área:
COORDENADAS PRODUTOS
PONTOS Xa + Xb Ya - Yb Xa - Xb Ya + Yb
XM1: YM1: (+)

m2
SOMAS
Area:
COORDENADAS PRODUTOS
PONTOS Xa + Xb Ya - Yb Xa - Xb Ya + Yb
XM1: YM1: (+)
m2
SOMAS
Area:
PRODUTOS
PRODUTOS
PRODUTOS
Este programa foi feito por »» José Carlos Geada » Avô Zé

Este programa foi feito para ajudar os Topógrafos a fazerem cálculos no


Excel e depois poderem passá-los para o Acad.

»» Na 1ª folha clicar em »Opções


e * Activar este conteúdo
e » OK
»» A 1ª folha destina-se a importar ficheiros .txt das Estações Totais.
No caso da ET ter ficheiro Nº Y X Z Cod deve clicar em A2.
Depois clicar no botão para trocar o Y por X
No caso da ET ter ficheiro Nº X Y Z Cod deve clicar em J2.

»» Se os elementos importados apresentarem como separador decimal "."


Será necessário substitui-los por ","
Para o efeito será necessário colocar na barra de ferramentas o respectivo
comando, caso ainda não o tenha lá.

»» Como considerei a hipótese do topógrafo ir para o campo e se esquecer


de levar as coordenadas de apoio; fiz a 2ª folha » RotoTransl destinada
a calcular as coordenadas correctas, incluindo Cotas, em gabinete.
Também dará para passar de um sistema para outro, ou para passar de
coordenadas de trabalho, para as da Rede, e vice-versa.
»» Para o efeito devemos ter 2 marcos com coordenadas nos 2 sistemas.
De preferência nos extremos do trabalho.
Podemos fazer a coordenação de todo o trabalho com coordenadas
dadas por nós e depois em gabinete mudá-las para a Rede.
Se pretendermos fazer uma poligonal e só tivermos um marco de saida
coordenado, e também só um de fecho, podemos sair do 1º marco com
coordenadas e Rumo dados por nós, e fechar no único marco de fecho.
Depois no gabinete, usando o RotoTranslação passamos para as coorde-
nadas da Rede.
Para o efeito devemos escrever, no lado esquerdo da folha, nas linhas A e B
as coordenadas de campo dos marcos de apoio. E no lado direito, nas
mesmas linhas as coordenadas verdadeiras.
Depois clicar no botão e será feita a transformção, incluindo cotas.

»» Se não se pretender fazer alterações ao trabalho de campo, devemos


passar para a 3ª folha » DxfPontos.
»» Na Folha "DxfPontos" tem um local para escrever a altura da letra das
cotas, para ficarem já com a medida do desenho final.
»» Nesta folha, ao clicar no botão o programa efectuará a cópia das coor-
denadas dos marcos,quer seja da folha Importar quer seja de RotoTransl,
e fará o DXF de todos os pontos, considerando vários Níveis:
» Um com as coordenadas dos pontos, incluindo Cotas - para Altimetria
» Outro com as coordenadas, mas sem Cotas - Planimetria. ( Este nível
destina-se a permitir desenhar, utilizando os pontos coordenados, fazendo
prolongamentos e cruzamentos de linhas, visto considerar a Cota 0 (zero)).
» Um por cada código, com o nome do código e os nºs de todos os pontos
pertencentes a esse código
Todos os que não tiverem código serão colocados num nivel » Numeros
» Outro com o valor das Cotas - Cotas
O Nº e o valor das cotas aparece em pontos e cores diferentes, permitindo
assim ver os dois ao mesmo tempo.

Concluido o trabalho desta folha passamos para a 4ª folha - "DxfFinal"


»» Nesta folha fazemos a substituição da "," por ".", para poder ser aceite
pelo Autocad.

Logo que esteja pronto, devemos gravar conforme indicado nas instruções
dessa folha. Ficará com a extensão ".prn"
Escolher gravação Texto formatado ( separado por espaços) (.prn)
Devemos, depois através do Explorador mudar a extensão para ".dxf"
Ao fazê-lo aparecerá um aviso » clicar em OK
Assim ficará pronto a ser aberto pelo Autocad 2004 ( não sei se dará para
outros, porque não faço colecção de "Autocads"

Bom proveito
Avô Zé
LIMITE DE PONTOS » 1100
Nº X Y Cota Codigo José Carlos B S Geada Avô Zé
Troca Y<>X

»»» Clicar em »» Opções


Verificar se na formatação das colunas
A B C D E e J K L M N está indicado: Número > Geral
Alinhamento -- Horiz > esquerda -- Vert > centro
»» clicar em A2 ou J2
»» Dados » Obter dados externos - do Texto
* Delimitado
» » Seguinte »» * Virgula
* Qualificador de texto {nenhum}
»» Seguinte
Importar só Nº ( * texto) » Y X Z e C (* texto) ou X
Y Z e C (* texto)
»» Avançadas
Separador decimal . (ponto)
Separador dos milhares em branco
» OK »» Concluir (Deve estar a »»
Assinalar »A2 ou »J2
Se for caso disso, devemos depois mandar substituir o
"." (ponto) por "," (vírgula)
»» Se clicarmos em A2 devemos depois clicar no botão
para fazer a troca Y por X.
»» ATENÇÃO: Se não vai fazer RotoTranslação então
passe à folha: "DxfPontos"
NTOS » 1100
Geada Avô Zé Nº X Y Cota Codigo

s colunas
ndicado: Número > Geral
erda -- Vert > centro

ernos - do Texto

a
{nenhum}

» Y X Z e C (* texto) ou X

onto)
em branco
ir (Deve estar a »»

epois mandar substituir o

mos depois clicar no botão

er RotoTranslação então
Copia as coordenadas de Calcula a transformação
Copiar ImpTxt Importar
Transformação das coordenadas

COORDENADAS INICIAIS COORDENADAS FINAIS


Nº X Y Cota Nº X Y Cota
A
B
Este programa foi feito
por
»» José
Carlos Geada
» Avô
K Rumo Zé

FK ALFA

« DZ
As colunas A B C D E F G H I Copia as coordenadas do Importar,
devem estar formatadas para ou do RotoTransl, e elabora o DXF José Carlos B S Geada
Geral e Alinhamento à esquerda DXF dos pontos coordenados Avô Zé
los B S Geada HT
Avô Zé
Indicar a altura das
0.2
letras das cotas
Este programa foi feito por »» José Carlos Geada » Avô Zé
A coluna A deve estar formatada para Geral e
Copiar DXF
alinhamento à esquerda
Destina-se a mudar a separação decimal de ","
para "."
Para o efeito devemos colocar na barra de menus o
icone de substituição.
» Clicar no Botão para copiar o DXF da DxfPontos
» Clicar no icone de Substituição
» Localizar ","
» Substituir por "."
» Clicar em Substituir todos

Depois de concluido o DXF, para mandar gravar,


escolher Texto formatado (separado por
espaços) (*.Prn)
Indicar o nome desejado para o ficheiro a gravar.
Nos dois avisos clicar em »» OK
Sair sem gravar o conjunto de folhas do Excel
Antes de activar o AutoCad, com o Explorador,
mudar a extensão do ficheiro para »».dxf
No aviso clicar em »» OK
Activar o AutoCad
ara Geral e

cimal de ","

de menus o

a DxfPontos

ar gravar,
o por

a gravar.

Excel
plorador,
dxf
José Carlos B S Geada Avô Zé
Antes de iniciarmos os trabalhos devemos seguir as instruções que estão em »» Instr-Dxf.
Depois voltamos a esta e começamos a trabalhar.

Este Programa destina-se a calcular os elementos para locação, com Estação Total, com base nas
coordenadas das Estações e nas coordenadas de todos os Pontos, poderemos calcular os Rumos
(Azimutes) e Distâncias para todos eles.
Como poderá ser impossivel locar um ponto a partir de uma Estação, poderemos locá-lo a partir
de outra.
Por essa razão aparece a indicação do Raio, que nos permite aumentar ou reduzir a distância de
trabalho, permitindo-nos calcular elementos de duas ou mais Estações, para o mesmo Ponto.

Para trabalharmos com este Programa procedemos do seguinte modo:


»»» Nas colunas A, B, C escrevemos os elementos das Estações.
»»» Nas colunas E, F, G escrevemos os elementos de todos os Pontos.
»»» Na célula E2 escrevemos o nome da Estação que pretendemos usar
»»» Na célula J2 escrevemos o Raio que pretendemos usar.
»»» Ao clicarmos no botão Separar, serão separados todos os pontos que estão dentro das condições
que estabelecemos. Para imprimir bastará seleccionar a zona de cálculo e mandar imprimir a selecção.
»»» Depois clicando no Botão Limpar, limpará os cálculos feitos, permitindo fazer novos cálculos,
alterando a Estação e o Raio.

Nota: Os elementos das Estações e dos Pontos podem ser importados de ficheiro *.txt
Podemos importar Arq ● Graus
José Carlos B S Geada Separar
*.txt, mas ter o cuidado
Avô Zé Grados ###
de clicar em A4 e/ou E4 Estação
Estações Pontos
Vértice X Y Ponto X Y Ponto
Separar
Limpar Raio

Rumo
Graus Distância
Nº Pt Na célu
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé
Cota Saida
Na colu
Leituras Leituras Média Cálculo
Nas col
Pt Nº Ré Pt Nº Vante Ré Vante Desnivel
de baix
leitura
coluna

Na colu
vante.

Nas col
de baix
leitura
coluna
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé

Pontos Leituras Pontos Leituras Média Cálculo


Nº Ré Nº Vante Ré Vante Desnivel
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé

Pontos Leituras Pontos Leituras Média Cálculo


Nº Ré Nº Vante Ré Vante Desnivel
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé

Pontos Leituras Pontos Leituras Média Cálculo


Nº Ré Nº Vante Ré Vante Desnivel
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé

Pontos Leituras Pontos Leituras Média Cálculo


Nº Ré Nº Vante Ré Vante Desnivel
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé

Pontos Leituras Pontos Leituras Média Cálculo


Nº Ré Nº Vante Ré Vante Desnivel
Cota Na célula L2 escreve-se a Cota de saída.

Na coluna A escrevem-se os nºs dos pontos à ré.


Cálculo
Nas colunas B C D escrevem-se as leituras dos fios
Cota
de baixo, do meio e de cima. Se fizermos só a
leitura do fio do meio, escreve-se só esse na
coluna C.

Na coluna E escrevem-se os nºs dos pontos à


vante.

Nas colunas F G H escrevem-se as leituras dos fios


de baixo, do meio e de cima. Se fizermos só a
leitura do fio do meio, escreve-se só esse na
coluna G.
Cálculo
Cota
Cálculo
Cota
Cálculo
Cota
Cálculo
Cota
Cálculo
Cota
Nº Pt Cota Nas células
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé se a Cota d
Cota Saida
Leituras Leituras Média Cálculo Na coluna
só na 1ª lin
Pt Nº Ré Pt Nº Vante Ré Vante Desnivel Cota
Nas coluna
de baixo, d
leitura do f
coluna C, s

Na coluna
vante.

Nas coluna
de baixo, d
leitura do f
coluna G.

O cálculo s
consideran
como tal, i
em cada fo
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé
Cota Saida
Pontos Leituras Pontos Leituras Média Cálculo
Nº Ré Nº Vante Ré Vante Desnivel Cota
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé
Cota Saida
Pontos Leituras Pontos Leituras Média Cálculo
Nº Ré Nº Vante Ré Vante Desnivel Cota
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé
Cota Saida
Pontos Leituras Pontos Leituras Média Cálculo
Nº Ré Nº Vante Ré Vante Desnivel Cota
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé
Cota Saida
Pontos Leituras Pontos Leituras Média Cálculo
Nº Ré Nº Vante Ré Vante Desnivel Cota
José Carlos B. S. Geada
Avô Zé
Cota Saida
Pontos Leituras Pontos Leituras Média Cálculo
Nº Ré Nº Vante Ré Vante Desnivel Cota
Nas células L2 L66 L130 L194 L258 L322 escreve-
se a Cota de saída.

Na coluna A escrevem-se os nºs dos pontos à ré,


só na 1ª linha de cada folha.

Nas colunas B C D escrevem-se as leituras dos fios


de baixo, do meio e de cima. Se fizermos só a
leitura do fio do meio, escreve-se só esse na
coluna C, só na 1ª linha de cada folha .

Na coluna E escrevem-se os nºs dos pontos à


vante.

Nas colunas F G H escrevem-se as leituras dos fios


de baixo, do meio e de cima. Se fizermos só a
leitura do fio do meio, escreve-se só esse na
coluna G.

O cálculo será feito automaticamente,


considerando como cota de saida, a cota escrita
como tal, isto é, sempre a mesma cota de saida,
em cada folha.