Você está na página 1de 7

Física: Ondas / Fluído e Calor Aula 02

UNIDADE 1 SEMESTRE 1 BLOCO 1 TURMA

CURSO DISCIPLINA Física II


ESTUDANTE
PROFESSOR Cláudio Thor DATA

Pressão:
É definida como a força atuando por unidade de área. A pressão é diretamente proporcional à força aplicada.

F Força aplicada perpendicular ao plano  Kgf N 


P
A

Área do plano ;  2 ; 2  Pa 
 cm m 

Unidade de Pressão no Sistema Internacional


Como a força aplicada é dada em Newtons [N] e a área em metro ao quadrado [m²], o resultado dimensional será o
quociente entre essas duas unidades, portanto a unidade básica de pressão no sistema internacional de unidades (SI)
é N/m² (Newton por metro ao quadrado).
A unidade N/m² também é usualmente chamada de Pascal (Pa), portanto é muito comum na indústria se utilizar a
unidade Pa e os seus múltiplos kPa (quilo pascal) e MPa (mega pascal). Desse modo, as seguintes relações são
aplicáveis:
1N/m² = 1Pa
1kPa = 1000Pa = 10³Pa
1MPa = 1000000Pa = 106Pa

Outras Unidades de Pressão


Na prática industrial, muitas outras unidades para a especificação da pressão também são utilizadas, essas unidades
são comuns nos mostradores dos manômetros industriais e as mais comuns são:
atm, mmHg, kgf/cm², bar, psi e mca. A especificação de cada uma dessas unidades está apresentada a seguir.
atm (atmosfera)
mmHg (milímetro de mercúrio)
kgf/cm² (quilograma força por centímetro ao quadrado)
bar (nomenclatura usual para pressão barométrica)
psi (libra por polegada ao quadrado)
mca (metro de coluna d’água)
Pressão dos líquidos em repouso;
Qualquer líquido quando se encontra contido em um recipiente, exerce uma pressão sobre as paredes e o fundo,
bem como sobre qualquer corpo sólido nele colocado. A pressão em um determinado ponto desse líquido depende
da distância vertical do ponto à superfície livre do líquido e do seu peso específico.
Chama-se superfície livre a superfície do líquido que está em contato com outro fluido (líquido ou gás). No
repouso, a superfície livre de um líquido pode ser determinada por um plano horizontal.
Calcula-se a pressão num determinado ponto através da seguinte fórmula:
P =  x h , onde
P é a pressão num determinado ponto da massa do líquido;
 representa o peso específico do líquido;
h é a distância vertical da superfície livre do líquido ao ponto considerado.
Esta pressão é exclusivamente devida ao líquido e não a fatores externos. Qualquer outra pressão exercida sobre o
líquido devida a fatores externos deverá ser adicionada à pressão calculada.
Por exemplo, a pressão P exercida no fundo de um recipiente aberto será:
P = Plíquido + Pambiente
Teorema de Stevin
O teorema de Stevin também é conhecido por teorema fundamental da hidrostática e sua definição é de grande
importância para a determinação da pressão atuante em qualquer ponto de uma coluna de líquido. O teorema de
Stevin diz que “A diferença de pressão entre dois pontos de um fluido em repouso é igual ao produto do peso
específico do fluido pela diferença de cota entre os dois pontos avaliados”, matematicamente essa relação pode ser
escrita do seguinte modo:

γ = G/V G = γ.V , como P = G/A = γ.V/A , como V = A .h , temos

P=γ⋅ h
´´ A pressão em um ponto do fluido é diretamente proporcional à profundidade deste ponto e ao peso``
Como base neste teorema , temos duas considerações importantes a fazer:

1.O fluido deve estar em repouso. Se o fluido estiver em movimento o teorema não é válido;
2.Devemos notar que a pressão notar que a pressão em um ponto de um fluido em repouso depende a apenas da
profundidade de ponto e independe do formato do recipiente , conforme mostra a figura abaixo

Princípio dos Vasos Comunicantes:


Interligando vários recipientes de diferentes formas, verifica-se que se um líquido for despejado em um deles, o
nível alcançado será o mesmo em todos os outros.
PA=PB=PC e PD=PE=PF e PD > P A

Parece, à primeira vista, que na base do vaso B deveria haver pressão maior que na de A de modo que o líquido
seria forçado de B para A.
A equação da hidrostática afirma que a pressão depende somente da profundidade abaixo da superfície e não da
forma do recipiente.
Desde que a profundidade do líquido seja a mesma em todos eles, a pressão na base de cada um será a mesma e o
sistema estará em equilíbrio.

Aplicação do Teorema de Stevin


Avaliando-se a figura abaixo, é possível observar que o teorema de Stevin permite a determinação da pressão
atuante em qualquer ponto de um fluido em repouso e que a diferença de cotas ∆h é dada pela diferença entre a cota
do ponto B e a cota do ponto A medidas a partir da superfície livre do líquido, assim, pode-se escrever que:

ΔP = ρ × g × Δh , como Δh = hB − hA , temos que: ΔP =PB – PA = ρ × g ×( hB − hA) , portanto:

ΔP = ρ × g ×( hB − hA)

Exercícios de Fixação I

01. Ao utilizar um sistema de vasos comunicantes ideal, cujos diâmetros das seções transversais circulares valem 2,0 cm e
10,0 cm, respectivamente, conforme figura.

É desejável elevar veículos a velocidade constante, cuja carga máxima seja de até 4.000,0 kg. Considerando a gravidade local
uu
r
igual a 10,0 m s2 , o módulo da força F1, em newtons, necessária para elevar esta carga máxima, vale:
Exercícios de Fixação de Teorema de Stevin

01.Um reservatório aberto em sua superfície possui 8m de profundidade e contém água, determine a pressão hidrostática no
fundo do mesmo.
Dados: γH2O = 10000N/m³, g = 10m/s².

02.A figura representa uma cisterna com a forma de um cilindro circular reto de 4m de altura instalada sob uma laje de
concreto.

Considere que apenas 20% do volume dessa cisterna esteja ocupado por água. Sabendo que a densidade da água é igual a
1000kg/m3 , adotando g = 10m/s2 e supondo o sistema em equilíbrio, é correto afirmar que, nessa situação, a pressão exercida
apenas pela água no fundo horizontal da cisterna, em Pa, é igual a

Princípio de Pascal
O Principio de Pascal representa uma das mais significativas contribuições práticas para a mecânica dos
fluidos no que tange a problemas que envolvem a transmissão e a ampliação de forças através da pressão
aplicada a um fluido.

O seu enunciado diz que: “quando um ponto de um líquido em equilíbrio sofre uma variação de pressão,
todos os outros pontos também sofrem a mesma variação”.

F1 F2
P1  e P2 
A1 A2

Como P1 =P2

F1 F
 2
A1 A 2

Aplicações do Princípio de Pascal


Pascal, físico e matemático francês, descobriu que, ao se aplicar uma pressão em um ponto qualquer de um líquido em
equilíbrio, essa pressão se transmite a todos os demais pontos do líquido, bem como às paredes do recipiente.
Essa propriedade dos líquidos, expressa pela lei de Pascal, é utilizada em diversos dispositivos, tanto para amplificar forças
como para transmitidas de um ponto a outro.
Um exemplo disso é a prensa hidráulica e os freios hidráulicos dos automóveis.

Elevador Hidráulico

Os elevadores para veículos automotores, utilizados em postos de serviço e oficinas, por exemplo, baseiam-se nos princípios
da prensa hidráulica. Ela é constituída de dois cilindros de seções diferentes. Em cada um, desliza um pistão. Um tubo
comunica ambos os cilindros desde a base. A prensa hidráulica permite equilibrar uma força muito grande a partir da aplicação
de uma força pequena. Isso é possível porque as pressões sobre as duas superfícies são iguais (Pressão = Força / Área). Assim,
a grande força resistente (F2) que age na superfície maior é equilibrada por uma pequena força motora (F 1) aplicada sobre a
superfície menor (F2/A2 = F1/A1) como pode se observar na figura.

Exercícios de Fixação de Teorema de Pascal

01. Um dos laboratórios de pesquisa da FG recebeu um equipamento de 400kg. É necessário elevar esse equipamento para o
segundo andar do prédio. Para isso, eles utilizam um elevador hidráulico, como mostrado na figura abaixo. O fluido usado nos
pistões do elevador é um óleo com densidade de 700kg/m 3. A força máxima aplicada no pistão A é de 250N. Com base nessas
informações, RESPONDA:

a) Calcule a razão mínima entre os raios dos pistões A e B para que o elevador seja capaz de elevar o equipamento.
b) Sabendo que área do pistão A é de 0,05m2,calcule a área do pistão B.

02. A figura abaixo representa um macaco hidráulico constituído de dois pistões A e B de raios R A=60cm e RB= 240cm,
respectivamente. Esse dispositivo será utilizado para elevar a uma altura de 2m, em relação à posição inicial, um veículo de
massa igual a 1 tonelada devido à aplicação de uma força F. Despreze as massas dos pistões, todos os atritos e considere que o
líquido seja incompressível.

Nessas condições, o fator de multiplicação de força deste macaco hidráulico, realizado pela força F, aplicada sobre o pistão de
menor área, ao levantar o veículo bem lentamente e com velocidade constante, são, respectivamente,

03.A figura abaixo mostra, de forma simplificada, o sistema de freios a disco de um automóvel. Ao se pressionar o pedal do
freio, este empurra o êmbolo de um primeiro pistão que, por sua vez, através do óleo do circuito hidráulico, empurra um
segundo pistão. O segundo pistão pressiona uma pastilha de freio contra um disco metálico preso à roda, fazendo com que ela
diminua sua velocidade angular.

Considerando o diâmetro d2 do segundo pistão duas vezes maior que o diâmetro d 1 do primeiro, qual a razão entre a força
aplicada ao pedal de freio pelo pé do motorista e a força aplicada à pastilha de freio?

04.Observe, na figura a seguir, a representação de uma prensa hidráulica, na qual as forças F 1 e F2 atuam,
respectivamente, sobre os êmbolos dos cilindros I e II.

Admita que os cilindros estejam totalmente preenchidos por um líquido.


O volume do cilindro II é igual a quatro vezes o volume do cilindro I, cuja altura é o triplo da altura do cilindro II.
A razão F2/F1 entre as intensidades das forças, quando o sistema está em equilíbrio, corresponde a:

05. Um bloco de massa m = 9000 kg é colocado sobre um elevador hidráulico como mostra a figura anterior. A
razão entre o diâmetro do pistão (DP) que segura a base do elevador e o diâmetro (DF) onde se deve aplicar a força F
é de DP /DF = 30.

Encontre a força necessária para se levantar o bloco com velocidade constante. Considere g = 10 m/s 2 e despreze os
atritos.