Você está na página 1de 4

01.

DESCREVA AS DIFERENÇAS BÁSICAS DO SISTEMA


RESPIRATÓRIO DO NEONATO E DO ADULTO E AS DIFERENÇAS
BÁSICAS DA CIRCULAÇÃO FETAL E DO NEONATO.

NEONATO ADULTO
O diafragma do neonato apresenta Comparado com 50% no adulto,
uma porcentagem reduzida de fibras sendo estas fibras de contração lenta,
musculares do tipo I, vermelhas, resistentes à fadiga e com alto teor de
correspondendo a aproximadamente oxidação.
25%
Caixa torácica mais circular e plana costelas mais verticalizadas
(costelas horizontalizadas)
ângulo de inserção do diafragma que Depois que fica mais verticalizado
é horizontal
Respiração nasal Nariz e boca
Padrão respiratório: irregular, Tóraco abdominal
difragmático
Complacência pulmonar menor
As vias aéreas de condução na do que as do adulto
criança são menores e mais estreitas

CIRCULAÇÃO FETAL

✓ Circulação fetal: Circulação fetal é o sistema circulatório dos fetos,


especialmente dos fetos humanos.
✓ A circulação fetal é bastante diferente da circulação após o
nascimento, pois, no feto, a troca do gás carbônico pelo oxigênio na
hemoglobina ocorre na placenta
✓ O sangue oxigenado vem da placenta pela veia umbilical, onde ele se
divide em dois: parte vai para o fígado, e daí para a circulação
hepática, e outra parte, pelo ducto venoso, vai até a veia cava
inferior.
✓ Este sangue rico em oxigênio entra no átrio direito, e passa para o
átrio esquerdo através do forame oval.
✓ Assim, temos no átrio esquerdo principalmente o sangue com alta
saturação de oxigênio, misturado com pouco sangue com baixa
saturação vindo das veias pulmonares. Este sangue passa
ao ventrículo esquerdo, de onde é bombeado para a aorta; parte vai
para a cabeça, coronárias e extremidades superiores, enquanto outra
parte, após misturar-se com o sangue proveniente do ducto arterioso,
é distribuído para o resto do corpo, inclusive para a placenta.

CIRCULAÇÃO NEONATAL (RESUMO)

✓ Quando cessa a circulação do sangue fetal pela placenta, e os


pulmões do bebê começam a funcionar.
✓ O orifício oval, o ducto arterioso e o ducto venoso, que permitiam que
a maior parte do sangue fosse desviada do fígado e dos pulmões,
param de funcionar.
✓ Tão logo a criança nasce os vasos umbilicais também não são mais
necessários.
✓ O esfíncter no ducto venoso contrai-se, fazendo com que todo o
sangue que penetra no fígado seja obrigado a passar pelos
sinusóides hepáticos.

02. QUAIS AS VANTAGENS E DESVANTAGENS EM RELAÇÃO A


MECÂNICA RESPIRATÓRIA DO ADULTO X NEONATO
✓ As primeiras alterações nas propriedades mecânicas do sistema
respiratório ocorrem antes do nascimento, com a mudança da postura
fetal durante o parto, implicando na alteração da configuração da parede
torácica, aumentando a pressão transpulmonar e levando à perda de
grandes volumes de líquido contidos no pulmão
✓ A observação do tórax de um neonato demonstra que sua complacência
é maior do que a de um adulto. Em um adulto observam-se ossos mais
rígidos e parede torácica do tipo barril, já o neonato tem uma estrutura
óssea menos rígida e um tórax muito mais complacente

03. DESCREVA CADA POSICIONAMENTO TERAPÊUTICO E SUA


APLICAÇÃO

Decúbito ventral

❑ Posicionar o RN dentro do ninho, com flexão de quadril.

Dispor um coxim de posicionamento sob a região abdominal e mamilar do Rn (


promovendo a flexão do quadril) . Logo abaixo dos pés colocar um coxim de
modo a manter um ângulo de 90° entre o pé e o tornozelo. Aproximar o ninho,
se necessário dispor 2 coxins ao longo das laterais direita e esquerda do Rn.
Aproximar a mão perto do rosto.

Decúbito utilizado somente em bebês internados e sob monitorização


constante

Decúbito Dorsal

Posicionar o RN dentro do ninho, dispor um coxim de posicionamento abaixo


do pescoço (entre o lobo orelha e ombro), de modo a manter o pescoço em
posição neutra. Dispor um coxim abaixo dos joelhos mantendo-os em flexão.
Aproximar o ninho nas laterais do bebê, cuidando para não promover protusão
exagerada dos ombros.

Decúbito Lateral

❑ Posicionar o Rn com flexão de quadril, dentro do ninho, dispor um coxim


de posicionamento abaixo do pescoço (entre o lobo orelha e ombro),
posicionar outro coxim ao longo da coluna e dispor outro coxim de
posicionamento entre os inferiores do Rn sem realizar abdução e este
estende-se até região abdominal.

Cuidado com o diâmetro do coxim deve ser respeitado o tamanho do Rn.

Posicionamento em cepap

Manter as orientações específicas para cada decúbito, porém preocupando-se


com o tracionamento do circuito do cpap em relação ao rosto do RN, manter o
circuito na linha das orelhas, posicionar o prong nasal de maneira neutra a fim
de mantê-lo corretamente dentro das narinas. Usar as proteções nas laterais
da cabeça e colocar a placa de hidrocolóide em septo nasal prevenindo lesões
de pele.

04. EXPLIQUE A FISIOPATOLOGIA DA RETINOPATIA DA


PREMATURIDADE (ROP)

A retinopatia da prematuridade é o crescimento desorganizado dos


vasos sanguíneos que suprem a retina (camada mais interna do globo
dos olhos) do bebê. Esses vasos podem sangrar e, em casos mais
sérios, a retina pode descolar e ocasionar a perda da visão da criança.
✓ A retinopatia da prematuridade é uma doença vascular que afeta a retina
imatura do recém-nascido prematuro.
✓ Ao nascimento, a retina do prematuro tem ainda poucos vasos,
aumentando a vascularização à medida que o bebê se vai
desenvolvendo. Quando a retina do bebê prematuro é exposta a níveis
de oxigênio mais elevados do que os presentes no ambiente intra-
uterino, por exemplo durante a ventilação assistida, esta exposição
perturba o processo normal de vascularização, originando uma doença
com uma gravidade variável, desde ligeira até à cegueira. a retinopatia
da prematuridade é a doença ocular mais freqüente em neonatologia,
sendo uma das complicações do recém-nascido de muito baixo peso
(inferior a 1500 g).
✓ Uma vez presente, a retinopatia pode evoluir com agravamento
progressivo, ou, nas formas mais ligeiras da doença, em que as lesões
são mais periféricas, regredir espontaneamente; é o que acontece na
maioria dos casos. Nos estádios mais graves pode existir indicação
terapêutica para foto coagulação com laser.
05. EXPLIQUE A TETRALOGIA DE FALLOT E QUAIS SEUS SINAIS E
SINTOMAS

✓ A tetralogia de Fallot é uma malformação congênita do coração


(presente no nascimento) composta de quatro elementos:
✓ Comunicação interventricular (uma comunicação entre os dois
ventrículos do coração - esquerdo e direito).
✓ Desvio da aorta para a direita, ao sair do coração.
✓ Obstrução do ventrículo direito e dificuldade de passagem do sangue
para os pulmões.
✓ Hipertrofia ventricular.
✓ Na tetralogia de Fallot o sangue não consegue ser oxigenado em
quantidade suficiente para ser distribuído para todos os órgãos do corpo
e, em conseqüência, as crianças apresentam-se com cianose (cor
azulada da pele).

✓ Os sinais e sintomas da tetralogia de Fallot dependem do tempo de


sua evolução e de seu menor ou maior grau de importância. O maior
deles é a cianose, a qual se apresenta desde muito cedo, no recém-
nascido. Ocorre também:

✓ Sopro sistólico.

✓ Policitemia (aumento de glóbulos vermelhos sanguíneos), devido ao


estímulo à eritropoiese, resultante da hipoxemia (baixa oxigenação
sanguínea).

✓ Baqueteamento digital (dedos em forma de baqueta de tambor).

✓ É comum haver dificuldade para respirar, ficar muito cansado aos


mínimos esforços ou nervoso e, ocasionalmente, perder a consciência.

✓ Geralmente a doença interfere no crescimento e no desenvolvimento


normais da criança.

Você também pode gostar