Você está na página 1de 39

GENÉTICA MICROBIANA

Transferência da informação genética


Todas as características microbianas são controladas ou
influenciadas pela hereditariedade

Características hereditárias relacionam-se a:


características estruturais (morfológicas)
reações bioquímicas (metabolismo)
capacidade de se movimentar
capacidade de sobreviver em várias condições ambientais
capacidade de interação com outros microrganismos
GENÉTICA : ciência da hereditariedade que inclui o
- estudo dos genes;
- como eles transportam informações;
- como são replicados e passados para as gerações subseqüentes
de células ou transmitidos entre microrganismos;
- como a expressão da informação determina as características.

CROMOSSOMOS: São estruturas particulares que transportam


fisicamente a informação hereditária e que contêm os genes.

GENES: São segmentos de DNA (exceto em alguns vírus, que são


feitos de RNA) que codificam os produtos funcionais (proteínas).
ÁCIDOS NUCLÉICOS: Moléculas orgânicas complexas, formadas
pela polimerização de nucleotídeos (DNA e RNA)

• Contêm a informação que determina a seqüência de aminoácidos


(aa) e a estrutura e função das proteínas (DNA);

• Fazem parte das estruturas celulares e alinham os aa de forma


correta quando uma cadeia polipeptídica está sendo sintetizada
(RNA);

• Catalisam uma série de reações químicas fundamentais nas


células (pontes peptídicas entre os aa)
DNA:

-Dupla hélice
-Fitas antipararelas
-Pontes de Hidrogênio entre as
bases nitrogenadas
(A=T e C=G)
-Pareamento de bases: é ligação
entre uma pirimidina e uma purina
- Fitas Complementares

Modelo da dupla hélice de DNA.


A molécula de DNA pode ser linear ou circular (fechada)
DNA linear - eucariotos
DNA circular - procariotos, mitocondrial e dos cloroplastos

Genoma: material genético de um organismo


O genoma da bactéria Escherichia coli possui :
– 4 milhões pares de bases
– 1 mm comprimento (1000x maior que a célula)
– representa 10% do peso da célula

Como o DNA é estruturado para caber dentro da célula???

Circular, compactado e superenrolado


Superenrolamento do DNA

Círculo relaxado:
Supertorção:

Quando a fita de
Quando a fita DNA é cortada
de DNA gira (destorcida).
sobre si
mesma
Topoisomerases
(enzimas que
catalisam a torção
e distorção do
DNA)
DNA girase
(enrolamento
negativo)
SÍNTESE PROTÊICA
CÓDIGO GENÉTICO

Codons: codificam um amino-ácido específico


20 amino-ácidos
3 bases – 1 códon
Degenerativo: mais de 1 codon por amino-ácido
Universal: presente em todos os seres vivos
Códons de RNAm (trincas) e seus respectivos amino-ácidos
GENÉTICA MICROBIANA

Variabilidade genética: tão importante quanto a estabilidade genética e está


associada a alterações genotípicas (genótipo) e fenotípicas (fenótipo).
Genótipo: conjunto de genes de um organismo (potencial genético)
Fenótipo: genes que estão sendo expressos
Alterações no fenótipo podem ocorrer em virtude de fatores ambientais: cor,
tipo e tamanho da colônia ou utilização de determinado substrato.
Exemplo: bactérias do gênero Azomonas
na presença de sacarose formam grandes colônias viscosas
na ausência de sacarose formam pequenas colônias não viscosas
Embora a bactéria seja "sempre" capaz de produzir o material viscoso a
presença ou ausência do açúcar determina se esta característica será
expressa.
As alterações genotípicas são resultantes de modificações no DNA
Alterações genotípicas
- Mutação: alteração na sequência de bases de um gene
- Recombinação: rearranjo de genes para formar novas combinações

MUTAÇÃO: 1. prejudicial 2. letal 3. útil 4. silenciosa

Tipos de mutações mais comuns :


- Mutação Pontual - resulta de uma substituição de um
nucleotídeo por outro em um gene (num ponto só)
- Mutação por Deslocamento - ocorre com a adição ou perda de
um ou mais nucleotídeos no gene - mutação de inserção ou
deleção
Mutações pontuais
Mutações por deslocamento de leitura
Mutante - é a célula ou o organismo que carrega o gene mutante
Selvagem - é o organismo parental com o gene normal

As mutações podem ser:


- espontâneas: ocorrem naturalmente
- induzidas: ocorrem pela ação de agentes mutagênicos

Os agentes mutagênicos podem ser químicos ou físicos


1. Químicos:
- ácido nitroso: modifica quimicamente a adenina (A) que passa a
parear com citosina (C) em vez de timina (T). Atua de forma
aleatória alterando qualquer gene presente no DNA
- 2-aminopurina e 5-bromouracil : são análogos estruturais de bases
nitrogenadas que são incorporporados no DNA celular. 2-
aminopurina é incorporada no lugar da Adenina e o 5-bromouracil no
lugar da Timina.
Algumas drogas antivirais e antitumorais são análogos de nucleosídeos

Exemplos: AZT (timidina), aciclovir (guanosina)


- benzopirenos, aflatoxinas, corantes de acridina, brometo de etídio
causam mutações por deslocamento
2. Físicos:
- raios X e raios gama: formação radicais livres que se combinam com
bases do DNA, levando a erros no pareamento.
- luz ultravioleta: promove ligações cruzadas entre timinas adjacentes
causando sérios danos ao DNA e até mesmo a morte celular.
Taxa de mutação: probabilidade gene sofrer mutação quando célula se divide
Erros espontâneos 1 a cada 109 bases replicadas ( taxa mutação 10-9)
Gene tem em média 103 pb a taxa é de 1 em cada 106 genes replicados
se cultura tem 108 células/mL provavelmente vários mutantes presentes
mutações podem ser nocivas (mutantes morrem)
podem ser benéficas para população sobrevivência evolução
agente mutagênico: aumenta taxa mutação (10-1000 x)
usados para objetivos comerciais ou pesquisas

Mutações em RNA:
Vírus de RNA: taxa mutação 1000x maior que em DNA
poucos mecanismos reparo de RNA
alterações constantes no RNA: mutações e resistência do vírus
RECOMBINAÇÃO

Em procariotos a transferência horizontal de genes ocorre


principalmente por três mecanismos:
1. Conjugação
2. Transformação
3. Transdução
CONJUGAÇÃO
Transferência de genes através do contato entre células bacterianas.
O DNA é transferido diretamente de uma bactéria para outra.
2 tipos de células envolvidas na conjugação:
-Doadora: possui plasmidio F (fertilidade) denominada célula F+
-Receptora: não possui plasmídio F, denominada célula F-

Plasmídio - É uma pequena molécula de DNA circular, auto-replicativa,


que não faz parte do cromossomo bacteriano. Carrega genes de
resistência a antibióticos, fatores de virulência
Transferência do plasmídio F de uma célula doadora (F+) para célula receptora (F-)

Plasmídio F carrega genes envolvidos na síntese do pêlo F ou pelo sexual


Células Hfr (high frequency of recombination) são células onde o
plasmídio F torna-se integrado ao cromossomo.

Possuem maior capacidade conjugativa ou de transferência.


O cruzamento entre célula Hfr x F- resulta na transferência de
fragmentos de DNA cromossomal de uma célula para outra.
Raramente ocorre transferência completa dos genes do plasmídio F
então a célula receptora continua F- porém incorpora genes da célula
doadora em seu genoma (recombinação)
TRANSFORMAÇÃO

Processo de incorporação de DNA exógeno na forma livre,


geralmente decorrente da lise celular ou extraídos de células
doadoras.
Para que ocorra transformação a célula deve ser competente,
isto é, deve apresentar sítios de superfície para a ligação do DNA
da célula doadora e apresentar a membrana em uma condição
que permita a passagem deste DNA. Envolve a participação de
diferentes proteínas (proteína de ligação ao DNA, presente na
membrana, autolisinas, nucleases), sendo um processo variável
entre os microrganismos (nem todos apresentam competência).
Exemplos de genêros naturalmente competentes: Bacillus,
Streptococcus, Neisseria, Haemophilus.
Transformação em
bactérias Gram-positivas
Célula
recombinante
Célula Bactérias Gram-negativas
recombinante ( E. coli) captam DNA fita
dupla na transformação
A competência pode ser induzida: permite entrada de DNA em células
que naturalmente não apresentam competência ( Escherichia coli).

Técnicas indução competência:

- eletroporação: célula é exposta a campo elétrico pulsante que


produz pequenos poros na membrana celular facilitando a entrada de
DNA exógeno.

- tratamento com íons Ca+2 e baixa temperatura

- revólver de partículas: “atira” partículas cobertas com DNA na célula


alvo.

Quando a transformação ocorre com DNA extraído de vírus


(bacteriófagos) e não com DNA bacteriano TRANSFECÇÃO
TRANSDUÇÃO

Transferência de genes mediada por vírus bacterianos (bacteriófagos ou


fagos).
A transdução pode ser generalizada (qualquer fragmento de DNA) ou
especializada (determinados genes, passados por fagos temperados

Transdução generalizada: durante um ciclo lítico, pode haver a


incorporação de DNA bacteriano no capsídeo viral. Este DNA poderá ser
transferido para outra bactéria, pois os processos de adsorção e injeção
de DNA dependem da estrutura do vírus, independente do tipo de DNA
contido em seu interior.
Transdução generalizada
Transdução especializada: este processo é dependente da ocorrência de
um ciclo lisogênico. O fago integra seu DNA ao DNA bacteriano (profago) e
após indução, este fago pode iniciar um ciclo lítico. Caso a excisão do DNA
viral ocorra de maneira defeituosa, poderá haver a transferência de um
pequeno fragmento de DNA bacteriano. Este vírus "defeituoso" poderá
transferir o DNA bacteriano para outras células.