Você está na página 1de 42

Atraindo o demônio

Angelita Gill

Davien está oferecendo o adeus ao reino humano, não tendo


nenhuma razão para ficar. Antes de sair, ele anseia por uma noite de intenso,
sexo exótico e ousa Madame Eva para encontrar um imortal disposto a tocar
um demônio. Não alguém como aquela mulher, mas ela é um Under
Huntress. Um assassino de demônio.
Para Kara, dormindo com o inimigo está fora, é proibido. É algo muito mais
forte e tentador. Atraídos para os rumores de suas proezas sexuais, Kara
pergunta se há um demônio aberto para a possibilidade de passar uma noite
com seu inimigo. A resposta é sim e só ela e o demônio saberiam .... Quando
os corpos são descobertos e os rótulos são esquecidos, ninguém pode negar
que seus destinos estão selados no momento em que se conheceram.
Capítulo Um

Quando Davien atravessou o cassino do Hotel Castillo, cabeças


viravam em caminho. E não apenas porque ele encaixava num terno preto e
gravata muito bem, mas as pessoas reagiram à energia inexplicável que
zumbia ao redor e através dele, gritando para os ímpios. Embora ele não
gostasse de estar sendo observado, ele tinha se acostumado a ele, e na
maioria das vezes a atenção era inofensiva .

Las Vegas oferecia o que poucas cidades no mundo poderiam nos


tempos modernos: o anonimato completo e indulgência infinita. É muita coisa
para ver. Muita coisa acontecendo. Pode-se andar por aí com uma cauda
gigante ou olhos negros e ninguém parava, a não ser para tirar uma foto e
elogiar o traje.

Não que ele tivesse a cauda ou olhos negros à maioria poderia


imaginar quando a palavra demônio apareceu. Ele não era esse tipo de
ilustrações de contos de fadas. Mais um homem do que uma criatura. As
únicas coisas que lhe deram longe foram os dois chifres curtos e afiados que se
curvavam para trás em sua cabeça, e mesmo aqueles estavam escondidos em
seu cabelo espesso e negro. Ele brilhava vermelho quando irritado... Mas assim
como um monte de seres humanos pálidos. Ele tinha um par de outros
atributos que provaram a sua herança demoníaca, mas somente se ele os
mostrasse.

Ele não era um exibicionista mais. Ele riu cabeça baixa, mãos nos
bolsos, enquanto passeava pelo cluster de caça níquel. Bem, de vez em
quando ele pode ser...
Ele tocou um dedo em uma máquina caça níquel, sem perder o
passo. Segundos depois, ele olhou por cima do ombro e sorriu quando o grito
de um jovem vestindo uma camiseta branca tocou em seus ouvidos. Chegando
a um salão de elevadores privados, ele entrou e girou em um calcanhar. As
portas se fecharam e os sons do cassino silenciados. A sala que ele procurou
foi localizada em uma torre exclusiva chamado Prestigio Suites, separados dos
quartos padrão do outro lado do resort. Enquanto o elevador o levou para o
andar superior, ele não podia deixar o sentimento melancólico estabelecendo-
se em seu peito.

Ele iria sentir falta deste reino.

A energia o bem e o mal, tinha lhe sustentado nos últimos trezentos


e tantos anos. Para a maior parte do tempo, ele permaneceu nos bastidores e
gostava do que o mundo humano tinha para oferecer. Embora ele tivesse
preferido uma existência aberta, era impossível aqui. Ele não se importava de
esconder sua verdadeira natureza, embora, desde que demônios tinha uma
reputação desagradável. Muitos anos antes, ele tinha pensado “os bons atos
dos demônios seria encobrir os maus” , mas as tentativas de mostrar que
demônios poderiam de fato ser humano, mesmo útil, só parecia agravar a sua
notoriedade. A animosidade cresceu a tal ponto ao longo da última década,
que muitos dos seus irmãos fugiram para outro reino . Outros fizeram alianças
com os vampiros e se escondeu entre eles. Alguns foram caçados e mortos .

O último pensamento fez hesitar quando as portas silenciosamente se


separaram.

Ele estava com fome suficiente para uma noite de prazer neste reino
para arriscar uma possível armadilha?

Com um suspiro, ele saiu do elevador e fez o seu caminho para a


suíte penthouse.
Ele tinha contatado Madame Evangeline, para saber mais sobre sua
bem-sucedida e discreto serviço de suporte 1NS por algumas razões . Um
deles, que tinha estado sozinho há muito tempo, e se ele pudesse trabalhar o
seu caminho através de uma boate ou até mesmo uma livraria para seduzir a
fêmea humana à vontade, ele não tinha tempo para jogar. Dois, ele estava
curioso para ver se Madame poderia produzir um cliente interessado em um
caso de uma noite com um demônio. E três, uma vez que a noite terminasse,
ele planejava deixar o reino da terra para sempre. Ele não pertenceu aqui.

Ele tinha quase esquecido sua pergunta para Eve quando ela enviou-
lhe um e-mail, alegando que ela de fato tinha exatamente o que ele tinha
pedido. Linda. Disponível. E imortal?

Ela ofereceu uma Caçadora. Rastreadora e eliminadora de demônio,


em termos mais específicos.

Oh, com certeza. Apenas o menor soluço bebê lá. Um ligeiro conflito
de interesses. No início, ele estava indo enviar e-mail de volta e usar uma
daquelas siglas modernas como LOL a incrível sugestão de Eva, mas algo lhe
deu uma pausa.

Droga, pura curiosidade ardente.

Ele não podia ignorá-lo.

Então, ao invés disso ele tinha escrito de volta pedindo mais detalhes.

Por que uma Caçadora? Madame respondeu que esta Kara tinha
solicitado um demônio aberto à possibilidade de compartilhar uma noite com
ela. Ele não tinha dito nada em sua correspondência inicial sobre ter uma
fantasia de se juntar com seu inimigo, mas parecia que a francesa tinha
adivinhado com incrível clareza o que ele decidiu no final.

Desafio aceito.
A Caçadora queria experimentar o que um demônio tinha para
oferecer na cama. Ela se rebelou contra o seu voto, e se ela foi corajosa e
ousada o suficiente para assumir o risco, ele também.

Sua agenda pode ser para seduzir e depois o matar... Mas verdade
seja dita, isso não seria o pior destino. Ele se aproximou da suíte, pegou a
chave e abriu as portas. Ele pressionou a tela de toque perto da porta, e as
pesadas cortinas se separaram. Ele passeou pelas acomodações de luxo e
retas para as janelas panorâmicas que apresentou a vista espetacular. Ele
olhou para as luzes da cidade

Sim. Ele iria sentir falta deste reino.

Kara se escondeu no suntuoso salão reservado para o uso dos


hóspedes do hotel tempo suficiente para o barman lhe enviar seus olhares
piedosos. Na verdade, ela ficou lá uma hora já. Preparando mentalmente para
encontrar seu encontro por uma noite.

Seu coração batia enquanto a dúvida e desejo guerreava em seu


peito.

Por insistência do gerente VIP, a mala tinha sido entregue para a


suíte, quando ela verificou, o mensageiro lhe dera uma carranca confusa
quando ele teve que puxar o saco de seu alcance.
Seu celular vibrou. Madame Eva respondeu a sua mensagem de texto
apreensiva.

Não se preocupe mon chéri, eu descobri o que você quer. A


recompensa vai valer a pena o risco.

Como Madame poderia ter tanta certeza?

Ainda assim, empoleirado no banco do bar elegante enquanto o sexy


som do saxofone a cercava, e ela continuou a adiar o inevitável.

Ela queria ir adiante com seu encontro.

Se havia uma coisa que podia fazer, era seguir os seus instintos.
Desde que ela tinha encontrado o cartão de visita de Madame Eva em uma loja
de lingerie, ela não pensava em mais nada. Ela tinha ido para o lugar, sem
agenda, exceto para navegar e começar se tentar em ligas, meias e sutiãs que
era completamente impraticável para uma Caçadora, então ela comprou quase
tudo o que ela tinha ficado tentada.

Ao longo dos anos, a necessidade de um Caçador tinha diminuído


quando o número de demônios e outros seres macabros caiam. As coisas
estavam mudando. Não foi só suas habilidades não chamadas tantas vezes,
seu desejo enfraquecido com cada tiro.

Embora ela ainda olhasse nos olhos de seus inimigos e puxou o


gatilho, o coração de Kara não estava mais na luta. Quando ela tinha
começado em sua tarefa a mais de um século atrás, ela foi condenada a matar
só os verdadeiramente maus. Eventualmente, a luta tinha se transformado em
uma pequena guerra particular, e os Caçadores e caçadoras tinha perdido
alguns dos seus próprios ideais. O Conselho Imortal respondeu com ordens
para matar todos os demônios. Embora você não pode realmente 'matar' um
demônio... Só mandá-lo para casa com uma bala especial para o chefe fazer
com que ele nunca poder voltar.

Enquanto ela tentava não ouvir boatos e cochichos, ela tinha ouvido
que nem todos de sua espécie eram torcidos e sujos. Havia aqueles que
roubaram almas e desapareceu no submundo de barganha de poder. Outros
eram conhecidos para explorar os seres humanos. Mais alguns raros eram de
paz, utilizando seus poderes para o bem, extraindo energia invisível mais
potente de um ser humano e usá-lo para manter o poder que já tinha para o
bem.

Aparentemente, esse cara Davien era um desses.

Madame Eva insistiu que seu encontro não tinha igual. O encontro de
uma noite de Kara não seria um dos malfeitores.

Seus pais morreriam de choque e vergonha se soubessem o que


estava fazendo, se eles estivessem vivos. Seus companheiros caçadores iriam
queimá-la na fogueira, por assim dizer, se a palavra saiu sobre os detalhes de
seu acordo com a Madame. Ela estremeceu e empurrou o pensamento de lado.

Ela queria um sabor de algo proibido. Sua vida foi um conjunto de


regras e ordens. Espartana. Regulamentada. Muitas vezes solitária. Ela queria
se sentir viva. De todos os rumores de que ela tinha ouvido falar sobre
demônios, o que soou mais alto foi a de que os seus apetites sexuais eram
voraz, intenso... Diferente de tudo o que ela já experimentou. Apenas fofoca,
mas se alguém ouviu as mesmas informações várias vezes, algumas delas
tiveram de ser verdade.

Por que a hesitação? Ela estava recebendo o que ela pediu ao pé da


letra: um demônio masculino atraente aberto para passar a noite com o seu
inimigo imortal. Concluído.
Ela colocou uma nota de vinte no balcão por seu Martini intocado e
fez seu caminho até os elevadores. Ela só esperava que não estivesse pedindo
para ser condenada.

Minutos depois, ela ficou na frente da Suíte nove, alisando o vestido


sem mangas preto. Por baixo, ela usava lingerie nova e mesmo que o corpete
tornou difícil para respirar, a idéia de usá-lo hoje à noite tinha sido irresistível.

Borboletas flutuavam em círculos dentro de seu estômago, ela inseriu


o cartão-chave, viu o flash de luz verde, e abriu as portas duplas.

Do outro lado da sala, as luzes da cidade brilhavam no ar frio de


novembro. O som do fogo crepitante na lareira e na penumbra criou uma
espécie por do sol de humor. As portas se fecharam atrás dela.

― Olá ― Assustada pela voz profunda e masculina, ela agarrou seu


olhar para a esquerda. Na escuridão silenciosa, tudo o que podia ver eram
grandes mãos masculinas que descansavam nos braços da cadeira, as pernas
longas afastadas, e o brilho de dois olhos azuis brilhantes olhando para ela.

― Eu sou Kara. ― É claro que ele sabe disso.

Ele se levantou e caminhou em sua direção, a luz do fogo iluminando


suas feições, formando um meio-sorriso. ― Sim, eu sei. E eu sou Davien.

Oh menino, oh menino, oh menino. Seu coração batia enquanto seu


desejo pulava dentro dela, animado para ser liberado, ansioso para jogar. Ele
era impressionante, bonito. Especialmente quando ele sorriu.

Quase dois metros de altura, cabelo preto, afiado nariz aquilino,


ombros largos, e cintura afiada. Ele tinha desabotoado o botão de cima de sua
camisa preta, revelando uma garganta masculina forte. Que ela adoraria correr
a língua sobre ela. Qual o gosto dele?
Ele chegou tão perto que ela quase recuou e estendeu a mão para
um pouco de espaço, mas ela manteve sua postura. Ela não queria parecer
assustada, como ela não fosse nada.

Ela ergueu o queixo quando ele trancou o seu olhar com o dela,
começando a circular em volta dela quando se estivesse fazendo uma
inspeção. ― Então você é uma Caçadora.

Voltando com ele, ela levantou uma sobrancelha. ― Então você é um


demônio.

O meio-sorriso arrogante voltou com uma bufada de diversões. ― Eu


sou. Você tem medo de mim?

― Não ― , ela disse, sem pausa. ― Você é o único que deveria ter
medo de mim. Eu mato o seu tipo, afinal de contas.

― A morte neste mundo há nada a temer.

Não, ela não pensaria que um homem como ele temia muito. ― Há
coisas piores, eu acho. Como ficar sozinho.

Ele acenou com a cabeça. ― Concordo. ― Ele pressionou seu corpo


ao dela, andando para trás até que suas costas achataram contra a parede e
ela engasgou com o impacto. Apoiou uma mão em cada lado do rosto dela,
prendendo-a entre seus braços musculosos, inspirando longo, e inclinando a
cabeça. Seu coração batia em sua atitude ousada, o poder que ele exalava - a
sensação de macho quente sobre ela.

― O que é tudo isso? ― Ele perguntou sombriamente.

― O que você quer dizer?

― Não me ferra. Isso é algum tipo de rebelião contra a mamãe e o


papai? Sob o clã? Hum? Perdoe-me se eu achar que é difícil acreditar que você
veio com qualquer ponto de vista diferente de jogar com alguém que você não
deve brincar.

― Eu pensei que Madame fez minhas intenções claras. ― O natural


perfume aquecido dele rodeava como um nevoeiro... Um almíscar escuro,
tempero exótico misturado com o simples cheiro de suor limpo. Pela segunda
vez, ela teve a vontade de lamber seu pescoço. Primeiro, ela teve que se
explicar. ― Isso não é nada mais do que o que ela lhe disse. Uma noite com o
tipo de homem que foi dito é fora dos limites. Não tem nada a ver com o clã ou
meus pais. Eu queria experimentar algo que eu tenho certeza que eu nunca
vou ser capaz de ter mais do que uma vez.

― O que você ouviu falar sobre sexo com um demônio? ― , Ele


zombou. ― Que somos pervertidos? Cruel? Sádico?

Sua atitude defensiva já derivada de seu conhecimento do que ela


era. Ela não podia culpá-lo. ― Eu sei que você não é.

Seu olhar desconfiado brilhou com uma ligeira confusão. Ele deixou
cair os braços e virou-se para o bar bem abastecido brilhando sob holofotes
ofuscantes. ― Certo... Gostaria de algo para beber?

Mordendo o canto do lábio, ela ficou de pé diante da janela e ver a


vista. ― Sim, muito obrigada.

Ela olhou para ele. Ele pegou uma garrafa de vinho branco, com o
rosto tenso.

Ela sentiu muita energia escura dentro dele. Isso foi uma coisa boa
ou ruim? Ela não tinha idéia, sem saber quem iria dar o primeiro passo ou
quando seria para tocá-lo, e muito menos beijar ou fazer sexo com ele.

Mas ela tinha certeza que seria inesquecível.


Capítulo Dois

Davien se ocupou, usando a tarefa de abrir uma garrafa de vinho,


enquanto a temperatura do sangue em suas veias aumentou a tal ponto. Suas
mãos tremiam.

Eva tinha dito que Kara era linda.

Davien sabia o que era bonito.

Durante seus séculos no reino humano , ele admirou, flertou, dançou


e seduziu mulheres bonitas. Os cabelos longos e brilhantes de Kara, olhos cor
de luz dourada do sol, peneirado com verde esmeralda e âmbar, seus lábios
inchados, forte, mas feminina deixou seu sangue disparado. A qualidade da
sua voz rouca chamou-o em um estado de estupor. Seu rosto deslumbrante e
corpo não poderiam ser menos sensual.

Foi tudo isso e um pouco de mistério. Sua energia espantou ele e seu
efeito agudo encravou em seus sentidos como nada que ele pudesse medir .

É claro que ele esperava que ela tivesse certa quantidade de


confiança, e ela fez. Ele não esperava que o vestígio de inocência em sua
forma misturasse com um apelo sexual que não podia ser fabricado. Este rosto
era natural, tão intoxicante quanto seu aroma sutil de âmbar e sândalo,
mexendo com o demônio mais escuro dentro dele que queria violentá-la sem
dizer uma palavra que precisava ser falada entre eles.
Ele ia começar um novo conjunto de rumores sobre a perícia de seu
tipo no quarto e ele iniciaria com ela.

Calma, sirva a bebida.

Ele arregaçou as mangas, derramado a bebida, em seguida, pegou os


copos e caminhou até ficar ao seu lado e encarar a janela. Ela aceitou o vinho
e seus dedos tocaram. Ele apertou a mandíbula com a sensação ardente do
breve toque queimando em sua pele.

Ele era assim tão fácil?

Merda.

― O que você quer Kara?

― Você pode ser mais específico? ― Ela perguntou com uma


sugestão de um sorriso, levando o copo aos lábios.

― Sem dúvida, você tem algum tipo de expectativa de mim. ― Ele


colocou uma mão em seu bolso. ― como um homem... como um demônio.
Talvez haja algo especial que você gostaria e que só eu posso fornecer. Antes
de prosseguirmos, eu gostaria de saber o que você acha que poderia ser.

Seus cílios baixaram então ela levantou seu olhar de volta para ele.
― Existe algo que só você pode fazer?

Ele levantou uma sobrancelha e curvou sua boca.

― Oh, sim, há. ― Com uma meia-volta, ele colocou a mão para fora
da lareira a poucos metros atrás dele. Uma pequena bola de fogo explodiu em
fogo e pairou sobre sua mão como um animal de estimação.

Ela arregalou os olhos de espanto, então sorriu.


Ele sorriu de volta para ela, seu coração pulando essa batida sempre
necessária.

Com um sopro suave de ar, ela apagou a chama, e Davien riu, o som
estranho para ele. Quanto tempo fazia desde que ele riu?

― O que mais? ― Ela perguntou, com um traço de emoção em sua


voz.

Ele acenou com a cabeça em direção à janela. Espalmando a mão


contra o vidro, ele estreitou os olhos em concentração, enquanto cristais e gelo
formavam em torno de seu pulso, espalhando-se para fora e para longe
cobrindo rapidamente o panorama inteiro com um simples filme de gelo. Ele se
virou para ela, o prazer enchendo-o no temor em seu rosto quando ela viu a
maravilha com uma risada incrédula, a nuvem de sua respiração formando e
flutuando no ar.

Ele sorriu, bateu a mão sobre o vidro, e o gelo derreteu para deixar
riachos de água fluindo para baixo do painel. Ele nunca se divertiu muito se
exibindo.

E ele nunca quis beijar ninguém mais do que ele fez a ela no
momento.

― Isso é tudo ? ― ela perguntou , sorrindo.

― Essas são apenas o básico.

Ela inclinou a cabeça para o lado. ― Eu temo que eu não tenho


truques para impressioná-lo. Tudo o que eu sei fazer é rastrear, apontar e
atirar.

― Você sabe como beijar? ― Ele não podia resistir. Ele pegou o copo
vazio e colocou na mesa de café.
Seus lábios se separaram com a pergunta e a antecipação de
reivindicá-los queimou dentro dele.

Ela ficou ali por um momento, não respondendo. Assim quando ele
estava prestes a dizer algo para preencher o silêncio, ela entortou seu dedo
com um convite gentil.

Sim.

Ele só precisava disso quando ele segurou seu queixo e trouxe para si
rápido e sem muita delicadeza contra sua boca dura. Seu beijo era
incontrolável quando ele forçou seus lábios abrirem para que ele pudesse
deslizar a língua e provar dela. Para o seu prazer inebriante, ela abriu com
certo desespero próprio , enredando sua língua ao redor de seu como se ela
tivesse feito isso milhares de vezes antes. Do jeito que ele gostava. Seu calor
combinado com vestígios de vinho e a dança ousada de sua língua acendeu
uma explosão em sua virilha, seu pênis dolorosamente duro e empurrando em
suas calças.

Ele grunhiu e deixou um arranhão leve de seus dentes em seu lábio


inferior, fazendo-a tremer e gemer. Descendo o queixo, ele passou os braços
em torno dela e arrastou a língua e os dentes ao longo de sua mandíbula
agressivamente e desesperado com o cheiro dela. Sua cabeça caiu para trás
enquanto ela gemia com os dedos entrelaçados no cabelo dele, pressionando
seu rosto mais perto, dando-lhe permissão para violentá-la.

Ele passou as mãos por suas costas, cravando os dedos em sentir seu
corpo através do vestido , procurando uma maneira de libertá-la da sua
proteção. Segundos se passaram e ele não tinha encontrado nenhum botão ou
zíper para desfazer. Ele rosnou em frustração penetrante quando ele mordeu
seu ombro com dentes. Com sua voz ralada e rouca ele disse ― Você gosta
deste vestido?
― O quê? ― Ela parecia muito longe.

― Você gosta deste vestido? ― Ele repetiu com mais convicção do


que ele pretendia. Ele levantou a cabeça e endireitou-se.

Lábios cheio do seu beijo, ela encolheu os ombros. ― É apenas um


vestido.

Ele levantou a mão. ― Fique quieta.

Peito arfante, ela permaneceu no lugar, um franzir de confusão


estragar sua testa. A partir dos ombros, concentrando-se para que ele não
queime sua pele ou as roupas íntimas por baixo, sua mão tremia quando o
calor e a magia do seu poder entrelaçada com os olhos da mente . Ela
suspirou, olhando para baixo, vendo o vestido derreter e desaparecer à medida
que a mão acenou para ela. Ela engoliu em seco, o suor escorrendo pelo lado
de seu rosto quando ele meticulosamente cauterizava a camada de tecido de
sua pele, deixando o resto de sua pele intocada. Como desembrulhar um
presente com o maior cuidado, primeiro os seios foram revelados derramar por
cima de um preto espartilho, fazendo seu pênis saltar em resposta, seguido de
quadris largos, calcinhas de renda, e um conjunto de pernas fortes e
atraentes.

Ela ergueu o olhar atônito de volta até o seu com uma voz incrédula.
― Davien?

― O quê? ― Ele falou em um tom preguiçoso, passando as mãos. ―


Eu deixei você manter suas roupas íntimas sexy. ― Ela colocou as mãos nos
quadris, com um olhar reprovador.

― Eu não posso acreditar que você fez isso.

Ele balançou a cabeça enquanto olhava para ela. Ela era toda dele por
uma noite. Ele agarrou a mão dela e a puxou contra si, beijando-a com força e
rápido. ― Você não precisa de nada, além de sua voz e seus olhos e seu corpo
para me seduzir, Kara.

Ela esfregou as palmas das mãos para cima sua camisa, começando
no primeiro botão em seu caminho. ― Sua vez.

Como ela teve quando ele a despia, ele ficou parado, enquanto
trabalhava em sua camisa a maneira antiquada, puxando-o de sua calça. Ele a
ajudou a terminar encolhendo os ombros de fora quando ela explorou seu
peito e estômago, com firme e carícias lentas, fazendo com que seus músculos
tremessem com seu toque. Ela saiu de seus saltos altos.

Tronco nu, ele agarrou seus quadris e virando em torno dela para
enfrentar a janela. Sua cabeça sobre o ombro, seus olhos se encontraram e
ficaram. Trazendo suas mãos ao redor de sua cintura, ele a puxou de volta
para ele, seu pau duro reagindo à curva exuberante de sua bunda. Ele beijou o
lado de seu pescoço. Um especialista em desfazer toda a roupa feminina desde
o século XVII, ele fez um rápido trabalho dos fechamentos do gancho na parte
de trás, libertando os seios e cintura de seu confinamento.

Ele gemeu ao ver o peito cheio. Ele largou o espartilho para o chão,
pastando as mãos sobre seu estômago, movendo-se para a segurar novamente
os seios, estremecendo e gemendo quando ele beliscou os mamilos para picos
endurecidos de carne rosada.

― Você é excelente ― ele murmurou incapaz de controlar um ligeiro


tremor ao sentir seu corpo sob suas mãos. Sua voz baixou. ― Nunca deixe
ninguém lhe dizer o contrário.

Normalmente, ele teria uma mulher de costas ou contra a parede por


este ponto na ação, seduzindo-a com força e rapidez, ouvindo-a gritar seu
nome, fazendo-a chegar ao orgasmo para que ele pudesse chegar a seu
próprio esquecimento. Desta vez, porém, ele queria saborear sua última noite
no reino humano e festa em seu lentamente. A menos que ela quisesse ir para
o outro lado. Nesse caso, ele só teria que tê-la várias vezes. Ele sorriu com o
pensamento.

Ela pegou sua mão direita, guiando-o seu tronco, levando os dedos
dentro de sua calcinha.

― Toque-me.

Tente me parar. Seus dedos deslizaram sobre um pequeno pedaço de


cachos macios, em seguida, espalhando seus lábios para acessar seu centro
mais delicado. Seu corpo se contorcia contra ele, seu traseiro girando em seu
pau com um movimento tão doce, seus olhos reverteram em sua cabeça. Ela
estava encharcada, e a umidade quente do sua vagina derreteu em seus
dedos. Ele gemeu em voz alta e sua mão esquerda na calcinha,
desesperadamente indo para suas calças e desabotoar-los em ordem rápida.
Ele forçou sua cueca boxer para baixo, liberando seu pênis. Ele saltou, batendo
em suas nádegas. Davien lutou contra a vontade de curvá-la e deslizar dentro
dela ali mesmo. Ele deu um passo para fora da calça e chutou para fora.

Ele agarrou seus quadris e empurrou suas costas contra ele. ―


Como é que você quer?

― Hm?

― Como você quer que eu te foda? ― Ele plantou beijos febris na


lateral do pescoço, uma mão circulando sobre seu mamilo, o outro de volta
para dentro da calcinha esfregando seu clitóris. ― Diga-me e eu vou fazê-lo.
Basta dizer isso rápido.

― Eu... Eu...

Ele virou-a de novo e silenciou com sua boca, serpenteando a língua


lá dentro, em seguida, fugiu.
Ele a pegou com um braço, e ela enrolou as pernas em torno dele.
Ele murmurou seu mamilo enquanto a levava para o quarto. Ela deu um som
baixo, inarticulado, segurando a cabeça dela, e ele chupou e mordiscou quando
ele cegamente encontrou o seu caminho.

Uma vez dentro do quarto, ele caiu em cima dela na cama de luxo e
ela riu sem fôlego, passando os dedos pelo cabelo. As palmas das mãos
roçaram os seus chifres e ela engasgou.

Davien levantou a cabeça de seu peito. ― Você parece surpresa.


Você se esqueceu o que eu sou?

Kara balançou a cabeça. ― Não... Na verdade, eu estou amando o


que você é, até agora. ― Ela cuidadosamente passou as mãos sobre os seus
chifres pontiagudos. Trazendo a cabeça baixa, ela beijou sua testa.

Quando seus olhos se encontraram novamente, ela viu uma


valorização aquecida neles. O carinho atingiu-a, a envolveu. A noite estava
apenas começando, eles nem sequer começou a ter relações sexuais, e sua
mente já estava queimando.

Ele não fez comentários sobre sua declaração, apenas capturando


seus lábios com tanta força que a cabeça dela caiu para trás na cama. Seu
potente desejo oprimindo ela e seu corpo aceitou o toque e a energia como um
chão deserto absorve a chuva. Revigorante. Necessário.

Que sacudiu a para o núcleo. O pensamento a fez tremer e ela gemeu


contra sua boca , esperando que ela se lembrasse de cada momento
emocionante.

Ele quebrou o beijo e passou de boca aberta, levemente raspando os


dentes pelo queixo , deslizando sua língua em sua garganta enquanto seu
corpo roçava no dela. Ele deslizou sobre o peito e suavemente mordeu o
mamilo. Kara fez um som de excelente felicidade, perguntando-se quanto mais
ela poderia suportar antes que ela pediu-lhe para foder.

Ele caiu, com os dedos raspando a pele delicada sobre suas costelas
antes de segurar seus quadris, correndo a boca sobre seu estômago, deixando
um longo beijo logo acima seu sexo. Kara balançou em antecipação enquanto
sua língua separava sua vagina, lambendo o mais sensível, broto delicado. Ela
gritou, enquanto ele continuava com lento, jogo lânguido, seu gemido fazendo
cócegas em seu núcleo. Ela gritou mais uma vez, a corrida feroz empurrando
os dedos para cavar os lençóis quando o orgasmo a paralisou.

Ele continuou a bater a língua entre suas dobras suaves. Ainda


segurando seus quadris, ele virou de costas levando-a com ele, batendo com a
doce sensualidade. Seus gemidos eram longos quando ela estendeu os braços,
inclinou-se e levantou o traseiro no ar. Sentia-se adorada.

Obrigando-se a sentar-se, ela olhou para baixo, pegando um punhado


de seu cabelo enquanto ele a levou para outro clímax primoroso. Sua garganta
ardia com seus gritos, enquanto ela balançava levemente os quadris em sua
boca. ― Oh! Sim... Minha buceta... ― Ela jogou a cabeça para trás, descendo
do seu orgasmo. Ele a empurrou para baixo novamente e ficou na ponta da
cama, puxando-a para a borda. Agarrando seus tornozelos, ele trouxe as
pernas em torno dele, equilibrando o pau em sua entrada quando ele agarrou
seus quadris. ― Venha aqui .

Ela arqueou e avançou para frente, a cabeça de seu pênis mal


entrando nela.

Ele empurrou seus quadris e deslizou, enchendo sua buceta lisa em


um movimento rápido, agressivo, que lhe roubou o fôlego. Ele ergueu o rosto
para o teto com um silvo. Ela fez um barulho com o tamanho dele, grande e
mais duro do que o granito, que estendia ela.
Ela começou a mover os quadris. Seu aperto da mandíbula, os
músculos tensos, as veias salientes em seus braços enquanto ele balançava
dentro e para fora.

Ele era magnífico. Seus olhos brilhavam com o fogo azul novamente,
da mesma forma que tinha quando ela entrou pela porta. Do nada, ela se
perguntava se eles fizeram isso com todas as mulheres que ele fez amor. Seu
coração doía com o pensamento e ela apertou os braços, tentando não
imaginá-la.

Descendo a ela, ele continuou empurrando com muito cuidado dentro


e fora, aceitando o convite para estar perto. Ele a abraçou, suas respirações se
misturando quando seus lábios pairaram perto, não tocando. Kara lambeu o
lábio superior com a língua, uma vez, duas vezes. Ela agarrou os lados de seu
rosto e beijou os cantos de sua boca, seu rosto, empurrando seus quadris para
cima, mais e mais rápido.

― Kara... ― Ele falou em voz baixa, gutural. Ela esmagou seus


lábios nos dele.

Ele uniu um braço atrás dela e segurou-a contra ele enquanto


passava as palmas das mãos abertas nas costas musculares agarrando sua
bunda enquanto ele bombeava dentro dela. Ela fechou os olhos. Segurando
firme, ela escondeu o rosto em seu pescoço. Os dedos dos pés enrolaram. A
sensação passou e ela mexeu os quadris com mais força. ― Mais rápido... ― ,
ela respirava. ― Mais rápido. Sim, foda- me.

Ele obedeceu com um gemido baixo, contraindo, com golpes curtos e


rápidos. Kara estava deitada de costas enquanto ele se endireitou e ela tocou
seu queixo, cada vez mais próximo ao pico do êxtase sexual. Ele virou o rosto
em sua mão, beijando a palma da mão, e seu dedo traçou em sua boca.
Sugou-o com um gemido. Kara gritou com prazer sem fôlego, passando as
mãos em seu pescoço e ombros, parando em seu peito enorme.

Seus olhos estavam brilhantes, e penetrando através das profundezas


dela e chegando a um lugar que ela não tinha certeza se queria ser tocada. A
intensidade de seu olhar abraçou como um feitiço... Incapaz de desviar o olhar.
Ele fodia com mais força, e ela gritou com cada impulso, o corpo encharcado
de suor. A fumaça de luz subiu de seus ombros enquanto ele andava mais
rápido, segurou-a com mais força, finalmente alcançando seu próprio clímax.

A fumaça flutuando a surpreendeu e fascinou, e ele finalmente


relaxou-se, recolhendo-a perto enquanto seu coração batia contra o peito. Ele
a beijou e mudou-se para o seu lado, trazendo-a ao lado dele em seus braços.
Ficaram assim por um tempo, permitindo a respiração se recuperar.

A fumaça doce permaneceu em sua pele. Ela sorriu, gostando. ―


Você sempre solta essa fumaça branca quando tem relações sexuais?

Seu peito subia e descia conforme sua respiração igualou. ― Mmm,


sim. Isso te incomoda?

Ela inalou com um sorriso. ― Não, não. Cheira divino .

Ele riu. ― Sério? Essa é a primeira vez. Acontece que a maioria das
mulheres saem .

Ela tentou não pensar sobre toda a experiência que ele


provavelmente tinha. Bocejando, ela estendeu a seu lado, os olhos se
fechando, sua voz suave quando ela lhe disse: ― Eu não sou como a maioria
das mulheres.

― Sim... ― Ele acariciou-lhe o braço com as pontas dos dedos. ―


Sim, eu sei .
Capítulo Três

Davien estava deitado no escuro com a Caçadora dormindo em seus


braços, relutante em se afastar.

Mas ele tinha que fazer.

Houve algum tipo de... Sentimento... Girando em torno de seu


intestino que ele reconheceu como avarentos... Possessivo.

Ele não gostou.

Olhando para as sombras, ele mudou Kara longe e deslizou para fora
da cama, forçando para baixo a dor que o esfaqueou no momento em que já
não a tocava.

Retirando essa besteira fora de seus ombros. Ele caminhou para o


outro quarto, girou a tampa de uma garrafa de vodka, e despejou uma
quantidade generosa. Kara era um presente para apenas uma noite. Ele jogou
para dentro o licor, mantendo o queixo para cima, uma vez que queimou sua
garganta e estomago. Ele não fez nada para esfriar o fogo ainda fumegante do
sexo que ele tinha acabado de ter com ela.

Ele grunhiu com frustração e derramou outro drinque.

Isso é tudo o que era por sinal.

Sexo. Bom sexo.

Tudo bem, realmente um ótimo sexo.


Caramba. Sexo fenomenal.

Tinha sido por muito tempo desde que ele tinha sido satisfeito? Ele
conseguia se lembrar de uma vez que ele foi além do prazer ainda
cantarolando em sua pele, em seu sangue, ele não podia se lembrar de...
Sentir isso depois. Não houve essa palavra de novo.

Abandonando a vodka, ele pegou sua cueca boxer e puxou-os,


dizendo a si mesmo para se virar. Quando ele se tornou um sentimental? Ele
não sabia. Claro, ele iria sentir falta das visões e sons do reino humano, mas
ele não teve nenhum problema deixando-o para trás. Era apenas um lugar. Ele
poderia ir para tantos outros reinos e ver delícias inimagináveis, conhecer as
almas mais interessantes, viver livremente. Além disso, ele poderia foder
qualquer número de criaturas atraentes, desde uma ninfa succubus para um
djinn de conto, as oportunidades eram infinitas.

Ele caminhou de volta para a porta do quarto e se inclinou um ombro


contra o batente, olhando para a morena deslumbrante dormindo nua na cama
king size, o corpo sublime delineado pelo luar fluindo através das cortinas.

Seu pau se contorceu.

Como qualquer um desses imortais poderia segurar uma vela para


ela?

De repente, ele não poderia imaginar indo em qualquer lugar, fazendo


qualquer coisa, sem ela ao seu lado. O pensamento era ridículo, prematuro...
Nasce de saborear seus lábios, ouvindo-a gritar o nome dele, e segurando-o
como se ela nunca o quis deixar ir.

Vá embora agora. Enquanto ele estava na sombra, ela se deitou na


luz como um anjo dormindo. Caçadora, havia uma diferença. Vá embora
agora. Aceite a noite como o fim do último tempo aqui e mova o inferno
diante.

Kara fez um pequeno barulho e virou a cabeça para o lado. Ele viu
quando ela passou a mão sobre o lugar vazio ao seu lado. Ele sorriu. Ela
estava chegando para ele... Querendo ele. Querendo saber onde ele estava.
Ele deveria ir.

Mas sua vontade era fraca. O pensamento de decepcioná-la por não


estar lá quando ela o procurou matou qualquer noção para ir. Ele deslizou ao
lado dela e ela gemeu baixinho quando ele a puxou para seus braços,
esfregando o rosto no peito dele com tanto carinho doce. Murmurando uma
maldição suave, ele fechou os olhos enquanto seu batimento cardíaco
acelerava. Ele teve que fazer amor com ela pelo menos mais uma vez antes de
suas vidas se separarem para sempre.

― Acorda... Acorda. ― os olhos levantaram em seu suave sussurro


em seu ouvido.

Ela sorriu preguiçosamente e sua boca abriu com um som desejoso


quando ele beijou-lhe o ombro , o peito... Quando ele esfregou a ponta da
língua sobre o mamilo.

Com os olhos sonados de sua soneca, ela acariciou seus dedos pelos
cabelos e arqueou as costas em um trecho desperto. Ela estava molhada, seu
clitóris queimava em necessidade, sua adoração lenta, sensual, de seios
agitando um frenesi dentro dela.

Ele levantou a cabeça com um sorriso assassino. ― Eu não pude


resistir. ― Sua voz se aprofundou. ― Eu quero você .

Ela sorriu de volta, esticando os braços acima dela. ― Então me


tome.
Com um som profundo do desejo, ele rolou de costas e trouxe-a em
cima dele, fazendo com que o cabelo dela balançasse por cima do ombro. ―
Você me leva. Eu quero ver você em cima de mim.

Ela o montou com força seu corpo masculino, as dobras de sua


vagina em seu pau duro.

― Droga, Kara. Você é um sonho.

Como ele fez isso? Fazê-la sentir como se ela fosse a mulher mais
deslumbrante viva? Sua alegria no elogio encorajou-a a agradá-lo como
nenhum outro. Marcá-lo com a memória dela para os próximos anos. Porque
quando chegou a ele, ela já estava lá.

Sentando-se sobre os joelhos, ela agarrou seu pênis e se encheu com


ele, ofegante enquanto ela deslizou para baixo. O corpo de Davien ficou tenso
entre suas coxas, seus dedos cavando em sua bunda quando ela começou a se
balançar para trás e para frente em cima dele.

Dentro dela, o prazer e a dor surda e rápida de seu grande pênis


oprimido quando ela apoiou as mãos sobre seus peitorais duros. Quando ela
guiou os quadris sem pressa, para cima e para baixo, suas respirações
aceleradas encheram o silêncio do quarto.

Ele segurou sua bunda quando seu canal saturava seu pênis, a
sensação de seus movimentos lânguidos fazendo dela mais quente, querendo
ir mais rápido. Então, ele levantou a cabeça e pegou o mamilo entre os lábios,
chupando duro. O grito de seu prazer crescente explodiu dentro dele, enquanto
as costas arqueavam e ele bombeava duro debaixo dela, movendo-se a mamar
no outro seio.

― Eu estou quase lá― , disse ela.


Ele rasgou a boca de seu mamilo e segurou e apertou seus seios,
forçando-a a sentar-se ereta. ― Sim, bebê. Goze para mim.

Ela passou as mãos em seu cabelo enquanto ela cavalgava mais


rápido, os olhos presos nos dele quando ele beliscou seus mamilos e
massageava seus seios. ― Sim, sim ― , ela gritou , subindo até a conclusão.

Felicidade rapsodica, afiada e imensurável, caiu sobre ela em ondas


de cegueira quando ela passou as mãos para segurar o cabelo pesado do
pescoço úmido. O prazer indisfarçável gravado em suas feições e o som de sua
gratificação tocou sua feminilidade, e ela sorriu quando eles se reuniram com
igualdade de gritos.

Ela abaixou-se e as suas mãos capturaram seu rosto enuanto se


encontravam num fôlego, beijo molhado , inalando , rompendo por apenas um
segundo para recuperar o fôlego antes de esmagar suas bocas juntos
novamente. Kara se virou e olhou para ele. Um sentimento de temor, de medo
e admiração, superou-a quando os últimos traços de felicidade desapareceu de
sua mente.

Davien ergueu a mão e beijou-lhe os dedos. Arrepios subiram em sua


pele suada no quarto com ar condicionado. Com um puxão rápido, ele puxou o
edredom sobre seus corpos nus.

Por um tempo, eles ficaram em silêncio.

Sua noite com um demônio soprou qualquer tipo de expectativas a


mil pedaços. Os rumores eram verdadeiros. Assim, além verdade. Será que
todos os demônios fazem amor como esse? Ou eu apenas tive sorte? Ela se
conteve. Fazer amor sugeriu mais do que sexo e satisfação física. Um termo
exclusivo para os apaixonados... Ou pelo menos aqueles com sentimentos
profundos e afetivos entre eles. Seria um erro confundir os dois. Davien tinha
lhe dado tanto prazer apaixonado, pago tanta atenção a ela, chamando-o de
sexo casual parecia baratear isso, diminuir a conexão delicada, mas inegável
entre eles.

E isso a assustou pensar que havia um.

Uma Caçadora apaixonanda por um demônio depois de uma noite?

Loucura.

― O que se passa na tua cabeça? ― Sua voz profunda, preguiçosa


penetrou seus pensamentos.

Seus olhos se encontraram. Deveria ser honesta? Algo dentro dela


pediu que ela fosse. ― Você sabe que as minhas razões para o 1NS? O que eu
queria e por quê. Mas... eu não sei o seu.

Ele desviou o olhar. ― Será que isso importa?

Talvez ela não devesse ter perguntado. ― Eu gostaria de saber.

Ele deu de ombros levemente. ― Eu queria uma noite simples com


uma mulher que queria o mesmo... e não se importasse que eu fosse um
demônio. Para ser honesto, eu não acho que Madame Evangeline me
encontraria alguém . Eu não tenho que explicar para você que dormir com um
demônio não está no topo da lista de cada mulher .

― Estava na minha.

Seu olhar azul deslizou de volta para ela. ― E é por isso que estamos
aqui agora. Juntos .

O relógio perto de seu lado da cama brilhava com as horas. Quase


meia-noite. O tempo estava indo tão rápido, ela não se importava de dormir.
Ela queria ficar com ele e aproveitar ao máximo das horas. Para supor que ele
iria querer vê-la depois desta noite seria um erro enorme e crédulo da parte
dela. Ele se inscreveu para um encontro de uma noite, nada mais.

― Estou saindo, Kara.

Seu coração parou. Agora? Ela tinha o desejo de lamentar um


protesto como uma criança, mas lembrou-se de agir como um adulto. Ele
terminou e estava pronto para ir? O pensamento cortou seu intestino. ―
Então, vai.

― Eu não quero dizer agora ― , explicou ele roçando os dedos pelo


rosto. ― Amanhã. Eu estou fora daqui para sempre. Estou deixando este reino
para outro, onde minha presença é tolerada. Onde meus companheiros
demônios estão esperando para me juntar a eles. Esta é a minha última noite
no reino humano.

― Por quê? ― , Ela desabafou. A resposta bateu imediatamente. Ele


já tinha dado a ela uma razão. Ele era um demônio, e mais do que tudo, ele
não foi aceito. Por todas as contas, ela devia estar colocando uma arma entre
os olhos e mandando-o para o submundo de onde ele veio por toda a
eternidade.

Sua voz e os olhos solenes respondeu a ela. ― Eu não tenho


nenhuma razão para ficar. ― O triste fim de sua declaração caiu pesado e duro
de seu estômago.

Os olhos de Kara se encheram de lágrimas e ela se virou de costas,


em seguida, sentou-se, segurando o lençol ao peito.

Eles nunca poderiam estar juntos, mesmo que ela desejasse.

Ela sentiu seus olhos segui-la enquanto ela caminhava para o


banheiro. Precisando apenas de alguns minutos, ela torceu as torneiras de
bronze da grande banheira redonda, grande o suficiente para caber quatro
adultos.

A banheira encheu rápido com água quente. Ela encontrou cubos de


banho dispostos em uma pirâmide atraente no canto da banheira.
Desembrulhando um e cheirando a perfume doce, limpo, ela deixou cair dentro
Escorregando de volta ao quarto, no momento vazio de Davien, ela abriu a
mala e tirou uma escova para pentear os fios retorcidos de cabelos após o
banho. A água chegou a um nível perfeito quando ela voltou para o banheiro.
Encontrando uma caixa de “Castillo recordações partidas” acendeu várias velas
em pilares dispostos em volta da banheira.

Ela suspirou quando afundou, a temperatura e aroma dos sais


celestiais.

Momentos depois, Davien apareceu na porta, ainda nu, a garrafa de


vinho que ele tinha aberto mais cedo e dois copos limpos em suas mãos.

Incapaz de esconder sua excitação, ela sorriu ao ver, feliz que ele
queria se juntar a ela.

― Posso? ― Ele perguntou.

― Venha aqui, bonito.

Ele sorriu, colocando a garrafa e copos na borda da banheira antes de


subir dentro. Ela ficou maravilhada com os contornos de suas pernas
musculosas, como os ombros agrupavam quando ele sentou-se em frente a
ela, a luz de velas lançando um brilho suave em suas afiadas características
atraentes. O nível da água subiu e Kara abriu as pernas quando ele se sentou.

Ele derramou o champanhe, e ela aceitou o dela com um sorriso


melancólico. ― Será que devemos brindar?
― Você acha que é má sorte se nós não fizermos?

Ele riu. ― Não é verdade, mas não vamos abusar da sorte.

Ela sorriu e levantou a taça. ― Para 1NS e Madame Eva.

Ele tocou seu copo com o seu e deu um curto aceno de cabeça. ―
Para a genialidade de uma mulher.

Capítulo Quatro

Davien não conseguia se lembrar da última vez que ele tinha


compartilhado um banho com uma mulher. Ele nunca tinha possuído a
paciência ou a atitude romântica de participar em algo tão indulgente. Ele
preferiu rápidos chuveiros quentes. Dentro e fora. Qual foi o ponto de imersão
em água com sabão?

A menos, claro, uma aconteceu de estar sentado em frente à mais


deslumbrante fêmea que se possa imaginar , em seguida, ficando enrugado
nos dedos das mãos e pés foi a melhor coisa do mundo .

Kara sorriu para ele quando ela alisou as mãos sobre a superfície,
afundou na água e mergulhou sua cabeça, em seguida, aproximou-se para
passar as mãos em seus cabelos. A luz das velas deu-lhe uma aparência
etérea, pegando as manchas de ouro em seus olhos, fazendo seu coração
bater mais rápido.

Caramba. Ele estava indo exigir a força de mil demônios para se


afastar dela pela manhã.
― Então. ― Ela sorriu, reclinada com seus belos seios cremosos
rompendo a superfície e tirando seu foco total. ― O que você vai sentir mais
falta?

Você, ele quase deixou escapar. Você, Kara, que eu conheço á


poucas horas nos meus 300 anos mais aqui neste reino. Eu vou pensar em
você por muito tempo depois que eu partir. Mas ele não podia dizer isso. ―
Muitas coisas.

― Nomeie três.

― Três? Ok. Em nenhuma ordem de preferência, lembre-se, eu vou


dizer... ― Ele fez uma pausa para pensar. ― Ilhas tropicais. Esportes de
contato. E Mardi Gras .

A risada dela era leve. ― Por que isso?

― Porque você não pode encontrar qualquer um deles em outros


reinos. Nenhum que eu já estive, pelo menos. Bem, eu acho que eu poderia
assistir a um bom jogo de morte. Isso é muito parecido com esportes de
contato. ― Ele piscou para ela quando ela riu. ― Alguma vez você já deixou
este reino, Kara?

Um toque de tristeza brilhou em seus olhos. ― Não. Não há razão


para issdo. Eu tenho um dever aqui.

Ele arqueou uma sobrancelha, o tom misturado com sarcasmo. ―


Oh, sim, a coisa Caçadora. Sabe sem querer ofender, mas você não se parece
com um assassino incondicional.

― Essa é uma das razões que me treinaram. ― Sua voz nivelada


poderia ter falado sobre o jogo de xadrez, em vez de executar a sua espécie.
― Então, não é o que desconfia quando me ver chegando.
― Ah. Eu ia ver você. ― Ele sorriu maliciosamente para ela. ― E eu
vi você vir.

Ela jogar ele. ― Não zomba. É o que eu sou.

― Já pensou em desistir?

― O quê? Sair? ― Ela franziu o cenho, parecendo insultada por ele


mesmo perguntar, mas a partir do olhar incerto em seus olhos, ela tinha pelo
menos considerado uma ou duas vezes. ― Ser uma Caçadora é o que eu sei
― , ela disse, com voz quase inaudível, olhando para a superfície da água. ―
Se eu não sou uma Caçadora , o que sou eu?

― Você notou que você acabou de falar como se você tivesse já


desistido?

Ela disparou seu olhar de volta para ele. ― Pare com isso.

― Pelo que eu posso ver você não nasceu para ser uma caçadora,
você foi feita uma. Ele foi obrigado a você através do legado da família? E
enquanto eu não estou criticando a sua linhagem, é claro que, embora ela
esteja em seu sangue, você não tem o gosto por ela. ― Ele fez uma pausa.
― Admita!

Ela se inclinou para o cotovelo na borda da banheira, dedos para seu


templo. ― Não importa se eu não tenho um gosto por ela. É o que eu sou. Se
eu sair... Eu vou ser banida da minha casa. Evitada por todos que eu conheço.
Eu não teria ninguém e nada.

Ele encontrou a mão livre na água e segurou-a delicadamente na sua.


― Essa é a beleza de ser um imortal. Você tem tempo para descobrir isso. Faça
o que quiser. ― Ele arqueou uma espessa sobrancelha negra. ― Faça o que
você quer.
Ela pegou a mão dela, com os olhos cheios de suspeita. ― Eu sei o
que você está fazendo. Isto é o que você faz, não é? Seduzir e hipnotizar os
outros a abandonar seus códigos morais e seguir seus desejos egoístas, maus?

Para sua surpresa, ele riu. ― Você está ficando louca, porque você
sabe que eu estou certo. Eu não poderia me importar menos se você cuida do
meu conselho. ― Isso não era inteiramente verdade. Seria um desperdício se
ela dedicou sua vida a uma causa tão inútil. Deixe os fanáticos continuar
perseguindo demônios no subsolo. Ela, obviamente, não era um deles. ― Mas
eu espero que você faça, se vai ou não admiti-lo, você fez esta noite como
uma forma de chegar à verdade. Nem todos os demônios estão aqui para
espalhar o mal. Você provavelmente já matou alguns que não mereciam. Agora
que você já fez amor com alguém. Você pode voltar?

Ela não respondeu. Ele decidiu que ele tinha dito o suficiente, obtido
o seu pensamento.

Querendo distraí-la e restaurar o seu bom humor, ele colocou as


mãos no fundo da banheira, abriu os dedos, depois, lentamente, levantou-os
acima da superfície. A chapa grossa de água subiu mais de suas mãos, e com
foco criativo, ele usou sua energia para empurrá-lo todo o caminho até o teto.

E chamou a atenção de Kara. ― O que você está fazendo?

Ele deslizou seus dedos pela parede que ele tinha criado, tornando-se
a deitar na banheira, incapaz de ver a reação dela, através da cascata
correndo.

Ela engasgou com o resultado. Seus dedos tocaram suavemente


antes de arrebatar. ― Você fez uma cachoeira.

Arrebatando-lhe os pulsos, puxou o corpo dela e segurou-a no meio


da sua torrente elemental mágico de chuva. Ela arqueou as costas, e ele viu
quando a folha grossa despejou sobre seus lindos seios e corpo. Ele não pôde
resistir chupando um mamilo em sua boca. Suas pernas espremidas em torno
dele, em resposta enquanto ele sugava o cerne, a água espirrando para baixo
em sua cabeça e nas costas, enquanto ela massageava a parte de trás de seu
crânio. Todos os seus sentidos latejavam.

Ela inclinou a cabeça para baixo e ele levantou o rosto. Eles se


uniram em um beijo lento e encharcado, reunião de línguas sem pressa. Ele
estava duro em um instante, envolvendo os braços em volta dela para abraçá-
la. Ela quebrou o beijo e segurou seu rosto com as mãos, a água correndo por
seu nariz e bochechas, o rosto sério.

― Davien, você está certo. Você está tão certo sobre mim. Eu não
quero ser uma Caçadora mais. Essa parte da minha vida acabou. Obrigada.

O sorriso que ele deu a ela estava um pouco inseguro, um pouco


instável, mas tão genuíno. ― De nada.

Ele estalou os dedos. A última cascata caiu no corpo de Kara. Ele


queria se concentrar nela.

Kara nunca tinha feito amor em uma banheira antes. Foi a coisa mais
sexy que ela já tinha feito, e ela foi incapaz de suprimir seus gritos de prazer
quando Davien balançou dentro dela, fazendo com que o chapinhar de água
derramasse no chão do banheiro. Ela mal podia respirar enquanto ele festejava
em seus lábios, bombeando os quadris em um ritmo quase desesperado, o
vapor da mistura de água na fumaça saindo de suas costas. O cinza, potente
aroma encheu seus sentidos, alimentando seu sangue. Ela chegou ao orgasmo
uma e outra vez... Nunca querendo descer de sua elevação feliz. Davien rugiu
sua conclusão, em seguida, dirigiu nela com suas lentas estocadas finais.

Depois, com a mão alisou seu templo, e ele olhou para ela com tanta
intensidade feroz, que ela teve que fugir.
Ela não queria que ele saísse. Agora ou nunca.

Ele se afastou.

Lágrimas quentes encheram seus olhos e ela afundou na água,


escondendo as lágrimas, escondendo suas emoções. Ele estava certo sobre sua
dedicação para continuar a ser uma caçadora. Foi forçado e obrigatório não
uma escolha de carreira. No fundo, ele apenas confirmou o que ela sentiu por
tanto tempo e disse em voz alta. Não, ela não podia voltar. Ela fechou a porta
para a vida que levava assim que ela abriu a que levou a Davien.

Não foi sua mãe, que sempre disse a ela que as pessoas entrava em
nossas vidas por uma razão, um propósito? Você pode não saber por que ou
por quanto tempo, mas nunca é por acaso.

O destino o destinou a encontrar Davien. E mesmo que iria doer


como o inferno quando eles se separaram, em poucas horas, pelo menos ela
saberia que era para ser.

Ela lavou o cabelo enquanto ele saiu e enrolou uma toalha em volta
da cintura, desaparecendo para o quarto. Depois disso, ela drenou a banheira e
secou o cabelo antes de escová-lo.

Davien estava enrolado em seu lado, com os olhos bem fechados


quando ela passou ao lado da cama, alguns minutos depois de encontrar algo
para vestir. O relógio mostrou duas horas

― Eu espero que você não esteja pensando em usar algo para a


cama ― , ele murmurou enquanto ela cavou através de sua mala.

Ela riu. ― Se eu chegar lá nua, eu nunca vou conseguir dormir.


― Acredite ou não, bebê, você me destruiu por pelo menos algumas
horas. ― Ele segurou o cobertor aberto para ela. ― Venha aqui. Eu só quero
te abraçar agora.

Seu coração deu uma guinada na intimidade em seu tom. Ela deixou
cair sua camisola e se arrastou em seu abraço, deleitando-se com o seu calor e
conforto. Ela se sentiu tão certo de estar ali. Ela estava imaginando o olhar
avarento em seus olhos quando ele fez amor com ela no banho? Como se ele
não queria que acabasse, ou...?

Era tudo sobre o sexo... Ou ele sentir algo mais entre eles, também?
Estas e outras perguntas circulavam em sua cabeça. O fato de que ele era um
demônio não importava mais. A conexão dele era forte, profunda,
consumada... Primordial até mesmo o peso de seu tabu.

Se ele pediu a ela para ir, ela aproveitaria a oportunidade de estar


com ele por algum tempo ou até mesmo para sempre. Se ele pedisse...

Seus olhos se fecharam quando o último pensamento ecoou em sua


cabeça.
Capítulo Cinco

Amanhecer.

Os olhos de Davien brilharam abertos.

Droga para o inferno. Ele tinha que ir.

Ele fez arranjos para se encontrar com um comprador, um


transportador de um reino para outro, em apenas algumas horas. O serviço é
caro, e se ele não estivesse no local, seria um tempo muito longo antes que
ele chegasse à oportunidade novamente.

Ele olhou para Kara.

Encontrar uma mulher como ela provavelmente nunca acontecerá


novamente.

Ele passou a ponta do seu dedo na pele macia de seu rosto enquanto
ela dormia em seu peito. Ele mudou de posição e ela gemeu, rolando para o
lado dela e de seus braços. Ele estava frio, sem ela, mas era a oportunidade
perfeita para sair. Fácil.

Então, por que se sentia tão difícil?

Ele queria rugir de frustração.

Ele tinha que ir. Sua opinião estava formada.


O que poderia ser ideal em se envolver com uma caçadora?

Nada.

Seria uma bagunça quente de um passeio, fugir de país para país, em


busca de lugares onde eles poderiam estar juntos em paz, protegendo-a de
qualquer reação que ela começasse a partir de fugir com um demônio. Ela o
odiaria.

Ele virou a cabeça e olhou para suas costas nuas.

Ou talvez ela não o faria.

Ele poderia mostrar-lhe o mundo.

Inferno, o universo.

E que eles estariam juntos. Eles poderiam rir e explorar, fazer amor
sem um cuidado, ver coisas que nunca tinha visto antes. Se ele soubesse que
era o que ela queria, ele rasgaria o planeta para além de fazê-la feliz ao seu
lado.

Haveria uma razão para ficar. Para fazê-la feliz. Para ter alguém para
compartilhar sua vida demoníaca.

Ele rosnou baixo, ela merecia mais do que isso. Ela iria se aposentar
como caçadora e começar uma nova vida imortal para fazer o que quisesse.
Que lhe faria pensar que ela iria desistir de tudo o que nova liberdade lhe daria
para apostar em um futuro com ele?

Ele bufou. Ela não faria isso.

Com uma carranca sombria, ele se afastou dela e saiu da cama.


Vestindo-se rapidamente, ele se recusou a olhar para ela enquanto ele abotoou
a camisa e vestiu sua jaqueta.
Assim era o melhor.

Sua noite juntos tinha sido perfeita. Ele não deveria desperdiçá-la por
acordá-la com uma tentativa desajeitada de adeus ou pedindo-lhe para ir com
ele.

Ele caminhou para deixar o quarto quando ele parou no meio do


caminho para a porta .

Ele olhou para trás, olhou... Contanto que ele ousou, em seguida,
retomou o passo a porta da frente da suíte .

A noite acabou.

Kara sentou-se com um sobressalto.

Ele se foi.

― Davien ― ela gritou. Mas ela sabia que ele não estava na suíte. A
frieza do ar, o silêncio disse isso a ela.

Dor apunhalou seu coração.

Ele saiu sem dizer adeus? Sem em um 'obrigado, foi grande?'


Ele sentiu alguma coisa, ela tinha certeza que ele tinha. Mas ele não
tinha certeza de que ela também, então foi mais fácil sair do que seria para
perguntar.

Ela arrancou as cobertas e correu para a mala. Rapidamente ela


vestiu um par de jeans e uma blusa branca. Correndo para a sala, ela pegou os
sapatos e colocando-os enquanto ela pulou em um pé depois do outro para as
portas duplas, desejando que ela tivesse seus tênis, agarrando a bolsa no
caminho.

Ela estava indo encontrá-lo antes que ele deixasse este reino.

Apreensão tomou conta dela, ela não tinha certeza de como ou onde
ela estava indo para começar. Talvez Madame Eva lhe desse algum tipo de
pista, mesmo que as informações dos clientes fossem confidenciais. Kara diria
o que fosse necessário para chegar a Davien antes que fosse tarde demais.

Saindo da suíte, ela correu pelo corredor até os elevadores, batendo


o botão pressionado até que as portas se abriram. Sua mente correu para
conceber um plano quando ela subiu e apertou o botão para o andar do
cassino.

Seu coração batia com pânico. Ele não podia estar muito longe. Se
ela tivesse o número dele, ela poderia ligar e deixá-lo dizer-lhe por que ele
saiu sem dizer uma palavra. Em seguida, ela poderia dizer a ele que ela queria
ficar com ele, que ela sabia que ele queria ficar com ela. Ela tinha visto isso.
Eles poderiam estar juntos.

Começando como, agora mesmo.

Primeiro, ela chamaria Madame Eva, então ela iria rastrear cada
informante conhecido na cidade até encontrar o que ele havia contratado. Ela
tinha uma abundância de recursos para ajudá-la. E se ele já tivesse ido
embora, ela iria de reino para reino...

O elevador apitou e as portas se separaram.

Ela levantou os olhos e deu um passo, então suspirou quando ela


parou.

Davien encostou-se na porta de entrada do elevador, um pé cruzado


sobre o outro. Seu coração se encheu de tanta alegria inexplicável, que ela não
conseguia falar, só foi capaz de ficar lá, o coração batendo.

Esse meio sorriso que ela adorava curvou sua boca, um brilho
malicioso em seus olhos azuis brilhantes.

Ele estendeu a mão para ela.

― Vem comigo?

Fim

Você também pode gostar