Você está na página 1de 3

Talize Longhi de Souza RA:B584HF-1

Disciplina: Terapia Cognitiva

Professora: Stefannia Domingues Pires Bastos Suguita

RESENHA:

Capitulo 3: A Estrutura da Primeira Sessão

BECK, Judith S. Terapia Cognitiva: teoria e pratica (2007), pp 40-58.

Editora Artmed.

Esse capitulo se trata de um ensinamento de como deve se ocorrer uma


sessão. Nos mostrando sua estrutura básica e como aplica-la em uma sessão
de terapia cognitiva.

Na terapia cognitiva o terapeuta busca tornar um processo de fácil


entendimento tanto para ele, como para o paciente e ensinar as ferramentas
para realização do objetivo seguindo um padrão.

O paciente se sente mais confortável quando sabe o que esperar. E por


esse motivo na terapia cognitiva se segue um padrão que consiste em elementos
básicos: rapport, atualização do estado do cliente, estabelecimento de uma
agenda para a sessão, abordagem dos tópicos da agenda: verificação de humor,
educação do cliente sobre o modelo cognitivo, enquadramento, indicação das
tarefas de casa, resumo da sessão e feedback.

O terapeuta tem de ficar atento aos problemas apresentados pelo


paciente como sua história, os motivos que o trouxeram, uma atualização do
estado do paciente, sintomas e funcionamento atual para que assim possa
formular uma avaliação inicial e assim auxiliar em um plano de terapia geral.
Se o paciente apresentar tendências suicidas e sem esperança, descobrir
a causa e sabotar a desesperança. Ou se representa um perigo para si ou para
outros.

O estabelecimento da agenda é de suma importância para que o


terapeuta possa começar a desenvolver um roteiro que conta com atualização
do estado do paciente, verificação do humor, educação do cliente sobre o
modelo cognitivo e detalhes sobre o atendimento.

Estabelecer o roteiro da sessão ajuda o terapeuta a inserir o paciente na


terapia cognitiva. Esse processo é rápido e objetivo, deixando ele mais fácil,
estruturado, produtivo e clara a participação do terapeuta. A falha de estabelecer
o roteiro gera discurso improdutivo que interfere no foco dos assuntos mais
importantes. A revisão do roteiro ajuda o paciente a pensar sobre os tópicos e
talvez acrescentar novos. Auxiliando na análise do progresso.

A verificação de humor o terapeuta faz uma checagem do humor que


auxilia o terapeuta a monitorar como o paciente está progredindo.

Ao longo das sessões o terapeuta vai inserindo o paciente de forma


gradativa no modelo cognitivo, na primeira sessão o terapeuta pode utilizar um
exemplo e mostrando que ele procura identificar a situação, o pensamento, o
afeto e o comportamento.

O paciente muitas vezes entra na terapia com uma opinião formada e


cabe ao terapeuta dissolver quais quer duvidas que o paciente tenha e socializar
o paciente na terapia. E explicar que a terapia é responsabilidade de ambos para
progredir.

Quando for explicar ao paciente sobre o seu diagnostico deve ser feito de
forma objetiva, clara e sem a utilização de jargão ou rotulo.

A aplicação da tarefa de casa o terapeuta deve compartilhar com o cliente


a responsabilidade pela tarefa e que um dos caminhos para terapia. Alguns
pacientes podem apresentar uma certa resistência, cabe ao terapeuta colocar
isso na agenda e descobri o motivo. A lição pode ser monitorar os pensamentos,
pensar amanhã como foi a sessão terapêutica de hoje, fazer uma lista com
assuntos a serem incluídos na agenda da próxima sessão, biblioterapia , fazer
uma lista de atividades prazerosas ou que o paciente realiza com competência,
fazer uma atividade física específica que lhe dê prazer (caminhar, passear, andar
de bicicleta, nadar, pescar, dançar, etc.) e outros.

No final da sessão o terapeuta faz um resumo de tudo o que foi dito na


sessão reforçando os pontos importantes, rever dever de casa e ao longo das
sessões o próprio paciente pode fazer isso.

O feedback é de suma importância para que o terapeuta possa corrigir


quais quer concepção errada que o paciente tenha sendo que o mesmo sente
isso como uma coisa positiva. O feedback nada mais é do que a opinião do
paciente em relação aos aspectos positivos e negativos da sessão.

Você também pode gostar