Você está na página 1de 158

TDAH

Ms. Sarah Cassimiro Marques
cassimiroms@gmail.com
Pauta
• Critérios diagnósticos TDAH (DSM 5)
• Atenção e funções executivas
• Epidemiologia
• Etiologia
• Como avaliar? 
• Tratamento
• Orientações a escola
Sintomas de desatenção (TDAH)

Não presta atenção em 
detalhes ou comete erros por 
• negligencia ou deixa 
descuido em tarefas escolares, 
passar detalhes, o 
no trabalho ou durante outras 
trabalho é impreciso
atividades

• manter o foco 
Dificuldade de manter a  durante aulas, 
atenção em tarefas ou  conversas ou 
atividades lúdicas  leituras prolongadas
Sintomas de desatenção (TDAH)

Parece não escutar quando  • parece estar com a 
alguém lhe dirige a palavra  cabeça longe, mesmo na 
diretamente ausência de qualquer 
distração óbvia

Não segue instruções até o fim 
e não consegue terminar  • começa as tarefas, mas 
rapidamente perde o 
trabalhos escolares, tarefas ou  foco e facilmente perde 
deveres no local de trabalho o rumo
Sintomas de desatenção (TDAH)

• gerenciar tarefas sequenciais; 
manter materiais e objetos 
Dificuldade para organizar  pessoais em ordem; trabalho 
desorganizado e desleixado; mau 
tarefas e atividades gerenciamento do tempo; 
dificuldade em cumprir prazos

Evita, não gosta ou reluta  • trabalhos escolares ou lições de 
casa; para adolescentes mais 
em se envolver em tarefas  velhos e adultos, preparo de 
relatórios, preenchimento de 
que exijam esforço mental  formulários, revisão de trabalhos 
prolongado longos
Sintomas de desatenção (TDAH)

Perde coisas necessárias  • materiais escolares, lápis, livros, 
para tarefas ou atividades instrumentos, carteiras, chaves, 
documentos, óculos, celular

• realizar tarefas, obrigações; 
É esquecido em relação a  retornar ligações, pagar contas, 
manter horários agendados
atividades cotidianas

É facilmente distraído por  • pode incluir pensamentos
estímulos externos
Sintomas de desatenção (TDAH)

Seis (ou mais) dos seguintes sintomas persistem por pelo menos 
seis meses em um grau que é inconsistente com o nível do 
desenvolvimento e têm impacto negativo diretamente nas 
atividades sociais e acadêmicas/profissionais
Sintomas de hiperatividade e impulsividade (TDAH)
Remexe ou batuca as mãos ou os pés ou se 
contorce na cadeira

Levanta da cadeira em situações em que se 
espera que permaneça sentado (sala de aula 
ou trabalho)
Corre ou sobe nas coisas em situações em 
que isso é inapropriado.

É incapaz de brincar ou se envolver em 
atividades de lazer calmamente
Sintomas de hiperatividade e impulsividade (TDAH)

Não para, agindo como se estivesse 
“com o motor ligado”

Fala demais 

Deixa escapar uma resposta antes que 
a pergunta tenha sido concluída 

Dificuldade para esperar a sua vez

Interrompe ou se intromete
Sintomas de hiperatividade e impulsividade
(TDAH)

• Seis (ou mais) dos seguintes sintomas persistem por pelo menos
seis meses em um grau que é inconsistente com o nível do 
desenvolvimento e têm impacto negativo diretamente nas 
atividades sociais e acadêmicas/profissionais
Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade
(TDAH)
DSM‐5:
é imprescindível a presença de “diversos sintomas de
éficit de atenção e de hiperatividade e impulsividade” aos
2 anos.

Presença em pelo menos dois ambientes

Interferência no desenvolvimento adequado das funções


ociais ou acadêmicas.
Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade
(TDAH)
DSM‐5:

3 especificadores:
apresentação combinada;
apresentação predominantemente desatenta;
Apresentação predominantemente
hiperativa/impulsiva.
Atenção

Termo genérico para designar uma família de


mecanismos
• selecionar uma parte dos estímulos
• capturá‐los‐os para o centro da
consciência/percepção
• manter os outros estímulos na periferia
Atenção
Posner (2012): 3 componentes dissociados: alerta,
orientação e atenção‐executiva.

Alerta: ativação e responsividade do SNC a estímulos


ternos e externos, envolvendo a ativação de regiões
bcorticais como tronco encefálico, tálamo e diencéfalo.
Encéfalo
Atenção
Processos atencionais automáticos: direcionamento do foco
encional diante de estímulos ambientais, envolvendo
odulação dos recursos sensoriais e de processamento com
ação ao estímulo‐alvo, além de esquema fortemente
nsolidados (leitura, escrita).

lação com regiões posteriores do córtex cerebral, sobretudo


bos occipitais e parietais.
Atenção
Atenção‐executiva ou processos atencionais controlados: naturez
ecutiva, permitindo o sujeito a mudança voluntária de foco,
anutenção do tônus atencional e a resolução de conflito
encionais em situações que demandam inibição, flexibilidade
ernância
Atenção seletiva
É a capacidade de direcionar o foco atencional para uma
eterminada posição do ambiente, enquanto os demais
stímulos à sua volta são ignorados.
exo feminino
anos
ão alfabetizada
Atenção concentrada

abilidade de se manter atento de forma continuada e consistente ao


ngo do tempo. Representa a habilidade de manter uma resposta
tável durante uma atividade incessante e repetitiva, ou seja, nos
ermite manter o foco em uma tarefa por um período de tempo
ntínuo sem ser distraído.
Atenção Concentrada
e Atenção Sustentada
significam o mesmo tipo
de atenção???
Há controvérsias...
Atenção alternada e dividida
ternada: Consiste na capacidade de manter a qualidade
encional, apesar da mudança de foco ou alternância entre
ferentes tarefas que tenham diferentes níveis de exigência de
ompreensão.
ividida: Capacidade de engajar‐se em mais de uma tarefa, ao
esmo tempo, e deslocar recursos de atenção para distribuí‐los,
rudentemente, conforme necessário

Atenção Concentrada
e Atenção Sustentada
significam o mesmo tipo
de atenção???
Há controvérsias...
Função executiva
• Parágrafo de Resolução de Problema Complexo
• Você tem um dia atarefado pela frente. Você tem uma consulta com o médico.
Você também precisa ir à loja de artigos para festas comprar decoração para uma
festa, encher o tanque do carro com gasolina, ir ao correio enviar um pacote, e ir
ao banco pegar dinheiro o suficiente para pagar a consulta do médico. (Ele cobra
pela consulta) Você precisa encomendar e buscar um sorvete especial para o
respectivo aniversário, levar sua receita à farmácia, e encontrar um amigo para o
almoço.
• O correio, padaria, farmácia, e loja de artigos para festas todos fecham às 17:00h
e o banco fecha às 15:00h. Agora são 10:00h. Sua consulta com o médico é às
14:00h.
• A que horas você deve sair de casa? Aonde você irá primeiro, em segundo,
terceiro lugar, etc?
Funções executivas
Seleção de 
método

Escolha e 
Definição de 
objetivo Meta monitoramento 
de estratégias 

Resolução de 
problemas 
Função Executiva
Componente frio: pouca excitação emocional

Componente quente: envolvem emoções, crenças e desejos


(recompensa e punição), a regulação do próprio comportamento
social e tomada de decisão envolvendo interpretação emocional
e pessoal.

Teoria da Mente
Função Executiva

Teste do Roubo do Biscoito
Ontogênese
Tomada de decisão e 
postergação da 
gratificação

Controle  Processamento de informações 
inibitório e  emocionalmente carregadas e 
memória  competência social
operacional
Serafim, Ribeiro e Malloy‐Diniz (2015) 
Transtorno de déficit de atenção/
hiperatividade (TDAH)
dução sustentada no nível de atenção e uma
ensificação na impulsividade ou hiperatividade.
Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade
(TDAH)
DSM 5 
Adolescentes com idade igual ou superior a 17 anos e par
dultos: são necessários apenas cinco SINTOMAS, e não sei
intomas de desatenção ou hiperatividade e impulsividade.
Epidemiologia (TDAH)
a 8% crianças em idade escolar;

0 a 85% dos indivíduos diagnosticados quando crianças continua


tender aos critérios para o transtorno na adolescência

0% permanecem sintomáticos na vida adulta.

omorbidades (70%): Transtornos da aprendizagem, de ansiedade


umor e o do comportamento disruptivo.
Epidemiologia (TDAH)
taxa de incidência em pais e irmãos de crianças com o transtorno é 2
zes maior que na população em geral.

TDAH  é mais prevalente em meninos do que em meninas, variand


oporção entre os gêneros de 2:1 até 9:1.

parentes biológicos em primeiro grau correm um risco bem m


evado de desenvolver este e outros transtornos psiquiátricos, incluin
do comportamento disruptivo, os de ansiedade e depressivos.

pais de crianças com a doença apresentam uma grande incidência


nstornos por uso de substâncias.
Etiologia
Etiologia – fatores genéticos (TDAH)

Hereditariedade de cerca de 75%

Marcante risco elevado de 2 a 8 vezes para irmãos e pais de crianç


om TDAH, em comparação ao risco na população em geral.

Várias pesquisas: modelo de interação de vários genes ; associaç


ntre o gene transportador de dopamina (DAT1, do inglês dopami
ransporter gene) e TDAH; genes que influenciam o metabolismo o
ação da dopamina).
Etiologia – fatores neuroquímicos (TDAH)
opamina e córtex pré‐frontal

studos com animais mostraram que outras regiões do cérebr


omo o locus ceruleus, que consiste predominantemente e
eurônios noradrenérgicos, também têm uma função importante n
tenção.
Neurotransmissores

Dopamina: memória operacional, atenção, controle inibitór


planejamento, flexibilidade cognitiva e tomada de decisão

Serotonina: controle inibitório e tomada de decisão

Howieson & Lezak (2006) / Gil (2002)/ Brandão (2014) 
Etiologia – fatores relacionados ao
desenvolvimento (TDAH)
rianças com nascimento pré‐maturo e cujas mães tivera
nfecções durante o período de gestação – medicações???

xposições tóxicas

uso de substâncias como aditivos alimentares, corante


reservativos e açúcar pode ser uma das causas d
omportamentos hiperativos, embora nenhum estudo ten
onfirmado essas teorias.
Como avaliar?
• Instrumentos padronizados e não padronizados
Trail Making A
Trail Making B
Teste dos sinos – não restrito a
psicólogos TESTE DOS SINOS

Nome: _____________________________________________________ ________________________________ _________________ D ata: ___ / ___ / ___


Teddy Bear – não restrito a psicólogos
Teddy Bear
Não restrito a psicólogos – 5 a 14 anos
Não restrito a psicólogos - 4 a 6 anos
nforme RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 28 DE SETEMBRO DE 2017,
nselho Federal de Psicologia e Conselho Federal de Fonoaudiologia
trumento pode ser utilizado por Psicólogos e Fonoaudiólogos devidame
istrados no seu Conselho Regional.
Restrito a
psicólogos
Figura complexa de Rey – restrito a
psicólogos
bjetivo: avaliar memória
sual, planejamento,
suoconstrução, percepção
sual e atenção visual.

gura A: a partir de 5 anos

gura B: de 4 a 7 anos
Manifestações clínicas (TDAH)
roblemas de coordenação motora e têm dificuldades para
ncaixar cópias das figuras apropriadas, problemas de alternação
ápida de movimentos, de discriminação do lado direito e
squerdo, ambidestria.
exo feminino
anos
ão alfabetizada
gura de Rey - cópia
Restrito a psicólogo

Teste dos Cinco Dígitos
Torre DE HANOI
Wisconsin - restrito a psicólogo
Wisconsin Card Sorting Test
99 sujeitos – 6 anos e meio até 89 anos

Teste Wisconsin de Classificação de Cartas

Adaptação e Padronização Brasileira: Jurema Alcide


unha e colaboradores

515 sujeitos – 6 anos e meio a 17 anos e 11 meses


Manifestações clínicas (TDAH)
Lactentes: são ativos no berço, dormem pouco e choram bastante.
Na escola: podem se engajar rapidamente em um teste, porém
respondem apenas às duas primeiras perguntas; não ter paciência
para esperar a chamada e respondem antes de qualquer outra
pessoa.
Em casa: não conseguem esperar nem sequer por um minuto.
Impulsividade e incapacidade para esperar elogios são reações
típicas.
Com frequência, são suscetíveis a acidentes.
Manifestações clínicas (TDAH)
alta de organização;
éficits de memória operacional
de raciocínio;
ificuldades de aprendizado
nstabilidade emocional
omportamento de agressão e
esafio.
exo
asculino
anos
Curso (TDAH)
Os sintomas persistem na adolescência em 60 a 85% dos casos e
ida adulta, em aproximadamente 60%.
Via de regra: a atividade excessiva  é o primeiro sintoma a
emitido, e a distração, o último.
DAH não atenua durante a fase intermediária da infância.
A maior parte dos pacientes com o transtorno tem remissão parci
vulnerável a comportamentos antissociais, bem como a transtor
or uso de substância e do humor.
Na maioria dos casos, os problemas de aprendizagem persis
urante toda a vida.
Curso (TDAH)
Dificuldade social

As crianças disfuncionais sob a ótica social e com o transtorn


presentam taxas significativamente mais elevadas de doenç
siquiátricas comórbidas e enfrentam mais problem
omportamentais na escola, de relacionamento com pares e d
elacionamento com membros da família.
Persistência de TDAH na Idade Adulta
(Saboya e cols., 2007; Faraone e cols., 2015)

Preditores:
• Gravidade do TDAH na infância
• Comorbidades
• QI
• Disfunção executiva
Disfunção Executiva e TDAH

Sintomas frequentemente observados no TDAH

A disfunção executiva é mais bem demonstrada em adultos


porque crianças e adolescentes são supervisionados e
direcionados por pais e professores.
• Menores demandas sobre funções executivas.
Os circuitos fronto-subcorticais-cerebelares que formam a rede
de funções executivas estão comprometidos no TDAH.
Disfunção Executiva e TDAH
• Dificuldade em organizar, realizar atividades sem obter recompensas
• Manter o foco atencional
• Pouca flexibilidade mental
• Dificuldades no controle inibitório, nas emoções
• Memória Operacional
• Dificuldades de automonitoramento
Outros sintomas importantes

• Dificuldades de autorregulação emocional
• Habilidades executivas deficitárias
• Lentidão mental 
• Tendência  a realizar tarefas abaixo da qualidade esperada
• Distúrbios do sono
• Baixo autoestima
Desfecho do TDAH na Vida Adulta

• Menos anos de educação; 
• Mais desemprego/subemprego;
• Abuso de drogas; 
• Maior número de comorbidades psiquiátricas;
• Mais acidentes e de maior gravidade;
• Mais divórcios;
• Mais envolvimentos com a justiça;
• Mais gravidez precoce e DST.

Barkley, 2007.
Comorbidade
• Transtorno de oposição desafiante
• Transtorno da conduta 
• Transtorno do humor
• Transtorno específico da aprendizagem
• Transtornos de ansiedade 
• Transtorno depressivo 
• transtorno obsessivo‐compulsivo
• transtorno do espectro autista
 Epilepsia
Cefaleias
Obesidade
Tratamento (TDAH)
tervenções psicossociais: psicoeducação, habilidades de organiz
adêmica, reabilitação, treinamento de pais, modificação comportamenta
la de aula e em casa, terapia cognitivo‐comportamental (TCC) e treinam
m habilidades sociais.
etas terapêuticas:
judar os pais de crianças com TDAH a reconhecer e promover a noção de
esmo que não consigam apresentar “voluntariamente” os sintomas
anstorno, as crianças ainda podem ser capazes de atingir expecta
zoáveis.
einamento parental: foco principal ajudar os pais a desenvolver interven
mportamentais plausíveis, com reforço positivo, focando comportame
ciais e acadêmicos.
Tratamento (TDAH)
Terapia de grupo: foco no refinamento das habilidades sociais e no aumen
da autoestima e na sensação de sucesso pode ser muito útil em crianç
com TDAH que mostrem dificuldade para participar de grupo
principalmente na escola.
Reabilitação neuropsicológica 

•Treinamento cognitivo

•Estratégias compensatórias

•Manejo do ambiente
Autonomia
Psicoeducação – livros
Procedimentos

• 1‐ Informação
• 2‐ Tomada de consciência
• 3 ‐ Reestruturação cognitiva e 
aquisição de estratégias

Knapp, Lyszkowski , Rhode, Johnpeter, (2004)


- TCC
Procedimentos

4‐Abordagem multimodal
5‐ Auto‐avaliação
6‐ Hetero‐avaliação e envolvimento familiar
7‐ Replanejamento
Orientações ao reabilitador
Orientações ao reabilitador
PAY ATTENTION!

• Modelado de acordo com o


programa de Treinamento do
Processo Atencional (Sohlberg &
Mateer, 1987)

• Objetivos: atenção sustentada,


seletiva, alternada e dividida.

• Não restrito a psicólogo


PAY ATTENTION!
• Princípios de tratamento 4. O tratamento se dá à base d
dados
1. Um modelo teoricamente 
motivado define cada área do  5. Verificação de generalização
processo cognitivo feitas sistematicamente par
2. Tarefas da terapia são  terminar a eficácia do tratamento
administradas repetitivamente
3. As tarefas são organizadas  6. A última medida de sucesso é
hierarquicamente  uma mudança positiva n
funcionamento cotidiano.
Programa de Enriquecimento Instrumental -
PEI

• Feurstein, Reuven;

• Tentativa de Conciliar as teorias Piagetiana e Vigotskyana;

• Baseada na mediação

• Controle da impulsividade
OBJETIVOS

• Corrigir funções cognitivas deficientes


• Adquirir conceitos básicos, vocabulário e operações
• Desenvolver a motivação intrínseca
• Criar um certo nível de pensamento reflexivo ou insigt
• Desenvolver e fomentar a autopercepção do indivíduo
Softwares Educacionais
Softwares Educacionais - Cogmed
O Cogmed

Aplicação individual: por meio de um trabalho


intenso, direcionado e adaptativo, a plataforma
estimula o usuário a buscar seu potencial
máximo de desenvolvimento.

Treinamento Finito: o programa possui


protocolos definidos; com começo, meio e fim e
que são realizados no período de 1 a 3 meses.
Treinamentos
Para crianças de 4 a 7 anos /
pessoas não confortáveis com
números e letras;

Memória operacional
visuoespacial

25 blocos
7 exercícios no total
3 exercícios por dia
• Cogmed JM 30 minutos aproximadamente
Treinamentos
Versão para crianças,
adolescentes e adultos

Total de 12 exercícios
visuoespaciais e verbais

Memória operacional
visuoespacial e verbal

25 ou 30 ou 40 blocos
12 exercícios no total
• Cogmed RM 50, 35 ou 25 minutos
aproximadamente
Treinamentos

Versão para adultos,


design mais simples

Total de 12 exercícios
visuoespaciais e verbais

25 ou 30 ou 40 blocos
50, 35 ou 25 minutos
• Cogmed QM aproximadamente
Vamos treinar?

mycogmed.com
Treino Cognitivo
Organização e planejamento
Organização e planejamento
Organização e planejamento
Organização e planejamento
Organização e planejamento
Resistência à distração
Resistência à distração
Resistência à distração
Livros
Técnica do semáforo

Objetivo Material

Introduzir Placa
marcadores ou Cartão amarelo
auxiliares externos Despertador
Técnicas

Objetivo Material

Melhorar o nível de Jogos: Lince,


atenção seletiva e memória,7 erros, caça-
sustentada. Controlar a palavra, resta um,
impulsividade, ensinar Estátua, dama,
habilidades de auto- Morto-vivo. Livro:
observação Jogos (Almeida, 2004)
Atividades
Recomendações a escola
Acomodações instrucionais para criança:
imeiro, certifique‐se de que a criança consegue
mbrar do que ele ou ela está fazendo, de modo
itar fracassos em completar todas as etapas de um
vidade de aprendizagem. As estratégias incluem:
usar instruções breves e simples tanto quanto possíve
uebrar as instruções em etapas individuais semp
e possível;
epetir as instruções frequentemente;
Recomendações a escola

para as tarefas que ocorrem em um período de tem


olongado, lembrar a criança de informações cruciais pa
uela fase da tarefa em vez de repetir a instrução original
pedir que a criança repita para você as instruções críticas;
uma vez que as crianças muitas vezes têm bo
scernimento sobre seus fracassos relacionados à memó
peracional, verificar com ela para ter certeza de que
mbra do que precisa fazer.
Recomendações a escola
Para melhorar os sucessos na aprendizagem ensinar‐lhe estratégias
autoajuda para promover o seu desenvolvimento como apren
ndependente que pode identificar e apoiar as próprias necessidades
aprendizagem. Ensiná‐la a desenvolver estratégias eficazes para lidar com
dificuldades, incluindo:
‐ incentivar a criança a pedir informações que tenha esquecido, quan
necessário;
‐ treinar a criança na utilização de estratégias compensatórias externas
auxílio à memória;
‐ encorajar a criança a continuar com uma tarefa complexa em vez de desi
dela, mesmo que algumas etapas não sejam concluídas devido a falhas
memória.
Recomendações a escola
Fornecer suporte na ortografia de palavras frequentes. Is
impedirá a criança de se perder na tarefa complexa d
atividades de escrita.
‐ Disponibilizar a grafia de palavras‐chave sobre a própr
mesa da criança em vez de em uma lousa distante pod
reduzir erros fonológicos fazendo com que a tarefa d
localizar informações‐chave seja mais fácil e reduzindo
oportunidades de distração.
‐ Desenvolver formas de marcar a localização da criança
soletração de palavras como um meio alternativo d
reduzir os erros de localização durante a cópia.
Recomendações a escola
Para tarefas de escrita:
‐ reduzir a complexidade linguística das sentenças a sere
escritas;
‐ simplificar o vocabulário de frases a serem escritas;
‐ reduzir a extensão das sentenças a serem escritas;
‐ para os alunos mais velhos, introduzir traçados e técnica
para manter o lugar no traçado quando eles escreverem.
Recomendações a escola
nsinar estratégias compensatórias externas de auxílio
memória, tais como a mediação verbal ou reverberação
estratégias mnemônicas, por exemplo:
DMSA, para dar pistas sobre a ordem das operações d
divisões longas (Dividir, Multiplicar, Subtrair e Abaixar);
Comunicar‐se frequentemente com os pais sobre
tividades escolares, equipamento necessário, lições de ca
e tarefas por meio de um caderno de comunicação ou
mail.
ornecer ao aluno anotações sobre apresentações
palestras.
Recomendações a escola
Acomodações ambientais para criança:
Reduzir as oportunidades de distração e o número de distrações n
roximidades.
ornecer lembretes visuais e outros auxílios para a memória quan
ouver tarefas com várias etapas.
Anexar a programação diária ou o calendário do aluno à capa
aderno que a criança leva para a casa todos os dias.
Colocar a programação diária ou o calendário do aluno sobre a me
ele em sala de aula ou na parede. Enviar uma cópia da agenda
alendário para a casa do aluno, para que ele a fixe no quarto
eladeira.
Recomendações a escola
Acomodações avaliativas:
Permitir que o aluno utilize suportes adequados de memó
durante o teste. Tais suportes normalmente fornece
nformações sobre quais procedimentos utilizar, em vez
oferecer conteúdo que o aluno já deva saber para desempenh
bem.
Utilizar perguntas abertas com mais de uma resposta correta pa
permitir pontuações de tudo o que o aluno se lembra.
Reduzir as demandas da memória operacional em testes por me
do fornecimento de uma estrutura e de um esboço pa
esponder.
Obrigada!
Ms. Sarah Cassimiro Marques
cassimiroms@gmail.com