Você está na página 1de 13

Preconceito Linguístico

O que é, com se faz


A mitologia do preconceito linguístico
Para analisar como se constrói o preconceito linguístico, Bagno relaciona oito mitos que
revelam o comportamento preconceituoso de certos segmentos letrados da sociedade frente às
variantes no uso da língua, e as relações desse comportamento com a manutenção do poder
das elites e opressão das classes sociais menos favorecidas, normalmente por meio da
padronização imposta pela norma culta.

Mito nº 1

“A língua portuguesa falada no Brasil apresenta uma unidade surpreendente”

Mito prejudicial à educação, por não reconhecer que o português falado no Brasil é bem
diversificado, a escola tenta impor sua norma linguística como se ela fosse de fato comum a
todos os brasileiros. As diferenças de status social em nosso país explicam a existência do
verdadeiro abismo linguístico entre os falantes das variedades não padrão do português
brasileiro e os falantes da suposta variedade culta, que é a língua ensinada na escola.

A Língua Portuguesa deve ser vista como ela realmente é, uma língua de alto grau de
diversidade causada pela grandeza de nosso Brasil, fazendo com que ela se modifique em
cada região, o fato de a língua predominante ser a portuguesa, não quer dizer que ela tenha
uma unidade, pois a idade, a formação escolar-acadêmica, a situação socioeconômica e outros
fatores resultarão na fala de um indivíduo que é consequência desse emaranhado de
indicadores.

Mito nº2

“Brasileiro não sabe português/ Só em Portugal se fala bem português”.

Para o autor, a afirmação acima demonstra noção de inferioridade, sentimentos de


dependência de um país mais antigo e “civilizado”.

O brasileiro sabe português sim. O que acontece é que o português brasileiro é diferente do
português falado em Portugal. A língua falada no Brasil, do ponto de vista linguístico já tem
regras de funcionamento, que cada vez mais se diferencia da gramática da língua falada em
Portugal. Na língua falada, as diferenças entre o português de Portugal e o português falado
no Brasil são tão grandes que muitas vezes surgem dificuldades de compreensão. O único
nível que ainda é possível numa compreensão quase total entre brasileiros e portugueses é o
da língua escrita formal, pois a ortografia é praticamente a mesma, com poucas diferenças.

Conclui-se que nenhum dos dois é mais certo ou mais errado, mais bonito ou mais feio:
são apenas diferenças um do outro e atendem às necessidades linguísticas das comunidades
que os usam, necessidades linguísticas que também são diferentes.

Mito nº 3

“Português é muito difícil”

Bagno disse, neste capítulo, que essa afirmação preconceituosa é prima-irmã da ideia que
ele derrubou, a de que o “brasileiro não sabe português”.

Todo falante nativo de uma língua, sabe essa língua, pois saber a língua, no sentido
científico significa conhecer intuitivamente e empregar com naturalidade as regras básicas de
funcionamento dela. A regência verbal é caso típico de como o ensino tradicional da língua no
Brasil não leva em conta o uso brasileiro do português. Por mais que o aluno escreva o verbo
assistir de forma transitiva indireta, na hora de se expressar passará para a forma transitiva
direta “ainda não assisti o filme do Zorro”.

Este mito gera um preconceito, porque o português falado é diferente do português escrito
de forma culta. O falado está relacionando ao nível social, À região e ao nível intelectual. E o
escrito é baseado na gramática normativa.

Mito nº 4

“As pessoas sem instrução falam tudo errado”.

Esse mito além de trazer um preconceito linguístico, vem acompanhado de um social, de


que as pessoas de menor aquisição não sabem falar o português, não importa o quão letrado
ele é, mas o fato de ser pobre vai fazer com que as pessoas olhem como se ele de nada
soubesse. E tem mais, pode-se observar outro preconceito, o regional e este, está sempre
sendo alimentado pela mídia que desmoraliza certa região, como acontece com os interiores
do Nordeste.

Qualquer manifestação linguística que escape do triângulo escola-gramática-dicionário é


considerado “errado”, levando em conta o preconceito linguístico.
Bagno explicou, o fenômeno da palatalização-som da pronúncia da região para região no
Brasil e que muitas vezes é alvo de escárnios por pessoas que se julgam pertencer a um lugar
superior. Para o autor, o que está em jogo não é a língua, mas a pessoa que fala essa língua e a
região geográfica onde essa pessoa vive. Esse preconceito linguístico é embasado na crença
de que existe uma única língua portuguesa digna.

Mito nº 5

“O lugar onde melhor se fala português no Brasil é o Maranhão”.

Essa ideia de que o Maranhão é o lugar onde se fala melhor português nasce do mito de
que o português só ser falado corretamente em Portugal, pois foi verificado no Maranhão o
uso do pronome tu, seguido das formais verbais clássicas, muito utilizadas pelos portugueses.
Não existe nenhuma variedade nacional e regional ou local que seja intrinsecamente
“melhor”, “mais pura”, “mais bonita”, “mais correta” que outra. Toda variedade linguística
atende às necessidades da comunidade de seres humanos que a empregam. Quando deixar de
atender, ela inevitavelmente sofrerá transformações para se adequar às novas necessidades.
“Toda a variedade linguística é também o resultado de um processo histórico próprio, com
suas vicissitudes e peripécias particulares.”

É preciso abandonar essa “balança” de tentar atribuir a um local ou comunidade de falantes


o ”melhor” ou “pior” e passar a respeitar igualmente as variedades da língua, que constituem
uma preciosidade de nossa cultura. Não existe “língua pura” e sim uma variedade que deve
ser vista de forma correta pelos estudiosos.

Mito nº 6

“O certo é falar assim porque se escreve assim.”

O autor explica o fenômeno da variação, onde nenhuma língua é falada do mesmo jeito em
todos os lugares, assim como nem todas as pessoas falam a própria língua de modo idêntico.
A supervalorização da língua escrita, combinada com o desprezo da língua falada, é
preconceito.

Esse mito tem como maior colaborador o sistema de ensino, pois é através dele que o
aluno é obrigado a ler como se escreve, não levando em consideração o ambiente do falante.
É lógico que a ortografia segue regras, devendo ser cumpridas, mas a fala não deve imitar a
escrita, pois como podemos perceber em nosso dia-a-dia o ser humano aprende primeiro a
falar e depois a escrever, sendo assim é uma hipocrisia afirmar que a língua deve ser como a
escrita.

Mito nº 7

“É preciso saber gramática para falar e escrever bem“.

A afirmação acima vive na ponta da língua da grande maioria dos professores de português
e está formulada em muitos compêndios gramaticais. “A Gramática é instrumento
fundamental para o domínio padrão culto da língua”.

Este mito aborda uma das mais delicadas questões do ensino da língua que é a existência
das gramáticas, que teriam como finalidade primeira a descrição do funcionamento da língua,
mas que fatalmente se tornaram, no decorrer do tempo, instrumentos ideológicos de poder e
controle social. A norma culta existe independente da gramática. Porém a manifestação desse
mito concretiza uma situação histórica: a confusão existente entre língua e gramática
normativa. Isso denuncia, segundo Marcos Bagno, a presença de mecanismo ideológicos
agindo através da imposição de normas gramaticais conservadoras no ensino da língua.

Mito nº8

“O domínio da norma culta é um instrumento de ascensão social”.

Esse mito como o primeiro é apresentado porque ambos tocam em sérias questões sociais.
O autor fez uma crítica irônica dizendo que se este mito fosse verdadeiro, os professores
ocupariam o topo da pirâmide social, econômico e política do país.

De acordo com ele é preciso garantir a todos brasileiros o reconhecimento da variação


linguística, porque o mero domínio da norma culta não é uma formação mágica que vai
resolver todos os problemas de uma pessoa carente, de um dia para outro.

Bagno mencionou que falar da língua é falar de política e que se não for analisado desta
forma, estaremos contribuindo para a manutenção do círculo vicioso do preconceito
linguístico e do “irmão-gêmeo” dele o “círculo vicioso da injustiça social”.

O círculo vicioso do preconceito linguístico

Os três elementos que são quatro


O círculo vicioso do preconceito linguístico é formado pela gramática tradicional, pelos
métodos tradicionais de ensino e pelos livros didáticos. A gramática tradicional inspira a
prática de ensino, que por sua vez faz surgir à indústria do livro didático que novamente
recorre à gramática tradicional como fonte de inspiração e teorias sobre o ensino da língua,
formando assim o círculo vicioso.

A gramática tradicional, contínua muito usada nas mais variadas práticas de ensino que
variam muito de região, de escola e até de professor, de acordo com as normas pedagógicas
adotadas, mas que hoje já está menos rígida, e o Ministério da Educação têm feito esforços
para provocar uma reflexão sobre os temas relativos à ética, para que se adote uma postura
mais flexível no ensino da escrita e da língua padrão.

O autor cita um quarto elemento oculto dentro deste círculo, o qual ele chama de comando
para gramaticais (arsenal de livros, manuais de redação de empresas jornalísticas, programas
de rádio e de televisão, colunas de jornal e de revista, CD-ROMS, “consultórios gramaticais”
por telefone etc.) Estes comandos propagam velhas noções de que “brasileiro não sabe
português” e que “português é muito difícil”.

O círculo vicioso que se forma ao redor do falante da língua portuguesa faz com que ele
mesmo pense que o português brasileiro é difícil, ou que ele não sabe falar sua própria língua
corretamente. A mídia aproveita-se disso. Devia ser o contrário, aproveitar toda sua força para
denunciar tantos preconceitos e não haver este mercado tão intenso que cresce em cima de
tantos mitos.

Sob o império de Napoleão

Através do comando para gramaticais, considerado o quarto elemento do círculo vicioso,


deve-se destacar o maior propagador do preconceito linguístico, foi durante muito tempo o
professor Napoleão Mendes de Almeida, que em suas colunas de jornal, nunca escondeu sua
intolerância, e que durante muito tempo foi tido como “defensor intransigente da língua”.

O que não pode deixar de citar é que ele sempre defendeu essa mesma “língua”, como
preconceito social e linguístico, usando muitas vezes da expressão “língua de cozinheiras”, ou
chamando de infelizes aqueles que não faziam uso da norma padrão, por serem do interior ou
menos favorecidos.

Um festival de asneiras
Na mesma linha de conduta preconceituosa se encontra o livro “Não Erre Mais”, de Luiz
Antônio Sacconi que, para Bagno, não tem critério de organização e tenta ensinar coisas
inúteis como pronúncias corretas, ou conjugações de verbos nunca usados pelos falantes da
língua brasileira. Ainda corrige “erros” que não possuem frequência, portanto não podem
servir de regra e não justifica sua inclusão no livro, mas o pior são suas expressões
preconceituosas que são tratados por ignorantes, deixando todos os leitores entender que o
único capaz de usufruir a norma culta é ele mesmo.

Os jornalistas foram seu alvo preferido, aos quais ele chama de incompetentes e os
considera um estorvo para os professores de português, chegando ao absurdo de dizer que de
tanto inventarem a língua, vão acabar fazendo uma só para eles. Muitos outros segmentos não
escapam do seu ataque preconceituoso, os italianos, as pessoas do interior, os
caminhoneiros,… em todo o livro.

Beethoven não é dançado!

Bagno fez uma crítica à coluna do jornal chamada “Dicas de Português”, assinada por Dad
Squarisi cujo título era “Português ou de Caipirês” ?, A que se referia à viagem do presidente
Fernando Henrique Cardoso a Portugal, quando acusou os brasileiros de serem todos caipiras.
A autora se achou no direito de ofender, desprezar e ridicularizar os falantes das outras
variedades linguísticas. O texto de Bagno aponta todos os preconceitos praticados pela autora
da coluna contra o povo brasileiro, sem esquecer da questão gramatical.

Dad afirma que o brasileiro, caipira, jeca-tatu, capiau, matuto, “sem nenhum compromisso
com a gramática portuguesa, não faz concordância em frases como vende-se carros”. Segundo
Bagno a questão da partícula se em enunciados do tipo acima vem sendo investigada há muito
tempo nos estudos gramaticais e linguísticos brasileiros. O que todos os estudiosos concluem
é que, na língua falada no Brasil, no português brasileiro, ocorreu uma reanálise sintática
nesse tipo de enunciado, isto é, o falante brasileiro não considera mais esses enunciados como
orações passivas sintéticas. O que a gramática normativa insiste em classificar como sujeito a
gramática intuitiva do brasileiro interpreta como objeto direto.

Squarise em um dos seus muitos textos, mostra seu preconceito étnico e social perante os
falantes da língua portuguesa. O que foge ao seu conhecimento são as mudanças que nossa
língua já teve, as adaptações que os falantes já fizeram e continuam fazendo, o que é normal,
pois a língua não é inerte, e está sempre em constante transformação.
A desconstrução do preconceito linguístico

Reconhecimento da crise

Atualmente o ensino da língua portuguesa passa por uma crise. Muitos ainda acreditam
que a norma culta deve ser o principal objeto de ensino/aprendizagem em sala de aula. Mas
sabemos que por razões políticas, econômicas, sociais e culturais, ela é reservada a uma
minoria no Brasil.

Segundo Bagno, podem-se identificar três problemas básicos a esse respeito: o principal é
o analfabetismo, uma quantidade injustificável de pessoas analfabetas ou alfabéticas
funcionais.

O segundo problema são por razões históricas e culturais, as pessoas plenamente


alfabetizadas não possuem o hábito de ler e escrever, e quando o fazem não cultivam, nem
desenvolvem suas habilidades no nível da norma culta.

O terceiro problema diz respeito ao dilema da norma culta usada pela tradição gramatical
que não corresponde à língua falada pelas pessoas cultas de hoje, e sim aos ideais linguísticos
do português de Portugal, tornando a norma culta real distante da norma culta ideal.

A tão falada norma culta que muitos escritores ainda querem impor, não se faz reconhecida
por muitos profissionais conhecedores da verdadeira norma culta falada no Brasil. Não se
pode falar de erro, se a forma de linguagem usada é perfeitamente entendida e usada pela
maioria.

Mudança de atitude

O autor indica algumas maneiras para acabar com o preconceito linguístico. Primeiramente
é preciso mudar de atitude e valorizar o saber de cada indivíduo, discordando das pessoas que
menosprezam as diversas maneiras de falar.

O professor também precisa ser mais crítico com a norma culta que ensina, refletir sobre o
que está ensinando, ao invés de apenas repetir, tirando da gramática tradicional o que
realmente é útil, e deixando de lado as informações preconceituosas e intolerantes. Essa nova
postura crítica exige do professor constante atualização, ele deve ser um verdadeiro
pesquisador, incentivando seus alunos a quebrarem os mitos em torno da língua portuguesa.

O que é ensinar português?


Os métodos tradicionais de ensino da língua no Brasil visam, por incrível que pareça, a
formação de professores de português! O ensino da gramática normativa mais estrita, a
obsessão terminológica, a paranoia classificatória, o apego à nomenclatura — nada disso
serve para formar um bom usuário da língua em sua modalidade culta. , é preciso que os
professores se convençam de que basta a ele saber toda a técnica da gramática tradicional, ao
aluno cabe aprender a usá-la.

O que é erro?

Para acabar com o preconceito linguístico, é preciso reavaliar a “noção de erro”. Há uma
grande confusão entre língua escrita e falada, e muito dos “erros de português” são apenas
erros de grafia. A ortografia dita correta, é ditada pela política, economia e ideias de uma
determinada época, sendo que ela muda através do tempo sem mudar a intenção da palavra.
Todo falante nativo de uma língua é plenamente competente e capaz de distinguir as regras de
funcionamento de sua língua materna. O falante nativo de sua língua não comete erros, pois
não forma frases que não respeitem as regras de funcionamento da língua.

Então vale tudo?

Com a eliminação da noção de erro, muitos entendem que então vale tudo. Não é bem
assim, é que em termos de língua, tudo vale alguma coisa. O que devemos entender é que a
maneira de falar vai depender de vários fatores. É preciso encontrar o ponto de equilíbrio
entre a adequabilidade e a aceitabilidade, tanto na modalidade oral como na escrita, tudo vai
depender da situação de uso da língua em que nos encontramos. É totalmente inadequado, por
exemplo, fazer uma palestra num congresso científico usando gíria, o público dificilmente
aceitará isso; mas se o objetivo do palestrante for chocar os ouvintes, aquela linguagem será
adequada.

A paranoia ortográfica

A atitude tradicional do professor de português, ao receber um texto produzido por um


aluno, é procurar imediatamente os erros, direcionar toda a sua atenção para a localização e
erradicação do que está incorreto. É uma preocupação quase exclusiva com a forma, pouco
importando o que haja ali de conteúdo. Saber ortografia não tem nada a ver com saber a
língua, pois são dois tipos diferentes de conhecimento, e a ortografia não faz parte das regras
de funcionamento da língua.
Portanto, precisa-se abandonar a ideia de que quem escreve “tudo errado” é um ignorante
da língua. O aprendizado da ortografia se faz pelo contato frequente com textos bem escritos,
e não com regras mal elaboradas. Ao lermos um texto escrito por alguém, deve-se primeiro
dar valor ao que ele está querendo dizer, para só depois nos deter em como ele está dizendo.

Subvertendo o preconceito linguístico

É preciso reconhecer que o preconceito linguístico continua muito forte, e nada vai mudar
se a sociedade na qual estamos inseridos não tiver significativas mudanças. Mas podemos
tomar algumas atitudes contra o preconceito linguístico.

Em primeiro lugar é preciso que nos tornemos pessoas críticas e investigadoras de nosso
próprio conhecimento linguístico, deixando de lado a atitude repetidora, e passando para uma
atitude reprodutora, formando-nos e informando-nos.

Em segundo, sermos mais críticos quanto a nossa prática diária de ensino. Ensinar sim o
que nos é cobrado, mas sempre com uma atitude crítica, mostrando que esta é apenas uma
parte do grande universo maravilhoso que é a linguagem.

Terceira atitude é ensinar mostrando perante todas as cobranças que as ciências evoluem,
assim como a ciência da linguagem também. Não podemos mais ensinar à moda antiga,
precisamos nos atualizar, e até mesmo inovar.

E a quarta atitude seria assumir uma nova postura, tendo como base o que o autor chamou
de DEZ CISÕES, porque representa um corte com todas as ultrapassadas normas da
gramática tradicional. São elas:

Conscientizar-se de que todo falante nativo de uma língua é um usuário competente dessa
língua, dominando-a por completo.

Aceitar a ideia de que não existe erro de português, apenas diferenças ou alternativas.

Não confundir erro de português com erro de ortografia, que é artificial e pode mudar, ao
contrário da língua, que é natural.

Reconhecer que tudo que a gramática tradicional chama de erro é na verdade um fenômeno
perfeitamente explicado, se a maioria dos falantes usa uma norma que difere da tradicional, é
porque já existe uma regra sobrepondo-se à antiga.
Aceitar que toda língua muda e varia, o que é visto hoje como “certo”, já foi “erro” no
passado, e assim sucessivamente.

Conscientizar-se de que a língua portuguesa não vai nem bem , nem mal, ela apenas segue
seu curso e sua evolução.

Respeitar a variedade linguística de toda e qualquer pessoa.

Entender que a língua permeia tudo, e nós somos a língua que falamos, é ela que molda
nosso modo de ver o mundo, e nosso modo de ver o mundo molda a língua que falamos.

A língua está em tudo, e tudo está na língua.

Ensinar bem e para o bem, respeitando o conhecimento do aluno, valorizando o que ele já
sabe do mundo e da vida, reconhecendo na língua que ele fala sua própria identidade como ser
humano, sempre acrescentando e elevando sua autoestima.

O Preconceito contra a linguística e os linguistas

Uma “religião” mais velha que o cristianismo

O ensino de língua na escola é a única disciplina em que existe uma disputa entre duas
perspectivas distintas, dois modos diferentes de encarar o fenômeno da linguagem: a doutrina
gramatical tradicional e a linguística moderna.

A doutrina gramatical tradicional passou pela revolução cientifica e seus termos e


conceitos continuam a ser repassado sem grandes reformulações de uma geração de alunos
para outra, como se não houvesse mudanças na ciência da linguagem.

A linguística moderna tem a língua como um objeto a ser analisado e interpretado segundo
métodos e critérios científicos e devolveu a língua ao seu lugar de fato social, tornando-a um
lugar de surpresas, de descobertas, do novo, da substituição de paradigmas, da reformulação
critica das teorias.

Querer cobrar, hoje em dia, a observância dos mesmos padrões linguísticos do passado é
querer preservar, ao mesmo tempo, ideias, mentalidades e estruturas sociais do passado. A
Gramática Tradicional, funcionando como uma ideologia linguística, foi e ainda é, como toda
ideologia, o lugar das certezas, uma doutrina sólida e compacta, com uma única resposta
correta para todas as dúvidas.

Português Ortodoxo? Que língua é essa?

Dos textos de Napoleão, gotejam preconceitos sociais e afirmações incabíveis sobre a


língua, a gramática e o ensino. Não há nada que possa justificar o conceito de que a linguística
estuda apenas os sons da fala. O uso da expressão “português ortodoxo” se relaciona com o
preceito de dogma, intolerância. Falar em português ortodoxo, na mentalidade de seus
defensores e em oposição a ele, um “português herético” é motivo de perseguição, acusação e
condenação.

Devaneios de idiotas e ociosos

Evanildo Bechara, importante gramático brasileiro, conhecido por sua competência como
estudioso da língua e por suas posturas políticas e pedagógicas nada revolucionárias como
ideário conservador e elitista, se manifesta para a necessidade da vigência da hierarquização e
da normatividade. Esquecendo de que se torna necessária para quem esta no topo da
hierarquia.

Pasquale Cipro Neto mostra-se mais conservador e elitista que Bechara, tornando mais
fácil entender o termo “português ortodoxo”: é um conjunto de língua certa que é mais certa
ainda do que a língua dos gramáticos profissionais, da própria Academia Brasileira de Letras.
Esta afirmação consiste na absoluta distorção do verdadeiro papel do linguista como
investigador de todos os fenômenos da língua, e não só como caçador de “erros” e senso do
uso.

Para Aldo Rabelo, a Academia Brasileira de Letras, é por tradição guardiã dos elementos
constitutivos da língua portuguesa no Brasil, e de longe pode ser chamada de “centro maior de
cultivo da língua portuguesa no Brasil”. Pois a língua portuguesa é falada e cultivada por seu
povo. Somente uma ideologia conservadora é capaz de defender o português contra o povo

Bagno escreve pelas mesmas razões que levaram as mudanças na Gramática Tradicional
em um instrumento de dominação e exclusão social é que a atividade dos linguistas brasileiros
vem sofrendo ataques grosseiros por parte dos intitulados filósofos que representam a reação
conservadora contra qualquer tentativa de democratização do saber da sociedade.

Palavras-chave: Linguística, Preconceito Linguístico, Marcos Bagno.


Referências

ALMEIDA, Napoleão M. (1994), Dicionário de questões vernáculas. 2a ed., São Paulo, LCTE

BAGNO, Marcos (1995): A luta desigual. Mito vs. realidade nos livros didáticos de língua
portuguesa. Dissertação de Mestrado, Recife, Programa de Pós-graduação em Letras e
Linguística, Universidade Federal de Pernambuco, mimeo.

______ (1997): A língua de Eulália. Novela sociolinguística. São Paulo, Contexto.

______ (1999): Pesquisa na escola: o que é, como se faz. 2a ed., São Paulo, Loyola.

BORTONI-RICARDO, S. M. (1984): “Problemas de comunicação Interdialetal”, in


Sociolinguística e ensino do vernáculo (Revista Tempo Brasileiro, n° 78/79).

CARVALHO, A. & RIBEIRO, J. (1998): Nossa palavra. 5ª série. São Paulo, Ática.

CASTILHO, A. et alii (I: 1990, II: 1992, III: 1993, IV, V, VI: 1996): Gramática do português
falado. Campinas, Editora da UNICAMP.

CEGALLA, Domingos P. (1990): Novíssima gramática da língua portuguesa. 33a ed., São
Paulo, Cia. Editora Nacional.

CIPRO Neto, P. & INFANTE, U. (1997): Gramática da língua portuguesa. São Paulo,
Scipione.

CUNHA, C. & CINTRA, L. E L. (1985): Nova gramática do português contemporâneo. Rio


de Janeiro, Nova Fronteira.

DUARTE, Sérgio N. (1998): Língua viva. Rio de Janeiro, Rocco.

FIGUEIREDO, Cândido de (1929 [1903]): O que se não deve dizer, vol. I. 5a ed., Lisboa,
Livraria Clássica Editora.

GNERRE, Maurizzio (1985): Linguagem, escrita e poder. São Paulo, Martins Fontes.

LOBATO, J. B. Monteiro (1952 [1934]): Emília no País da Gramática. 3a ed., São Paulo,
Brasiliense.

LUFT, Celso Pedro (1994): Língua e liberdade. 3a ed., São Paulo, Ática

MARTINS, E. (1999): Com todas as letras. São Paulo, Moderna.


MATTOS E SILVA, Rosa V (1997): Contradições no ensino de português. São Paulo,
Contexto/EDUFBA.

NEVES, Ma Helena M. (1990): Gramática na escola. São Paulo, Contexto.

PERINI, Mário A. (1996): Gramática descritiva do português. 2a ed., São Paulo, Ática.

______ (1997): Sofrendo a gramática. São Paulo, Ática.

POSSENTI, Sírio (1997): Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, Mercado de
Letras.

ROCHA LIMA, C. H. (1989): Gramática normativa da língua portuguesa. 30a ed., Rio de
Janeiro, José Olympio.

SACCONI, Luiz Antonio (1998): Não erre mais! 23a ed., São Paulo, Atual.

SILVA, Myrian B. (1993): Leitura, ortografia e fonologia. 2ª ed., São Paulo, Ática.

TERRA, Ernani (1997): Linguagem, língua e fala. São Paulo, Scipione.

TFOUNI, Leda V (1988): Adultos não alfabetizados. O avesso do avesso. Campinas, Pontes
Editores.