Você está na página 1de 2

Discussão sobre verificação das tensões no bloco sobre estacas, junto ao

pilar

Usando as equações da resistência dos materiais, pode escrever:


M M h M
σ = = ∗ =6∗
.
I .
bh /12 2 bh
σ . M
σ = =3∗
.
2 bh

O programa da TQS utiliza esse procedimento nos dois sentidos para se calcular a tensão no
quadrante em que se tem as maiores tensões (1/4 do pilar – área hachurada) e, dessa forma a
equação fica a seguinte:
N M M
σ = +3∗ +3∗
A bh hb
Multiplicando essa tensão por toda a área do pilar (b*h) se obtém a carga fictícia utilizada na
verificação da tensão, junto ao pilar.
N M M M M
N = ∗A+3∗ ∗A+3∗ ∗A =N+3∗ +3∗
A bh hb h b
Portanto, no caso do exercício em discussão, se obtém:
M M 50 ∗ 100 40 ∗ 100
N = N+3∗ +3∗ = 950 + 3 ∗ +3∗ = 1.683,33 KN
h b 45 30
Utilizei a carga de 4*Carga na estaca mais carregada que resultou:

4*277,15 = 1.108,6 KN

Dessa forma pode-se observar que a carga utilizada pelo software TQS é da ordem de;
1.683,33
= 1,52 ou seja 52% e não o dobro
1.108,6
Acho a carga utilizada pelo TQS bastante conservadora, embora utilize a tensão média no
quadrante, o que ainda é alto, o multiplica por toda a seção do pilar, resultando dessa forma
uma carga superestimada.
N M N M M
σ = +3∗ σ = +3∗ +3∗
/
A hb /
A bh hb
950 4.000 950 5.000
σ = +3∗ σ / = +3∗ +3
/
30/45 45 ∗ 30 30/45 30 ∗ 45
4.000

= 1,0 KN/cm2 45 ∗ 30
= 1,25 KN/cm2

N M
σ = +3∗ +
N /
A bh
σ = 950 5.000
/
A σ = +3∗ =
950 /
30/45 30 ∗ 45
σ =
/
30/45
= 0,95 KN/cm2
= 0,704 KN/cm2

Se considerarmos que em cada quadrante teremos uma tensão de compressão diferente e,


assim mesmo ainda não é a real, pois se está desprezando as tensões de tração em cada
quadrante. A carga no pilar poderia ser escrita:
30 ∗ 45
N = 0,704 + 1,0 + 1,25 + 0,95 ∗ = 1.317,6 KN
4
Dessa forma teríamos uma carga em torno de 18,8% a maior em relação a 4 vezes a carga na
estaca mais carregada.

Observa-se também que utilizo valores característico e o software utiliza valores de cálculo e
também o coeficiente de ajustamento (NBR 8681 – item 5.3.3)

Outra coisa importante é verificar o valor das tensões limites que o sistema TQS considera.

Nas páginas 428 e 429 do meu livro apresentei uma discussão com relação as propostas de
Blevot e Frémy, ABNT 6118, e Momtoya e Messeguer.