Você está na página 1de 33

Plantas Medicinais dos Handa

no Sul de Angola

Financiamento do Por: Rosa Melo


projecto: FCT, POCI 2010 IICT - Lisboa
Projecto de pesquisa

Título: Recursos Botânicos e Saber Medicinal na História e


Cultura dos Handa (Angola)”. Práticas Terapêuticas e
Estratégias do Poder e do Género
Rosa Melo
Campo de Trabalho
Rosa Melo
Rosa Melo
HUILA
Rosa Melo
Namibe
Produção agrícola no leito do rio Bero (Namibe)

Especimens encontradas no leito


do Bero e nas suas proximidades

Omuliahonka (Senna occidentalis (L)


Link);

Mbumbulu (Momordica charantia L.);

Omunhenlĕlĕ (Boehravia coccinea


Rosa Melo

Miller).
Diversidade étnica a par da diversidade da flora e da
fauna

• Grupos étnicos no Sul de Angola

• Ovimbundu
• Ngangela
• Handa (grupo estudado)
• Nyaneka
• Kuvale
• Ndimba
• Kwanyama
• Muila
• Nkhumbi
• Ngambwe …
Rosa Melo
Propósitos
Efectuar um Levantamento dos principais recursos botânicos na região dos Handa
usados nas práticas de cura assim como das patologias a elas associadas;

Perceber como tais espécies botânicas são usadas;

Conhecer quais as mais usadas;

Perceber que doenças são as mais frequentes;

Perceber quais os saberes que circulam em torno das plantas;

Investigar a contribuição da medicina tradicional handa no tratamento de doenças


e na melhoria do bem-estar social.
Rosa Melo
Lugares de pesquisa I
Rosa Melo
Lugares de pesquisa II
Rosa Melo
Momentos de abordagem do
tema da pesquisa

Checklist: procede das entrevistas


Rosa Melo

informais
Procedimentos/Metodologia

Instalação no eumbo
Rosa Melo
Procedimentos / Metodologia (cont.)
Rosa Melo

Inquéritos

Observação participante

Observação

Criar afectividades
Focus group
Circunstâncias do desenvolvimento da pesquisa

Perigos de vária ordem, inclusive de minas


Pesquisa: Timings

• Sem imposições.
Decurso da pesquisa
de acordo com a
disponibilidade dos
acompanhantes, dos
informantes.

• Actividades da
pesquisa
enquadradas no
contexto das
actividades comuns
das famílias no
quotidiano.
Rosa Melo
Percursos

• Tornaram-se um lugar de
aprendizagem.
Rosa Melo
Herborização I
Rosa Melo
Herborização
Rosa Melo
II
Resultados

140 45 Identificadas

120 Checklis 38 exemplares


t até à Espécie;
100

80 Plantas 06 até ao Género;


recolhid
60 as
40 Plantas
01 identificada
Identific apenas a
20 adas Família;

0
Rosa Melo
FAMÍLIA
30
arbustivas
arbóreas
25 herbáceas
subarbustivas
20

15

10

0
FAMÍLIA arbóreas subarbustivas
Rosa Melo
Arbóreas
Arbustivas
São alguns
dos
exemplares
recolhidos

Omutate
(Poligaceae)
Omukeketwa Ekai liahava (Anacardiaceae)
(Rhamnaceae)
Herbáceas
Subarbustivas

Trepadeira
(Convolvulaceae)
Eiyumbi Linene
Rosa Melo

Okakokoto (Araceae) Enhati (Menispermanaceae)


13 Espécies
{Fam + Imp. }

Anacardeaceae Apocynaceae Araceae Capparaceae

Convolvulaceae Curcubitaceae Menispermaceae Nyctaginaceae

Polygalaceae Rhamnaceae Rubiaceae Sapindaceae


Rosa Melo

Vitaceae
Doenças mais frequentes entre os Handa
Espécie Nome Antidiarre Antimalá Doenças Doenças
vernáculo icas ricas respiratór sexuais
ias

Rhus tenuinervis Omumbend ♦ + - -


Engl. var. je
tenuinervis
Diplorhynchos Omundeo ♦
condilocarpon (Mull.
Arg.) Pichon

Maytenus Omungond + - - -
senegalensis (Lam.) we
Exell
Combretum sp. Omuhondjo - - + -
lo
Combretum Omumphal ♦
psidioides Welw. u
Subsp. Psidioides
Rosa Melo

Momordica Mbumbulu + - - -
charantia L.
Bridelia sp Omunkhuli ♦
Doenças mais frequentes (CONT.)
Espécie Nome Antidiarrei Antimalá Doenças Doenças
vernáculo cas ricas respiratóri sexuais
as
Erythrophleum Omungae ♦
africanum (Welw. ex
Engl.) Harms
Pterocarpus Omulila- +♦ - - ♦
angolensis DC. Honde
Securidaca Omutate ♦
longipedunculata
Fresen.
Ziziphus abyssinica Omukeketw ♦
Hochst. ex A. Rich. a
Pavetta shumanniana Ocinğe ♦
F. Hoffm. ex K.
Schum
Solanum incanum L. Omatumbilil ♦
i Atito
Cissus nymphacifolia Ongombe ♦
Rosa Melo

(Welw. Ex Baker)
Planch
Órgãos usados na preparação dos
fármacos

Ptaeroxylon obliquum
Folhas frescas

Ombungululu
a) Folhas

Folhas secas

omuloeka
Rosa Melo

omungeve
b) Raízes
De plantas frescas Raízes secas

Kacilingi cimwe
Cucumis hirsutus
Omupota vaso

Omutunda Boscia gossweileri


Omutate
(Securidaca longipedunculata)
Rosa Melo

Raízes em pó
Outros elementos usados na preparação dos fármacos
Omakipa onkhombe (Ossos )
Carvão e cinza

Casca de caules e de raízes

Ombungululu
(Ptaeroxylon obliquum)
Rosa Melo

Omucila
(Cauda de uma rês)
Etnofármacos nos mercados “informais”
Rosa Melo

• i) Não são questionadas a


origem, nem a pertença
étnica dos fármacos;

ii) Não é questionada a


“propriedade intelectual”
dos etnofármacos;

iii) A divulgação dos


Nomes dos etnofármacos
é sobretudo na língua
umbundu.

Pontos de venda tornaram-se lugares de consulta


Crenças

Nos meios rurais:


1) Principais recursos para a cura = Plantas
medicinais + ovimbanda …. + onosande.

2) Poderes de cura = atributos concedidos pelos


onosande aos seus eleitos.

3) Base da cura = Poderes das plantas


medicinais + poderes do osande manifestos
através do ocimbanda.

Situação nos meios urbanizados:

- Centros hospitalares geralmente


secundarizados.

- Conjugação de medicamentos
hospitalares com etnofármacos;
Rosa Melo

- Simultaneidade dos cuidados médicos e


dos ovimbanda.
Considerações finais
• 1- Ignorância e pobreza:

i) São apontados como principais factores do fosso entre a medicina dita “tradicional”
e a convencional;

ii) São apontados como justificativas relativas à precedência do tratamento com


plantas medicinais em detrimento dos recursos hospitalares.

♦ Ao invés, as nossas pesquisas revelam a existência de outros elementos para


explicar o fenómeno do recurso às diferentes práticas medicinais, em simultâneo,
nos meios rurais e urbanos das regiões estudadas.

2- A pobreza por si só não explica a propensão do uso dos etnofármacos como


principal recurso para a cura e o bem-estar social.
Rosa Melo
Considerações finais (cont)

3- A coexistência de práticas medicinais, comum em países pobres,


subdesenvolvidos:

ii) É, igualmente, observada, em países com elevado índice de desenvolvimento


humano e com baixos níveis de iliteracia;

iii) É observada em países com importante qualidade de informação e dos sistemas de


saúde pública.

♦ Conclui-se que a observância da sofisticação dos recursos, bem como a distinta


qualidade de vida não inibem a sujeição das pessoas à panóplia de recursos
tradicionais para os tratamentos, nem o uso de plantas medicinais.
Rosa Melo
Considerações finais (cont.)

4- Efeitos da parcimónia no recurso às práticas hospitalares:

a) Tenacidade na luta pelos valores;

b) Preservação do saber local;

c) Combate às doenças com base nos recursos naturais.


Rosa Melo
Agradecimento especial:

- Família João Maria (no Namibe, Lubango e Luanda - Angola);

- Família Augusto Bento (no Nkholo do Ngungu – Cipungu - Angola);

-Dr. Eurico Martins (Centro de Botânica do IICT- Lisboa);


Rosa Melo

- Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) – Portugal.