Você está na página 1de 3

RESUMO

Aluno: Antonio Ozenir de Souza Nascimento


Professor: Diego Ximenes
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – Campus Crateús.

FÍSICA MODERNA: ORIGENS CLÁSSICAS E FUNDAMENTOS QUÂNTICOS

CARUSO, Francisco. Física moderna: origens clássicas e fundamentos quânticos. 2ª ed. Rio
de Janeiro, 2016, cap. 5

Francisco Caruso é pesquisador titular do centro brasileiro de pesquisas físicas,


professor-associado no instituto de física da universidade do estado do Rio de Janeiro (UERJ),
onde fundou o departamento de física nuclear e altas energias e professor colaborador do
programa de história das ciências e das técnicas e epistemologia da universidade federal do
Rido de Janeiro (UFRJ). Autor de mais de uma centena de publicações, incluindo artigos nas
áreas de física de partículas, história e filosofia da física, de ensino de física e de divulgação
científica.
O capitulo a ser resumido vai trazer a descrição e concepções clássicas da natureza da
luz como uma forma introdutória para os estudantes ou pesquisadores que usarem o livro
como apoio bibliográfico para trabalharem no âmbito quântico da matéria. Esse capitulo é
composto de sete tópicos tendo como os primeiros o autor trás o conteúdo de uma forma mais
histórica e filosófica e ao longo do capítulo ele vem mostrando pesquisadores e suas
contribuições com postulados e equações que enriquecem mais ainda os estudos da luz.
Primeiro tópico – A natureza da luz: discreta ou contínua? Nesse tópico é abordado de
uma forma histórica de onde veio o conceito de luz como ela surgiu e a necessidade de
compreende-la que vem desde a Grécia Clássica, passando pelos pré-socráticos, pitagóricos
entre outras escolas da idade antiga ate chegar a idade média e por fim os estudos definitivos
para a óptica geométrica clássica formulada por Galileu no século XVII e mais tarde em 1666
por Newton que explicava a refração da luz com o auxilio de um prisma conseguindo assim
calculando o índice de refração da luz. E para encerrar o tópico primeiro do capitulo cinco
Caruso destaca o italiano Francesco Maria Grimaldi que descobriu o fenômeno conhecido
como difração que nada mais é o fenômeno que se pode ver luz projetada em uma região onde
deveria ser exclusivamente sombra. E o fenômeno de interferência que foram observados por
Bole e Robert Hooke que descordavam entre si sobre a existência do vazio, o vácuo.
Segundo tópico – Fenômenos ondulatórios. Nesse tópico é descrito como cada
fenômeno ondulatório acontece, desde ondulatório acústico, visual ou térmico. Após
descrever as características e conceitos sobre transformação e transferência e troca de energia
através de sistemas ondulatórios é apresentada a equação de onda clássica de d’Alembert que
descreve o movimento ondulatórios não dissipativos em meios lineares e homogêneos. No
subtópico que fala sobre meio não dispersivos trás sempre uma figura ilustrando de forma
simbólica os fenômenos ocorrentes caracterizados pela propagação de um pulso que não é
alterado a sua forma e permanece com velocidade constante. A força de tenção aplicada na
corda pode ser descrita como o produto da velocidade ao quadrado pela densidade do fio
tensionado. De uma forma simples com transformações de coordenadas é encontrada as forças
em cada ponto da corda tencionada obtendo assim a equação de d’Alembert que descreve a
propagação de uma onda com velocidade proporcional a força de tensão comentada
anteriormente. Outro tipo de onda que é encontrada através de meios não dispersivos são as
monocromáticas que é descrita ainda nesse tópico, definida como sua forma é periódico e
dado por uma função harmônica dependente apenas da posição.
Terceiro tópico – A polemica Newton-Huygens. Nesse tópico é feita uma breve
discursão sobre a natureza das ondas havendo defensores de sistemas que acreditavam que as
ondas se manifestavam mesmo no vácuo e de contrapartida os que defendiam que não havia o
vácuo tornando como base que as ondas só se propagavam em meio de matéria surgindo então
a teoria do éter.
Quarto tópico – Os experimentos de Young e de Fresnel. Os seus experimentos
tiveram como foco o estudo da propagação de ondas tentando explicar a existência do éter.
Feito alguns experimentos observou que o comportamento das ondas de fontes luminosas e
sonoras tinham semelhanças quando vinha de duas fontes causando interferência parecidas
quando incididas em um anteparo. No mesmo tópico é mostrado a difração da luz por uma
fenda estreita, e nesse experimento é demostrado que quando um feixe de luz passar por uma
fenda estreita acontece a difração da luz e assim começando a teoria da dualidade da partícula,
hora comporta-se como partícula, hora como onda. No casso desse experimento quando o
feixe de luz é passa pela fenda ela se comporta como partícula, porém quando é observado no
anteparo nota-se que existe um padrão de interferência que é característica de uma onda.
Quinto tópico – Fourier e a propagação do calor. Como foi mostrando nos pontos
anteriores o calor também é uma forma de energia que pode ser transmitida por uma onda e
nesse tópico é feito boa parte das demonstrações que envolve a propagação de calor para
obtermos uma equação de transferência de calor relacionando com a equação de onda. Grande
parte das análises são feitas por fluidos pois são considerados imponderáveis e sutis,
possibilitando a introdução de conceitos das linhas de forças do caso elétrico. Graças as
teorias formadas em busca do éter Maxwell pode aplicar suas equações até hoje vistas na
física clássica do eletromagnetismo.
Sexto tópico – A descrição eletromagnética da luz. Passando por todo esse processo de
descobertas e conflitos Maxwell desenvolveu as suas quatro famosas equações baseadas nas
ideias de Faraday. Faraday descobriu muitas coisas que iriam revolucionar os estudos e
pesquisar no âmbito eletromagnético como algumas delas é que o espaço sem matéria
ordinária é capaz de transmitir ações elétricas e magnéticas, para melhor explicar a interação
das forças eletromagnéticas ele desenvolveu o método de linhas de força para campo elétrico.
No terceiro subtópico em diante para a demonstração das equações tornam-se bastante
complicadas para a aplicação eletricidade em pulsos ondulatórios, mas usando as equações de
Maxwell e todas as definições já vista no capítulo pode-se compreender a forma que o autor
nos trás as demonstrações. Ainda nesse tópico nos é mostrado como encontrar a energia de
uma onda eletromagnética usando a equação de capacitância e aplicando na equação da lei de
Gauss conseguimos chegar a esse resultado. Posteriormente é mostrado como encontrar o
momentum de uma onda plana eletromagnética e a pressão da luz
Sétimo tópico – A propagação da luz e o éter, segundo Maxwell e Einstein. Nesse
tópico trata-se de um debate sobre as lacunas que ainda existiam sobre todas essas teorias e
resultados não compatíveis que Einstein e Maxwell tentavam resolver, porém ainda faltava
conhecimento sobre o assunto que só vinha ser sanadas a partir das teorias quânticas e
relativísticas que são apresentadas nos próximos capítulos do livro.