Você está na página 1de 8

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA QUÍMICA


CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA

PAULA BAUTO ITO


THAIS CRISTINA GUIMARÃES ALVES
VANESSA ELISANGELA CORSINI

CROMATOGRAFIA

TRABALHO ACADÊMICO

PONTA GROSSA
2013
1. INTRODUÇÃO

A cromatografia é uma técnica que tem por finalidade geral duas


utilizações, a de identificação de substâncias e de separação-purificação de
misturas. Usando propriedades como solubilidade, tamanho e massa.
Para o processo de separação de misturas, esta passa por duas fases
sendo uma estacionária (fixa, sendo um material poroso como um filtro) e outro
móvel (como um líquido ou um gás, que ajuda na separação da mistura), sendo
que os constituintes dessas misturas interagem com as fases através de forças
intermoleculares e iônicas, fazendo a separação. A grande variedade de
combinações entre fases móveis e estacionárias a torna uma técnica
extremamente versátil e de grande aplicação. E ainda, a mistura pode ser
separada em várias partes distintas ou ainda ser purificada eliminando-se as
substâncias indesejáveis.
As diferentes formas de cromatografia podem ser classificadas
considerando-se diversos critérios, e as 4 principais são:
1. Classificação pela forma física do sistema cromatográfico;
2. Classificação pela fase móvel empregada;
3. Classificação pela fase estacionária utilizada;
4. Classificação pelo modo de separação.

Em relação classificação pela forma física do sistema, a cromatografia


pode ser subdividida em:
Cromatografia em coluna (cromatografia líquida, gasosa e supercrítica) e
cromatografia planar (centrífuga, em papel e em camada delgada).
A cromatografia em papel é uma técnica de partição líquido-líquido,
baseia-se na diferença de solubilidade das substâncias em questão entre duas
fases imiscíveis, sendo geralmente a água um dos líquidos. E, a cromatografia
em camada delgada é uma técnica de adsorção líquido-sólido, no qual a
separação se dá pela diferença de afinidade dos componentes de uma mistura
pela fase estacionária.
A classificação pela fase móvel empregada são três tipos: a
cromatografia gasosa, a líquida e a supercrítica. Em que, a cromatografia
líquida se dá quando a fase móvel é um líquido e a estacionária é um sólido,
fazendo a separação através do sólido; a cromatografia gasosa baseia-se
quando a fase móvel é um gás e a estacionária é um sólido ou líquido; a
cromatografia supercrítica leva certas vantagens sobre as outras duas, pode
ser realizado análises não possíveis em cromatografia líquida ou gasosa.
Já a classificação pela fase estacionária, distingue-se entre as fases
estacionárias sólidas, quando a fase fixa é um sólido que serve como uma
espécie de filtro, e age de várias maneiras para a separação da mistura; e a
estacionária líquida, na qual esta pode estar absorvida em um sólido ou presa
sobre ele, servindo com um filtro.
E ainda, a classificação pelo modo de separação que se dá pela
cromatografia de adsorção que é baseada em uma fase estacionária sólida que
adsorve (prende) certas moléculas em seu meio, da parte móvel que deve ser
líquida. Essa adsorção se deve a certas interações entre os constituintes da
parte líquida e da sólida; E pela cromatografia de partição, que ocorre pela
diferença de solubilidade das substâncias que devem ser líquidas, e sua
separação se dá com o auxílio de filtros de papel ou em colunas como
suporte1.

2. OBJETIVOS
Desenvolver e aplicar os conhecimentos práticos das técnicas de
cromatografia e cromatografia em camada delgada (CCD).

3. RESULTADOS E DISCUSSÕES
Para o inicio da prática, cortou-se retangularmente cinco papéis de filtro
previamente medidos, e pontilhou-se cinco pontos em linha na parte inferior do
papel com caneta hidrográfica de cinco cores diferentes: azul, vermelho,
amarelo, preto, marrom e verde, respectivamente, com a finalidade de
averiguar a presença de corantes indevidos nas canetas.
Dentro de cinco béquers, adicionaram-se cinco solução diferentes, de
modo a imergir com cuidado cada papel filtro em seu béquer correspondente.
As solução contidas nos béquers são:

1
Relatório de Cromatografia em camada fina e em coluna. Disponível em:
<http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAoyYAB/relatorio-cromatografia-camada-fina-coluna>
Acesso em: 04 de fevereiro de 2013.
 Béquer 1: água;
 Béquer 2: 90% de água e 10% de etanol;
 Béquer 3: 50% de água e 50% de etanol;
 Béquer 4: 10% de água e 90% de etanol;
 Béquer 5: etanol.
Os cinco papéis foram inseridos em cada béquer em forma circular. O
béquer foi tampado para que o meio ficasse saturado. De forma que o líquido
subia pelo papel, foram se formando manchas coloridas em linhas verticais no
papel, de modo que se pudessem perceber várias cores diferentes dissolvidas
em uma única cor de caneta. Os papéis usados na cromatografia encontram-se
em anexo.
Finalizada a prática, tendo em vista o caminho percorrido pela tinta das
canetas no papel, pode-se então calcular o índice de retenção do composto
(Rf), um parâmetro frequentemente usado em cromatografia. Ele é definido
como a razão entre a distância percorrida pela mancha do componente e a
distancia percorrida pelo eluente. Portanto:
Rf = dc / ds
Onde:
dc = distancia percorrida pelo componente da mistura;
ds = distancia percorrida pelo eluente.
Os resultados encontrados do índice de retenção (Rf) dos compostos
encontram-se nas tabelas a seguir:

Solvente Cor dc ds Rf Solvente Cor dc ds Rf


Azul 3,1 4,9 0,63265306 Azul 2,2 4,95 0,444444

Vermelho 3,4 4,9 0,69387755 Vermelho 3,5 4,95 0,707071


Água
Água Amarelo 3,9 4,9 0,79591837 (90%); Amarelo 3,3 4,95 0,666667
(100%) Preto 4,1 4,9 0,83673469 Etanol Preto 4,4 4,95 0,888889
(10%)
Marrom 3,4 4,9 0,69387755 Marrom 3,2 4,95 0,646465

Verde 4,7 4,9 0,95918367 Verde 3,1 4,95 0,626263


Solvente Cor dc ds Rf Solvente Cor dc ds Rf
Azul 2,9 3 0,96666667 Azul 2,6 3,4 0,764706

Vermelho 2,2 3 0,73333333 Vermelho 0,9 3,4 0,264706


Água Água
(50%); Amarelo 2,5 3 0,83333333 (10%); Amarelo 1,1 3,4 0,323529
Etanol Preto 2,9 3 0,96666667 Etanol Preto 3,3 3,4 0,970588
(50%) (90%)
Marrom 2,9 3 0,96666667 Marrom 3,4 3,4 1

Verde 1,8 3 0,6 Verde 1,8 3,4 0,529412

Solvente Cor dc ds Rf
Azul 2,7 3,55 0,760563

Vermelho 1,4 3,55 0,394366

Etanol Amarelo 1,9 3,55 0,535211


(100%) Preto 3,55 3,55 1

Marrom 3,4 3,55 0,957746

Verde 2,2 3,55 0,619718

4. CONCLUSÃO
Com o experimento realizado percebe-se que o arraste das cores no
papel de filtro constituem as cores primarias quando se tratando do azul,
vermelho, amarelo e verde, não indicando presença de corantes. Nas canetas
de tinta preta e marrom, percebe-se uma mistura de cores, originando o roxo,
laranja, entre outras. Isso indica alguma impureza na tinta, indicando corantes.
Sendo assim, as tintas preta e marrom apresentam irregularidade, porem as
outras estão dentro dos padrões exigidos.

5. REFERÊNCIAS
[1] Relatório de Cromatografia em camada fina e em coluna. Disponível em:
<http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAoyYAB/relatorio-cromatografia-
camada-fina-coluna> Acesso em: 04 de fevereiro de 2013.
6. QUESTIONÁRIO

1. Qual é o estado físico da fase móvel e da fase estacionária na


cromatografia em camada delgada (CCD)?

R: A fase móvel na cromatografia em camada delgada está no estado líquido e


a fase estacionária está no estado sólido.

2. Qual é o mecanismo de separação da cromatografia em camada delgada


de sílica gel?

R: O mecanismo de separação se baseia na diferença de solubilidade das


substâncias entre a fase móvel utilizada e a fase estacionária. Cada substância
tem um comportamento de solubilidade e adsorção, que dependem muitas das
vezes dos grupos funcionais presentes em suas estruturas, isto resulta em
diferentes velocidades na separação dos componentes.

3. Que se entende por fator de retenção (Rf)? Como é o calculado?

R: É um parâmetro frequentemente usado na cromatografia de camada fina,


que é dado em função do tipo de suporte (fase fixa) empregada e o eluente, é
definido como a razão entre a distância percorrida pela mancha do componente
e a distancia percorrida pelo eluente.

4. Dois componentes A e B foram separados por CCD. Quando a frente do


solvente atingiu, 6,5 cm acima do ponto de aplicação da amostra, a
mancha de A, estava a 5,0 cm, a de B a 3,6 cm. Calcular o R f de A e de B.
Desenhar esta placa, obedecendo ao mais fielmente possível às
distâncias fornecidas. O que se pode concluir sobre a resolução das
manchas, nesta separação?

Para o componente A:

distância percorrida pela mancha 5,0


Rf = = = 0,7692
distância percorrida pelo eluente 6,5
Para o reagente B:

distância percorrida pela mancha 3,6


Rf = = = 0,5538
distância percorrida pelo eluente 6,5

5. Cite os principais tipos de forças que fazem com que os componentes de


uma mistura sejam absorvidos pelas partículas do sólido:

R: O composto terá uma maior ou menor adsorção, dependendo das forças de


interação, que variam na seguinte ordem: formação de sair > coordenação >
pontes de hidrogênio > dipolo-dipolo > London (dipolo induzido).
6. Cite as características do solvente para lavar ou arrastar os compostos
absorvidos na coluna cromatográfica:

R: A característica principal dos solventes é a polaridade, assim vai-se


aumentando gradativamente a polaridade do eluente, o que consequentemente
aumenta o poder de arraste de substâncias mais polares.

7. Por que se deve colocar papel filtro na parede da cuba cromatográfica?

R: Para saturar a atmosfera no interior da cuba com o solvente, se não for feito
isso o solvente que sobe pelo papel irá se evaporar para saturar a atmosfera e
equilibrar o sistema liquido/gasoso, se isso acontecer, essa evaporação irá
interferir no processo de eluição podendo produzir variações nos resultados de
Rf.

8. Se os componentes da mistura, após a corrida cromatográfica,


apresentam manchas incolores, qual o processo empregado para
visualizar estas manchas na placa cromatográfica?

R: A placa deve ser revelada, um método bastante comum é o uso de vapores


de iodo, que reage com muitos compostos orgânicos formando complexos de
cor café ou amarela, outros reagentes utilizados na visualização são: nitrato de
prata (derivados halogenados), 2,4-dinitrofenilidrazina (para acetonas e
aldeídos), verde de bromocresol (para ácidos), ninhidrina (para aminoácidos),
etc.

9. A alumina, ou óxido de alumínio, tem ação básica e interage fortemente


com espécies ácidas; por sua vez, a sílica gel interage com espécies
básicas devido a natureza ácida do óxido de silício. Baseado nessas
informações, explique o comportamento distinto dos dois corantes (azul de
metileno e alaranjado de metila) empregados quando se usa alumina ou
sílica como fase fixa.

R: O azul de metileno, por ser um sal e ser mais polar tem maiores interações
com a sílica do que o alaranjado de metila, sendo melhor adsorvido por ela.

Você também pode gostar