Você está na página 1de 9

BLACK MERDA - The Psych Funk of Black Merda (US Psych Soul Rock)

NÃO AMIGOS!! NÃO É UMA BANDA DE MERDA NÃO!! TRATA-SE DE


UMA BANDA AMERICANA ATIVA DESDE A METADE DOS ANOS 60 E
INÍCIO DOS 70, OS CARAS SÃO MUITO BONS E PRECURSORES DO
PSYCH FUNK ROCK!!! VENENO MUITO BOM E UM DOS MELHORES
NESSE ESTILO DE SOM!! PARA QUEM GOSTA DE UM BOM FUNK
PSICODÉLICO BEM SWINGADO, PEGA QUE É GARANTIDO!!

PARA QUEM ACHA O NOME DA BANDA ESTRANHO, ESTÁ AQUI ESSA


CITAÇÃO QUE ACHEI NA INTERNET E QUE MELHOR RESUME ESSA
QUESTÃO:

...vem do sotaque nos guetos negros americanos e do psicodelismo de uma época em


que as bandas tinham nomes de cores: Blue Cheer, Pink Floyd, Deep Purple, etc. Mas,
para azar dos irmãos Hawkins & seus comparsas, o título que escolheram para sua
banda de rock tem duplo sentido em pelo menos 3 línguas latinas. Quem explica é
Veesee „The Mighty V‟, que além do baixo comanda os vocais da banda:

“Ficamos sabendo na internet que em português, francês e italiano „merda‟ significa


„cocô‟! Originalmente nosso nome seria Black Murder, mas mudamos a grafia para
Merda por causa da pronúncia em inglês, então nosso uso da palavra „merda‟ não vem
do português, francês ou italiano. Merda means murder! Mas de qualquer jeito, „shit‟ é
usada de diferentes maneiras na cultura afroamericana: „You need to get your shit
together!‟, „Where‟s my shit?‟, „Give me the real shit!‟, „That‟s some real good shit!‟, „I
really like your shit!‟... Então, dá pra dizer que „Black Merda plays some real cool black
shit!‟...”
Pois bem, longe do que diz o nome em português, Black Merda significa, no jeitão do
gueto norte-americano, "Black Murder", o que por sua vez, traduzido, quer dizer
"Chacina Negra". Seus integrantes, além de serem excelentes músicos, também foram
militantes políticos e fizeram parte dos Black Panthers de Detroit. Tocaram em diversas
manifestações públicas e inclusive, dividiram o palco com os caras do MC5.

---------------------
A collection of ultra rare material from the mighty Black Merda and affilliates –
including early work credited to The Soul Agents (a pre-cursor to Merda) and solo
credits for lead singer VC L. Veasey! Psych Funk is a very apt description to pretty
much all of the music in the set – with that sinister guitar groove, funky bass and
rollicking drums. The vocals range from the soul funk school – especially the couple of
tracks sung by Linnie Walker (the sister of Black Merda members Charles and Anthony
Hawkins) – to more psychedelia-learned phrasings – not unlike early Parliament!
Tracks include an alternate versions of the Black Merda tunes "Cynthy-Ruth" and
"Reality", "People Let Me Know" and "Darn Well" featuring vocals by Linnie Walker,
the Soul Agents excellent funk version of "Foxy Lady", and the VC Veasey tracks "Do
Nothing Wrong" and "Original Man". © 1996-2013, Dusty Groove, Inc.

1. Cynthy-Ruth (Alternate Take) (2:58)


2. People Let Me Know (3:14)
3. Foxy Lady (3:35)
4. Got Me Running (2:48)
5. As Sisters And Brothers (4:41)
6. We've Got The Power (6:26)
7. Reality (Alternate Take) (2:00)
8. Darn Well (3:13)
9. Foxy Lady (Instrumental) (3:14)
10. Do Nothing Wrong (4:48)
11. The Original Man (3:42)
Black Merda - Collection.
Black Merda (pronunciada "Black Murder") é uma banda de Rock,
funk, funk rock, soul psicodélico formada em Detroit, Michigan,
iniciou seu trabalho no inicio dos anos 60, parou da década de 70 e
voltou a se reunir em 2005, os membros da banda são o guitarrista
Anthony Hawkins, o baixista VC L. Veasey e guitarrista Charles
Hawkins , mais o baterista Tyrone Hite.

Anthony Hawkins e VC Lamont Veasey eram amigos de infância e


conheceram Tyrone no ginásio em Detroit no inicio dos anos 60.
Hawkins e Veasey trabalhavam com frequência como músicos em
Detroit para empresas como Fortune Records, Golden World Studios e
com o produtor Don Davis, enquanto Hite trabalhava em sessões
originalmente como cantor antes de assumir o comando da bateria.

Hawkins, Veasey e Hite inicialmente formaram em uma banda


chamada The Impacts, com outros músicos de soul e R&B filiados ao
Motown e Brunswick Records e em 1965 foram chamados para o
single de Edwin Starr - "Agent Double-O Soul". Starr os contratou
permanentemente como banda de apoio renomeando-os para Soul
Agents e nesse período Victor Stubblefield e Gus Hawkins se
juntaram a eles em algumas apresentações, em 1967 o Soul Agents
gravou com Starr os singles "Twenty Five Miles" e "War".

Hawkins e Veasey (que escreviam musicas juntos desde os 14 anos)


também participaram em 67 das composições “I Will Fear No Evil” de
Robert Ward (produzida por Don Davis) e "My Love Is Strictly
Reserved For You.".
Hawkins, Veasey, and Hite (enquanto trabalhavam com Starr)
começaram a sofrer influencias do Cream, The Who e Jimi Hendrix e
se afastaram do R&B . Ainda conhecidos como Soul Agents, em 1967
o trio fez o que até hoje é conhecido como primeiro cover de “Foxy
Lady” do Hendrix, hoje essa gravação é considerada item de
colecionador. Durante esse período, Charles Hawkins, irmão mais
novo de Anthony, entrou para a banda como segundo guitarrista.

O quarteto continuou a trabalhar com Edwin Starr, como Soul Agents,


Starr aprovou a mudança do som para uma base psicodélica com
rock e funk. Mas em 68 eles decidiram criar uma nova identidade,
mudando para uma banda independente considerando um novo
nome: Murder Incorporated, remetendo a uma organização criminal,
mas mudaram para Black Murder em decorrência aos violentos
eventos da época realizados pela comunidade afro-americana.
Refletindo a respeito da quantidade de jovens mortos pela Ku Klux
Klan em Detroit e no sul do país, Veasey queria um nome chocante
para a banda, que lembrasse o publico a terrível situação, mais tarde
mudaram para Black Merda, como uma gíria utilizada na época pelos
Afro Americanos.

Black Merda continuou por mais um tempo com Starr, tocando


também com Temptations em 69 e Eddie Kendricks do Temptations
resolveu produzir a carreira independente da banda, durante esse
período eles tocaram com o cantor Ellington Fuji Jordan gravando o
single “Mary Don´t Take Me on No Bad Trip, lançado pela Chess
Records se um dos mais populares singles da época em Detroit, mas
o Black Merda não recebeu os créditos pela gravação. Marshall Chess
da Chess Records , estava interessado em ampliar sua conhecida
dedicação do rótulo de blues, soul e jazz com mais rock e sons
experimentais, Chess lançou o primeiro álbum do Black Merda em
1970 e a banda rapidamente se tornou conhecida pela sua
combinação de black rock e funk pesado, mas o álbum sofreu pela
falta de promoção e em 1972 lançaram seu segundo álbum pela
subsidiaria de Cheess, a Janus Records, e na capa o nome da banda
foi alterado para Mer-Da, o segundo álbum também sofreu com a
falta de divulgação e os membros da banda se separaram,
retornando para o R&B.

Em 2005 o selo Funky Delicacies lançou uma compilação do Black


Merda - The Folks From Mother´s Mixer e graças a a essa compilação
e uma nova atenção ao trabalho da banda, renasceu o interesse sob
o black rock do inicio dos anos 70e os irmão Hawkins, juntamente
com Veasey reuniram-se em 2005, participando de festivais em
Detroit e também no Central Park Summer Stage em NY, assim como
no Ottawa Blues Festival em 2006
Uma compilação de raridades intitulada The Psych-funk of Black
Merda foi lançada em 2006, assim como os novos álbuns Renaissane
e em 2009 lançaram Force of Nature. Em 2007 o Detroit Metro Times
incluiu a música Cynthy-Ruth como uma das melhores canções de
Detroit e em 2010 o seu álbum de estreia foi considerado o „maior
sucesso que Detroit deveria ter”.

Integrantes.

Atuais.

VC L. Veasey (aka The Mighty V !) (Guitarra, Baixo, Vocais


Secundários)
Bobby Smith (Bateria)
Charles Hawkins (aka Charlie Hawk) (Vocais, Guitarra)
Anthony "Wolf" Hawkins (Vocais, Guitarra)
Terry "Thunder" Hughley (Bateria)
Kenny Tudrick (Bateria)
Robert Jones (Teclas)

Ex-Integrante.

Tyrone "Snake" Hite (Vocais, Bateria, R.I.P 2004)

Senha dos Arquivos: muro

Password Files: muro

Como Baixar / How To Download.

Álbuns.

Fuji featuring Black Merda - Mary, Don't Take Me On No Bad Trip


(1968)
01. Revelations
02. Mary, Don't Take Me on No Bad Trip
03. I'd Rather Be a Blind Man
04. Can't You Hear Me Call You, Woman
05. Save A Little
06. Jo-Jo
07. Red Moon
08. Sweet Sweet Lady
09. Revelations (Previously Unreleased Take)

Link.

Black Merda (1970)

01. Prophet
02. Think of Me
03. Cynthy-Ruth
04. Over And Over
05. Ashamed
06. Reality
07. Windsong
08. Good Luck
09. That's The Way It Goes
10. I Don't Want To Die
11. Set Me Free

Link.

Long Burn the Fire (1972)

01. For You


02. The Folks from Mother's Mixer
03. My Mistake
04. Lying
05. Long Burn the Fire
06. Sometimes I Wish
07. I Got a Woman
08. We Made Up

Link.

The Folks From Mother's Mixer 1970-1972 (2005)


01. Prophet
02. Think of Me
03. Cynthy-Ruth
04. Over and Over
05. Ashamed
06. Reality
07. Windsong
08. Good Luck!
09. That's the Way It Goes!
10. I Don't Want to Die!
11. Set Me Free!
12. For You
13. The Folks From Mother's Mixer
14. My Mistake!
15. Lying
16. Long Burn the Fire!
17. Sometimes I Wish!
18. I Got a Woman
19. We Made Up!

Link.

The Psych-Funk of Black Merda, Rarities 1970 (2006)


01. Cynthy-Ruth (Alt Take)
02. People Let Me Know (As Linnie Walker w Black Merda)
03. Foxy lady (As The Soul Agents)
04. Got Me Running (As VC L. Veasey)
05. As Sisters and Brothers (As VC L. Veasey)
06. We've Got The Power (As VC L. Veasey)
07. Reality (Alt Take)
08. Darn Well (As Linnie Walker w Black Merda)
09. Foxy Lady (Instrumental, As The Soul Agents)
10. Do Nothing Wrong (As VC L. Veasey)
11. The Original Man (As VC L. Veasey)

Link.