Você está na página 1de 133

COMANDOS

HIDRÁULICOS
Prof. Mara Nilza Estanislau Reis
O que se entende por Hidráulica?
Por hidráulica entende-se a produção, transmissão e controle
de forças e movimentos através de fluido hidráulico (óleos
minerais e sintéticos).
Os fluidos hidráulicos representam o meio de transmissão da
força.
Os sistemas hidráulicos são utilizados na indústria, nas
instalações de produção modernas.
Leis físicas fundamentais da hidráulica

Ciência dos líquidos sob pressão Ciência dos líquidos em


(a energia é transmitida movimento (a energia é
empurrando um líquido transmitida pelo impacto do
confinado) fluido em movimento contra
lâminas ou palhetas)
Força = pressão * área Força = massa * aceleração
Os sistemas hidráulicos podem ser basicamente diferenciados
entre:

• Hidráulica estacionária: onde a energia primária é geralmente


elétrica, e as instalações são estacionárias. Cuida de máquinas e
sistemas hidráulicos utilizados nas indústrias, tais como
máquinas injetoras, prensas, retificadoras, fresadoras, tornos,
etc.
• Hidráulica móbil: onde a energia primária utilizada é gerada no
local, pois as aplicações são “móveis” (em geral, a energia
mecânica é criada a partir de motores de combustão interna).
Cuida dos mecanismos hidráulicos existentes nos sistemas de
transportes e cargas como caminhões, automóveis,
locomotivas, navios, aviões, moto niveladoras, basculantes, etc.
Hidráulica estacionária
Hidráulica estacionária
• Máquinas de produção
e montagem de todos os
tipos;
• Linhas de transferência;
•Máquinas de elevação e
transporte;
• Pontes rolantes;
• Elevadores;
• Máquinas de injeção e
moldagem;
• Prensas.
Hidráulica móbil
Hidráulica móbil
• Sistemas basculantes,
plataformas elevatórias;
• Máquinas de transporte e
elevação;
• Equipamentos de
construção;
• Equipamentos Agrícolas;
• Aviões;
• Navios;
• Mecânica automobilística.
Hidráulica móbil – Comparativo de
tamanho
Acionamento de 100 quilowatts

Ótima relação PESO x POTÊNCIA


Formas de energia para técnicas de
automação
Seleção
Para a escolha correta, devem ser levados em conta os seguintes parâmetros:

• Segurança de funcionamento;
• Custo de energia;
• Durabilidade;
• Força;
• Velocidade;
• Precisão.
Tecnologias para transmissão de energia
Mecânica Hidráulica Pneumática

• Boa força; • Ótima força; • Força limitada;


• Ótimas velocidades; • Baixas velocidades; • Boas velocidades;
• Ótima precisão. • Boa precisão. • Precisão limitada.
Vantagens da hidráulica
• Transmissão de grandes forças usando pequenos componentes;
• Posicionamento preciso;
• Capacidade de vencer a inércia de grandes cargas;
• Operação suave e reversa;
• Controle e regulagem;
• Dissipação favorável ao calor;
• Proteção contra sobrecarga;
• Auto lubrificante;
• Parada instantânea.
Desvantagens da hidráulica
• Poluição do meio ambiente em caso de vazamento;
• Perigo resultante de pressão excessiva;
• Sensível a variações de temperatura;
• Alteração na viscosidade;
• Risco de incêndio;
• Sensível a sujeira;
• Custo inicial elevado;
• Difícil manutenção dos componentes devido a sua precisão, dimensão e peso;
• Energia hidráulica não deve ser transmitida por grandes distâncias.
Classificação
Quanto a pressão: Quanto ao tipo de bomba:
 00 – 14 bar = baixa pressão;  Vazão constante;
 14 – 35 bar = média pressão;  Vazão variável.
 35 – 85 bar = média-alta pressão;
 85 – 210 bar = extra alta pressão. Quanto ao controle de direção
 Controlado por válvulas;
Quanto a aplicação:  Controlado por bombas reversíveis.
 Pressão contínua;
 Pressão intermitente.
O que é força?
Força é toda a causa capaz de modificar o estado de repouso ou movimento de um
corpo.
O que é pressão?
Pressão é a relação entre a força dividida pela área onde está sendo aplicada.
Variação de área
O que ocorre com a pressão quando há variação de área?
Pressão hidrostática
É a pressão que atua sobre a superfície do fundo de um recipiente cheio, e depende
da altura do fluido existente no recipiente e não depende do tipo de recipiente usado.

Isto quer dizer que a forma do recipiente não importa, somente a altura do fluido é
determinante para a pressão. E isto representa também, que a pressão no recipiente
é maior embaixo do que na superfície.
Se a pressão atua sobre áreas iguais (A1 = A2 = A3), então as forças daí resultantes
também serão iguais (F1 = F2 = F3).
Todo corpo exerce uma pressão específica em sua base. O valor da pressão
dependente da força peso (F) do corpo e do tamanho da área (A) em que é aplicada
esta força.
• Quanto maior a área (A1) de contato para uma força aplicada, menor será a pressão
nessa área.
• Quanto menor a área (A1) de contato para uma força aplicada, maior será a pressão
nessa área.
Lei de Stevin – Pressão Hidrostática
Gráfico das pressões
Patm = 1 atm
Patm = 1,013 bar
Patm = 1 kgf/cm²
Patm = 101,3 kPa
Patm = 14,7 psi
Patm = 760 mmHg
Transmissão de pressão – Lei de Pascal
“A pressão exercida em um ponto qualquer de um líquido estático é a mesma em todas
as direções e exerce forças iguais em áreas iguais.”
Transmissão de pressão (por forças
externas)
A atuação de uma força sobre um
fluido em estado de repouso
converge para todas as direções
dentro deste mesmo fluido.

Então, quais os valores das


pressões em: A, B e C?

Se a força F1 que atua sobre a área A1, com líquido incluso, uma pressão p é
produzida e se estende através de todo o líquido (Lei de Pascal).
A mesma pressão se aplica a todo ponto do sistema fechado.
Multiplicação da força
Transmissão de força – Exemplo
1000 kg
Multiplicação de força – Exemplo
Multiplicação de força – Conservação de
energia

O trabalho realizado pelo cilindro a


esquerda será o mesmo realizado pelo
cilindro a direita.
W1 = W2, portanto:
F1s1 = F2s2

v1 = v2 = volume
A1s1 = A2s2
Multiplicação de pressão: Atuador de
dupla ação
Multiplicação de pressão – comparando
num atuador hidráulico
Como é gerada a pressão?
A pressão resulta da restrição ou resistência oferecida ao fluxo do fluido
ou da resistência à força que tenta fazer o líquido fluir. A resistência é
função de:

• Da carga de um atuador;
• De uma restrição (ou orifício) na tubulação;
• Estreitamento da passagem ou de obstáculos nos elementos de
trabalho e nas seções de passagem cos condutores e aparelhos.
Fluxo em paralelo
1. O óleo pode escoar por 3 vias.
2. Ele escoará primeiro por “A”, porque é requerida uma pressão de apenas 7 bar, o
manômetro junto à bomba, acusará uma pressão de 7 bar.
Fluxo em paralelo
Fluxo em série
Vazão x Velocidade

Velocidade!

Q – vazão [m³/s];
V – volume [m³];
t – tempo [s];
A – área [m²];
s – distância [m];
v – velocidade [m/s].
Leis da vazão – fluido em movimento
(dinâmico)
Vazão é o volume de líquido fluindo através de um tubo em um período de tempo.
Dentro de um tubo de diferentes secções transversais, correm ao mesmo tempo
volumes iguais. Isto significa que a velocidade da vazão do fluido tem que se elevar no
ponto estreito (2).
Velocidade x Vazão
Velocidade – fluido em movimento
(dinâmico)
Geralmente, a faixa de velocidade recomendada pelo fabricante para a tubulação é:

VICKERS
• Linha de sucção = 6 a 12 dm/s
• Linha de pressão e retorno = 20 a 60 dm/s

RACINE (BOSCH)
• Sucção e preenchimento: 60,96 a 121,92 cm/s
• Retorno: 304,8 a 457,20 cm/s
• Para pressão abaixo de 210 bar: 762,2 a 914,14 cm/s
• Para pressão acima de 210 bar: 457,2 a 509,6 cm/s
Perda por atrito e pressão

A energia hidráulica, no entanto, não passa através de uma


tubulação sem apresentar perdas. Nas próprias paredes do tubo
e no fluido em si, ocorre atrito o qual gera calor. A perda
ocorrida de energia hidráulica significa para as instalações
hidráulicas uma perda de pressão.
A perda de pressão ou diferença de pressão - vem indicada por
Δp. Quanto maior se torna o atrito das camadas de fluido umas
contra as outras (atrito interno) tanto maior se torna a
viscosidade (tenacidade) do fluido).
A determinação da perda de carga é importante para saber se a
pressão fornecida ao sistema é ou não suficiente para aquilo
que o sistema se propõe.
As restrições contribuem grandemente para a perda de carga
no sistema e consequentemente aquecimento do óleo.
O atrito cria turbulência no fluido oferecendo resistência ao
fluxo, o que resulta numa queda de pressão ao longo da linha. O
ideal para circuitos óleo hidráulicos é que o regime de
escoamento seja laminar (Re menor que 2000).
Perda por atrito e pressão
A extensão das perdas por atrito depende predominantemente de:
• Comprimento da tubulação;
• Diâmetro da tubulação;
• Rugosidade da parede da tubulação;
• Número de curvas (restrições) na tubulação;
• Velocidade de escoamento;
• Viscosidade do fluido.
Determinação do fator “f”
Fluxo laminar e turbulento
O tipo de fluxo é igualmente importante para a perda de energia em uma instalação
hidráulica.
E dois são os tipos:
Potência hidráulica
Eficiência dos sistemas hidráulicos
Funções do óleo hidráulico
• Transferência de pressão;
• Lubrificação das partes móveis dos elementos;
• Remoção de impurezas;
• Proteção das partes metálicas contra corrosão;
• Vedação das folgas entre as peças;
• Dissipação do calor gerado;
• Transmissão de sinais.
Fluido hidráulico ideal
• Deve ser incompressível;
• Ser bom lubrificante;
• Possuir mínima variação de viscosidade em uma faixa de temperatura muito ampla;
• Ter um ponto de fluidez extremamente baixo;
• Ser quimicamente estável em serviços mesmo em altas temperaturas e proteger as
superfícies metálicas da corrosão;
• Não ser tóxico;
• Baixo custo e grande disponibilidade;
• Liberar ar instantaneamente e se separar rapidamente da água;
• Não ser inflamável.
Requisitos dos fluidos hidráulicos
• Avaliar pressão de trabalho acima de 200 bar, com 400 bar a viscosidade
é dobrada;
• Avaliar a compatibilidade de matéria óleo x equipamentos;
• Estabilidade ao cisalhamento;
• Resistência contra a solicitação térmica;
• Resistência a solicitação oxidante;
• Baixa taxa de compressibilidade (0,7 a 0,8% a cada 100 bar);
• Baixa expansão por temperatura;
Requisitos dos fluidos hidráulicos
• Baixa formação de espuma;
• Baixa absorção de ar e boa eliminação de ar;
• Alto ponto de ebulição e baixa pressão de vapor;
• Alta densidade (0,86 a 0,9 g/cm³);
• Boa condutibilidade térmica;
•Boa característica dielétrica (não conduzir corrente elétrica);
•Não higroscópico (não atrair umidade).
Fluido Hidráulico
Tipos de acordo com DIN 51524 e DIN 51525.
HL, HLP e HV
H – óleo hidráulico.
L – aditivo para aumentar a proteção contra corrosão e/ou prolongar estabilidade.
P – aditivo para reduzir e/ou aumentar habilidade de carregamento de carga.

Tipos de acordo com DIN 51524 e DIN 51525


V – onde a interferência sobre a viscosidade é mínima, para equipamentos onde há
oscilações consideráveis de temperatura.
Visão geral dos fluidos de pressão – DIN
51524/25
Fluido hidráulico
• HL – proteção anticorrosiva, resistência ao envelhecimento; para
equipamentos que possuem elevados esforços térmicos e problemas de
entrada de água no sistema;
• HLP – grande resistência ao desgaste; sujeitos à maiores esforços de
pressão.
• HV – fluidos onde a interferência sobre a viscosidade é mínima; para
equipamentos onde há oscilações consideráveis de temperatura.
Propriedades do óleo hidráulico

• Incompressibilidade:
Aproximadamente 0,7% do volume para cada acréscimo de pressão igual
a 100 bar;
Dependência: maior da pressão e menor da temperatura.
Propriedades do óleo hidráulico
• Ar dissolvido:
Aproximadamente 9% (em condições atmosféricas normais);
Dependência: pressão, temperatura e tipo de óleo;
O ar dissolvido não influencia na incompressibilidade do óleo.
Se um recipiente com fluido hidráulico que foi exposto à atmosfera for
colocado num a câmara de vácuo (zona de depressão), o ar dissolvido
borbulha para fora do óleo.
Propriedades do óleo hidráulico

• Ponto de inflamação:
Temperatura na qual se forma vapores de óleo que em mistura com o ar
podem queimar em contato com um ponto de ignição;
De 180°C à 200°C (Temperatura aproximada de operação é 60°C).
Propriedades do óleo hidráulico

• Ponto de combustão:
Temperatura na qual a superfície do óleo queima espontaneamente em
contato com o ar.
Aproximadamente 40°C maior que o ponto de inflamação.
Propriedades do óleo hidráulico

• Ponto de solidificação:
Temperatura na qual, sob a influência da gravidade, o óleo deixa de fluir.
De-10°Cà-15°C.
Densidade e Peso específico
Viscosidade
A viscosidade é a medida de resistência ao fluxo das moléculas de um líquido quando
elas deslizam umas sobre as outras. É uma medida inversa à da fluidez.
A ISO define viscosidade como “viscosidade cinemática”[mm²/s].
A viscosidade de um fluido é determinado por um ensaio padronizado.
Viscosidade
Baixa viscosidade Alta viscosidade
• Pequenas perdas de carga;
• Pequenas perdas por fuga
• Estado favorável ao
(vazamentos);
Vantagens escoamento;
• Bom poder lubrificante.
• Boa sensibilidade de reação.

• Grandes perdas de carga (perdas


• Altas perdas de fuga
de pressão e aumento na
(vazamentos);
temperatura);
• Redução do poder
Desvantagens • Estado desfavorável ao
lubrificante (espessura
escoamento;
reduzida da película
• Reação retardada (retardos de
lubrificante).
acionamento).
Cadeia de comandos - Elementos do
Sistema Hidráulico
Elementos de trabalho

Elementos de comando e controle

Elementos de Produção,
Tratamento e Distribuição
A cadeia de comando hidráulico deve ser representado na
disposição do fluxo de sinais que é de baixo para cima. A
alimentação é um fator importante e deve ser representada. É
recomendável representar elementos necessários à
alimentação na parte inferior e distribuir a energia.
Sistemas de geração de energia é composto da Unidades Hidráulicas que
são máquinas destinadas a comprimir o óleo até uma pressão de
trabalho desejada.
Sistema de distribuição e controle são válvulas que servem para orientar
os fluxos de óleo, impor bloqueios, controlar suas intensidades de vazão
ou pressão.
Sistemas de aplicação de energia são os atuadores cujo a função é
transformar a energia hidráulica em movimento e força.
Esses movimentos podem ser lineares, rotativos ou oscilantes.
Sistema hidráulico hidrostático
Circuito hidráulico básico
Grupo de acionamento com
reservatório
1 - Filtro de ar
2 - Escotilha para manutenção
3 - Tubo de aspiração com filtro
4 - Parafuso de drenagem
5 - Visor de controle para nível
6 - Tubo de retorno
7 - Placa para evitar movimento do
líquido (chicana)
8 - Bomba
9 - Câmara de aspiração
10 - Câmara de retorno
11 - Corte de Besel
Funções

• Reservar o fluido hidráulico;


• Suporte para bomba e motor e outros
componentes;
• Separar o ar, a água e materiais sólidos;
• Dissipar o calor.
Grupo de acionamento
Regra geral:
V (volume do reservatório em litros) = Q (l/min) x 2 a 3 (min)
Quais os prejuízos causados pela
contaminação?
1. Perdas de produção;
2. Parada de máquina;
3. Custo de reposição de equipamento;
4. Custo com compras urgentes;
5. Desgaste prematuro dos equipamentos;
6. Custo com troca de fluido.
Quais os tipos de contaminantes?
Tipos de contaminação Efeito

Gasosa Líquida Sólida

Ar Água • Óxido de ferro


Extremamente danoso
• Partículas de ferrugem

• Ferro
• Aço
• Latão Muito danoso
• Bronze
• Alumínio

• Tecidos duros
• Fibras
• Desgastes de vedação
• Partículas de borracha
Pouco danoso
vindas de mangueiras
• Partículas de pintura
• Produtos de oxidação
do fluido hidráulico
Quais as fontes de contaminação?
1. Haste de cilindros;
2. Montagem;
3. Contaminação inicial;
4. Contaminação interna;
5. Desgaste;
6. Óleos novos;
7. Reparos.
Qual o nível adequado? Classe de pureza Grau de filtr.
até Absoluto
Componentes Hidráulicos
NAS ISO DIS recomendad
1638 4406 o [µm]
Bombas de engrenagens 9 21/18/15 10
Cilindros 9 21/18/15 10
Válvulas direcionais 9 21/18/15 10
Válvulas lim. de pressão 9 21/18/15 10
Válvulas estranguladoras 9 21/18/15 10
Bomba de pistões 9 21/18/15 10
Bombas de palhetas 6-8 19/16/13 5
Válvulas proporcionais 6-8 19/16/13 5
Servo válvulas 4 16/13/10 3
Servo cilindros 4 16/13/10 3
Filtragem – localização comparativo
Componente Tarefa
No corpo humano No sistema hidráulico No corpo humano No sistema hidráulico
Brônquios Filtro de ar Filtração e limpeza do ar aspirado e expelido
Rim Filtro de retorno Separação de partículas sólidas e água
Filtro de proteção para organismos respecivamente. Componentes
Fígado Filtro de pressão
na sequencia
Geração de pressão e fluxo volumétrico, necessários para
Coração Bomba
organismos/ sistemas
Cérebro Comando Responsável para o total funcionamento do corpo/ sistema
Diálise Filtro de fluxo secundário Separação de partículas solidas e água
Transp. de energia, eliminação
Alimentação dos organismos e
Sangue Fluido hidrául. Operacional de temperatura, redução de
eliminação de impurezas
atrito
Sistema de informação sobre o Sensores sobre pressão,
Sistema de nervos Monitoramento
estado dos organismos temperatura, nível de tanque
1. Filtro de retorno;
2. Filtro de ventilação;
3. Filtro de sucção;
4. Bomba hidráulica;
5. Refrigerador;
6. Bomba hidráulica;
7. Filtro de alta pressão;
8. Filtro de escoamento secundário;
9. Interruptor de depressão.
Filtragem – filtro de superfície
Filtragem do óleo - Filtro
Localização dos filtros:

• Linha de pressão;
• Linha de sucção;
• Linha de retorno;
• Filtragem externa

A localização depende da função que o mesmo irá exercer, pois o filtro poderá
trabalhar da maneira mais adequada à proteção que ele proporciona ao sistema.
Tipos de Filtragem

Sucção -100 a 150 microns


Retorno -40 a 80 microns
Pressão -0,1 a 20 microns
Filtros de sucção

Vantagens Desvantagens
• A montagem é no local mais
difícil do equipamento
• Montagem simples hidráulico;
• Preço • Pouca possibilidade de
• Ele protege todos os manutenção
componentes hidráulicos • Devido a perigo de cavitação,
contra contaminação por só é possível filtragem de
partículas grandes grandes partículas
• 100 a 150 µm
Filtros de linha (pressão)

Vantagens Desvantagens

• Precisa ser robusto (suportar


• Poderá ser montado
pressão;
diretamente antes de
• O elemento precisa estar
componentes sensíveis;
previsto para um alto
• Filtragem bem fina;
diferencial de pressão;
• Manutenção simples;
• Conforme a resistência à
• Longa vida útil-Não provoca
vazão, a potência é
nenhuma cavitação na
convertida em calor;
bomba.
• 0,1 a 20 µm.
Bombas Hidráulicas

Transformam a energia mecânica (motor de


acionamento) em energia hidráulica (transmissão de
pressão através do fluxo).
Dois grandes tipos:
• Bombas de deslocamento não-positivo ou hidrodinâmicas: por
exemplo, as centrífugas, são usadas normalmente na transferência de
fluidos, onde a resistência ao escoamento é provocada apenas pelo peso
do fluido e pelos atritos consequentes ao escoamento. Não existe uma
vedação positiva entre os pórticos de entrada e de saída e as capacidades
de pressão dependem da velocidade de giro. Embora estas bombas
forneçam um fluxo suave e contínuo, sua vazão diminui quando a
resistência aumenta.
Bombas de deslocamento positivo ou
volumétricas
Uma vedação mecânica separa a entrada e saída da bomba, e o volume
de fluido succionado é transferido para o lado de saída e fornecido para o
sistema. A sucessão de pequenos volumes de fluidos transferidos dessa
forma proporciona uma vazão bem uniforme, independente do aumento
de pressão no sistema, tendo-se assim, uma quantidade de fluido
positiva que é transferida ao mesmo sistema por unidade de revolução
ou curso.
Bombas hidráulicas de deslocamento
positivo
São bombas que têm as câmaras de sucção e descarga vedadas entre si.

FIXO VARIÁVEL
Critério de seleção de bombas
hidráulicas
Para a escolha correta de uma bomba hidráulica, deve-se levar em consideração:
• Pressão máxima de operação;
• Vazão máxima;
• Nível de pulsação;
• Vazão fixa ou variável;
• Tamanho e tipo construtivo;
• Rendimento;
• Nível máximo de sub pressão na entrada;
• Tipo de regulagem (bombas de vazão variável);
• Tipos de fluido a ser utilizado;
• Nível de ruído.
Vantagens

• Capacidade de altas pressões;


• Pequena dimensão;
• Grande eficiência volumétrica;
• Pequenas variações do rendimento com a variação da pressão;
•Boa flexibilidade.
Quem alimenta a bomba?
Diferença de pressão entre o reservatório e sua entrada. É necessário
criar um vácuo parcial ou uma pressão reduzida para que haja fluxo.

A pressão aplicada ao líquido pela atmosfera é usada em duas fases:


1. Suprir o líquido à entrada da bomba;
2. Acelerar o líquido e encher o rotor que está operando a alta
velocidade.