Você está na página 1de 88

ESTRUTURA DO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

@taisflor professorataisflores
REGIMENTO INTERNO?

1º 2º 3º
ESTRUTURA DO TRAMITAÇÃO PROCEDIMENTOS
TRIBUNAL DOS FEITOS DO TRIBUNAL
ESTRUTURA DO
TRIBUNAL
Art. 1º a 45
TJ
TRIBUNAL DE
TURMAS
JUSTIÇA
RECURSAIS
MILITAR

CONSELHOS
JUIZADOS JUIZ DE TRIBUNAL
PRETOR JUSTIÇA
ESPECIAIS DIREITO DO JURI
MILITAR
2º GRAU DE

TJ
JURISDIÇÃO

COJE
1º GRAU DE
Comarcas JURISDIÇÃO
2º GRAU DE
JURISDIÇÃO

CNJ
1º GRAU DE
JURISDIÇÃO
Comarcas
TJ 2º GRAU DE
JURISDIÇÃO

RI
1º GRAU DE
JURISDIÇÃO
TRIBUNAL
170 Desembargadores
PLENO
Presidente
ÓRGÃO 25 12 + antigos 5
ESPECIAL Desembargadores 12 eleitos Art. 94, CF

SEÇÃO SEÇÃO
CÍVEL CRIMINAL

DIREITO
PÚBLICO

DIREITO
PRIVADO
TRIBUNAL
PLENO 170 Desembargadores

SEÇÃO SEÇÃO
CÍVEL CRIMINAL
25 Câmaras 8 Câmaras
DIREITO
7 Câmaras
PÚBLICO

DIREITO 18 Câmaras
PRIVADO
ÓRGÃO
PLENO
ESPECIAL

SEÇÃO GRUPOS

CÂMARAS
Art. 3° O Tribunal de Justiça é
constituído de 170 (cento e
setenta) Desembargadores,
tem sede na Capital e
jurisdição no território do
Estado.
TRIBUNAL COMAG
PLENO

ÓRGÃO
ESPECIAL

SEÇÃO SEÇÃO
CÍVEL CRIMINAL
23ª e 24ª
DIREITO 25ª Câmara DIREITO Câmara
PÚBLICO PRIVADO

11º 10º
1º GRUPO 2º GRUPO 3º GRUPO 4º GRUPO 5º GRUPO 6º GRUPO 7º GRUPO 8º GRUPO 9º GRUPO 1º Grupo 2º Grupo 3º Grupo 4º Grupo
GRUPO GRUPO

21ª 11ª 13ª 15ª 17ª 19ª


1ª Câmara 3ª Câmara 5ª Câmara 7ª Câmara 9ª Câmara 1ª Câmara 3ª Câmara 5ª Câmara 7ª Câmara
Câmara Câmara Câmara Câmara Câmara Câmara

22ª 10ª 12ª 14ª 16ª 18ª 20ª


2ª Câmara 4ª Câmara 6ª Câmara 8ª Câmara 2ª Câmara 4ª Câmara 6ª Câmara 8ª Câmara
Câmara Câmara Câmara Câmara Câmara Câmara Câmara
TRIBUNAL
PLENO

Órgão
Especial

Seção Seção
Cível Criminal

Direito
Público

Direito
Privado
SEÇÃO
CÍVEL

DIREITO
PÚBLICO

11º
1º GRUPO 2º GRUPO
GRUPO

21ª 25ª
1ª Câmara 3ª Câmara
Câmara Câmara

22ª
2ª Câmara 4ª Câmara
Câmara
Turmas
SEÇÃO Grupos
CÍVEL Câmaras Cíveis Separadas

3 Grupos Cíveis
de Direito Público
25ª Câmara Cível
8 Grupos Cíveis
de Direito Privado
23ª e 24ª Câmara Cível
Turmas
SEÇÃO Grupos
CÍVEL Câmaras Cíveis Separadas

de Direito Público 2 turmas de julgamento

de Direito Privado 3 turmas de julgamento


 As sessões dos Grupos Cíveis - com o quórum mínimo de 5
julgadores, incluindo o Presidente, para o funcionamento -,
são presididas pelo Desembargador mais antigo presente.
 Ocorrendo empate, suspende-se o julgamento, que
prosseguirá com a tomada dos votos dos Desembargadores
ausentes à sessão, que não estejam afastados, a qualquer
título, por período superior a 61 dias; persistindo o empate,
o julgamento será ultimado sob a presidência, com voto de
desempate, do 1º Vice-Presidente ou do 3º Vice-
Presidente, nas sessões dos Grupos Cíveis de Direito
Público ou dos Grupos Cíveis de Direito Privado,
respectivamente.
Grupos Cíveis MS/HD/MI
do COMAG ou de seu dos Secretários de Estado;
Presidente e das do PGJ, do Colégio de Procuradores e de
Comissões de seu Órgão Especial, do CSMP, do CG-MP e
Concursos e do da Comissão de Concurso para o cargo de
CORAD e de seus Promotor de Justiça;
Presidentes; do PGE e da Comissão de Concurso para o
do Corregedor-Geral cargo de Procurador do Estado;
da Justiça e das do TCE e de seu Presidente e da Comissão
Câmaras Separadas de Concurso para o cargo de Auditor;
das Comissões da ALRS e respectivos
Presidentes;
DIREITO
PRIVADO

10º
3º GRUPO 4º GRUPO 5º GRUPO 6º GRUPO 7º GRUPO 8º GRUPO 9º GRUPO
GRUPO

11ª 13ª 15ª 17ª 19ª 23ª 24ª


5ª Câmara 7ª Câmara 9ª Câmara Câmara Câmara
Câmara Câmara Câmara Câmara Câmara

10ª 12ª 14ª 16ª 18ª 20ª


6ª Câmara 8ª Câmara
Câmara Câmara Câmara Câmara Câmara Câmara
SEÇÃO
CRIMINAL

1º Grupo 2º Grupo 3º Grupo 4º Grupo

1ª Câmara 3ª Câmara 5ª Câmara 7ª Câmara

2ª Câmara 4ª Câmara 6ª Câmara 8ª Câmara


GRUPOS
Composição 2 Câmaras
Quórum mínimo 5 julgadores
Suspende o julgamento, até a
Empate tomada dos votos dos
ausentes
Voto de desempate Vice-presidência
CÂMARAS
Composição Até 5 julgadores
Participam do julgamento 3 julgadores
Presidência Desembargador + antigo
Funcionamento pelo menos 3 membros
CÂMARAS

Cíveis Criminais
25 8
Cíveis 25 x 5 125
Criminais 8x5 40
Nº DE DESEMBARGADORES 165
ÓRGÃOS DE
DIREÇÃO E 05 170
FISCALIZAÇÃO
Presidente
ÓRGÃOS 1º Vice-presidente
DE 2º Vice-presidente
DIREÇÃO 3º Vice-presidente
Corregedor-Geral de Justiça
CÂMARAS ESPECIAIS
 poderão ser criadas por ato regimental do
Tribunal Pleno, que disporá a respeito de sua
competência, composição e funcionamento.
 poderão ser constituídas tantas Câmaras Especiais
quantas forem necessárias, por deliberação do
Órgão Especial.
CÂMARAS DA FUNÇÃO DELEGADA
DOS TRIBUNAIS SUPERIORES
 compõe-se dos três Vice-Presidentes
 presidida pelo 1º Vice-Presidente
 se não puder funcionar por falta de quórum,
serão convocados Desembargadores do Órgão
Especial na ordem de antiguidade.
CÂMARAS DA FUNÇÃO DELEGADA
DOS TRIBUNAIS SUPERIORES
 julga os recursos das decisões dos Vice-Presidentes proferidas nos
recursos extraordinário e especial
 Julga as reclamações destinadas a dirimir divergência entre acórdão
prolatado por Turma Recursal Estadual e a jurisprudência do Superior
Tribunal de Justiça, consolidada em incidente de assunção de
competência e de resolução de demandas repetitivas, em
julgamento de recurso especial repetitivo e em enunciados das
Súmulas do Superior Tribunal de Justiça, bem como para garantir a
observância de precedentes.
TURMAS
Composição Câmaras da sua área
Presidência Vice-presidente
Quórum de reunião 2/3 membros
As Turmas são presididas pelo 1º Vice-Presidente ou pelo
Desembargador mais antigo presente, serão constituídas
pelas Câmaras Cíveis integrantes de sua área de
especialização e reunir-se-ão com a presença mínima de
dois terços de seus membros.

O 1º Vice-Presidente proferirá voto apenas para efeito de


desempate ou quando o cômputo de seu voto for passível
de formação da maioria absoluta para uniformização de
jurisprudência.
Câmaras
Turmas criminais de sua
área

SEÇÃO Grupos Criminais


4 grupo com 2
CRIMINAL Câmaras cada

Câmaras
8 Câmaras
Criminais
Criminais
Separadas
TURMAS

Seção de Seção de
Seção Criminal
Direito Público Direito Privado

2 turmas 3 turmas 4 turmas


Todas as Câmaras Cíveis da área de especialização

CÍVEIS presididas pelo 1º Vice-Presidente ou pelo


TURMAS
Desembargador mais antigo presente

Reunião com a presença mínima de dois


terços de seus membros

Todas as Câmaras Criminais da área de


especialização

CRIMINAIS presididas pelo 2º Vice-Presidente ou pelo


Desembargador mais antigo presente

Reunião com a presença mínima de dois


terços de seus membros
Cíveis
GRUPOS

Podem funcionar
Presididas pelo
2 câmaras em cada com, no mínimo, 5
Desembargador mais
grupo julgadores, incluindo o
antigo presente
Presidente
Criminais

GRUPOS

Ausência ou impedimento
Podem funcionar com, no Presididas ordinariamente
do presidente –
2 câmaras em cada grupo mínimo, 5 julgadores, pelo Desembargador mais
presididos pelo mais
incluindo o Presidente antigo do grupo
antigo presente
Cíveis ou Criminais
CÂMARAS
SEPARADAS

apenas 3 presididas pelo podem funcionar


até 5 julgadores participam do Desembargador com pelo menos
julgamento mais antigo 3 membros
Art. 4° São órgãos do Tribunal de Justiça:
I - o Tribunal Pleno;
I-A - o Órgão Especial;
II - as Turmas de Julgamento;
III - os Grupos de Câmaras Cíveis e de Câmaras Criminais;
IV - as Câmaras Separadas, Cíveis e Criminais, as Câmaras Especiais
e a Câmara da Função Delegada dos Tribunais Superiores;
V - a Presidência e as Vice-Presidências;
VI - o Conselho da Magistratura;
VII - a Corregedoria-Geral da Justiça;
VIII - as Comissões e os Conselhos;
IX - o Centro de Estudos.
Art. 5° O Tribunal Pleno, funcionando em sessão plenária, é
constituído pela totalidade dos Desembargadores, sendo
presidido pelo Presidente do Tribunal e, nos seus impedimentos,
sucessivamente, pelos Vice-Presidentes ou pelo Desembargador
mais antigo, competindo-lhe eleger o Presidente, os Vice-
Presidentes e o Corregedor-Geral da Justiça, em votação secreta,
dentre os integrantes mais antigos do Colegiado, bem como
eleger a metade dos membros do Órgão Especial.
Art. 5°, Parágrafo único. O Plenário funcionará com a presença
de no mínimo de dois terços dos cargos providos do Tribunal,
inclusive o Presidente. Não se verificando o "quorum", será
designada sessão extraordinária para a data mais próxima,
convocados os Desembargadores ausentes, desde que não
licenciados, limitando-se, então, o "quorum" à maioria absoluta
dos membros do Tribunal.

Art. 6º. Divide-se o Tribunal em 2 (duas) seções: Cível e Criminal,


constituída a primeira de 25 (vinte e cinco) Câmaras e a segunda
de 8 (oito) Câmaras, designadas pelos primeiros números
ordinais.
Art. 7º O Órgão Especial, funcionando no exercício delegado das
atribuições administrativas e jurisdicionais da competência
originária do Tribunal Pleno, é constituído por vinte e cinco
Desembargadores, cinco dos quais oriundos da representação
classista prevista no art. 94 da Constituição Federal, provendo-se
doze vagas pelo critério de antigüidade no Tribunal de Justiça e a
outra metade por eleição pelo Tribunal Pleno.

Art. 7º. § 1º O Presidente do Tribunal será excluído do cálculo


das metades do Órgão Especial e presidirá as suas sessões,
sendo substituído, nos seus impedimentos, pelos Vice-
Presidentes ou pelo Desembargador mais antigo.
Art. 7º § 2º Os Vice-Presidentes e o Corregedor-Geral da Justiça
comporão o Órgão Especial:
a) em vaga na seção da antigüidade, quando a titularem por
direito próprio;
b) em vaga de titular na seção da metade eleita, quando ainda
não puderem integrá-lo por direito próprio à antigüidade,
classificando-se segundo a votação individual que obtiveram na
eleição para os Órgãos Diretivos do Tribunal de Justiça,
conforme a ordem decrescente dos votos dos titulares eleitos,
na forma dos §§ 4º e 5º deste artigo.
Art. 7º. § 3º Para fins de composição das seções da antigüidade
e de eleição do Órgão Especial, todos os membros dos Órgãos
Diretivos e os demais Desembargadores do Tribunal Pleno
manterão a sua classe de origem no Tribunal de Justiça,
classificando-se individualmente como:
a) membro oriundo da magistratura de carreira;
b) membro oriundo da representação classista pelo Ministério
Público (art. 94, 1ª hip., da Constituição Federal);
c) membro oriundo da representação classista pela advocacia
(art. 94, 2ª hip., da Constituição Federal).
Art. 7º § 4º Observado o disposto no § 2º, "b", deste artigo, a
eleição da metade do Órgão Especial será realizada na mesma
sessão e logo após a proclamação do resultado da eleição dos
membros dos Órgãos Diretivos do Tribunal, para mandatos
coincidentes de dois anos, e ocorrerá mediante o voto direto e
secreto dos membros do Tribunal Pleno, devendo ser sufragados
tantos nomes quantas sejam as vagas eletivas, fixando-se os
membros titulares eleitos, e o correspondente número de
suplentes, pela ordem decrescente dos votos individualmente
obtidos.
Art. 7º § 5º Na hipótese de empate na votação individual obtida
por candidatos à eleição para a metade do Órgão Especial,
deverá prevalecer o critério de antigüidade no Tribunal Pleno.
Art. 7º § 6º Os Desembargadores do Tribunal Pleno poderão
concorrer às vagas na seção da metade eleita do Órgão Especial,
exceto quando:
a) titularem o direito próprio de integrá-lo na seção da
antigüidade;
b) exercerem a titularidade de vaga, na seção dos eleitos, por
dois mandatos sucessivos, não se computando, para este fim, os
decorrentes de eleição para Órgão Diretivo, na forma do § 2º,
"b", deste artigo, perdurando a inelegibilidade até que se
esgotem todos os nomes dos membros não-recusantes do
Tribunal Pleno;
c) exercerem a substituição, na seção da antigüidade, ou a
suplência, na seção da metade eleita, por tempo igual ou
superior a dezoito meses, em cada um dos períodos de duração
de dois mandatos sucessivos;
d) manifestarem a sua recusa antes das eleições, retirando o seu
nome da lista de candidatos;
e) forem considerados inelegíveis por força de disposição legal
ou de decisão judicial irrecorrível.
Art. 7º § 7º O Presidente do Tribunal, na data prevista no art. 64
deste Regimento Interno e logo após a solenidade de posse dos
seus Órgãos Diretivos, declarará os doze membros titulares das
vagas na seção da antigüidade do Órgão Especial, conforme a
ordem decrescente de antigüidade nas respectivas classes de
origem no Tribunal Pleno, bem como empossará os doze
membros titulares na seção da metade eleita e nominará os
respectivos suplentes.
Art. 7º § 8º Para os fins previstos no caput deste artigo, a soma
dos membros representativos de ambas as classes nominadas
no art. 94, da Constituição Federal, abrangendo as seções da
antigüidade e de eleição, não poderá exceder, em nenhuma
hipótese, às cinco vagas que lhes correspondem no Órgão
Especial, o qual, para este efeito fracionário, é considerado uno
e incindível pela totalidade dos seus membros.
Composição e
competências
dos órgãos do
TJRS
A eleição da metade do Órgão Especial será realizada na
mesma sessão e logo após a proclamação do resultado da
eleição dos membros dos Órgãos Diretivos do Tribunal,
para mandatos coincidentes de dois anos, e ocorrerá
mediante o voto direto e secreto dos membros do
Tribunal Pleno, devendo ser sufragados tantos nomes
quantas sejam as vagas eletivas, fixando-se os membros
titulares eleitos, e o correspondente número de
suplentes, pela ordem decrescente dos votos
individualmente obtidos.
O Presidente do Tribunal, na data prevista no art. 64 deste Regimento
Interno e logo após a solenidade de posse dos seus Órgãos Diretivos,
declarará os doze membros titulares das vagas na seção da antiguidade
do Órgão Especial, conforme a ordem decrescente de antiguidade nas
respectivas classes de origem no Tribunal Pleno, bem como empossará
os doze membros titulares na seção da metade eleita e nominará os
respectivos suplentes.

Art. 64. O Presidente, os Vice-Presidentes e o Corregedor-Geral


serão eleitos para mandato de dois anos, vedada a reeleição para o
mesmo cargo, e tomarão posse no 1° dia útil do mês de fevereiro,
cumprindo-se o disposto no § 2° do art. 72.
A soma dos membros representativos de ambas
as classes nominadas no art. 94, da Constituição
Federal, abrangendo as seções da antigüidade e
de eleição, não poderá exceder, em nenhuma
hipótese, às cinco vagas que lhes correspondem
no Órgão Especial, o qual, para este efeito
fracionário, é considerado uno e incindível pela
totalidade dos seus membros.
COMAG
CGJ
JUÍZES-CORREGEDORES
Designação por tempo indeterminado.
Considera-se finda com o término do mandato do CGJ.
Em qualquer caso, não poderão servir por mais de 4
anos.
Ficam desligados das Varas, se forem titulares.
Após o mandato, terão preferência na classificação nas
Varas da comarca da capital e, enquanto não se
classificarem, atuarão como Juízes de Direito Substitutos
de entrância final.
1. (2012 – FAURGS - TJ-RS AJAJ) Assinale a alternativa
INCORRETA, considerando o disposto no Regimento Interno do
Tribunal de Justiça.

a) São órgãos do Tribunal de Justiça: o Tribunal Pleno; as Turmas


de Julgamento; os Grupos de Câmaras Cíveis e de Câmaras
Criminais; as Câmaras Separadas, Cíveis e Criminais e as
Câmaras Especiais; a Presidência e as Vice-Presidências; o
Conselho da Magistratura; a Corregedoria-Geral da Justiça; as
Comissões e os Conselhos; o Centro de Estudos.
b) O Tribunal Pleno, funcionando em sessão plenária, é constituído pela
totalidade dos Desembargadores, sendo presidido pelo Presidente do
Tribunal e, nos seus impedimentos, sucessivamente, pelos Vice-
Presidentes ou pelo Desembargador mais antigo, competindo-lhe
eleger o Presidente, os Vice-Presidentes e o Corregedor-Geral da
Justiça, em votação secreta, dentre os integrantes mais antigos do
Colegiado.

c) Aos Grupos Cíveis compete processar e julgar os mandados de


segurança contra condutas administrativas, os habeas data e os
mandados de injunção contra atos ou omissões do Procurador-Geral do
Estado e da Comissão de Concurso para o cargo de Procurador do
Estado.
d) O Tribunal de Justiça exerce sua jurisdição em regime de
plantão nos sábados, domingos e feriados nos casos de
impedimento temporário e excepcional das atividades do
Tribunal e, diariamente, a partir do encerramento do
expediente.

e) O Corregedor-Geral da Justiça será substituído, em suas férias,


licenças e impedimentos, pelo 2º Vice-Presidente, e auxiliado
por Juízes- Corregedores, que, por delegação, exercerão suas
atribuições relativamente aos Juízes em exercício na primeira
instância e servidores da Justiça.
D
PLANTÃO
Inicia na 1ª quarta-feira de março - 1 hora
antes do término do expediente.

Encerra na última quarta-feira antes da


suspensão do expediente forense no horário
Regular
de início do expediente do Tribunal de
Justiça.

3 magistrados por plantão – 1 de cada seção

PLANTÃO
JURISDICIONAL
iniciará na última quarta-feira antes da
suspensão do expediente forense no final de
Feitos com caráter de ano

urgência que, sob pena


de prejuízo grave ou de encerrará na primeira quarta-feira de março,
De verão
difícil reparação, no horário de início do expediente do TJ

tiverem de ser
apreciados de
imediato. 3 magistrados por semana – 1 de cada seção
Inicia na 1ª quarta-feira de março - 1 hora
antes do término do expediente.

Encerra na última quarta-feira antes da


PLANTÃO
suspensão do expediente forense no
JURISDICIONAL
horário de início do expediente do
REGULAR
Tribunal de Justiça.

3 magistrados por plantão – 1 de cada


seção
iniciará na última quarta-feira antes
da suspensão do expediente forense
no final de ano

PLANTÃO encerrará na primeira quarta-feira de


JURISDICIONAL DE março, no horário de início do
VERÃO expediente do TJ

3 magistrados por semana – 1 de cada


seção
O plantão jurisdicional do Tribunal de Justiça compreende o
plantão jurisdicional regular e o plantão jurisdicional de verão,
sendo obrigatória a participação de todos os Desembargadores
em sistema de rodízio.

O plantão jurisdicional do Tribunal de Justiça funcionará na


estrutura física do serviço de plantão do Foro Central de Porto
Alegre, para recebimento de petições e encaminhamento aos
servidores de plantão do 2º grau.
O plantão jurisdicional funciona nos sábados, domingos e
feriados, nos casos de impedimento temporário e excepcional
das atividades do Tribunal de Justiça e, diariamente, a partir de
01 (uma) hora antes do encerramento do expediente até o início
do horário de expediente do dia seguinte.
No plantão jurisdicional serão distribuídos todos os feitos com
caráter de urgência, de matéria criminal ou cível, de Direto
Privado ou de Direito Público, que, sob pena de prejuízo grave
ou de difícil reparação, tiverem de ser apreciados de imediato,
inadiavelmente, no expediente excepcional.

Caberá ao magistrado plantonista avaliar a admissibilidade da


utilização do plantão jurisdicional, tendo em vista a apuração
estrita da urgência que o caso oferece, de modo a justificar a
necessidade de provisão jurisdicional imediata e extraordinária.
Caso o plantonista verifique que recebeu uma medida de
competência diversa da sua, deverá entrar em contato com o
plantonista competente e repassar a medida, ressalvadas
aquelas de competência do Órgão Especial bem como aquelas
de competência do Presidente, que deverão ser repassadas aos
assessores da Presidência designados para tal.

Se o magistrado plantonista entender que não há urgência ou


que o aguardo para distribuição normal não causará prejuízo,
remeterá a medida para distribuição normal, via decisão.
No caso de impedimento ou suspeição do magistrado escalado,
providenciará este o encaminhamento do feito a qualquer
magistrado da respectiva Câmara ou, na impossibilidade, da
seção de que faça parte, em condições de exercer
eventualmente a jurisdição.

A jurisdição em plantão exaure-se na apreciação sobre a tutela


de urgência no respectivo horário, não vinculando o magistrado
para os demais atos processuais.

A distribuição, após despacho ou decisão do plantonista, será


feita no primeiro dia útil subsequente.
Os juízes convocados em regime de substituição de
Desembargador poderão ser convocados, por interesse da
Administração, a realizar o plantão jurisdicional; em caráter
excepcional, quando houver, na respectiva seção, cargos vagos
de Desembargador não preenchidos por juízes convocados em
regime de substituição, poderão ser designados para os
respectivos plantões juízes convocados para realização de
regime de exceção.
O plantão jurisdicional regular abrangerá todas as Câmaras, e
cada magistrado ficará encarregado por um período semanal,
cuja preferência para a escolha obedecerá a ordem de
antiguidade ou a que for estabelecida de comum acordo entre
os membros da Câmara.
O plantão de verão será estendido até a quarta-feira seguinte ao
carnaval, quando este ocorrer após a primeira quarta-feira do mês
de março.

O plantão jurisdicional de verão, a exemplo do plantão


jurisdicional regular, será semanal.

A participação do magistrado no plantão jurisdicional regular não


elide sua convocação para realizar o plantão jurisdicional de verão.

Compete ao 1º Vice-Presidente do Tribunal de Justiça a supervisão


do plantão jurisdicional.
PRESIDENTE
DO TJ
PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA
 representar o Poder Judiciário
 exercer a suprema inspeção da atividade de seus
pares
 supervisionar todos os serviços do 2º grau
do Tribunal Pleno

presidir sessões do Órgão Especial

convocar sessões extraordinárias do Conselho da


Magistratura
VICE
PRESIDENTES
VICE PRESIDENTES
 1º, 2º e 3º
 Eleitos junto e logo após o
Presidente
 Mandato de 2 anos
 Vedada a reeleição
1º VP 2º VP 3º VP
Substitui e sucede Substitui e sucede Substitui e sucede
o Presidente o 1° VP o 2° VP
Membro do OE Membro do OE Membro do OE
Membro do Membro do Membro do
COMAG COMAG COMAG
preside os Grupos preside as Turmas presidir os Grupos
da Seção Cível de Criminais da Seção Cível de
Direito Público e Direito Privado
as Turmas Cíveis
1º VP 2º VP 3º VP
supervisiona a expede atos adm
distribuição dos relativos aos Juízes
feitos no TJ temporários e
servidores da Justiça
de 1º grau,
julga renúncia e decide medidas de
deserção dos urgência nos
recursos para os Trib. processos dos
Superiores, exceto Grupos, na
recurso ordinário; impossibilidade dos
seus integrantes
1º VP 2º VP 3º VP
preside a Comissão preside a Comissão preside a Comissão
de Promoções de de concurso da de Biblioteca, de
Magistrados magistratura Jurisprudência e de
Apoio à Pesquisa;
processar e julgar processar e julgar
os pedidos de AJG os pedidos de AJG
antes da antes da
distribuição e distribuição e
quando se tratar de quando se tratar de
Rext e Resp Rext e Resp
1º VP 2º VP 3º VP
decidir sobre decidir sobre decidir sobre
admissibilidade admissibilidade admissibilidade
dos Rext e Resp de dos Rext e Resp dos Rext e Resp de
Direito Público e criminais Direito Público e
seus incidentes seus incidentes
Relata conflitos
de competência
entre órgãos do
Tribunal ou
Desembargadores
1º VP 2º VP 3º VP
Relata conflitos
de competência
entre e de
atribuição entre
autoridades
judiciárias e
administrativas,
quando da
competência do
Tribunal Pleno
1º VP 2º VP 3º VP
Relata processos
de suspeição de
Desembargador
homologar a decidir incidentes homologar a
desistência antes nos feitos da Seção desistência antes
da distribuição do Criminal, antes da da distribuição do
feito e após a distribuição ou feito e após a
entrada deste na após a publicação entrada deste na
Secretaria do acórdão Secretaria
1º VP 2º VP 3º VP
Relata processos
de suspeição de
Desembargador
homologar a
desistência antes
da distribuição do
feito e após a
entrada deste na
Secretaria
O 2º VP PRESIDE
 Comissão de Concurso para
magistratura;
 Comissão de Organização Judiciária,
Regimento, Assuntos Adm. e Leg.;
 Comissão de Segurança;
 CORAD.
O 3º VP
 nas faltas e impedimentos, será
substituído por qualquer dos outros
Vice-Presidentes