Você está na página 1de 2

"Tentou

saltar para cima de mim". Uma Thurman conta mais


sobre ataques de Weinstein
Inserido em 05-02-2018 10:55

Em outubro, a atriz assumiu nas redes sociais que também foi ví?ma de assédio, mas não avançou
pormenores.

A atriz norte-americana Uma Thurman decidiu contar tudo o que viveu enquanto ví8ma de
assédio sexual. Numa entrevista ao “The New York Times”, conta como foi seduzida e atacada
pelo produtor Harvey Weinstein depois do lançamento do filme “Pulp Fic8on”, em 1994.

Segundo Uma Thurman, a primeira abordagem aconteceu em Paris, quando o magnata de


Hollywood a convidou para o seu quarto e, a seguir, para uma sauna no hotel. Nessa altura, diz,
“não se sen8u ameaçada”.

“Conhecia-o bastante bem antes de ele me atacar”, afirma, explicando que era comum ambos
“passarem horas” a conversar sobre as produções, com o produtor “a elogiar a minha maneira
de pensar e a validar-me”.

Os dois voltaram a encontrar-se em Londres, também no quarto de hotel de Harvey Weinstein,


onde se concre8zou um ataque. “Ele empurrou-me e tentou saltar para cima de mim e despir-se.
Fez muitas coisas desagradáveis”, revela a atriz. “Fez todo o 8po de coisas desagradáveis”,
acrescenta ao jornal.

No dia seguinte, Uma recebeu um ramo de rosas amarelas, com um bilhete: “Tens ó8mos
ins8ntos”, numa referência aos movimentos da atriz para escapar ao ataque.

Uma Thurman decidiu então voltar ao quarto de Harvey Weinstein, levando consigo um amigo
que ficou à espera junto aos elevadores, e ameaçou: “Se fazes o que fizeste comigo a outras
pessoas, vais perder a tua reputação, a tua carreira e a tua família, prometo”.

Não se consegue lembrar do que se passou a seguir, diz.

A entrevista ao “The New York Times” surge depois de em outubro, numa passerelle Uma
Thurman ter afirmado que estava zangada e que iria falar sobre o assunto quando já 8vesse
digerido as suas emoções.

Em novembro, decidiu assumir no Instagram e no Facebook que também 8nha sido ví8ma do
produtor de Hollywood. Nessa ocasião, usou a “hashtag” #metoo, que se tornou viral.

Agora, a atriz pede desculpa por não ter falado publicamente mais cedo. “Sinto-me mal por
todas as outras mulheres que foram atacadas depois de mim.

Dois dos maiores sucessos de Uma Thurman, "Pulp Fic8on" e "Kill Bill", foram dirigidos por
Quen8n Taran8no e produzidos por Harvey Weinstein, uma das duplas mais poderosas em
Hollywood na época.

Em outubro, Taran8no afirmou que sabia há anos das ações de Harvey, inclusive do caso de Uma
Thurman.

O porta-voz do produtor norte-americano já reagiu às declarações da atriz. “O sr. Weinstein


admite ter feito avanços em relação à sra. Thurman depois de interpretar mal a sua a8tude em
Paris. Ele desculpou-se imediatamente", indica.

Harvey Weinstein encontra-se neste momento em terapia no Arizona e, segundo o seu


advogado, “atordoado e entristecido”. Interroga-se ainda sobre a razão que levou Uma Thurman
a esperar 25 anos para tornar públicas as alegações.

Segundo Benjamin Brafman, um dos mais famosos advogados nos Estados Unidos, as
declarações da atriz estão a ser “examinadas e verificadas cuidadosamente” para “decidir se será
apropriado avançar com um procedimento legal contra ela”.

Interesses relacionados