Você está na página 1de 34

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

A ÉTICA DIANTE DA ASCENSÃO DAS


TECNOLOGIAS

Bruno Requia
Darlan Pivoto
Leonardo Righi
Luiz Riquelmo Dalenogare
Pablo Antunes

SANTA MARIA – RS, 2017


1. INTRODUÇÃO

Atualmente com o avanço das tecnologias, é raro quem não possua algum
aparelho eletrônico, inclusive podemos dizer que o progresso tecnológico vem
movendo o mundo com o passar dos anos.
Tendo em vista que com o desenvolvimento das tecnologias o consumo de
smartphones e aparelhos assemelhados cresceu drasticamente no mundo,
consequentemente novos crimes e golpes também surgiram em função dessa
popularidade. Crimes cibernéticos de vazamentos de dados são cada vez mais
comuns, pois usamos nossos aparelhos para muitas atividades do dia a dia, e para
agilizar algumas tarefas cotidianas, como pagar contas, fazer transferências
bancárias, compras online dentre muitas outras facilidades que a internet nos
oferece.
E na intimidade não é diferente, muitos casais que se relacionam a distância
usam seus aparelhos para encurtar a distância e matar a saudade, sendo assim,
muitas vezes, trocam mensagens mais picantes e até mesmo imagens intimas, que
hoje as chamamos de “nudes”. Sendo assim, muitas vezes essas imagens vazam na
grande rede, chegando a milhões de pessoas em poucas horas. De alguns anos
para cá, surgiram novas leis para proteger as pessoas destes crimes cibernéticos,
como a Lei Carolina Dieckmann.
E sabendo disso, nos questionamos sobre o que as empresas tem feito para
passarem confiança a seus clientes. Afinal, um cliente satisfeito é a melhor
propaganda que pode existir para uma empresa, de modo que este trará novos
serviços.
O que as empresas têm feito ou devem fazer para que venham passar
confiança a seus clientes? Será que os funcionários estão alinhados e
comprometidos com a visão ética da corporação? Pois tem que se levar em conta
que até pode existir um código de ética na organização, mas é preciso que os
supervisores se certifiquem que tal código vem sendo seguido. De modo que não
haja violação das informações contidas nos aparelhos, e tampouco vazamento de
imagens, informações, senhas dentre outros dados. Caso houvesse algo
semelhante ao anteriormente citado, chega a ser incalculável as consequências que
acarretaria para empresa, tanto de prejuízo e afastamento de clientes, quanto a um
processo judicial.
Tendo em vista a importância de um código de ética nas empresas, o grupo
tem como objetivo identificar empresas que possuem comprometimento com as
informações de seus clientes, pois seus colaboradores acabam tendo acesso a
várias informações, e é de suma importância que a empresa passe a seus clientes
credibilidade e segurança com relação aos dados pessoais dos clientes.
Buscaremos identificar falhas e conhecer os motivos pelas mesmas
ocorrerem, de maneira que tal conhecimento, nos traga experiência nas questões
éticas, e que venha acrescentar e ajudar as organizações a se corrigirem, e se
aperfeiçoar.
Diante disso, qual o comprometimento dos funcionários de empresas de
manutenção de telefonia e computadores em relação a ética das informações
contidas nos aparelhos?
2. SOBRE AS EMPRESAS

Para a realização desta pesquisa, contamos com a participação de algumas


empresas, as mesmas concordaram em ser mencionadas nesta primeira parte, e
posteriormente seus colaboradores responderão a um questionário.
Dentre as empresas está a Bitotech informática, localizada na avenida
Presidente Vargas, 1051. A mesma atua no mercado de assistência técnica para
computadores de mesa e notebooks, venda de suprimentos e equipamentos
eletrônicos em geral, além de prestar consultoria na área, como; automação
comercial.
Da mesma forma a KB informática aceitou participar deste trabalho, é uma
empresa que há vários anos vem prestando serviços na área de informática e
assistência telefônica para Santa Maria e região, com isso, a KB Informática adquiriu
idoneidade e experiência na área. O objetivo da empresa é oferecer soluções
práticas e inteligentes, com pontualidade, qualidade e confiabilidade. A KB tem por
missão, oferecer ao mercado a prestação de serviços com qualidade, eficiência e
rapidez, necessários para auxiliar empresas e pessoas a utilizarem os recursos de
informática em apoio às suas atividades profissionais e pessoais de forma eficiente e
produtiva. Fica localizada na Rua Riachuelo, 417, loja 101 em Santa Maria – RS.

A Eletrônica Manaus está localizada na Rua Manaus, número 54, Bairro


Parque Pinheiro Machado. Atua na manutenção de equipamentos eletrônicos,
computadores e televisores.
3. FUNDAMENTAÇÃO

Neste capítulo, vamos abordar a fundamentação de alguns tópicos,


mostrando a ideia que alguns autores citaram sobre os respectivos assuntos: Ética,
Ética e Moral, Moral e Valores, A Conduta do Administrador Ético, Responsabilidade
Social, Cultura Organizacional Mais Ética, Ética nas Relações Negocias, Código de
Ética, Marketing Social e a Ética e Organização e Retorno Social.

3.1 Ética

A ética é um tema que instiga a busca do ser humano a entender melhor as


peculiaridades da conduta humana, da boa ou da má conduta, da felicidade, tanto
no meio social quanto das ações individuais e mostra a quão esta relação norteia a
sociedade.
ALENCASTRO (2010, pg. 33) cita que "o interesse maior da ética é o
compreender como se dá a formação dos hábitos, dos costumes e até mesmo das
regras e leis que regem uma determinada sociedade".
No mesmo contexto SÁNCHEZ VÁZQUEZ, Adolfo (1995, pg. 21) ainda afirma
que "a ética é a teoria ou ciência do comportamento moral dos homens em
sociedade. Ou seja, é a ciência de uma forma específica de comportamento
humano".
Já ALONSO, Félix Ruiz (2012, pg.3), diz que:
"Ética é a ciência da conduta humana, segundo o bem e o mal, com vistas
à felicidade. É a ciência que estuda a vida do ser humano, sob o ponto de
vista da qualidade de sua conduta. Disto precisamente trata a ética, da boa
e da má conduta e da correlação entre boa conduta e felicidade, na
interioridade do ser humano. A ética não é uma ciência teórica ou
especulativa, mas uma ciência prática no sentido de que se preocupa com a
ação, com o ato humano".

3.2 Ética e Moral

Ética e moral são palavras consideradas praticamente sinônimas, porém a


uma pequena diferença entre elas, onde a ética é baseada na ciência de valores que
orienta o comportamento social e a moral é provida do conhecimento adquirido
durante a sua evolução.
Segundo CAMAGO, Marculino (2014, pg. 22) "... a palavra ‘moral’ provém do
latim ‘mores’, que também significa ‘costumes”. Marculino ainda complementa "...
pode-se afirmar que as palavras ‘moral’ e ‘ética’ são sinônimas, podendo uma
substituir integralmente a outra".
Em seu livro, SÁNCHEZ VÁZQUEZ, Adolfo (1995, pg. 23) fala que " A ética é
a ciência da moral, isto é, de uma esfera do comportamento humano".
Para MATTOS (2008, pg.3 apud PEREIRA,1991, pg. 11) a moral é " tudo
aquilo (ato, comportamento, fato, acontecimento) que realiza o homem, que o
enraíza em si mesmo e, por ele e para ele, ganha sentido humano".

3.3 Valores e Moral

Normalmente, os valores morais começam a ser passado para as pessoas


nos seus primeiros anos de vida, através do convívio familiar. Com o passar do
tempo, este indivíduo vai aperfeiçoando os seus valores, a partir de observações e
experiências obtidas na vida social.
Segundo Vasquez (1915, p. 136)
“...quando falamos em valores, temos presente a utilidade a bondade a
beleza a justiça etc.,assim como os respectivos polos negativos: inutilidade,
maldade, fealdade, injustiça etc. Em primeiro lugar, referimos-emos ao valor
que atribuímos as coisas ou aos objetos, quer sejam produzidos pelos
homens e mais tarde ocuparmos-emos do valor com respeito a conduta
humana e, particularmente a conduta moral.”

Enquanto isso para Sá (1998, p. 21), o valor é uma expressão de um aspecto


de aferição sobre o que se elege, escolhe ou atribui uma preferência (esse o sentido
filosófico e que diverge daquele contábil, em que o valor é uma expressão de
grandeza do fato patrimonial).
Já Mattos (2007, p.14-15),
“... cita que os determinantes dos valores são família, escola, cultura, os
meios de comunicação, grupos de companheiros, fatores pessoais e o
tempo. Uma vez que somos seres sociais, nos relacionamos o tempo todo,
dentro de nossos diversos papéis na sociedade e acabamos por nos
influenciar por outras pessoas, por esta razão a teoria acima é realmente
um fator determinante de nossos valores. ”

A moral orienta o comportamento do homem diante das normas instituídas


pela sociedade ou por determinado grupo social.
Segundo Vasquez (1915, p. 66)
“... a “moral” designaria o conjunto dos princípios, normas, imperativas ou
ideias morais de uma época ou de uma sociedade determinadas, ao passo
que a “moralidade” ao passo que a moralidade se referia ao conjunto de
relações ou atos concretos que adquiram um significado moral com respeito
a “moral” vigente”.

De modo que para Barton e Barton (1984,P.30)


“... o estudo da filosofia moral consiste em questionar-se o que é correto ou
incorreto, o que é uma virtude ou uma maldade nas condutas humanas. A
moralidade é um sistema de valores do qual resultam normas que são
consideradas corretas por uma determinada sociedade, como, por exemplo,
os Dez Mandamentos, os Códigos Civil e Penal etc.”

Já Lévy-Bruhl, (1971, p. 12), disse que para quem "uma moral, mesmo
quando quer ser teórica, é sempre normativa, e, justamente porque é normativa,
nunca é realmente teórica"

3.4 A conduta do administrador ético

A ação ética deveria estar presente em todas as atitudes dos seres racionais,
em especial para nós administradores que trabalhamos a favor do planejamento, da
organização, da direção e do controle, haja vista que o gestor possui a árdua missão
de alcançar os objetivos previamente definidos, com a máxima seriedade,
solucionando no menor tempo possível os problemas que possam aparecer no
decorrer de suas atribuições.
Conforme Guerreiro Ramos (1983, pg. 42)
“... a ética da responsabilidade corresponde á ação racional referida a fins e
seus critérios fundamental e a racionalidade funcional”. Ela compreende o
indivíduo no exercício de sua função dentro da organização, focando nas
suas responsabilidades como membro do sistema integrado que compõe a
organização em busca pela eficiência..”

Entretanto Micklethwait e Wooldridge (2002),


“... alertam que os administradores precisam lutar para se tornarem
consumidores seletivos dos produtos e serviços oferecidos pela indústria da
teoria da administração. Ou seja, os administradores em formação
necessitam desde cedo, argumentar e raciocinar sobre as leituras, não
somente aceitá-las de forma pacífica.”

No entanto (FURBINO, 2009, p.01) diz que,


“Em um mundo globalizado, onde a competitividade é extremamente
acirrada, a conduta do profissional faz toda diferença e possui o poder de
estabelecer as regras do jogo; portanto, o profissional que possui uma
conduta ética ao exercer sua profissão irá não apenas destacar-se dos
demais, mas posicionar-se no mercado com um diferencial, o que irá
contribuir e muito para que o mesmo permaneça no mercado por um longo
tempo, tendo sua carreira, além de consolidada, respeitada.”

3.5 Cultura organizacional mais ética


No mundo em que vivemos, onde há constante mudança, a ética e a
transparência são exigidos a todo o momento, organizações necessitam de equipes
que estejam comprometidas com seu trabalho e principalmente com os princípios da
organização em que trabalham, assim poderão ser guerreiros sempre a favor dela.
Os líderes de hoje possuem a tarefa de influenciar as pessoas e obter o melhor que
elas conseguem fazer. Esse melhor desempenho está ligado ao fato de como a
cultura organizacional é apresentada a ele e como ela será cobrada, fazendo com
que suas ações sejam pensadas sob essa visão da empresa. Segundo MOON e
WOOLLIAMS, (2000, p.105-115) a dimensão ética da atividade empresarial tem
especificidades culturais difíceis de evitar e os decisores devem estar preparados
para compreender e aproveitar essas particularidades inerentes à condição social da
vida humana.
A cultura organizacional vem sendo a base para as organizações há anos;
seu fundamento foi introduzido e transmitido pelos valores, sendo sua prática de
extrema importância para toda a organização, que se fundamenta em sua teoria
para exercer atividades básicas. A ética nas organizações vem sendo difundida
internamente sendo compreendida aos poucos por seus colaboradores, pratica esta
que deve ser exercida continuamente.
Segundo Freitas (1991), a cultura organizacional é como um poderoso
mecanismo que visa a conformar condutas, homogeneizar maneiras de pensar e
viver na organização, trazendo para dentro de si uma imagem positiva da mesma,
onde todos são iguais.
Toda organização tem suas normas e regras, definindo, assim, como deve ser
o relacionamento e o comportamento de seus funcionários no ambiente
organizacional. Mas poucos colaboradores sabem que essas normas foram
estabelecidas pela cultura organizacional. Maximiano (2005) a define como:
“Um conjunto de padrões que um grupo aprendeu a aceitar, resultado da
solução de problemas de adaptação ao ambiente e de integração interna.
Com isso, os funcionários agem conforme as normas determinadas pela
cultura, ensinando aos novos integrantes a se adaptar a essas regras”.
3.6 Responsabilidade social

Hoje em dia as organizações precisam ser atenciosas não só nas suas


responsabilidades econômicas e legais. Mas também em suas responsabilidades
éticas, morais e sociais.
Valores morais dizem respeito a crenças pessoais sobre o comportamento
eticamente correta ou incorreto, quanto em parte do próprio individuo quanto em
relações aos outros. A moral pode ser vista como um conjunto de valores e regras
de comportamento que as coletividades sejam elas nações ou grupos sociais ou até
mesmo organizações que julgarem corretos e desejáveis.Para
ZENISEK(1984,p.204) responsabilidade social significa:
“Para uns é tomada como uma responsabilidade legal ou obrigação social;
para outros, é o comportamento socialmente responsável em que se
observa a ética, e para outros, ainda, não passa de contribuições de
caridade que a empresa deve fazer. Há também, os que admitam que a
responsabilidade social seja, exclusivamente, a responsabilidade de pagar
bem aos empregados e dar-lhes bom tratamento. Logicamente,
responsabilidade social das empresas é tudo isto, muito embora não sejam,
somente, estes itens isoladamente”.
A responsabilidade social não pode ser resumida apenas em parâmetros
internos nas instituições, a participação em fatores que alterem realmente as
condições usadas nas organizações partem de todos ligados a ela e que com ela
interagem. Segundo CARROL (1984, p.205)
“(...) no envolvimento social da empresa, seja com os empregados, com as
pessoas que estão ligadas tecnicamente à empresa ou com a sociedade, a
grande questão é mesmo quanto custa à adoção de comportamentos
socialmente responsáveis e não o simples fato de adotar tais
comportamentos (...)”.
Sendo assim, esta questão supra citado leva a vários conceitos e percepções
sendo ela pauta de debates ainda por virem. A responsabilidade social leva as
instituições no cerne tanto dos problemas sociais quanto empresariais a conjuntura
desses dilemas é que leva a maiores reflexões. Segundo VENTURA (2003, p.1-15),
afirma que é toda e qualquer ação que possa contribuir para a melhoria da qualidade
de vida da sociedade.

3.7 Marketing social e ética

O Marketing Social é muito usado por órgãos públicos e empresas do terceiro


setor, que trabalham suas campanhas para conscientização, doações e afins. O
intuito é sempre o de envolver a população em uma causa e elas funcionam
justamente por não serem motivadas por interesses comerciais, mas sim
genuínos, de uma causa social.

Segundo Vaz (1995, p. 280.):

“Marketing social é a modalidade de ação mercadológica institucional que


tem como objetivo principal atenuar ou eliminar os problemas sociais, as
carências da sociedade relacionadas principalmente às questões de higiene
e saúde pública, de trabalho, educação, habitação, transportes e nutrição”.

À medida que o tempo foi passando, as empresas foram percebendo o


interesse das pessoas nesse tipo de ação e investindo em causas sociais como
plataforma para promover sua imagem.

Para Kotler e Roberto (1992, p. 25.)

“Marketing social é uma estratégia de mudança de comportamento. Ele


combina os melhores elementos das abordagens tradicionais da mudança
social num esquema integrado de planejamento e ação, além de aproveitar
os avanços na tecnologia das comunicações e na capacidade do
marketing”.

Seguindo o caminho correto do Marketing Social e realmente defendendo


causas importantes para o negócio e seus clientes, as empresas conseguirão
criar relacionamentos bem mais significativos e duradouros com os consumidores.

Argumentam também Melo Neto e Froes (2001),

“que as empresas socialmente responsáveis tendem a se destacar pelo seu


padrão de comportamento ético-social, demonstrando comprometimento
com a comunidade local e com seus funcionários, por meio de ações sociais
cujo principal objetivo não é o marketing, mas o desenvolvimento local.”

3.8 Ética nas relações negociais

Todas as empresas estão inseridas numa rede relacional com fornecedores,


clientes, concorrentes, empregados, bancos e outros parceiros que foi sendo
formada através do tempo por negociações, pelo que o sucesso das diferentes
negociações terá sempre um impacto decisivo no desempenho competitivo da
empresa.

Segundo Donaldson e Werhane (1996),


“a ética nos negócios é um modo de resolver moralmente conflitos de ação,
isto é, propósito da ética não é que as pessoas sejam mais éticas, mas
saibam tomar as melhores decisões.” Também diz respeito à ética dos
administradores da empresa, visto que a empresa é uma entidade
artificialmente constituída. Isto significa dizer que a ética diz respeito às
pessoas envolvidas por essa construção artificial. São as pessoas que dão
dinamismo, agem, se comportam e fazem com que essa construção
produza algo. “Quando se trabalha a ética empresarial, na verdade se está
tematizando a ética dos dirigentes da empresa.”

Realmente, como conjunto de regras, a ética dita à conduta de pessoas de


acordo com preceitos que fazem das atitudes humanas compatíveis com a
concepção geral do bem e da moral. As atividades e escolhas são alimentadas pelo
sistema moral de valores pessoais próprios, mas este, com frequência, sofre uma
transformação em suas prioridades ou sensibilidades quando operado dentro de um
contexto institucional de severas restrições econômicas e pressões, assim como
pela possibilidade de se adquirir pode.

Para Nash (1993),

“a ética empresarial geralmente atua sobre três áreas de tomada de decisão


gerencial: Escolhas quanto à lei (se será cumprida ou não); sobre os
assuntos econômicos e sociais que estão além do domínio da lei
(chamados de áreas cinzentas ou valores humanos) e sobre a preeminência
do interesse próprio.”

3.9 Código de ética (ou de conduta)

Estabelecer um código de ética e conduta é muito importante para o


crescimento e sucesso de qualquer empresa, independentemente do seu segmento
ou ramo de atuação. Essa ferramenta permite padronizar o comportamento dos
colaboradores para estabelecer um ambiente de trabalho mais agradável a todos.
Com isso, contribui na manutenção do bom relacionamento interpessoal e motiva os
funcionários a alcançar resultados com mais disciplina.

Segundo Arruda, Whitaker e Ramos (2001, p. 53)


“O clima ético predominante na instituição deve acompanhar a filosofia e os
princípios definidos como básicos principalmente pelos acionistas,
proprietários e diretores”. Isso se materializa no código de ética, que nada
mais é do que a declaração formal das expectativas da empresa à conduta
de seus executivos e demais funcionários. “Os códigos de ética não têm a
pretensão de solucionar os dilemas éticos da organização, mas fornecer
critérios ou diretrizes para que as pessoas encontrem formas éticas de se
conduzir.”

Portanto, é indispensável adotar uma postura ética, uma vez que isso está
intimamente ligado à autoimagem e à imagem da organização, além de ser
fundamental para o estabelecimento de vínculos e a manutenção de boas relações.
Ainda explicam Arruda, Whitaker e Ramos (2001, p. 54), que:
“O código de ética, além de possibilitar um trabalho harmonioso, deve servir
também como proteção dos interesses públicos e dos profissionais que
contribuem de alguma forma para a organização.”
4. METODOLOGIA

Para o presente trabalho será usado o método de pesquisa qualitativa, pois


esta pesquisa não tem como objetivo alcançar números, mas sim à relação ao
aprofundamento e de como ela será compreendida pelas pessoas. Será explorado o
que necessita ser feito sem identificar os valores que se reprimem a prova de dados,
porque os dados analisados por este método não estão baseados em números.

Será de objetivo exploratório, que busca proporcionar maior familiaridade com


o problema (explicitá-lo), envolvendo levantamento bibliográfico, entrevistas com
pessoas experientes no problema pesquisado.

Esta pesquisa vai muito além da observação dos fatos e fenômenos e faz
uma coleta do que ocorre na realidade a ser pesquisada. Depois disso, elas serão
analisadas e seus dados serão interpretados com base em uma fundamentação
teórica sólida com o desígnio de elucidar o problema pesquisado.

Diante disso buscaremos mensurar o comprometimento dos colaboradores


das empresas investigadas, a fim de saber a conduta ética dos mesmos com as
informações contidas nos aparelhos eletrônicos de clientes. Para isto, usaremos um
instrumento de campo com perguntas objetivas, de modo que seja mais fácil a
compreensão dos resultados. Podemos dizer também, que, os formulários serão
respondidos de forma anônima e individual, de tal forma que nenhum funcionário se
intimide em responder o mesmo, da maneira mais honesta e sincera possível, dando
maior liberdade nas respostas com menor risco de influência sobre as respostas. O
questionário será utilizado de forma impressa e com questões de múltipla escolha, o
que facilitará ao pesquisador abranger um maior número de pessoas e de
informações em um curto espaço de tempo, também auxiliará na tabulação e
tratamento dos dados obtidos.

As questões serão entregues aos colaboradores das empresas


individualmente e separadamente, com tempo hábil para resposta, e devolvidas ao
pesquisador assim que respondidas, a fim de garantir a confiabilidade da coleta, e
veracidade das informações.

As empresas que receberão o instrumento de campo são: KB Informática,


Bitotech Informática e Eletrônica Manaus.
Seus colaboradores são divididos em:

1. KB Informática:
1 (um) Diretor
5 (cinco) Técnicos de Informática
1 (um) Auxiliar Administrativo
1 (um) Assistente Administrativo
2. Bitotech Informática:
2 (dois) Vendedores
4 (quatro) Técnicos em Informática
3. Eletrônica Manaus:
3 (três) Sócios que em paralelo exercem a função de Técnico
1 (um) Recepcionista

As avaliações serão realizadas dentro de empresas as quais admitem a


pesquisa a fim de buscar resultados referentes à confiabilidade e ética de seus
colaboradores.

5. ANÁLISE E DISCUSSÕES DE RESULTADO

Foram aplicados 18 instrumentos de campo nas empresas: KB Informática,


Bitotech Informática e Eletrônica Manaus. Sendo, respectivamente: oito
colaboradores na primeira empresa, seis colaboradores na segunda empresa e
quatro colaboradores na terceira empresa. Após o recolhimento, chega-se ao
resultado abaixo exposto.

Na questão 1, foi perguntado sobre o gênero dos participantes.

Gráfico 1: Gênero

Masculino
Feminino

Fonte: Os Autores

Pode-se observar que segundo o Censo de 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro


de Geografia e Estatística), a distribuição percentual da população por sexo no
Brasil é de 51,03% para mulheres e 48,97% de homens. Segundo o órgão, com
dados do Cempre (Cadastro Central de Empresas) as mulheres ocupam 43% dos
postos de trabalho formais no Brasil, em 2013, enquanto os homens, 57%.
Analisando os dados, observa-se que nas empresas em que fizemos o questionário,
72% são homens e 28% mulheres.

Na questão 2, foi perguntado qual seria a idade dos colaboradores da


pesquisa.
Gráfico 2 : Qual a sua idade?

De 16 a 24 anos
De 25 a 33 anos
De 34 a 42 anos
De 43 a 51 anos
Mais de 51 anos

Fonte: Os Autores

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada


pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em setembro de 2014,
pouco menos de 16 milhões de brasileiros com 18 a 24 anos estavam trabalhando
ou procurando emprego em 2013, o equivalente a 70,4% da população dessa faixa
etária. Segundo nosso levantamento, os colaboradores das empresas do
levantamento, 33% correspondem à faixa etária de 16 a 24 anos, 22% a faixa etária
de 25 a 33 anos de idade, 17% correspondem à faixa etária de 34 a 42 anos e 11%
à faixa etária com mais de 51 anos. A faixa etária de 18 a 24 anos demonstra maior
participação nas empresas do que em relação às outras faixas etárias.

Na questão 3 foi perguntado sobre a escolaridade dos participantes.

Gráfico 3 : Qual a sua escolaridade?

Ensino Fundamental completo

Ensino Fundamental
incompleto
Ensino Médio completo

Ensino Médio incompleto

Ensino Superior completo

Ensino Superior incompleto


Fonte: Os Autores
Segundo dados do Censo 2010 realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística), a população com idade entre 20 a 24 anos, sem instrução e
com ensino fundamental incompleto correspondente a 25,37%, com ensino
fundamental completo e médio incompleto corresponde a 22,57%, com ensino
médio completo e superior incompleto a 45,82% e com superior completo a 5,46%.
Com 25 anos ou mais, sem instrução e com ensino fundamental incompleto
correspondente 49,25%, com ensino fundamental completo e médio incompleto
corresponde a 14,65%, com ensino médio completo e superior incompleto a 24,56%
e com superior completo a 11,27%. Encontramos 67% dos entrevistados com ensino
médio completo, 17% com ensino superior incompleto e 17% com ensino superior
completo.

Na questão 4 foi perguntado se a conduta dentro da empresa, seguia os


princípios éticos e moral adquiridos ou ensinados durante a vida.

Gráfico 4: A sua conduta dentro da empresa, segue os princípios


éticos e moral adquiridos ou ensinados a você durante sua vida?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Não sei, Não quero, Não vou


opinar.
Fonte: Os Autores

Em resposta a questão 4, 53% responderam que sim, frequentemente


seguem os princípios éticos e moral adquiridos ou ensinados durante a vida,
enquanto 42% responderam que sim, esporadicamente e 5% não quiseram opinar.
Na questão 5 foi questionado se os colaboradores já presenciaram alguma
conduta que tenha sido de má fé por parte de um colega.

Gráfico 5: Você já presenciou alguma conduta que tenha sido de


má fé por parte de um colega?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Não sei, Não quero, Não vou


opinar.

Fonte: Os Autores

Em resposta a questão 5, 100% responderam que não presenciaram alguma


conduta que tenha sido de má fé por parte de um colega, que acaba trazendo
confiança para as empresas, pois as atitudes dos seus colaboradores é idonea.

Na questão 6 foi perguntado aos colaboradores se existia transparência para


com os clientes sobre sigilo dos dados em seus aparelhos.

Gráfico 6: Você é transparente com o cliente sobre o sigilo do


conteúdo contido em seus aparelhos?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Fonte: Os Autores

Em resposta a questão 6, 67% afirmam que sim, frequentemente são


transparentes, enquanto 33% dizem que sim, mas esporadicamente são
transparentes.
Na questão 7 foi perguntado se as empresas possuiam algum tipo de
treinamento ou orientação para a função exercida.

Gráfico 7: A empresa possui algum tipo de treinamento ou


orientação para a função?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Não sei, Não quero, Não vou


Fonte: Os Autores opinar.

Em resposta a questão 7, 77% afirmam que sim, frequentemente são


treinados, enquanto 23% dizem que sim, mas esporadicamente recebem
treinamento. Os 23 % correspondem a uma empresa.

Na questão 8 foi perguntando se os colaboradores já mudaram o


pensamento, porque a empresa tinha outra visão.

Gráfico 8 : Você já mudou uma atitude ou pensamento, por que a


empresa tem outra visão frente ao assunto?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não
Fonte: Os Autores

Em resposta a questão 8, 28% afirmam que sim, frequentemente mudam de


opinião por causa do pensamento da empresa na qual trabalham, enquanto 56%
dizem que sim, mas esporadicamente mudam de posição. Outros 17% não quiseram
opinar.
Na questão 9 foi perguntado se achavam que a empresa em que trabalham
preocupa-se com questões éticas.

Gráfico 9 : Você acha que a empresa em que você trabalha


preocupa-se com questões éticas?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não
Fonte: OsOs
Fonte: Autores
Autores

Em resposta a questão 9, 67% afirmam que sim, frequentemente a empresa


em que trabalham preocupa-se com questões éticas, enquanto 33% dizem que sim,
mas esporadicamente .

Na questão 10 foi perguntado se é importante ser ético no ambiente de


trabalho e também no tratamento para com o cliente.

Gráfico 10 : Você acha que é importante ser ético no ambiente de


trabalho e também no tratamento para com o cliente?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Fonte: Os Autores

Em resposta a questão 10, 89% afirmam que sim, frequentemente é


importante ser ético no ambiente de trabalho e também no tratamento para com o
cliente, enquanto 11% dizem que sim, mas esporadicamente.
Na questão 11 foi questionado se com base na cultura organizacional da
empresa, as diretrizes e normas internas eram aplicadas tendo como foco maior
sigilo dos dados do cliente.

Gráfico 11 : Com base na cultura organizacional da empresa


onde você trabalha, as diretrizes e normas internas são aplicadas
tendo como foco maior sigilo dos dados do cliente?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Não sei, Não quero, Não vou


opinar.
Fonte: Os Autores

Em resposta a questão 11, 83% afirmam que sim, frequentemente são


aplicadas tendo como foco maior sigilo dos dados do cliente, enquanto 13% dizem
que sim, mas esporadicamente.

Na questão 12 foi questionado se cultura da empresa permitia comunicação


entre os integrantes da equipe, sobre aspectos éticos no acesso dos aparelhos dos
clientes.

Gráfico 12 : A cultura da empresa permite uma boa comunicação


entre os integrantes da equipe, sobre aspectos éticos no acesso
dos aparelhos dos clientes?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Não sei, Não quero, Não vou


opinar.
Fonte: Os Autores

Em resposta a questão 12, 94% afirmam que sim, frequentemente era


permitido à comunicação entre os integrantes da equipe, sobre aspectos éticos no
acesso dos aparelhos dos clientes, enquanto 6% dizem que sim, mas
esporadicamente.

Na questão 13 foi perguntado se a organização disponibilizava em seu


orçamento, verba para o aprimoramento em segurança.

Gráfico 13 : A organização disponibiliza em seu orçamento,


verba para o aprimoramento em segurança, por exemplo,
câmeras de segurança onde são guardados os equipamentos em
manutenção?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Não sei, Não quero, Não vou


Fonte: Os Autores opinar.
Em resposta a questão 13, 78% afirmam que sim, frequentemente é
disponibilizado, enquanto 22% dizem que não. Os 22 % correspondem a uma
empresa que não destina a verba para este fim.

Na questão 14 foi perguntado se em algum momento se tem acesso aos


dados dos clientes nos equipamentos.

Gráfico 14: Você em algum momento tem acesso aos dados dos
clientes que estão com os equipamentos em reparo?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Não sei, Não quero, Não vou


opinar.
Fonte: Os Autores

Em resposta a questão 14, 67% afirmam que sim, frequentemente têm


acesso aos dados, enquanto 17% dizem que sim, esporadicamente e os outros 17%
dizem que não tem acesso aos dados. Os 17% que não tem acesso a dados de
equipamentos corresponde a Assistente Administrativa, a Auxiliar Administrativa da
Empresa 1 e a Recepcionista da Empresa 3 não tem acesso a dados de
equipamentos.

Na questão 15 foi questionado se a empresa passa alguma recomendação


sobre o risco no manuseio de equipamentos.
Gráfico 15: A empresa na qual você trabalha, passou alguma
recomendação sobre o risco no manuseio dos equipamentos em
reparo?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Não sei, Não quero, Não vou


Fonte: Os Autores opinar.

Em resposta a questão 15, 56% afirmam que sim, frequentemente têm


alguma recomendação, enquanto 28% dizem que sim, mas esporadicamente e os
outros 17% não opinaram.

Na questão 16 foi perguntado se a empresa proíbe o acesso aos dados dos


clientes com produtos em reparo.

Gráfico 16: A empresa na qual você trabalha proíbe o acesso aos


dados dos clientes com produtos em reparo?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Não sei, Não quero, Não vou


opinar.
Fonte: Os Autores

Em resposta a questão 16, 83% afirmam que não sofrem nenhuma limitação
a acesso a dados por parte da empresa, enquanto 17% dizem que sim,
frequentemente não estão autorizados ao acesso aos arquivos de clientes. Os 17%
que não tem acesso a dados de equipamentos corresponde a Assistente
Administrativa, a Auxiliar Administrativa da Empresa 1 e a Recepcionista da
Empresa 3 não tem acesso a dados de equipamentos. Esta questao complementa a
questão 14.

Na questão 17 foi perguntado se a empresa possui código de ética.

Gráfico 17: A empresa na qual você trabalha, possui código de


ética?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Não sei, Não quero, Não vou


opinar.
Fonte: Os Autores

Em resposta a questão 17, 56% afirmam que a empresa não possui


código de ética, enquanto 44% dizem possui. Os 44% correspondem a dados de
uma empresa.
Na questão 18 foi perguntado se foi flagrado alguém usando dados dos
clientes indevidamente.

Gráfico 18: Em algum momento você flagrou algum colega usando


dados dos clientes indevidamente?

Sim, frequentemente

Sim, esporadicamente

Sim, raramente

Não

Fonte: Os Autores

Em resposta a questão 18, 100% afirmam que nunca flagraram alguém


usando dados de clientes indevidamente. Esta questão complementa a questão 5.
6. CONCLUSÃO

Com os estudos realizados durante o trabalho e acompanhados da pesquisa


de campo, chega-se à conclusão de que a ética nas organizações é fundamental,
porque para adotar um compromisso moral de transparência e ética na condução de
todas as suas práticas é necessário para o andamento da instituição. Sendo assim,
deve existir uma parceria entre organização, colaboradores e clientes, para que seja
possível esta engrenagem.

Revela-se que as empresas levantadas nesse trabalho, têm a gerência e


controle sobre os dados dos aparelhos dos clientes que estão em sua posse para
manutenção e que existe uma preocupação por parte dos colaboradores em ser
ético no ambiente de trabalho e no tratamento com o cliente.

Todas as empresas, sejam elas grandes ou pequenas, precisam avaliar


constantemente a capacidade dos seus colaboradores para garantir que o cliente
tenha seus dados protegidos, que o uso ético da informação do cliente depende de
treinamento dos colaboradores.

Diante disso, qual o comprometimento dos funcionários de empresas de


manutenção de telefonia e computadores em relação à ética das informações
contidas nos aparelhos?

Os colaboradores ao todo, mesmo que em sua maioria não tendo um código


de ética em que possam se basear, tem a consciência de que é importante ser ético
no ambiente de trabalho e também no tratamento para com o cliente, recebem
treinamento ou orientação para a função, também recebem recomendação e sabem
sobre o risco no manuseio dos equipamentos em reparo e a cultura das empresas
levantadas permite uma boa comunicação entre os integrantes da equipe, sobre
aspectos éticos no acesso dos aparelhos dos clientes. Segundo os mesmos, as
diretrizes e normas internas são aplicadas tendo como foco maior sigilo dos dados
do cliente, nenhum dos dados dos clientes foi usado indevidamente segundo o
levantamento e a conduta dentro da empresa, segue os princípios éticos e moral
adquiridos ou ensinados a eles durante a vida. Conclui-se que os funcionários de
empresas de manutenção de telefonia e computadores em relação à ética das
informações contidas nos aparelhos são comprometidos, tanto no ambiente de
trabalho, quanto na relação com o cliente.
7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MATTOS, Airton Pozo de. Ética e Formação do Educador. Curitiba. IESDE


BRASIL S.A, 2008.

ALENCASTRO, Mario Sergio Cunha. Ética empresarial na prática: liderança,


gestão e responsabilidade corporativa. Curitiba: Ibpex, 2010.

CAMARGO, Marculino. Fundamentos de ética geral e profissional. 13. Ed.


Petrópolis, RJ : Vozes, 2014.

SÁNCHEZ VÁZQUEZ, Adolfo. Ética. 28º. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,
2006.

ALONSO, Félix Ruiz. LÓPEZ, Francisco Granizo. CASTRUCCI, Plinio de Lauro.


Curso de ética em administração. São Paulo: Editora Atlas, 2006.

DOS SANTOS Euflasino, AP Mariana, BURDINI Bianca. A IMPORTÂNCIA DA


ÉTICA E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DO
ADMINISTRADOR, FAFIPA- Faculdade Estadual de Educação, Ciência e Letras de
Paranavaí, 2010. Disponível em:
http://www.fafipa.br/site/images/stories/artigos/administracao_anais/2010/008_a_imp
ortancia_da_etica.pdf.

SCHROEDER Ivanir. A responsabilidade e o desafio na formação ética do


administrador. ANGRAD- Associação Nacional dos Cursos de Graduação em
Administração. Disponível em:
http://old.angrad.org.br/_resources/_circuits/article/article_1034.pdf.

REGINATO, Vinícius Araujo. Analise do conteúdo do código de ética dos


profissionais de administração. 2012. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Disponivel em:
https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/78336/000892103.pdf?sequence=
1

DE AZEVEDO João Batista Bregolin, TRAININI Marco Miller. ÉTICA NO


TRABALHO. Revista ciência e conhecimento . Disponível em:
http://cienciaeconhecimento.com.br/Arquivos/Edi%C3%A7%C3%A3o%202014/etica
%20trabalho.pdf.

Sánchez Vazquez, Adolfo. Ética.1915. Rio de Janeiro: civilização brasileira.p304 -


23° ed.

COHEN Claudio, SEGRE Marco. Breve Discurso sobre Valores, Moral, Eticidade
e
Ética. Universidade Estadual Paulista. Disponível em:
.http://www1.fct.unesp.br/Home/Administracao/TecnicaAcademica/Comite%20de%20
Etica%20-%20conceito%20de%20etica.pdf

NEVES Maria Branco Cerqueira. AVALIAÇÃO DO ENSINO DA ÉTICA NAS


ESCOLA MÉDICAS DE SALVADOR -BAHIA-BRASIL. 2005. Universidade federal
da Bahia. Disponível em:
https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/11009/1/Neves,%20Nedy.pdf.

MOON, C., & WOOLLIAMS, P. (2000). Managing cross-cultural business ethics.


Journal of Business Ethics, 27(1-2), 105-115.
FREITAS, Maria Ester de. Cultura organizacional: formação, tipologias e impacto.
São Paulo: Makron, McGraw-Hill, 1991.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria geral da administração: da revolução


urbana à revolução digital. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

ZENISEK, ThomasJ.Corporate social responsability, a conceptualization based


on organizational literature. Apud OLIVEIRA, José Arimatés de.
Responsabilidade social em pequenas e médias empresas. In: Revista de
Administração de Empresas, 24 (4): 204, out./dez..1984.
CARROL, Archie B. “A three-dimensional conceptual model of corporate
performance”. Responsabilidade social em pequenas e médias empresas. In:
Revista de Administração de Empresas, 24 (4): 204-5 out./dez.1984.
DONALDSON, T., WERHANE, P. Ethical issues in business. New Jersey: Prentice-
Hall, 1996.
MELO NETO, Francisco Paulo de e FROES, César. Gestão da responsabilidade
social Corporativa: o caso brasileiro. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.

MARTINELLI, Antonio Carlos. Empresa – Cidadã: Uma Visão inovadora para uma
ação transformadora. In: IOSCHPE, Evelyn Berg (org.). 3° Setor: Desenvolvimento
Social sustentado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

VAZ, Gil Nuno. Marketing Institucional: O Mercado de Idéias e Imagens São Paulo,
Pioneira, 1995, p. 280.

NASH, L. L. Ética nas empresas: boas intenções à parte, São Paulo, Makron Books,
1993.

KOTLER, Philip e ROBERTO, Eduardo. Marketing Social: Estratégias Para Alterar o


Comportamento Público, Rio de Janeiro, Campus, 1a. ed., 1992, p. 25.

ARRUDA, Maria Cecilia Coutinho de; WHITAKER, Maria do Carmo e RAMOS, José
Maria Rodriguez, Fundamentos de Ética Empresarial e Econômica, São Paulo,
Editora Atlas, 2001.
8. ANEXOS

8.1 QUESTIONÁRIO:

1. Sexo:
a. ( ) Masculino
b. ( ) Feminino

2. Qual a sua idade?


a. ( ) De 16 a 24 anos
b. ( ) De 25 a 33 anos
c. ( ) De 34 a 42 anos
d. ( ) De 43 a 51 anos
e. ( ) Mais de 51 anos

3. Qual sua escolaridade?


Ensino Fundamental completo
Ensino Fundamental incompleto
Ensino Médio completo
Ensino Médio incompleto
Ensino Superior completo
Ensino Superior incompleto
4. A sua conduta dentro da empresa, segue os princípios éticos e moral adquiridos
ou ensinados a você durante sua vida?
Sim, frequentemente
Sim, esporadicamente
Sim, raramente
Não
Não sei, Não quero, Não vou opinar.
5. Você já presenciou alguma conduta que tenha sido de má fé por parte de um
colega?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.
6. Você é transparente com o cliente sobre o sigilo do conteúdo contido em seus
aparelhos?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.

7. A empresa possui algum tipo de treinamento ou orientação para a função?


a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.
8. Você já mudou uma atitude ou pensamento, por que a empresa tem outra visão
frente ao assunto?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.

9. Você acha que a empresa em que você trabalha preocupa-se com questões éticas?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.

10. Você acha que é importante ser ético no ambiente de trabalho e também no
tratamento para com o cliente?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.

11. Com base na cultura organizacional da empresa onde você trabalha, as diretrizes
e normas internas são aplicadas tendo como foco maior sigilo dos dados do
cliente?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.
12. A cultura da empresa permite uma boa comunicação entre os integrantes da
equipe, sobre aspectos éticos no acesso dos aparelhos dos clientes?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.

13. A organização disponibiliza em seu orçamento, verba para o aprimoramento em


segurança, por exemplo, câmeras de segurança onde são guardados os
equipamentos em manutenção?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.
14. Você em algum momento tem acesso aos dados dos clientes que estão com os
equipamentos em reparo?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.
15. A empresa na qual você trabalha, passou alguma recomendação sobre o risco no
manuseio dos equipamentos em reparo?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.
16. A empresa na qual você trabalha proíbe o acesso aos dados dos clientes com
produtos em reparo?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.

17. A empresa na qual você trabalha, possui código de ética?


a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.
18. Em algum momento você flagrou algum colega usando dados dos clientes
indevidamente?
a. ( ) Sim, frequentemente
b. ( ) Sim, esporadicamente
c. ( ) Sim, raramente
d. ( ) Não
e. ( ) Não sei, Não quero, Não vou opinar.