Você está na página 1de 25

Direito e Deontologia da

Comunicação

Os códigos deontológicos
Os códigos deontológicos

Os códigos deontológicos como principal expressão da auto-regulação

Os códigos como documentos que reúnem critérios, normas e valores


formulados e assumidos por aqueles que desempenham uma actividade
profissional

Os códigos nas profissões com:


-maior margem de decisão pessoal
-mais responsabilidade

A deontologia e a sobrevalorização dos critérios de rentabilidade e eficácia

2
Os códigos deontológicos
A origem dos códigos:

1º código: Hipócrates, obrigações dos médicos, séc. V antes de Cristo

1º código num jornal:


-declaração de princípios de Benjamin Harris, 1690, no primeiro
jornal americano (Public Occurences Both Foreign and Domestick)

O paralelismo entre o nascimento da actividade e dos compromissos éticos…

1º código ético no jornalismo:


-”The Practice of the Kansas Code of Ethics for Newspaper”, 1910,
Associação de Editores do Kansas

1º código europeu:
-Charte des devoirs profissionels des journalistes français, 1918
3
Os códigos deontológicos

Os 3 períodos da elaboração de códigos deontológicos dos jornalistas

I
(início do séc. XX até à II Guerra Mundial)

-fenómeno isolado, minoritário, mas resultante da industrialização da


imprensa e do seu papel na vida pública

-valores dos jornalistas evoluem do mero aperfeiçoamento moral para uma


resposta aos problemas do quotidiano das redacções

4
Os códigos deontológicos
Os 3 períodos da elaboração de códigos deontológicos dos jornalistas

II
(a seguir à II Guerra Mundial até aos anos 90)

-informação considerada um direito fundamental (art 19º da DDH de 1948)

-generalização dos códigos, também fruto da descolonização e da guerra fria

-1ºs códigos supranacionais:


-1950, Código da Conferência Inter-americana de Imprensa
-1954, FIJ
-1954, OIJ
-1971, Carta de Munique – Declaração de Direitos e Deveres
dos Jornalistas
-1983, Unesco – Princípios Internacionais de Ética
Profissional do Jornalismo
5
Os códigos deontológicos
Os 3 períodos da elaboração de códigos deontológicos dos jornalistas

III
(a partir de 1990)

-as mudanças políticas no leste europeu

-os novos problemas dos media (privacidade, propriedade intelectual,


questões sociais, novas ameaças à democracia, concentração, novas
tecnologias, novos operadores, violência…)

-a reformulação dos códigos nos países europeus

6
Os códigos deontológicos
Os 3 períodos da elaboração de códigos deontológicos dos jornalistas

III (cont.)
A Resolução 1003 (1993) sobre ética do jornalismo da Assembleia Parlamentar
do Conselho da Europa

38 princípios, 6 partes:
notícias e opiniões;
o direito a informar como direito humano fundamental – directores,
proprietários e jornalistas;
a função do jornalismo e a sua ética;
regras sobre as relações editoriais nas empresas;
situações de conflito e casos de protecção especial;
ética e auto regulação no jornalismo.

Características a sublinhar: não tem força vinculativa para os Estados; inclui


também direitos
7
Os códigos deontológicos
A diversidade de códigos…:
-alcance (regional, nacional, internacional)
-promotor (meio de comunicação, grupo profissional, conselho de
imprensa, associações patronais)
-tipo de jornalismo (geral, económico, científico, etc.)
-tipo de meio (agencia, rádio, televisão, jornal)
-aspecto particular (infância e juventude, informação sobre saúde,
ou sobre a guerra)

…mas os pontos comuns na estrutura:


-apresentação ou preâmbulo (que actividade profissional se visa regular,
valores, princípios gerais, etc)
- conjunto de artigos - corpo central de normas que podem ser:
-recomendatórias (sugerido um comportamento)
-normativas (indicada conduta a seguir)
-proibitivas (explicitamente acções que não devem ser realizadas)
-considerações finais – compromisso final sobre a necessidade de
divulgar ou impulsionar. Alguns incluem tb sanções
8
Os códigos deontológicos
Os princípios comuns, segundo o estudo da Unesco (finais dos anos 70)

“1. O destaque dado à integridade, verdade e objectividade de todas as formas


de recolha e difusão de notícias

2. Manter sempre um fluxo de informação livre entre governo e cidadania.

3. Cultivar o maior profissionalismo dos jornalistas e procurar que os seus


empregadores respeitem e protejam a sua honestidade pessoal.

4. Lealdade ao próprio país, rejeitando a utilização da própria condição de


jornalista para afectar ou danificar o seu bem-estar por motivos económicos ou
ideológicos ou a pedido de um país estrangeiro.

5. Preservar a confidencialidade das fontes quando tal se justificar e se tiver


feito um acordo nesse sentido; dar a conhecer as fontes quando o receptor necessitar
desse dado para julgar pessoalmente a validade, etc… da informação veiculada”

9
Os códigos deontológicos

Código Sintético (Claude-Jean Bertrand):

Valores fundamentais

-respeitar a vida

-promover a solidariedade entre os seres humanos

Regras morais gerais

-não mentir

-não se apropriar dos bens de outrem

-não causar sofrimento inútil

10
Os códigos deontológicos
Código Sintético (Claude-Jean Bertrand) (cont.):
Princípios jornalísticos
-ser competente (portanto, seguro de si, e como tal, pronto a reconhecer os seus erros)

-ser independente face às forças económicas e políticas

-nada fazer que diminua a confiança do público relativo aos media

-ter uma definição lata e profunda da informação (não limitada ao evidente, ao


apelativo, ao superficial)

-fornecer um relato exacto, completo e compreensível sobre a actualidade

-servir todos os grupos (ricos/pobres, jovens/velhos, esquerda/direita)

-estimular a comunicação, logo, o entendimento entre os homens

-defender e promover os direitos humanos e a democracia

-trabalhar para o aperfeiçoamento da sociedade envolvente


11
Os códigos deontológicos
A responsabilidade dos jornalistas perante…
…os seus pares

não desacreditar a profissão;


lutar pelos seus direitos, pelo acesso à informação e contra a censura;
ser solidário com os outros jornalistas;
não se oferecer para trabalhar por um salário menor;
não se apropriar de ideias, dados ou produtos de outrem;
ajudar os colegas em situações difíceis

…as suas fontes

respeitar os embargos;
velar pela exactidão das palavras reproduzidas (sobretudo se entre aspas);
não colocar palavras fora do contexto, nem deturpar uma exposição longa quando é
sintetizada;
não revelar a fonte de informação se essa omissão tiver sido acordada;
não se deixar manipular pelas suas fontes;
manter um espírito crítico face às fontes
12
Os códigos deontológicos
A responsabilidade dos jornalistas perante…

…as pessoas em causa

não lançar acusações sem ouvir a pessoa acusada, dando-lhe oportunidade de exprimir
o seu ponto de vista;
não revelar características das pessoas (sexo, nome, nacionalidade, grupo étnico, opção
política, deficiência, emprego, preferência sexual) não pertinentes para a notícia nem
utilizá-las para desacreditar alguém;
não apresentar imagens de acidentes ou crimes se isso prejudicar entes próximos das
vítimas

…os consumidores

não usar métodos subliminares, sensacionalistas

13
Os códigos deontológicos
As regras dos jornalistas nas diferentes fases de elaboração de uma notícia
(C.J Bertrand)

Fase da obtenção de informação:

-não inventar a informação;


-não usar meios desonestos para obter uma informação ou uma foto (dissimular a
identidade, introduzir-se numa propriedade privada, gravar conversas disfarçadamente,
roubar documentos – excepto se o interesse público o justificar e não havendo meio
alternativo, caso em que deve declarar os seus processos de obter a informação
-não pagar informações a testemunhas de crimes ou a criminosos, nem utilizar meios
coercivos (mentira, assédio, ameaça, chantagem);
-não invadir a privacidade das pessoas;
-não abusar da ingenuidade das pessoas pouco habituadas a lidar com os media, nem
ridicularizá-las;
-informar o entrevistado do destino dado às suas declarações, mas não informá-las
previamente das questões.

14
Os códigos deontológicos
As regras dos jornalistas nas diferentes fases de elaboração de uma notícia
(C.J Bertrand)

Fase da selecção da informação:

-não publicar uma mera hipótese como facto demonstrado;

-evitar boatos, informações não verificadas, entrevistas de rua;

-não omitir informação por preguiça (necessidade de pesquisa ou tratamento da


informação), cobardia, pressões internas (sector comercial por ex.) ou externas (anunciante
ou fonte);

-seleccionar informações em função da sua utilidade e não da curiosidade de uma


população menos informada, do seu desejo de divertimento, do seu voyeurismo;

-não dar demasiado espaço às informações provocantes (sexo, crime) ou susceptíveis de


desmoralizar a população.
15
Os códigos deontológicos
As regras dos jornalistas nas diferentes fases de elaboração de uma notícia
(C.J Bertrand)

Fase do tratamento/apresentação:

-separar publicidade e jornalismo;

-não misturar factos e comentários (o que não impede de, feita a separação, tomar partido;
contextualizar a actualidade com análises, comentários, opiniões, desde que identificados e
correspondendo aos factos);

-apresentar vários pontos de vista sobre temas controversos;

-identificar fontes ou explicar porque isso não é possível;

-títulos devem corresponder às notícias;

-não dar às notícias importância indevida, sobretudo em actos de violência


16
Os códigos deontológicos
As regras dos jornalistas nas diferentes fases de elaboração de uma notícia
(C.J Bertrand)

Fase da pós-publicação:

-admissão espontânea de uma correcção, acompanhada de eventual pedido de desculpas,


reconhecer erros depressa, com clareza e de forma visível.

Os temas comuns dos códigos europeus

17
Os códigos deontológicos
Análise comparativa de 31 códigos europeus (Tiina Laitila, 1995, “Journalistic Codes of
Ethics in Europe”, European Journal of Communication):

Veracidade, honestidade e exactidão da informação – 28 (90%)

Correcção de erros – 28 (90%)

Não discriminação com base na raça, etnia, religião – 27 (87%)

Respeito pela privacidade – 27 (87%)

Proibição de subornos ou quaisquer outros privilégios – 27 (87%)

Métodos honestos na obtenção de informação – 26 (84%)

Não aceitar pressões externas no desempenho da função de jornalista – 26 (84%)

Não discriminação com base no sexo, classe social, etc – 25 (81%)


18
Os códigos deontológicos
Análise comparativa de 31 códigos europeus (continuação)

Liberdade de expressão, de comentário e de crítica - 23 (74%)

Sigilo profissional – 23 (74%)

Não utilização da condição de jornalista para obter benefícios pessoais – 21 (68%)

Relação entre títulos e conteúdo da notícia – 20 (65%)

Distinção entre factos e opiniões ou suposições – 20 (65%)

Proibição da omissão ou da tergiversação – 20 (65%)

Respeito pelos direitos de autor e pelas normas de citação – 20 (65%)

Especial cuidado no tratamento de crimes, acidentes, etc. – 19 (61%)

Confirmação dos factos e das fontes – 18 (58%)


19
Os códigos deontológicos

Análise comparativa de 31 códigos europeus (conclusão)

Proibição de calúnia, difamação, acusações infundadas – 18 (58%)

Presunção de inocência – 18 (58%)

Cláusula de consciência – 18 (58%)

Separação de publicidade e conteúdo editorial – 18 (58%)

Responsabilidade sobre tudo o que é divulgado – 17 (55%)

Luta contra a censura – 16 (52%)

20
Os códigos deontológicos
Conteúdos agrupados por temas:

Veracidade da informação (veracidade, correcção de erros, relação entre títulos e notícias,


confirmação de factos e de fontes…)

Clareza da informação (distinção entre factos e opiniões, proibição de omissão…)

Defesa dos direitos do público (liberdade de expressão, de comentário…)

Responsabilidade como criadores de opinião pública (não discriminação, responsabilidade


por tudo o que é publicado…)

Obtenção e apresentação da informação (meios honestos, respeito pelos direitos de autor e


normas de citação, proibição de calúnia, difamação…)

Integridade da fonte (privacidade, sigilo profissional, especial cuidado no tratamento de


crimes, acidentes, presunção de inocência…)

Respeito pelas instituições do Estado


21
Os códigos deontológicos
Conteúdos agrupados por temas (conclusão):
Lealdade ao empregador (não utilização da condição de jornalista para benefícios
pessoais..)

Direitos e proibições para proteger a integridade dos jornalistas (proibição de subornos, não
aceitar pressões externas…)

Protecção face aos poderes públicos (luta contra a censura…)

Protecção face aos empregadores e anunciantes (clausula de consciência, separação de


publicidade e conteúdos…)

Defesa do estatuto e da unidade da profissão jornalística

Defesa da solidariedade dentro da profissão

As características específicas dos códigos de países do Terceiro Mundo e dos


regimes marxistas
22
Os códigos deontológicos
Os destinatários das obrigações dos jornalistas
-público e sociedade em geral (40%)

-a própria profissão (32%)

-fontes e protagonistas das notícias (22%)

-empresa jornalística (4%)

-instituições oficiais (2%)

A evolução dos conteúdos dos códigos

-inicialmente, obrigações sobre verdade, exactidão, respeito pelas fontes


-depois, responsabilidade dos media perante a sociedade, salvaguarda das garantias de
honestidade dos jornalistas, respeito pelos direitos do público
-a partir da década de 70, privacidade, não discriminação (raça, sexo, orientação sexual,
religião, etc.), tolerância, recusa da violência
23
Os códigos deontológicos
Vantagens dos códigos

-reconhecimento público da dimensão ética da profissão

-credibilização da profissão

-regras partilhadas pela profissão, não deixando jornalistas entregues apenas à sua
consciência

-autodefesa da profissão face a interferências externas – leis, pressões das empresas ou de


grupos económicos

-aprendizagem ética da profissão

-aumentar prestígio da profissão

-regula relações entre jornalistas e aqueles que contactam – fontes, Estado, empresas de
media

24
Os códigos deontológicos
Críticas aos códigos

-restringe liberdade de expressão dos jornalistas


(…mas são compromissos livremente assumidos)

-normas gerais frequentemente desrespeitadas


(…mas balizam a consciência ética e geram debate útil)

-não prevêem todas as situações


(…mas devem ser complementadas por outras formas de auto-regulação)

-não impedem falhas deontológicas


(…poder-se-ia obrigar à publicação das decisões condenatórias, mas mesmo assim
são úteis)

-transmitem a noção de que o cumprimento é uma imposição a cada jornalista, afinal


muitas vezes vítima das orientações da empresa
(…importante garantir liberdade interna)

25