Você está na página 1de 3

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

CURSO DE PSICOLOGIA

OLGA ELIZABETH NOGUEIRA DO NASCIMENTO

RESUMO: PSICOLOGIA

JOÃO PESSOA
2018
Introdução

O envelhecimento é um processo heterogêneo e multideterminado, e vem


crescendo expressivamente, com isso, cada vez mais o psicólogo deve estar preparado
para atender adequadamente a população idosa, gerando uma velhice saudável que
preconiza um idoso ativo. Tornar o idoso consciente de suas possibilidades e favorecer
espaços existenciais onde o mesmo possa posicionar-se e desenvolver afetos e papéis
sociais compatíveis com sua condição atual, rompendo com a dependência e passividade
frente à vida se faz tarefa importante, bem como proporcionar o convívio intergeracional
a fim de desmistificar representações negativas comumente ligadas ao envelhecer, as
quais negligenciam a subjetividade e levam a atitudes que superprotegem ou subestimam
as capacidades do idoso. Analisar a personalidade e suas possíveis alterações ao longo do
tempo, é reconhecer o idoso como um indivíduo dotado de especificidades - com suas
próprias crenças, afetos, desejos e valores; e é por esta composição da vivência passada,
futura e presente que o envelhecimento é marcado.

Diante disto, a prática psicológica possui o desafio de identificar as reais


necessidades, que por muitas vezes perpassam por sofrimentos sociais e emocionais, mas
que estão mascaradas em problemas físicos, pela dor do corpo. Inevitavelmente,
envelhecer traz consigo alterações físicas, estéticas e funcionais, as quais possuem um
grande peso na autoestima e no autocuidado, quando não são bem assistidas. O corpo não
mais obedece aos padrões estéticos, e assim pode tornar-se um inimigo, e a ilusão da
juventude eterna impede perspectivas saudáveis de envelhecimento. Deve-se tomar
cuidado com imposições acerca de prática saudáveis, pois infantilizam o idoso, negando
sua possibilidade de decisão, ao invés de ampliar potencialidades e reabilitar limitações;
neste sentido, intervenções para com o idoso devem acontecer de maneira interdisciplinar
e considerar seus desejos e aspirações, compatíveis com as condições físicas, sociais e
emocionais individuais.

Avaliação do idoso

A avaliação ocorre de tal maneira que investigue o idoso vinculado à sua história,
família e contexto social. As demandas normalmente giram em torno de alterações
cognitivas, depressão, queixas de memória e ansiedade. Na entrevista clínica, por meio
da escuta imparcial pretende-se identificar os sofrimentos e dificuldades, para então
escolher os testes específicos aliados a exames clínicos e de imagem, que objetivam
identificar as alterações e suas intensidades. A intervenção manutenção, reabilitação ou
adaptação.

Promoção de Saúde do Idoso

A promoção de saúde, ou seja, os cuidados essenciais com a saúde física e mental


deve existir durante toda a vida, dessa forma, a construção do envelhecimento bem-
sucedido passa pela percepção e pela relação com os acontecimentos da vida. O psicólogo
é um profissional apto a intervir em promoção de saúde em diferentes contextos,
propondo mudanças de hábitos e desenvolvimento de recursos internos que ajudam a
enfrentar as dificuldades. Estimular o interesse pela vida, desenvolver a resiliência,
autonomia, autocuidado, aprendizagens, construção de objetivos e satisfação. A
experiência e a sabedoria devem ser direcionadas para retomada de realizações e projetos,
além do desenvolvimento de novas relações sociais, rompendo com visões estereotipadas,
elaborando resoluções de conflitos, além de contribuir com a identidade do idoso,
permitindo sua vivência saudável de maneira coerente com a realidade.