Você está na página 1de 170

CURSO BÍBLICO INTERNACIONAL

ENCONTRO COM A PALAVRA


Livro 6

ESTUDO PANORÂMICO
DO NOVO TESTAMENTO
(I Coríntios a Apocalipse)

PR. DICK WOODWARD


Toda glória e honra ao Senhor nosso Deus! Este material foi escrito e
impresso pelo Ministério Cooperativo Internacional (ICM - International
Cooperating Ministries) para ser uma bênção em sua vida.

É permitida a reprodução total e parcial deste livro, sem a autorização


por escrito do ICM, para uso pessoal e na sua igreja.

“Portanto, fortifique-se na graça que há em Cristo Jesus. E as coisas que


me ouviu dizer na presença de muitas testemunhas, confia a homens
fiéis, que sejam também capazes de ensinar a outros” (II Timóteo 2.1,2).

Woodward, Dick

Estudo Panorâmico
do Novo Testamento

(I Coríntios a Apocalipse)

Curso Bíblico Internacional


ENCONTRO COM A PALAVRA

Tradução em Português: Ruth Gialluca


Correção Ortográfica: Lídia Damasceno Gialluca e Marlene Frade
Editoração Eletrônica: Elen Canto
Capa: Paulo Sergio Baeta e Jersio Dreissing
Impresso no Brasil por: FINE GRAF GRÁFICA E EDITORA EIRELI ME
Supervisão Geral: Pr. Leandro Ferreira
E-mail: pastorleandroferreira@gmail.com

1ª Edição: Julho/2006 = 1.000 exemplares


2ª Edição: Dezembro/2009 = 2.500 exemplares
3ª Edição: Julho/2013 = 3.000 exemplares
4ª Edição: Maio/2016 = 3.500 exemplares
Nota Importante
O material que você tem em mãos é um complemento dos estudos
que vêm sendo ministrados por uma rede variada de emissoras de rádio e
pela internet (www.desfrutedeus.com) e é enviado, gratuitamente, ape-
nas aos ouvintes que estão acompanhando, regularmente, os estudos por
uma dessas emissoras. Para recebê-lo, basta solicitar, escrevendo para o
endereço divulgado no final de cada aula.
Por se tratar de um curso, é necessário responder o questionário de
cada livro; com isto você garante o recebimento do próximo, bem como de
um lindo Certificado de Conclusão ao término do curso.
ÍNDICE
INTRODUÇÃO.................................................................................................................06

CAPÍTULO 1
Estudo Resumido da Primeira Carta aos Coríntios ........................................................ 07
CAPÍTULO 2
Um Enfoque Mais Detalhado da Primeira Carta Aos Coríntios ..................................... 16

CAPÍTULO 3
Amor Que Confronta (Capítulo 5) ................................................................................. 20

CAPÍTULO 4
Manual do Casamento (Capítulo 7) .............................................................................. 23

CAPÍTULO 5
Três Princípios Para a Vida Cristã (Capítulos 8 a 10) ...................................................... 30

CAPÍTULO 6
Seção Construtiva da Carta - A Atuação do Espírito Santo ............................................ 37

CAPÍTULO 7
O Que é Amor? (Capítulo 13) ........................................................................................43

CAPÍTULO 8
A Ressurreição de Todos os Crentes (Capítulo 15) .......................................................47

CAPÍTULO 9
A Segunda Carta de Paulo Aos Coríntios........................................................................ 51

CAPÍTULO 10
O Que Motiva Um Motivador? (II Coríntios 5.13-6.2) .................................................. 54

CAPÍTULO 11
A Transcendência de Um Ministro .................................................................................58

CAPÍTULO 12
A Graça de Contribuir.......................................................................................................60

CAPÍTULO 13
A Carta de Paulo Aos Gálatas...........................................................................................64

CAPÍTULO 14
A Carta de Paulo Aos Efésios. .. ......................................................................................73

CAPÍTULO 15
A Carta de Paulo Aos Filipenses. ...................................................................................82

CAPÍTULO 16
A Carta de Paulo Aos Colossenses .................................................................................90
CAPÍTULO 17
Primeira e Segunda Carta de Paulo Aos Tessalonicenses ...............................................93
CAPÍTULO 18
A Primeira Carta de Paulo a Timóteo ............................................................................99
CAPÍTULO 19
A Carta de Paulo a Tito ................................................................................................105
CAPÍTULO 20
A Carta de Paulo a Filemom.........................................................................................107
CAPÍTULO 21
A Segunda Carta de Paulo a Timóteo............................................................................109
CAPÍTULO 22
O Livro de Hebreus ......................................................................................................114
CAPÍTULO 23
É Melhor Você Crer! ....................................................................................................117
CAPÍTULO 24
Foco na Fé ....................................................................................................................120
CAPÍTULO 25
A Carta de Tiago ...........................................................................................................123
CAPÍTULO 26
Dois Tipos de Religião ..................................................................................................126

CAPÍTULO 27
Dois Tipos de Sabedoria ..............................................................................................128

CAPÍTULO 28
As Fontes das Soluções ................................................................................................129

CAPÍTULO 29
As Cartas de Pedro – Os Três Pedros ...........................................................................131

CAPÍTULO 30
A Primeira Carta de Pedro ...........................................................................................134

CAPÍTULO 31
A Segunda Carta de Pedro ...........................................................................................141

CAPÍTULO 32
Primeira, Segunda e Terceira Carta de João ................................................................145

CAPÍTULO 33
A Carta de Judas .........................................................................................................153

CAPÍTULO 34
O Livro do Apocalipse .................................................................................................155
Introdução (ao aluno iniciante)
Quando você se aprofunda na Palavra de Deus e deixa que a Palavra
transforme sua vida, coisas maravilhosas e tremendas acontecem.
Bem-vindo ao ENCONTRO COM A PALAVRA. Juntos faremos um
estudo de toda a Bíblia, dividido em 13 livros. Essa jornada nos levará
do Livro de Gênesis ao Apocalipse e nos dará uma visão panorâmica de
cada livro da Bíblia. Observaremos a estrutura do livro, o seu contexto
histórico e, o que é mais importante, buscaremos uma aplicação para
nossas vidas, a partir do ensino de cada livro.
Algumas pessoas acham a Bíblia um livro confuso. Realmente, não
é fácil relacionar os acontecimentos com a sua época e o seu significado.
Mas, cada versículo da Bíblia é um pedacinho desse quebra-cabeça, cujo
conteúdo é muito glorioso. Minha oração é que, no final dessa jornada,
você tenha adquirido uma compreensão maior de cada livro da Bíblia, do
modo como eles se completam, e possa situá-los dentro da história de
Deus com o homem. No final, você terá uma compreensão de como Deus
trabalhou nos tempos do Velho Testamento; terá também compreendido
o que mudou com a vinda de Jesus Cristo e a razão da mudança; aquilo
em que você antes cria no coração, será confirmado em sua mente, e
você poderá testemunhar sua fé com mais confiança e conhecimento.
Espero que você faça todo o curso e convide outras pessoas para que
nos acompanhem nesse estudo da Bíblia, o livro mais importante do mun-
do. Faça suas malas e prepare-se para embarcar. Estamos prestes a partir!

Ferramentas que serão utilizadas


Segundo o apóstolo Paulo, a única maneira de não passarmos ver-
gonha, quando se trata de Bíblia, é tornarmo-nos obreiros que manejem
bem a Palavra. A única maneira de entender a Bíblia é saber usá-la. Por
isso, o meu desafio é que você assuma o compromisso de estudá-la com
dedicação e sinceridade. Nenhum livro merece mais dedicação e em-
penho da nossa parte que a Bíblia. Se você quiser se aprofundar ainda
mais neste estudo, além de dedicação e empenho há outras ferramentas
que o ajudarão a ir mais fundo no conhecimento das Escrituras.
Antes de qualquer coisa você precisa de uma Bíblia e, se possível,
adquira mais de uma tradução. Você também vai precisar de um cader-
no para anotações.
Como qualquer outro trabalho, esse será cumprido com mais fa-
cilidade e atingirá melhores resultados, se você possuir as ferramentas
certas. O estudo da Bíblia fica mais produtivo, quando se utilizam os
recursos disponíveis. Procure equipar-se com as ferramentas que men-
cionamos e você se surpreenderá com os resultados.
ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 1
Estudo Resumido da Primeira Carta aos Coríntios
A primeira carta que Paulo que tinham surgido durante sua
escreveu aos coríntios é uma tí- ausência. Esta carta teve a finali-
pica carta pastoral, escrita para dade de mostrar a solução daque-
as igrejas que ele tinha fundado les problemas.
durante o seu ministério, como o Apesar disso, Paulo reconhe-
maior missionário na História da ceu os cristãos de Corinto como “...
Igreja de Jesus Cristo. Sua carta santificados em Cristo Jesus, cha-
aos romanos foi uma obra-prima mados para serem santos” (1.2).
teológica de conteúdo amplo e ge- A maneira como Paulo tratou os
nérico, escrita para um grupo de cristãos nesta carta tem algo a nos
cristãos que ele não conhecia pes- ensinar sobre a palavra “santifica-
soalmente. As outras cartas foram do”. O significado desta palavra é
escritas do ponto de vista de um “separado”. Um povo santificado
pastor, para igrejas que ele conhe- não pressupõe um povo perfei-
cia muito bem, e tinham o objeti- to, mas um povo separado para
vo de corrigir alguns problemas ou seguir a Cristo. Paulo, que tinha
instruir e encorajar os cristãos na levado a Cristo os primeiros mem-
caminhada de fé. A primeira carta bros daquela igreja, tomou para si
que Paulo escreveu aos coríntios a responsabilidade de ensinar aos
tem estas características. coríntios a maneira certa de viver.
Afinal, eles tinham sido chamados
A seção de disciplina da carta para serem representantes de Cris-
(capítulos 1-11) to na terra.
Paulo fundou a igreja em Co- Os onze primeiros capítulos
rinto durante sua segunda viagem de I Coríntios tratam daquilo que
missionária (Atos 18). Enquanto impedia o crescimento e o teste-
esteve em Éfeso, por três anos e munho dos cristãos da cidade de
meio, Paulo visitou a igreja de Co- Corinto, tanto individualmente,
rinto mais uma vez, ocasião em quanto como igreja. A maneira
que foi informado dos problemas como Paulo tratou dos problemas

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 7


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

da igreja naquela cidade serve não admitia este tipo de conduta e


como exemplo para que tratemos não agia de maneira que pareces-
dos mesmos problemas que sur- se acusação a algum membro da
gem nas igrejas do século XXI. igreja. Ele cuidou do problema re-
preendendo, corrigindo e fazendo
Os problemas de que Paulo tomou o possível para sua solução. Quan-
conhecimento através de Cloe do algum membro da igreja não se
Cloe informou Paulo dos se- dispunha a assumir o que dissera,
guintes problemas: divisão na Paulo considerava tudo como fo-
igreja, imoralidade e processos ju- foca. Ele estabeleceu a conduta e
diciais de um irmão contra outro, deu o exemplo para que o sigamos
na justiça comum da cidade de e não colaboremos na proliferação
Corinto. de fofocas.
Paulo disse textualmente aos
coríntios de que forma teve conhe- O problema da divisão na igreja
cimento dos problemas da igreja, (capítulos 1-4)
o que também é um exemplo para A igreja de Corinto estava di-
os que pastoreiam igrejas. No ca- vidida porque seus membros ti-
pítulo 1, versículo 11, lê-se: “Pois nham-se polarizado em torno dos
a vosso respeito, meus irmãos, fui seus líderes. Paulo foi o pastor
informado, pelos da casa de Cloe, fundador da igreja e cuidou dela
de que há contendas entre vós”. durante seus primeiros dezoito
Paulo deixou claro que sua fonte meses. Ele era considerado uma
de informação foi o grupo de cris- das mentes privilegiadas daqueles
tãos, que se reunia regularmente dias, e como os habitantes de Co-
na casa de Cloe. Não foi evasivo, rinto representavam uma cultura
nem usou de subterfúgio quanto altamente intelectualizada, muitos
à fonte de informações, quando o dos coríntios se polarizaram ao
assunto se referia a problemas en- redor dele, a quem tinham como
volvendo cristãos da igreja. exemplo. A igreja de Corinto pode
É comum nas igrejas pessoas ser comparada a igrejas de cida-
procurarem o pastor e dizerem que des onde há grande número de
contarão isso ou aquilo a respeito universidades. A expressão muito
de alguém, se tiverem a garantia usada na época, “falar como se
de que não serão reveladas. Paulo fala em Corinto”, expressava como

8 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

a cultura grega era valorizada na- e que, depois, Paulo os instruiu a


quela cidade. recebê-lo de volta à comunhão da
Outro pastor chamado Apolo, igreja (II Coríntios 2.4-8).
que era um pregador eloquente,
tinha a preferência de outros discí- O problema de um cristão
pulos, enquanto Pedro era o prefe- processar judicialmente
rido entre as pessoas menos cultas outro cristão (capítulo 6)
da igreja. Tal favoritismo entre os Paulo foi taxativo na ques-
cristãos formou uma divisão, que tão de disputas litigiosas entre os
é o assunto dos quatro primeiros membros da igreja, que estavam
capítulos desta carta. Um dos en- buscando orientação e julgamento
sinos que tiramos destes capítu- de juízes, que não tinham o Espíri-
los é que os líderes de igreja não to Santo para resolver seus proble-
devem lutar entre si em busca de mas. Paulo ensina que o Espírito
destaque, e os membros devem se Santo dentro deles poderia resol-
unir e seguir a Jesus, e não a Seus ver seus conflitos. Ironicamente,
ministros. Paulo sugere que os menos qua-
lificados espiritualmente dentro da
O problema da imoralidade na igreja igreja são mais habilitados para
(capítulo 5) tratar de uma disputa entre irmãos
O acontecimento de que trata que um juiz que não tem sabe-
o capítulo 5 é que um dos mem- doria espiritual. Paulo não afirma
bros da igreja de Corinto estava isso com todas as letras, mas usa
vivendo com a mulher do seu pai de ironia para transmitir seu pen-
e, apesar de parte da igreja ter co- samento. Ele ensinou que é me-
nhecimento do fato, nada foi feito lhor o crente ser lesado que levar
para disciplinar aquele homem por um irmão na fé para justiça, e pre-
seu comportamento imoral. Paulo judicar o testemunho de Cristo na
confrontou a negligência dos mem- comunidade.
bros e deixou isso claro no capítulo Sua instrução inspirada serviu
5, quando os instruiu a que expul- como base para o que se chama
sassem aquele homem da igreja. hoje de “Cânon da Lei”, na Igreja
Em sua segunda carta àquele povo Católica Romana e levou muitos
há referência de que os membros cristãos a se recusarem a resolver
da igreja seguiram sua orientação suas questões na justiça comum,

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 9


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

a despeito de sofrerem perdas. da igreja, por isso, Paulo aconse-


Este capítulo também nos encora- lha os solteiros a continuarem no
ja a buscarmos o conselho sábio e estado em que estavam, e que
maduro de líderes espirituais. seria bom que o homem não to-
casse em mulher.
Perguntas que Paulo respondeu a Além da angustiosa situação de
respeito do casamento perseguição, outro motivo, segundo
(capítulo 7) Paulo, é que os solteiros podem se
Paulo inicia o capítulo 7, di- dedicar totalmente ao Senhor, en-
zendo: “Quanto ao que me es- quanto que os casados têm que se
crevestes...” (7.1), o que revela ocupar com as responsabilidades
que ele teve outras fontes de in- para com o cônjuge. Ele encerra o
formações, além daquele grupo capítulo estimulando o celibato e o
de irmãos que se reunia na casa descreve como um dom que Deus
de Cloe. Este capítulo é a resposta dá para alguns. Paulo também en-
de Paulo às perguntas que aque- sinou aqueles cristãos, solteiros ou
la igreja lhe fez por meio de uma casados, a viverem bem, na situa-
carta, a respeito de questões de ção em que estavam, e não deseja-
casamento. rem mudança em seu estado civil.
Algumas traduções da Bíblia Ele deixou claro que o casamento é
dividem este capítulo em parágra- totalmente aprovado para aqueles
fos, e cada um deles é a resposta a que não foram chamados a perma-
uma das perguntas que foram for- necerem solteiros.
muladas. Estudando as respostas
que Paulo deu, podemos concluir O irmão mais fraco
que perguntas eles tinham feito. (capítulos 8-10)
Todas as respostas de Paulo Muitos cristãos coríntios ti-
devem ser consideradas à luz do nham dúvidas quanto a comer
versículo 26 deste capítulo: “por carne que tivesse sido sacrifica-
causa da angustiosa situação da a ídolos. Este é o assunto dos
presente”, referindo-se à perse- capítulos 8 ao 10. Paulo ensinou
guição pela qual a igreja estava que eles não deveriam comer car-
passando. A maioria dos conse- ne que tivesse sido sacrificada a
lhos de Paulo neste capítulo apli- ídolos, se isso viesse a ser causa
ca-se ao período de perseguição de tropeço para outros cristãos.

10 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Porém, deixou bem claro que o O papel da mulher na igreja


fato de comer carne sacrificada (capítulo 11)
a ídolos não compromete a fé de Dos versículos 1-16, do capí-
ninguém, porque: “sabemos que tulo 11, Paulo tratou da questão
o ídolo, de si mesmo, nada é no da posição da mulher em relação
mundo e que não há senão um só ao homem e a Deus. Além de or-
Deus” (8.4). denar que as mulheres cobrissem
Paulo explicou que não são suas cabeças ao orarem e profeti-
todos que têm tal entendimento, zarem, e que os homens deixas-
pois alguns, sendo fracos, asso- sem a cabeça descoberta, Paulo
ciam comer carne sacrificada à deixou claro que a mulher ore e
imoralidade e à adoração de ído- profetize em reuniões da igreja.
los, por isso, não a comem. A Esta passagem não está dizendo
questão não é o que é certo ou que as mulheres devem usar cha-
errado, mas o quanto você ama péus ou véus quando vão à igreja.
seu irmão. Cristo o amou suficien- O ensino de Paulo nesta passagem
temente para morrer por ele, mas refere-se a um costume da época,
será que você ama seu irmão o quando as mulheres usavam véus,
suficiente, a ponto de, por causa o que ainda acontece em muitas
dele, desistir de um alimento que partes do mundo. Quando uma
possa escandalizá-lo? mulher cristã decidia não usar
Paulo finaliza esta seção da car- mais o véu, ela estava desonrando
ta compartilhando três princípios, o seu marido e foi disso que Paulo
que devem ser aplicados em tais tratou. Outro costume tratado por
questões, para as quais não existe Paulo refere-se ao das prostitutas
uma ordem específica na Bíblia: daquela época, que costumavam
usar a cabeça descoberta e cabe-
1. Faça tudo para a glória de los curtos. Por isso, Paulo afirma
Deus. que é vergonhoso para a mulher
2. Faça aquilo que resultará usar os cabelos curtos; estes deve-
na salvação do irmão mais riam ser longos.
fraco. Paulo conclui dizendo que
3. Certifique-se de que você “Cristo é o cabeça de todo homem,
não está buscando os seus e o homem, o cabeça da mulher, e
próprios interesses. Deus, o cabeça de Cristo” (11.3).

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 11


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Profanação da mesa do Senhor atuação do Espírito nas reuniões


(capítulo 11) da igreja, doutrina da ressurrei-
Nos versículos 23 e 24, Paulo ção, sua aplicação em nossas vi-
lembra aos coríntios a importância das e a mordomia.
da Mesa do Senhor e enfatiza como Nos capítulos anteriores, de
o coração deve ser preparado antes 1 ao 11, Paulo tratou dos proble-
de tomarmos parte dela. Paulo diz mas na igreja de Corinto. Apesar
que o cristão só deve tomar parte de se tratar de cristãos, em quem
da Mesa do Senhor depois de ter o Espírito Santo habitava, eles ain-
examinado a si mesmo e se acha- da cultivavam muitos costumes e
do em condição digna para isso. prazeres da carne.
Disse, ainda, que aproximar-se Nos capítulos 2 e 3, Pau-
da Mesa do Senhor indignamente lo deu três classificações para o
pode acarretar sérias consequên- homem: o homem natural, que é
cias; por isso, muitos achavam que aquele que está espiritualmente
não eram dignos dela, mesmo não morto e, portanto, não tem o Es-
sendo exatamente isso que Paulo pírito Santo; o homem espiritual,
está falando. A Mesa do Senhor que já recebeu, e em quem habi-
mostra que Jesus é digno, por isso ta o Espírito Santo, por isso está
não devemos nos aproximar dela espiritualmente vivo, e o homem
de maneira indigna. carnal, aquele que já recebeu o
Espírito Santo, mas que opta por
A seção construtiva da carta viver na “carne”, de conformidade
(capítulos 12-16) com o “homem natural, e sem o
Os últimos quatro capítulos cuidado ou o tratamento de Deus”.
referem-se a uma seção constru- A forma como Paulo conduziu
tiva da carta, onde Paulo indica esta carta nos permite identificar,
soluções para os problemas cita- espiritualmente, os cristãos de Co-
dos na seção anterior. Paulo inicia rinto. Paulo se dirigiu a eles como
dizendo: “A respeito dos dons es- “santificados” e, depois, os chamou
pirituais, não quero, irmãos, que de “carnais”. No capítulo 12, ele
sejais ignorantes”. A partir daí, disse: “...não quero, irmãos, que
Paulo passou a falar sobre vários sejais ignorantes”. Podemos con-
assuntos: os dons do Espírito, a cluir, então, que os cristãos de Co-
Igreja, o Corpo vivo, o amor, a rinto eram espirituais, mas tinham

12 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

um comportamento carnal, porque O amor é o “caminho sobre-


eram espiritualmente ignorantes. modo excelente” que o Espírito
Santo usa para solucionar pro-
Dons espirituais blemas individuais ou coletivos
De acordo com Paulo, as na vida dos crentes. Paulo usou a
soluções espirituais para os pro- descrição do amor, para mostrar
blemas na igreja começam com aos coríntios como eles poderiam
a atuação do Espírito Santo (ca- resolver os problemas, pelos quais
pítulos 12-16). O Espírito Santo a igreja estava passando. Vejamos
derrama dons sobre os crentes e o resumo da carta de Paulo: ele
Paulo queria ensinar aquela igreja ensinou que o Espírito Santo opera
a respeito desses dons, para que um milagre tremendo no crente e a
tivessem maior consciência de evidência desse milagre é o amor.
como o Espírito Santo desejava O Espírito Santo opera outro mi-
trabalhar neles e entre eles, como lagre tremendo no crente, quando
Igreja de Cristo. vem sobre ele ou quando o unge
para um ministério. As provas ou
Amor evidências deste milagre são os
No final do capítulo 12, Paulo dons do Espírito, que capacitam
disse: “... procurai, com zelo, os os crentes para o ministério. Mas
melhores dons. E eu passo a mos- não é possível haver o milagre do
trar-vos ainda um caminho sobre- Espírito Santo sobre os crentes,
modo excelente” (12.31). Paulo sem antes haver o milagre do Es-
continuou escrevendo o que se pírito Santo dentro deles.
tornou conhecido como “O Capítu-
lo do Amor da Bíblia”, I Coríntios A vida no Corpo
13. Este capítulo enfoca quinze No capítulo 12, Paulo descreve
virtudes que expressam a essência a Igreja como um Corpo e, no ca-
do amor (13.4-7). Quando enten- pítulo 14, estabelece a ordem, que
demos o conjunto de virtudes que deve prevalecer entre nós, durante
expressa o amor, como fruto do a manifestação do Espírito Santo
Espírito Santo que habita no cren- em nós e sobre nós. Este capítulo
te, entendemos, também, a exce- é conhecido como “O Capítulo das
lência do amor, acima de todos os Línguas”, porque nele Paulo dá ex-
outros dons (Gálatas 5.22,23). plicações detalhadas com respeito
CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 13
ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

ao dom de línguas. Nele, Paulo cita compreende dois fatos: o primeiro,


a palavra “língua” quinze vezes. a morte de Jesus Cristo pelos nos-
Mesmo assim, o tema principal do sos pecados; o outro, a ressurrei-
capítulo é: “Como deve ser uma ção de Jesus Cristo, que provou ter
reunião da igreja?” (14.26). Mais sido qualificado para morrer pe-
de quarenta e cinco vezes, neste los nossos pecados. Os primeiros
capítulo, Paulo enfatizou o conceito quatro versículos, do capítulo 15,
de que, quando reunidos, os cren- sintetizam a declaração básica do
tes devem edificar uns aos outros. Evangelho no Novo Testamento.
Depois, Paulo escreve mais cin-
A aplicação da ressurreição quenta e quatro versículos sobre
(capítulo 15) o segundo fato: a ressurreição de
Ressurreição significa “vitó- Jesus Cristo que prova Sua deida-
ria sobre a morte”; significa mais de e O distingue de todos que se
que a ressurreição física de Cristo declaram deuses, e não o são, e
ou de algum cristão. Neste capí- nos dá verdadeira esperança.
tulo da ressurreição, Paulo ensina
que ressurreição é um poder em Mordomia aplicada (capítulo 16)
contínua operação, na vida diária No último capítulo, Paulo trata
do cristão. Além disso, a ressurrei- do terceiro ponto espiritual, que ele
ção de Cristo é a base da nossa queria compartilhar com os corín-
fé, como disse Paulo, “se Cristo tios: a questão da mordomia. Paulo
não ressuscitou, é vã a vossa fé, estava pedindo aos cristãos gentios
e ainda permaneceis nos vossos de uma igreja que ele tinha plan-
pecados” (15.17). tado que se sacrificassem e contri-
A ressurreição é uma proprie- buíssem com ofertas em favor dos
dade vital do Evangelho. No ca- cristãos judeus de Jerusalém e da
pítulo 2, Paulo disse que quando Judeia, que estavam sofrendo com
esteve em Corinto estava determi- perseguição e fome. Que lindo mi-
nado a não saber nada entre eles, lagre: o antigo Saulo de Tarso, que
senão a Jesus Cristo e Este cru- antes perseguia cristãos na Judeia,
cificado. Paulo finaliza esta carta agora faz um apelo para que os gen-
da mesma maneira que começou, tios ofertem em favor dos judeus
lembrando aos coríntios o Evange- seguidores de Cristo, que antes ele
lho, que ele tinha pregado, o qual mandava para a prisão, para serem

14 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

mortos. Esta é uma mostra da na- e até morrer, para que elas cresces-
tureza universal do Corpo de Cristo sem em conhecimento e entendi-
e a maneira como seus membros mento do mistério de Cristo.
podem ajudar uns aos outros, tra- Como resultado dos cuidados
zendo cura e aplicando os princí- de Paulo com as igrejas funda-
pios de uma fiel mordomia. das por ele, hoje temos acesso
a essas joias preciosas, que são
O pastor Paulo suas cartas pastorais, e que nos
“Além das coisas exteriores, ensinam como cuidar das nossas
há o que pesa sobre mim diaria- igrejas. Enfrentamos muitos pro-
mente, a preocupação com todas blemas semelhantes aos das igre-
as igrejas” (II Coríntios 11.28). jas dos dias de Paulo. Em cartas
Paulo sentia peso pelas igrejas que como esta, escrita aos coríntios,
tinha plantado e estava disposto aprendemos como cuidar e aten-
a arriscar tudo para cuidar dessas der àqueles que Deus coloca sob
igrejas. Ele estava disposto a sofrer, nossos cuidados.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 15


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 2
Um Enfoque Mais Detalhado da Primeira Carta Aos Coríntios

Cristo está dividido? fundamentais referentes a Ele,


(capítulos 1-4) além de saberem que Cristo não
A Primeira Carta aos Corín- pode ser dividido com tais ques-
tios é uma carta de disciplina, tões. Como Cristo, que vive em
na qual Paulo, o pastor fundador nós, vê a questão de diferença de
da igreja, confronta os problemas raça ou classe social? Se Cristo
pelos quais os crentes de Corin- vive em nós e nós vivemos nEle, o
to estavam passando. O primeiro que achamos a respeito desta ou
que foi abordado referia-se à divi- de qualquer outra questão?
são na igreja. Os crentes estavam Se Cristo que vive em nós tem
divididos entre aqueles que eles apenas uma opinião sobre racis-
achavam ser seus melhores líde- mo ou classes sociais, havendo
res, isto é, quem os tinha levado a divisões entre nós, significa que
Cristo ou quem os tinha batizado: abrigamos essa divisão dentro de
“Eu sou de Paulo; e eu, de Apolo; nós. Paulo estava exortando os co-
e eu, de Cefas; e eu, de Cristo” ríntios contra a divisão na igreja, e
(1.12). sua mensagem básica era para que
Paulo tratou este problema eles seguissem a Cristo e não líde-
de divisão, fazendo uma pergunta res humanos. Paulo escreveu àque-
básica: “Acaso, Cristo está divi- les que se polarizaram ao seu redor,
dido?” (1.13). Quando Paulo per- e foi a eles que se dirigiu nos qua-
guntou se Cristo estava dividido, tro primeiros capítulos desta carta.
foi direto à causa principal de toda Concluindo esta seção, Paulo diz
a divisão na igreja. Se crermos na que ele plantou, Apolo regou, mas
ressurreição de Jesus Cristo, crere- foi Deus quem fez crescer. O que
mos que Ele está vivo em nossos planta e o que rega não é nada se
corações. não houver o crescimento. Portan-
Se Cristo vive nos corações to, não devemos nos gloriar no ho-
dos crentes, então todos deveriam mem, mas “aquele que se gloria,
concordar a respeito de questões glorie-se no Senhor”(1.31).

16 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Não exalte o batismo filosóficos e intelectuais, o que os


Paulo começou seu combate fazia sentirem-se superiores, mas
às divisões, dizendo: “Porque não Paulo levou a eles uma mensagem
me enviou Cristo para batizar, mas diferente. Ele ensinou aos cris-
para pregar o evangelho; não com tãos daquela cidade que os sábios
sabedoria de palavra, para que não deste mundo não o são, necessa-
se anule a cruz de Cristo” (1.17). riamente, aos olhos de Deus; ao
Paulo aqui fez uma distinção bem contrário, Deus usa aquilo que é
clara entre a importância do batis- considerado tolo para envergonhar
mo e a pregação do Evangelho. o que é sábio, a fim de que Sua
Enquanto os crentes debatem glória seja revelada.
a ligação do batismo com nossa Isso não quer dizer que é im-
salvação, Paulo ensina que o batis- possível intelectuais conhecerem
mo não salva ninguém. Se salvasse, Deus e que esse conhecimen-
ele o teria incluído na mensagem do to está reservado aos tolos e aos
Evangelho; mas ele deixou isso de fracos. O que Paulo deixa claro é
lado, como algo que preferia não fa- que devemos nos gloriar em Deus
zer. Ele justifica sua posição, dizen- e não em nós mesmos: “Mas, vós
do que, se tivesse batizado muitos sois dele, em Cristo Jesus, o qual
cristãos de Corinto, talvez eles tives- se tornou, da parte de Deus, sa-
sem se tornado seus seguidores, ao bedoria e justiça e santificação
invés de seguidores de Cristo. e redenção, para que, como está
escrito: Aquele que se gloria, glo-
Não exalte a sabedoria humana rie-se no Senhor” (1.30,31).
Paulo perguntou: “Onde está
o sábio? Onde, o escriba? Onde, o Não exalte o ministro
inquiridor deste século? Porventu- Paulo continuou sua mensa-
ra, não tornou Deus louca a sabe- gem, dizendo que o Espírito Santo
doria do mundo?... Deus escolheu é o único agente doador da vida e
as coisas loucas do mundo para do nascimento espiritual: “Eu, ir-
envergonhar os sábios e escolheu mãos, quando fui ter convosco,
as coisas fracas do mundo para anunciando-vos o testemunho de
envergonhar as fortes” (1.20,27). Deus, não o fiz com ostentação de
Os cidadãos de Corinto eram linguagem ou de sabedoria. Por-
conhecidos pelos seus debates que decidi nada saber entre vós,

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 17


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

senão a Jesus Cristo e este cruci- ouvimos uma palestra, é com nos-
ficado. E foi em fraqueza, temor e sos ouvidos que assimilamos.
grande tremor que eu estive entre Quando unimos esses dois senti-
vós. A minha palavra e a minha dos, temos o processo de aprendi-
pregação não consistiram em lin- zado áudio-visual que é mais efi-
guagem persuasiva de sabedoria, ciente. Também podemos aprender
mas em demonstração do Espírito através das nossas emoções ou da
e de poder, para que a vossa fé não nossa própria vontade; mas, ensi-
se apoiasse em sabedoria humana, nando aos coríntios, Paulo disse
e sim no poder de Deus” (2.1-5). que eles só poderiam adquirir co-
Deus usa homens para comu- nhecimento espiritual através do
nicar Sua mensagem de salvação, Espírito Santo: “Nem olhos viram,
mas usa o poder do Espírito Santo nem ouvidos ouviram, nem jamais
para provocar mudanças naqueles penetrou em coração humano
que ouvem o Evangelho. A mudan- o que Deus tem preparado para
ça na condição espiritual de uma aqueles que o amam. Mas Deus
pessoa não resulta de nenhuma ha- no-lo revelou pelo Espírito; porque
bilidade humana, mas do poder do o Espírito a todas as coisas pers-
Espírito Santo naqueles que ouvem cruta, até mesmo as profundezas
o Evangelho. Como Paulo estava se de Deus” (2.9,10).
dirigindo aos coríntios, que tinham Neste contexto, Paulo ensina
se polarizado ao seu redor e da sua que o Espírito de Deus é quem en-
liderança, agora ele os exortava a sina coisas espirituais ao homem,
não se gloriarem nas suas habilida- que não consegue aprender nada
des ou talentos. Quando escreveu espiritual, através dos olhos nem
os quatro primeiros capítulos, Pau- dos ouvidos, nem do coração,
lo exortou aqueles cristãos a se glo-
porque as verdades espirituais só
riarem no poder do Espírito Santo, podem ser aprendidas através do
que os tinha salvado, quando ouvi- Espírito Santo.
ram o Evangelho, e não no mensa- O homem espiritual recebeu o
geiro que apresentou a mensagem. Espírito de Deus, que lhe dá a ca-
pacidade de entender as coisas de
Exalte o Espírito Santo como Mestre Deus. Paulo usou uma ilustração in-
Quando lemos um livro, apren- trigante para explicar isso: “Porque
demos com os olhos. Quando qual dos homens sabe as coisas do

18 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

não espirituais. No início da car-


homem, senão o seu próprio espíri-
ta, Paulo dirigiu-se a eles como
to, que nele está? Assim, também
“santificados”; no entanto, logo
as coisas de Deus, ninguém as co-
após, ele se referiu a eles como
nhece, senão o Espírito de Deus.
“carnais” e “crianças em Cristo”
Ora, nós não temos recebido o es-
(3.1). Aquela divisão na igreja
pírito do mundo, e sim o Espírito
revelou que eles ainda eram car-
que vem de Deus, para que conhe-
nais, ou seja, ainda estavam se
çamos o que por Deus nos foi dado
gratuitamente” (2.11,12). comportando de maneira não es-
Quem conhece o pensamento piritual: “Porquanto, havendo en-
do homem é o espírito do homem,tre vós ciúmes e contendas, não
da mesma forma que quem conhe- é assim que sois carnais e andais
ce o pensamento de Deus é o Es-segundo o homem?” (3.3).
pírito de Deus. Como nós recebe- Ao invés de se voltarem para
mos o Espírito de Deus, podemosseus líderes, eles deveriam enten-
conhecer os Seus pensamentos. der o papel de Deus como cabeça
Por outro lado, o homem na-
do corpo: “Quem é Apolo? E quem
tural, aquele que está morto espi-
é Paulo? Servos por meio de quem
ritualmente, não consegue compre-
crestes, e isto conforme o Senhor
ender as questões espirituais: “Ora,
concedeu a cada um. Eu plantei,
o homem natural não aceita as Apolo regou; mas o crescimento
veio de Deus” (3.5,6). Mais uma
coisas do Espírito de Deus, porque
vez a mensagem de Paulo é clara:
lhe são loucura; e não pode enten-
eles deveriam seguir a Deus e não
dê-las, porque elas se discernem
espiritualmente” (2.14). Portanto,
a homens. Desta forma, ele conclui
um homem sem o Espírito de Deusesta seção: “Portanto, ninguém se
simplesmente não pode entender glorie nos homens; porque tudo é
as questões espirituais. vosso” (3.21). Não se glorie nos
homens e não seja seguidor de
Exalte Deus como seu Líder homens. Glorie-se em Deus e siga
No capítulo 3, Paulo disse a Deus, “que escolheu as coisas
aos coríntios que eles estavam fracas e tolas deste mundo para
se comportando como homens confundir as sábias” (1.27).

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 19


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 3
Amor Que Confronta (Capítulo 5)

Quando Paulo escreveu aos pessoas o fariam. O coração do


coríntios para que não houvesse di- homem é muito mais profundo
visão entre eles por causa de seus que ele próprio possa conhecer.
líderes, incluiu um ensinamento Paulo ensinou que devemos deixar
sobre julgamento: “... a mim mui que Deus julgue as reais intenções
pouco se me dá de ser julgado por do coração do homem.
vós ou por tribunal humano; nem
eu tampouco julgo a mim mesmo. Julgar as atitudes do homem
Porque de nada me argui a cons- Se não sabemos as reais in-
ciência; contudo, nem por isso me tenções do nosso próprio coração,
dou por justificado, pois quem me como poderemos saber as inten-
julga é o Senhor. Portanto, nada ções do coração de outras pessoas?
julgueis antes do tempo, até que Paulo disse que não podemos julgar
venha o Senhor, o qual não somen- as verdadeiras intenções do coração
te trará à plena luz as coisas ocul- dos homens, mas ele não disse que
tas das trevas, mas também mani- jamais devemos julgar outros.
festará os desígnios dos corações; No capítulo 5, Paulo repreen-
e, então, cada um receberá o seu deu as mesmas pessoas porque
louvor da parte de Deus” (4.3-5). elas não estavam julgando um
homem que estava vivendo com a
Julgar o coração do homem mulher do seu pai, tendo com ela
A maioria dos coríntios tinha um relacionamento imoral. Paulo
um julgamento positivo a respeito repreendeu os coríntios, porque
de Paulo e o considerava superior eles não tinham julgado aquele ho-
aos outros líderes da igreja. No en- mem, e o fez da seguinte maneira:
tanto, Paulo deixou claro que para “Já em carta vos escrevi que não
ele isso não tinha a menor impor- vos associásseis com os impuros;
tância, pois se nem ele mesmo refiro-me, com isto, não propria-
podia avaliar as reais intenções do mente aos impuros deste mundo,
seu coração, muito menos outras ou aos avarentos, ou roubadores,

20 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

ou idólatras, pois, neste caso, professam. No caso de uma conduta


teríeis que sair do mundo. Mas, imoral dentro da igreja, Paulo consi-
agora, vos escrevo que não vos as- derou os coríntios irresponsáveis por
socieis com alguém que, dizendo- não terem julgado aquela pessoa.
se irmão, for impuro, ou avarento,
ou idólatra, ou maldizente, ou be- Saber quando confrontar
berrão, ou roubador; com esse tal, A Bíblia não diz que jamais
nem ainda comais. Pois com que devemos julgar uns aos outros;
direito haveria eu de julgar os de não há dúvidas quanto a isso.
fora? Não julgais vós os de den- Muitos cristãos, quando confron-
tro? Os de fora, porém, Deus os tados, gostam de citar as palavras
julgará. Expulsai, pois, de entre de Jesus: “Não julgueis”, porque
vós o malfeitor” (5.9-13). estas foram as duas primeiras pa-
Aprendemos com esta passa- lavras de Jesus a respeito de julgar
gem que o julgamento se aplica os outros. Depois de dizer “não jul-
tanto para os de dentro da igreja, gueis”, Jesus falou muitas outras
como para os que estão fora dela. coisas sobre este assunto. Ele dis-
Não devemos julgar os de fora, se que não devemos julgar o com-
nem cortar relações com eles, por portamento de outras pessoas,
causa de seu comportamento pe- sem antes julgar o nosso próprio
caminoso. Se tivéssemos que nos comportamento (Mateus 7.1-5).
separar totalmente, jamais podería- Entretanto, a nossa responsabili-
mos compartilhar o Evangelho com dade, como membros da família
eles. Mas, o que devemos fazer é de Deus, é confrontar aqueles que
deixar que Deus julgue os incrédu- estão em pecado, prejudicando a
los. A nossa preocupação deve ser si mesmos e a outros dentro do
continuar compartilhando com eles Corpo de Cristo (Mateus 18.15;
a graça que Cristo oferece. Gálatas 6.1).
Porém, com relação aos que Quando Paulo exortou os cris-
são da igreja, aqueles que confes- tãos de Corinto para que confron-
sam com a própria boca que o Es- tassem aquele homem que estava
pírito Santo habita neles, e os en- em pecado, ele usou alguns parâ-
sina a caminhar, estes devem ser metros para medir a necessidade
confrontados, quando suas atitu- de confrontação. Primeiro: o ho-
des não condizem com o que eles mem estava vivendo em pecado.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 21


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Não se tratava de um pecado que É difícil, mas é essencial que


ele cometeu uma vez e, depois, se os irmãos que estejam vivendo em
arrependeu. Ele estava vivendo em pecado sejam confrontados, para
pecado e não mostrava nenhum si- que sejam reintegrados à comu-
nal de arrependimento ou de querer nhão com o Senhor e com o Corpo
interromper aquele padrão de com- de Cristo. Eles devem entender que
portamento. Apesar de não existir suas atitudes são prejudiciais a si
pecado que esteja além do perdão próprios e aos seus relacionamen-
de Deus, Ele não vai perdoar al- tos. Isto se aplica, principalmente,
guém que se recuse a reconhecer o quando o problema se refere a re-
seu pecado e a se arrepender dele. lacionamento extraconjugal.
Como aquele homem não mostrou A vida pecaminosa de um cren-
nenhum sinal de arrependimento, te prejudica tanto o testemunho dele
nem desejo de mudança, o conse- diante de pessoas incrédulas, como
lho de Paulo foi para que ele fosse com todo o Corpo de Cristo. Muitos
excluído. Segundo: um crente que incrédulos consideram os crentes
não mostra disposição para arre- hipócritas. Se eles virem uma pes-
pendimento deve ser excluído da soa que se diz crente em Jesus, vi-
comunhão do Corpo de Cristo. vendo em pecado, imediatamente
consideram essa pessoa hipócrita e
Confrontar por amor terão mais uma razão para rejeitar o
A base para confrontação do Evangelho e a salvação. O mesmo
irmão ou irmã que está em pecado ocorre se nos virem associados com
deve ser o amor; porque o amamos o crente que está em pecado, sem
não vamos ficar parados, assistindo que façamos nada a respeito.
-o arruinar sua comunhão com Cris- Pela saúde espiritual do nos-
to, com ele mesmo e com as pes- so irmão ou irmã, e pelo testemu-
soas que o rodeiam. Nosso objetivo nho de todos os irmãos da igreja,
ao confrontar alguém é ver a pessoa é essencial que aqueles que estão
reintegrada ao Corpo de Cristo, con- vivendo em pecado sejam confron-
forme aprendemos em Mateus 18 e tados em amor e humildade. Nosso
Gálatas 6. Devemos corrigir com es- objetivo básico ao confrontar o ir-
pírito de mansidão e Deus os guiará mão ou a irmã que está em pecado
“pelas veredas da justiça por amor é que a comunhão deles com Cristo
do Seu nome” (Salmo 23.3). e com a igreja seja restaurada.

22 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 4
Manual do Casamento (Capítulo 7)

O capítulo 7 de I Coríntios tor- se separe do marido”, ele estava


nou-se conhecido como o “capítulo dando um ensino do Senhor. Ou-
do casamento”. Ele contém várias tras vezes, entretanto, ele deixou
respostas às perguntas que os co- bem claro que o que estava dizen-
ríntios tinham feito a Paulo, através do era sua própria opinião: “Aos
de uma carta, com referência ao mais digo eu, não o Senhor: se al-
casamento, ao divórcio, a casar-se gum irmão tem mulher incrédula,
novamente, ficar solteiro e quanto e esta consente em morar com ele,
a relacionamento físico dentro do não a abandone”; “Com respeito
casamento. Há séculos este capí- às virgens, não tenho mandamen-
tulo tem sido usado por pastores to do Senhor; porém, dou minha
como o manual do casamento, opinião, como tendo recebido do
quando os membros da igreja bus- Senhor a misericórdia de ser fiel”;
cam orientação nesta área. “Será mais feliz se permanecer vi-
A questão principal enfocada úva, segundo a minha opinião; e
neste capítulo é saber “o que é penso que também eu tenho o Es-
o casamento aos olhos de Deus”. pírito de Deus” (7.12,25,40).
Aqui descobrimos qual é o pla- Apesar de Paulo ter dado sua
no de Deus para o casamento e opinião “humana” nestes versí-
quais problemas podem surgir culos, não podemos considerá-la
neste relacionamento. como não sendo do Senhor, pois
Algumas pessoas afirmam ele foi muito cuidadoso ao transmi-
que este capítulo não é totalmen- tir o ensino de Cristo neste capítu-
te inspirado por Deus, porque, às lo. Quando Paulo pôde dar respos-
vezes, Paulo fala com a autoridade tas baseadas na Lei de Deus ou no
de Deus e, outras vezes, manifesta ensino de Jesus, ele o fez. Quando
sua própria opinião. Por exemplo, não havia um ensino de Jesus ou
quando Paulo falou no versículo uma lei referente ao assunto, ele
10 “aos casados, ordeno, não eu, falava como homem que “recebeu
mas o Senhor, que a mulher não do Senhor a misericórdia de ser

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 23


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

fiel e que tem o Espírito de Deus” Apesar da orientação de Pau-


(7.25,40). lo, para que se mantivessem como
Em nenhum momento, ao estavam, ele também afirmou que
escrever sobre casamento, Paulo escolher o casamento não era uma
passou a ideia de que sua opinião opção pecaminosa: “Caso, porém,
não fosse inspirada por Deus. não se dominem, que se casem;
porque é melhor casar que viver
“Por causa da angustiosa situação abrasado”; “Mas, se te casares,
presente” (7.26) com isto não pecas”; “Entretanto,
Neste capítulo, Paulo foi en- se alguém julga que trata sem de-
fático ao aconselhar os coríntios a coro a sua filha, estando já a pas-
não procurarem uma situação di- sar-lhe a flor da idade, e as cir-
ferente daquela em que se encon- cunstâncias o exigem, faça o que
travam, quando foram chamados quiser. Não peca; que se casem”
para seguir a Cristo. Este foi o seu (9,28,36).
conselho “por causa da angustiosa Existe alguma especulação a
situação presente” (26). A igreja respeito do estado civil de Paulo.
estava vivendo um período de per- Ele tinha sido membro do sinédrio
seguição e, por isso, Paulo pensava e, para isso, era necessário que o
que era melhor o solteiro continuar homem fosse casado. Ao mesmo
nesse estado, para não haver mais tempo, no versículo 8, ele acon-
preocupações no seu dia-a-dia. selhou os viúvos e solteiros a per-
Quando os coríntios escreve- manecerem no estado em que ele
ram a Paulo, é possível que te- também vivia. Diante disso, mui-
nham perguntado se seus filhos, tos estudiosos concluem que Pau-
que eram solteiros, deveriam se lo deveria ser viúvo ou a esposa o
casar. Ele não proibiu o casamen- havia abandonado.
to, mas encorajou que se man-
tivessem solteiros. Por isso, ele “Não vos priveis um ao outro”
começou o capítulo dizendo: “é O relacionamento físico entre
bom que o homem não toque em um homem e uma mulher visa a
mulher” (1). Uma vez que aque- procriação, mas também o prazer
les jovens tinham-se decidido por dos dois. Paulo apoiou esta ideia
se manterem solteiros, deveriam ao escrever: “O marido conce-
também ficar livres de tentação. da à esposa o que lhe é devido,

24 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

e também, semelhantemente, a Paulo falou que a única razão para


esposa ao seu marido. A mulher o marido e a mulher não terem re-
não tem poder sobre o seu pró- lação sexual é se os dois decidirem
prio corpo, e sim o marido; seme- passar um tempo em jejum e ora-
lhantemente, o marido não tem ção, mas isso é uma decisão que
poder sobre o seu próprio corpo e os dois devem tomar juntos.
sim a mulher. Não vos priveis um Este conceito não apenas de-
ao outro, salvo talvez por mútuo termina os parâmetros para a abs-
consentimento, por algum tempo, tinência sexual, como também o
para vos dedicardes à oração e, tipo de relacionamento espiritual
novamente, vos ajuntardes, para do casal. Apesar de estarem casa-
que Satanás não vos tente por dos e compartilharem uma intimi-
causa da incontinência” (7.3-5). dade física diante de Deus, cada
Paulo se dirigiu aos solteiros um deles tem o seu relacionamen-
nos versículos anteriores, dizen- to individual com Deus. O relacio-
do: “é bom que o homem não namento mais importante não é o
toque em mulher” (1), mas isso conjugal, mas o relacionamento
não se aplica às pessoas casadas. com Deus. Entretanto, as pessoas
De acordo com esta passagem, o conversam com mais liberdade so-
sexo visa o prazer do casal e isso é bre o seu relacionamento conjugal
atingido quando os cônjuges bus- que sobre o seu relacionamento
cam primeiramente o prazer do com Deus.
companheiro e não o seu próprio. Esta passagem também nos
O marido deve procurar agradar a ensina que a melhor maneira de
mulher e a mulher ao marido e os nos guardarmos contra a imora-
dois não devem privar um ao outro lidade sexual é certificarmo-nos
da intimidade sexual. de que homem e mulher estejam
Não existem parâmetros de plenamente satisfeitos com o tipo
certo e errado, normal ou anormal de relacionamento sexual que des-
dentro do sexo no casamento. A frutam no casamento. A cidade de
palavra chave é “reciprocidade”. Corinto estava afundada em imora-
Não existe certo ou errado para lidade e Paulo queria que os casais
tudo o que o casal faz no intuito de estivessem sexualmente satisfeitos
proporcionar prazer um ao outro. dentro do casamento, para que se
O importante é que seja recíproco. resguardassem da tentação fora

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 25


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

de casa. O casal que desenvolve irmão, nem a irmã; Deus vos tem
uma relação sexual mutuamente chamado à paz. Pois, como sabes,
gratificante está protegido contra ó mulher, se salvarás teu marido?
as tentações da imoralidade. Ou, como sabes, ó marido, se sal-
varás tua mulher?” (12,13,15,16).
“Deus vos tem chamado à paz” Paulo instruiu os coríntios que
Além da questão do relacio- o cônjuge crente deve permanecer
namento conjugal e de ficar ou casado com o incrédulo e ser exem-
não solteiro, este capítulo também plo do amor e da graça de Deus,
trata da questão do divórcio. É para que ele seja salvo. Veja tam-
evidente que os coríntios pergun- bém I Pedro 3.1-6. Se o casamento
taram a Paulo se era permitida a for dissolvido, que seja do cônjuge
dissolução do casamento por meio incrédulo a iniciativa. Quando isso
do divórcio. A resposta dele está acontecer, o irmão ou irmã “não
nos versículos 10 e 11, mas nós fica sujeito à servidão” (7.15).
podemos resumir sua resposta
com apenas uma palavra: “não!”. O prisma do amor
Paulo citou a palavra de Jesus aos Os estudiosos não são unâni-
fariseus, na qual Ele fala da indis- mes a respeito do que exatamen-
solubilidade do casamento susten- te Paulo quis dizer por “sujeito à
tada pela Lei (Mateus 19.3-9). servidão”, no versículo 15. Alguns
Nos versículos 12 a 16, Pau- acreditam ter ele dito que, se o in-
lo tratou da pergunta que não foi crédulo desistir do casamento, o
respondida por Jesus diretamente: crente fica livre para se divorciar,
um crente pode se divorciar do seu mas não para se casar novamen-
cônjuge incrédulo? O conselho de te, uma vez que as Escrituras, em
Paulo foi muito justo: “se algum ir- Romanos 7.2,3, afirmam que não
mão tem mulher incrédula, e esta pode haver outro casamento, se
consente em morar com ele, não a o primeiro cônjuge ainda estiver
abandone; e a mulher que tem ma- vivo. Outros acham que os cônju-
rido incrédulo, e este consente em ges podem se divorciar e se casar
viver com ela, não deixe o marido... novamente, uma vez que este ver-
Mas, se o descrente quiser apartar- sículo afirma que o cônjuge não
se, que se aparte; em tais casos, fica sujeito à servidão, sem maio-
não fica sujeito à servidão nem o res explicações.

26 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Apesar de os estudiosos dis- para expressar o amor e o cuidado


cordarem quanto à interpretação de Deus pelo homem. Os fariseus
deste versículo, devemos inter- fizeram isso quando repreenderam
pretá-lo com espírito de amor. De Jesus por ter curado um homem
acordo com Paulo, Deus deu a Lei no dia de sábado; Jesus passou a
ao homem para protegê-lo e fazer Lei pelo prisma do amor de Deus e
com que ele prosperasse, não por- repreendeu os fariseus, dizendo: “O
que o quisesse aprisionar. “Digo sábado foi estabelecido por causa
isto em favor dos vossos próprios do homem, e não o homem por
interesses; não que eu pretenda causa do sábado” (Marcos 2.27).
enredar-vos, mas somente para Por que, então, Deus instituiu
o que é decoroso e vos facilite o as leis do casamento? A resposta é:
consagrar-vos, desimpedidamen- porque Deus queria que o homem
te, ao Senhor” (7.35). e a mulher usufruíssem as bênçãos
Há uma distinção bem defi- do casamento e da família, assim
nida entre os ensinos de Jesus e como desejava que tivéssemos uma
o ensino dos fariseus. Jesus apli- estrutura que possibilitasse a exis-
cou a Lei sob o prisma do amor tência dessas instituições sagradas.
de Deus, enquanto os fariseus se Algumas igrejas, porém, usam as
contentavam em “jogar a Lei” so- leis do casamento para impedir que
bre as pessoas, aplicando-a sem as pessoas vivam da maneira plena
amor. Por isso, devemos passar que Deus planejou para elas. Como
os ensinos da Lei pelo prisma do Paulo disse: “...a letra mata, mas o
amor de Deus, antes de aplicá-los espírito vivifica” (II Coríntios 3.6).
na vida das pessoas. Se a versão da Bíblia que você
Por exemplo, uma pessoa que está usando divide este capítulo em
estava divorciada antes de se con- parágrafos, você poderá identificar
verter pode ou não se casar? As Es- qual foi exatamente a pergunta
crituras afirmam que uma pessoa que os coríntios fizeram e que Pau-
divorciada só pode se casar se o seu lo respondeu em cada parágrafo.
primeiro cônjuge morrer. Se impu- Podemos concluir que os coríntios
séssemos tal coisa sobre alguém, perguntaram a respeito de divórcio,
estaríamos agindo como os fari- de casamento entre duas pessoas
seus, que usavam a Lei para tornar crentes, de casamento misto, isto
a vida do povo desgraçada, e não é, entre um cônjuge convertido e

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 27


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

outro não, e se os filhos solteiros abençoe a condição civil em que


deveriam ou não se casar, diante se encontrava no momento da sal-
“da angustiosa situação” de inse- vação. Se casada com um incré-
gurança e perseguição. dulo, deve ler o ensino de Paulo
É possível que os coríntios de I Coríntios 7.12-16 e, se soltei-
também tenham perguntado qual ra, deve perguntar a Deus se Ele
deveria ser o procedimento em re- a está chamando para ser casada
lação àquelas pessoas, que já ti- ou para permanecer como está.
nham sido casadas diversas vezes,
antes de se converterem. Podemos Celibato: servir ao Senhor sem
concluir que eles perguntaram isto impedimentos
por causa do parágrafo que vai do No final do capítulo, Paulo lis-
versículo 17 ao 24. De maneira ta os benefícios do celibato: “O que
resumida, esta foi a resposta de realmente eu quero é que estejais
Paulo: não podemos querer re- livres de preocupações. Quem
verter ao passado as ações de um não é casado cuida das coisas do
novo convertido; não podemos di- Senhor, de como agradar ao Se-
zer para ele voltar a se casar com nhor; mas o que se casou cuida
alguém de quem já se divorciou ou das coisas do mundo, de como
se divorciar do seu segundo côn- agradar à esposa, e assim está
juge. Paulo falou três vezes neste dividido. Também a mulher, tanto
parágrafo: “Somente ande cada a viúva como a virgem, cuida das
um segundo o Senhor lhe tem coisas do Senhor, para ser santa,
distribuído”; “Cada um permane- assim no corpo como no espírito;
ça na vocação em que foi chama- a que se casou, porém, se preo-
do”; “Irmãos, cada um permaneça cupa com as coisas do mundo,
diante de Deus naquilo em que de como agradar ao marido. Digo
foi chamado” (17,20,24). isto em favor dos vossos próprios
Paulo usou a expressão “cha- interesses; não que eu pretenda
mado” várias vezes nesta carta. enredar-vos, mas somente para
Quando ele a usou, estava se re- o que é decoroso e vos facilite o
ferindo à experiência de salvação consagrar-vos, desimpedidamen-
daqueles a quem ele estava se te, ao Senhor” (32-35).
dirigindo. Quando uma pessoa Neste contexto, Paulo en-
é salva, ela deve pedir que Deus sinou que para servirmos ao

28 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Senhor sem qualquer distração das quais a mais difícil de respon-


devemos permanecer sem casar, der é: “qual o significado do casa-
ou seja, optar pelo celibato. Este
mento aos olhos de Deus?”. Esta
assunto não tem a ver com aquelapergunta é respondida por Jesus
“angustiosa situação”, que men- em Mateus 19.6: “... o que Deus
cionamos anteriormente. Pau- ajuntou não o separe o homem”.
lo se refere ao fato de a pessoaQuando duas pessoas cristãs se
desimpedida poder ter o coração unem no santo matrimônio, elas
totalmente voltado para o Senhor.
dedicam suas vidas uma a outra,
A decisão pelo celibato deve serporque crêem que Deus as uniu.
tomada somente entre a pessoa Esta convicção é a base para a
e o Senhor, porque só Deus po- estabilidade do casamento, e não
derá completar a vida dela. Não o pedaço de papel que os decla-
podemos deixar de observar que, ra casados legalmente. A decisão
no versículo 7, Paulo afirma quedos cônjuges de enfrentarem to-
o celibato é um dom. das as variáveis, na questão da
compatibilidade, é razão suficien-
“O que Deus ajuntou” te para fundamentar o casamen-
Este capítulo do casamento to, de acordo com a orientação
tem levantado algumas questões, divina.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 29


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 5
Três Princípios Para a Vida Cristã (Capítulos 8-10)

Em algumas culturas, existem não tinham a menor influência no


entre os cristãos algumas questões âmbito espiritual. No capítulo 8,
controversas como, por exemplo, versículo 4, percebemos que Pau-
beber vinho, uso de certas vesti- lo se identificava com este ponto
mentas ou corte de cabelo. Em Co- de vista, quando diz: “...sabemos
rinto, a questão controversa refe- que o ídolo, de si mesmo, nada
ria-se a comer carne sacrificada a é no mundo e que não há senão
ídolos. Fora da igreja, os cidadãos um só Deus”. Para Paulo, os ído-
de Corinto adoravam ídolos e, em los de prata ou ouro não tinham
nome deles, faziam sacrifícios, in- valor algum, e comer da carne que
clusive de animais, cuja carne de- tinha sido sacrificada a eles não ti-
pois era vendida no mercado por nha nenhuma influência negativa
preço reduzido. Muitos membros sobre a fé.
da igreja, antes de se converterem “Entretanto”, argumentou
a Cristo, participavam desses ritu- Paulo, “não há esse conheci-
ais. Depois de convertidos, que- mento em todos” (8.7), queren-
riam saber se era certo ou errado do dizer que nem todos têm tal
comer aquela carne, que tinha maturidade. Ele escreveu estes
sido sacrificada a ídolos. Muitos três capítulos, a fim de instruir
achavam que era errado, porque aqueles que têm este entendi-
ela estava associada à idolatria. mento, quanto ao tratamento que
Outras pessoas, na igreja, ge- deve ser dado ao irmão, que não
ralmente aquelas que tinham um tem a mesma compreensão sobre
nível cultural mais elevado, ou que este assunto. Paulo deixou de fa-
já eram cristãs há mais tempo, lar sobre o comer ou não, carne
não viam mal nenhum em comer sacrificada a ídolos, para falar do
carne que tivesse sido sacrificada relacionamento entre irmãos em
a ídolos. Para eles os ídolos não Cristo, e como aqueles que são
passavam de um amontoado de mais fortes devem ter considera-
ouro, prata, madeira ou pedra, que ção pelos mais fracos na fé.

30 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Em objeção à liberdade de 10: “Portanto, quer comais, quer


comer qualquer coisa, Paulo dis- bebais ou façais outra coisa qual-
se aos cristãos mais fortes: “Vede,quer, fazei tudo para a glória de
porém, que esta vossa liberdade Deus. Não vos torneis causa de
não venha, de algum modo, ser tropeço nem para judeus, nem
tropeço para os fracos... por isso,para gentios, nem tampouco para
se a comida serve de escândalo a a igreja de Deus, assim como
meu irmão, nunca mais comerei também eu procuro, em tudo, ser
carne, para que não venha a es- agradável a todos, não buscando
candalizá-lo” (8.9,13). o meu próprio interesse, mas o de
Paulo sabia que isto preocu- muitos, para que sejam salvos”
paria os cristãos “mais fortes”, (10.31-33).
pois defendia a liberdade espiritu- Há três princípios inseridos
al e reprovava qualquer forma de nesta passagem:
legalismo. Ele não queria ver as Primeiro: nossa prioridade
pessoas transformarem seus en- deve ser a glória de Deus;
sinos em algum manual de regras Segundo: nossas atitudes de-
cristãs, ou em qualquer forma de vem ter como objetivo a salva-
legalismo, dizendo: “por que nos- ção de outras pessoas;
sa liberdade espiritual tem que ser Terceiro: os interesses dos ou-
limitada por causa da fraqueza do
tros devem vir antes do nosso
meu irmão?”.
próprio interesse.
Paulo escreveu estes três ca-
A questão não é o que é certo
pítulos para deixar este ensino
ou errado, tão pouco nosso direi-
aos coríntios e também a nós,
to de fazer ou não alguma coisa.
para que haja consideração pelos
O que importa é o que glorifica a
irmãos mais fracos e necessita-
Deus, o que leva outras pessoas
dos, porque são questões, para as
a serem salvas e nosso interesse
quais não existe uma orientação
específica na Bíblia. estar subordinado ao interesse do
próximo. Quando refletimos sobre
Três princípios da liberdade da estes três princípios, percebemos
vida cristã que eles expressam um conceito
Este ensino está resumido enfatizado por Paulo, resumido em
nos últimos versículos do capítulo quatro letras: A-M-O-R.
CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 31
ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Esta ideia não é sustentada de vós bens materiais? Se outros


pelo mundo. Os valores culturais participam desse direito sobre
deste mundo são expressos pela vós, não o temos nós em maior
“lei da autopreservação”. As pes- medida?” (9:1,4,5,11,12). Nes-
soas tomam atitudes de acordo tes versículos, Paulo falou sobre o
com o que acarretará benefícios seu direito de comer e beber, de
para elas. A pergunta básica é: “o ter uma esposa com ele, e de rece-
que eu ganho com isso?”. Mas, a ber bens materiais pelos serviços
filosofia de Cristo, ensinada por ministeriais prestados.
Paulo, resume-se em dar; dar para
Deus, para que Ele receba a glória, Tudo para todos
e dar ao próximo, para que seja Vivendo sob esta lei de liberda-
salvo e edificado. de, o apóstolo Paulo era livre para
Nossa salvação nos fez es- agir como quisesse, desde que não
cravos de Cristo. Não somos mais contrariasse os ensinos de Cristo.
livres para fazer o que queremos. Entretanto, ele não escolheu viver
Somos impelidos a viver como dessa forma, e deixou isso bem
Cristo viveria, buscando a salva- claro para os coríntios, dizendo:
ção e edificação de outras pesso- “Entretanto, não usamos desse
as, para a glória de Deus. direito; antes, suportamos tudo,
para não criarmos qualquer obstá-
Aplicação dos três princípios da culo ao evangelho de Cristo... eu,
vida cristã porém, não me tenho servido de
No capítulo 9, Paulo mostrou nenhuma destas coisas” (12,15).
como aplicou estes três princípios Apesar de ter liberdade para agir
em sua própria vida. Para come- como quisesse, Paulo escolheu
çar, ele defendeu sua liberdade: agir diferente, para não prejudicar
“Não sou eu, porventura, livre?... a propagação do Evangelho, que
Não temos nós o direito de comer era o seu objetivo principal. Assim,
e beber? E também o de fazer-nos Paulo agiu de maneira altruísta, co-
acompanhar de uma mulher irmã, locando a glória de Deus e a salva-
como fazem os demais apóstolos, ção dos perdidos acima dos seus
e os irmãos do Senhor, e Cefas?... próprios interesses.
Se nós semeamos as coisas es- O ponto principal da mensa-
pirituais, será muito recolhermos gem de Paulo está no parágrafo

32 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

que vai dos versículos 19 ao 23 uma pregação simples para que


do capítulo 9: “Porque, sendo li- todos a entendessem.
vre de todos, fiz-me escravo de Apesar de haver certos limites
todos, a fim de ganhar o maior difíceis de ultrapassar, Paulo fazia
número possível. Procedi para o possível para tornar o Evangelho
com os judeus, como judeu, a fim claro e interessante para quem não
de ganhar os judeus; para os que estivesse sob o domínio da Lei. Ele
vivem sob o regime da lei, como não comprometia a sua fé, mesmo
se eu mesmo assim vivesse, para que outros a rejeitassem; mas, es-
ganhar os que vivem debaixo da tava sempre disposto a usar sua
lei, embora não esteja eu debaixo liberdade em Cristo, para tornar o
da lei. Aos sem lei, como se eu Evangelho compreensível a todas
mesmo o fosse, não estando sem as pessoas.
lei para com Deus, mas debaixo Paulo fez da liberdade em Cris-
da lei de Cristo, para ganhar os to uma das suas principais preocu-
que vivem fora do regime da lei. pações, rejeitando toda forma de
Fiz-me fraco para com os fracos, legalismo, sempre preocupado com
com o fim de ganhar os fracos. Fi- o irmão mais fraco e com a união
z-me tudo para com todos, com o do Corpo de Cristo. Tendo isto em
fim de, por todos os modos, salvar mente, ele escolheu se abster de
alguns. Tudo faço por causa do práticas que servissem de impedi-
evangelho, com o fim de me tor- mento para o irmão mais fraco.
nar cooperador com ele”. Sendo livres em Cristo para
Sendo um homem livre, Paulo fazer várias coisas, somos também
escolheu deliberadamente se tor- responsáveis pelas consequências
nar escravo de todos os homens, das nossas ações para com outras
pelo bem do Evangelho. Ele prefe- pessoas, principalmente daquelas
riu tornar-se servo, para que, des- que participam conosco da comu-
ta forma, tivesse oportunidade de nhão do Corpo de Cristo. Se uma
apresentar o Evangelho e a salva- atitude nossa, mesmo que não
ção aos que eram servos. Se fosse viole a santidade de Deus, nem o
um judeu, Paulo ajustaria sua pre- nosso relacionamento com Cristo,
gação para fazer o Evangelho claro faça um irmão ou irmã tropeçar,
e atraente a um judeu. Se fosse então devemos nos abster de fazer
uma pessoa sem estudos, ele faria tal coisa. Não podemos aplicar o

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 33


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

princípio que Paulo ensinou, man- nossa aparência. Por outro lado,
dando o irmão mais fraco sair ou se os costumes da nossa cultura
olhar para o outro lado, mas atra- não têm nenhuma associação com
vés de constante preocupação e prostituição, então não há nada
amor para com o irmão ou irmã errado em que as mulheres cristãs
em Cristo, para com a unidade da usem seus cabelos curtos.
Igreja. Como já comentamos, ante-
riormente, no estudo desta carta,
O papel da mulher na igreja quando Paulo disse que a mulher
No capítulo 11, Paulo tratou deveria estar com a cabeça coberta
do papel da mulher e da Ceia do ao orar ou profetizar, ele não quis
Senhor. Ele orientou as mulheres dizer que as mulheres devam usar
a cobrirem suas cabeças e a usa- chapéus ou véus para ir a igreja.
rem cabelos compridos: “E que, Este costume ainda está associa-
tratando-se da mulher, é para ela do às culturas do Oriente Médio,
uma glória? Pois o cabelo lhe foi onde as mulheres devem usar o
dado em lugar de mantilha” (15). véu quando estão em lugares públi-
Na cultura de Corinto, as prostitu- cos. Embora Paulo tenha ensinado,
tas usavam cabelo curto ou a ca- na Carta aos Romanos, que não
beça raspada, e esse é o motivo devemos nos conformar com este
das instruções de Paulo, para que mundo (12.2), não devemos ser
as mulheres cristãs cobrissem a totalmente indiferentes à cultura
cabeça e usassem cabelos com- em que estamos inseridos. Os mis-
pridos, para assim se distinguirem sionários, hoje, devem estar cons-
das outras mulheres. cientes disso e serem sensíveis aos
Essa recomendação dizia res- diferentes aspectos culturais.
peito, especificamente, àquela cul- O que Paulo falou, com refe-
tura, mas o seu princípio se aplica rência às mulheres “orarem e pro-
a outras culturas. Se na nossa cul- fetizarem nas reuniões, diz respei-
tura existissem costumes ligados a to ao desempenho da mulher na
vestuário ou corte de cabelos asso- igreja. Um estudo mais profundo
ciados à prostituição, então deve- sobre este assunto leva-nos a con-
ríamos evitar tais costumes, para cluir que a mulher pode fazer qual-
não sermos motivos de escândalo quer coisa na igreja, desde que o
entre nossos irmãos, por causa da faça sob a autoridade da liderança.

34 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Baseados neste estudo, podemos e até escravos, nada tinham para


afirmar que todos na igreja estão levar. Os que tinham muita comi-
sob a autoridade dos líderes, os da comiam antes daqueles que ti-
quais estão sob a autoridade de nham pouco ou nada para comer.
Cristo e da Palavra de Deus. Para alguns comentaristas bíbli-
cos, Paulo jogou um balde de água
“Comer o pão e beber o cálice do fria nas reuniões de ceia daquela
Senhor dignamente” igreja, quando perguntou: “Não
Ao exortar os coríntios quan- tendes, porventura, casas onde
to aos abusos à Mesa do Senhor, comer e beber?” (11.22).
Paulo recomendou que eles tives- Eles participavam da ceia,
sem cuidado uns com os outros, e sem se preocupar com os outros
que examinassem seus corações, cristãos. Alguns participavam ape-
antes de tomarem parte na Mesa nas para satisfazer a vontade de
do Senhor. Ele tinha ouvido falar tomar vinho. Na verdade, queriam
que algumas pessoas não estavam o vinho só para se embriagar. Hoje,
tomando os elementos da comu- talvez, alguns se espantem com
nhão de maneira digna, e que não estes exageros da igreja de Corin-
tinham consideração pelos irmãos to, principalmente se compararem
em Cristo, com os quais se reu- com a celebração da Santa Ceia
niam: “Porque, ao comerdes, cada nas nossas igrejas. Mas, devemos
um toma, antecipadamente, a sua ter em mente que se tratava dos
própria ceia; e há quem tenha primeiros membros da primeira
fome, ao passo que há também igreja, naquela cidade cheia de
quem se embriague” (11.21). imoralidade. Aqueles que são pais
Fazia parte do costume da biológicos, ou na fé, sabem bem a
Igreja Primitiva celebrar o que eles confusão que os bebês fazem. No
chamavam de “festa do amor”, capítulo 3, versículo 1, Paulo havia
antes da celebração da Santa Ceia. chamado os coríntios de bebês.
Pelo que Paulo escreveu, podemos Tais abusos eram absoluta-
entender que eles não colocavam mente reprováveis para Paulo,
a comida que traziam sobre uma pois o principal objetivo da Ceia
mesa para todos. Cada um levava do Senhor é lembrar a morte e a
o que ia comer. Enquanto os ricos ressurreição de Cristo, o que aque-
levavam muita comida, os pobres, les elementos significam para a

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 35


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

comunhão do cristão com o próprio de reflexão diante do Senhor. Eles


Cristo e com os irmãos participan- não deveriam se encher de comi-
tes da Mesa. Paulo repreendeu os das finas, nem se embebedarem
coríntios, dizendo: “Por isso, aque- com vinho, enquanto outros irmãos
le que comer o pão ou beber o cá- só assistiam, pois aquele momen-
lice do Senhor indignamente será to era reservado para a comunhão
réu do corpo e do sangue do Se- uns com os outros: “Assim, pois,
nhor. Examine-se, pois, o homem irmãos meus, quando vos reunis
a si mesmo e, assim, coma do pão para comer, esperai uns pelos
e beba do cálice” (11.27,28). outros” (11.33). A união entre os
Em algumas traduções, hou- irmãos é um aspecto importante
ve uma interpretação equivocada da comunhão. Esperar pelo irmão
deste texto e, de acordo com es- tardio, para que todo o Corpo pos-
sas traduções, nesta passagem, sa ter comunhão, é um símbolo da
os coríntios são orientados a não unidade diante do Cristo vivo, cuja
participarem da Mesa do Senhor, morte e ressurreição celebramos
se estiverem indignos dela, o que individualmente e como Corpo.
não é a tradução literal do texto, Como temos nos aproxima-
pois faz com que algumas pesso- do da Mesa do Senhor? Você se
as pensem que não são dignas da examina antes de comer o pão e
Mesa do Senhor e, assim, quando tomar o vinho, que representam o
cometem algum pecado, delibe- corpo e o sangue de Cristo derra-
radamente decidem abster-se de mado na cruz em seu favor? Você
participar da Mesa, justamente no reconhece a importância do corpo
momento em que mais precisam e do sangue de Cristo no seu re-
dela. A tradução correta da instru- lacionamento vertical com Ele, o
ção de Paulo para os coríntios, e qual afeta o seu relacionamento
também para nós, é que devemos horizontal com o Corpo de Cristo,
nos aproximar da Mesa do Senhor a comunidade espiritual?
de maneira digna. A Mesa do Se- Medite sobre o significado da
nhor tem a ver com a nossa indig- Mesa do Senhor e, depois, faça des-
nidade e com a Dignidade de Cris- sa experiência uma prática sagrada,
to, como nosso Salvador. tanto individual, como coletivamen-
O que Paulo estava dizendo é te, lembrando-se do sacrifício e da
que a Ceia do Senhor é um tempo ressurreição de Jesus Cristo.

36 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 6
Seção Construtiva da Carta - A Atuação do Espírito Santo

Paulo iniciou a seção prática atuação do Espírito Santo, dizendo


desta carta, declarando: “A res- que eles tinham uma ideia errada do
peito dos dons espirituais, irmãos, papel e da atuação do Espírito San-
não quero que sejais ignorantes” to na igreja. Na sequência, veremos
(12.1). Os coríntios tinham sido o que Paulo ensinou sobre as mani-
santificados e chamados para se- festações do Espírito Santo e sobre
rem santos, mas eram carnais. Eles os riscos de erro, quando o crente se
não eram um bom testemunho de inicia nessas manifestações.
Cristo, porque eram santos igno-
rantes. A preocupação de Paulo era O Espírito Santo derrama dons
que eles não fossem ignorantes. Paulo iniciou seu ensino afir-
Do ponto de vista humano, os mando que o Espírito Santo con-
crentes de Corinto eram inteligen- cede dons espirituais: “Ora, os
tes e dominavam várias áreas do dons são diversos, mas o Espírito
conhecimento humano. Também é o mesmo. Porque a um é dada,
tinham conhecimento de Deus e mediante o Espírito, a palavra da
do Espírito Santo, mas eram igno- sabedoria; e a outro, segundo o
rantes quanto à atuação do Espí- mesmo Espírito, a palavra do co-
rito Santo. O desejo de Paulo ao nhecimento; a outro, no mesmo
escrever esta seção da carta era Espírito, a fé; e a outro, no mesmo
acabar com essa ignorância. Ele Espírito, dons de curar; a outro,
começou ensinando-lhes como o operações de milagres; a outro,
Espírito Santo opera na igreja. profecias; a outro, discernimen-
to de espíritos; a um, variedade
Conceitos errados a respeito do de línguas; e a outro, capacidade
Espírito Santo para interpretá-las. Mas um só e
A igreja de Corinto era o que o mesmo Espírito realiza todas es-
poderíamos chamar hoje uma “Igre- tas coisas, distribuindo-as, como
ja Carismática”. Paulo inicia esta lhe apraz, a cada um, individual-
seção da carta, na qual dá ênfase à mente” (12.4,8-11).

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 37


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Quando o Espírito Santo se são professores, outros profetas,


estabelece entre os cristãos, traz outros têm discernimento, alguns
com Ele dons espirituais. O Espí- têm dons administrativos e outros
rito Santo derrama diversos dons dons de cura.
em diferentes pessoas, para serem Uma igreja cheia do Espírito
usados em ministérios específicos. terá no seu corpo uma variedade de
Apesar da variedade de dons e das pessoas abençoadas com diferentes
diferentes aplicações, todos são dons, todos controlados pelo Espí-
concedidos por um único doador, rito Santo. Se tivermos a Pessoa do
o Espírito Santo. Estes dons têm Espírito Santo habitando em nós e
alcance dentro e fora da Igreja de nos deixarmos encher dEle, passa-
Cristo e, através deles, crentes são mos a ser controlados por Ele.
ministrados por outros, na própria
igreja. Quando isto acontece, toda Os dons espirituais funcionam
a igreja é edificada ou aperfeiçoa- como um Corpo
da para o trabalho do ministério, O segundo princípio refere-se
que, além de atingir os cristãos, à unidade na igreja local. Todos os
abençoando-os, também tem al- membros unidos em torno de uma
cance fora do âmbito da igreja, única Pessoa, Cristo. Isto também
cumprindo a Grande Comissão. quer dizer que, apesar de serem
pessoas diferentes, dotadas de
Diversidade dos dons espirituais diferentes dons, todos trabalham
No capítulo 12, aprendemos com um único propósito. Como
dois princípios opostos entre si, funcionam num grupo de pessoas,
mas que se complementam. Em estes dois princípios opostos entre
primeiro lugar, aprendemos que si? Paulo responde esta pergunta
existe uma diversidade de dons; ao apresentar a Igreja de Cristo fun-
se duas pessoas fossem exata- cionando como o corpo humano:
mente iguais e tivessem absoluta- “Porque, assim como o corpo é um
mente o mesmo dom, uma delas e tem muitos membros, e todos os
seria dispensável. Porém, todos membros, sendo muitos, consti-
os santos e seus respectivos dons tuem um só corpo, assim também
espirituais são necessários dentro com respeito a Cristo” (12.12).
da igreja. Nem todos os membros Nosso corpo é feito de mãos,
recebem os mesmos dons. Alguns pés, ouvidos, pulmões e tantas

38 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

outras partes, mas cada uma fun- fosse ouvido, onde o olfato? Não
ciona em coordenação com todo podem os olhos dizer à mão: Não
o resto do corpo. Cada parte tem precisamos de ti; nem ainda a ca-
sua função específica e funciona beça aos pés: Não preciso de vós”
para o bem estar de todo o corpo, (12.17,21). Paulo está falando
como o dom que lhe foi concedi- que é a unidade e não a uniformi-
do, unida com o resto do corpo, dade que Cristo tem para a igreja.
através de Cristo, o Cabeça desse
Corpo (Colossenses 1.18). A função da igreja
Este capítulo traz uma ilustra-
Os dons espirituais resistem à ção da função essencial da igreja
uniformidade e mostra que ela é mantida atra-
Infelizmente, nem todas as vés da unidade. Também aprende-
igrejas apreciam a diversidade dos mos que os membros da igreja são
dons do Espírito Santo, preferin- marcados pela diversidade. Paulo
do que todos os seus membros não está falando de diversidade
tenham os mesmos dons: cura, teológica ou doutrinária, mas de
profecia, línguas ou qualquer ou- uma diversidade de dons entre os
tro dom. Para eles, alguns dons ou membros da igreja, que não pre-
manifestações do Espírito Santo judica a unidade do Corpo e que
são mais importantes que outros. deve ser estimulada.
Além disso, tais igrejas acreditam A igreja também funciona
que todos os seus membros de- através da pluralidade, ou seja, o
vem ter certos dons ou manifes- Espírito Santo usa todos os seus
tações do Espírito, que funcionam membros para que a obra de Cristo
como credenciais do crente. Não é seja cumprida e Sua Palavra seja
isso o que Paulo explica na seção anunciada ao mundo. A obra de
construtiva de sua carta: “Ora, os Cristo não é feita através das mãos
dons são diversos, mas o Espíri- de um ou dois líderes da igreja,
to é o mesmo” (12.4). De acordo mas através de todos os membros
com Paulo, este tipo de igreja não exercendo seus dons espirituais.
funciona muito bem e, usando a Paulo também ensina que os
figura do corpo humano, ele expli- membros da igreja devem ser soli-
ca: “Se todo o corpo fosse olho, dários uns com os outros: “De ma-
onde estaria o ouvido? Se todo neira que, se um membro sofre,

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 39


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

todos sofrem com ele; e, se um credencial ou “certificado de vida


deles é honrado, com ele todos se cristã”, ao invés de o considerarem
regozijam” (12.26). como mais um, entre todos os dons
E, finalmente, os membros do que o Espírito Santo derrama sobre
Corpo de Cristo funcionam com o Corpo de Cristo. Cabe aqui fazer
equidade, ou seja, apesar de pos- a seguinte pergunta: o dom de lín-
suírem diferentes dons, todos pos- guas é a experiência pela qual todo
suem o mesmo valor aos olhos de cristão passa ou é uma das experi-
Deus. Por isso, Tiago, um dos gran- ências dos cristãos?
des líderes da Igreja do Novo Tes-
tamento, destaca o problema social Três problemas nas igrejas em
de acepção de pessoas como um que há dons
pecado: “Se, todavia, fazeis acep- As igrejas que dão liberdade
ção de pessoas, cometeis peca- para a manifestação dos dons do
do, sendo arguidos pela lei como Espírito enfrentam alguns proble-
transgressores” (Tiago 2.9). mas. Entretanto, muitos pastores
Apesar de alguns crentes e preferem enfrentar os problemas,
seus respectivos ministérios rece- que acompanham a manifestação
berem mais destaque que outros dos dons, a ter uma igreja em ab-
na igreja, todos têm o mesmo va- soluta ordem, mas sem a vida es-
lor. Deus fez o corpo assim: “Para piritual que os dons trazem para
que não haja divisão no corpo; ela. Imagine um cadáver: tem apa-
pelo contrário, cooperem os mem- rência normal, mas está morto!
bros, com igual cuidado, em favor Um dos problemas que co-
uns dos outros” (12.25). mumente surge é a discrimina-
ção. Algumas pessoas acham que
Os dons são para edificação seus dons ou o tipo de ministério
O capítulo 14 desta carta mos- que têm são superiores a outros
tra o que acontece quando um dom dons e ministérios. A discrimina-
é mais valorizado que outro, princi- ção também leva pessoas que não
palmente o dom de línguas. Dentro têm dom, nem o mesmo padrão de
da igreja de Corinto, aqueles que ministério, a depreciar aquelas que
falavam em línguas se considera- os têm. Como os crentes tendem a
vam melhores que os que não fala- ser inseguros espiritualmente, os
vam, fazendo deste dom um tipo de que foram depreciados começam a

40 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

duvidar do seu real valor e deixam profetiza edifica a igreja” (14.4).


o convívio da igreja. Então, surge o Paulo comparou o dom de línguas
terceiro problema: a divisão dentro com o dom de profecia, para mos-
da igreja. trar que aqueles que estavam ele-
Com o tempo, a divisão pode vando o dom de línguas, na ver-
chegar a ponto de os membros dade, não entendiam que todos os
romperem uns com os outros e for- dons espirituais deveriam ser usa-
marem outro grupo que lhes dê o dos para edificação do Corpo. É
apoio que procuram. Existem duas possível que eles estivessem orgu-
mil ramificações protestantes den- lhosos com o falar em línguas em
tro do Corpo de Cristo. Será que o oração, através do Espírito Santo,
seu corpo funcionaria bem se esti- o que outros membros não faziam.
vesse dividido em duas mil partes? O Espírito Santo concede o dom
Por todo o mundo estes três pro- de línguas para ser usado com ou-
blemas: discriminação, deprecia- tra pessoa que tenha o dom da in-
ção e divisão têm destruído ou fe- terpretação, para que o Corpo seja
rido gravemente o Corpo de Cristo. edificado (14.27,28).
Para impedir que o problema Paulo exortou os coríntios a
aumentasse, Paulo confrontou os usarem seus diferentes dons para
coríntios, exortando-os a que não benefício de todo o Corpo: “Que
colocassem o dom de línguas aci- fazer, pois, irmãos? Quando vos
ma de outros dons, ensinando que reunis, um tem salmo, outro, dou-
este dom não era superior aos trina, este traz revelação, aquele,
demais, nem servia como qual- outra língua, e ainda outro, in-
quer tipo de credencial dentro do terpretação. Seja tudo feito para
Corpo. De todos os dons citados edificação” (14.26). Em outras
no capítulo 12, o dom de línguas palavras, nossos dons devem ser
está em último lugar; todos os ou- usados para edificação do Corpo
tros dons do Espírito servem para de Cristo. Eles foram dados para
a edificação da igreja. O dom de promover a unidade e fortalecer os
línguas, se não for usado com o diversos ministérios.
dom de interpretação, não edifica
o Corpo de Cristo. É o que diz Pau- Aplicação
lo: “O que fala em outra língua a Qual é o seu dom espiritual ou
si mesmo se edifica, mas o que o seu ministério? Você já sabe com

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 41


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

que dom o Espírito Santo o capaci- Estude esta lista de mais de vinte
tou? Com que dom você vai servir dons espirituais e, em oração, jun-
o Corpo de Cristo? to com outros irmãos, com a ajuda
Quer o seu dom seja de en- do Espírito Santo, descubra quais
sino, discernimento, sabedoria, são os seus dons espirituais. De
evangelização, administração, aju- acordo com Paulo, não existe ne-
da, misericórdia, cura ou qualquer nhum membro do Corpo de Cristo
outro que Paulo descreveu foi o que não tenha algum dom. Come-
Espírito Santo quem o capacitou ce hoje a usar os seus dons e veja
com o que você precisa, para glori- o Senhor capacitando-o cada vez
ficar a Deus e edificar a Sua Igreja. mais para Sua glória.

42 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 7
O Que é Amor? (Capítulo 13)

Paulo tratou de vários proble- conheça todos os mistérios e toda


mas que estavam acontecendo a ciência; ainda que eu tenha ta-
dentro da igreja de Corinto e ofere- manha fé, a ponto de transportar
ceu soluções para cada um deles; montes, se não tiver amor, nada
uma das soluções pode ser aplica- serei. E ainda que eu distribua to-
da para todos os problemas que dos os meus bens entre os pobres;
os coríntios enfrentaram e hoje en- ainda que eu entregue os meu
frentamos em nossas igrejas. Esta próprio corpo para ser queimado,
solução é o amor ágape. se não tiver amor, nada disso me
aproveitará” (13.1-3).
Um caminho sobremodo excelente Paulo inicia o capítulo do
O tema do capítulo 13, o Ca- amor comparando-o ao que os
pítulo do Amor, começa com o coríntios mais valorizavam, a elo-
último versículo do capítulo 12: quência, afirmando que mesmo
“Entretanto, procura, com zelo, que falemos a língua dos homens
os melhores dons. E eu passo a e dos anjos, referindo-se ao dom
mostrar-vos ainda um caminho de línguas, se não tivermos amor,
sobremodo excelente” (12.31). seremos apenas como um ruído.
Como vimos, no capítulo 12, Aqueles gregos intelectualizados
Paulo falou sobre o Espírito Santo, valorizavam o conhecimento, por
como Ele trabalha, derramando isso Paulo afirmou que o amor é
dons espirituais sobre os crentes. mais importante que qualquer tipo
No capítulo 13, ele afirma que o de conhecimento.
amor é o que existe de mais im- Como a igreja de Corinto era
portante no mundo: “Ainda que uma igreja carismática, eles valori-
eu fale as línguas dos homens e zavam a profecia e o entendimen-
dos anjos, se não tiver amor, serei to de mistérios. Por este motivo,
como o bronze que soa ou como Paulo declarou que, mesmo que
o címbalo que retine. Ainda que tivesse o dom de profecia e o co-
eu tenha o dom de profetizar e nhecimento de todos os mistérios

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 43


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

do mundo, se não tivesse amor, 7, Paulo passa o conceito do amor


nada seria. pelo prisma do Espírito Santo, o
Ele também disse que, mes- que resulta num conjunto de quin-
mo que eu desse todo o meu di- ze virtudes: “O amor é paciente, é
nheiro para alimentar os pobres e benigno; o amor não arde em ci-
o meu corpo para ser queimado úmes, não se ufana, não se enso-
como mártir, se não tivesse amor, berbece, não se conduz inconve-
eu nada conseguiria com o meu nientemente, não procura os seus
gesto e o meu martírio. interesses, não se exaspera, não
No início da carta, Paulo reco- se ressente do mal; não se alegra
nheceu que os coríntios eram ex- com a injustiça, mas regozija-se
tremamente abençoados com dons com a verdade; tudo sofre, tudo
(1.7). De acordo com Paulo, nada crê, tudo espera, tudo suporta”
do que somos, temos ou fazemos (13.4-7).
pode substituir o amor em nossas
vidas, porque o amor é o que existe O amor é indestrutível
de mais importante neste mundo. O conjunto de virtudes men-
Paulo concordava com o apósto- cionado traz várias revelações so-
lo João, na sua afirmação de que bre o amor ágape. A primeira é
Deus é amor. Por isso, afirmamos que o amor é indestrutível. Ele é
que o amor é o que existe de mais paciente, jamais acaba, tudo so-
importante neste mundo; nada do fre e tudo suporta. Quando ama-
que eu seja, tenha ou faça pode mos alguém com o amor ágape,
substituir o amor em minha vida. não importa o que a outra pessoa
Existem várias palavras gregas faça, pois o amor de Deus, que
para amor. No contexto citado, a deve habitar em nós, tudo supe-
palavra usada por Paulo é “ágape”, ra. É assim que Deus nos ama!
que descreve o sentimento com Enquanto vivíamos nossa vida
que Deus nos ama e com o qual de pecado, Deus mostrou o Seu
podemos amar outras pessoas. amor, mandando o Seu Filho para
Este amor é uma das virtudes do morrer por nós (Romanos 5.8).
fruto do Espírito (Gálatas 5.22). Quando amamos com o mesmo
Não podemos definir o amor, tipo de amor com o qual Deus nos
mas podemos descrever como ele amou, suportamos tudo, porque
se comporta. Nos versículos 4 ao este amor é indestrutível.

44 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Amor incondicional de nós as nossas transgressões”


O amor também é incondi- (Salmo 103.12), derramando o
cional. O amor ágape não depen- Seu perdão e esquecendo as nos-
de do que a pessoa amada faz ou sas iniquidades, pois o seu amor
deixa de fazer. O amor humano por nós não se baseia no que faze-
geralmente age de modo contrá- mos. É assim que devemos amar.
rio. Esperamos determinado com-
portamento da pessoa amada e o Amor inspirador
sentimento permanece, enquanto O amor também é inspirador.
ela se comportar apropriadamen- Ele tudo crê e tudo espera; foi as-
te. Este é o tipo de amor de mui- sim com Jesus, em relação aos
tos pais, filhos, maridos e esposas. apóstolos. Quando Jesus e Pedro
Quando amamos alguém desta se conheceram, Pedro chamava-se
maneira, a tendência é nos sentir- Cefas, que significa “pedra” (João
mos inseguros, sem saber quando 1.42). Apesar da vida de Pedro ter
o nosso comportamento está sen- sido marcada pela instabilidade
do aceito ou não; se estamos ou durante três anos, Jesus o chamou
não correspondendo às expectati- de “pedra” e disse: “Também eu te
vas da pessoa amada e por quanto digo que tu és Pedro, e sobre esta
tempo conseguiremos satisfazê-la. pedra edificarei a minha igreja, e
O amor ágape é diferente. Ele as portas do inferno não prevale-
é incondicional. Quando amamos cerão contra ela” (Mateus 16.18).
incondicionalmente, não mante- Experimente usar esta estraté-
mos uma lista de coisas erradas ou gia com seus filhos. Geralmente,
desapropriadas como prova de que as crianças são aquilo que elas
aquela pessoa não merece mais ouvem sobre si mesmas durante
ser amada. O amor incondicional suas vidas. Se você diz que seu fi-
nunca acaba e a pessoa amada se lho é um perdedor, burro, incapaz,
sente segura com esse amor. Mais etc., ele provavelmente vai acabar
uma vez afirmo: é assim que Deus indo ao encontro desta expecta-
nos ama. Mesmo quando pecamos tiva. Porém, se amarmos nossos
contra Sua Santidade, se nos arre- filhos com o amor ágape, que
pendermos, Ele afasta de nós os tudo crê e tudo espera, testemu-
nossos pecados, “Quanto dista o nharemos nossos filhos atingirem
Oriente do Ocidente, assim afasta ou superarem nossas expectativas,

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 45


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

quanto ao potencial deles, porque o amor, estes três; porém o maior


nosso amor acabará fazendo com destes é o amor” (13.13).
que eles próprios creiam em seu Esperança é a convicção de
potencial e tenham uma expec- que nesta vida vamos encontrar
tativa positiva em relação ao fu- algo bom, que Deus coloca em
turo. É com este amor inspirador nossos corações; é também a ex-
que devemos amar nosso cônjuge, pectativa de que existe algo mui-
nossos filhos e as pessoas que nos to melhor, além deste mundo. O
rodeiam. capítulo 11 de Hebreus descreve
esta esperança: “Ora, a fé é a cer-
O amor jamais acaba teza de coisas que se esperam,
Depois de descrever como é a convicção de fatos que se não
o amor, Paulo volta aos dons es- vêem” (Hebreus 11.1). Isto quer
pirituais, mostrando que eles não dizer que a esperança é a base da
substituirão o amor, pois ele so- convicção que Deus nos dá, para
breviverá a tudo: “O amor jamais sermos conduzidos à fé, a qual
acaba; mas havendo profecias, nos leva a Deus. O Capítulo da Fé
desaparecerão; havendo línguas, de Hebreus também fala que sem
cessarão; havendo ciência, pas- fé não podemos nos aproximar de
sará; porque, em parte, conhe- Deus (Hebreus 11.6).
cemos, e em parte profetizamos. O que Paulo está dizendo no
Quando, porém, vier o que é per- último versículo do capítulo 13 de I
feito, então o que é em parte será Coríntios é que a esperança nos leva
aniquilado” (13.8-10). à fé e a fé nos leva a Deus, mas,
Quando Jesus Cristo voltar, quando encontramos o amor ágape
não precisaremos mais de profe- é diferente. Não encontramos ape-
cias; quando O virmos face a face nas algo que nos leva a Deus, mas
e O conhecermos como Ele é, não encontramos o próprio Deus, por-
precisaremos mais do nosso co- que Deus é amor. Esta é a essência
nhecimento humano tão limitado. de Deus. Por isto, Paulo classificou
Todos os dons do Espírito Santo o amor como a maior das três vir-
vão passar, mas três coisas perma- tudes mencionadas, dizendo que
necerão para sempre: “Agora, pois, fizéssemos da busca do amor ágape
permanecem a fé, a esperança e a maior prioridade da nossa vida.

46 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 8
A Ressurreição de Todos os Crentes (Capítulo 15)

O capítulo 15 é denominado tudo, vos entreguei o que também


o Capítulo da Ressurreição, cujo recebi: que Cristo morreu pelos
ensino é apresentado aos coríntios nossos pecados, segundo as Es-
por Paulo, como parte da solução crituras, que foi sepultado e res-
de muitos problemas na igreja. suscitou ao terceiro dia, segundo
Os filósofos gregos duvidavam de as Escrituras” (1-4).
qualquer tipo de fenômeno sobre- Este é o Evangelho que os tinha
natural. Paulo estava se dirigindo salvado e a base de tudo em que
a crentes gregos, os quais tinham criam. Depois que Paulo mencio-
uma herança cultural e intelectual nou a ressurreição de Cristo, como
que interferia na aceitação do so- parte da sua mensagem, escreveu
brenatural, principalmente no que sobre o assunto, o qual chamamos
se referia à ressurreição de Cristo e de “Ressurreição Aplicada”. Pau-
dos mortos em Cristo. Se os corín- lo declarou que a ressurreição de
tios não tivessem duvidado da res- Cristo poderia também ser compro-
surreição, hoje não teríamos o ca- vada por muitas testemunhas: “E
pítulo 15 de I Coríntios, que é uma apareceu a Cefas e, depois, aos
obra-prima sobre este assunto. doze. Depois, foi visto por mais
Paulo os fez lembrar o que já de quinhentos irmãos de uma só
tinham ouvido, isto é, que a res- vez, dos quais a maioria sobrevi-
surreição de Jesus Cristo é uma ve até agora; porém alguns já dor-
parte vital do Evangelho, a qual mem. Depois, foi visto por Tiago,
ele tinha pregado e eles tinham mais tarde, por todos os apóstolos
crido: “Irmãos, venho lembrar-vos e, afinal, depois de todos, foi vis-
o evangelho que vos anunciei, o to também por mim, como por um
qual recebestes e no qual ainda nascido fora de tempo” (5-8).
perseverais; por ele também sois Foi difícil para os coríntios não
salvos, se retiverdes a palavra tal apenas crerem na ressurreição de
como vo-la preguei, a menos que Cristo, mas também na ressurrei-
tenhais crido em vão. Antes de ção dos mortos em Cristo, quando

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 47


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Ele voltar. Com certeza Paulo os semente. Mas, Deus lhe dá corpo
tinha ensinado sobre a Segunda como lhe aprouve dar e a cada
Vinda de Jesus Cristo. Ele relacio- uma das sementes, o seu corpo
nou a ressurreição dos crentes em apropriado” (15.36-38).
Cristo com a ressurreição do pró- Uma semente no solo torna-se
prio Cristo, chamando-a de “pri- uma bela planta, mesmo que não
mícias dos que dormem” (15.20). venhamos a entender como isto
Se nós não formos ressuscitados, acontece. A semente plantada não
então Cristo também não ressusci- parece em nada com a planta que
tou e nossa fé será vã (15.13,14). brota do chão. Assim como Deus
Quando Cristo morreu na cruz, transforma a semente em uma
carregou todo o peso dos nossos planta, no dia da ressurreição Ele
pecados; porém, quando ressus- vai transformar nossos corpos cor-
citou dos mortos, mostrou Sua vi- ruptíveis: “Pois assim também é a
tória sobre a morte. Por isto, Sua ressurreição dos mortos. Semeia-
ressurreição é parte necessária da se o corpo na corrupção, ressus-
nossa fé. A ressurreição dos nos- cita na incorrupção. Semeia-se
sos corpos será a aplicação da res- em desonra, ressuscita em glória.
surreição de Jesus Cristo em nossa Semeia-se em fraqueza, ressusci-
própria morte e ressurreição. ta em poder. Semeia-se corpo na-
Os coríntios queriam saber: tural, ressuscita corpo espiritual.
“como se dará a ressurreição e Se há corpo natural, há também
como serão nossos corpos?”. O corpo espiritual” (15.42-44).
ponto crucial de tudo isso é que Deus nos deu um corpo terre-
os coríntios não acreditavam na no para viver neste mundo e nos
ressurreição dos crentes em Cristo, dará um corpo celestial para vi-
porque não entendiam como ela ver no céu. Nossa carne e sangue
aconteceria. Para tratar desta ques- corruptíveis não podem entrar no
tão, Paulo comparou a ressurreição reino do céu, por isso Deus trans-
dos mortos ao plantio de uma se- formará nossos corpos terrenos,
mente: “O que semeais não nasce, preparando-nos para viver no do-
se primeiro não morrer; e, quan- mínio eterno. É isso o que acon-
do semeais, não semeais o corpo tecerá na ressurreição. Aqueles
que há de ser, mas o simples grão, que estiverem vivos, por ocasião
como de trigo ou de qualquer outra da volta de Cristo, experimentarão

48 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

essa metamorfose num “abrir e é a nossa ressurreição. No últi-


fechar de olhos” (15.52). Paulo mo versículo deste capítulo, Paulo
ensinou que a preparação para o aplica o Evangelho da ressurreição
céu requer duas coisas: que nosso para motivar os crentes a fazerem
corpo corruptível se torne incorrup- a obra do Senhor. É como se Paulo
tível e que nossa parte mortal se dissesse que a qualidade da nossa
torne imortal. Quando estes dois eternidade será determinada pelo
milagres acontecerem, estaremos nível de participação na vitória.
prontos para o céu. A palavra “res-
surreição” significa “vitória sobre a Mordomia (capítulo 16)
morte”. A ressurreição dos mortos O capítulo 16 se inicia com
em Cristo solucionará estes dois Paulo, dizendo: “Quanto à cole-
problemas e será a vitória do cren- ta para os santos...”. Precisamos
te sobre a morte. Por isso, Paulo compreender algumas coisas so-
encerra sua obra-prima da ressur- bre a coleta e porque Paulo resol-
reição declarando que a morte e a veu falar sobre este assunto nesta
ressurreição do crente serão uma carta pastoral.
grande vitória! (15.54-57). Com este capítulo Paulo ter-
Paulo aplica o ensino da res- minou sua primeira carta aos co-
surreição, exortando os coríntios: ríntios, pedindo que eles contribu-
“... sede firmes, inabaláveis e íssem em favor dos judeus cristãos
sempre abundantes na obra do de Jerusalém, que estavam sendo
Senhor, sabendo que, no Se- perseguidos e necessitavam de ali-
nhor, o vosso trabalho não é vão” mentos. Ele enfatizou a questão da
(15.58). Todos os autores da Bí- contribuição e da mordomia, reto-
blia falam da Segunda Vinda de mando o assunto das “questões
Cristo, porque este acontecimento espirituais”, citadas no primeiro
é a esperança da Igreja e a única versículo do capítulo 12, quando
saída para o mundo. iniciou a seção construtiva desta
Tanto nos profetas, como nos carta, já que a mordomia é uma
apóstolos, encontramos referên- das disciplinas espirituais que de-
cias à Segunda Vinda de Cristo e a terminam a saúde espiritual e a
todos os acontecimentos relaciona- vitalidade do crente.
dos a esta gloriosa esperança. Um Nesta passagem, Paulo tam-
exemplo desses acontecimentos bém fala sobre a nova criação,

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 49


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

um dos assuntos preferidos em levantando fundos entre os gen-


suas cartas (II Coríntios 5.17; tios, que ele tinha levado a Cristo,
Gálatas 6.15). A graça de Deus para ajudarem os judeus cristãos,
e a transformação de vida têm que antes ele prendia para que
a ver com o Evangelho de Cris- fossem mortos.
to. Paulo tinha sido um dos que
espalhou terror entre os cristãos Observação: Neste Curso temos o
de Jerusalém e Judeia (Atos 8.3; Livro 8, que é um comentário, ver-
9.1,13,14), mas, agora, estava sículo por versículo, de I Coríntios.

50 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 9
A Segunda Carta de Paulo Aos Coríntios

As credenciais de um ministro questões dizia respeito ao conteúdo


(capítulos 1-6) de sua primeira carta. O problema
Paulo escreveu a Primeira Car- agora era com a pessoa de Paulo.
ta aos Coríntios, quando estava em Quando ele ficou sabendo disso,
Éfeso, e a enviou através de Tito, escreveu a segunda carta.
que a entregou pessoalmente e fi- Nos seis primeiros capítulos,
cou com a igreja por algum tempo. Paulo define as credenciais de um
Durante este período, ele explicou e ministro, uma vez que este era o
defendeu a argumentação da carta motivo principal dos ataques que
para os envolvidos nos problemas estava sofrendo. Eles não con-
mencionados. Enquanto isso, de- sideravam Paulo merecedor das
pois de três anos e meio em Éfeso, credenciais de apóstolo e, portan-
Paulo teve que sair da cidade, por to, não era qualificado para corri-
causa de um tumulto (Atos 19). Di- gi-los. Paulo escreveu esta carta
rigiu-se, então, à Trôade e, depois, com o fim de se defender como
a Filipos, onde esperou por Tito, apóstolo e ministro do Evangelho.
que lhe traria notícias dos coríntios. Portanto, nas suas próprias pala-
A maior parte das notícias era vras, temos um resumo dos prin-
boa. Os coríntios tinham tratado cípios mais importantes para as
Tito com amor e cordialidade, obe- credenciais de um ministro.
decendo as instruções de Paulo. Aqueles que hoje são chama-
Porém, outras notícias não eram dos para o ministério pastoral são
tão boas. Alguns da igreja tinham considerados ministros do Evan-
começado a atacar o apostolado e gelho. Mas, quando Paulo usa a
as qualidades de Paulo; outros até palavra “ministro”, ele não está se
achavam que ele era meio louco (II referindo ao líder religioso, mas ao
Coríntios 5.13). Além disso, mui- ministro, aquela pessoa que é um
tos se sentiram ofendidos por ele discípulo verdadeiro de Jesus.
não ter ido pessoalmente falar tudo Na Carta aos Efésios, Pau-
que escrevera. Nenhuma destas lo ensina que aqueles que são

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 51


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

evangelistas, pastores e professo- Quando sofremos, somos leva-


res recebem dons “com vistas ao dos a Deus e descobrimos que Ele
aperfeiçoamento dos santos para o próprio é o Consolo de que precisa-
desempenho do seu serviço, para mos em tempos de sofrimento. De-
a edificação do corpo de Cristo” pois que sofremos e descobrimos
(Efésios 4.12). Ele denomina “san- que o consolo vem do Verdadeiro
tos” aqueles que foram separados Consolador, estamos preparados,
para seguir a Cristo. Em outras pa- como ministros, para confortar e
lavras, o trabalho do professor ou consolar outros que estão sofrendo;
do pastor, na igreja, visa preparar somos testemunhas fiéis do Conso-
os “leigos”, os crentes sentados nos lador. Imagine um mendigo mos-
bancos das igrejas, para trabalha- trando a outro mendigo onde está
rem no ministério, o qual não foi o pão. Assim é o evangelista. Um
destinado a alguns poucos profis- ministro de consolação, como Pau-
sionais, à equipe de pastores, mas lo se refere, é uma pessoa que já
a todos os membros da igreja local. teve o coração machucado, dizen-
Isto quer dizer que todos os mem- do a outra pessoa com o coração
bros da igreja são ministros dela. machucado onde está o Consolo.
Depois de descrever as qua-
O treinamento do ministro lificações de um ministro, Paulo
Paulo descreve como Deus nos defendeu as suas próprias creden-
treina para sermos Seus ministros. ciais, falando do seu sofrimento em
Uma das coisas que Deus faz é nos Listra, onde foi brutalmente ape-
ensinar a consolar os que sofrem e drejado e dado como morto: “Por-
Ele faz isso permitindo que sofra- que não queremos, irmãos, que
mos primeiro: “Bendito seja o Deus ignoreis a natureza da tribulação
e Pai de nosso Senhor Jesus Cris- que nos sobreveio na Ásia, por-
to, o Pai de misericórdias e Deus quanto foi acima das nossas for-
de toda consolação! É ele que nos ças, a ponto de desesperarmos até
conforta em toda a nossa tribula- da própria vida. Contudo, já em
ção, para podermos consolar os nós mesmos, tivemos a sentença
que estiverem em qualquer angús- de morte, para que não confiemos
tia, com a consolação com que nós em nós, e sim no Deus que res-
mesmos somos contemplados por suscita os mortos; o qual nos livrou
Deus” (II Coríntios 1.3,4). e livrará de tão grande morte; em

52 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

quem temos esperado que ainda tanto nos que são salvos, como
continuará a livrar-nos” (1.8-10). nos que se perdem. Para com es-
De maneira sutil, Paulo estava tes, cheiro de morte para a morte;
atestando sua autenticidade como para com aqueles, aroma de vida
ministro da fé. Ele abriu esta car- para a vida” (2.15,16).
ta com uma discussão de como o De acordo com Paulo, somos
sofrimento nos leva a Deus e nos como flores que exalam o doce per-
qualifica como ministro de conso- fume de Cristo por onde passamos.
lação; depois mostrou como ele Esta fragrância pode levar alguns à
foi qualificado para ser este tipo salvação e à vida eterna e outros
de ministro. Na cidade de Listra, à morte. Se rejeitarem nosso perfu-
Deus permitiu que Paulo sofres- me, rejeitam a Cristo, e este cami-
se além do que podia suportar, a nho leva à morte. Mas, se são le-
ponto de “desesperar da própria vados a Cristo, através do perfume
vida”, para que aprendesse a con- dEle que exalamos, encontram em
fiar em Deus e não nele mesmo. Cristo a salvação e a vida eterna.
Depois que aprendeu a não confiar O peso de tal responsabilida-
nele próprio, compreendeu que só de fez Paulo perguntar: “Quem,
Deus pode ressuscitar os mortos porém, é suficiente para estas
e dar livramento, porque o livrou coisas?” (2.16). Não somos sufi-
daquilo que deve ter sido uma ex- cientes para ser a diferença entre
periência tremenda em sua vida. vida ou morte eterna para aqueles
Alguns acreditam que Paulo esti- que passam por nós, mas Deus o
vesse falando da sua própria morte é: “não que por nós mesmos se-
e ressurreição, quando foi apedre- jamos capazes de pensar alguma
jado em Listra. Para outros, Paulo coisa, como se partisse de nós;
usou uma linguagem figurada. pelo contrário, a nossa suficiên-
cia vem de Deus” (3.5). É através
O dever do ministro do Espírito Santo que vidas são
Qual é o dever de um minis- transformadas. Somos apenas ins-
tro? A resposta a esta pergunta trumentos, através dos quais Deus
está nestas palavras de Paulo: exala o Seu perfume, o perfume
“Porque nós somos para com de Cristo, que transformou e ainda
Deus o bom perfume de Cristo, transforma vidas.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 53


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 10
O Que Motiva Um Motivador? (II Coríntios 5.13-6.2)

Paulo, ao se defender das acu- embaixadores em nome de Cristo,


sações de que estava “louco”, en- como se Deus exortasse por nosso
sinou outro dever de um ministro. intermédio. Em nome de Cristo,
No original grego, a palavra usada pois, rogamos que vos reconcilieis
para “louco” tem o significado de com Deus” (5.14-15,20).
“excêntrico”. Eles estavam acu-
sando Paulo de ter perdido o “cen- Os três princípios absolutos de Paulo
tro” ou o controle da sua vida, que Paulo baseava suas ações
passou a ser controlada por Deus. nestes três princípios absolutos:
Paulo concordou com as acusa-
ções que aqueles coríntios “ego- • Cristo morreu por todos;
cêntricos” estavam fazendo. Cristo • Todos estão perdidos;
era o centro da vida do apóstolo • Todos precisam ouvir a
Paulo e foi isso que ele quis dizer mensagem do Evangelho.
quando escreveu: “Porque, se en-
louquecemos (se perdemos o cen- Cristo e estes três princípios
tro e nos tornamos excêntricos), é absolutos estavam no centro da
para Deus” (5.13). vida de Paulo e eram sua motiva-
A defesa de Paulo contra a sua ção. Realmente ele vivia como um
excentricidade era o amor de Cristo excêntrico (18).
e o chamado para o ministério; es-
tas duas coisas ocupavam o centro Níveis de relacionamento
da sua vida: “Pois o amor de Cris- Encontramos neste trecho da
to nos constrange, julgando nós carta, além da janela que mostrou
isto: um morreu por todos; logo, a motivação do coração do apósto-
todos morreram. E ele morreu por lo Paulo, um perfil de três níveis de
todos, para que os que vivem não maturidade, que descrevem nosso
vivam mais para si mesmos, mas tipo de relacionamento com Cristo:
para aquele que por eles morreu e por Cristo, em Cristo e para Cristo.
ressuscitou... De sorte que somos Quando falamos “por Cristo”, nos

54 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

referimos a tudo que recebemos, o propósito do nosso ministério é


referente à salvação e bênçãos es- reconciliar os perdidos com Deus.
pirituais, através dEle; “em Cristo” Porém, para que levemos pessoas
temos união com Ele, a fonte de a Deus, precisamos ter a marca
tudo que precisamos para segui de uma honestidade transparente
-Lo. Estas duas palavras represen- em nossas vidas. As pessoas pre-
tam nossa absoluta rendição a tudo cisam saber que tudo de bom que
que está no coração de Cristo, ou acontece na nossa vida ocorre por
seja, todos os perdidos que preci- causa de Cristo, que nos salvou e
sam ouvir o Evangelho da salvação; vive em nós.
quando falamos “para Cristo”, re-
ferimo-nos à nossa motivação para Como enxergamos nossa vida?
viver por Cristo e em Cristo. A transparência de um mi-
nistro começa pela maneira como
A transparência de um ministro ele se vê. Ele deve ver-se como
Esta segunda carta aos corín- um simples vaso usado por Deus:
tios enfoca as características do “Temos, porém, este tesouro em
ministro que Deus quer que todo vasos de barro, para que a exce-
crente seja. Na Carta aos Efésios, lência do poder seja de Deus e
Paulo falou que Deus “nos criou não de nós... levando sempre no
em Cristo para boas obras”, pre- corpo o morrer de Jesus, para que
paradas por Deus antes da nossa também a sua vida se manifeste
salvação, para que andássemos em nosso corpo” (4.7,10).
nelas (Efésios 2.10). Fomos salvos Somos como vasos de barro,
pela graça, mas fomos criados para mas, nestes vasos carregamos
boas obras, isto é, Deus tem um um tesouro inestimável de Jesus
ministério para nós, que é uma das Cristo, que nossa transparência
razões porque fomos salvos. Não torna conhecido por outras pes-
somos salvos pelas boas obras, soas. Nosso Tesouro é como uma
mas elas são propósitos da nossa luz que brilha pelas rachaduras do
existência e da nossa salvação. vaso, mesmo que elas sejam nos-
Já aprendemos com este es- sas fraquezas humanas.
tudo que todos os crentes são A fim de cumprir nosso dever
ministros do Evangelho, criados como ministros, Deus permite que
por Deus para boas obras, e que o vaso sofra pressão. As pressões

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 55


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

são as tribulações que passamos permite, como, às vezes, executa


por causa do Evangelho. Paulo se algumas pressões sobre nós.
referiu às suas próprias tribulações Deus quer que Seus ministros
nesta carta, para demonstrar como respondam de uma maneira positi-
elas faziam parte do seu treina- va às tempestades: “na pureza, no
mento para ministro do Evangelho. saber, na longanimidade, na bon-
Cristo Se revela em nossas tribula- dade, no Espírito Santo, no amor
ções, porque Seu poder nos capaci- não fingido”. Mas, como fazer
ta a enfrentá-las: “Em tudo somos isso? Através dos recursos espiritu-
atribulados, porém não angustia- ais que Ele nos dá: “na palavra da
dos; perplexos, porém não desa- verdade, no poder de Deus, pelas
nimados; perseguidos, porém não armas da justiça, quer ofensivas,
desamparados; abatidos, porém quer defensivas” (6.6,7). Desta
não destruídos” (4.8,9). Quando forma, mostramos Cristo ao mun-
as tribulações vêm sobre nós, mas do e a nossa autenticidade como
persistimos na fé, as pessoas se Seus ministros.
surpreendem com nossa força e aí No capítulo 5, Paulo abriu
podemos compartilhar com elas o uma janela, que revelou suas mo-
Tesouro inestimável de Cristo. tivações. No capítulo 11, revelou
sua história e seu sofrimento: “São
Um seminário de sofrimento ministros de Cristo? Eu ainda mui-
De acordo com Paulo, é nas to mais: em trabalhos, muito mais;
provações que demonstramos ser muito mais em prisões; em açoi-
ministros de Deus: “Pelo contrá- tes, sem medida; em perigos de
rio, em tudo recomendando-nos morte, muitas vezes. Cinco vezes
a nós mesmos, como ministros recebi dos judeus uma quarente-
de Deus: na muita paciência, nas na de acoites menos um; fui três
aflições, nas privações, nas an- vezes fustigado com varas; uma
gústias, nos açoites, nas prisões, vez apedrejado; em naufrágio, três
nos tumultos, nos trabalhos, nas vezes; uma noite e um dia passei
vigílias, nos jejuns” (6.4,5). na voragem do mar; em jornadas,
Eu entendo que as adversi- muitas vezes; em perigos de rios,
dades são “tempestades da vida”, em perigos de salteadores, em
as quais Deus usa para Se reve- perigos entre patrícios, em peri-
lar aos Seus ministros. Ele não só gos entre gentios, em perigos na

56 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

cidade, em perigos no deserto, em vida sem Cristo. Será que elas


perigos no mar, em perigos entre vêem o Tesouro que vive no seu
falsos irmãos; em trabalhos e fadi- vaso de barro? O ministro do Evan-
gas, em vigílias, muitas vezes; em gelho não tem nada a ver com o
fome e sede, em jejuns, muitas que Paulo chamou de “adultera-
vezes; em frio e nudez” (11.23- ção da Palavra de Deus” (4.2). A
27). Através destas tribulações e autenticidade do ministro tem a
da maneira como Paulo respondeu ver com o testemunho transparen-
a elas, ele pôde provar que era um te; sofremos por causa de Cristo,
ministro do Evangelho. mas resistimos firmes, através do
De que maneira as pessoas poder do Espírito Santo. Um mi-
sabem que você é um ministro de nistro deve evidenciar Cristo para
Deus? Elas querem ver a diferen- aqueles que estão em busca de
ça de uma vida com Cristo e uma um Salvador.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 57


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 11
A Transcendência de Um Ministro

A experiência na estrada de que foram três anos, enquanto ou-


Damasco tros acreditam que pode ter sido
É impossível entender a vida mais tempo. Os apóstolos tiveram
do apóstolo Paulo sem considerar um treinamento de três anos com o
as experiências que ele teve. Antes Mestre, como Paulo afirma ter tido,
de se converter ao cristianismo, no deserto da Arábia (Gálatas 1.15-
Paulo perseguia a Igreja com um 18). Tal experiência o preparou para
zelo destemido. O então Saulo de escrever quase metade do Novo
Tarso era determinado a destruir a Testamento e anunciar o Evangelho
primeira geração da Igreja de Je- para todo o mundo daquele tempo.
sus Cristo. Porém, ele teve uma
experiência com Cristo, na estrada A experiência celestial
de Damasco, onde Cristo falou di- Em II Coríntios 12, Paulo re-
retamente com ele, enquanto uma gistrou mais uma de suas experi-
forte luz vinda do céu o deixou ências, onde conta como foi levado
sem visão (Atos 9). Esta experiên- ao terceiro céu. Ele não dá muitos
cia mudou sua vida para sempre! detalhes, mas diz: “ouviu palavras
inefáveis, as quais não é lícito
A experiência no deserto da Arábia ao homem referir” (12.4). Paulo
Antes de iniciar seu ministério, compartilhou aquela experiência
Paulo foi para o deserto da Arábia, celestial com os coríntios para
onde teve outra experiência. Lá, ele mostrar suas credenciais como mi-
foi instruído para ser ministro do nistro do Evangelho; também para
Evangelho. Seu treinamento não provar que é possível experimentar
foi conjunto, como ocorreu com os uma dimensão celestial, enquanto
outros apóstolos, mas ele esteve so- ainda estamos vivendo na terra.
zinho, recebendo as instruções do
próprio Cristo (Gálatas 1.1). Os es- A perspectiva celestial
tudiosos não são unânimes quanto A experiência do terceiro céu
ao tempo em que Paulo passou no deixou uma marca permanente na
deserto com Cristo. Alguns dizem vida de Paulo. A partir de então,

58 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

era como se ele tivesse um pé no crônica, mencionando que eles con-


céu e outro na terra. Várias vezes sideravam sua presença física fraca
ele falou sobre o desejo de deixar e os lembra que foi em grande fra-
esta vida e estar com Cristo, pois queza que esteve com eles (I Corín-
considerava sua vida terrena me- tios 2.3; II Coríntios 10.10).
nos atraente que a glória de estar Seja o que for, como Paulo es-
com Cristo (Filipenses 1.21-24). creveu quase metade do Novo Tes-
Escrevendo aos efésios, Paulo tamento, plantou igrejas em toda
manifestou o desejo de que eles parte do mundo dos seus dias e
mantivessem a visão do céu bem teve experiências extraordinárias
forte em suas mentes: “Bendito o com o Cristo ressuscitado, acredi-
Deus e Pai de nosso Senhor Jesus tava que Deus tenha considerado
Cristo, que nos tem abençoado a possibilidade de ele ficar cheio
com toda sorte de bênção espiritu- de si, com tantos feitos, por isso
al, nas regiões celestiais em Cris- permitiu-lhe esse “espinho na car-
to” (Efésios 1.3). Basicamente, foi ne”, para o manter humilde.
o que ele escreveu aos coríntios: E você? Deus permitiu que
“se a nossa esperança em Cristo você tivesse um espinho na carne?
se limita apenas a esta vida, so- Você enfrenta limitações que o fa-
mos os mais infelizes de todos os zem pensar que Deus não o pode
homens” (I Coríntios 15.19). usar? Anime-se com as experiên-
cias de Paulo. Deus gosta de usar
Uma perspectiva humilde nossa deficiência para mostrar Sua
No capítulo 12 desta carta, força. Ele quer usar Sua eficiência
Paulo abre uma janela para sua bio- diante da nossa ineficiência. Deus
grafia e conta que lhe foi dado um usará suas limitações para mostrar
espinho na carne, mensageiro de a você e aos outros que não é uma
Satanás, para o esbofetear, a fim de questão de quem, ou o que so-
que ele não se exaltasse (12.7). Os mos, mas uma questão de o Que,
estudiosos não chegam a um acor- e Quem Ele é. Servir a Deus não é
do quanto ao que seria aquele espi- uma questão do que podemos fa-
nho na carne a que Paulo se refere. zer, mas do que Deus pode fazer.
Quando escreveu aos gálatas, ele Agradeça a Deus por Ele ser forte,
falou que, se possível, eles teriam apesar de você ser fraco, e deixe
até arrancado os próprios olhos e que Ele manifeste na sua vida o po-
lhe dado (Gálatas 4.15). Aos corín- der dEle, de uma maneira que você
tios ele fala também de uma fadiga nunca experimentou antes.
CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 59
ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 12
A Graça de Contribuir
Existe mais um ensinamento Paulo escreveu a respeito des-
de Paulo, nesta carta, que enfoca- ta oferta em II Coríntios, nos ca-
remos agora, na finalização deste pítulos 8 e 9, pedindo que eles
estudo. Antes de se converter ao contribuíssem com uma oferta
cristianismo, Paulo era um fariseu que partisse do seu coração, com-
zeloso, que se dedicava à preser- partilhando com eles a atitude dos
vação da fé judaica ortodoxa. Ele crentes de Filipos, de onde ele
rejeitava Cristo e via Seus segui- escreveu a carta, os quais Paulo
dores como uma ameaça à fé ju- considerava um exemplo de gene-
daica, por isso perseguia, persis- rosidade, mordomia e fidelidade
tentemente, todos os discípulos de àquilo que Deus lhes dava.
Jesus Cristo. As viagens missionárias de
Depois da sua conversão ao Paulo eram financiadas pelos cren-
cristianismo, a lembrança de tan- tes de Filipos, que eram crentes
tos cristãos presos e condenados maduros na fé. Paulo sabia que
à morte, como, por exemplo, Es- eles contribuíam com entendimen-
tevão, devia causar-lhe um senti- to do que era ser bom despenseiro
mento de culpa. Os judeus cristãos e mordomo fiel de Deus. Os filipen-
de Jerusalém e da Judeia ainda ses tinham ofertado aos santos,
sofriam por causa da perseguição em Jerusalém, que estavam sendo
e da fome, como já vimos, no úl- perseguidos, fato que está registra-
timo capítulo da sua primeira car- do desta forma: “Também, irmãos,
ta aos coríntios, quando Paulo se vos fazemos conhecer a graça de
propôs a arrecadar uma oferta em Deus concedida às igrejas da Ma-
favor deles, entre as igrejas dos cedônia; porque, no meio de muita
gentios. Aquele antigo perseguidor prova de tribulação, manifestaram
de cristãos agora procurava aliviar abundância de alegria, e a profun-
o sofrimento deles. Isto é uma de- da pobreza deles superabundou
monstração do milagre da graça em grande riqueza da sua genero-
de Deus transformando vidas! sidade. Porque eles, testemunho

60 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

eu, na medida de suas posses, e depois a nós, pela vontade de


mesmo acima delas, se mostra- Deus” (8.5). Paulo não aceitaria
ram voluntários, pedindo-nos, com nenhuma oferta sem antes saber
muitos rogos, a graça de partici- que os ofertantes satisfaziam al-
parem da assistência aos santos. guns pré-requisitos. Eles preci-
E não somente fizeram como nós savam ter entregado suas vidas
esperávamos, mas também se de- a Deus antes de darem qualquer
ram a si mesmos primeiro ao Se- parte deles mesmos aos homens.
nhor, depois a nós, pela vontade Os filipenses só se entregaram a
de Deus; o que nos levou a reco- Paulo depois que Deus lhes con-
mendar a Tito que, como come- firmou que era isso que Ele queria
çou, assim também complete esta que fizessem.
graça entre vós. Como, porém, em Além disso, os filipenses abri-
tudo, manifestais superabundân- ram mão da sua própria vontade,
cia, tanto na fé e na palavra como insistindo que tivessem o privilégio
no saber, e em todo cuidado, e em de participar daquele ministério em
nosso amor para convosco, assim favor dos judeus cristãos, os quais
também abundeis nesta graça” estavam sendo perseguidos. Este é
(8.1-7). outro aspecto importante quando
Paulo apresentou os filipen- contribuímos. Conforme escreveu
ses aos coríntios como exemplos no capítulo 9, Paulo nunca coa-
de despenseiros e mordomos do giu nem manipulou alguém para
que Deus lhes dava. À medida que que participasse das suas ofertas,
Paulo fala da mordomia exemplar porque ele preferia que essa atitu-
dos filipenses, apresenta uma de partisse do coração: “Cada um
obra-prima sobre este assunto. contribua segundo tiver propos-
Temos aqui um breve resumo dos to no coração, não com tristeza
padrões de mordomia da Igreja de ou por necessidade; porque Deus
Filipos, que Paulo transformou em ama a quem dá com alegria” (9.7).
exemplo nesta carta aos Coríntios.
O que envolve ser bom
Mordomia fiel mordomo e despenseiro
Vejamos o que Paulo afirmou a Paulo disse que os filipenses
respeito dos filipenses: “deram-se contribuíram com generosidade:
a si mesmos primeiro ao Senhor, “Porque eles, testemunho eu, na

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 61


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

medida de suas posses, e mes- palavra grega para “graça” é “cha-


mo acima delas, se mostraram ris” ou “charisma”, que significa
voluntários” (8.3). Sabemos que o poder e as bênçãos de Deus so-
eles não eram ricos, pois o próprio bre a vida da pessoa. É a graça de
Paulo afirmara que eles estavam Deus que nos possibilita dar além
em “profunda pobreza” (2). das nossas capacidades. É isso o
Quando alguém contribui com que significa “graça de contribuir”.
generosidade, logo concluímos
que esta pessoa é rica, como se A igualdade na mordomia
fosse mais fácil para um rico con- Quando Paulo convidou os co-
tribuir com abundância, mas este ríntios a contribuírem com amor
não foi o caso dos filipenses; eles para os judeus cristãos de Jeru-
contribuíram além de suas posses, salém e da Judeia, ele escreveu:
em tempos de profunda pobreza e “Porque não é para que os outros
grande tribulação. tenham alívio, e vós, sobrecar-
Como é que um cristão pode ga; mas para que haja igualda-
dar além de suas posses? Deixan- de, suprindo a vossa abundância
do que a graça de Deus aumente no presente a falta daqueles, de
sua oferta. Quando decidimos com modo que a abundância daque-
quanto podemos contribuir para o les venha a suprir a vossa falta, e
trabalho do Senhor e, depois, pe- assim, haja igualdade, como está
dimos a Deus que acrescente Sua escrito: O que muito colheu, não
graça àquela oferta, testemunha- teve demais; e o que pouco, não
mos o trabalho de Deus através da teve falta” (8.13-15).
nossa fé. Pela Sua graça, Ele mul- O ato de contribuir deve ser
tiplica o que Lhe ofertamos em fé. proporcional ao que o crente tem,
Os filipenses, em sua profunda não ao que ele não tem. Deus pode
pobreza, ofertaram com simplicida- usar uma oferta proporcionalmen-
de e viram a graça de Deus mul- te ao sacrifício com o qual ela foi
tiplicar aquela oferta, que foi feita feita. Quando damos o que temos
além de suas posses. Foi isso o que com fé, mesmo que seja difícil
Paulo quis dizer, quando escreveu: e não tenhamos muito para dar,
“Também, irmãos, vos fazemos co- Deus multiplica esta oferta de ma-
nhecer a graça de Deus concedida neira misteriosa para que ela tenha
às igrejas da Macedônia” (8.1). A o mesmo valor daquela oferta que

62 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

envolveu o pouco sacrifício do ho- E você? Reconhece que tudo


mem rico. O fruto da oferta não de- o que possui pertence a Deus e
pende do quanto foi dado, mas do que Ele quer que você exerça uma
sacrifício e da fé nela aplicados. mordomia fiel sobre tudo o que Ele
Foi exatamente isto o que Jesus lhe tem dado? Você tem contribu-
disse em relação à viúva pobre que ído com alegria para a obra de
deu uma oferta tão pequena, mas Deus? Sua contribuição envolve
que, na verdade, era mais que os sacrifício? Seja fiel com o que você
outros estavam dando, porque ela tem e Deus usará a sua fidelidade
contribuiu com tudo o que tinha para abençoar o Seu Reino. Isto é
para o seu sustento (Lucas 21.1-4). promessa dEle!

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 63


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 13
A Carta de Paulo Aos Gálatas

A Carta de Paulo aos Gálatas circuncidados e cumprissem toda


é diferente de todas as outras que Lei de Moisés para serem salvos.
vimos até agora. Esta carta é mais Na verdade, eles estavam tentan-
emocional. Na verdade, quando do transformar aqueles discípulos
Paulo a escreveu estava com rai- gentios em judeus.
va! Para sermos mais exatos, ele
estava indignado. Quando Paulo O Evangelho absoluto
escrevia suas cartas às igrejas, Quando Paulo soube que os
procurava tratar dos problemas cristãos da Galácia estavam sendo
que elas estavam enfrentando; circuncidados, escreveu esta car-
mas, nesta carta, Paulo estava ta. Depois de uma introdução rá-
particularmente muito bravo. Ele a pida e seca, ele escreveu: “Admi-
escreveu para tratar de um proble- ra-me que estejais passando tão
ma muito mais sério que o pecado depressa daquele que vos chamou
dos coríntios. à graça de Cristo para outro evan-
gelho; o qual não é outro, senão
O evangelho apóstata que há alguns que vos perturbam
Quando lemos a Carta aos e querem perverter o evangelho
Gálatas, entendemos o que es- de Cristo. Mas, ainda que nós, ou
tava acontecendo com aqueles mesmo um anjo vindo do céu vos
cristãos. Depois de lhes ter sido pregue evangelho que vá além do
pregado o Evangelho da salvação, que vos temos pregado, seja aná-
que é pela graça, por meio da fé, tema. Assim, como já dissemos, e
e nada mais que isso, os judeus agora repito, se alguém vos prega
messiânicos, líderes da igreja, evangelho que vá além daquele
continuaram o trabalho junto aos que recebestes, seja anátema”
novos convertidos, confirmando (Gálatas 1.6-9).
as verdades que Paulo tinha ensi- A palavra grega “anátema”
nado, mas dizendo, também, que significa “amaldiçoado”. O que
era necessário que eles fossem Paulo disse nesta carta foi muito

64 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

forte. Em outras palavras, ele dis- passou três anos na Arábia, sen-
se o seguinte: “existe apenas um do instruído pelo próprio Cristo.
Evangelho, aquele que preguei Relata, também, que decorridos
a vocês. O que agora está sendo quatorze anos da sua conversão,
anunciado para vocês é uma per- ele recebeu, da parte de Tiago,
versão do Evangelho que preguei”. Pedro e outros líderes da igreja,
Paulo estava se referindo à em Jerusalém, a aprovação do seu
apostasia, também mencionada apostolado. Naquela ocasião, fi-
nos Livros da Lei e no Livro de cou determinado que Paulo levaria
Juizes (Deuteronômio 13). O sig- o Evangelho aos gentios e os de-
nificado da palavra “apostasia” é mais apóstolos pregariam para os
“distanciar-se da fé ou abandonar judeus (Gálatas 2.1,7-9).
a fé”. Paulo via a apostasia como Esta carta foi a única que Paulo
um câncer espiritual, muito mais escreveu de próprio punho. Talvez
prejudicial que o que estava acon- ele estivesse tão angustiado com
tecendo na igreja de Corinto. Por a situação nas igrejas da Galácia
isso, ele combate com tanta ên- que não quis esperar pela ajuda do
fase o evangelho apóstata com escrevente. Ao escrever esta carta,
Evangelho absoluto, que já tinha pareceu que Paulo estava muito
sido anunciado. Esta carta tor- conturbado, porque a mensagem
nou-se o estatuto do Evangelho da graça que ele tinha anunciado
da Graça pregado por Paulo. As estava sendo pervertida.
cartas aos coríntios, aos romanos Leia esta carta e procure de-
e aos gálatas, escritas por Paulo, finir o evangelho apóstata que
são uma declaração do Evangelho estava sendo pregado e, depois,
de Jesus a ser proclamado por Sua o Evangelho absoluto que Paulo
Igreja a toda criatura. pregou, o que ajudará a entender
a mensagem de Paulo e o Evan-
Um apóstolo absoluto gelho de Cristo. Compare o pri-
Nos dois primeiros capítulos meiro capítulo desta carta com
desta carta, Paulo faz algumas o primeiro capítulo da Carta aos
afirmações extraordinárias a res- Filipenses. Quando Paulo escre-
peito da sua vida e do seu minis- veu aos filipenses encontrava-se
tério. Ele conta que depois de sua na prisão, mas tinha tranquilida-
conversão na estrada de Damasco de, porque o Evangelho que ele

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 65


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

estava impossibilitado de pregar Mas, depois do Concílio em


estava sendo pregado por outros Jerusalém, a questão ainda conti-
irmãos. Compare as cartas e ob- nuou controversa. A igreja de An-
serve a diferença de tom, quando tioquia, por exemplo, tinha judeus
ele escreveu aos gálatas, porque o e gentios convertidos, e os dois
Evangelho que ele lhes havia pre- grupos viviam em comunidade, fa-
gado estava sendo corrompido. zendo suas refeições em comum.
Muitas das questões controversas
O Evangelho ao contrário tinham a ver com os hábitos ali-
No primeiro capítulo desta mentares. É provável que houves-
epístola, observamos que o tema se dois tipos de mesa; uma delas
é o Evangelho de Jesus, mas, no obedecia aos costumes judaicos e
capítulo 2, temos a definição de a outra aos costumes gentios.
“Evangelho ao Contrário”. A ques- Quando o apóstolo Pedro visi-
tão é que muitos dos que se con- tou a igreja de Antioquia, todos fica-
vertiam eram judeus praticantes, ram observando a qual das mesas
antes de se tornarem discípulos de Paulo se sentaria. Como ele sentou-
Jesus, e procuravam manter seus se à mesa com os gentios, Pedro fi-
costumes após a conversão. cou tão impressionado que acabou
O Primeiro Concílio da Igreja se sentando com Paulo, o que pare-
Cristã aconteceu em Jerusalém, a ce ter feito por algum tempo.
fim de resolver esta questão. No Quando, porém, alguns irmãos
Concílio, ficou decidido que, con- que obedeciam à Lei Judaica apa-
tanto que eles não confiassem receram no lugar onde eles faziam
nas suas tradições judaicas para suas refeições, Pedro levantou-se
serem salvos, não havia nada de e foi para a mesa dos judeus, se-
errado em que os judeus, discípu- guido de Barnabé, que também
los de Jesus, mantivessem os cos- estivera se servindo à mesa dos
tumes judaicos. Ao mesmo tempo, gentios com Paulo e Pedro.
também ficou decidido que os Neste momento, Paulo não se
discípulos gentios não precisariam conteve e sua reação está regis-
adotar os costumes judaicos. Os trada em Gálatas 2.11: “Quando,
discípulos judeus foram claramen- porém, Cefas veio à Antioquia,
te instruídos a não colocarem tal resisti-lhe face a face, porque
peso sobre os gentios convertidos. se tornara repreensível”. Foi

66 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

neste contexto que Paulo mostrou Paulo é poderoso: “Cristo em vós,


o “Evangelho ao Contrário”, fazen- a esperança da glória” (Colossen-
do a seguinte declaração: “logo, já ses 1.27).
não sou eu quem vive, mas Cris- Finalmente, Paulo também
to vive em mim; e esse viver, que disse a Pedro e aos crentes de An-
agora tenho na carne, vivo pela fé tioquia, aos gálatas e a nós: “eu
no Filho de Deus, que me amou e vivo porque estou crucificado com
a si mesmo se entregou por mim” Cristo”, que morreu para que pu-
(Gálatas 2.20). déssemos viver; por isso, devemos
Basicamente, Paulo disse o “morrer” para que Cristo viva em
seguinte: “de acordo com o Evan- nós e através de nós. Este ensino
gelho, Jesus morreu para que vo- coincide com o de Romanos: “Ro-
cês vivam”. Este é o Evangelho go-vos, pois, irmãos, pelas miseri-
ao contrário: “você precisa morrer córdias de Deus, que apresenteis
para que Cristo viva em você”. o vosso corpo por sacrifício vivo”
Paulo não estava falando de morte (Romanos 12.1). Será que você
física; ele usa o verbo “viver” qua- vive pela fé? Você vive porque Cris-
tro vezes neste versículo e apre- to vive em você? Você vive porque
senta três razões para isto. está crucificado com Cristo? Você
A primeira razão é “viver pela está vivendo porque Cristo morreu
fé”. Se eu vivo pela fé em Cris- para que você viva? Você morreu
to, posso ter uma vida abundan- para você mesmo, para que Cristo
te neste mundo ao invés de viver viva em você? Você vive este Evan-
tentando conquistar meu lugar no gelho ao contrário?
céu, obedecendo a leis e regras.
A segunda razão é: “eu vivo O Evangelho em alegoria
porque Cristo vive em mim”. Paulo Em Gálatas, nos capítulos 3 e
queria saber dos discípulos de Je- 4, Paulo descreve o que costumo
sus qual seria a resposta à seguin- chamar de “O Evangelho em Ale-
te pergunta: “Acaso, não sabeis goria”. No capítulo 3, Paulo faz oito
que o vosso corpo é santuário do perguntas. Através das perguntas e
Espírito Santo, que está em vós, respostas, Paulo apresenta sua ar-
o qual tendes da parte de Deus, gumentação a respeito da justifica-
e que não sois de vós mesmos?” ção pela fé, e não pelas obras, ou
(I Coríntios 6.19). Este ensino de por obediência à Lei de Moisés.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 67


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

No capítulo 3, Paulo apre- cumprir toda a Lei, que foi um


senta duas alegorias. A primeira instrumento disciplinador e nos
refere-se a Abraão, através de preparou para a salvação, através
quem aprendemos que não são de Cristo.
os mais inteligentes que têm fé, No capítulo 4, Paulo apresenta
nem os que praticam boas obras, outra alegoria que nos aponta um
mas aqueles a quem Deus dá o importante princípio bíblico. Mui-
dom da fé. Abraão não recebeu o tos acontecimentos relatados na
dom de fé como se fosse o pa- Bíblia são importantes, tanto pelo
gamento de algo que Deus lhe fato histórico, como pela alegoria
devesse. Por esta razão, com se- que representam. Uma alegoria é
tenta e cinco anos de idade, ele uma história, na qual as pessoas,
pôde crer na promessa de que te- lugares e objetos possuem outro
ria filhos como o número de grãos significado, com uma lição moral
da areia do mar e das estrelas no e espiritual. Quando digo que um
céu. Como Abraão creu em Deus, evento ou personagem da Bíblia é
Ele o declarou justo. Com este alegórico, não estou dizendo, de
exemplo, Paulo mostrou que, se jeito nenhum, que ele não aconte-
tivermos a fé salvadora para crer ceu, que não é histórico.
no Evangelho de Cristo, seremos Tomemos por exemplo o que
filhos de Abraão. Paulo falou sobre Abraão e seus
A segunda ilustração de Paulo dois filhos. Este é um fato históri-
enfoca a Lei. Ele afirma que “De co; mas os dois filhos também re-
maneira que a lei nos serviu de presentam uma alegoria. O primei-
aio, para nos conduzir a Cristo” ro filho, Ismael, filho de Abraão
(Gálatas 3.24). Em outras pala- com sua concubina egípcia, cha-
vras, a função da Lei é nos mos- mada Hagar, representa as obras
trar que precisamos de um Salva- da carne, ou seja, a “natureza hu-
dor. Paulo escreveu: “Não anulo a mana sem o cuidado de Deus”.
graça de Deus; pois, se a justiça é Deus disse a Abraão que lhe
mediante a lei, segue-se que mor- daria um filho e Abraão achou que
reu Cristo em vão” (Gálatas 2.21). Deus precisava de ajuda. Naquela
A verdade é que jamais podería- cultura, um homem ter um filho
mos ter sido salvos por nós mes- com sua escrava era algo aceito
mos, porque jamais poderíamos pela sociedade. O problema é que

68 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Ismael não estava nos planos de mandamentos seria salvo? De acor-


Deus; só nos de Abraão. A história do com Paulo, este entendimento
de Hagar e Ismael é uma alegoria de salvação é obra da carne. O
das obras da carne. Paulo consi- Evangelho Absoluto de Paulo pre-
dera obra da carne quando agimos gado aos gálatas afirma que deve-
à nossa própria maneira e, depois, mos nascer de novo pelo Espírito.
pedimos a Deus para que abençoe
nossos planos. O Evangelho da colheita
Por outro lado, o nascimento Paulo concluiu sua carta aos
de Isaque, filho de Abraão com gálatas, comparando o que ele
Sara, representa uma alegoria do chama de “as obras da carne” com
Espírito, porque só Deus pôde tor- “o fruto do Espírito”. A carne e o
nar este fato possível. Em Gênesis Espírito são duas forças em ação;
18.11 lemos: “Abraão e Sara já na verdade, duas forças em guerra
eram velhos e avançados em ida- na vida do cristão verdadeiro.
de; e a Sara já lhe havia cessado Paulo fala, no capítulo 6, so-
o costume das mulheres”. Portan- bre o que podemos chamar de “O
to, o nascimento de Isaque foi um Evangelho da Colheita”, e usa a
milagre. metáfora da semeadura e da co-
Paulo estava dizendo aos lheita ao se referir às nossas vidas
gálatas que não somos salvos pe- como uma plantação, na qual te-
las obras. Deus nos salvou através mos duas possibilidades: pode-
de Jesus Cristo. O Espírito Santo mos plantar as obras da carne ou
nos deu o dom da fé e o arrepen- as do Espírito. Quando plantamos
dimento, para que recebamos a as “sementes” do Espírito, o resul-
salvação de Deus. A salvação é tado é o que chamamos de “fruto
dom de Deus. Não somos salvos do Espírito”.
por obedecer à Lei de Moisés; obe- Paulo coloca o assunto desta
decemos à Lei de Moisés porque maneira: “Ora, as obras da carne
somos salvos. Esta é a essência são conhecidas e são: prostitui-
do Evangelho Absoluto da Carta ção, impureza, lascívia, idolatria,
de Paulo aos Gálatas. feitiçarias, inimizades, porfias,
Alguma vez passou pela sua ciúmes, iras, discórdias, dissen-
cabeça que se você fosse bom o sões, facções, invejas, bebedices,
suficiente ou se obedecesse aos glutonarias e coisas semelhantes

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 69


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

a estas, a respeito das quais eu A visão interior


vos declaro, como já outrora vos De acordo com Paulo, existem
preveni, que não herdarão o reino nove evidências do Espírito Santo,
de Deus os que tais coisas prati- quando Ele habita em nós. Quan-
cam. Mas, o fruto do Espírito é: do olhamos para o nosso interior,
amor, alegria, paz, longanimida- descobrimos três evidências do
de, benignidade, bondade, fideli- Fruto do Espírito que são: amor,
dade, mansidão, domínio próprio. alegria e paz.
Contra estas coisas não há lei” O amor sobre o qual Paulo
(Gálatas 5.19-23). fala é o amor ágape, descrito no
Este é um retrato muito rea- capítulo 13 de I Coríntios. Neste
lista do comportamento humano. capítulo, Paulo afirma que o amor
Paulo afirma que, quando rece- é indestrutível, porque é incondi-
bemos o Espírito Santo, nossa cional; é irresistível, porque é ins-
natureza carnal não é erradicada; pirador para aqueles que são ama-
o mal continua presente em nós. dos. Este amor vem de Deus.
As duas naturezas estão presentes Segundo Paulo, a alegria tam-
em nós numa batalha constante. bém é um fruto do Espírito em
nossos corações. A Carta aos Fi-
O Fruto do Espírito lipenses, escrita por Paulo, é cha-
Quando chegamos ao capítu- mada a “Epístola da Alegria”. Ele a
lo 6, encontramos as palavras já escreveu da prisão, mas cheio do
conhecidas pela maioria: “Não vos Espírito Santo. Você e eu também
enganeis: de Deus não se zomba; podemos ser cheios de alegria,
pois aquilo que o homem seme- não importando quais sejam as
ar, isso também ceifará. Porque circunstâncias em que nos encon-
o que semeia para a sua própria tremos, porque o Espírito Santo
carne da carne colherá corrupção; vive em nós. A dor e o sofrimento
mas o que semeia para o Espírito podem ser inevitáveis, mas com o
do Espírito colherá vida eterna” Espírito Santo em nós a infelicida-
(6.7,8). Paulo afirma que, se so- de e a desgraça são opcionais.
mos espirituais, devemos viver no O fruto do Espírito de que va-
Espírito, andar no Espírito, plan- mos falar a seguir é a paz. Se te-
tar sementes do que é espiritual e mos o Espírito Santo, temos paz,
produzir frutos do Espírito. mesmo em situações adversas.

70 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Paulo fala em Filipenses 4.7 so- as pessoas. A palavra usada no


bre esta paz que “excede todo o original grego sugere uma bondade
entendimento”. para com todas as pessoas, indis-
criminadamente, como se elas fos-
A visão do que está ao redor sem da nossa própria família.
O amor, a alegria e a paz do Bondade é outro fruto do Es-
Espírito Santo nós enxergamos, pírito e manifesta-se no relaciona-
quando olhamos para dentro de mento com as pessoas que estão
nós mesmos. Quando olhamos ao ao nosso redor. Em Atos 10.38,
redor de nós, vemos manifesta- lemos que Jesus “andou por toda
das longanimidade, benignidade e a parte, fazendo o bem”. Não são
bondade. Estas evidências do Es- as boas obras que salvam, mas
pírito Santo em nós se manifestam não é errado ser bom e fazer boas
na maneira como nos relaciona- obras. John Wesley disse: “Faça
mos com outras pessoas. sempre o bem onde você estiver,
Se você não for uma pessoa para quem você encontrar pela
naturalmente paciente ou longâni- frente, da maneira que puder”.
ma, mas tem o Espírito Santo, Ele Simplesmente faça o que é bom.
lhe dará a paciência que vem dEle. Longanimidade ou paciência, be-
A paciência em nosso relaciona- nignidade e bondade são caracte-
mento com Deus se manifesta rísticas do Fruto do Espírito que se
através de uma “fé em expectati- manifestam, quando olhamos ao
va”; a paciência, no nosso rela- nosso redor.
cionamento com outras pessoas,
manifesta-se através do “amor em A visão do alto
expectativa”. Quantas vezes temos Os três últimos frutos do Espí-
de esperar que Deus trabalhe na rito são: fidelidade, mansidão e do-
vida dos nossos filhos. É preciso mínio próprio, que se manifestam
ter o tipo de paciência sobrenatu- quando olhamos para cima, no
ral, que se manifesta através do nosso relacionamento com Deus.
amor que espera, o qual é fruto do Podemos usar a palavra “con-
Espírito. fiança” para explicar o significado
Outro fruto do Espírito é benig- de “fidelidade”. Antes de nos con-
nidade. Esta característica se ma- vertermos, a maioria de nós não
nifesta na maneira como tratamos tem nenhuma disciplina. Porém,

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 71


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

quando o Espírito Santo vem ha- uma grande empresa que tinha
bitar em nós, Ele nos faz discipli- muitos funcionários disse-me certa
nados, responsáveis e dignos de vez: “algumas pessoas são como
confiança. rodas, só trabalham se forem em-
A mansidão é outra manifes- purradas; outras são como vagões,
tação do Fruto do Espírito e não têm que ser puxadas; outras, ain-
tem nada a ver com fraqueza. Um da, são como pipas ou papagaios
cavalo selvagem, cheio de força e que voam, mas precisam de uma
energia, é domado e treinado para linha para não voar para longe;
receber sela e freios. Ele não dei- há, porém, aquelas que são como
xa de ser forte porque é domado. relógios de ouro puro, pontuais,
Quando Saulo de Tarso encontrou- responsáveis, que produzem, em
se com Jesus Cristo na estrada de silêncio, um bom trabalho”.
Damasco, ele se submeteu ao Se- No capítulo 5 de Gálatas, o
nhor, aceitou os freios e a sela que apóstolo Paulo está dizendo que,
o Senhor lhe colocou e se tornou se o Espírito Santo habita em nós,
manso. Esta mansidão não é fra- não teremos que ser puxados,
queza, mas uma força sob contro- nem empurrados, nem mantidos
le, que se manifesta como fruto do amarrados numa linha, mas fun-
Espírito Santo em nós. A mansidão cionaremos como um bom relógio,
aceita o controle do Espírito Santo. fazendo um bom trabalho, com
O último fruto do Espírito é o domínio próprio, responsabilidade
domínio próprio. O presidente de e em silêncio.

72 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 14
A Carta de Paulo Aos Efésios

De todas as igrejas que Paulo Paulo, nós temos todas as bênçãos


plantou, a igreja de Éfeso foi onde espirituais de que precisamos para
ele passou mais tempo. Foi em viver como alguém que nasceu
Éfeso que ele ensinou num “semi- de novo, como cristão controlado
nário” na escola de Tirano, das 11 pelo Espírito. Ele também afirma
da manhã às 5 da tarde, duran- que estas bênçãos estão nas re-
te dois anos. Talvez tenham saído giões celestiais em Cristo Jesus e
deste seminário os pastores que, deixa claro para os efésios, e tam-
depois, dirigiram as igrejas satéli- bém para nós, que temos tudo o
tes, filhas da igreja de Éfeso, que que precisamos para viver neste
era pastoreada por Timóteo. As mundo como um povo espiritual.
outras igrejas estavam localizadas A cidade de Éfeso e as ou-
nas cidades de Esmirna, Pérgamo, tras mencionadas estavam lo-
Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodi- calizadas na região que hoje é a
ceia. Estas, mais a de Éfeso, são Turquia. No tempo de Paulo esta
as sete igrejas mencionadas nos parte do mundo era chamada de
capítulos 2 e 3 do Livro do Apo- Ásia Menor, sendo o lado orien-
calipse. A Carta de Éfeso pode ter tal do Império Romano. Devido à
sido uma carta circular para todas sua extraordinária beleza, era em
estas igrejas e, também, para a Éfeso que se localizavam as ca-
igreja de Colossos. sas de veraneio dos imperadores,
Talvez esta carta seja a mais senadores e da classe mais alta
profunda que Paulo escreveu. Sua de Roma. O supra-sumo da so-
mensagem central está expressa ciedade romana estava em Éfeso,
no versículo 3 do primeiro capítu- quando Paulo estava lá.
lo: “Bendito o Deus e Pai de nos- Éfeso também concentrava
so Senhor Jesus Cristo, que nos muitas outras coisas. Há evidên-
tem abençoado com toda sorte de cias de idolatria, imoralidade e
bênção espiritual, nas regiões ce- pornografia em material arqueo-
lestiais em Cristo”. De acordo com lógico encontrado naquela cidade.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 73


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Paulo estava dizendo aos crentes capítulo 4. Nestes versículos,


que habitavam naquela área cor- Paulo ensina algumas verdades
rompida do Império Romano que muito importantes sobre a Igre-
é possível ter uma vida santa, nos ja. No capítulo 3, ele fala sobre
lugares celestiais em Cristo, mes- o mistério da Igreja. Mistério é
mo que seja vivendo num meio um “segredo que, mais cedo ou
como o Império Romano, com mais tarde, será revelado”. Até o
toda imundícia e pecado. Dia de Pentecostes ninguém sa-
Devido à experiência de ter bia que judeus e gentios seriam
sido levado ao terceiro céu (II Co- unidos num Corpo, que é a Igreja
ríntios 12), o que estudiosos acre- de Cristo. Paulo encerra o seu en-
ditam ter acontecido por ocasião sino sobre a Igreja nos primeiros
do seu apedrejamento na cidade 16 versículos do capítulo 4, dan-
de Listra (Atos 14.19), provavel- do instruções quanto à forma de
mente Paulo passou a viver com atuação da Igreja no mundo.
um pé no céu e outro na terra. Além de falar sobre a função
Segundo ele, podemos viver na da Igreja, Paulo usou esta carta
dimensão celestial em Cristo, aqui para lembrar aos efésios o que
mesmo na terra. Assim como Cris- ele já tinha ensinado, durante três
to é eterno, nós também o somos, anos e meio, no “seminário” de Ti-
se estivermos vivendo nEle. Para rano. Por isso, a palavra chave dos
Paulo, isto é viver “nas regiões ce- três primeiros capítulos é: “lem-
lestiais em Cristo”. brai-vos”. Paulo, reforçando aos
Como todas as cartas de Pau- seus alunos as verdades que eles
lo, esta também possui uma seção já sabiam, inicia o capítulo 4 com
doutrinária e outra prática. A Carta a aplicação destas verdades. Nes-
aos Efésios possui seis capítulos. ta seção da carta, a palavra chave
Muitos teólogos dividem esta carta é “andar”. Ele escreveu: “Rogo-
em duas seções. Os três primeiros vos, pois, eu, o prisioneiro no Se-
capítulos constituem a seção de nhor, que andeis de modo digno
ensino ou doutrinária, enquanto da vocação a que fostes chama-
os outros três são uma aplicação dos” (Efésios 4.1). Paulo instruiu
prática da carta. os efésios a andarem “com toda a
A seção doutrinária, na ver- humildade e mansidão, com lon-
dade, vai até o versículo 16 do ganimidade, suportando uns aos

74 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

outros em amor” (4.2). Em outras Nem tudo da dimensão ce-


palavras, eles deveriam andar de lestial é bom. A expressão “regi-
tal maneira que demonstrassem ões celestiais” refere-se ao mundo
nas suas vidas todas as verdades espiritual invisível, onde circulam
que tinham aprendido de Paulo. tanto o Espírito Santo como os
Ao estudar a Carta aos Efé- espíritos maus. Paulo afirma nes-
sios, peça ao Senhor que abra os ta carta que nossa batalha como
seus olhos espirituais, para que cristãos é contra as forças espiri-
você aprenda a “viver nos lugares tuais negativas, nos lugares celes-
celestiais” e a “andar de maneira tiais. De acordo com Paulo, a pes-
digna do seu chamado”. soa que vive em Cristo tem como
derrotar os poderes malignos das
Roupas velhas e roupas novas trevas que existem no mundo es-
O propósito da Carta de Paulo piritual, ou regiões celestiais.
aos Efésios era mostrar a função da Reflita sobre o que Paulo fala
Igreja de Jesus Cristo no mundo. no capítulo 1 a respeito da sobe-
Esta carta é sua obra-prima sobre rania de Deus. Nos versículos 1
a Igreja. Deixe que ela lhe sirva de ao 6, encontramos declarações
encorajamento para que você e sua importantes, relativas ao fato de
igreja, pela graça de Deus, sejam Deus nos ter escolhido antes da
a autêntica Igreja de Jesus Cristo fundação do mundo. Paulo afirma
neste mundo, que nunca preci- que Deus planejou a Igreja para
sou tanto do testemunho da igreja ser o povo chamado, a fim de viver
como precisa hoje. em santidade e ser Sua testemu-
Um esboço simples desta car- nha neste mundo.
ta lhe dará uma visão geral do seu Ainda neste capítulo, Pau-
conteúdo. lo fala a respeito do processo de
A palavra-chave do capítulo salvação. Nos versículos 13 e 14,
1 é reflexão. Neste capítulo Paulo temos uma figura muito bonita so-
oferece vários motivos para refle- bre este assunto. Ouvimos o Evan-
xão. Primeiro, nós vamos refletir gelho, cremos nele e somos sela-
sobre a expressão “regiões celes- dos pelo Espírito Santo. Tudo isto
tiais”. Paulo afirma que, nas regi- é a maneira de Deus dizer: “Esta é
ões celestiais, temos acesso a toda Minha possessão”.
sorte de bênção espiritual de que Também devemos refletir so-
precisamos para viver em Cristo. bre as orações de Paulo em favor
CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 75
ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

dos efésios. Uma das orações está num só Corpo, formando a Igreja de
no capítulo 1, versículos 16 ao Jesus Cristo. Segundo Paulo, este é
23, e outra, no capítulo 3, versí- o grande mistério de Deus.
culos 14 ao 21. Através destes No capítulo 4 Paulo apresenta
exemplos, podemos concluir que algumas verdades sobre o compor-
Paulo tinha uma lista de pedidos tamento humano, as quais pode-
de oração e que ele era um guer- mos resumir numa única palavra:
reiro na intercessão. Quando Paulo resolução. Paulo compara a vida
ficava sabendo que alguém tinha espiritual como as roupas guar-
se convertido e que estava envol- dadas num armário. De um lado,
vido na obra de Jesus Cristo, ele temos a roupa da antiga vida; do
passava a orar por aquela pessoa outro, a roupa da nova vida: “Por
incessantemente. isso, deixando a mentira, fale
Seria interessante comparar cada um a verdade com o seu
nossa lista de pedido de oração próximo, porque somos membros
com a lista de Paulo. Espiritual- uns dos outros” (Efésios 4.25).
mente falando, oramos pelos per- Através desta metáfora, Paulo
dedores; Paulo, no entanto, orava está nos instruindo a acabar com
por aqueles que ele sabia que se- todos os trapos da antiga vida
riam vencedores para Jesus, a fim que tínhamos. Segundo ele, não
de que recebessem o espírito de re- faz sentido usar a roupa da anti-
velação no conhecimento de Deus. ga vida; devemos nos revestir com
No capítulo 2, a palavra-cha- as roupas da nova vida: “... e vos
ve é: “lembrai-vos”. Paulo já tinha revistais do novo homem, criado
ensinado muita coisa aos efésios e segundo Deus, em justiça e reti-
agora estava recordando o que eles dão, procedentes da verdade. Por
já tinham aprendido: “lembre-se isso, deixando a mentira, fale cada
de como você era antes da conver- um a verdade com o seu próximo,
são a Cristo e o que significou para porque somos membros uns dos
você Ele ter entrado em sua vida”. outros... Não saia da vossa boca
A palavra chave dos capítulos nenhuma palavra torpe, e sim uni-
2 e 3 é revelação. Quando Paulo camente a que for boa para edifi-
era um fariseu, ele odiava Jesus cação, conforme a necessidade e,
Cristo, e jamais imaginou que um assim, transmita graça aos que a
dia Deus uniria judeus e não-judeus ouvem” (Efésios 4.24,25,29).

76 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

A capacidade de comunicação em Cristo. A pessoa que está em


é um maravilhoso dom espiritual. Cristo tem uma compaixão prática
Paulo diz que, através da comu- e quer fazer alguma coisa em favor
nicação, você tem a oportunidade das necessidades do mundo. Por
de encorajar e transmitir graça aos isso, Paulo diz: “vede prudente-
que o ouvem. Sempre que conver- mente como andais”.
samos com alguém, devemos fa- Neste contexto, Paulo escre-
zer com que essa pessoa se sinta veu: “E não vos embriagueis com
melhor que estava antes de ini- vinho, no qual há dissolução, mas
ciarmos a conversa. enchei-vos do Espírito” (5.18).
Depois de falar sobre como Ser cheio do Espírito significa ser
devemos nos vestir, Paulo ensina controlado pelo Espírito Santo, o
como devemos “andar”. A vida qual nos dará o poder para viver
com Cristo é uma experiência diá- e andar nas dimensões celestiais
ria, um “caminhar” diário, passo-a em Cristo, não importando quais
-passo, dia-após-dia. É assim que sejam as circunstâncias.
a vida com Cristo deve ser vivida.
Paulo diz para “andarmos em Roupas novas para os
amor” (Efésios 5.2), “como filhos relacionamentos
da luz” (5.8), fazendo o que agra- Paulo afirma que o Deus To-
da ao Senhor. Tudo o que é bom, do-Poderoso nos designou “com
justo e verdadeiro é fruto da luz e vistas ao aperfeiçoamento dos
nada tem a ver com as obras infru- santos” (Efésios 4.12). “Aperfei-
tíferas das trevas. çoamento” era o tema preferido
A seguir, Paulo diz: “vede pru- de Paulo para os chamados “lei-
dentemente como andais” (5.15). gos” da igreja. O objetivo do pas-
Devemos andar de cabeça erguida tor é equipar, aperfeiçoar, edificar,
e olhos abertos, atento às neces- inspirar, instruir e desafiar os lei-
sidades que o mundo possui. As gos da igreja a exercerem seu mi-
instituições beneficentes como nistério. Este é um dos principais
hospitais, centros de reabilitação, modelos no Novo Testamento a
orfanatos, entre outras, existem por respeito do propósito da igreja,
causa de Cristo, e porque cristãos sua essência e função.
um dia conheceram o que signifi- No capítulo 5, Paulo afirma
ca viver nas dimensões celestiais que o trabalho ministerial, através

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 77


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

dos santos, começa pelo lugar devem amar suas mulheres “como
mais difícil, que é nossa própria também Cristo amou a igreja e a si
casa. Dentro de casa somos au- mesmo se entregou por ela” (25).
tênticos. Longe dos nossos fa- Quando Paulo afirma que o
miliares somos uma coisa; mas, homem é a cabeça da mulher,
quase sempre, é para nossa fa- ele está dizendo que o homem é
mília que mostramos nosso lado responsável por sua mulher e por
“feio”. Deste modo, nada melhor tudo que se refere ao casamento
que começarmos em nossa casa a e à família. Por isso, a Palavra de
transmitir a realidade de Cristo em Deus orienta as mulheres a faci-
nossas vidas. litarem a vida de seus maridos,
Paulo escreve em Efésios porque, afinal, eles têm sobre
5.21-25: “... sujeitando-vos uns seus ombros uma grande respon-
aos outros no temor de Cristo. As sabilidade. Quando Paulo disse
mulheres sejam submissas ao seu às mulheres que “em tudo sejam
próprio marido, como ao Senhor; submissas aos seus maridos”, ele
porque o marido é a cabeça da deixou claro que o homem é para
mulher, como também Cristo é a a mulher o que Cristo é para a
cabeça da igreja, sendo este mes- Igreja, e a mulher deve ser para o
mo o salvador do corpo. Como, homem o que a Igreja é para Cris-
porém, a igreja está sujeita a to. Por isso, o desafio do homem
Cristo, assim também as mulhe- é: “amai vossas mulheres, como
res sejam em tudo submissas ao também Cristo amou a igreja e a
seu marido. Vós maridos, amai si mesmo se entregou por ela”.
vossas mulheres, como também A função de marido e pai é
Cristo amou a igreja e a si mesmo muito importante e todos os ho-
se entregou por ela”. mens precisam ter consciência do
Este é um dos conselhos mais peso dessa responsabilidade. Hoje o
bonitos para um casamento que maior problema da maioria dos ca-
encontramos nas Escrituras. Pau- samentos cristãos não é a insubmis-
lo afirma que as mulheres devem são das mulheres, mas a irrespon-
se submeter aos seus maridos em sabilidade dos homens na tarefa de
tudo, o que, para muitas mulheres amar suas mulheres e filhos, como
é difícil. Ao mesmo tempo, Paulo Cristo amou Sua Igreja. Aquele que é
também afirma que os homens pai deve assumir a responsabilidade

78 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

que Deus lhe designou. Peça a Ele O elo seguinte é a compatibi-


que lhe dê poder e graça, a fim de lidade, que evidencia a unidade.
que você seja para sua família como Não consigo imaginar duas pesso-
Cristo é para a Igreja. as juntas que não tenham os mes-
mos valores, mesmos objetivos e
Elos vitais do casamento estilo de vida. Quando o relacio-
O casamento planejado por namento possui uma boa base es-
Deus é uma relação entre duas piritual, existe compatibilidade em
pessoas, vivendo num só espírito, todos os outros níveis.
mente e corpo. Vamos imaginar Na corrente de cinco elos, o
uma corrente com cinco elos. O do meio representa o amor ágape
primeiro elo representa a dimen- mencionado por Paulo, no capítulo
são espiritual dessa relação, os 13 de I Coríntios; amor altruísta e
dois num só Espírito. O relaciona- incondicional. Uma das razões de
mento espiritual é o fundamento tantos casamentos acabarem em
da unidade no casamento. Este divórcio hoje é que as pessoas es-
relacionamento vai depender da tão cada vez mais egoístas, sem-
comunhão que cada um dos côn- pre centradas nelas mesmas e não
juges tem com Jesus Cristo, indi- em Cristo, nem voltadas para o seu
vidualmente. A unidade espiritual cônjuge. É necessário que enten-
pode ser ilustrada por um triân- dam o ensinamento de Jesus, que
gulo, no qual Cristo é a ponta su- disse: “Mais bem-aventurado é dar
perior e o marido e a mulher as que receber” (Atos 20.35). O amor
pontas da base deste triângulo. À ágape é a dinâmica da unidade.
medida que o casal se aproxima Outro elo é a compreensão,
de Cristo, mais íntimos se tornam que dá crescimento à unidade. O
um do outro e mais fortalecidos. homem e a mulher são diferentes e
O outro elo é a comunicação, cada um precisa entender como o
que é a ferramenta, através da outro se sente, pensa e age. Pedro
qual trabalhamos e aprimoramos aconselha os maridos a “viverem
a unidade do casamento. Imagi- a vida comum do lar com discer-
nemos aquelas bactérias que se nimento, tendo consideração para
multiplicam no escuro, que não com a sua mulher” (I Pedro 3.7).
subsistem à luz. A comunicação é O último elo é o sexo, que re-
a luz no relacionamento conjugal. presenta a unidade física existente

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 79


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

entre o marido e a esposa. O sexo é que a aplicação das verdades


é a expressão de prazer dessa apresentadas nesta carta começa
unidade e representa uma forma com a pessoa mais próxima de
de comunicação muito intensa. você. Podemos chamar esta seção
É através do sexo que homem e da carta de “Roupas Novas Para
mulher expressam tudo que é re- os Relacionamentos”.
presentado pelos outros elos da No capítulo 6, Paulo usa a
corrente. expressão “regiões celestes” no
Num relacionamento equili- sentido negativo. Existem espíri-
brado, o sexo tem um peso de dez tos bons e maus no mundo espiri-
por cento da relação. Mas, quando tual. Paulo afirma que nossa luta
a relação está desequilibrada, a é espiritual e que nosso inimigo
vida sexual pode vir a ser noventa está no mundo espiritual: “por-
por cento do problema do casal. que a nossa luta não é contra o
Os problemas sexuais surgem no sangue e a carne, e sim contra os
casamento, quando o casal tenta principados e potestades, contra
expressar, através do sexo, uma os dominadores deste mundo te-
unidade que não existe. Se não nebroso, contra as forças espiri-
existir unidade de espírito e men- tuais do mal, nas regiões celes-
te, se não houver compatibilidade, tes” (6.12).
amor e compreensão, a unidade A única maneira de vivermos
sexual torna-se estéril e vazia. vitoriosos espiritualmente é ven-
cendo estes poderes espirituais.
Outros relacionamentos Para sermos vencedores espirituais
Além de falar do relacionamen- temos que nos revestir da armadu-
to no casamento, os capítulos 5 e ra de Deus (6.13-17). Devemos
6 falam do relacionamento entre colocar o capacete da salvação,
escravos e senhores. Hoje, os mes- revestirmo-nos da couraça da jus-
mos princípios se aplicam no rela- tiça e do escudo da fé; embainhar
cionamento entre empregadores e a espada do Espírito, que é a Pa-
empregados (Efésios 6.5-9). lavra de Deus e calçar os pés com
Paulo também apresenta prin- a preparação do Evangelho. Cada
cípios para o relacionamento entre parte desta armadura deve ser co-
pais e filhos (Efésios 6.1-4). O que locada pelo crente com muita ora-
ele quer expressar nestes capítulos ção. Elas são as armas que temos

80 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

para nos manter firmes no Senhor, de justiça, ou seja, você é correto


neste mundo pecaminoso. e justo em suas atitudes? Você usa
Não devemos lutar com as o escudo de fé? Você sabe como
nossas próprias forças, mas com usar a espada do Espírito, que é a
o poder do Espírito Santo. Você já Palavra de Deus? Você tem calça-
usou o capacete da salvação? Você do seus pés com a preparação do
tem consciência de que foi salvo Evangelho? Você tem se revestido
dos poderes do pecado? O seu co- de oração, com cada uma das pe-
ração está protegido pela couraça ças da armadura de Deus?

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 81


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 15
A Carta de Paulo Aos Filipenses

A igreja de Filipos foi plantada uma carta de amor e de agrade-


como resultado de uma visão que cimento. A igreja de Filipos foi a
Paulo teve de um homem dizendo: base de apoio financeiro de Paulo
“Passa à Macedônia e ajuda-nos” para suas viagens missionárias.
(Atos 16.9). A mudança cultural Esta carta também foi uma
dessa parte do mundo, a Europa das “epistolas da prisão”. As Car-
Ocidental, foi o resultado desta vi- tas aos Efésios, Filipenses, Colos-
são e da consequente pregação do senses, Filemon e II Timóteo são
Evangelho. chamadas de “epístolas da pri-
Depois que Paulo deixou Fili- são”, porque foram escritas quan-
pos, a igreja filipense tornou-se a do Paulo estava preso.
sua preferida. A palavra que ex- Nesta carta de agradecimento
pressa a ligação de Paulo com esta pelo presente recebido dos filipen-
igreja é “cooperação”. Ele se refere ses, Paulo escreveu que o maior
a ela como a igreja cooperadora no presente para ele era que eles fru-
Evangelho (1.5), um exemplo para tificassem (4.17). Paulo sabia que
todas as igrejas. A função principal Deus os retribuiria abundantemen-
de uma igreja é beneficiar os que te mais pelo presente que eles lhe
estão fora do seu convívio; o seu tinham enviado.
propósito principal é implementar Os quatro capítulos desta carta
a Grande Comissão e anunciar o apresentam o modelo de uma vida
Evangelho para o mundo perdido. cristã. O tema do capítulo 1 é “A Fi-
A igreja de Filipos era a igreja losofia e a Paixão para Viver como
modelo de Paulo, porque era uma Cristo”. Nesta carta, Paulo mostrou
igreja missionária, o que podemos com sua própria vida como é viver
observar no primeiro capítulo, pelo como um seguidor de Cristo.
número de vezes que Paulo faz uso No capítulo 2, Paulo escre-
da palavra “Evangelho”. veu sobre “Os Padrões para Viver
A Carta de Paulo aos Filipen- como Cristo” e apresentou exem-
ses não visa somente o ensino; é plos. No capítulo 3, Paulo mostrou

82 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

“O Propósito e o Prêmio para Viver morte. Portanto, para mim o vi-


como Cristo”. Como no Livro de ver é Cristo, e o morrer é lucro”
Atos, Paulo relembra sua experiên- (1.20,21). De acordo com Paulo,
cia na estrada de Damasco. Des- a filosofia e a paixão para viver
ta vez, ele enfatiza os resultados como Cristo baseiam-se em como
daquela experiência e, nesse pro- usamos nossa vida. Ele mostra
cesso, ele mostra como conhecer como sua filosofia e sua paixão
a vontade de Deus. para viver como Cristo estão rela-
Paulo afirma que a vontade do cionadas à sua prisão. Essencial-
Senhor é “o prêmio da soberana mente, o que ele escreve é a ma-
vocação de Deus em Cristo Jesus” nifestação do desejo de que Cristo
(3.14). Mostra, também, como seja glorificado em seu corpo,
podemos encontrar este prêmio e através da morte ou da vida, da
descobrir o chamado de Deus em prisão ou da liberdade, da saúde
Cristo para nós. ou da doença. Glorificar a Cristo
O capítulo 4 é prático e pode era o propósito da vida de Paulo.
ser intitulado “A Prescrição Para Ele estava pronto para morrer, se
Viver como Cristo”. Em termos isso fosse uma forma de glorificar
práticos, Paulo conta como viver o nome de Cristo. Esta é a filoso-
em Cristo e concentrar seus pen- fia de alguém que realmente vive
samentos em Deus, andando em em Cristo.
estado de graça. Além de enfatizar o compro-
Com esta perspectiva vamos misso de cada um, o primeiro ca-
agora enfocar capítulo por capítulo pítulo desta carta também enfatiza
da carta de Paulo para sua igreja a ideia de que a vida em Cristo é
preferida. como um esporte coletivo. O Se-
nhor quer que a igreja equipe os
Paixão e filosofia santos para que exerçam seus
“... segundo a minha ar- ministérios. A Grande Comissão
dente expectativa e esperança é cumprida, quando os leigos da
de que em nada serei envergo- igreja percebem que os ministérios
nhado; antes, com toda ousadia, devem ser exercidos por todos os
como sempre, também agora, membros.
será Cristo engrandecido no meu Paulo apresenta neste capítulo
corpo, quer pela vida, quer pela uma bela descrição da igreja: “Vivei,

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 83


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

acima de tudo, por modo digno do No capítulo 2, Paulo mostra os


evangelho de Cristo, para que, ou padrões para viver como Cristo, os
indo ver-vos ou estando ausente, quais envolvem humildade, amor e
ouça, no tocante a vós outros, queigualdade: “Nada façais por parti-
estais firmes em um só espírito, darismo ou vanglória, mas por hu-
como uma só alma, lutando juntos mildade, cada um considerando
pela fé evangélica” (1.27). os outros superiores a si mesmo”
Assim podemos dizer que a (2.3). Paulo não estava falando de
igreja ideal de Paulo teria as se-timidez ou baixa estima, mas de
guintes características: “todos osaltruísmo e humildade, que dá en-
membros da igreja devem estar corajamento às pessoas.
em Cristo e ser como Cristo; todos Quando o seu objetivo é o
aqueles que estão em Cristo e são amor, você vai além disso. A pes-
como Ele vivem de tal maneira soa que realmente deseja ter o
que o Evangelho é aceito por to- amor de Deus no coração aplica
dos”. A igreja que você frequenta “A Regra de Ouro”: “Tudo quanto,
é assim? Será que você pode dizer pois, quereis que os homens vos
que cada membro da sua igreja é façam, assim fazei-o vós também
um seguidor verdadeiro de Cristo, a eles; porque esta é a Lei e os
que vive de modo digno do Evan- Profetas” (Mateus 7.12). Paulo
gelho? Será que as pessoas estão faz a seguinte aplicação desta re-
se convertendo ao ver os membros gra: “Não tenha cada um em vista
da sua igreja vivendo como Cristo?o que é propriamente seu, senão
Esta carta do apóstolo Paulo também cada qual o que é dos
dá exemplos da natureza, essência outros” (2.4). Você está sempre
e função da igreja, os quais servem
pensando nos seus próprios pro-
de modelo para cada discípulo de blemas? Ou você pensa primeiro
Jesus Cristo e a todas as igrejas,nos outros?
a fim de que todos tenham a filo- A pessoa que ama consegue
sofia e a paixão para viverem em superar o egoísmo e agir com igual-
Cristo e como Cristo, a cada dia. dade. Paulo afirma que devemos
viver em um só espírito, como uma
Padrões para viver como Cristo só alma (1.27). Na maioria das ve-
O tema da Carta de Paulo aos zes, a raiz dos conflitos que surgem
Filipenses é “Viver como Cristo”. nas igrejas é o orgulho e o egoísmo.

84 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Com amor, humildade e igualdade sobre o altar; Paulo compara-se


os conflitos são solucionados. àquelas ofertas de libação, para
que os filipenses pudessem chegar
O exemplo de Cristo à fé salvadora.
Depois de apresentar estas
verdades, Paulo cita alguns exem- O exemplo de Timóteo
plos de amor e humildade. O pri- A seguir, Paulo escreve: “Es-
meiro é Cristo (2.5-11). Além de pero, porém, no Senhor Jesus,
vir ao mundo como homem, Jesus mandar-vos Timóteo, o mais breve
tornou-se servo, humilhou-se e foi possível, a fim de que eu me sinta
obediente até à morte, pelos pe- animado também, tendo conheci-
cados do mundo, sendo, sobrema- mento da vossa situação. Porque
neira, exaltado por Deus (2.9). a ninguém tenho de igual senti-
De acordo com Paulo, Jesus mento que, sinceramente, cuide
se humilhou e amou para que dos vossos interesses; pois todos
possamos fazer o mesmo. Não eles buscam o que é seu próprio,
devemos centrar nossa vida em não o que é de Cristo Jesus. E
nós mesmos, mas em Cristo e no conheceis o seu caráter provado,
próximo, para que sejamos um pois serviu ao evangelho, junto
exemplo do que é viver em Cristo comigo, como filho ao pai” (19-
e como Cristo. 22). Paulo não deixa dúvidas de
que Timóteo foi um dedicado ser-
O exemplo de Paulo vo de Cristo.
No capítulo 2, Paulo se apre- No final do capítulo 2, Pau-
senta como exemplo: “Entretanto, lo citou outro exemplo, quando
mesmo que seja eu oferecido por se referiu a Epafrodito, que levou
libação sobre o sacrifício e servi- a oferta da igreja de Filipos para
ço da vossa fé, alegro-me e, com Paulo na prisão: “Julguei, todavia,
todos vós, me congratulo. Assim, necessário mandar até vós Epa-
vós também, pela mesma razão frodito, por um lado, meu irmão,
alegrai-vos e congratulai-vos co- cooperador e companheiro de lu-
migo” (2.17,18). Paulo estava tas; por outro, vosso mensageiro e
dizendo que ele próprio seguiu o vosso auxiliar nas minhas neces-
exemplo de Cristo. No Velho Tes- sidades” (2.25). Há vários níveis
tamento, o sacerdote fazia ofertas de comunhão dentro do Corpo de

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 85


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Cristo. Paulo descreve Epafrodi- mais importantes. Através do seu


to como seu irmão, cooperador e próprio exemplo, Paulo ensina
companheiro de lutas, mensageiro como descobrir a vontade de Deus
e ministro. para nossas vidas.
O que significam todos estes Quando Paulo se converteu,
níveis de comunhão? Para Paulo, primeiramente sofreu uma revolu-
um irmão em Cristo era outro ho- ção, saindo dela com o firme pro-
mem que, assim como ele, vivia pósito de descobrir a vontade de
em Cristo; um cooperador era al- Deus para sua vida. Depois, ele
guém que trabalhava com ele por buscou o poder da ressurreição de
Cristo e para Cristo; e um com- Jesus Cristo.
panheiro de lutas era aquele que, É como se Paulo estivesse
como ele, arriscava a própria vida numa corrida, para a qual existem
em Cristo e para Cristo. Epafrodito regras específicas e, para ganhar
é um exemplo destes três níveis de o prêmio dessa corrida, ou seja,
relacionamento, além de mensa- para conhecer a vontade de Deus,
geiro e ministro enviado pelos fili- ele devesse ser obediente ao dis-
penses. Com toda certeza, Epafro- cernimento e à luz que Deus nos
dito é mais um exemplo de como dá. Se seguirmos essa luz, Deus
viver como Cristo. a fará brilhar continuamente, até
que vejamos Sua perfeita vonta-
O prêmio de quem vive como Cristo de. Paulo chama o prêmio dessa
No capítulo 3 de Filipenses, corrida de “o prêmio da soberana
o apóstolo Paulo escreve sobre o vocação de Deus em Cristo Jesus”
viver no propósito para o qual ele (3.14).
foi chamado, no caminho de Da- Ele apresenta algumas estraté-
masco. Nos versículos 3 a 11, ele gias para descobrirmos a vontade
fala sobre sua conversão e, prin- de Deus e uma delas é estabelecer
cipalmente, sobre os seus resulta- prioridades: “... esquecendo-me
dos. Paulo fala de tudo que antes das coisas que para trás ficam e
considerava importante para um avançando para as que diante de
fariseu, como ele mudou toda a mim estão” (3.13). Paulo enfo-
sua perspectiva de vida e passou a cava suas prioridades no “prêmio
considerar tudo aquilo como “per- da soberana vocação de Deus em
da” (3:8). Deus lhe deu propósitos Cristo Jesus” (14).

86 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Você tem este tipo de determi- consome as energias necessárias


nação? Você tem a forte convicção que precisamos ter para enfrentar
de sua conversão e um propósi- os problemas e adversidades.
to específico para sua vida? Você A segunda condição para
acredita que existe algo específico se ter paz é: “sejam conhecidas
que Jesus quer que você faça por diante de Deus as vossas peti-
Ele? Você está buscando o prêmio ções, pela oração e pela súplica,
da soberana vocação de Deus em com ações de graças” (4.6). Não
Cristo Jesus? importam quais sejam as circuns-
Paulo mostra como ganhar tâncias ou adversidades, você tem
o prêmio da vocação, ou do cha- o privilégio de orar a Deus. A ora-
mado de Deus: estabeleça prio- ção é sempre produtiva, quer seja
ridades em sua vida. Esqueça-se uma petição para o livramento de
das coisas que ficaram para trás uma situação difícil, ou de grati-
e focalize as que estão à sua fren- dão pelo livramento recebido. Por
te. Viva de acordo com a luz que isso, ore sempre por tudo e em to-
Deus lhe deu e caminhe dentro da das as circunstâncias.
vontade de Deus, de acordo com o A terceira condição é ter uma
que Deus lhe mostrar. determinada disposição mental:
“tudo o que é verdadeiro, tudo
Uma prescrição para a paz o que é respeitável, tudo o que
No capítulo 4, Paulo escreve é justo, tudo o que é puro, tudo
sobre a paz, mas ele não fala da o que é amável, tudo o que é de
paz que há no mundo, nem sobre boa fama, se alguma virtude há e
a paz com Deus, resultante do sa- se algum louvor existe, seja isso
crifício de Jesus na cruz. Ele fala o que ocupe o vosso pensamen-
de um estado contínuo, resultante to” (4.8). Os seus pensamentos
de algumas condições que deve- são como ovelhas que você tem
mos satisfazer. Este capítulo ex- de pastorear. Não seja controla-
pressa 12 dessas condições. do pelos seus pensamentos. Creio
A primeira é: “não andeis que esta tenha sido a chave da
ansiosos de coisa alguma” (4.6). sanidade de Paulo. Ele estava na
Paulo diz para não nos preocu- prisão, exposto a todo tipo de no-
parmos, porque a preocupação tícia mentirosa, injusta, impura e
é destrutiva. Ela nada produz e desonrosa, mas mantinha no seu

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 87


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

pensamento apenas o que era po- espinhos negativos. Seja agradeci-


sitivo e bom. do; esta é uma maneira construtiva
A quarta condição para a paz de ajudar a manter a serenidade e
pessoal é: “o que também apren- a paz pessoal.
destes, e recebestes e ouvistes, A sétima condição para ter
e vistes em mim, isso praticai” paz é a paciência, a qual é uma
(4.9). Às vezes perdemos nossa fé que espera no Senhor; é o amor
paz, porque sabemos como agir que espera. A impaciência rouba a
corretamente, mas não temos co- paz, mas a paciência é o fruto do
ragem suficiente para fazê-lo. O Espírito Santo que traz paz.
que fazemos a respeito do que sa- A oitava condição para ter
bemos pode nos levar à paz. A re- paz é: “Seja a vossa moderação
comendação de Paulo é que faça- conhecida de todos os homens”
mos aquilo que sabemos e cremos (4.5). Esta moderação é a acei-
que é correto (Salmo 4). tação de circunstâncias que não
A quinta condição é: “se al- podem ser mudadas, o que pro-
guma virtude há e se algum lou- duz paz. A mansidão ou modera-
vor existe, seja isso o que ocupe ção, a longanimidade ou paciência
o vosso pensamento” (4.8). Às são resultados do fruto do Espírito
vezes, começamos a questionar o (Gálatas 5.22,23).
valor de fazer o que é bom. O que As quatro últimas condições
Paulo ganhou, indo de uma prisão para ter paz têm a ver com nos-
para outra, por causa de Cristo? so relacionamento com o Cristo
Paulo não deixou de crer no que ressuscitado.
era bom, e por isso não deixou que A nona condição está no ver-
a paz lhe fosse roubada. sículo 5: “perto está o Senhor”.
A sexta condição para ter a Paulo nunca estava sozinho, mes-
paz de Deus é bem simples: “ações mo que todos o tivessem abando-
de graça” (4.6). A paz pessoal é nado. Durante seus últimos dias,
resultado também de uma atitude antes de partir deste mundo, Pau-
positiva de gratidão. Quando você lo escreveu: “Na minha primeira
adora com gratidão, está, automa- defesa, ninguém foi a meu favor,
ticamente, pastoreando seus pen- antes, todos me abandonaram...
samentos, levando-os a campos mas o Senhor me assistiu e me
verdes e positivos, livrando-os de revestiu de forças” (II Timóteo

88 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

4.16,17). Podemos ter paz, mes- A décima segunda condição


mo em situações difíceis, se nos que Paulo apresenta para que te-
lembrarmos de que o Senhor está nhamos paz é: “coração e mente
sempre perto para nos ministrar. em Cristo Jesus” (4.7). Esta é ou-
A décima condição está no tra forma de dizer: “Deus, eu não
versículo 4: “Alegrai-vos sempre consigo, mas o Senhor consegue.
no Senhor”. Paulo encorajou a igre- A questão não é quem eu sou,
ja a ter alegria, a partir do conheci- mas Quem o Senhor é; não é uma
mento de Cristo. questão do que eu possa ou não
A décima primeira condição fazer, mas o que o Senhor pode.
está no versículo 8: “...se alguma Não importa o que eu quero, mas
virtude há e se algum louvor exis- o que o Senhor quer. Por último,
te...” Paulo também ensinou que não será o que eu fiz, mas o que
devemos valorizar a aprovação de o Senhor fez; isto é o que importa-
Deus. Se dependermos da aprova- rá”. Estes são os chamados “Qua-
ção dos que nos rodeiam, nossa tro Segredos Espirituais”, que nos
serenidade ficará frágil e sujeita a levam a ter a “paz que excede todo
variações. Há momentos em que o entendimento”, e mostram o que
não podemos ter a aprovação de significa ter “a mente e o coração
Deus e dos homens ao mesmo em Cristo Jesus”.
tempo; mas, se dermos valor à Você tem esta paz constante
aprovação de Deus, nossa paz e que a Bíblia chama paz de Deus?
alegria serão constantes e está- Peça a Deus que lhe dê a graça
veis. Em Gênesis 17.1, Deus falou necessária para satisfazer as con-
para Abraão: “... anda na minha dições que mencionamos e Ele o
presença e sê perfeito”. manterá em constante paz.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 89


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 16
A Carta de Paulo Aos Colossenses

A cidade de Colossos locali- A Carta de Paulo aos Efésios


za-se a uma distância de cerca de é uma obra-prima sobre a Igreja; a
160 km de Éfeso. Talvez a igreja Carta aos Colossenses é sua obra
de Colossos tenha sido uma das -prima sobre “Cristo e a Igreja”.
igrejas filhas da igreja de Éfeso, Parte do ataque filosófico à fé dos
citadas no Livro do Apocalipse, colossenses referia-se à pessoa
capítulos 2 e 3. de Jesus Cristo e à Sua deidade.
A igreja de Colossos tinha Por isso, o tema principal da Carta
pelo menos três tipos de proble- de Paulo aos Colossenses é Jesus
mas. O primeiro deles era o ata- Cristo. Paulo afirma nesta car-
que intelectual filosófico sobre a fé ta que, se você tem Jesus Cristo,
dos colossenses. Existia, também, tem tudo o que precisa e nada lhe
o problema do legalismo exercido falta; se Jesus Cristo for alguma
por judeus messiânicos ortodoxos, coisa para você, Ele representará
que tentavam impor suas leis aos tudo na sua vida, porque enquanto
gentios convertidos da cidade. O Jesus não for tudo para você, Ele
terceiro e último problema relacio- não será nada.
navam-se a algumas pessoas da Creio que hoje há igrejas que
igreja de Colossos, que estavam enfrentam problemas semelhantes
envolvidas em alguns fenômenos aos da igreja de Colossos. Pessoas
místicos questionáveis, envol- tentam impor limites legalistas aos
vendo visões, anjos, adoração e crentes, os quais são contrários à
outros fenômenos. Quando estes graça salvadora, que é pela fé e
problemas começaram a aparecer, não pelas obras. Também existem
Epafras, o pastor da igreja, foi até pessoas que pensam que tudo que
Roma buscar os conselhos de Pau- é espiritual vem do Espírito Santo
lo. Talvez esta visita tenha motiva- e, por isso, tornam-se vulneráveis.
do Paulo a escrever esta carta aos Além disso, existem aqueles que
colossenses. transformam a fé em algo frio e

90 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

formal. Outros tentam represen- maravilhosa sobre a pessoa e a


tar Jesus como um ser nebuloso e obra de Jesus Cristo?
inatingível, fazendo do Seu ensino Paulo também fala, no capítu-
algo complicado. lo 1, sobre como nos apropriar de
Estes são alguns dos proble- tudo o que Cristo fez: “... vos re-
mas tratados nesta carta aos co- conciliou no corpo da sua carne,
lossenses, para os quais Paulo mediante a sua morte, para apre-
apresentou soluções que servem sentar-vos perante ele santos,
para os problemas que nossas inculpáveis e irrepreensíveis, se
igrejas enfrentam hoje. é que permaneceis na fé, alicer-
No capítulo 1, Paulo diz quem çados e firmes, não vos deixando
Cristo é: “Ele é a imagem do Deus afastar da esperança do evange-
invisível, o primogênito de toda a lho que ouvistes” (1.22,23). Você
criação; pois nEle foram criadas entende Quem é Jesus Cristo e o
todas as coisas, nos céus e sobre que Ele fez por nós? Você sabe
a terra, as visíveis e as invisíveis, como se apropriar do que Cristo
sejam tronos, sejam soberanias, fez por você?
quer principados, quer potestades. A seguir, Paulo fala sobre
Tudo foi criado por meio dele e para como viver em Cristo: “Ora, como
ele. Ele é antes de todas as coisas. recebestes Cristo Jesus, o Senhor,
NEle, tudo subsiste. Ele é a cabeça assim andai nele, radicados e edi-
do corpo da igreja. Ele é o princípio, ficados, e confirmados na fé, tal
o primogênito de entre os mortos, como fostes instruídos, crescendo
para em todas as coisas ter a pri- em ações de graças” (2.6,7). Este
mazia” (1.15-18). Paulo apresen- é um ensino prático a respeito de
tou Cristo, refutando todos os ata- como viver em Cristo e obter os re-
ques filosóficos sobre Sua deidade. sultados de uma vida em Cristo.
Além de falar Quem Cristo é, No capítulo 2, Paulo fala
Paulo também diz o que Cristo do que temos em Cristo: “...
fez: “Ele nos libertou do império porquanto nele habita corporal-
das trevas e nos transportou para mente toda a plenitude da divin-
o reino do Filho do seu amor, no dade. Também nele estais aper-
qual temos a redenção, a remissão feiçoados. Ele é o cabeça de todo
dos pecados” (1.13,14). Você não principado e potestade. NEle
acha que esta é uma declaração também fostes circuncidados,

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 91


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

não por intermédio de mãos, Esta carta mostra como era


mas no despojamento do corpo amplo o entendimento de Paulo,
da carne, que é a circuncisão de acerca das coisas espirituais, e que
Cristo; tendo sido sepultados, uma das chaves da sua espiritua-
juntamente com ele, no batis- lidade era a oração. Como Jesus,
mo, no qual igualmente fostes Paulo deu o exemplo da importân-
ressuscitados, mediante a fé no cia da oração na sua vida. Observe
poder de Deus que o ressuscitou a oração de Paulo pela igreja dos
dentre os mortos” (9-12). Nesta colossenses e compare com a sua
passagem, Paulo abordou o pro- própria oração. Tente aprender a
blema dos legalistas, que impu- orar como Paulo, crendo que Deus
nham aos colossenses a neces- ouve e responde nossas orações,
sidade de serem circuncidados e o ajudará a entender e seguir os
para que fossem salvos. Seus caminhos.

92 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 17
Primeira e Segunda Carta de Paulo Aos Tessalonicenses

O tema da Primeira Carta de enfatizou a questão da Segunda


Paulo aos Tessalonicenses é a Se- Vinda de Jesus Cristo. Quando Ti-
gunda Vinda de Jesus Cristo. Du- móteo se encontrou com Paulo em
rante o pouco tempo que Paulo Corinto, apresentou um relatório
passou com os tessalonicenses, sobre os crentes de Tessalônica,
ministrou sobre este assunto. A dizendo que eles estavam firmes
passagem em Atos 17.1-14 des- no Senhor, porém a perseguição
creve a igreja de Tessalônica e nos estava sendo tão intensa, que al-
ajuda a entender o ministério ex- guns já tinham morrido em decor-
traordinário que Paulo teve naque- rência dela.
la cidade, por ocasião da fundação Timóteo contou que os tes-
da igreja. Paulo esteve ali durante salonicenses tinham muitas per-
três sábados, o que indica que a guntas referentes ao ensino da Se-
igreja foi fundada em menos de gunda Vinda de Cristo e estavam
um mês. preocupados com seus queridos
Como sempre, Paulo pregou que tinham sido martirizados, por
na sinagoga da cidade, mas os causa da perseguição. A dúvida
primeiros convertidos não eram era: será que eles perderiam algu-
judeus e, sim, proeminentes cida- ma benção, quando Jesus Cristo
dãos gregos, o que suscitou inve- voltasse para buscar Sua Igreja?
ja nos judeus, que iniciaram uma Sob esta perspectiva, conside-
severa perseguição contra Paulo, re as palavras de Paulo nesta car-
obrigando-o a fugir da cidade, indo ta, que enfoca a Segunda Vinda de
primeiro para Bereia e, depois, para Jesus e o Arrebatamento da Igre-
Atenas e Corinto, de onde escreveu ja, que consiste no encontro, nos
esta carta. Timóteo e Silas ficaram ares, da Igreja com Jesus, quando
em Tessalônica e, mais tarde, fo- Ele voltar. Paulo mostra todo o seu
ram ao encontro de Paulo. amor pelos perseguidos de Tessa-
Durante as três semanas que lônica ao escrever: “Não quere-
passou em Tessalônica, Paulo mos, porém, irmãos, que sejais

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 93


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

ignorantes com respeito aos que Mas, Paulo também era um


dormem, para não vos entriste- missionário e queria que os tes-
cerdes como os demais, que não salonicenses tivessem fé. Basica-
têm esperança. Pois, se cremos mente, o que ele escreve é que,
que Jesus morreu e ressuscitou, se cremos que Jesus morreu e res-
assim também Deus, mediante suscitou, podemos crer na ressur-
Jesus, trará, em sua companhia, reição dos nossos queridos (4.14).
os que dormem. Ora, ainda vos A partir daí, Paulo passa a falar,
declaramos, por palavra do Se- detalhadamente, sobre o Arrebata-
nhor, isto: nós, os vivos, os que mento da Igreja.
ficarmos até à vinda do Senhor, Como Paulo também era pro-
de modo algum precederemos os feta, não queria que os tessaloni-
que dormem. Porquanto o Senhor censes ficassem sem instrução,
mesmo, dada a Sua palavra de por isso afirmou que estava falan-
ordem, ouvida a voz do arcanjo, do de acordo com a Palavra do
e ressoada a trombeta de Deus, Senhor (4.15).
descerá dos céus, e os mortos Finalmente, como Paulo era
em Cristo ressuscitarão primeiro; um excelente pastor, também que-
depois, nós, os vivos, os que fi- ria que aqueles crentes tivessem
carmos, seremos arrebatados jun- esperança e recebessem conforto.
tamente com eles, entre as nu- Talvez, por isso, quisesse conso-
vens, para o encontro do Senhor lar a igreja com o ensino da Se-
nos ares e, assim, estaremos para gunda Vinda de Cristo, aliviando
sempre com o Senhor. Consolai- a preocupação que havia com
vos, pois, uns aos outros com es- relação aos queridos que tinham
tas palavras” (4.13-18). sido mortos: “Porquanto o Senhor
Esta é uma das muitas passa- mesmo... descerá dos céus e os
gens das Escrituras sobre a Segun- mortos em Cristo ressuscitarão
da Vinda de Jesus Cristo. Observe primeiro” (4.16). O Arrebatamen-
como o coração de Paulo estava to da Igreja é o ensino mais impor-
pesado ao escrever estas palavras. tante desta carta. Paulo abordou
Paulo foi um grande professor e o mesmo ensino com a igreja de
não queria que os crentes de Tes- Coríntios (I Coríntios 15.51,52);
salônica fossem ignorantes acerca Jesus fez o mesmo em Mateus
da Segunda Vinda de Jesus (4.13). 24.39-44.

94 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Paulo iniciou esta carta fa- No capítulo 3, ficamos saben-


lando sobre as implicações práti- do os motivos que levaram Paulo
cas de se crer na volta de Cristo: a escrever esta carta: “Foi por isso
“Damos, sempre, graças a Deus que, já não sendo possível conti-
por todos vós, mencionando-vos nuar esperando, mandei indagar o
em nossas orações e, sem cessar, estado da vossa fé, temendo que
recordando-nos, diante do nosso o tentador vos provasse, e se tor-
Deus e Pai, da operosidade da nasse inútil o nosso labor. Agora,
vossa fé, da abnegação do vosso porém, com o regresso de Timó-
amor e da firmeza da vossa es- teo, vindo do vosso meio, trazen-
perança em nosso Senhor Jesus do-nos boas notícias da vossa fé
Cristo”(1.2,3). e do vosso amor e, ainda, de que
Paulo tinha uma razão para fa- sempre guardais grata lembrança
lar com aquela igreja sobre a “ope- de nós, desejando muito ver-nos,
rosidade da fé” e a “abnegação do como, aliás, também nós a vós ou-
amor”. Os tessalonicenses enten- tros, sim, irmãos, por isso fomos
deram mal o ensino sobre a Se- consolados acerca de vós, pela
gunda Vinda de Jesus e parece que vossa fé, apesar de todas as nos-
alguns tinham parado de trabalhar. sas privações e tribulação, porque
Eles achavam que a Segunda Vin- agora vivemos, se é que estais fir-
da era tão iminente que poderiam mados no Senhor” (3.5-8). Esta
sentar e esperar o Senhor chegar. palavra nos revela o maravilhoso
Paulo estava indicando que, se te- coração de Paulo, o missionário,
mos fé na Segunda Vinda de Cristo, pastor, professor e autor de quase
esta fé deve ser operante e ativa, e metade do Novo Testamento.
o amor deve ser prático. Você acredita no Arrebata-
No primeiro capítulo de I Tes- mento da Igreja de Jesus Cristo? O
salonicenses, Paulo apresenta o apóstolo Paulo falou sobre este as-
modelo de um verdadeiro missio- sunto, porque queria nos consolar.
nário. Observe a coragem, sinceri- Por isso, deixe que este ensino lhe
dade, fidelidade e franqueza com sirva de consolo; é uma esperança
Deus e com Sua Palavra. Paulo abençoada de todos que cremos e
afirma que o propósito da sua vida a única esperança do mundo.
era a prosperidade espiritual da- Além desta passagem sobre o
queles irmãos (1.1-10). arrebatamento, no capítulo 4, Paulo

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 95


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

também apresenta algumas aplica- referentes à Segunda Vinda de Cris-


ções práticas do seu ensino. Ele to que devemos observar, como,
fala para os tessalonicenses, que por exemplo, o milênio (Apocalipse
eram tão fascinados com a Segun- 20:4-6). Alguns teólogos acredi-
da Vinda, que deveriam ser boas tam no reino de mil anos de forma
testemunhas, vivendo uma vida literal, outros, de maneira figurada.
tranquila e de trabalho (4.11,12). Aqueles que dizem que o reino será
Paulo iniciou o capítulo 5, fa- espiritual ou de forma figurada são
zendo alguns comentários sobre chamados de “amilenistas”. Os
a cronologia da Segunda Vinda e, que acreditam que Jesus Cristo vai
depois, passou a fazer aplicações voltar antes de estabelecer o Seu
práticas deste ensino: “Irmãos, re- reino de mil anos são chamados de
lativamente aos tempos e às épo- “pré-milenistas”. Os que acreditam
cas, não há necessidade de que que o mundo vai melhorar cada
eu vos escreva; pois vós mesmos vez mais e que o Reino de Deus se
estais inteirados com precisão de manifestará aqui na terra, quan-
que o Dia do Senhor vem como do Jesus voltar, são chamados de
ladrão de noite. Quando andarem “pós-milenistas”.
dizendo: Paz e segurança, eis que Não importa sua posição teo-
lhe sobrevirá repentina destrui- lógica a respeito da Segunda Vinda
ção, como vêm as dores de parto de Cristo. A aplicação que Paulo faz
à que está para dar à luz; e de ne- deste assunto nesta carta é bastan-
nhum modo escaparão” (5.1-3). te prática, principalmente no final
Paulo continua alertando: do capítulo 5 (5.12-22), mostran-
“Mas vós, irmãos, não estais em do, inclusive, uma lista de man-
trevas, para que esse Dia como damentos de como o cristão deve
ladrão vos apanhe de surpresa; viver até à volta de Jesus Cristo.
porquanto vós todos sois filhos da Há duas verdades muito im-
luz e filhos do dia; nós não somos portantes em I Tessalonicenses,
da noite, nem das trevas. Assim, as quais devemos aprender e
pois, não durmamos como os de- aplicar em nossas vidas. Primei-
mais; pelo contrário, vigiemos e ra: Jesus vai voltar. Segunda: de-
sejamos sóbrios” (5.4-6). vemos estar envolvidos na obra
Além do Arrebatamento da de Deus, enquanto esperamos a
Igreja, há outros acontecimentos volta de Jesus Cristo.

96 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

A Segunda Carta de Paulo Aos e Terrível Dia do Senhor”, como


Tessalonicenses também é chamado, será o jul-
A Segunda Carta de Paulo gamento de Deus sobre a terra.
aos Tessalonicenses é curta e foi O Arrebatamento da Igreja será a
escrita logo depois da primeira. O retirada da Igreja da terra. Nesta
conteúdo dos capítulos 1 e 3 é o ocasião, “dois estarão no campo,
mesmo da Primeira Carta aos Tes- um será tomado, e deixado o ou-
salonicenses, por isto não vou me tro; duas estarão trabalhando num
aprofundar neles. Leia e estude moinho, uma será tomada, e dei-
estes capítulos cuidadosamente. xada a outra” (Mateus 24.40,41).
Agora vamos nos deter no capítulo Os tessalonicenses confundiram o
principal desta carta, que é o ca- Arrebatamento de Cristo com o Dia
pítulo 2; onde Paulo responde al- do Senhor.
gumas perguntas e aborda alguns
problemas daquela jovem igreja: Resumo
“Irmãos, no que diz respeito à vin- A mensagem central desta
da de nosso Senhor Jesus Cristo e carta de Paulo diz respeito a acon-
à nossa reunião com ele, nós vos tecimentos anteriores ao Dia do
exortamos a que não vos demovais Senhor. De acordo com Paulo, o
da vossa mente, com facilidade, Dia do Senhor só acontecerá de-
nem vos perturbeis, quer por es- pois que Satanás receber plenos
pírito, quer por palavra, quer por poderes sobre a terra; por isso, a
epístola, como se procedesse de terra estará em caos. Hoje, Sata-
nós, supondo tenha chegado o nás tem sido contido pelo poder de
Dia do Senhor” (2.1,2). Cristo, mas, naqueles dias, todos
Neste texto, Paulo faz dis- seguirão livremente seus impul-
tinção entre o Arrebatamento da sos pecaminosos. Será um tempo
Igreja, mencionado em I Tessaloni- terrível. O líder mundial que se le-
censes 4 e o Dia do Senhor, profe- vantará é chamado na Bíblia de o
tizado por Joel, Sofonias, Zacarias Anticristo e tentará ocupar o lugar
e por Pedro, no capítulo 3 da sua de Cristo, guerreando contra Ele e
segunda carta. Seus seguidores.
O Arrebatamento da Igreja Muitos acreditam que a Igreja
e o Dia do Senhor são dois acon- passará por um período de grande
tecimentos distintos. O “Grande tribulação na terra; outros têm outro

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 97


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

entendimento. Paulo, em I Tessalo- antes da ira do Senhor ser derra-


nicenses 5.9,10 afirma: “porque mada sobre a terra.
Deus não nos destinou para a ira, Se você crê em Jesus Cristo
mas para alcançar a salvação, me- como o Rei dos reis e Senhor dos
diante nosso Senhor Jesus Cristo, senhores, que virá e reinará para
que morreu por nós para que, quer sempre, estas palavras servem de
vigiemos, quer durmamos, viva- esperança e conforto para você,
mos em união com ele”. Os “pré- caso contrário, elas serão julga-
milenistas” se baseiam nestes ver- mento. Confie no Senhor Jesus
sículos para afirmar que Deus não Cristo como Seu Salvador. Entre
derramará Sua ira sobre Seu povo, em aliança com Ele como o seu
como acontecerá na Grande Tribu- Senhor e estas palavras se torna-
lação, pois a Igreja será arrebatada rão sua esperança.

98 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 18
A Primeira Carta de Paulo a Timóteo

As Cartas de I e II Timóteo, pastor amoroso e cuidadoso com


bem como a de Tito são conside- suas ovelhas. Outra coisa que ob-
radas as “Epístolas Pastorais” de servamos é que ele devia ser tími-
Paulo, dirigidas a estes dois ho- do, porque Paulo o incentivou a
mens recrutados e treinados por ser corajoso e audacioso.
ele para serem pastores. Paulo Com relação a Tito, nota-se,
escreveu as epístolas de I Timóteo na carta que lhe foi endereçada,
e Tito mais ou menos na mesma que ele tinha uma personalidade
época; há muita semelhança entre diferente de Timóteo; parece que
estas duas cartas. Os últimos dias ele era mais velho, mais maduro
de Paulo, na prisão de Roma, fo- e estável, o que podemos deduzir
ram muito sofridos, e foi de lá que diante das tarefas que Paulo lhe
ele escreveu sua segunda carta a confiou. Por exemplo, Paulo usou
Timóteo, a qual registrou suas úl- Tito para entregar pessoalmente
timas palavras. Por isso, comenta- uma carta polêmica para a igreja
remos a Primeira Carta a Timóteo de Corinto; também foi estrategi-
e a de Tito e, em seguida, a carta camente colocado na ilha de Cre-
de Filemom, que é bem curta, para ta, um lugar muito difícil para se
encerrarmos nosso estudo das car- plantar e pastorear uma igreja. O
tas de Paulo com II Timóteo. povo daquela ilha devia ser mui-
Timóteo foi estrategicamen- to hostil e de difícil trato, e Tito,
te designado por Paulo para ser provavelmente, era a pessoa mais
o pastor da igreja de Éfeso, e Tito indicada para encarar um pastora-
para ficar na ilha de Creta. Ao ler- do tão difícil.
mos as cartas de I Timóteo e de O relacionamento ministerial
Tito observamos que são duas per- de Paulo e Timóteo era como o de
sonalidades bem diferentes. pai e filho. É possível que Timóteo
Timóteo era uma pessoa jo- tenha sido um dos alunos de Paulo
vem, solidária e sensível, apon- na Escola de Tirano. Foi em Listra
tada por Paulo como exemplo de que Timóteo teve o primeiro contato

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 99


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

com Paulo (Atos 16.1). Talvez ele funcione desta maneira, é neces-
tenha presenciado quando Paulo foi sário que tenha padrões espiritu-
apedrejado e dado como morto. Se ais bem definidos, a fim de que
tal fato ocorreu, imagine o impacto seus membros e, principalmente,
que causou na vida daquele jovem, sua liderança sejam edificados.
ver Paulo sobreviver, milagrosamen- Encontramos, nesta carta de
te, àquele episódio! Possivelmente, Paulo, afirmações básicas, entre
a partir de então, Paulo tenha se tor- as quais: “Cristo veio ao mun-
nado o seu herói. Timóteo é citado do para salvar os pecadores, dos
como um dos integrantes da equipe quais eu sou o principal” (1.15).
de Paulo, em sua terceira viagem Paulo estava citando a si mesmo
missionária e, talvez, tenha sido em como um exemplo de pecador.
Listra que Paulo o recrutou para fa- Algumas pessoas podem se con-
zer parte de sua equipe. siderar pecadoras sem esperança,
Teólogos acreditam que Pau- mas, Paulo estava deixando claro
lo tenha escrito a Primeira Carta a às pessoas que, se Jesus o havia
Timóteo, quando foi solto da pri- salvado, com toda certeza pode-
são pela primeira vez. O propósito ria salvar qualquer outro pecador!
desta primeira carta foi dar a co- Não era apenas uma expressão
nhecer a Timóteo como a Igreja de de humildade, mas o fato de ter
Jesus, o pilar e o fundamento da perseguido a Igreja de Cristo fazia
verdade, deveria funcionar neste com que ele se considerasse o pior
mundo. Ao apresentar este mode- de todos os pecadores.
lo de igreja (o que fez também a Quando Paulo explicou como
Tito), Paulo enfatiza o caráter do a igreja deveria funcionar e atuar
líder (3.1-13). no mundo, deixou claro que a ora-
Para muitas pessoas a igreja ção era sua prioridade número um
é uma “estação de salvação de (2.1). Paulo falava de uma “oração
almas”, mas, na verdade, ela é evangelística”, para que “todos os
uma “base de operação de sal- homens sejam salvos”, porque esta
vamento de almas”, ou seja, ela é a vontade de Deus (2.4a).
é o centro de onde a verdade do A Igreja deve ser o pilar e a
Evangelho é proclamada pelos base de onde a verdade do Evan-
membros leigos e espiritualmen- gelho é proclamada (3.15), e com
te ativos da igreja. Para que ela oração, porque só o Espírito Santo

100 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

é capaz de converter os corações como Cristo cuida e pastoreia a


e fazer discípulos. De acordo com Igreja, o homem deve cuidar e
Paulo, a oração na igreja deve ser pastorear sua mulher e sua famí-
a prioridade número um para o lia, bem como a igreja local.
pastor (2.1). A Bíblia é clara ao responsa-
bilizar o homem pela liderança do
Liderança da Igreja lar e da igreja. As Escrituras pre-
As cartas de I Timóteo e de gam a igualdade absoluta entre
Tito deveriam servir como um ma- o homem e a mulher, diante dos
nual para todas as igrejas. Nelas, olhos de Deus, mas não ensina
Paulo tratou de alguns assuntos nada sobre a igualdade de papéis
práticos, além de princípios que e responsabilidades para o homem
transcendem a cultura da época e e a mulher. As Escrituras Sagradas
devem ser aplicados em todas as afirmam que Deus criou “homem
igrejas e em todas as épocas. Na e mulher”, designando papéis,
passagem a seguir, ele expressa funções e responsabilidades dis-
o que contraria muitas mulheres: tintas para cada um.
“Da mesma sorte, que as mulhe- Na minha opinião, a mulher
res, em traje decente, se ataviem pode exercer qualquer ministério
com modéstia e bom senso, não na igreja, desde que esteja sujeita
com cabeleira frisada e com ouro, à autoridade máxima de um ho-
ou pérola, ou vestuário dispendio- mem, o qual esteja sujeito ao ca-
so, porém com boas obras (como beça da Igreja, que é Cristo.
é próprio às mulheres que pro- Isto nos leva a outro assunto
fessam ser piedosas). A mulher muito importante nestas cartas
aprenda em silêncio, com toda a pastorais. Na carta de I Timóteo,
submissão. E não permito que a encontramos instruções bem es-
mulher ensine, nem exerça auto- pecíficas sobre as qualificações,
ridade sobre o marido; esteja, po- papéis e responsabilidades dos
rém, em silêncio” (2.9-12). oficiais da igreja, que, em algu-
Paulo não estava dizendo que mas denominações, é chamado de
as mulheres não podem ministrar; presbítero; em outras, de ancião
ele estava ensinando que Cristo é ou bispo, os quais têm a função
o cabeça do homem, e o homem de governar, orientar e pastorear o
o cabeça da mulher; que, assim rebanho de Deus.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 101


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Os diáconos têm a responsa- de que Paulo se referia ao homem


bilidade do serviço e podem servir ter apenas uma mulher de cada
em ministérios espirituais ou es- vez, e não a ter apenas uma mu-
tritamente práticos, mas não pesa lher em toda sua vida.
sobre eles a responsabilidade de Observe que os padrões esta-
governar. Este tipo de líder apare- belecidos para os diáconos são tão
ce pela primeira vez na Bíblia no altos quanto os dos presbíteros ou
capítulo 6 de Atos e, também, nas bispos, os quais também se apli-
cartas de I Timóteo e Tito, onde cam às mulheres. Este é um dado
encontramos expressas as qualifi- importante a ser observado nestas
cações para os oficiais da igreja. duas cartas.
Uma das razões da inope- Paulo também alertou Timó-
rância da igreja nos dias atuais teo a respeito da apostasia, que
é porque os padrões bíblicos não significa “abandono da fé”, e pre-
estão sendo observados. Uma viu que, nos últimos dias, haveria
das maneiras mais eficientes da grande apostasia. Naqueles dias,
igreja proclamar o Evangelho é a apostasia se manifestou através
através da vida dos seus líderes e de “espíritos enganadores” e “en-
membros. Se você é um oficial da sinos de demônios” (4.1).
igreja, atente com temor e oração “Espíritos enganadores” são
para os padrões de liderança esta- todos os espíritos que não são o
belecidos por Paulo nestas cartas Espírito Santo. Algumas pessoas
e, depois, peça a Deus que lhe dê não aceitam esta distinção e ficam
graça para segui-los. vulneráveis à ação de espíritos
Paulo enfatizou que os líderes imundos, sem atentar que existem
devem ser espiritualmente madu- espíritos que podem seduzir e en-
ros e qualificados. Uma das qua- ganar as pessoas, fazendo-as se
lificações do líder tem sido mal afastar da fé em Cristo.
interpretada: “É necessário, por- A segunda forma de aposta-
tanto, que o bispo seja irrepreen- sia citada por Paulo é chamada de
sível, esposo de uma só mulher” “ensino de demônios”. A Palavra
(3.2a), que dá o sentido de que o de Deus é a doutrina que deve ser
homem só pode ter uma mulher. ensinada e pregada na igreja. No
Depois de estudar este texto, no entanto, existem também as dou-
original grego, cheguei à conclusão trinas de demônios, as quais não

102 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

se encontram nas Escrituras, nem alertou Timóteo contra o partida-


vêm de Deus, mas do diabo, e são rismo na hora de disciplinar, mes-
enganadoras. O povo de Deus ja- mo que a pessoa envolvida seja
mais deve embasar sua fé em pro- um amigo pessoal (5.17-22).
posições que não estão na Bíblia. Apesar da maior preocupação de
Aparentemente, Timóteo teve Paulo ser o caráter dos homens
uma experiência marcante, quan- que ocupam a liderança da igreja,
do foi ordenado. A impressão que no capítulo 6, ele acrescenta al-
o texto dá é que ele recebeu uma guns conselhos práticos e diz que
unção ou uma bênção especial, os escravos devem honrar seus se-
quando os oficiais da igreja impu- nhores para que o nome de Deus
seram as mãos sobre ele. Paulo não seja blasfemado (6.1). Paulo
recomendou que Timóteo se dedi- era realista o suficiente para saber
casse ao dom que havia recebido, que a escravidão não ia acabar.
por ocasião de sua ordenação: “... Muitos dos primeiros convertidos
aplica-te à leitura, à exortação, eram escravos e, como ainda te-
ao ensino. Não desprezes o dom riam que viver neste mundo, Pau-
que há em ti, o qual te foi dado lo lhes mostrou como lidar com a
por profecia, com imposição das escravidão.
mãos dos presbíteros” (4.13,14). No capítulo 6, encontramos
Paulo, também, abordou a uma passagem muito importante,
questão dos relacionamentos entre referente às riquezas e à vida com
os membros do Corpo de Cristo, Deus. Quando uma criança vai
aconselhando Timóteo a tratar a para a escola, desde cedo apren-
família de Deus como se fosse sua de que seu valor vai depender do
própria família. Ele aconselhou seu desempenho; mas, quando se
Timóteo a ter um relacionamento torna adulta, descobre que aque-
fraternal com os membros do Cor- la fórmula não lhe traz satisfação.
po de Cristo (I Timóteo 5.1,2). Os melhores profissionais ou exe-
Paulo destacou a importân- cutivos mais bem sucedidos aca-
cia de reforçar os padrões para os bam descobrindo que seu desem-
oficiais. Segundo ele, quando um penho não traz qualquer alegria
oficial da igreja peca, deve ser re- ou realização. São estas pessoas
preendido publicamente, porque que deveriam atentar para as pa-
o ministério dele é público. Paulo lavras de Paulo: “... grande fonte

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 103


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

de lucro é a piedade com o con- muitos exemplos de homens de


tentamento” (6.6). Deus ricos, entre eles, Abraão, Jó,
Paulo continua falando sobre o Davi e Salomão. O que importa é
materialismo: “Ora, os que querem a motivação que está por trás da
ficar ricos caem em tentação e busca pela riqueza, e como lidar
cilada, e em muitas concupiscên- com ela. Os ricos devem usar seu
cias insensatas e perniciosas, as dinheiro para fazer boas obras,
quais afogam os homens na ruína contribuindo, com alegria, com
e na perdição. Porque o amor ao os necessitados, pois, assim,
dinheiro é raiz de todos os males e estarão fazendo o único investi-
alguns, nessa cobiça, se desviaram mento seguro para a vida eterna
da fé e a si mesmos se atormenta- (6.18,19).
ram com muitas dores” (6.9,10). Paulo estimulou Timóteo a
Paulo exorta Timóteo a fugir do pe- exercitar a fé, porque viver com
rigo das riquezas e a buscar a jus- Deus representa ganho, tanto
tiça (6.11) e continua: “Exorta aos para a vida presente como para
ricos do presente século que não a que está por vir (4:8). Será
sejam orgulhosos, nem depositem que você tem feito o tipo certo
a sua esperança na instabilidade de exercício? Nossa cultura esti-
da riqueza, mas em Deus, que mula a conquistar riquezas, mas
tudo nos proporciona ricamente Paulo nos recomenda uma vida
para nosso aprazimento” (6.17). de fé. Você está buscando viver
A Bíblia não afirma que é er- com Deus ou está buscando as
rado ser rico, tanto que existem riquezas?

104 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 19
A Carta de Paulo a Tito

A ênfase de Paulo nesta car- dois problemas que Paulo queria


ta é o cuidado com a igreja. Pau- que Tito tratasse naquela igreja.
lo deixou claro que é através de Há três epifanias nesta carta
homens tementes a Deus que a pastoral, ou seja, três manifesta-
igreja será guiada; a única ma- ções de Deus, através de Cristo,
neira que Tito tinha de plantar neste mundo. Procure encontrá-las
uma igreja em Creta era através e constate se não são as declara-
de líderes tementes a Deus, com ções mais bonitas de todo o Novo
vidas totalmente comprometidas Testamento: “Porquanto a graça
com Sua doutrina. Paulo disse a de Deus se manifestou salvadora
Tito: “Por esta causa, te deixei a todos os homens, educando-nos
em Creta, para que pusesses em para que, renegadas a impiedade
ordem as coisas restantes, bem e as paixões mundanas, vivamos,
como, em cada cidade, consti- no presente século, sensata, jus-
tuísses presbíteros, conforme te ta e piedosamente, aguardando a
prescrevi” (1.5). bendita esperança e a manifes-
Tito foi a pessoa escolhida por tação da glória do nosso grande
Paulo para tratar de alguns proble- Deus e Salvador Cristo Jesus, o
mas da igreja, na Ilha de Creta. O qual a si mesmo se deu por nós,
que podemos perceber é que al- a fim de remir-nos de toda iniqui-
guns dos problemas eram seme- dade e purificar, para si mesmo,
lhantes aos que Paulo enfrentou um povo exclusivamente seu, ze-
com os gálatas: os judeus mes- loso de boas obras. Dize estas coi-
siânicos estavam impondo a cir- sas; exorta e repreende, também,
cuncisão como condição para que com toda a autoridade. Ninguém
os gentios fossem salvos e se tor- te despreze” (2.11-15).
nassem verdadeiros discípulos de
Jesus; outros cobravam e queriam A igreja de três epifanias
ganhar a vida com o ensino da Pa- Você já ouviu falar da “Igre-
lavra. Basicamente, estes eram os ja da Epifania”? A palavra grega

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 105


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

“epifania” significa “manifesta- boas obras” (2.14). Somos para


ção”. Muitos teólogos afirmam Deus um povo “exclusivo”, ou
que a igreja apresentada por seja, “único”, conforme a imagem
Paulo nesta carta a Tito pode- de Cristo.
ria ser chamada de “A Igreja de Por isso, poderíamos intitular
Duas Epifanias”. Paulo escreve esta carta de Paulo a Tito como “A
sobre duas aparições de Deus e, Igreja das Três Epifanias”. Entre a
de acordo com ele, a igreja existe primeira manifestação de Cristo e a
entre essas duas aparições. Sua Segunda Vinda, existe uma ter-
No capítulo 2, versículo 11, ceira manifestação: Deus se mani-
Paulo escreveu: “Porquanto a festa neste mundo, através de nós.
graça de Deus se manifestou sal- Deus nos escolheu para fazermos
vadora a todos os homens”. Esta Sua obra. Somos o Seu povo “ex-
graça apareceu quando Jesus clusivo”. Devemos ser Jesus para
Cristo nasceu em Belém, e vai o mundo. Somos o veículo, através
aparecer novamente, quando Cris- do qual o Cristo vivo e ressuscitado
to voltar. A Igreja existe entre as se manifesta ao mundo.
duas aparições de Deus, através A ênfase de Paulo, nesta car-
de Cristo. Nesta carta, Deus revela ta, é que o povo exclusivo, que é a
a Paulo exatamente como Ele quer Igreja de Jesus Cristo, tenha uma
que Sua Igreja seja, entre as duas vida santa e piedosa, para que
epifanias. Nos tempos atuais, de- Deus se manifeste ao mundo, atra-
vemos viver “sensata, justa e pie- vés de Cristo em nós. Podemos ter
dosamente” (2.12). certeza de que Deus tem muitos
Paulo afirma que, em Sua planos maravilhosos para nossa
primeira aparição, Cristo trouxe vida, porque Ele nos escolheu para
salvação para que Deus nos redi- sermos parte de um povo especial
misse e fizesse para Si “um povo e frutífero, através de quem Ele se
exclusivamente seu, zeloso de manifesta ao mundo.

106 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 20
A Carta de Paulo a Filemom

A carta de Paulo a Filemom é implorando que ele fosse tolerante


a quinta das “epístolas da prisão”. com aquele novo irmão em Cristo.
Embora esta carta seja a mais cur- Esta carta de Paulo a Filemom
ta dentre as que Paulo escreveu, que estamos estudando foi a car-
ela possuiu uma aplicação mui- ta que Onésimo tinha em mãos,
to importante, principalmente na quando voltou para o seu senhor.
área social. Além de possuir uma aplicação so-
Filemom era um homem cren- cial muito importante, ela também
te, muito rico, que vivia em Colos- é uma obra-prima de diplomacia.
sos. Ele era senhor de escravos e Observe como Paulo trata do as-
um deles se chamava Onésimo, sunto de maneira diplomática e
cujo significado é “útil”. Possivel- estratégica, a fim de conseguir o
mente, ele recebeu este nome por seu objetivo. Ele apela para o es-
ser considerado de muito valor. pírito cristão de Filemom, pedindo
O que podemos concluir, pelo que ele aceite Onésimo com satis-
relato bíblico, é que Onésimo rou- fação e espontaneidade.
bou dinheiro do seu senhor, File- A mensagem central desta
mom, e depois fugiu, passando a carta é que Jesus transforma os
ser, além de um escravo fugitivo, homens e, quando isto acontece,
um ladrão. Onésimo conheceu nossos relacionamentos também
Paulo na prisão de Roma e, atra- são transformados. Por isso, Pau-
vés dele, se converteu a Cristo. lo diz a Filemom que deseja que
Converter-se a Cristo, ou nascer ele perdoe Onésimo e o receba de
de novo, envolve arrependimento, volta, não como um fugitivo ou
o que, para Onésimo, significava ladrão que deve ser punido, mas
voltar para o seu senhor e enca- como um irmão, um companheiro
rar as consequências do roubo e e discípulo de Cristo.
da fuga. Como o castigo de um es- Jesus já transformou sua vida
cravo fugitivo era a morte, Paulo e os seus relacionamentos? Você
escreveu uma carta para Filemom, acredita que Jesus pode e vai

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 107


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

transformar toda sua vida? Creia, algum dano te fez ou se te deve


porque Ele é o único que pode alguma coisa, lança tudo em mi-
fazê-lo! nha conta” (18). Para alguns, tra-
Encontramos três aplica- ta-se de uma figura do que Cristo
ções nesta carta. Alguns teólogos fez por nós. Quando Jesus Cristo
acham que ela está repleta de morreu na cruz pelos nossos peca-
simbolismo. Por exemplo, o retor- dos, Ele assumiu todas as nossas
no e perdão de Onésimo simboli- culpas e pagou todos os nossos
zam nossa redenção. Redimir sig- débitos.
nifica comprar ou trazer de volta. Existe mais uma observação
O sangue de Jesus Cristo derrama- a fazer, que se encontra no ver-
do na cruz foi o preço pago para sículo 19, quando Paulo diz: “...
que Deus pudesse nos comprar, tu me deves até a ti mesmo”. De
trazer-nos de volta para Ele, para acordo com esta observação, po-
a qualidade de vida que Ele tem demos concluir que só seremos
para nós. nós mesmos e teremos nossa in-
O segundo simbolismo refere- dividualidade restaurada, a partir
se ao que acontece com nossos do momento em que nascemos de
filhos. Paulo escreve a Filemom, novo em Cristo. É como que Paulo
dizendo que ele havia perdido Oné- dissesse: “Filemom, você jamais
simo por algum tempo, para que o seria essa pessoa inteira e restau-
ganhasse para toda a vida (15). rada, não fosse o novo nascimen-
Muitas vezes, nós, pais, perdemos to. E como eu fui o instrumento
nossos filhos por algum tempo, usado por Deus para que você
mesmo tendo-os “criado no cami- nascesse de novo, você me deve
nho em que eles deveriam andar” até a si mesmo”.
(Provérbios 22.6), pois saem pelo Muitas pessoas vivem frustra-
mundo, até que um dia decidem das, desiludidas e infelizes porque
dar um rumo para suas vidas. Po- não são aquilo que Deus planejou
rém, quando voltam, depois de que elas fossem. Através desta car-
terem tido sua própria experiência ta de Paulo a Filemom, aprendemos
de fé, voltam para sempre, defi- que jamais seremos o que Deus
nitivamente. Paulo, referindo-se a quer que sejamos, enquanto não
Onésimo, disse a Filemom: “E, se nos convertemos a Jesus Cristo.

108 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 21
A Segunda Carta de Paulo a Timóteo

A Segunda Carta de Paulo a Acredita-se que ele tenha sido


Timóteo é o último testamento do mantido acorrentando e subme-
apóstolo Paulo. De acordo com da- tido a constantes torturas, numa
dos históricos, depois que foi solto masmorra reservada aos piores
da prisão em Roma, pela primeira criminosos de Roma.
vez, Paulo fez uma viagem missio- Nestas condições, fica quase
nária à Espanha e retornou para impossível imaginar como Paulo
Éfeso, de onde partiu para Trôade. conseguiu escrever esta carta e
Nesta ocasião, Nero, imperador enviá-la a Timóteo. Aparentemen-
romano, incendiou a cidade de te, todos o tinham abandonado,
Roma, incriminando os discípu- com exceção do velho Onesíforo
los de Jesus Cristo. Depois disso, e de Lucas, o médico amado; por
todos os cristãos foram declara- isso, é possível que um deles te-
dos inimigos pelo Império Roma- nha conseguido levar a carta para
no, passando a ser tratados com fora da prisão.
crueldade, não apenas pelo gover- Ao ler estas últimas palavras
no, mas também pelos cidadãos de Paulo, tenha em mente o con-
romanos. Pedro e Paulo não esca- texto tenebroso, no qual ele se en-
param desta perseguição e foram contrava. “Por esta razão, pois, te
novamente presos. admoesto que reavives o dom de
Pela maneira como Paulo foi Deus que há em ti pela imposição
preso, era óbvio que ele não so- das minhas mãos. Porque Deus
breviveria a mais este aprisiona- não nos tem dado espírito de co-
mento (1.4). Quando escreveu sua vardia, mas de poder, de amor e
segunda carta a Timóteo, ele sabia de moderação” (1.6,7).
que em breve seria executado. Paulo deixou transparecer
Se hoje você pudesse visi- para nós algumas características
tar a prisão onde Paulo ficou em de Timóteo. Provavelmente, ele
Roma, poderia entender melhor o era uma pessoa tímida, que tinha
peso de suas palavras nesta carta. dificuldade para se relacionar com

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 109


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

os outros. Paulo dá a impressão é sofrer por Jesus Cristo, tomar a


de que algo sobrenatural aconte- cruz e segui-Lo.
ceu, por ocasião da ordenação de Ao escrever sobre o lavrador,
Timóteo, quando ele recebeu a im- Paulo enfatiza que este tem duas
posição de mãos e oração pelo seu tarefas: a semeadura e a colheita.
ministério: “... te admoesto que “O lavrador que trabalha deve ser
reavives o dom de Deus que há o primeiro a participar dos frutos”
em ti pela imposição das minhas (2.6). Paulo estava dizendo que Ti-
mãos. Porque Deus não nos tem móteo deveria trabalhar duro como
dado espírito de covardia, mas de lavrador até à época da colheita,
poder, de amor e de moderação. para que esta fosse abundante.
Não te envergonhes, portanto, Paulo tinha certeza da presen-
do testemunho de nosso Senhor, ça de Cristo com ele diante do so-
nem do seu encarcerado que sou frimento. Mesmo quando estamos
eu” (1:6-8). fracos e sem fé, Deus se mantém
No capítulo 2, versículos 4-7, fiel e nos ajuda: “... se somos in-
Paulo usa a ilustração do soldado, fiéis, ele permanece fiel, pois de
do atleta e do lavrador para re- maneira nenhuma pode negar-se
tratar nosso relacionamento com a si mesmo... Entretanto, o firme
Cristo. fundamento de Deus permanece,
A ilustração do soldado: quan- tendo este selo: O Senhor conhece
do um homem sai para a guerra, os que lhe pertencem” (2.13,19).
ele deixa de se preocupar com os Procure se lembrar da situ-
seus negócios e afazeres dos tem- ação agonizante de Paulo ao es-
pos de paz e se dedica totalmente crever estas palavras de consolo,
às conquistas da guerra. Da mes- afirmando que é possível estar fí-
ma forma, Paulo encoraja Timóteo sica, emocional e espiritualmente
a ser totalmente comprometido na fraco e, mesmo assim, encontrar
batalha por Jesus Cristo. forças para orar e crer. Como será
Quando Paulo fala do atle- que você ficaria se passasse por
ta, ele diz que o atleta só recebe tudo que Paulo passou? Perdido?
a coroa de vitória se obedecer às Não! Esta passagem afirma que
regras estabelecidas (2.5). Assim mesmo que estejamos fracos de-
deve ser o cristão, obediente às re- mais para orar e crer, Deus jamais
gras da vida em Cristo. Uma delas nos negará. Mesmo quando não

110 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

conseguimos ter fé, Deus se man- aprovado por Ele. Por isso, procure
tém fiel a nós. sempre fazer a seguinte pergunta
Paulo ainda usa a ilustração a você mesmo: será que tenho me
de vasos ou utensílios numa casa, dedicado a aprender a Palavra de
com o fim de ensinar sobre o pro- Deus?
pósito da vida (2.20,21). Naque- No final do capítulo 2, Pau-
la época, as pessoas tinham todo lo ensina o jovem pastor Timóteo
o tipo de vasos em casa, que se como deveria ajudar suas ovelhas
prestavam para várias finalida- a resolver seus problemas. O que
des, e alguns até se destinavam a hoje chamamos “aconselhar”, Ti-
algum propósito que não era tão móteo e Paulo chamavam “pas-
honroso assim. Imaginem que na- torear”. É admirável que, num
quele tempo não existia encana- momento tão difícil da vida de
mento nas casas! Paulo, ele tenha se preocupado
Paulo afirma que o mesmo em instruir Timóteo a ser um bom
acontece quando seguimos a pastor. Ele diz que as pessoas
Cristo. Tanto podemos ser vaso que Timóteo estava disciplinando
usado para propósitos desonro- e aconselhando estavam contra-
sos, como podemos dar as costas riando o plano de Deus para suas
para os desejos turbulentos da vidas. Elas tinham caído no laço
juventude e nos dedicarmos à fé, do diabo (2.26), o que acontece
ao amor e à paz. Então, passa- ainda hoje, e por muitas razões.
mos a ser vaso limpo, destinado a Uma delas é a comparação com
propósitos honrosos, apropriados outras pessoas, ou a imitação
para servir ao Mestre. e, ainda, alguém se permitir ser
O versículo seguinte é uma controlado por outrem. É muito
das recomendações mais conhe- fácil a pessoa perder o controle
cidas de Paulo: “Procura apre- de si mesma em situações como
sentar-te a Deus aprovado, como essas e opor-se ao plano de Deus
obreiro que não tem de que se para sua vida, gerando sua pró-
envergonhar, que maneja bem a pria infelicidade.
palavra da verdade” (2.15). Paulo Paulo estava dizendo a Timó-
disse para Timóteo que ele deve- teo que ele deveria ouvir aquelas
ria ser disciplinado no estudo da pessoas com paciência, bondade e
Palavra de Deus, para um dia ser mansidão. Estas três características

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 111


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

do fruto do Espírito conquistariam perante Deus e Cristo Jesus, que


os seus ouvintes e abririam portas há de julgar vivos e mortos, pela
para que ele apresentasse e ensi- sua manifestação e pelo seu rei-
nasse a Verdade que liberta (João no: prega a palavra, insta, quer
8.32). Ele não deveria se indispor seja oportuno, quer não, corrige,
com as pessoas, porque isso fecha repreende, exorta com toda a lon-
as portas para Deus e as pessoas ganimidade e doutrina. Pois have-
se mantêm aprisionadas a Satanás. rá tempo em que não suportarão
Este é um dos melhores conselhos a sã doutrina; pelo contrário, cer-
pastorais que já vi ser dado. car-se-ão de mestres segundo as
suas próprias cobiças, como que
O que você vai fazer com tudo sentindo coceiras nos ouvidos; e
isso que sabe? se recusarão a dar ouvidos à ver-
A mensagem central desta dade, entregando-se às fábulas.
carta encontra-se na passagem Tu, porém, sê sóbrio em todas as
de 3.10-4.5. Paulo sabia que coisas, suporta as aflições, faze o
seria morto em questão de dias, trabalho de um evangelista, cum-
ou talvez horas, depois que escre- pre cabalmente o teu ministério”
vesse aquela carta. Por isso, as (4.1-5).
palavras de Paulo a Timóteo têm Estas palavras são um desa-
um peso muito grande, pois ex- fio para todos nós para que se-
pressam sua fé, seu sofrimento e jamos fiéis e diligentes na obra
sua afeição por Timóteo, e o valor do Senhor e para que saibamos
que dava à verdade do Evange- decidir o que fazer com tudo que
lho. Paulo afirma várias vezes a acabamos de aprender. O rela-
Timóteo: “sabe, porém” Como é cionamento de Paulo e Timóteo
que Timóteo sabia tudo que Paulo traz mais uma aplicação. Se você
estava falando? é jovem na fé ou no ministério,
A resposta para esta pergunta precisa imediatamente de um
é: porque as tinha observado na Paulo na sua vida. Se você é um
vida de Paulo, e este agora estava crente amadurecido, firme na fé,
desafiando Timóteo a colocar em ou um pastor, cuidado para não
prática tudo o que ele já sabia. negligenciar o treinamento ou
Paulo dá uma última incum- discipulado de um jovem como
bência a Timóteo: “Conjuro-te, Timóteo.

112 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

As últimas palavras de um velho oferecido por libação, e o tem-


soldado po da minha partida é chegado.
O último desafio de Paulo foi Combati o bom combate, com-
expresso por palavras que devem pletei a carreira, guardei a fé. Já
ter quebrado o coração de Timó- agora a coroa da justiça me está
teo. Estas são as últimas palavras guardada, a qual o Senhor, reto
do maior missionário, pastor, pro- juiz, me dará naquele Dia; e não
fessor, teólogo e autor de gran- somente a mim, mas também a
de parte do Novo Testamento: todos quantos amam a sua vinda”
“Quanto a mim, estou sendo já (4.6-8).

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 113


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 22
O Livro de Hebreus

Agora que já estudamos as Jesus Cristo. A contribuição mais


cartas do apóstolo Paulo, vamos preciosa do Livro de Hebreus, que
iniciar o estudo das Cartas Gerais, o faz destacar-se de todos os ou-
assim denominadas, porque pos- tros livros da Bíblia, é a ligação
suem vários destinatários e não que ele faz entre o Velho e o Novo
foram escritas para um grupo es- Testamentos. Você nunca fez a
pecífico de cristãos. pergunta: porque não se oferecem
Iniciaremos com a Carta aos mais sacrifícios pelos pecados?
Hebreus, cuja autoria é desco- Este livro responde a esta pergun-
nhecida. Embora esta carta não ta e a muitas outras semelhantes.
se inicie do modo costumeiro de
Paulo, muitos creditam sua auto- A argumentação do Livro de
ria a ele, mas existem ainda ou- Hebreus
tras boas razões para se contestar Ao lermos o Livro de Hebreus,
a autoria de Paulo. observamos que sua argumen-
No entanto, conforme temos tação é apresentada de maneira
destacado neste estudo da Bíblia, muito lógica, desde o primeiro
o mais importante é que saiba- versículo até o último. Procure
mos responder às seguintes per- acompanhar esta lógica, lendo o
guntas: qual é a mensagem deste livro numa só vez e, enquanto lê,
livro e o significado da sua men- descubra a argumentação do au-
sagem? É importante conhecer a tor e fique atento para algumas
verdade ensinada neste livro, bem palavras-chaves como: “melhor”,
como sua aplicação pessoal em ”crer” e “cuidado”.
nossas vidas. A carta foi escrita aos judeus
Seja quem for que tenha escri- com a finalidade de eles entende-
to este livro, trata-se de uma pes- rem que Jesus Cristo é melhor que
soa eloquente, que tinha conheci- tudo o que eles reverenciavam. O
mento do que o Novo e o Velho autor mencionou os profetas, que
Testamentos falam a respeito de eles tanto respeitavam, para dizer

114 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

que Jesus é melhor que eles. Deus alianças, mas Jesus é melhor que
antes falou através dos profetas, qualquer aliança. Finalmente, re-
mas agora tinha falado através de fere-se à Tenda da Adoração no
Seu Filho. deserto. Como já vimos antes, o
Além dos profetas, os judeus Templo de Salomão foi constru-
também reverenciavam Moisés, ído no mesmo padrão da Tenda
por isso o autor escreve que Jesus da Adoração usada pelo povo no
Cristo é melhor que Moisés, atra- deserto.
vés da seguinte ilustração: “Jesus, Neste contexto, o autor argu-
todavia, tem sido considerado menta que Jesus Cristo é melhor
digno de tanto maior glória que que a Tenda da Adoração: “Quan-
Moisés, quanto maior honra que do, porém, veio Cristo, como sumo
a casa tem aquele que a estabe- sacerdote dos bens já realizados,
leceu” (3.3). A nação hebraica, a mediante o maior e mais perfeito
casa construída, tem valor e Moi- tabernáculo, não feito por mãos,
sés também, mas Jesus Cristo é o quer dizer, não desta criação...
Filho que edificou, que habita nes- Era necessário, portanto, que as
sa casa e é superior a ela. figuras das coisas que se acham
Depois, o autor argumenta que nos céus se purificassem com
Jesus Cristo é melhor que Josué, tais sacrifícios, mas as próprias
que liderou os filhos de Israel na coisas celestiais, com sacrifícios
entrada da Terra Prometida e lhes a eles superiores. Porque Cris-
deu descanso. Jesus, entretanto, to não entrou em santuário feito
proporcionou um descanso que su- por mãos, figura do verdadeiro,
pera aquele oferecido por Josué. porém no mesmo céu, para com-
Segundo o autor de Hebreus, parecer, agora, por nós, diante de
Jesus é melhor que todos os sa- Deus; nem ainda para se oferecer
cerdotes, tão reverenciados pelos a si mesmo muitas vezes, como
judeus. A partir do capítulo 5, o o sumo sacerdote cada ano entra
autor apresenta Jesus Cristo como no Santo dos Santos com sangue
o Sumo Sacerdote. alheio. Ora, neste caso, seria ne-
A seguir, o autor sagrado fala cessário que ele tivesse sofrido
das alianças. Houve a aliança de muitas vezes desde a fundação do
Noé, de Abraão, de Moisés e de mundo; agora, porém, ao se cum-
Davi. Deus estabeleceu várias prirem os tempos, se manifestou

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 115


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

uma vez por todas, para aniquilar, cruz. Ele foi o Sumo Sacerdote, o
pelo sacrifício de si mesmo, o pe- qual intercedeu pelos pecados de
cado” (9.11,23-26). todo o mundo com o Seu sangue
Uma vez por ano, o sumo sa- precioso, cumprindo e validando
cerdote entrava no interior da Ten- todos os sacrifícios de animais,
da, no chamado “Santo dos San- que eram oferecidos a Deus pe-
tos”, para onde levava o sangue do los sacerdotes, desde o tempo de
sacrifício e o oferecia pelos peca- Moisés até Jesus. Desta forma, o
dos do povo, ritual este que foi um autor da Carta aos Hebreus criou
modelo do que aconteceu no céu, uma forte relação entre o Novo e o
quando Jesus Cristo morreu na Velho Testamento.

116 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 23
É Melhor Você Crer!

As próximas duas expressões- o objetivo imediato que era: encora-


chaves são “crer” e “cuidado”. O jar os judeus cristãos, que estavam
autor lança vários alertas contra a sofrendo e se sentiam desanima-
sutil apostasia no meio da igreja. dos, a ponto de abandonar a fé. O
Lembre-se que a “apostasia” é o autor se dispôs a encorajar o povo
ato da pessoa se distanciar dos judeu, que ainda não tinha coloca-
princípios de fé anteriormente fir- do sua fé em Cristo, a assumir um
mados. O conceito que o autor faz compromisso real de fé. Ele não
de “apostasia” não tem muito a apenas dirigiu seu discurso àqueles
ver com uma teologia errada, mas que ainda não tinham sua fé firma-
com uma pessoa que possui um da em Cristo, mas, também, aos
conceito teológico correto, mas que não tinham sua fé direcionada
não o pratica. a Jesus Cristo.
Esta carta é repleta de exorta- Os alertas do autor continuam,
ções e alertas, através de expres- à medida que ele cita um episódio
sões como “por esta razão”, “por- da História Hebraica, registrado
tanto” e “pois” (2.1; 3.13; 4.1,11). no Livro de Números, capítulo 14.
Fique atento quando vir uma des- Durante a peregrinação do povo
tas expressões, pois muitos destes de Israel, por 40 anos, Deus o de-
alertas estão relacionados à obra safiou a crer nEle, através de dez
de Cristo em nós ou através de nós. milagres, no intuito de dar àque-
As exortações costumam ser sem- le povo a fé necessária para que
pre uma conclamação: “temamos”, invadissem as cidades fortificadas
“esforcemo-nos”, “aproximemo- de Canaã.
nos”, “guardemos” e “considere- Deus chegou a dizer àquela
mo-nos” (4.1,11; 10.22-24). geração: “... não entrareis na ter-
Ao fazer a leitura desta carta, ra a respeito da qual jurei que vos
lembre-se sempre da sua argumen- faria habitar nela, salvo Calebe,
tação básica, porque, quando você filho de Jefoné, e Josué, filho de
entendê-la, também compreenderá Num” (Números 14.30). O autor

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 117


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

advertiu os seus leitores para que respeito de Melquisedeque. Então,


não agissem como seus antepas- ele define o tipo de dieta espiritual
sados, que não tiveram fé, mas, que eles precisavam para crescer
que entrassem, espiritualmente, espiritualmente (5.12-14).
na Terra Prometida, a qual ele Quando você vai à igreja, seu
chama de “descanso” (3.7-4.1). pastor, que já digeriu um pouco
Nos capítulos 3 e 4, o autor mais de alimento espiritual das
escreve, essencialmente, o seguin- Escrituras, ensina o que ele dige-
te: “Se vocês ouvirem a voz de riu. Quando você bebe leite, está
Deus, mas não atentarem para ela, tomando um alimento pré-digeri-
serão como aquele povo que andou do, destinado a crianças que ainda
em círculos no deserto, durante 40 não desenvolveram toda capaci-
anos. Chegará o dia em que não dade do seu sistema digestivo. Se
ouvirão mais a voz de Deus, pois tudo o que você recebe das Escri-
Ele vai se afastar, e vocês não po- turas vem do seu pastor, significa
derão entrar na Terra Prometida. que você é um bebê espiritual.
No capítulo 5, o autor trata de Entretanto, se você se alimen-
uma questão muito difícil de ser tar das Escrituras com a ajuda do
compreendida. Ele quer mostrar Espírito Santo, você receberá uma
que Jesus Cristo é melhor que qual- alimentação com substância e fi-
quer outro sacerdote que viveu. Os cará espiritualmente nutrido.
judeus esperavam que o autor pro- De acordo com o ensino do
vasse que Jesus era um sacerdote apóstolo João, o resultado de ser
da ordem de Arão ou Levi, mas, nascido de novo é Cristo ter entra-
para começar, ele afirma que Jesus do no seu coração e você ter re-
é um sacerdote especial, da ordem cebido a unção do Espírito Santo.
de Melquisedeque. João quer que você entenda isso,
Neste ponto, o autor faz um pois escreveu: “... a unção que
parêntese e acrescenta: “A esse dele recebeste permanece em vós,
respeito temos muitas coisas que e não tendes necessidade de que
dizer e difíceis de explicar” (5.11). alguém vos ensine” (I João 2.27a).
Com este parêntese, ele lamenta O capítulo 6 de Hebreus pos-
que eles não tivessem crescido no sui alguns versículos que, há sécu-
entendimento das Escrituras, a los, têm perturbado almas devotas.
ponto de entender o que ele dizia a Confira o texto de Hebreus 6.4-12.

118 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Alguns estudiosos acham que este objetivo desta exortação do capí-


texto está afirmando que é possí- tulo 6, do Livro de Hebreus.
vel que crentes verdadeiros percam Os versículos 4-6 do capítulo
sua salvação. Eu não concordo com 6 devem ser interpretados dentro
esta afirmação. O texto afirma: “... do contexto e do objetivo geral
estamos convictos de coisas que do livro. De acordo com o autor,
são melhores em relação a vocês, ele não estava falando daquilo
coisas próprias da salvação” (6.9). que acompanha a salvação. Toda
Quando o autor usa palavras como exortação neste livro é dirigida a
“iluminados”, “provaram” e “parti- crentes professos, mas que ainda
cipantes”, ele não está se referindo não nasceram de novo, porque
ao crente que experimentou a rege- a fé salvadora que os leva a um
neração ou “novo nascimento”. Ele compromisso com Jesus Cristo é
está falando da pessoa que está muito pequena. É como se o autor
sendo atraída pelo Espírito Santo, estivesse advertindo aquele tipo
a ponto de experimentar ou parti- de pessoa que vai ao mercado,
cipar de uma nova dimensão, mas entra em todas as lojas e sai sem
que ainda não cruzou a linha da fé comprar nada.
e do novo nascimento. Usando a metáfora de Jesus,
Eu gostaria de lembrá-lo que o autor desta carta quer que seus
um dos objetivos deste livro é leitores nasçam de novo. Ele de-
exortar os judeus que já creram fende seu ponto de vista, dizendo
em Jesus Cristo a darem um passo que, se alguém tiver nascido de
definitivo de fé em Cristo. O propó- novo, não perde sua salvação, po-
sito da argumentação é desafiá-los rém, pode ser que, ao invés de um
a se posicionarem e sofrerem com novo nascimento, aconteça um
Jesus Cristo; a firmarem um com- “aborto espontâneo” ou natural.
promisso autêntico com seu Mes- Então, essa pessoa corre o risco de
sias e, depois, terem a certeza da ser “abortada” durante o período
sua salvação. Creio que este seja o de “gestação”.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 119


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 24
Foco na Fé

O centro da mensagem desta viverá pela fé” (Habacuque 2.4b).


carta está no capítulo 11. Este ca- Neste contexto, o autor estava di-
pítulo é conhecido como “O Capí- zendo: “Não se desfaçam desta fé,
tulo da Fé” da Bíblia. Na verdade, porque vocês vão precisar dela.
o assunto do capítulo 11 inicia-se Além de terem sido salvos por ela,
no final do capítulo 10, quando o vocês viverão ela”.
autor apresenta aos leitores um Diante da nossa dificuldade
conjunto de razões, a fim de que de definir fé, recorremos ao au-
eles não abandonem a fé (10.35) tor de Hebreus, que diz: “Ora, a
que os tinha salvado, exortando-os fé é a certeza de coisas que se
a refletirem sobre o tempo em que esperam, a convicção de fatos
tinham sido salvos. Este foi o argu- que se não vêem” (11.1). “Es-
mento do autor: não joguem fora a perança” é a expectativa de que
fé que os salvou! existe algo bom nesta vida, que
Aparentemente, a conversão um dia você vai experimentar.
deles tinha sido autêntica e marca- No Velho Testamento, temos re-
da por um amor genuíno por Cris- ferências que indicam como “ver
to; por isso, o autor procura tra- o bem”. Davi desafiou fugitivos
zer-lhes à lembrança como tinham e falidos com a seguinte pergun-
suportado perdas, sabendo que, no ta: “Quem é o homem que ama
céu, receberiam uma recompensa a vida e quer longevidade para
superior. Também os faz recordar a ver o bem?” (Salmo 34.12). Ele
sua primeira experiência de fé, da mesmo já tinha respondido sua
salvação que eles receberam e do pergunta, no versículo 8, com um
seu significado: “entendam que vo- convite: “Oh! Provai e vede que
cês foram salvos pela fé. Não im- o Senhor é bom; bem-aventurado
porta o que aconteça, não joguem o homem que nele se refugia”.
fora esta fé”. No versículo 38 do Para que se tenha fé é necessário
capítulo 10, o autor cita o profeta que haja alguma evidência que
Habacuque: “Todavia, o meu justo sustente a convicção de que algo

120 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

bom vai acontecer. A fé sustenta é necessário que aquele que se


a esperança e é a base que lhe dá aproxima de Deus creia que ele
crédito; ela é a evidência do que existe e que se torna galardoador
não se vê. dos que o buscam” (11.6).
Quando você tem a fé da Bí- Preste atenção na lógica des-
blia, o objeto da sua fé não é visí- ta argumentação: ela sustenta a
vel, pois, quando você o vê, não ideia de que não devemos aban-
precisa mais dela. É como o aro- donar a fé, porque, sem ela, não
ma de um prato que você ainda podemos nos aproximar de Deus
não viu, mas sente o seu cheiro, ou agradá-Lo. Em seguida, o autor
evidenciando que a refeição está passa a citar aqueles que agrada-
para ser servida. Uma boa defini- ram a Deus com sua fé.
ção de fé pode ser: “A fé é o ato de Enoque foi um dos exemplos.
se crer em algo ou em alguém que Parece que ele estava tão perto de
não se vê, baseado na evidência”. Deus que, um dia, Deus lhe disse:
Neste caso, o invisível é Deus. “Enoque, nós estamos mais próxi-
O autor está dizendo que a maior mos da Minha casa que da sua,
evidência de que Deus existe é a por que você não vem ficar Comi-
pessoa que tem fé. De acordo com go?” Deus levou Enoque para o
o Novo Testamento, a fé é um dom céu, porque ele andava com Deus
de Deus (Efésios 2.8; Filipenses e O agradava ( 11.5).
1.29). Portanto, a maior evidência Há, ainda, inúmeros exem-
de que o Doador da fé existe é a plos de homens tementes a Deus
pessoa que tem fé nEle: “Ora, a fé que tiveram fé. Leia o capítulo 11
é a certeza de coisas que se es- de Hebreus e sublinhe os verbos
peram, a convicção de fatos que que indicam ação. Todos os heróis
se não vêem”(11.1). Entre outras de fé fizeram alguma coisa; por
coisas, o autor deste documento isso, eu digo que a fé é um ato que
tão importante está nos dizendo se expressa em alguém ou em al-
que a fé, por si só, é a evidência guma coisa que não se vê, que se
da existência do Deus invisível. baseia em uma evidência.
O autor apresenta outra razão Deus comissionou Noé para
para seus leitores não abandona- construir uma arca, antes que tives-
rem a fé: “De fato, sem fé é impos- se chovido alguma vez sobre a ter-
sível agradar a Deus, porquanto ra. Este é um dos exemplos citados

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 121


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

pelo autor como “fatos que se não nossa fé, porque existe uma grande
vêem”. A história de Noé, descrita multidão de testemunhas torcendo
em quatro capítulos, no Livro de Gê- por nós, na nossa corrida de fé.
nesis, é resumida em um versículo, Você é filho de Deus e, por
neste capítulo da fé: “Pela fé, Noé, isto, quando O desobedece, Ele
divinamente instruído acerca dos o disciplina. De acordo com este
acontecimentos que ainda não se texto, se você está sofrendo, se
viam, sendo temente a Deus, apa- está sendo perseguido, o seu sofri-
relhou uma arca para a salvação mento é uma confirmação de que
de sua casa; pela qual condenou o você é filho ou filha de Deus: “...
mundo e se tornou herdeiro da jus- Deus, porém, nos disciplina para
tiça que vem da fé” (11.7). aproveitamento, a fim de sermos
Noé foi um pregador da jus- participantes da sua santidade”
tiça durante os 120 anos em que (12.10). O autor ainda afirma que
passou construindo a arca. A única a disciplina produz fruto pacífico
maneira que havia para se salvar de justiça (12.11).
era entrar na arca. Pedro afirmou O autor caminha para a con-
que a arca é uma figura da salva- clusão desta carta, exortando-nos
ção. No versículo mencionado, le- para que sejamos hospitaleiros:
mos que Noé é descrito como uma “Não negligencieis a hospitali-
figura da fé, do seu significado e dade, pois alguns, praticando-a,
do que ela pode fazer. sem o saber, acolheram anjos”
No capítulo 12, o autor men- (13.2). A seguir, ele aconselha que
ciona uma “grande nuvem de tes- nos lembremos dos que estão pre-
temunhas”, que nos assistem na sos, como se estivéssemos na pri-
carreira que nos foi proposta, as são com eles (muitos membros da
quais já venceram sua corrida. Igreja Primitiva estavam encarce-
Você acredita que as pessoas que rados naqueles dias). Finalmente,
já morreram, aquelas que viveram o autor concluiu esta obra-prima
antes de nós, sabem o que acon- com uma exortação à obediência
tece na nossa vida hoje? Podemos aos pastores das nossas almas,
interpretar o autor de Hebreus des- responsáveis pelo nosso bem estar
ta forma: não devemos abandonar espiritual.

122 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 25
A Carta de Tiago

A Carta de Tiago é extrema- A tradição conta que Tiago foi


mente prática e alguns teólogos jogado do pináculo do Templo e
a consideram “Os Provérbios do espancado até à morte pelo sumo
Novo Testamento”. Ela é como se sacerdote, o que teria provocado
fosse um comentário dos ensina- uma revolta na comunidade ju-
mentos de Jesus Cristo, principal- daica, que causou a sua expulsão.
mente do Sermão do Monte. Você Quando, em 70 d.C., Tito, o ge-
encontra pelo menos dez exem- neral romano, destruiu Jerusalém,
plos de citações e aplicações que muitos judeus devotos acredita-
Tiago fez do ensino de Jesus. ram que aquilo fosse um castigo
A maioria dos teólogos acre- de Deus por causa do martírio do
dita que ele tenha sido irmão de piedoso Tiago.
Jesus Cristo. Durante o ministério Como a epístola de Tiago é
de três anos de Jesus, seu irmão uma das Cartas Gerais, ela apare-
não creu nEle. Mas, depois da Sua ce no final do Novo Testamento,
ressurreição, Paulo relata que Je- junto com as outras assim deno-
sus apareceu a Pedro e Tiago (I minadas, mas, na verdade, acre-
Coríntios 15.5,7). dita-se que ela tenha sido uma
É interessante observar que, das primeiras cartas do Novo Tes-
assim que se converteu, Tiago foi tamento a serem escritas, antes
considerado como um dos prin- mesmo das cartas de Paulo.
cipais líderes da Igreja do Novo
Testamento e presidiu o Concílio A mensagem de Tiago
em Jerusalém, relatado em Atos Ao estudarmos o segundo capí-
15. Foi a ele que Paulo se referiu tulo de sua carta, observamos que
em Gálatas 2.9, onde relata que, Tiago foi enfático em afirmar que
quando foi a Jerusalém, havia lá não somos salvos apenas pela fé,
três homens considerados os pila- mas pela fé acompanhada de obras.
res da igreja: João, Pedro e Tiago. Teólogos acreditam que Tiago a

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 123


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

tenha escrito antes que houvesse vida, a qual o Senhor prometeu


qualquer gentio convertido, já que aos que o amam” (1.12).
ela parece ter sido dirigida, princi- Quando as tempestades da
palmente, aos judeus legalistas. vida o levam a ponto de não saber o
que fazer, você percebe que precisa
Dois tipos de tentação de mais sabedoria que tem. Tiago
Aprendemos, no primeiro ca- nos orienta a pedirmos sabedoria a
pítulo desta epístola, que Tiago Deus, que “a todos dá liberalmen-
era um homem que não se preocu- te... e ser-lhe-á concedida” (1.5).
pava com a aparência superficial
das coisas, mas com a essência A anatomia do pecado
delas, no que era muito parecido A seguir, Tiago define um tipo
com Jesus, que retratou a questão de provação, na qual não devería-
do homem interior e do exterior mos nos alegrar. Do versículo 13
e as reais motivações das nossas ao 15 do primeiro capítulo, Tiago
ações. A essência da mensagem apresenta o que podemos chamar
de Tiago assemelha-se aos valores de “A Anatomia do Pecado”. Ao
enfatizados no ensino de Jesus. mesmo tempo em que ele afirma
Tiago inicia sua carta falan- que a tentação do pecado não
do sobre a origem e as consequ- vem de Deus, afirma que ela tam-
ências das nossas tribulações. bém não vem do diabo. A tenta-
Em algumas traduções a palavra ção é originada pela nossa natu-
“tentação” é usada no lugar de reza pecaminosa; ela provem de
“tribulação” ou “provação”. Ele nós mesmos.
distingue um caso do outro e re- É assim que funciona: primei-
fere-se à provação do sofrimento: ro você vê alguma coisa; a seguir
“Meus irmãos, tende por motivo acontece a lascívia, um forte de-
de toda alegria o passardes por sejo pelo que você viu. Imagine
várias provações” (1.2). que você tenha visto um pedaço
Tiago afirma que devemos nos de metal e que a sua lascívia fun-
alegrar durante as provações por- cione como um imã potente. Se
que: “A prova de fé serve para nos você não fizer nada para quebrar o
levar à confiança. Se você aceitar campo magnético entre a lascívia e
a prova, experimentará a confian- o objeto da lascívia, um dia haverá
ça, o triunfo da fé e a “... coroa da a confrontação com a tentação.

124 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

De acordo com Tiago, a ten- Jesus ensinou, na oração do Pai


tação não é o pecado. Você não Nosso: “Não nos deixes cair em
peca só porque é tentado. Jesus tentação” (Mateus 6.13).
foi tentado em todos os pontos que
nós somos e não pecou (Hebreus Resumo
4.15). Geralmente a tentação leva No primeiro capítulo de sua
a atos revelados de pecado. Quan- carta, Tiago conta como Deus
do você dá vazão à tentação e ao pode nos fazer crescer em meio às
pecado em si, a consequência é provações. Ele também está falan-
sempre a morte (Romanos 6.23). do sobre a sequência da tentação,
A questão da anatomia do pe- que leva ao pecado e à morte. Po-
cado é: se você não quiser pecar, demos resumir assim o primeiro
deve vencer a batalha com o peca- capítulo de Tiago: provação para
do, no estágio da lascívia, ou seja, a vida, tentação para a morte e a
antes de confrontar a tentação. diferença entre os dois.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 125


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 26
Dois Tipos de Religião

Tiago afirma que a Palavra de correção. Quando você olha para


Deus é o agente divino, que gera o “Espelho perfeito” de Deus, que
vida espiritual em seu coração, é a Sua Palavra, verá refletida em
dando-lhe uma experiência rege- sua vida a lei do pecado e da mor-
neradora. Também lhe dá poder te. Então, você poderá tomar algu-
para viver vitoriosamente sobre o ma providência a respeito daquilo
pecado. que vê refletido no espelho.
Depois de ler o primeiro capítu- Tiago afirma que, se sua rea-
lo, onde Tiago deu as más notícias, ção à Palavra de Deus for a mes-
a respeito da tentação e do pecado, ma que você tem diante do es-
lemos a boa notícia, a respeito de pelho, descobrirá que Ela é viva.
como Deus opera o milagre da sal- Daí, a sua forte exortação ao tipo
vação em nossos corações. Tiago de resposta que damos à Palavra
afirmou que é na Palavra de Deus de Deus. Tiago ironiza aquele ho-
que encontramos solução para a mem que lê a Palavra de Deus,
tentação em nossas vidas. mas não lhe obedece. Ele diz que
Até o capítulo 2, Tiago faz é como o homem que se olha no
uma forte exortação sobre a im- espelho todas as manhãs e, de-
portância de se obedecer à Pala- pois de ver sua aparência, não se
vra de Deus. Depois de afirmar lembra mais dela.
que a Palavra de Deus plantada Quando os crentes não são
em nós é o agente que opera a re- praticantes da Palavra, produzem
generação, dependendo da nossa uma falsa religião. A verdadeira re-
resposta a ela, Tiago formula uma ligião obedece à Palavra de Deus,
bela metáfora: “a Palavra de Deus visitando as viúvas e os órfãos, vi-
é como um espelho”. vendo em santidade (1.27).
O objetivo de um espelho é
mostrar as imperfeições na repro- Dois tipos de fé
dução da imagem, para que se No segundo capítulo de sua
tomem as medidas necessárias de carta, Tiago começa a escrever

126 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

sobre a avaliação que fazemos importância da graça. Jesus disse:


dos outros, baseados nos símbo- “... pelos seus frutos os conhece-
los externos de status da pessoa, reis” (Mateus 7.20) e enfatizou
enquanto Deus avalia as pessoas que o homem que ouve o Seu ensi-
pelo que elas têm no coração. É no e não o pratica constrói sua casa
o que lemos em I Samuel 16.7: (sua vida espiritual) sem um funda-
“... o Senhor não vê como vê o mento sólido. Tiago escreveu que
homem. O homem vê o exterior, as obras são os frutos que sempre
porém, o Senhor, o coração”. crescem na árvore da fé.
A seguir, Tiago fala sobre a fé Alguém já afirmou que “a fé
falsa e a fé verdadeira, uma das sozinha salva, mas a fé que salva
passagens mais controversas do nunca está sozinha”. Somos salvos
Novo Testamento (2.14-26). É somente pela fé, mas nossas obras
apenas aparente a contradição que provam quando nossa fé é autênti-
parece haver entre a posição de ca, porque as obras sempre acom-
Tiago e a de Paulo, a respeito da panham e validam a fé verdadeira.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 127


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 27
Dois Tipos de Sabedoria

No capítulo 3 de sua carta, na sua boca, para ser controlado


Tiago enfoca as fontes das dis- por aquele que o treinou.
ciplinas espirituais que nos pos- Esta bonita expressão “man-
sibilitam andar na fé. Ele afirma sidão de sabedoria” leva Tiago a
que para começarmos a praticar afirmar que há dois tipos de sabe-
as disciplinas espirituais devemos doria neste mundo. Uma vem do
aprender a dominar a língua. A diabo e a outra de Deus. Os frutos
única maneira de fazer isso é en- produzidos no “jardim” das nossas
tendendo o que significa “mansi- vidas identificam a fonte da sua
dão de sabedoria”, mencionada sabedoria.
por Tiago.
Você certamente está lembra- Resumo
do de que “ser manso” significa Tiago quer que entendamos
“ser domado”. Antes de um cavalo quais são as fontes das forças que
ser domado, ele é um animal forte influenciam nossas vidas. Não
e selvagem. Depois de domado, ele vem de Deus a tentação que nos
continua forte, mas sua força está leva a pecar e, depois, sofrer as
“sob controle”. Assim, a expressão consequências do pecado come-
“mansidão de sabedoria” significa tido. Você pode ser levado pela
“sabedoria sob controle”. Quando Palavra de Deus a um relaciona-
Deus lhe dá sabedoria, você preci- mento com Ele que o possibilite
sa pedir ao Espírito Santo que lhe erguer-se acima das forças, cuja
dê a graça e a disciplina necessá- função é destruir espiritualmente
rias para aplicar esta sabedoria. alguém. Tiago exorta a que culti-
Em outras palavras, você precisa vemos e experimentemos, no jar-
submeter sua vida ao controle de dim das nossas vidas, a sabedoria
Deus, da mesma forma que um que vem de Deus, plantada pela
cavalo se submete à cela e ao freio Sua Palavra.

128 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 28
As Fontes das Soluções

Tiago fala sobre as fontes e é uma figura do nosso Pai amoroso.


a sequência do pecado e da sal- Enquanto o filho pródigo está
vação. Nos capítulos 3 e 4, ele em um país distante, seu pai deixa
fala das fontes envolvidas em que ele sofra as terríveis consequ-
nossa santificação e da solução ências das más escolhas que fez.
final para o problema do pecado. Mas, quando o filho dá os primei-
Através destes capítulos, podemos ros passos de volta para a casa do
perceber como Tiago desejava ar- pai, aquele velho homem corre ao
dentemente a santificação. seu encontro. Assim é ilustrado o
Esta parte da carta é repleta amor de Deus.
de aplicações. Observe a exor- O ensino de Jesus, como a
tação de Tiago: “Sujeitai-vos a exortação de Tiago, é: “aproxime-
Deus” (4.7). Se você quiser enten- se de Deus e Ele vai se aproximar
der qual é a chave para a santi- de você”. Se dermos um passo em
ficação e qual a solução para as direção a Deus, Ele virá correndo
sutilezas e seduções do pecado, ao nosso encontro.
submeta-se a Deus. A submissão Você realmente acredita que
a Deus é sua ofensiva espiritual. Deus o ama? Algumas pessoas
A seguir, veja como Tiago des- acham que não têm valor algum
creve a estratégia de defesa espiri- e não acreditam que alguém as
tual, para estar preparado, quando possa amar, muito menos Deus,
o diabo o tentar a pecar. Ele diz que conhece tudo sobre nós; por
claramente: “resisti ao diabo, e ele isso estou aqui para dizer, na au-
fugirá de vós” (4.7). Quando Jesus toridade da Palavra de Deus, que
ensinou a Parábola do Filho Pródi- Deus ama você! O amor de Deus
go (Lucas 15.11-32), quis ilustrar por você é como o daquele homem
o amor de Deus: um homem velho, velho correndo ao encontro do seu
correndo para abraçar o filho, que filho. Não importa a opinião que
estava voltando para casa, depois você tenha a respeito de si mesmo;
de viver distante e no pecado. Esta Deus o ama incondicionalmente!

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 129


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

No capítulo 4 desta prática são exortados a ministrar uns para


epístola, Tiago é enfático e obje- os outros. Todos os dons do Espíri-
tivo nas exortações, aplicações e to visam a edificação da Igreja.
nos paralelos que faz com o ensino O último capítulo também fala
de Jesus. Sua carta é como se fos- sobre a cura. Tiago ensina que a
se um comentário sobre o ensina- cura acontece quando o Corpo de
mento de Jesus. Cristo está reunido. Seria bom que
Uma das belas exortações hoje todos entendessem isso! Creio
surge quando ele nos lembra que na fé que cura. Creio que Deus
estamos todos nas mãos de Deus; cura. Não acho que Deus sempre
nosso tempo está nas mãos de queira operar a cura, mas acredi-
Deus; tudo está nas mãos de Deus. to que Deus pode curar e que Ele
Devemos entender que, se Deus cura. A cura da qual Tiago fala não
não nos der graça, saúde e vida, no acontece em uma grande concen-
ano que vem não poderemos fazer tração com apenas um líder curan-
nada do que fazemos hoje. do, mas na igreja reunida nos lares.
No restante desta carta, Tiago Aquele que está doente deve
apresenta o que podemos chamar ter fé suficiente para chamar os lí-
de “As Sequências das Soluções deres da igreja, os quais devem ter
de Deus”. Ele fala da Segunda fé suficiente para atender o cha-
Vinda de Jesus Cristo e, como os mado e, de acordo com a instru-
apóstolos, afirma que esta será a ção dada nesta carta, colocar as
solução final de Deus em relação a mãos sobre o doente e ungi-lo com
todos os problemas da terra. Tan- óleo “e a oração da fé salvará o
to os profetas, como os autores do enfermo” (5.15).
Novo Testamento, eram sempre Tiago continua dizendo que,
muito práticos, quando falavam se a pessoa doente cometeu pe-
da Segunda Vinda de Cristo. Que cados, deve confessá-los e crer no
tipo de pessoa você deve ser hoje, perdão. Às vezes, a culpa do peca-
diante da vinda de Cristo? do não confessado e não perdoado
No final da carta, Tiago escre- pode ser o ativador da doença.
ve um texto muito bonito sobre o Existem muitos princípios prá-
que chamamos de “O Corpo Vivo ticos nesta carta de Tiago. Estude
de Cristo”, a Igreja. No Novo Testa- -a e peça a Deus para aplicá-la em
mento, todos os membros do Corpo sua vida e na de sua igreja.

130 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 29
As Cartas de Pedro – Os Três Pedros

Encontramos três Pedros dife- João, você me ama mais que es-
rentes no Novo Testamento. Existe tes?” (João 21.15). Seis dos ho-
o Pedro dos Evangelhos, o Pedro mens que estavam presentes na
do Livro de Atos e o Pedro das Última Ceia e viram Pedro se gabar
duas cartas. de que eles poderiam negar Jesus,
Os Evangelhos relatam estas mas ele jamais o faria, ouviram
palavras de Jesus: “Simão, Simão, quando Jesus fez esta pergunta,
eis que Satanás vos reclamou, usando a palavra grega “ágape”,
para vos peneirar como trigo! Eu, que significa amor incondicional.
porém, roguei por ti, para que a Pedro respondeu usando a pa-
tua fé não desfaleça; tu, pois, lavra “phileo”, dizendo: “O Senhor
quando te converteres, fortalece sabe que o meu amor por Ti é como
os teus irmãos” (Lucas 22.31,32). amor de amigo”. Agora, Pedro não
Este diálogo entre Jesus e Pe- estava mais se gabando; ele tinha
dro é muito intrigante por causa sido quebrantado. Jesus respondeu:
da palavra “converter”, e levanta “Cuide dos meus cordeiros”, como
duas perguntas: O que é conver- se dissesse: “Quero alguém como
são? Quando Pedro se converteu? você, que sabe o que é errar e cair,
“Converter-se” significa expe- cuidando dos meus cordeiros”.
rimentar uma reviravolta completa Depois, o Senhor lhe pergun-
na vida. Conversão não é passar a tou: “Simão, filho de João, você
frequentar uma igreja ou ser bati- me ama?”. Desta vez, Ele não se
zado. Converter-se é ser virado do referiu aos outros; apenas pergun-
avesso! Depois que Pedro negou tou se Pedro O amava, novamente
Jesus, saiu e chorou amargamen- usando a palavra “ágape”. Pedro
te. Ele descobriu que sem Jesus respondeu: “O Senhor sabe a res-
não era ninguém. posta. O Senhor sabe que o meu
Quando Jesus apareceu para amor por Ti não passa de um amor
Pedro, depois da ressurreição, e ‘phileo’”. Jesus disse: “Pastoreie
lhe perguntou: “Simão, filho de as minhas ovelhas” (João 21.16).

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 131


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Na terceira vez, o Senhor per- Como já mencionamos, no


guntou, usando a palavra ‘phileo’: Novo Testamento deparamo-nos
Você me ama como se eu fosse seu com três Pedros diferentes. A vida
amigo?”. A esta altura o espírito de espiritual de Pedro nos Evangelhos
Pedro estava ainda mais quebran- é cheia de altos e baixos. Porém, o
tado, e ele respondeu: “Senhor, Pedro de Atos é diferente, é mais
tu sabes todas as coisas, tu sa- estável.
bes que eu te amo” (João 21.17). Fiz menção a todos estes fa-
Novamente, o Senhor respondeu: tos para poder afirmar que o Pedro
“Cuide das minhas ovelhas”. que escreveu as epístolas é dife-
Quando Jesus apareceu a Pe- rente dos outros dois apresenta-
dro, depois da ressurreição, conven- dos. Quando escreveu as epístolas
cendo-o de que, apesar de ter errado, em estudo, Pedro já era idoso e se
ele estava qualificado para pastorear encontrava em Roma.
e alimentar as Suas ovelhas, Pedro Ele escreveu suas cartas aos
aprendeu que ele era alguém. judeus seguidores de Cristo espa-
Lemos, no Livro de Atos, que lhados por toda Ásia Menor, que
Pedro e o mundo inteiro descobri- hoje é território da Turquia, os
ram o que Deus pode fazer com quais haviam sido dispersos por
alguém que aprendeu que é nin- causa da perseguição. Quando Pe-
guém. Por que o Espírito Santo dro faz referência à Babilônia, na
usou Pedro no Dia de Pentecos- verdade está se referindo a Roma,
tes? Porque Pedro conhecia estes onde a perseguição estava se
segredos melhor que ninguém: acentuando e, certamente, se es-
palharia para todas as províncias,
“Eu não sou, mas Ele é e eu para onde os judeus, seguidores
estou nEle e Ele está em mim. de Cristo, tinham fugido. O objeti-
Eu não posso fazer, mas Ele vo principal de suas cartas, como
pode e eu estou nEle e Ele está pastor, foi orientar e confortar os
em mim. Eu não quero, mas que estavam sofrendo.
Ele quer e eu estou nEle e Ele Para que este estudo seja mais
está em mim. Eu não fiz, mas produtivo, quero compartilhar com
Ele fez, porque eu estava nEle você algumas observações. Pedro
e Ele estava em mim”. era um homem de pouca instru-
ção, por isso lemos, no final de

132 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

uma de suas cartas: “Com a ajuda a falar sobre Noé e o dilúvio; depois
de Silvano, a quem considero ir- fala sobre o batismo e faz reflexões
mão fiel, eu lhes escrevi resumi- profundas sobre este assunto.
damente” (I Pedro 5.12). João é o apóstolo do amor;
A argumentação de Pedro em Paulo é o apóstolo da fé, e Pedro é
suas cartas é sistemática. Encon- o apóstolo da esperança. As cartas
tramos uma sabedoria muito pro- de Pedro dão esperança aos que
funda a respeito do conhecimento sofrem.
de Deus e de Jesus Cristo. Às ve- No relato dos Evangelhos,
zes, ele vai de um assunto para ou- quando Pedro conheceu Jesus,
tro, escrevendo a respeito de verda- provavelmente era um homem in-
des espirituais difíceis de entender. crédulo. A palavra “precioso” não
Pedro apresenta Jesus pregan- devia fazer parte do seu vocabulá-
do para espíritos na prisão. A res- rio. O Pedro destas duas cartas é
peito deste relato, Martinho Lutero um pastor idoso, para quem Deus
disse: “Ninguém sabe o que esta é precioso, a Palavra é preciosa,
passagem significa”. Depois de falar a salvação é preciosa e o povo de
sobre este assunto, de repente passa Deus é precioso.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 133


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 30
A Primeira Carta de Pedro

Esta carta é dirigida aos cris- do novo nascimento e da eleição.


tãos judeus espalhados por toda Os profetas tinham anunciado a
a Ásia Menor, com a intenção de salvação pregada no Dia de Pen-
orientá-los e encorajá-los diante tecostes e Pedro acreditou que a
do sofrimento que estavam pas- salvação profetizada no Velho Tes-
sando. Pedro procura esclarecer tamento tinha sido cumprida na-
a razão de Deus permitir que Seu queles dias.
povo sofra. Não temos dados históricos
A primeira geração da Igreja que mostrem quantas pessoas
passou por muita perseguição. Na morreram naquele tempo por cau-
verdade, durante os três primeiros sa da perseguição, para que hoje
séculos da História da Igreja, ser tenhamos tantas bênçãos espiritu-
seguidor de Jesus Cristo era con- ais. Reflita um pouco sobre a Pa-
siderado um ato de ilegalidade. lavra de Deus. Quando iniciamos
Pedro faz duas observações a este curso, vimos alguma coisa so-
respeito do sofrimento. Primeiro: bre a maneira como os livros da Bí-
“é necessário”. Ele acredita que blia foram compilados, no Livro Sa-
Deus, às vezes, permite o sofri- grado, da forma que conhecemos
mento porque precisamos sofrer. hoje. Um estudo simples mostra o
A segunda observação: “é por um quanto se deve àqueles que deram
pouco de tempo”. A terceira obser- suas vidas para que hoje tenhamos
vação é feita quando ele relaciona acesso à preciosa Palavra de Deus.
a fé ao ouro. O ouro é um metal À medida que compreende-
precioso e é purificado através do mos melhor o processo de salva-
fogo. O que realmente importa ção, compreendemos porque Pedro
para Deus, quando contempla a ressalta a dívida que temos com
vida dos seus servos, é a fé e o tantas pessoas. Se hoje é o dia da
crescimento espiritual (1.6,7). colheita, lembre-se que muitas pes-
Quando Pedro enfoca a ques- soas sofreram para semear o que
tão da salvação, trata dos conceitos hoje colhemos (João 4.36-38).

134 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Pedro relembra o que apren- mas de incorruptível, mediante a


demos com os livros de Êxodo, palavra de Deus, a qual vive e é
Levítico, Deuteronômio e Rute ao permanente” (1.22,23).
escrever que Jesus é nosso “Re- Pedro compara o nascimen-
dentor”, pois comprou-nos com to espiritual ao nascimento físico.
Sua morte e nos trouxe de volta Ele afirma que a semente (a pala-
para Deus, através da Sua ressur- vra grega usada foi esperma) in-
reição, a qual restabeleceu nossa corruptível é a Palavra de Deus e
comunhão com Deus (1.18,19). que nossa fé é como um “óvulo”.
Quando respondemos à Palavra de
Reflexões sobre a regeneração Deus em fé, ela, como “esperma”
Quando nascemos, não temos fertiliza o “óvulo” da nossa fé e a
consciência de tudo o que envolve vida espiritual é concebida em nós.
o processo de nascimento. Para vir Pedro também fala a respeito
ao mundo, você não precisa sa- do novo nascimento, como ele se
ber como o nascimento físico se processa em nós, e como nossas
processa, porque você é agente almas são purificadas, quando ou-
passivo nessa experiência. Quan- vimos, cremos e respondemos em
do o novo nascimento acontece, obediência à Palavra de Deus.
você também não entende, mas, Você nunca se perguntou qual
depois, quando reflete sobre ele, é a relação entre a Igreja do Novo
compreende melhor tudo o que Testamento e o povo de Deus no
aconteceu em sua vida. Velho Testamento? Nesta passa-
O mais importante de qual- gem, compreendemos sua iden-
quer experiência espiritual não tificação. No Velho Testamento,
é como ela se processa, mas os Deus queria reinar sobre o povo de
seus resultados. É assim que este Israel, mas aquele povo procurou
grande apóstolo trata a questão do Samuel e lhe disse que não queria
novo nascimento: “Tendo purifica- mais Deus como seu Rei.
do a vossa alma, pela vossa obedi- Depois de tudo o que aconte-
ência à verdade, tendo em vista o ceu no reino de Israel, os dois ca-
amor fraternal não fingido, amai- tiveiros e os quatrocentos anos de
vos, de coração, uns aos outros, silêncio, Jesus e João Batista apa-
ardentemente, pois fostes regene- receram, pregando as Boas Novas
rados não de semente corruptível, do Reino de Deus: “Não vem o

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 135


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Reino de Deus com visível apa- Pedro dirige este ensino às


rência... Porque o Reino de Deus mulheres, cujos maridos são incré-
está dentro de vós” (Lucas 17.21; dulos ou crentes desobedientes à
João 3.3-5). Palavra, aconselhando-as a serem
Pedro afirmou aos judeus se- submissas aos seus maridos, como
guidores de Cristo, que estavam a Igreja é submissa a Cristo. Não é
espalhados por toda Ásia Menor, fácil ser submissa, mas não é este
que eles eram uma nação santa, o grande problema dos casamentos
o povo de Deus, sacerdócio real cristãos. O maior problema é que
(I Pedro 2.9). Sacerdote é aquele os homens não assumem sua res-
que se apresenta diante de Deus e ponsabilidade de serem pastores
intercede pelo povo e eles tinham de suas mulheres e filhos, da forma
sido enviados por Deus a todas as como Cristo pastoreia a Igreja.
partes do mundo, a fim de fazerem Pedro, também, aconselha a
discípulos de Jesus Cristo e interce- mulher a ganhar seu marido, sem
derem junto a Deus a favor deles. palavras. A mulher, cujo marido
Pedro escreve, ainda: “Vós, não obedece à Palavra ou não as-
porém, sois raça eleita... exorto- sume sua posição dentro do casa-
vos, como peregrinos e forasteiros mento, deve, mesmo assim, ser
no mundo” (2.9,11). Além de ser espiritual, submissa, mansa, tran-
uma nação santa, um sacerdócio quila e silenciosa.
real e uma raça eleita, o povo de Concentre-se na palavra “sub-
Deus também é estrangeiro e pe- missão”, enquanto estudamos o
regrino no mundo (2.11). modelo para casamento apresen-
tado por Pedro. No final do ca-
O modelo de casamento pítulo 2, Pedro se refere a Jesus
O melhor conselho matrimo- Cristo como o Servo Sofredor, que
nial da Bíblia encontra-se no ter- morreu na cruz, como foi profeti-
ceiro capítulo desta carta. Paulo camente anunciado no capítulo
e Pedro são unânimes em afirmar 53 de Isaías. Nas últimas palavras
a homens e mulheres que Cristo do capítulo 2 desta primeira car-
e a Igreja formam um modelo de ta, Pedro refere-se a Jesus como
casamento. A Igreja é o modelo o “Pastor e Bispo da vossa alma”.
da mulher e Cristo o modelo do A seguir, ele aponta Jesus
homem. Cristo como o pastor da Igreja e

136 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

inicia o seu conselho para as mu- mulher deixe que seu marido exer-
lheres, dizendo: “Sede vós, igual- ça sua responsabilidade por ela e
mente, submissas...” (3.1). Ele por seus filhos. Por isso, não pode
está dizendo que a mulher deve haver dois comandantes oficiais;
ser submissa ao marido como a apenas um tem a responsabilida-
Igreja é submissa a Cristo. de e Deus determinou o homem
Neste contexto, a palavra como responsável.
“submissão” quer dizer “deixar seu No versículo 7, encontramos
marido pastorear você”. Você que a mesma palavra “igualmente”,
é esposa, Deus deu ao seu marido com a qual ele iniciou o seu conse-
uma grande responsabilidade. Ele lho às mulheres. Pedro recomenda
recebeu a ordem de pastorear você que os maridos vivam com suas
da mesma maneira que Cristo pas- mulheres como Cristo viveria; que
toreia a Igreja. Isto quer dizer que eles as amem como Cristo amou
seu marido deve amá-la como Cris- a Igreja; que se entreguem a elas
to ama a Igreja; ele deve ter uma como Cristo se entregou à Igreja.
atitude de entrega como Cristo se “Maridos, vós, igualmente,
entregou pela Igreja. Paulo dá o vivei a vida comum do lar, com
mesmo conselho matrimonial em discernimento” (3.7). Pedro não
sua Carta aos Efésios (5.22-25). está dizendo para os maridos en-
Num exército existe apenas tenderem suas mulheres. Pode ser
um comandante oficial, não dois. que um marido e uma esposa vi-
Ele pode até delegar autoridade vam juntos e não se entendam. O
para outras pessoas, mas, jamais que ele está recomendando é “que
delegará a responsabilidade de o marido viva com sua mulher
todo o comando a alguém. Se al- com discernimento”. Você pode
guma coisa não der certa, ele será não entender sua esposa, mas
o único responsável. pode conhecê-la.
Pedro, Paulo e toda a Bíblia O conselho seguinte de Pe-
ensinam que Deus delega ao mari- dro é muito prático: “Vivei a vida
do responsabilidades referentes ao comum do lar”. Isto significa ar-
casamento e ao lar ao ordenar que rumar tempo para sua mulher e
o homem pastoreie sua esposa, fazer dela a sua prioridade. Você
como Cristo pastoreia a Igreja. Ao pode achar este conselho des-
mesmo tempo, Deus ordena que a necessário, mas o fato é que os

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 137


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

homens hoje passam tempo em graça de Deus, os dois podem as-


qualquer lugar, menos em casa sumir suas respectivas posições.
com suas esposas e seus filhos.
Passagens difíceis de Pedro
Resumo Em I Pedro 3.17-4.2, Pedro se
Quando Gideão e seus solda- refere a dez assuntos importantes.
dos enfrentaram os midianitas, a Ele afirma que, quando Jesus Cris-
Bíblia diz que “permaneceu cada to morreu pelos pecados do mun-
um no seu lugar”, e esta foi a chave do, apesar do Seu corpo ter morri-
que Deus usou para lhes dar aque- do, Seu espírito continuou a viver
la vitória impressionante (Juízes e foi no Espírito que Ele visitou os
7.21). Este é o conselho de Pedro espíritos na prisão e lhes pregou
para o casamento. Cada um deve – espíritos daqueles que tinham
se posicionar no seu lugar. Existe se recusado a ouvir o Evangelho,
um lugar para a mulher e um lugar quando tiveram chance. Como, por
para o homem. A mulher tem um exemplo, nos dias de Noé.
papel, uma função e um ministério Cristo morreu na cruz e teve um
e o homem tem outro papel, outra ministério, no mundo espiritual, an-
função e outro ministério. Quando tes da sua ascensão. De acordo com
o homem está fora da sua posição, Pedro, Cristo tinha um ministério de
sua mulher não deve empurrá-lo libertação no mundo espiritual. Esta
nem lhe dar nenhum sermão so- passagem fala de coisas que “anjos
bre o que ele deve fazer. Ela deve anseiam observar”, usando as pala-
se manter na sua posição, porque vras de Pedro (1.12).
a única coisa que pode fazer com Pedro também escreveu que o
que o marido assuma o seu papel é fim de todas as coisas está próximo
o exemplo de sua mulher. e, diante disso, pergunta: “que tipo
Mulheres, vocês estão enten- de pessoas é necessário que vocês
dendo este modelo? Vocês são a sejam?” (II Pedro 3.11, NVI). Paulo
Igreja. Assumam seu papel e sejam traz revelações interessantes sobre
para seus maridos como a Igreja é os dons espirituais e os ministé-
para Cristo. Homens, vocês estão rios que acontecem através desses
entendendo este modelo? Vocês dons (I Coríntios 12).
devem ser para suas esposas como De acordo com Paulo, inde-
Cristo é para a Igreja. Através da pendente do dom que você tenha,

138 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

este deve ser o padrão do seu mi- é se estamos ou não sofrendo, mas
nistério. Se o seu dom é pregar, como reagimos ao sofrimento.
então pregue. A tendência hoje é Cada um é responsável por
provar sua humildade, mostrando si próprio. Você não pode ser res-
disposição para fazer qualquer coi- ponsabilizado pelas coisas que lhe
sa. Todo mundo sabe fazer tudo, acontecem, mas é responsável pela
mas não é isso que as Escrituras sua reação a elas. A questão é sa-
ensinam. Todo o ensino sobre os ber qual será a sua reação aos pro-
dons espirituais lembra que eles blemas que surgem em sua vida.
são diversos e que são derramados Todos nós passamos por tem-
sobre cada um, de acordo com a pestades, porém, temos a graça e
vontade de Deus. Os dons são da- o poder de Deus para enfrentá-las.
dos pelo Espírito Santo para evi- Deus nos deu a Sua Palavra, que
denciar Cristo e para encorajar o é o nosso sistema de fé. Quan-
Corpo de Cristo. Através dos seus do passamos pelas tempestades,
dons espirituais você ministra para usando este sistema, ou seja, a
mim e, através dos meus dons es- Palavra de Deus, recebemos sabe-
pirituais, eu ministro para você. doria para enfrentar os problemas.
No capítulo 4, Pedro dá ou- Deus também nos dá a graça para
tros conselhos para aqueles que aplicar a sabedoria. Este processo
estão sofrendo: “Amados, não es- nos leva ao que Pedro chama de
tranheis o fogo ardente que surge “testemunho”. Deus permite as
no meio de vós, destinado a pro- tempestades, porque quer que se-
var-vos, como se alguma coisa ex- jamos testemunhas dEle.
traordinária vos estivesse aconte- Para o seguidor fiel de Cristo,
cendo” (4.12). Costumamos achar o sofrimento é um chamado. Você
que os problemas e o sofrimento foi salvo porque Alguém sofreu e
são calamidades invasoras que você é participante com Ele no
não podem acontecer em nossas Seu sofrimento. Algumas pessoas
vidas. Não conseguimos entender dizem que Deus jamais deseja que
porque elas nos acontecem. Em Seu povo passe por sofrimento,
grande parte do mundo as pessoas mas Pedro diz, claramente, que,
são mais realistas e sabem que o às vezes, o sofrimento acontece
sofrimento faz parte da vida. O que por vontade divina e até pode ser
nos diferencia uns dos outros não um chamado de Deus (4.19).

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 139


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Uma palavra para os líderes da um só é vosso Mestre, e vós to-


igreja dos sois irmãos. A ninguém sobre
O capítulo 5 é dirigido aos líde- a terra chameis vosso pai; porque
res da igreja: “Rogo, pois, aos pres- só um é vosso Pai, aquele que está
bíteros que há entre vós, eu, pres- nos céus. Nem sereis chamados
bítero com eles...” (5.1). Pedro guias, porque um só é vosso Guia, o
mostra sua humildade e se coloca Cristo. Mas o maior dentre vós será
no mesmo lugar que os demais. vosso servo. Quem a si mesmo se
No início deste estudo, quando fa- exaltar será humilhado; e quem a si
lamos sobre os três diferentes Pe- mesmo se humilhar será exaltado”
dros, vimos de que maneira ele se (Mateus 23.6-12).
tornou humilde. Aqui ele diz que os Pedro conclui sua primeira
presbíteros devem assumir a res- carta com uma declaração auto-
ponsabilidade da igreja não como biográfica resumida: “Ora, o Deus
senhores, mas como exemplos. de toda a graça, que em Cristo vos
Quando estudamos a estrutura chamou à sua eterna glória, depois
de liderança da igreja, percebemos de terdes sofrido por um pouco,
que ela segue um modelo único em ele mesmo vos há de aperfeiçoar,
todo o mundo. A igreja não deve firmar, fortificar e fundamentar”
funcionar como uma empresa, com (5.10). Depois de um pouco de
um presidente, proprietário e fun- tempo sofrendo, Pedro havia sido
cionários. A influência do líder na aperfeiçoado, amadurecido e com-
igreja vem do seu exemplo. Se ele pletado por Deus. Este terceiro Pe-
tiver um bom exemplo, as pessoas dro é o que escreve estas palavras.
virão até ele buscando conselho. É Este versículo é a história da
desta forma que o líder influencia a vida de Pedro. Ele está dizendo:
igreja, não com autoridade de um “Este é o propósito do sofrimento.
militar ou de um executivo, mas Deus está apenas tentando fazer
com o seu exemplo. você crescer e, por isso, aconteceu
AquEle que treinou Pedro afir- essa calamidade. A adversidade,
mou: “Amam o primeiro lugar nos pela qual vocês estão passando,
banquetes e as primeiras cadeiras significa que, depois de um pouco
nas sinagogas, as saudações nas de tempo, Deus os livrará e os po-
praças e o serem chamados mes- sicionará; vocês serão mais fortes
tres pelos homens. Vós, porém, não que nunca, porque já terão passa-
sereis chamados mestres, porque do pelo sofrimento”.

140 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 31
A Segunda Carta de Pedro

Ao escrever sua segunda car- daquele que nos chamou para a


ta, Pedro sabia que o dia da sua sua própria glória e virtude, pe-
morte estava próximo. Da mesma las quais nos têm sido doadas as
forma que Paulo deixou seu tes- suas preciosas e mui grandes pro-
tamento ao escrever sua segunda messas, para que por elas vos tor-
carta a Timóteo, Pedro compartilha nei co-participantes da natureza
suas últimas palavras nesta carta divina, livrando-nos da corrupção
com as ovelhas do seu Senhor, as das paixões que há no mundo”.
quais ele havia pastoreado. As coisas que pertencem à
Uma vez ouvi um educador vida e à piedade vêm até nós como
dizer que “a repetição é a base da resultado do nosso relacionamento
educação”. Sabendo que seus dias com Deus. De acordo com Pedro,
estavam contados, Pedro abre seu são promessas preciosas e o seu
coração para algumas coisas, que cumprimento nos torna co-partici-
ele sabia que seus leitores já co- pantes da natureza divina.
nheciam, mas ele quis relembrar. Todos acreditam que o conhe-
Pedro inicia sua segunda car- cimento é uma virtude. Em relação
ta orando para que a graça e a paz às coisas espirituais, as Escrituras
nos sejam multiplicadas através afirmam que aquilo que conhece-
do conhecimento de Deus e de mos dos profetas, de Jesus e do
Jesus Cristo, nosso Senhor. Nos apóstolo Pedro, não é uma virtu-
versículos 3 e 4, Pedro lembra de, mas, sim, a aplicação desse
suas “ovelhas” de algo que, prova- conhecimento. Observe que Pedro
velmente, já havia dito várias ve- não diz: “acrescente à sua fé conhe-
zes: “... pelo seu divino poder, nos cimento”. Antes, ele escreve: “asso-
têm sido doadas todas as coisas ciai com a vossa fé a virtude; com
que conduzem à vida e à pieda- a virtude o conhecimento” (1.5).
de”. Ele instrui seus leitores como A virtude é a aplicação da
eles podem alcançar essas coisas: fé que se acrescenta à bondade.
“... pelo conhecimento completo Virtude é caráter. Quando você

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 141


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

consegue acrescentar a virtude não estão presentes é cego, ven-


ou o caráter de Cristo à sua fé, do só o que está perto, esquecido
então, você associa conhecimen- da purificação dos seus pecados
to. Por isso, nossa ênfase deve de outrora. Por isso, irmãos, pro-
estar na aplicação das Escrituras. curai, com diligência cada vez
O importante é descobrir o que o maior, confirmar a vossa vocação
texto bíblico está falando, o que e eleição; porquanto, procedendo
ele quer dizer, o que significa para assim, não tropeçareis em tempo
mim e como aplicar o texto em algum”(1.8-10).
áreas práticas da minha vida. É Pedro inicia suas últimas pa-
na aplicação prática da Bíblia que lavras de sabedoria com o seu pró-
ela se torna força espiritual para prio testemunho: “Ora, esta voz,
nossas vidas. De acordo com Pe- vinda do céu, nós a ouvimos quan-
dro, você deve acrescentar à fé do estávamos com ele no monte
virtude e à virtude conhecimento. santo”(1.18). Pedro estava dizen-
Pedro continua dizendo: “as- do que, apesar de ter tido esta ex-
sociai... com o conhecimento, o periência maravilhosa, ele ainda
domínio próprio; com o domínio queria dizer uma coisa: “A Palavra
próprio, a perseverança; com a de Deus, que veio para nós, atra-
perseverança, a piedade; com vés da inspiração divina, permane-
a piedade, a fraternidade; com ce mais que qualquer experiência
a fraternidade, o amor” (1.6,7). sobrenatural, inclusive a vivida no
Esta passagem sobre associações Monte da Transfiguração”.
à fé representa uma das passa- Pedro afirma que vir para a
gens mais importantes das Escri- Palavra de Deus é tão bom quanto
turas sobre o crescimento espiri- sair do lugar escuro para Luz, pois,
tual. Estas são as promessas para quando saímos da escuridão para
os discípulos de Jesus que fizerem a Luz, algo acontece em nossos
aquelas associações à sua fé: “Por- corações: “Temos, assim, tanto
que estas coisas, existindo em vós mais confirmada a palavra profé-
e em vós aumentando, fazem com tica, e fazeis bem em atendê-la,
que não sejais nem inativos, nem como a uma candeia que brilha
infrutíferos no pleno conhecimen- em lugar tenebroso, até que o dia
to de nosso Senhor Jesus Cristo. clareie e a estrela da alva nas-
Pois aquele a quem estas coisas ça em vossos corações” (1.19).

142 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

O que significa “a estrela da alva Segunda Vinda de Cristo. Este não


nascer em nossos corações?”. É o é um episódio isolado, mas uma
nascimento de Jesus Cristo vivo e série de acontecimentos, como o
ressuscitado em nós. Pedro está Arrebatamento da Igreja, a Gran-
falando novamente de como Cristo de Tribulação, o Reino de Deus na
nasce em nossos corações. terra e ressurreição.
É interessante observar que O “Dia do Senhor” será um
as últimas palavras, tanto de Pe- acontecimento cataclísmico anun-
dro como de Paulo, para a Igreja e ciado por vários profetas, no qual
para o mundo, são referentes à Pa- todo elemento da terra se dissolve-
lavra de Deus. Pedro faz isso, no rá. Jesus disse: “Os céus e a terra
primeiro capítulo da sua segunda passarão, mas as minhas palavras
carta, e Paulo faz a mesma coisa, jamais passarão” (Mateus 24.35).
no terceiro capítulo da sua segun- Pedro declarou, explicitamente,
da carta a Timóteo. Paulo fala que que a terra e os céus serão destru-
a Palavra de Deus é inspirada e ídos e se derreterão com um calor
Pedro explica o que é inspiração. excessivo (3.12).
Ele afirma que aqueles que escre- Desde a destruição de Hi-
veram as Escrituras foram movi- roshima e Nagasaki, sabemos que
dos pelo Espírito Santo, da mesma o homem pode fazer o que Pedro
forma que um vento sopra na vela e os profetas anunciaram. Deus
de um navio no mar. Pedro rela- já fez isso uma vez com água e,
ciona seu ensino sobre inspiração na próxima vez, fará com fogo.
das Escrituras com a experiência De acordo com Pedro, acontece-
do novo nascimento. rá exatamente como os profetas
O capítulo 2 é muito parecido anunciaram (3.2).
com a Epístola de Judas, por isso Não podemos dizer que o
não vamos explorar muito este “Dia do Senhor” está demorando
texto agora. Assim como Judas, o a vir, porque o tempo é relativo
segundo capítulo da Segunda Car- para Deus. Então, o que Ele está
ta de Pedro é uma repreensão aos esperando? A única razão porque
falsos mestres. Cristo ainda não veio e a sequên-
No capítulo 3, Pedro escreve cia de acontecimentos, que cul-
sobre “O Dia do Senhor”, um dos minarão com o “Dia do Senhor”,
acontecimentos que faz parte da ainda não se iniciou é porque

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 143


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Deus quer que o Evangelho seja a respeito de Cristo e apresentan-


espalhado por todo o mundo per- do o Evangelho para aqueles que
dido. Ele não quer que ninguém nunca o ouviram.
pereça, porque Ele ama a huma- A pergunta que devemos fa-
nidade e quer dar oportunidade zer, quando lemos sobre o relato
para que todos se arrependam e da Segunda Vinda de Jesus Cristo,
sejam salvos (3.9). é: como devemos reagir diante do
Pedro afirma que podemos fato de que todas as coisas serão
apressar este dia, testemunhando destruídas?

144 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 32
Primeira, Segunda e Terceira Carta de João

Intitulei os primeiros 16 ver- sabe que sabe, está adormecido.


sículos desta carta como “A Bús- Acorde-o. Mas, se um homem
sola da Certeza”, pois o tema da sabe e sabe que sabe, ele é um
Primeira Carta de João é “Certe- líder. Siga-o”. João escreveu esta
za”. Você tem certeza absoluta de carta àqueles que pode ser que
que seus pecados foram perdoa- saibam que têm a salvação!
dos e que, se você morrer hoje, Nos primeiros 16 versículos
irá para o céu? Se você não tem desta carta, como em seu Evan-
esta certeza, então esta carta é gelho, há uma apresentação geral
para você. do que o autor vai falar. Todos nós
O seu autor, o apóstolo João, precisamos de uma bússola espi-
também escreveu o Evangelho ritual. Encontramos esta “Bússola
de João, o Livro de Apocalipse e da Certeza” na epístola da certe-
mais duas outras cartas, que têm za. Assim como existem oito pon-
o seu nome. Ele escreveu o Evan- tos em uma bússola, encontramos
gelho de João para que creiamos oito pontos na bússola da certeza
e tenhamos a vida eterna (João do apóstolo João. O primeiro pon-
20.30,31). Esta carta foi dirigida to da Bússola da Certeza são os
aos que crêem e aos que querem fatos do Evangelho.
ter certeza da salvação. Se você é João afirma que a fé é basea-
espiritualmente inseguro e não tem da em fatos. A fé não é um passo
certeza absoluta da sua salvação, no escuro ou um salto para a luz.
João está lhe dizendo: “Estas coi- Como já aprendemos, no Livro de
sas vos escrevi, a fim de saberdes Hebreus, no capítulo da fé, esta é
que tendes a vida eterna” (5.13). baseada na evidência. A fé susten-
“Se um homem não sabe que ta a nossa esperança. Esta é a di-
não sabe, ele é tolo. Evite-o. Se ferença entre esperança e fé. Sem
um homem não sabe e sabe que evidência que sirva de base para
não sabe, ele é uma criança. En- nossa esperança, tudo o que po-
sine-o. Se um homem sabe e não demos fazer é esperar. Porém, a fé

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 145


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

tem uma sustentação na evidên- e a ressurreição de Cristo. Isto faz


cia, sobre a qual nos apoiamos. toda a diferença do mundo.
João inicia esta carta escre- O terceiro ponto da “Bússo-
vendo a respeito do Cristo res- la da Certeza” é o perdão. O que
suscitado: “Ouçam, vocês são João está apresentando nesta
testemunhas oculares e O viram Bússola da Certeza é simplesmen-
e ouviram bem de perto. Tocamos te isto: se você realmente tem fé
nas marcas dos pregos em Suas no fato da morte de Jesus Cristo
mãos. Nossa fé no Cristo ressusci- na cruz, então você tem perdão.
tado é baseada em fatos”. O resultado de se colocar a fé no
Quando comparamos livros fato da morte de Jesus Cristo é o
como o Evangelho de João com perdão absoluto.
outros livros do Novo Testamento, Na língua grega, o tempo do
deparamo-nos com dois fatos bá- verbo no presente representa um
sicos do Evangelho: a morte e a tempo contínuo. Quando você se
ressurreição de Jesus Cristo. Paulo depara, num texto escrito em grego,
escreveu aos Coríntios: “Irmãos, com o tempo do verbo no presente,
venho lembrar-vos o evangelho pode inserir a palavra “continua-
que anunciei, o qual recebestes e mente”. Portanto, se, “continua-
no qual ainda perseverais; por ele mente”, confessarmos os nossos
também sois salvos, se retiverdes pecados, Ele “continuamente” nos
a palavra tal como vo-la preguei, purifica. O sangue de Cristo nos
a menos que tenhais crido em mantém purificados de toda injus-
vão. Antes de tudo, vos entreguei tiça. O perdão é o resultado de se
o que também recebi: que Cris- crer na morte de Jesus Cristo.
to morreu pelos nossos pecados, O quarto ponto da Bússola da
segundo as Escrituras, e que foi Certeza é o resultado de se ter cri-
sepultado e ressuscitou ao tercei- do na ressurreição de Jesus Cristo:
ro dia, segundo as Escrituras” (I você pode conhecer o Cristo Vivo e
Coríntios 15.1-4). Você deve co- ter comunhão com Ele. A palavra
locar sua fé nestes dois fatos do comunhão significa algo parecido
Evangelho. com parceria.
O segundo ponto da “Bússo- O quinto ponto desta Bússola
la da Certeza” é o resultado de se é seguir Cristo. Quando alguém
colocar a fé nestes fatos: a morte dizia a Jesus que cria nEle, Jesus

146 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

respondia: “Segue-me”. João re- que tenhamos uma experiência


pete várias vezes “aquele que diz completa, cujo nome mais signi-
que permanece nele, esse deve ficativo seria “Plenitude”.
também andar como ele andou” O oitavo ponto da Bússola
(2.6). É assim que temos a certe- da Certeza é frutificação. Jesus
za de fé verdadeira e vida eterna. ensinou os apóstolos a serem fru-
O sexto ponto da Bússola da tíferos, porque Ele queria que a
Certeza é liberdade. Jesus insis- alegria deles fosse completa (João
tiu em afirmar, como lemos no 15.8,11). João afirma que, se nós
capítulo 8, do Evangelho de João: produzirmos frutos na nossa expe-
“... se vós permanecerdes na mi- riência com Cristo, teremos con-
nha palavra, sois verdadeiramen- fiança na jornada de fé.
te meus discípulos” (8.31b). Se- Às vezes, buscamos uma
guir Jesus, ser Seu discípulo, dá experiência espiritual da mesma
validade e faz crescer nossa fé. forma que buscamos outras coi-
Depois, Jesus fala dos resultados sas, com um sentimento egoísta,
para aquele que o segue: “E co- centrado em nós mesmos. Até
nhecereis a verdade, e a verdade nos perguntamos: o que eu ganho
vos libertará” (8.32). com isso? Quando estudamos
João afirmou: “Filhinhos meus, a conversão de Saulo de Tarso,
estas coisas vos escrevo para que aprendemos que somos maduros,
não pequeis. Se, todavia, alguém quando perguntamos: “... Se-
pecar, temos um Advogado junto nhor, que farei?” (Atos 22.10).
ao Pai, Jesus Cristo, o Justo” (2.1). A resposta que está na Bíblia é:
Portanto, é possível ser liberto do “seja frutífero”.
pecado. Resumindo, os oito pontos da
O sétimo ponto da Bússola Bússola da Certeza são: fatos, fé,
da Certeza é o que podemos cha- perdão, comunhão, seguir, liber-
mar de Plenitude. No capítulo 1, dade, plenitude e frutificação. Se
versículo 4, João afirma: “Estas você acha que não é frutífero ou
coisas, pois, vos escrevemos para que não tem plenitude, volte ao
que a nossa alegria seja comple- início da sua bússola e veja mais
ta”. O que temos é real e é bom, uma vez se não está faltando al-
porém, existe mais. João quer gum ponto na sua vida.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 147


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

A unção da certeza tendes conhecimento”. No versí-


No capítulo 2, João continua culo 27, ele escreve: “... como a
a ensinar como podemos saber se sua unção vos ensina a respeito de
realmente cremos, e se temos a todas as coisas”.
vida eterna. Podemos ter certeza Parafraseando o que João afir-
que cremos, quando amamos nos- mou, podemos dizer: “Esta unção
so irmão: “Aquele que ama seu ir- pode lhes ensinar coisas espiritu-
mão permanece na luz e nele não ais; quando isto acontece, vocês
há nenhum tropeço”. A pessoa têm a certeza da fé e da vida eter-
que ama seu irmão permanece em na. Vocês não teriam como saber o
Cristo e é um crente verdadeiro. que a unção lhes ensina, se não ti-
“Aquele, porém, que odeia seu ir- vessem a convicção da vida eterna
mão está nas trevas, e anda nas e se o Espírito Santo, que vive em
trevas, e não sabe para onde vai, vocês, não os ensinasse a desco-
porque as trevas lhe cegaram os brirem a chave para a certeza da
olhos” (2.10,11). fé e da vida eterna”.
João afirma que sabemos que Uma das funções dessa un-
temos a fé verdadeira e a vida ção que, como vimos, vive em
eterna, quando amamos o Pai nós, é ensinar verdades espiri-
mais que amamos o mundo. O tuais. A base doutrinária da co-
que João tem em mente ao se re- munhão, na Igreja do Novo Tes-
ferir ao mundo são os seus valores tamento, era bem clara. Paulo
e crenças, estilo de vida e manei- escreve: “... ninguém pode dizer:
ra de pensar. João afirma que, se Senhor Jesus! senão pelo Espírito
amarmos o mundo e vivermos de Santo”. João afirma que o teste
acordo com os seus padrões, não doutrinário que podemos aplicar
podemos amar a Deus (2.15). em alguém é perguntar: “Você
João continua apresentando acredita que Jesus é o Cristo?”.
outras maneiras de confirmar a Sua resposta vai dizer onde ela se
certeza da salvação, dizendo que situa na questão doutrinária.
temos esta esperança, porque o Eu já apliquei este teste em
Espírito Santo nos mantém na dou- várias pessoas e recebi respostas
trina pura. No versículo 20 do capí- do tipo: “Ele não era o Cristo. Ele
tulo 2, João afirma: “E vós possuís tinha alguma coisa de Cristo, as-
a unção que vem do Santo e todos sim como Buda e Gandhi também

148 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

tinham. Muitos já tiveram um pou- 20, lemos: “pois, se o nosso co-


co de Cristo dentro de si, mas Je- ração nos acusar...”. Quando nos
sus não era o Cristo”. João explica sentimos deprimidos, por cau-
que, se dissermos que Jesus não sa das muitas dificuldades que
era o Cristo, tornamo-nos o anti- nos sobrevêm, sentindo incerteza
cristo e mentirosos, porque Jesus quanto à vida eterna, devemos nos
é o Cristo (2.22). lembrar que “Deus é maior que o
No capítulo 3, João afirma nosso coração e conhece todas as
que existem dois tipos de pessoas coisas” (3.20). Sua salvação não
neste mundo: os filhos de Deus e se baseia nos seus sentimentos e
os filhos do diabo. De acordo com sim na realidade do que você crê
este capítulo, é muito fácil dizer e na sua obediência ao Senhor
quem é quem: os filhos do dia- (3.21,22).
bo pecam, de maneira contínua,
habitualmente, mas os filhos de A confissão que confirma
Deus não vivem pecando de ma- Nos primeiros versículos do
neira contínua e habitual. capítulo 4, João ensina como tes-
Já observamos, no estudo do tar os espíritos. Ele alerta contra
capítulo primeiro desta carta que, muitos falsos espíritos neste mun-
na língua grega, o tempo do verbo do e mostra como diferenciar o es-
no presente indica continuidade. pírito do bem do espírito do mal:
João não está dizendo que os fi- “... todo espírito que não confessa
lhos de Deus não pecam ou que Jesus não procede de Deus; pelo
jamais pecarão. O que ele afirma é contrário, este é o espírito do an-
que eles não pecam contínua e ha- ticristo” (4.3).
bitualmente, ao contrário do que Como um espírito confessa
acontece com os filhos do diabo, que Jesus veio em carne? O após-
os quais vivem na prática do peca- tolo do amor responde a esta per-
do. Quando vemos que nosso pa- gunta: Quando nos amamos uns
drão de vida mudou drasticamente aos outros, confessamos que Je-
e não estamos vivendo na prática sus Cristo veio em carne. O Espí-
contínua do pecado, adquirimos a rito de Cristo vivendo em nós, faz
fé e a vida eterna. com que descubramos que cremos
No final do capítulo 3, João es- e temos a vida eterna. João, em
creve sobre “Certeza”. No versículo outras palavras, afirma que o amor

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 149


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

é fruto do Espírito, como o após- No versículo 16, João escre-


tolo Paulo escreveu em sua carta ve: “Deus é amor, e aquele que
aos Gálatas (5.22,23), apresen- permanece no amor permanece
tando dez razões porque devemos em Deus, e Deus nele”. Imagine
nos amar uns aos outros (4.7-21). Deus o cercando, como um Deus
O amor procede de Deus. Por isso, amoroso, que deseja amar os feri-
apenas aqueles que confessam o dos deste mundo, através de você.
amor de Cristo podem amar. Se você habitar neste amor, esta-
Devemos amar, porque é as- rá habitando em Deus e Deus em
sim que diferenciamos os verda- você. Quando isto acontece, acre-
deiros discípulos de Cristo da- dite-me, você encontra outra ma-
queles que apenas professam ser neira de saber que crê e que tem a
os Seus discípulos: aqueles que vida eterna.
amam são nascidos de Deus. Isto João afirma, no versículo 17,
faz com que o teste dos espíritos que devemos amar uns aos outros,
seja algo muito simples. porque, se assim o fizermos, tere-
João apresenta a terceira ra- mos confiança no Dia do Juízo, na
zão porque devemos amar. A es- eternidade. Quando você pensa
sência de Deus é o amor; portan- no julgamento, acredita que vai se
to, devemos amar, porque Deus é aproximar do trono do julgamento
amor (4.16). Se você afirma que de Cristo com confiança? João afir-
é nascido de Deus, então a sua ma que, se amarmos como deve-
credencial deve ser o amor. João mos amar, poderemos nos aproxi-
escreve que devemos amar porque mar do julgamento com confiança.
já nos foi dado o maior exemplo Somos a essência de Cristo,
de amor. Ele enfatiza a morte de neste mundo. Se Cristo está em
Jesus Cristo na cruz e diz: “Nis- nós e seu amor ágape é revelado,
to consiste o amor: não em que manifestado através de nós, en-
nós tenhamos amado a Deus, mas tão, “segundo ele é, também nós
em que ele nos amou... devemos somos neste mundo” (4.17b).
nós também amar uns aos ou- João afirma que devemos
tros” (4.10,11). Você demonstra amar uns aos outros, porque “o
ter aceitado o Evangelho, quan- perfeito amor lança fora o medo”
do ama o seu semelhante com o (4.18). Se você amar com perfei-
amor ágape. ção, eliminará o medo. Quando

150 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

você entende o amor de Cristo tem esta fé vencedora, também


e, principalmente, o que significa tem a certeza espiritual que tantos
amar a Deus e ao seu irmão, você buscam.
entende como o amor perfeito Neste capítulo, João também
pode lançar fora o medo. Tememos fala que há três testemunhas que
perder nossas vidas e tudo o que dão esta certeza. Quando João
temos; mas, se amarmos a Deus fala sobre a água, está se referin-
completamente e entregarmos do à água do batismo, que impede
nossas vidas e tudo o que temos a que o discípulo de Jesus seja um
Ele, o que poderemos temer? “agente secreto”, porque, através
No versículo 21, lemos que do batismo, tornamos pública a
devemos amar uns aos outros nossa fé.
porque o amor a Deus, o amor
vertical, e o amor pelo irmão, o Segunda e Terceira Cartas de João
amor horizontal, são insepará- Na II e III Cartas de João, a
veis. A pessoa que diz amar a ênfase está na verdade que Cristo
Deus, mas odeia seu irmão, é um ensinou e na necessidade de que
mentiroso (4.20). Devemos amar permaneçamos firmes no nosso
uns aos outros, porque “aquele compromisso de fé. João afirma
que ama a Deus ame também a não haver maior alegria que ouvir
seu irmão” (4.21). que seus filhos andam na verdade
A décima razão porque deve- ensinada por Jesus. Quando João
mos amar uns aos outros é apre- escreveu estas cartas, já havia os
sentada por João na forma de um que tentavam distorcer e perverter
mandamento: “aquele que ama a a verdade que Jesus ensinou.
Deus ame também a seu irmão”. O apóstolo do amor escreveu
Contudo, a décima razão poderia aos líderes da igreja, exortando-os
sintetizar todas as outras: Jesus a serem severos com aqueles que
ordenou que amássemos uns aos não ensinavam de acordo com a
outros (João 13.34). doutrina de Jesus. Nestas curtas
No capítulo 5, João afirma epístolas, o apóstolo do amor diz:
que a fé é a chave para a nossa “Se alguém vem ter convosco e
certeza: “a fé é a vitória que vence não traz esta doutrina, não o re-
o mundo” (5.4). Podemos vencer cebais em casa, nem lhe deis as
o mundo com a nossa fé; se você boas vindas” (II João v.10).

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 151


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Como podemos ler no pri- O apóstolo também aborda


meiro versículo, João dirigiu a questões relacionadas a pessoas
segunda carta “à senhora eleita” problemáticas, como Diótrefes,
(se interpretarmos estas palavras nos versículos 9 e 10 da sua ter-
ao pé da letra, observaremos que ceira carta, o que deve servir de
este é o único livro da Bíblia di- consolo aos pastores, em nossos
rigido a uma mulher). Aparente- dias, ao ver que até o amado após-
mente, João tinha um relaciona- tolo João teve entre os membros
mento pastoral com esta senhora de sua congregação um homem
eleita. que lhe deu tanto trabalho.

152 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 33
A Carta de Judas

Nesta carta inspirada de ape- invadir Canaã. Deus fez apenas


nas um capítulo, encontramos um duas exceções: Calebe e Josué,
assunto muito semelhante à Se- os quais foram os únicos daquela
gunda Carta de Pedro. A principal geração que entraram na terra de
preocupação deste autor é com as Canaã, porque creram plenamente
heresias e os falsos mestres. Um no Senhor e O seguiram.
homem chamado Judas é o autor Os falsos mestres estavam en-
desta carta, o qual, pelas conclu- sinando ao povo que era permitido
sões dos teólogos, foi outro irmão fazer o que quisesse, pois Deus
do Senhor Jesus. não se importaria, enquanto que
Judas conta que seu objetivo as Escrituras ensinam que, junto
ao escrever esta carta era fazer um com o amor, existe outro lado do
tratado sobre a salvação, mas mu- caráter de Deus, que é a Sua jus-
dou de ideia em razão de algumas tiça e o Seu julgamento, porque
pessoas não estarem ensinando Deus é Santo.
uma doutrina correta. Eles esta- Judas também dá o exemplo
vam ensinando que, como Deus é dos anjos caídos, dizendo que eles
misericordioso, Ele nunca discipli- foram lançados no abismo. Deus
na Seus filhos. Judas estava preo- não ficou indiferente, assistindo os
cupado com algumas pessoas que anjos fazerem o que quisessem,
estavam se distanciando da fé e do sem tomar nenhuma atitude (v.6).
ensino que tinham ouvido, no qual O terceiro exemplo menciona-
tinham crido. do por Judas refere-se à Sodoma
No versículo 5 desta carta, Ju- e Gomorra, que “são postas para
das relembra o episódio narrado no exemplo do fogo eterno, sofrendo
capítulo 14 do Livro de Números, punição” (v.7).
em que uma geração inteira dos Para Judas, os falsos mestres
filhos de Israel andou em círculo, são como “ondas bravias do mar,
durante 40 anos, morrendo no que espumam as suas próprias
deserto, porque não teve fé para sujidades; estrelas errantes, para

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 153


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

as quais tem sido guardada a ne- guardai-vos no amor de Deus, es-


gridão das trevas para sempre” perando a misericórdia de nosso
(v.13). O destino dessas estrelas Senhor Jesus Cristo, para a vida
errantes é semelhante ao dos an- eterna” (20,21).
jos caídos. Ele se mostra muito Durante muitos séculos, os pas-
preocupado com as vítimas dos tores têm usado esta benção para
falsos profetas, por isso escre- encerrar seus cultos: “Ora, àquele
ve na tentativa de resgatar tais que é poderoso para vos guardar
pessoas. de tropeços e para vos apresentar
Concluindo sua carta, Judas com exultação, imaculados, diante
exorta os que foram resgatados. da sua glória, ao único Deus, nos-
A sua exortação é prática e obje- so Salvador, mediante Jesus Cristo,
tiva sobre como permanecer na fé Senhor nosso, glória, majestade,
verdadeira: “Vós, porém, amados, império e soberania, antes de todas
edificando-vos na vossa fé santís- as eras, e agora, e por todos os sé-
sima, orando no Espírito Santo, culos. Amém!” (24,25).

154 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Capítulo 34
O Livro do Apocalipse

Nos primeiros versículos do Eu sugiro que durante o estu-


Livro do Apocalipse, o apóstolo do deste livro você faça uma tabela
João conta que estava na ilha em um caderno de anotações. Tra-
de Patmos, por causa da sua fé. ce linhas verticais, formando 5 co-
Comparando o texto bíblico com lunas. Na primeira coluna, escreva
relatos históricos, concluímos a palavra “Sinais” e, nela, liste os
que João foi exilado naquela ilha sinais ou símbolos encontrados no
remota, mas os teólogos não são livro. Por exemplo: o cavalo bran-
unânimes em afirmar se foi como co, o mar de vidro, os quatro seres
um prisioneiro isolado ou para viventes, os sete candeeiros, etc.
trabalhar como escravo. O fato Na segunda coluna, coloque
é que enquanto estava lá João como título “Revelação Pessoal”.
recebeu uma revelação de Jesus Peça ao Espírito Santo que remova
Cristo. A palavra grega “apocalip- o véu e lhe mostre o que os sím-
se” significa “revelação” ou “reti- bolos listados significam e escreva
rar o véu”. sua revelação pessoal.
Como título da terceira colu-
A linguagem de sinais do Salvador na escreva “Referência Bíblica”
Esta revelação foi entregue a e liste outras passagens bíblicas
João na forma de uma linguagem onde aparecem aqueles símbolos.
de sinais, que era usada pelos ju- Se você puder consultar algum co-
deus, no Velho Testamento. Você mentário bíblico, escreva na quar-
deve estar lembrado de que João ta coluna o comentário sobre o
usa muito a palavra “sinais” (João símbolo enfocado.
2.11; 3.2; 6.26; 11.47; 20.30). Por fim, na quinta coluna, es-
Os símbolos do Livro do Apocalip- creva sua conclusão final. Se você
se são sinais encontrados em ou- fizer isso, no final do Livro do Apo-
tras passagens da Bíblia, que aju- calipse sua tabela terá umas 150
dam a interpretar este livro. paginas!

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 155


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

As chaves que decodificam o Livro pedra de jaspe e de sardônio; ao


do Apocalipse redor do trono há um arco-íris com
Quando você começar a ler aparência de esmeralda.
a linda revelação que foi entre- Um judeu sabe que em Êxo-
gue a João, na forma de sinais e do, capítulo 28, consta que o
símbolos, você vai perceber que sumo sacerdote deveria usar uma
Deus escreveu todo este livro em estola e peitoral bordado com
códigos para o Seu povo, os quais, doze pedras, significando as doze
para serem entendidos, precisam tribos de Israel. A primeira pedra
de chaves decodificadoras. era sardônio, representando a tri-
bo mais velha de Israel, a tribo de
1ª chave Rúben. A última pedra era jaspe,
A primeira chave é o Espírito representando a tribo de Benja-
Santo. Você não consegue enten- mim. A esmeralda era a sétima
der as coisas espirituais sem o pedra, representando Judá. Em
Espírito Santo. Isto é válido, prin- hebraico estes nomes têm um sig-
cipalmente para o Livro do Apo- nificado. Rúben significa: “Vejam
calipse. Jesus disse aos apósto- meu filho!”. Benjamim: “Filho da
los que enviaria o Espírito Santo, minha mão direita” e Judá: “Lou-
o Consolador, e que Ele revelaria vor”. A interpretação destes sinais
tudo o que estava por vir. é: quando você passar pela porta
que o conduz ao céu, verá um tro-
2ª chave no com Alguém e pedras que sig-
A segunda chave que deco- nificam: “Vejam Meu Filho, o Filho
difica esta mensagem é reconhe- da Minha mão direita! Louvai-O!”.
cer que os símbolos ou sinais são Encontramos a seguinte frase,
todos bíblicos. Se você for judeu no último livro da Bíblia: “Eu sou
e conhecer o Velho Testamento o Alfa e o Ômega”. A primeira letra
já está familiarizado com todas do alfabeto grego é “alfa” e a últi-
as figuras citadas no Apocalipse. ma, “ômega”. Então, podemos in-
No capítulo 4, por exemplo, uma terpretar esta frase como “Eu sou
porta se abre nos céus; surge, en- o começo e o fim”. Vamos receber
tão, um trono com alguém senta- a revelação do Único, Jesus Cristo,
do nele. Sua aparência é como de aquEle que é o começo e o fim.

156 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Adoração eterna Espíritos de Deus, profecia esta que


Nos capítulos 4 e 5, lemos é cumprida na revelação dada ao
sobre um momento de adoração e apóstolo João, a respeito dos sete
louvor na eternidade, quando algo Espíritos de Deus. Isaías escreveu:
lindo acontece no céu. Deus Pai “Do trono de Jessé sairá um reben-
dirigindo a adoração ao Seu Filho, to, e das suas raízes, um renovo.
que tem a aparência de quem foi Repousará sobre ele o Espírito do
morto: “Adorem Meu Filho. Ado- Senhor, o Espírito de sabedoria(1)
rem meu Filho pelo que Ele fez, e de entendimento(2), o Espírito
pelo que Ele foi, pelo que Ele é, e de conselho(3) e de fortaleza(4), o
pelo que Ele sempre será. Adorem Espírito de conhecimento(5) e de
Meu Filho!”. temor(6) do Senhor. Deleitar-se-á
Como todos estes símbolos no temor do Senhor(7)...” (Isaías
são bíblicos, podemos entender 11.1-3). Ele ainda continua falan-
porque o Livro do Apocalipse é o do do deleite que é estar no Espírito
último da Bíblia. Existem outros
de adoração.
símbolos bíblicos que eu gosta-
Isaías estava falando que
ria de usar como ilustração desta
quando o Messias Jesus Cristo
chave tão importante. Observe,
viesse seria a expressão comple-
por exemplo, Apocalipse 1.4; 4.5
ta de Deus, que, na Sua essência
e 5.6, onde lemos a citação dos
“sete Espíritos de Deus”. é Espírito. De acordo com Isaías,
Aqueles que estudam o signi- Jesus Cristo não apenas expressa
ficado dos números na Bíblia di- a essência do Espírito de Deus,
zem que o número 7 é o número mas, também, no seu lado huma-
da perfeição, da plenitude. Isto su- no, é o exemplo de uma vida ver-
gere que os sete Espíritos de Deus dadeiramente cheia do Espírito e
representam a plenitude do Seu controlada por Ele. João anuncia a
Espírito, a expressão perfeita da profecia de Isaías cumprida com a
essência de Deus, que é espiritual. vinda de Jesus.
Entretanto, para alguns teólogos, Existem sete candeeiros ou
a expressão “os sete Espíritos de candelabros diante do trono no
Deus” remete à profecia de Isaías. céu, que representam os sete Espí-
Nesta profecia, Isaías, o prín- ritos de Deus: “Então, vi, no meio
cipe dos profetas, profetizou a res- do trono e dos quatro seres viven-
peito do Messias e definiu os sete tes e entre os anciãos, de pé, um

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 157


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Cordeiro como tendo sido morto. Jesus não estava ministrando ao


Ele tinha sete chifres, bem como povo, Ele estava sozinho, à noite
sete olhos, que são os sete Espí- ou de madrugada, orando e ado-
ritos de Deus enviados por toda a rando o Pai.
terra” (5.6).
Os estudiosos acreditam que, Uma porta aberta para o céu
na Bíblia, os chifres representam No capítulo 4, versículo 1, en-
poder e os olhos, sabedoria. Por- contra-se o convite que João rece-
tanto, o Cordeiro, que parecia ter beu, através de uma voz de trom-
sido morto, representa os sete beta, que soou no céu: “Sobe para
Espíritos de Deus. Esta represen- aqui, e te mostrarei o que deve
tação em sete formas do Espírito acontecer depois destas coisas”.
de Deus também expressa o poder Para muitos teólogos, este sím-
perfeito e a sabedoria de Deus. bolo representa o Arrebatamento
Jesus tinha o Espírito do co- da Igreja. O apóstolo Paulo escre-
nhecimento perfeito da Palavra de ve que o Arrebatamento da Igreja
Deus e o Espírito de entendimento será anunciado pelo som de uma
da vontade do Pai. Ele tinha o Es- trombeta (I Tessalonicenses 4.16;
pírito de sabedoria, porque viveu I Coríntios 15.52).
de maneira perfeita, ensinando o Quando João olha através da
povo a aplicar a Palavra e a vonta- porta aberta para o céu, vê um
de de Deus em sua vida. Também trono que é o símbolo central no
havia nEle o Espírito do conselho. céu. Diante do trono, ele vê um
Quando Jesus compartilhou a Pa- mar de vidro. Na tenda da adora-
lavra com o povo e este a aplicou ção e no Templo de Salomão havia
em sua vida, o Espírito Santo un- um lavatório, onde o sacerdote se
giu a Palavra com grande poder. purificava para interceder a Deus
Foi assim que o Espírito de poder em favor do pecador. A ideia é que
foi manifestado, através de Jesus. todos devemos estar purificados
O Espírito de adoração era antes de nos aproximarmos do
incontestável na vida de Jesus. Deus Santo. Os sacerdotes repe-
Isaías declara que o prazer dEle tiam o ato de purificação cada vez
estava no Espírito de adoração. que intercediam por um pecador.
Quando lemos os quatro Evange- No mar de vidro, que está diante
lhos, aprendemos que, quando do trono, a água está solidificada

158 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

como cristal, representando uma daquele trono havia vinte e qua-


purificação permanente e eterna. tro tronos menores, onde se as-
No capítulo 5, lemos sobre sentavam vinte e quatro anciãos,
um livro selado com sete selos e os quais representam a liderança
todos no céu tentando encontrar do povo de Deus, provavelmente
alguém que quebre os selos e abra as doze tribos de Israel e os doze
o livro, mas ninguém está qua- apóstolos.
lificado para tal. Esta simbologia
nos remete ao Livro de Rute e ao 3ª chave
conceito de redentor. Quando um A terceira chave decodificado-
homem (Boaz) queria redimir uma ra deste livro é a responsabilidade
mulher (Rute), tinha que pagar que Deus designou a João, que foi
todas as suas dívidas listadas em escrever a Revelação que lhe foi
um rolo. Ele só podia quebrar os dada na ilha de Patmos. Em 1.19
selos e ver quais eram as dívidas está definida a tarefa de João e a
contidas no rolo depois que tivesse revelação que ele receberia: “Es-
mostrado suas qualificações e de- creve, pois, as coisas que viste, e
clarado sua intenção de redimi-la. as que são, e as que hão de acon-
O conteúdo desta mensagem tecer depois destas”.
expressa que existe uma multidão No primeiro capítulo, temos a
que precisa de redenção, mas não experiência de João. A visão que
há ninguém qualificado e disposto ele registrou neste capítulo define
a ser seu redentor. Quando João a primeira parte da missão que lhe
“chorava muito, porque ninguém foi atribuída: “Escreve, pois, as
foi achado digno de abrir o livro, coisas que viste...”, para, depois,
nem mesmo de olhar para ele”, enviar a revelação escrita às sete
vêm as boas novas: “Não chores; igrejas da Ásia Menor.
eis que o Leão da tribo de Judá, a Como Moisés, no episódio da
Raiz de Davi, venceu para abrir o sarça ardente, no deserto (Êxodo
livro e os seus sete selos” (5.4,5). 3.2-6), João voltou-se em direção
O significado deste simbolismo é à voz que estava falando com ele:
que Jesus era o único qualificado “Voltei-me para ver quem falava
para nos redimir. comigo e, voltando, vi sete cande-
Lemos que, quando a por- eiros de ouro... Quando o vi, caí a
ta se abre para o céu, ao redor seus pés como morto” (1.12,17).

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 159


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Esta cena pode significar o pré-re- quanto as igrejas se distanciam


quisito para se ter uma experiência daquilo que elas deveriam ser,
com Deus: voltar-se. nunca se esqueça de uma coisa:
O apóstolo João estava con- Cristo está no meio das igrejas.
cluindo a primeira parte da sua Lemos, na carta à igreja de
incumbência, quando registrou Éfeso: “... abandonaste o teu pri-
esta experiência. Ao receber a se- meiro amor” (2.4). Isto me intri-
guinte instrução: “Escreve, pois, ga um pouco, porque o pastor
as coisas que viste e as que são” daquela igreja era Timóteo. Paulo
(1.19), João completou a segunda disse aos filipenses que o estava
parte da sua tarefa, escrevendo as enviando a eles, porque ninguém
cartas às igrejas da Ásia Menor, as os amava mais que Timóteo. Ele
quais estão registradas nos capítu- não era egoísta. Agora, Jesus per-
los 2 e 3 deste livro. gunta à igreja da qual Timóteo foi
Resumindo, o capítulo primei- pastor “por que haviam abandona-
ro está relacionado às coisas que do o seu primeiro amor?”. Se você
João viu, enquanto que os capítu- acha que é uma pessoa, através
los 2 e 3 correspondem à segunda de quem Deus demonstra o Seu
parte da sua tarefa, que era “es- amor, não se esqueça de que você
crever as coisas que eram”, isto é, pode deixar de ser o veículo do
coisas que existiam nas sete igre- amor de Cristo para alguém que
jas, das cidades de Éfeso, Esmirna, Ele lhe entregou, a fim de que
Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia você amasse com o amor dEle.
e Laodiceia.
Lembre-se que, no capítulo 4ª chave
primeiro do Livro de Apocalipse, A parte mais extensa da tarefa
João viu sete candelabros ou can- incumbida a João é descrita no iní-
deeiros. A revelação que ele rece- cio do capítulo 4 e refere-se a ou-
beu foi que Cristo estava no meio tras coisas que ele deveria escrever:
dos candeeiros, os quais são as “Sobe para aqui, e te mostrarei o
igrejas mencionadas. Apesar de as que deve acontecer depois destas
igrejas terem muitos problemas, coisas” (4.1b). Grande parte desta
o Cristo vivo e ressuscitado está revelação refere-se a coisas que de-
no meio delas. Independente do verão acontecer no futuro.

160 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Para fazer uso da chave nú- A Grande Tribulação é ilustra-


mero 4, você precisa compreender da nesta passagem do Apocalipse
a cronologia dos episódios relata- como uma série de julgamentos e
dos nos capítulos 6 ao 19 do Livro quebra de selos. Cada vez que um
do Apocalipse. Os capítulos 4 e 5 selo é quebrado, acontece um ter-
descrevem, usando uma lingua- rível e impressionante julgamento.
gem muito bonita de sinais e sím- A seguir, há a descrição das sete
bolos, a adoração que acontecerá trombetas; toda vez que é tocada
no céu. No capítulo 6, porém, o uma trombeta, acontece mais um
tom muda e o Livro do Apocalipse julgamento.
se torna mais complexo. Os selos são quebrados no ca-
A série de acontecimentos, co- pítulo 6, as trombetas são tocadas
nhecida como Segunda Vinda de nos capítulos 8 e 9 e, depois, no
Jesus Cristo, compreende um perí- capítulo 16, surgem as sete taças
odo de tempo muito longo, desde que são derramadas; cada vez que
o primeiro até ao último episódio. uma das taças é derramada, acon-
O cálculo exato da duração deste tece um julgamento.
período depende da interpretação Para alguns estudiosos, os
e de como você compreende a or- julgamentos dos selos, das trom-
dem cronológica deles. Um dos betas e das taças são consecuti-
acontecimentos mais breves dura vos. Outros acreditam que seja um
apenas sete anos e é conhecido período de julgamento descrito de
como “A Grande Tribulação”. Ele três maneiras diferentes. Entre as
foi descrito por Jesus em Seu Úl- citações desses julgamentos há
timo Sermão (Mateus 24.15-44). comentários a respeito deles nos
Muitos estudiosos acreditam capítulos 7, 10 ao 15 e 17 ao 19,
que a Grande Tribulação compre- mas não acrescentam muita coisa
enderá um período de sete anos e a respeito da ordem cronológica
este é o assunto dos capítulos 6 daqueles fatos.
a 19. Todos estes capítulos, a co-
meçar com a narrativa dos cava- 5ª chave
los, no capítulo 6, até à metade do A quinta chave decodificado-
capítulo 19, abrangem um período ra desta revelação é: seja humil-
de sete anos, enfocando um dos de ao tentar estabelecer a ordem
eventos que compõem a “A Segun- cronológica de todos estes acon-
da Vinda de Jesus Cristo”. tecimentos relatados no Livro do
CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 161
ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

Apocalipse. Eu sugiro uma ordem acontecerá de fato e que durará


cronológica, mas faço isso com mil anos, mas há controvérsias
humildade. De acordo com Jesus, a respeito da sequência destes
ninguém sabe o dia ou a hora do episódios. Independente da or-
fim, nem os anjos e nem mesmo o dem cronológica que você adote,
Filho de Deus, somente o Pai (Ma- encontrará sempre alguém que
teus 24.36). Quando os discípulos pense diferente. Por isso, seja hu-
quiseram saber quando seria a res- milde na interpretação e compre-
tauração do reino de Israel, Jesus ensão de todos os fatos.
lhes respondeu que não competia
a eles saberem os tempos nem as 6ª chave
estações em que todos os acon- Nosso objetivo ao ler o Livro
tecimentos ocorreriam, porque o do Apocalipse deve ser, em pri-
Pai era o único a saber (Atos 1.7). meiro lugar, adoração e, depois,
Agora pensem comigo: se os anjos o entendimento do livro em si.
não sabem, se o Filho de Deus dis- A adoração é muito importante
se que não sabe, se apenas o Pai (22.8,9). Existem muitas verda-
sabe, a única coisa que nos resta des devocionais, principalmen-
é sermos humildes o suficiente, te nas cartas às igrejas, que são
na tentativa de encontrar a ordem também educativas; verdades que
cronológica, os tempos e as esta- compreendemos e às quais de-
ções dos acontecimentos narrados vemos obedecer. Os crentes têm
neste livro. uma tendência a supervalorizar a
Um deles, de suma importân- compreensão das Escrituras mais
cia para nós, é o Arrebatamento que a Deus e ao Cristo Vivo, que
da Igreja. Depois que a Igreja for deu esta revelação a João.
levada deste mundo, vai aconte- O amado apóstolo estabele-
cer a Grande Tribulação na terra. ceu esta chave em duas ocasiões,
Esta é a opinião da grande maio- no final do livro. João caiu aos pés
ria dos cristãos. Só então acon- do anjo, que interpretou todos es-
tecerá de fato a Segunda Vinda tes símbolos, e o adorou. Dá até
de Cristo, não mais para tirar Sua para entender sua atitude, mas
Igreja deste mundo, mas para o anjo lhe disse: “Não faça isso!
reinar com Sua Igreja na Terra. Sou servo como você e como os
Alguns acreditam que este reino seus irmãos, que se mantêm fiéis

162 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

ao testemunho de Jesus. Adora a fazendo uso de símbolos e sinais,


Deus!” (19.10; 22.8,9). mas muitas pessoas as interpre-
Esta é uma declaração muito tam como elas gostariam que fos-
clara do propósito da leitura do Li- se. A interpretação correta desta
vro do Apocalipse. O propósito não revelação não é determinada pelo
é compreendê-lo, mas ver Jesus e, nosso desejo pessoal. Para que se
depois, adorar o Pai e o Filho! Per- obtenha a verdadeira revelação de
mita que o Livro do Apocalipse au- como será a vida eterna, deve-se
mente sua reverência e adoração a ler este livro com a mente aberta
Deus. Entre na Sua presença com para o Espírito Santo.
a leitura deste livro.
9ª chave
7ª chave A nona chave se encontra nos
A sétima chave é a pergun- capítulos 4 e 5. Quando você es-
ta: “Por que Deus deu toda esta tiver diante da porta que se abre
revelação a respeito do futuro?”. para o céu, observe quais são
Como já vimos antes, Deus tinha os símbolos mencionados, sob a
um propósito, quando removeu o perspectiva do trono que ocupa
véu e falou como será o fim. uma posição central no céu. O
A aplicação pode ser a se- Cordeiro está no trono rodeado por
guinte: diante de tudo o que Deus vinte e quatro tronos menores; re-
revelou, “que tipo de pessoas é lâmpagos e trovões saem do Seu
necessário que vocês sejam?” (II trono; sete candeeiros e o mar de
Pedro 3.11, NVI). Deus quer que vidro estão diante do trono; vozes
a leitura deste livro e suas revela- de muitos anjos são ouvidas ao re-
ções causem impacto na sua vida. dor do trono.
Nos capítulos 4 e 5, encontra-
8ª chave mos os santos ao redor do trono de
Cuidado com aquilo que você Deus, cantando um novo cântico.
gostaria que acontecesse quando, Que lindo! Ao mesmo tempo, há
ao deslumbrar o que há por trás do pecadores reverenciando o Cordei-
véu, obtiver mais revelações sobre ro que está no trono, mas não é
a vida eterna. As Escrituras falam dada a posição deles em relação
sobre a vida além da sepultura, ao trono. Podemos concluir que os

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 163


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

pecadores O estão reverenciando revelados a João, que estão relata-


do inferno, porque no céu eles não dos no Livro do Apocalipse.
estão. Isso é impressionante!
13ª chave
10ª chave Mesmo sendo a adoração a
Observe que o Livro do Apo- prioridade da leitura deste livro,
calipse apresenta dois aconteci- existem muitos outros ensinos que
mentos simultâneos. Um episódio você pode compreender. Por isso,
no céu, contado nos capítulos 4, leia-o, procure entender sua men-
5, 19, 20-22, e, ao mesmo tem- sagem e aplicá-la na sua vida.
po, outro episódio que se passa na
terra, contado nos capítulos 6, 8, 14ª chave
9, 16, 19 e 20. Metade dos dois Depois de ler o Livro do Apo-
últimos capítulos refere-se ao céu calipse e os dados escatológicos,
e a outra ao que se passa na terra. informando-nos as últimas coi-
sas, relacione suas passagens
11ª chave com outros textos escatológicos
Do primeiro ao último capítu- registrados em outros livros da Bí-
lo, este livro é a Revelação de Jesus blia. Todas as passagens, desde os
Cristo e não um livro de revelações profetas até Jesus e os apóstolos,
apenas. Da mesma forma que en- o desafiarão com uma pergunta:
contramos Jesus nos Evangelhos e “De que maneira tudo o que você
no Velho Testamento, procure por aprendeu até agora impactou a sua
Jesus no Livro do Apocalipse. Veja vida, a sua fé e os seus valores?”.
Cristo revelado como o Rei dos reis No capítulo 5, versículo 9, le-
e Senhor dos senhores. mos que os santos que cantarão
o novo cântico ao redor do trono
12ª chave serão provenientes de todas as tri-
Foi dito a João que ele recebe- bos, povos e raças. Isto muda a
ria uma revelação do que aconte- sua perspectiva da Grande Comis-
ceria no futuro (4.1). Como o Deus são de Jesus Cristo e da obra de
Todo-Poderoso também é um Deus edificação da Sua Igreja em todo o
justo, e como há muita injustiça mundo de hoje?
no mundo, tem que haver uma No início da Bíblia, lemos a
justiça final, como os julgamentos pergunta que Deus fez ao homem:

164 Livro 6 CBI - Encontro com a Palavra


ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

“Onde está você?”. Ao ler o último é determinado pela resposta que


livro da Bíblia e ter a informação você dá ao Evangelho de Jesus
de todas as coisas que acontece- Cristo.
rão no final dos tempos, somos Durante séculos de História da
desafiados com outra pergunta: Igreja, milhões de pessoas são le-
“Onde você estará quando todos vadas à fé, através da leitura do úl-
os acontecimentos narrados no Li- timo livro da Bíblia. Minha oração
vro do Apocalipse se sucederem?”. é que você, se ainda não tem Je-
Há duas possibilidades: você esta- sus Cristo como seu Salvador, Rei
rá no céu com os santos, cantando e Senhor, seja tocado pela leitura
ao redor do trono, ou será um dos do Livro do Apocalipse e levado a
pecadores reverenciando Jesus do tomar uma decisão, que determi-
inferno. O lugar onde você estará nará como será sua eternidade.

CBI - Encontro com a Palavra Livro 6 165


C.B.I. ENCONTRO COM A PALAVRA – QUESTIONÁRIO DO LIVRO 6
ESTUDO PANORÂMICO DO NOVO TESTAMENTO (I Coríntios a Apocalipse)

ALUNO(A):______________________________________________________
RUA:__________________________________________________________
BAIRRO:_____________________________FONE:______________________
CEP:_______________CIDADE:______________________________________
EST:________E-MAIL:______________________________________________
NASC:_____/_____/_____ SEXO: ( )M ( )F EST. CIVIL:__________________
ESCOLARIDADE:________________IGREJA:____________________________
ESPOSO(A):_____________________________ NASC:____/____/____
Aulas através de: ( )Rádio ( )Internet ( )CDs

Leia com atenção o livro e responda o questionário. Em cada questão, apenas


uma das três alternativas está correta e deverá ser assinalada. Ao recebermos
este questionário respondido, enviaremos GRÁTIS o próximo número, na medi-
da que o estudo pelo rádio for avançando.

QUESTIONÁRIO

01. Paulo fundou a igreja em Corinto durante sua:


( )a. Primeira viagem missionária
( )b. Segunda viagem missionária
( )c. Terceira viagem missionária

02. Fazia parte do costume da Igreja Primitiva celebrar o que eles chamavam de:
( )a.“Festa do Amor”
( )b.“Festa da Juventude”
( )c.“Festa da Família”

03. É impossível entender a vida do apóstolo Paulo sem considerar:


( )a. As angústias que ele teve
( )b. As experiências que ele teve
( )c. As tribulações que ele sofreu

04. Quando Paulo escreveu a Carta aos Gálatas, ele estava:


( )a. Preocupado
( )b. Com raiva
( )c. Com saudade
05. O propósito da Carta de Paulo aos Efésios era:
( )a. Doutriná-los sobre o Espírito Santo
( )b. Mostrar a função da Igreja de Jesus Cristo no mundo
( )c. Mostrar o perigo do judaísmo

06. Filemon era um homem crente, muito rico, que vivia em:
( )a. Jerusalém
( )b. Éfeso
( )c. Colossos

07. Ao lermos o Livro de Hebreus, observamos que sua argumentação é


apresentada de maneira muito:
( )a. Resumida
( )b. Superficial
( )c. Lógica

08. Durante os três primeiros séculos da História da Igreja, ser seguidor de


Cristo era considerado um ato de:
( )a. Ilegalidade
( )b. Desobediência
( )c. Coragem

09. O tema da Primeira Carta de João é:


( )a. Amor
( )b. Santificação
( )c. Certeza

10. Os símbolos do Livro do Apocalipse são:


( )a. Sinais dos últimos tempos
( )b. Sinais encontrados em outras passagens da Bíblia
( )c. Complementos do Livro de Daniel

Enviar para:

ENCONTRO COM A PALAVRA


Caixa Postal 2011
89201-970 - Joinville-SC
Obs.: Você também pode digitalizar e enviar pelo
e-mail: encontrocomapalavra@desfrutedeus.com
MEU TESTEMUNHO

_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________