Você está na página 1de 6

5º Teste de Avaliação de Biologia

Curso de Ciências e Tecnologias


Duração:50 minutos 12º Ano de Escolaridade: Turma Data:

GRUPO I
Ao contrário do que muita gente pensa, o tétano não é apenas transmitido por pontas de pregos enferrujados.
Muito mais presente no ambiente do que se imagina, a bactéria Clostridium tetani não sobrevive na presença de
oxigénio e, por isso mesmo, encontra-se sob a forma esporulada em locais como solo, areia, espinhos de plantas,
fezes, agulhas de injeções não esterilizadas, poeira da rua, apenas aguardando uma ferida aberta que lhe dê
oportunidade de se manifestar. Uma vez no organismo humano a Clostridium germina, assume uma forma
vegetativa e passa a produzir tetanospasmina (figura 1), que ataca o sistema nervoso central, causando rigidez
muscular em diversas regiões do corpo. Entre os principais sintomas observa-se o trismo (alteração nervosa que
impossibilita a abertura da boca), riso sardónico (produzido por espasmos dos músculos faciais), dores nas costas,
rigidez abdominal e da nuca, espasmos e convulsões. O quadro pode tornar-se complicado e causar paragem
respiratória ou cardíaca.
O tratamento inclui, principalmente, sedativos, relaxantes musculares, antibiótico e o soro antitetânico, sendo a
primeira semana crucial para se evitar a morte do doente.
Apesar do tratamento do tétano ser complicado, evitá-lo é extremamente fácil. Crianças até 5 anos devem tomar a
vacina tríplice, mas todos, sem exceção, devem ser vacinados com o toxoide tetânico com reforço a cada dez anos.
Caso ocorra algum tipo de ferimento, recomenda-se a lavagem imediata do local com água e sabão e a aplicação
de água oxigenada, já que a Clostridium tetani não resiste ao contacto com o oxigénio.
(12p)1. Em relação à bactéria Clostridium tetani, classifique as afirmações que se seguem como verdadeiras (V)
ou falsas (F).
(A) É um parasita intracelular obrigatório.
(B) É um ser procarionte unicelular.
(C) Na forma vegetativa pode ser encontrada em meios aeróbios.
(D) Quando as condições do meio não são as mais propícias mantém-se sob a forma esporulada.
(E) A sua reprodução é realizada através de esporulação.
(F) Quando entra no organismo invade o citoplasma das células, conduzindo-as à destruição.

2. O sistema imunitário reage em função do agente invasor. A resposta inflamatória ocorre quando os agentes
patogénicos conseguem ultrapassar as barreiras de defesa primárias.

(12p) 2.1. Atribua a cada agente de defesa da Coluna I a respetiva função expressa na Coluna II.
Coluna I Coluna II
(A) Pele I. Movem o muco e retêm materiais longe do trato respiratório.
(B) Suor II. Inibe o crescimento bacteriano na pele.
(C) Secreções mucosas III. Previne a entrada de agentes patogénicos e substâncias estranhas.
(D) Pelos nasais IV. Capturam bactérias e outros agentes patogénicos nos tratos digestivo e
(E) Cílios respiratório.
(F) Lágrimas e saliva V. Lubrificam, limpam e contém lisozimas, que destroem bactérias.
VI. Filtram as bactérias.

(7p)2.2 Reconstitua a sequência temporal de acontecimentos, desde o início da resposta inflamatória, colocando
por ordem as letras que os identificam.
(A) Fagocitose do agente patogénico.
(B) Vasodilatação e aumento da permeabilidade dos capilares.
(C) Invasão microbiana.
(D) Migração de células efetoras para o local infetado.
(E) Libertação de histamina.
(F) Aumento do fluxo sanguíneo e da temperatura no local.

3. Selecione a alternativa que permite preencher os espaços, de forma a obter afirmações corretas.
(7p) 3.1. A resposta inflamatória é um mecanismo de defesa ____________.
(A) específico e inato.
(B) específico e adquirido.
(C) não específico e inato.
(D) não específico e adquirido.

(7p)3.2. Quando ocorre a lesão do tecido, são libertadas substâncias químicas que provocam a vasodilatação e o
aumento da permeabilidade dos capilares, o que facilita a _____. Essas substâncias desencadeiam ainda a
migração de células imunitárias para a região afetada, fenómeno conhecido por _____.
(A) diapedese; fagocitose.
(B) diapedese; quimiotaxia.
(C) exocitose; quimiotaxia.
(D) exocitose; fagocitose.

(7p)3.3. A célula assinalada na figura 1 pela letra X é um _____.


(A) monócito.
(B) linfócito.
(C) macrófago.
(D) neutrófilo.
(7p)3.4. Na figura 1, em A, a célula X atravessa o capilar sanguíneo por ____________. Em B emite _______ e
por _______ elimina o Clostridium tetani.
(A) fagocitose; pseudópodes; diapedese.
(B) fagocitose; flagelos; diapedese.
(C) diapedese; pseudópodes; fagocitose.
(D) diapedese; flagelos; fagocitose.

(7p)3.5. O Clostridium tetani produz uma__________ que age sobre o sistema nervoso central. O tratamento da
doença baseia-se no processo de imunidade _________.
(A) toxina; passiva.
(B) toxina; ativa.
(C) histamina; passiva.
(D) histamina; ativa.

(7p)3.6. O tratamento do tétano é feito através de anticorpos monoclonais. Os anticorpos monoclonais…


(A) são produzidos, naturalmente, pelo organismo quando se verifica uma infeção pelo antigénio.
(B) reconhecem vários determinantes antigénicos de um mesmo antigénio.
(C) resultam da ativação de um único clone de linfócitos B.
(D) são isolados a partir do plasma sanguíneo de animais inoculados com um determinado antigénio.

(16p)4. De acordo com os dados do quadro, estabeleça a correspondência entre as afirmações e a chave.
AFIRMAÇÕES:
A- Antes da primeira inoculação, o organismo não contém anticorpos específicos.
B- A taxa de anticorpos no sangue aumenta sempre com o tempo após uma inoculação.
C- A terceira inoculação é a mais eficaz.
D- Ao fim de 24 meses, após a segunda inoculação, a taxa de anticorpos é nula.
E- A primeira inoculação não confere imunidade.
F- Um indivíduo está imunizado quando apresenta 0,5 UL/ml.
G- A taxa de plasmócitos é muito elevada após a terceira inoculação.
H- A vacina conduz à produção de anticorpos.

CHAVE:
I- Afirmação apoiada pelos dados.
II- Afirmação contrariada pelos dados.
III- Afirmação não confirmada pelos dados.

(12p) 5. Um adulto deve vacinar-se contra o tétano de dez em dez anos. Baseando-se nos mecanismos de
imunidade específica inerentes ao processo de vacinação, explique porque razão a vacina antitetânica exige reforço
periódico.
GRUPO II
A gripe é uma doença infeciosa, que afeta aves e mamíferos, provocada pelas diversas estirpes do vírus influenza
(figura 2). Esta doença pode ser transmitida por via aérea, havendo propagação de partículas contendo vírus
através de tosse e de espirros.

Figura 2 – Ciclo de vida do vírus da gripe

Nos países desenvolvidos, a população tem ao seu dispor vacinas contra a gripe, sendo que a trivalente, contendo
antigénios de três estirpes virais, é a mais comum. A vacina produzida num determinado ano pode não ser eficaz
para o ano seguinte, dada a evolução rápida do vírus da gripe. A vacina recomendada para um determinado ano
depende de estudos acerca do tipo de vírus que se prevê ser mais abundante ou mais patogénico.

A figura 3 representa o mecanismo de defesa específico, desenvolvido pelo organismo, como resposta a uma
infeção viral.

Figura 3 - Resposta imunitária a uma infeção viral

Os linfócitos T auxiliares (TH) desempenham um papel central na regulação do funcionamento do sistema


imunitário. Uma vez ativados, multiplicam-se e segregam mensageiros químicos que estimulam a
multiplicação e a diferenciação de outros linfócitos, também ativados pelo contacto com o antigénio.
Selecione as opções que completam corretamente as afirmações de 1 a 5.
(7p) 1. Com base nos dados é possível afirmar que a gripe…
(A) … é uma doença contagiosa causada por uma bactéria.
(B) … é uma doença contagiosa causada por um vírus.
(C) … não é uma doença contagiosa.
(D) … é uma doença contagiosa causada por um vírus ou por uma bactéria.

2. O vírus da gripe reproduz-se…


(7p)
(A) … infetando células e recorrendo apenas aos seus mecanismos de replicação de DNA.
(B) … de forma autónoma.
(C) … infetando células e recorrendo aos seus mecanismos de replicação de DNA e de síntese proteica.
(D) … no interior de outros vírus recorrendo aos seus mecanismos de replicação de DNA.

3. Os novos vírus formados são…


(7p)
(A) … idênticos aos que lhes deram origem, pois não há recombinação de material genético viral com o da
célula hospedeira.
(B) … diferentes dos que lhes deram origem, pois há recombinação de material genético viral com o da célula-
hospedeira.
(C) … idênticos aos que lhes deram origem, pois os vírus reproduzem-se assexuadamente por bipartição.
(D) … diferentes dos que lhes deram origem, pois há recombinação do material genético dos vírus durante a
reprodução.

(7p) 4. Os mecanismos de defesa não específica que combatem o vírus da gripe podem ser…:
(A) … anticorpos e interferões.
(B) … mucosas e interferões
(C) … anticorpos e mucosas
(D) … resposta inflamatória e secreções ácidas.

(7p)5. A eliminação do vírus da gripe resulta de mecanismos de defesa específica como:


(A) imunidade humoral e celular.
(B) imunidade celular.
(C) imunidade humoral.
(D) resposta inflamatória.

(7p) 6. As afirmações seguintes dizem respeito à vacina da gripe. Selecione a opção que as avalia corretamente.

Afirmações:
I. A vacina da gripe confere imunidade permanente.
II. A vacina da gripe confere imunidade ativa ao indivíduo.
III. Após a vacinação é expectável o aumento de anticorpos contra o vírus Influenza no sangue.

Opções:
A. A afirmação II é verdadeira, I e III são falsas.
B. As afirmações I e II são falsas, III é verdadeira.
C. As afirmações I e II são verdadeiras, III é falsa.
D. As afirmações II e III são verdadeiras, I é falsa.

(10p)7. Faça corresponder a cada um dos números de 1 a 5 da figura 3 uma das letras (de A a H) da chave,
que identificam intervenientes no processo de defesa representado.
Chave
A – Anticorpo D- Imunoglobulina G- Macrófago
B – Complexo antigénio-anticorpo E- Linfócito B H- Plasmócito
F- Linfócito T
C – Célula de memória
(16p) 8. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações, relativas a células
intervenientes no mecanismo de defesa ilustrado na figura 3.
A – A formação de hibridomas envolve a utilização de células semelhantes à célula 1.
B – A célula assinalada com o número 2 intervém na imunidade humoral.
C – A rejeição de tecidos enxertados é provocada por células semelhantes à célula 2.
D – Na destruição de células cancerosas, intervêm células do tipo da assinalada com o número 2.
E – A ação da célula 3 é intensificada pela ligação de anticorpos aos antigénios.
F – A célula 1 teve origem na medula óssea e diferenciou-se no timo.
G – A célula 3 pode ter resultado da transformação de um linfócito.
H – A célula 3 participa apenas em mecanismos de defesa específica.

(12p) 9. Explique de que modo a interação entre fenómenos de defesa específica é essencial para a cura da gripe.

GRUPO III
Uma reação alérgica corresponde a um estado de hipersensibilidade imunitária, traduzida por reações aberrantes
em relação a antigénios específicos, designados alergénios. Os alergénios são, em regra, substâncias inofensivas
presentes no ambiente que se comportam como antigénios normais para a maioria das pessoas. A figura 4 ilustra
algumas etapas que decorrem de uma reação alérgica.

Figura 4 – Reação alérgica

(12p) 1. Faça corresponder a cada afirmação uma das letras da figura.


AFIRMAÇÕES:
I- Elevada produção de imunoglobulinas IgE.
II- Ligação dos antigénios aos mastócitos.
III- Libertação de estaminas.
IV- Ligação dos IgE à superfície dos mastócitos.

(7p) 2- Coloque por ordem os números de I a VI, de modo a reconstituir a sequência cronológica da reação
alérgica, representada na figura 4.
I- Libertação de histaminas pelos mastócitos.
II- Produção e libertação de grandes quantidades de imunoglobulinas IgE.
III- Resposta fisiológica.
IV- Entrada do antigénio no organismo (sensibilização).
V- Ligação dos IgE dos mastócitos aos antigénios.
VI- Ligação dos IgE aos mastócitos.

FIM