Você está na página 1de 3

1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS


FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS– FAFICH
DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA
SEÇÃO DE ENSINO/COLEGIADO DE HISTÓRIA
e-mail: colgradhis@fafich.ufmg.br
url: http://www.fafich.ufmg.br/atendimento
DISCIPLINA: ARQUIVOS E MUSEUS HISTÓRICOS
CÓDIGO: HIS057
_______________________________________________________________________________
PROGRAMA

Ementa
Abordagem histórica dos conceitos de arquivo e museu. Compreensão do sentido moderno
das instituições culturais, especialmente arquivos e museus históricos, e o potencial de
atuação do historiador nestes espaços. Análise dos fundamentos da organização dos
arquivos e museus histórico e das políticas de preservação do patrimônio histórico/cultural
no Brasil.

Cronograma
Fevereiro: 26 e 28
Março: 06, 08, 13, 15, 20, 22, 27, 29
Abril: 03, 05, 10, 12, 17, 19, 24, 26
Maio: 03, 08, 10, 15, 17, 22, 24, 29, 31
Junho: 05, 12, 14

Programa
I- Arquivos e Museus: abordagem histórica
• Os museus têm história
• Os arquivos têm história

II- Os historiadores nos Arquivos e Museus


• A coleção
• Tipologia e Terminologia
• Arquivar o quê e para quê?
• Documento para os historiadores: em busca da informação
• Potencialidades dos Museus e Arquivos: o trabalho do historiador

III- Conhecimento histórico e os Museus


• Conhecimento histórico e os Museus
• A estrutura dos museus
• Os museus e a pesquisa
• Museus e informação
• Museus e Público
• Projetos e atuação na área

IV- O Público
• Cultura em espaços públicos
• Ação educativa
• Exposição nos museus
• Arranjos nos arquivos
2

• Recepção

V- Patrimônio Histórico
• Trajetória da política de preservação no Brasil
• Projetos e atuação na área

Avaliação
As avaliações constarão de 3 atividades
a) Duas avaliações escritas. As avaliações serão montadas a partir dos temas debatidos e
analisados nos seminários
b) Seminários ao longo do curso e a confecção de um glossário com termos arquivísticos.
c) Visitas aos Museus, Arquivos e centros de documentação
d) As datas para entrega das avaliações serão previamente fixadaa e deverão ser respeitada
rigorosamente. Não serão aceitos trabalhos entregues posteriormente.

Bibliografia

Temas Gerais
BRASIL. MEC. PROTEÇÃO E REVITALIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL NO BRASIL: uma trajetória. Secretaria do
Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Pró-Memória, 1980.
CARENA, Carlo. Ruína e Restauro. In: . In: Enciclopédia Einaudi, Le Goff (org). Porto: Imprensa Nacional - Casa da
Moeda, 1984, p.107/129.
Chauí Marilena. Cidadania cultural: o direito à cultura. SP: Editora Fundação Perseu Abramo. 2006.
ECO, Umberto. Viagem à irrealidade do cotidiano. 5ª edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1984.
FIGUEIREDO, BETÂNIA G E VIDAL, DIANA. (ORGS) Dos gabinetes de curiosidade à museologia moderna. BH:
Argvmentvm editora, 2005.
FONSECA, Maria Cecília Londres. O patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil
(capts. 3/4/5). Rio de Janeiro: UFRJ: IPHAN, 1997.
GOMES, Sônia de Conti e MOTTA, Rosemary Tofani. A preservação do acervo antigo da Biblioteca Municipal de São
João Del Rei: um desafio. R. Esc. Biblioteconomia. UFMG, BH, v.19, n.1, p. 39-58, mar. 1990.
_________________________________________. Técnicas alternativas de conservação: recuperação de livros,
revistas, folhetos e mapas. 2º edição. Belo Horizonte: editora UFMG, 1997.
LE GOFF, Jacques. Documento-Monumento. In: Enciclopédia Einaudi, Le Goff (org). Porto: Imprensa nacional -
Casa da Moeda, 1984. pag 95-106.
MIGUEL, Ana Maria Macarrón. Historia de la conservación y la restauración. Madrid: editorial Tecnos, 1995.
Nora, Pierre. (Entrevista com, realizada por Ana Cláudia Fonseca Brefe). Pierre Nora, ou o historiador da memoria.
História Social. Revista da Pós-graduação em História, IFCH/Unicamp, nº6, 1999, p13/úmeroe icot ’;audia
fonsd,
Actes des Entretiens du Patrimoine: Patrimoine et passions identitaire. Vol III. Sous la présidence de Jacques Le
Goff. Paris: Fayard, 1997.
SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Cultura. DPH. O Direito à Memória: Patrimônio Histórico e Cidadania. SP:
DPH, 1992.

Arquivos
ARIÈRES, Philipe. Arquivar a própria vida. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 11, nº21, 1998, p. 9,34.
Belloto, Heloísa L. Arquivos Permanentes. Rio de Janeiro: FGV, 2005.
CORTÊS, Regina P. Arnond. Arquivo público e informação: o acesso à informação nos arquivos públicos estaduais
do Brasil. Dissertação de Mestrado: Ciência da Informação/Escola de Biblioteconomia, UFMG 1996.
COSTA, Maria Leite Célia. Acesso à informação nos arquivos brasileiros. Estudos Brasileiros, Rio de Janeiro, vol. 2,
n.3, 1989, p. 63-76.
DURANTI, Luciana. Registros documentais contemporâneos como provas de ação. Estudos Brasileiros, Rio de
Janeiro, vol. 7, n.13, 1989, p. 46-64.
PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. 3 edição. Rio de Janeiro: FGV, 1997.
3

POMIAN, Krzysztof. Colecção. In: Enciclopédia Einaudi, Le Goff (org). Porto: Imprensa nacional - Casa da Moeda,
1984. pag 51-86.
SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Cultura. DPH. O Direito à Memória: Patrimônio Histórico e Cidadania. SP:
DPH, 1992.
SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças. SP: Cia das Letras, 1993. (Capts. 3 e 4)
MIRANDA, Wander Melo (org). A trama do arquivo. Belo Horizonte: editora da UFMG, 1995.
PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e Prática. 3º edição. R J: Fundação Getúlio Vargas, 1997.

Museus
ARANTES, Otília B. Fiori. O papel dos Museus na “era da cultura”. Museu de arte contemporânea da USP, aula
inaugural, agosto de 1985.
BIBLIOGRAFIA SOBRE MUSEUS E MUSEOLOGIA. São Paulo: USP: Comissão de Patrimônio Cultural, 1997.
CRESTANA, S., CASTRO, M. Goldman de, PEREIRA, Gilson, R. de M. (Orgs). Centros e museus de ciência: visões e
experiências: subsídios para um programa nacional de popularização da ciência. São Paulo: Estação Ciência e
editora Saraiva, 1998.
GIRAUDY, Danièle e Bouilhet, Henry. O museu e a vida. Rio de Janeiro: Fundação Nacional Pró-Memória; Porto
Alegre: Instituto Nacional do Livro; Belo Horizonte: UFMG, 1990.
HERNÁNDEZ HERNÁNDEZ, Francisca. Manual de museología. Madrid: Síntesis, 1998.
HEIN, GEORGE E. Learniing in the Museum. London: Routledge, 1998
KEENAN, Thomas (org). The End(s) of the Museum. Barcelona: Fundació Antoni Tàpies, 1996.
LEON, Aurora. El Museo. Teoria, praxis y utopia . 5ª ed. Madrid: Cátedra, 1990.
MALEUVRE, Didier. Museum Memories: History, Technology, Art. Stanford: Stanford University Press, 1999.
MILES, Roger and ZAVALA, Lauro (Orgs). Towards the Museum of the Future: New European Perspectives.
London/New York: Routledge, 1994.
MONTEBELLO, Philippe de. The Met and The New Millennium: A Chronicle of The Past and A Blueprint for the
future. New York: The Metropolitan Museum of, 1992.
NICOLAS, Lynn H. Europa Saqueada: o destino dos tesouros artísticos europeus no 3º Reich e na II Guerra Mundial.
São Paulo: Cia das Letras, 1997.
NOGUÉ, José Maria Luzón et alli. Los grandes museos históricos. Madrid: Galaxia Gutenberg/ Fundación Amigos
del Museo del Prado. 1995.
SEGALL, Maurício. Museus hoje para o amanhã? Novos Estudos Cebrap. março de 1997, p. 199-208.
SCHAER, Roland. L’invention des musées. Paris: Gallimard,1993.
SHERMAN, Daniel J. and Rodoff, Irit (editors). Museum Culture: histories, discourses, Spectacles. London:
Routledge, 1994.
MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. A história, cativa da memória? Para um mapeamento da memória no campo das
Ciências Sociais. Rev. Inst. Est. Bras, SP, 34:9-24, 1992.
___________ Para que serve um museu histórico? In: Como explorar um museu histórico. São Paulo: Museu
Paulista, USP, 1992.

Obras de referência
Camargo, Ana Maria de Almeida e Belloto, Heloísa L. (Coord). Dicionário de terminologia Arquivística. São Paulo:
AAB, 1996.

VISITE A HOME PAGE DO CURSO ARQUIVOS E MUSEUS:


http://www.fafich.ufmg.br/~beta/index.htm