Você está na página 1de 9

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

CÂMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS


ENGENHARIA CIVIL - ENGENHARIA ELÉTRICA

Professor: Gilmar Pires Novaes


Aluno(a):
Matrı́cula:

5a LISTA DE EXERCÍCIOS DE CÁLCULO III

CAMPOS VETORIAIS

[Exercı́cios: 1-7] Dados os campos vetoriais bidimensionais F a seguir, verifique


qual(is) é(são) conservativo(s). Para aquele(s) que é(são) conservativo(s), obtenha a(s)
função(ões) potencial(is) f correspondente(s) (ou seja, tal(is) que F = ∇f ).
1. F = (yex + seny) i + (ex + xcosy) j.
2. F = (xycosh(xy) + senh(xy)) i + (x2 cosh(xy)) j.
3. F =  (e2y − 2xy)  2y 2
 − x 2+ 1) j. 
i + (2xe
2
2x 3y 2y x 1
4. F = − 4 i+ 3
− 2+√ j.
y x ! x y !y
5 5 5 5
2x 2 − 3y 3 3y 3 − 2x 2
5. F = 5 2 i+ 3 5 j.
2x 2 y 3 3x 2 y 3
!
3
x
6. F = (x2 arcseny) i + p − lny j.
3 1 − y2
x2
   
arctgy x arcsenx
7. F = √ + i+ − 2 + 1 j.
1 − x2 y 1 + y2 2y
[Exercı́cios: 8-12] Dados os campos vetoriais tridimensionais F a seguir, verifique
qual(is) é(são) conservativo(s). Para aquele(s) que é(são) conservativo(s), obtenha a(s)
função(ões) potencial(is) f correspondente(s) (ou seja, tal(is) que F = ∇f ).
8. F = (ycosz − yzex ) i + (xcosz − zex ) j − (xysenz + yex ) k.
9. F = (2ye2x + ez ) i + (3ze3y + e2x ) j + (xez + e3y ) k.
10. F = ysec2 x i + (tgx − zsec2 y) j + xsecztgz k.
11. F = (zex + ey ) i + (xey − ez ) j + (−yez + ex ) k.
12. F = (tgy + 2xysecz) i + (xsec2 y + x2 secz) j + secz(x2 ytgz − secz) k.
2

13.
a) Demonstre que o campo gravitacional

xi + yj + zk
F(x, y, z) = −mM G 3
(x2 + y 2 + z 2 ) 2

é conservativo.
b) Obtenha uma função potencial para F.
14.
a) Demonstre que o campo elétrico

xi + yj + zk
F(x, y, z) = εqQ 3
(x2 + y 2 + z 2 ) 2

é conservativo.
b) Obtenha uma função potencial para F.
15. Obtenha uma função não nula h para a qual o campo vetorial F(x, y) = h(x)(xseny+
ycosy)i + h(x)(xcosy − yseny)j seja conservativo.

INTEGRAL DE LINHA

1. Calcule o trabalho realizado pelo campo de força F(x, y) = xi + (y + 2)j sobre um


objeto que se move sobre um arco da cicloide r(t) = (t − sent)i + (1 − cost)j, 0 ≤ t ≤ 2π.
2. Calcule o trabalho realizado sobre um objeto de massa m que se move com função
posição r(t) = asenti + bcostj + ctk, 0 ≤ t ≤ π2 .
3. A força exercida por um fio infinitamente longo com carga uniforme, colocado ao
longo do eixo dos z, sobre uma partı́cula com carga em um ponto (x, y) 6= (0, 0) no plano
xy, é dada por
c(xi + yj)
F(x, y) = 2 ,
x + y2
em que c é uma constante positiva.
Calcule o trabalho realizado por F ao mover uma partı́cula ao longo de cada trajetória
dada a seguir.
a) O segmento de reta de (1, 0) a (1, 2).
b) O segmento de reta de (0, 1) a (1, 1).
4. Suponha que a Terra esteja localizada na origem de um sistema de coordenadas
retangulares. A força gravitacional que age sobre um objeto no ponto (x, y) 6= (0, 0) é
dada por
−c(xi + yj)
F(x, y) = 3 ,
(x2 + y 2 ) 2
em que c é uma constante positiva.
Calcule o trabalho realizado por F ao mover um objeto de (3, 0) a (0, 4) ao longo de
cada trajetória dada a seguir.
a) A parte da elipse r(t) = 3costi + 4sentj, 0 ≤ t ≤ π2 , no primeiro quadrante.
b) O segmento de reta de (3, 0) a (0, 4).
3

5. Um campo de forças que varia com o inverso do quadrado da distância é dado por

c(xi + yj + zk)
F(x, y, z) = 3 ,
(x2 + y 2 + z 2 ) 2

em que c é uma constante positiva.


Calcule o trabalho realizado por F ao mover uma partı́cula ao longo de cada trajetória
dada a seguir.
a) O segmento de reta√de (1, √ 0, 2) a (1, 3, 2).
b) De (1, 0, 0) a (0, 5 2/2, 5 2/2), pelo segmento de reta de (1, 0, 0) a (5, 0, 0), e,
2 2 2
então, seguindo
√ uma
√ trajetória ao longo da superfı́cie da esfera x + y + z = 25 até o
ponto (0, 5 2/2, 5 2/2).
6. Um objeto se move ao longo da curva y = αx(1 − x), de (0, 0) a (1, 0). Uma das
forças que age sobre esse objeto é F(x, y) = (y 2 + 1)i + (x + y)j. Calcule o valor de α que
minimiza o trabalho realizado por F sobre esse objeto. R
7. Dada f (x, y) = ln(x2 + y 2 ), calcule a integral de fluxo C ∇f · nds, em que C é o
cı́rculo x2 + y 2 = a2 percorrido no sentido anti-horário.
8. Calcule a área da superfı́cie que se estende verticalmente desde o cı́rculo x2 + y 2 = 1
no plano xy até o cilindro parabólico z = 1 − x2 .
√ 9. Calcule a área da superfı́cie que se estende
2
verticalmente desde o semicı́rculo y =
2
4 − x no plano xy até a superfı́cie z = x y.
10. Como ilustrado na figura a seguir, um corte senoidal foi feito no topo de uma
lata cilı́ndrica. Suponha que a base seja modelada pelas equações paramétricas x =
cost, y = sent, z =, 0 ≤ t ≤ 2π, e a altura desse corte, como uma função de t, seja
z = 2 + 0, 5sen(3t). Calcule a área da superfı́cie.

TEOREMA FUNDAMENTAL DO CÁLCULO DE INTEGRAL DE LINHA

[Exercı́cios: 1-7] Dados os campos vetoriais F a seguir,


a) demonstre que F é conservativo.
b) obtenhaR uma função escalar f tal que F = ∇f .
c) calcule C F·dr por meio do Teorema Fundamental do Cálculo de Integral de Linha,
em que C é a curva dada.
1. F = (1 + xy)exy i + x2 exy j; C : r(t) = cost i + 2sent j, 0 ≤ t ≤ π2 .
2. F = (e2y − 2xy) i + (2xe2y − x2 + 1) j; C : r(t) = tet i + (1 + t) j, 0 ≤ t ≤ 1.
3. F = (ey + yex ) i + (ex + xey ) j; C é o segmento de reta de (0, 0) a (1, −1).
2y 2x
4. F = i + j; C é qualquer curva suave de (0, 2) a (1, 0).
(xy + 1)2 (xy + 1)2
4

e−x
5. F = (e−x lny) i − j + 3z 2 k; C : r(t) = (t + 1) i + e2t j + (t2 + 1) k, 0 ≤ t ≤ 1.
  y    
1 y 1 z 1 x
6. F = − i+ − j+ − k; C é qualquer curva suave de
z x2 x y2 y z2
(1, 2, −1) a (2, −4, −2).
7. F = [2xln(yz) − 5yex ] i − (5ex − x2 y −1 ) j + (x2 z −1 + 2z) k; C é qualquer curva suave
de (2, 1, 1) a (3, 1, e).
8. Dado o campo vetorial F = −yi+xj
R
2 2
x +y R
, demonstre que C
F · dr não é independente do
R
caminho. (Sugestão: calcule C1 F · dr e C2 F · dr, em que C1 e C2 são as metades superior
e inferior do cı́rculo x2 + y 2 = 1, de (1, 0) a (−1, 0)). Isso contradiz o teorema abaixo?
Justifique sua resposta.
Teorema. Se F = P i + Qj é um campo vetorial em uma região aberta simplesmente
conexa D, na qual P e Q têm derivadas parciais primeiras contı́nuas tais que
∂P ∂Q
= ,
∂y ∂x
então F é conservativo.
9.
a) Suponha que F seja um campo vetorial inverso do quadrado, ou seja,
cr
F(r) = ,
||r||3
para alguma constante não nula c, em que r = xi + yj + zk.
Calcule o trabalho realizado por F para mover um objeto por um caminho, de um
ponto P1 a um ponto P2 , em termos das distâncias d1 e d2 desses pontos à origem.
b) Um exemplo de um campo vetorial inverso do quadrado é o campo gravitacional
mM Gr
F = − . Use o TCIL para calcular o trabalho realizado pelo campo gravitacio-
|r|3
nal quando a Terra se move do afélio (em uma distância máxima de 1, 52 × 108 km do
Sol) ao periélio (em uma distância mı́nima de 1, 47 × 108 km do Sol). (Use os valores
m = 5, 97 × 1024 kg, M = 1, 99 × 1030 kg e G = 6, 67 × 10−11 N · m2 /kg 2 .)
c) Outro exemplo de um campo vetorial inverso do quadrado é o campo elétrico
εqQr
F = 3
. Suponha que um elétron com carga de −1, 6 × 10−19 C esteja localizado
|r|
na origem, uma carga positiva unitária seja colocada à distância de 10−12 m do elétron e
se mova para uma posição que está à metade da distância original do elétron. Use o TFCIL
para calcular o trabalho realizado pelo campo elétrico. (Use o valor ε = 8, 985 × 109 .)
10. Seja C a elipse na qual o plano 2x + 3y − z = 0 intersecta o cilindro x2 + y 2 = 12.
Demonstre, sem calcular diretamente integral de linha alguma, que a circulação do campo
vetorial F(x, y, z) = xi + yj + zk em torno de C em qualquer direção é nula.
yi − xj
11. A força F(x, y) = − é aplicada continuamente em um objeto que percorre
2
uma elipse em posição normal. Obtenha uma relação entre o trabalho W realizado por
essa força nesse objeto durante cada órbita e a área dessa elipse.
12. A circulação de um campo vetorial v ao longo de uma curva orientada positivida-
mente C é dada pela integral de linha
Z
v(r) · dr.
C
5

Seja v o campo de velocidades de um fluido em um movimento circular no sentido trigo-


nométrico em torno do eixo z com velocidade angular constante ω (|v| = ω).
a) Verifique que v(r) = ωk × r.
b) Demonstre que a circulação de v ao longo de qualquer cı́rculo C orientado positi-
vamente no plano xy com centro na origem é ±2ω vezes a área desse cı́rculo.
13. Seja v o campo de velocidades de um fluido que se afasta da origem radialmente:
v = f (x, y)r. Qual a circulação de v ao longo de um cı́rculo C centrado na origem
orientado positivamente?
6

EXTRAS

1.
a) Demonstre que, se o campo vetorial F = P i + Qj + Rk é conservativo, então
∂P ∂Q
= ,
∂y ∂x

∂P ∂R
= ,
∂z ∂x
∂Q ∂R
= .
∂z ∂y
b) Use o resultado do item a) para mostrar que
Z
2xydx + x2 dy + y 2 dz
C

não é independente do caminho C (ou seja, não é conservativo).


2. Um homem de 160 libras carrega uma lata de 25 libras de tinta subindo uma escada
helicoidal que circunda um silo com um raio de 20 pés. Se o silo é de 90 pés de altura e o
homem faz exatamente três rotações completas para subir ao topo, de quanto é o esforço
feito pelo homem contra a gravidade?
3. Um homem de 160 libras carrega uma lata de 25 libras de tinta subindo uma escada
helicoidal que circunda um silo com um raio de 20 pés. Suponha que o silo seja de 90 pés
de altura e que o homem faça exatamente três rotações completas para subir ao topo. Se
existe um furo nessa lata pelo qual vazam 9 libras de tinta de modo contı́nuo e uniforme
durante a subida desse homem, quanto trabalho é realizado?
4. Demonstre que um campo de força constante realiza trabalho nulo sobre uma
partı́cula que percorre uma única volta completa uniformemente no cı́rculo x2 + y 2 = 1.
Esse fato é também verdadeiro para um campo de força F(x) = kx, em que k é uma
constante e x = (x, y)? Justifique sua resposta.
5. Demonstre que, se um objeto se move através de um campo de força F de modo
que, em cada ponto (x, y, z), seu vetor velocidade é ortogonal a F(x, y, z), então o trabalho
realizado por F sobre esse objeto é nulo.
6. Suponha que um satélite de massa m esteja circulando em torno da Terra a uma
altitude constante de h km e que complete uma revolução a cada k min. Dado que o
raio da Terra é de, aproximadamente, 6300 km, calcule o trabalho realizado pelo campo
gravitacional da Terra durante um intervalo arbitrário de tempo.
7. A base de uma cerca circular com raio de 10 m é dada por x = 10 cost, y = 10 sent.
A altura dessa cerca, na posição (x, y), é dada pela função h(x, y) = 4 + 0, 01(x2 − y 2 ),
de modo que ela varia de 3 m a 5 m. Suponha que 1 l de tinta cubra 100 m2 . Calcule a
quantidade de tinta necessária para pintar os dois lados dessa cerca.
8. Demonstre que, se C é uma curva suave dada por uma função vetorial r(t),
a ≤ t ≤ b, e v é um vetor constante, então
Z
v · dr = v · [r(b) − r(a)].
C
7

9. Demonstre que, se C é uma curva suave dada por uma função vetorial r(t),
a ≤ t ≤ b, então Z
1
r · dr = [|r(b)|2 − |r(a)|2 ].
C 2
10. Experiências mostram que uma corrente contı́nua I em um fio comprido produz
um campo magnético B que é tangente a qualquer cı́rculo em um plano perpendicular ao
fio cujo centro seja o eixo do fio (figura a seguir). A Lei de Ampère relaciona a corrente
elétrica ao campo magnético criado, segundo a expressão
Z
B · dr = µ0 I,
C

em que I é a corrente elétrica total que passa por qualquer superfı́cie limitada por uma
curva fechada C, e µ0 é uma constante denominada permeabilidade no vácuo. Considerado
C um cı́rculo de raio r, demonstre que o módulo B = |B| do campo magnético a uma
distância r do centro do fio é dado por
µ0 I
B= .
2πr
8

RESPOSTAS

CAMPOS VETORIAIS

1. f (x, y) = yex + xseny + K 8. f (x, y, z) = xycosz − yzex + K


2. f (x, y) = xsenh(xy) + K 9. f (x, y, z) = ye2x + xez + ze3y + K
3. f (x, y) = xe2y − x2 y + y + K 10. Não é conservativo.
x 2
y 2
√ 11. f (x, y, z) = zex + xey − yez + K
4. f (x, y) = + 3 +2 y+K 12. f (x, y, z) = xtgy +x2 ysecz −tgz +K
y x
x y mM G
5. f (x, y) = 2 + 3 + K 13. b) f (x, y, z) = p
y3 x2 x2 + y 2 + z 2
1 εqQ
6. f (x, y) = x3 arcseny + y − ylny + K 14. b) f (x, y, z) = p
3 x + y2 + z2
2
x2 x
7. f (x, y) = (arcsenx)(arctgy) + 2y + 15. h(x) = Ke (K é uma constante
y+K arbitrária não nula)

INTEGRAL DE LINHA

1. 2π 2 5
1 6. α =
2. m(b2 − a2 ) 2
2 7. 4π
c c
3. a) ln5; b) ln2
2 2 8. π
c c
4. a) − ; b) − 32
12 12 9.
c c 4 3
5. a) √ − √ ; b) c 10. 4π
5 14 5

TEOREMA FUNDAMENTAL DO CÁLCULO DE INTEGRAL DE LINHA

1. b) f (x, y) = xexy + K; c) -1.


2. b) f (x, y) = xe2y − x2 y + y + K; c) e5 − 2e2 + 1.
3. b) f (x, y) = xey + yex + K; c) e−1 − e.
2
4. b) − + K; c) 0
xy + 1
5. b) f (x, y, z) = z 3 − e−x lny + K; c) 7 − e−2 .
x yz
6. b) f (x, y) = + + K; c) −3.
z xy
7. b) f (x, y, z) = x2 ln(yz) − 5yex + z 2 + K; c) −5e3 + 6e2 + 8
8. Dissertativa.
 
9. a) c d1 − d2 ; b) ∼
1 1
= 1, 77 × 1032 J; c) ∼
= 1400 J
10. Demonstração.
11. |W | = πab (o trabalho, em módulo, é igual à área da elipse)
12. Demonstração.
13. 0
9

EXTRAS

1. Demonstração.
2. 1, 665 × 104 pés-libra.
3. 1, 6245 × 104 pés-libra.
4. Dissertativa.
5. Demonstração.
6. 0
7. 1, 6π l de tinta.
8. Demonstração.
9. Demonstração.
10. Demonstração.