Você está na página 1de 2

Nota:

/11/15

Aluno N°: 8º EF- Prof.: Anael

BULLYING E CYBERBULLYING

Bullying é um termo da língua inglesa (bully = “valentão”) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou
físicas, intencionais e repetitivas, que ocorrem sem motivação evidente e são exercidas por um ou mais indivíduos, causando dor
e angústia, com o objetivo de intimidar ou agredir outra pessoa sem ter a possibilidade ou capacidade de se defender, sendo
realizadas dentro de uma relação desigual de forças ou poder. É mais comum ouvirmos notícias de bullying acontecendo na
escola, mas pode acontecer no âmbito profissional, ou mesmo na família.

As pessoas que testemunham o bullying, na grande maioria, alunos, convivem com a violência e se silenciam em razão de
temerem se tornar as “próximas vítimas” do agressor. No espaço escolar, quando não ocorre uma efetiva intervenção contra
o bullying, o ambiente fica contaminado e os alunos, sem exceção, são afetados negativamente, experimentando sentimentos de
medo e ansiedade.

As crianças ou adolescentes que sofrem bullying podem se tornar adultos com sentimentos negativos e baixa autoestima. Tendem
a adquirir sérios problemas de relacionamento, podendo, inclusive, contrair comportamento agressivo. Em casos extremos, a
vítima poderá tentar ou cometer suicídio.

O(s) autor(es) das agressões geralmente são pessoas que têm pouca empatia, pertencentes à famílias desestruturadas, em que o
relacionamento afetivo entre seus membros tende a ser escasso ou precário. Por outro lado, o alvo dos agressores geralmente
são pessoas pouco sociáveis, com baixa capacidade de reação ou de fazer cessar os atos prejudiciais contra si e possuem forte
sentimento de insegurança, o que os impede de solicitar ajuda.

A seguir listamos os tipos ou variações de bullying:

1. Físico

Empurrar, socar, chutar, beliscar, bater; O bullying físico é aquele que, como diz o nome, traz danos físicos para a vítima. O bully,
ou agressor, bate, puxa o cabelo, belisca, morde, prende a pessoa em algum lugar ou realiza algum outro ato violento por um
pequeno motivo ou sem motivo algum. Como qualquer outro tipo debullying, ele pode começar na educação infantil e ir até o
ensino médio, piorando no decorrer dos anos, pois o agressor adquire mais malícia e mais força.

2. Verbal

Apelidar, xingar, insultar, zoar; É o tipo mais comum e mais difícil de ser identificado, pela facilidade com que as pessoas dizem
coisas impensadas. São as famosas piadinhas, gozações, apelidos, ameaças e fofocas. A diferença entre este tipo de bullying e a
mera brincadeira é que na brincadeira todos se divertem com a piada, e no bullying, o alvo da piada sofre. Destaca-se que o
sofrimento pela palavra pode doer mais do que qualquer soco.

3. Material

Destroçar, estragar, furtar, roubar; É o ato de esconder, sujar, rasgar, estragar, jogar em algum local inacessível, riscar ou
danificar os pertences da vítima. Lembrando que obully quer sempre mostrar a sua força, e destruir os bens alheios é uma forma
de intimidação usada para tal.

4. Moral ou Sentimental

Difamar, disseminar rumores, caluniar; Este tipo é parecido com o verbal, mas as principais diferenças são que, neste, não
existem as provocações, somente os apelidos, e são coisas que atacam diretamente o lado emocional da vítima, podendo fazer
com que ela se afaste do convívio normal com as pessoas e enfrente sérios distúrbios, como bulimia, anorexia, mutilação, entre
outros.

5. Psicológico

Ignorar, excluir, isolar, perseguir, amedrontar, aterrorizar, intimidar, dominar, tiranizar, chantagear, manipular, ameaçar,
discriminar, ridicularizar; É uma variação do verbal ou moral. Pode fazer com que a pessoa sempre pareça culpada, e o bully faz
coisas para culpar e prejudicar a vítima, o que pode acarretar problemas mais sérios, como depressão ou mania de perseguição.

O que é o cyberbullying?

Rua Conceição,1246 – São Miguel - Juazeiro do Norte – Ceará - Fones:(88) 3512-1034/3512-1793

www.cparaiso.com.br
É a forma virtual de praticar Bullying. É uma modalidade que vem preocupando especialistas, pais e educadores, em todo o
mundo, por seu efeito multiplicador do sofrimento das vítimas.

Na sua prática utilizam-se das modernas ferramentas da Internet e de outras tecnologias de informação e comunicação, móveis ou
fixas, com o intuito de maltratar, humilhar e constranger. É uma forma de ataque perversa que extrapola em muito os muros da
escola, ganhando dimensões incalculáveis.

Uma das principais diferenças entre o bullying presencial e aquele praticado pelo meio eletrônico é que no primeiro existe a
identificação do agressor, ou seja, a vítima sabe de quem partiu direta ou indiretamente as agressões. Já no mundo virtual, o
agressor se esconde na falsa idéia de anonimato, criando nomes falsos, apelidos e se fazendo pasasr por outras pessoas.

Essa questão do anonimato traz uma segunda diferença entre o bullying presencial e o virtual. No bullying físico, normalmente o
agressor é mais forte – mental ou fisicamente – que a vítima, sendo que no mundo eletrônico tal conclusão não existe, uma vez
que qualquer pessoa pode cometer os atos de agressão online.

Como terceira diferença, citamos que no caso do cyberbullying as ações do agressor têm lugar através do meio eletrônico, o que
faz com que não presencie de forma imediatamente tangível os resultados das suas ações na vítima.

Desta forma, o agressor não vê de imediato o mal que causou, ou seja, as consequências dos seus atos, o que minimiza
quaisquer eventuais sentimentos de arrependimento, remorso ou empatia para com a vítima que pudesse vir a sentir em resultado
dessa constatação. Esta realidade cria, assim, uma situação em que as pessoas podem fazer e dizer coisas na Internet que
seriam muito menos propensas a dizer ou fazer presencialmente.

Quais são as conseqüências destas formas de agressão para crianças e adolescentes?

Juridicamente as consequências são a responsabilização dos agressores e em certos casos também de seus pais e responsáveis
pelos danos causados à vítima. É bom que se diga que dependendo do caso o agressor também está sujeito a responder
penalmente pelas consequências de seus atos.

Em relação às vítimas, além dos danos morais e emocionais sofridos, existe ainda o risco de que suas imagens, uma vez
divulgadas em rede mundial, atraiam pessoas inescrupulosas e mal intencionadas do mundo real.

As vítimas sentem medo, raiva e vergonha, por serem traiçoeiramente agredidas, constrangidas e humilhadas.

Vivem um clima de instabilidade emocional, desconfiança e animosidade no convívio escolar, pois todos à sua volta tornam-se
suspeitos. Normalmente sentem o rebaixamento da auto-estima, queda do rendimento escolar, sintomas psicossomáticos
diversificados e estresse. Em casos crônicos estimula o surgimento de doenças e transtornos psicológicos.

Outras não resistem ao constrangimento e mudam de escola. Em suma, as conseqüências são as mesmas das demais formas de
vitimização Bullying, porém, o sentimento de impotência é maior, uma vez que o autor(s) é real e se esconde no mundo virtual
para desferir seus golpes e invadir a sua privacidade.

Como evitar tais atitudes?

Primeiramente vale destacar a importância da prevenção, que é um trabalho que deve ser feito tanto pelas escolas e instituições
de ensino e principalmente pelos pais, que devem orientar seus filhos no sentido de conscientizá-los e educá-los sobre o uso
ético, correto e responsável das novas tecnologias e meios de comunicação. É importante que sejam detalhados os limites do uso
da tecnologia, bem como as consequências das condutas praticadas pelo meio eletrônico.

Por outro lado é bom destacar que constatada qualquer situação de abuso ou de agressão, os pais e as próprias vítimas devem
denunciar tal problema e buscar auxílio especializado. O fato da maioria das pessoas não tomar qualquer atitude para reprimir
este tipo de situação acaba por aumentar a impunidade dos agressores, resultando também diretamente no aumento do número
de casos.

Rua Conceição,1246 – São Miguel - Juazeiro do Norte – Ceará - Fones:(88) 3512-1034/3512-1793

www.cparaiso.com.br