Você está na página 1de 4

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DO TRABALHO DA __ ª VARA DO

TRABALHO DA COMARCA DE SÃO PAULO/SP.

MARINA RIBEIRO, brasileira, casada, desempregada, filha de Laura Santos, portadora da


carteira de identidade de nº 855, com o CPF/MF nº 909, residente e domiciliada na Rua Coronel
Saturnino, casa 28 – São Paulo-SP – CEP 4444, por meio de seus advogados que esta subscreve,
nos termos da procuração anexa (doc.01), com endereço profissional na Rua Marize Bastier, nº
1853, Lagoa Nova, São Paulo/SP, com fundamento no artigo 840, § 1º, da Consolidação da Leis do
Trabalho c/c artigo 319, Código de Processo Civil, vem, perante a Vossa Excelência propor a
presente:
RECLAMAÇÃO TRABALHISTA

em face de MALHARIA FINA Ltda., inscrita no CNPJ sob nº cuja sede se localiza em São Paulo
– SP, pelas razões de fato e de direito a seguir expostas:

I – DOS FATOS
A reclamante foi contratada pela reclamada em 20/09/2014 a 30/12/2017, para exercer a
função de auxiliar de produção.
Cumpria a jornada de 8 horas e vinte minutos diárias, de 2ª a 6ª feira das 14h10 às 22h30 e
aos sábados das 08h00 às 12h00. Foi demitida sem justa causa em 30/12/2017.
A reclamante prestou serviços para a Reclamada entre 20/09/2014 a 30/12/2017, data em
que foi despedida sem justa causa.
A reclamante é presidente do seu sindicato de classe, ao qual está filiada desde a admissão,
tendo sido eleita e empossada no dia 20/06/2016, para o mandado de 2 anos, estando a reclamada
cientificada por e-mail.
Além do mais, a reclamante recebia alimentação gratuitamente e trabalhava de 2ª a 6ª feira
das 14h10m às 22h30m, com intervalo de 20 minutos, e aos sábados das 08h00 às 12h00, sem
intervalo. Após o horário informado, gastava 20 minutos para tirar o uniforme, comer o lanche
oferecido pela empresa e escovar os dentes.
Recebeu a participação proporcional nos lucros de 2014 e integral em 2015 e 2016.
A reclamante tem três filhos saudáveis, com idades de 12, 10 e 8 anos, conforme certidão de
nascimento(doc. 02). Em seu contracheque desde a demissão, havia o lançamento de crédito de um
salário-mínimo e de duas cotas salários-família, além de descontos do INSS, do vale-transporte, da
contribuição assistencial e da confederativa.
A reclamante doou sangue em duas ocasiões, e por este motivo faltou ao emprego, tendo
sido descontado esses dias a título de falta. Em 2017, foi descontado em três dias, quando se
ausentou para viajar ao norte, para comparecer ao enterro de um primo, que falecera em acidente de
trânsito.
Ocorre que a reclamante, em 2016, substituiu por 90 dias, o chefe de setor de produção, em
razão deste ter sido acometido por doença.

II – DOS FUNDAMENTOS

Conforme o exposto, a reclamante deverá ter a integração do salário da alimentação


graciosamente recebida (salário in natura), com o pagamento das respectivas diferenças, conforme o
Art. 758, caput e §3º, da CLT e a Súmula 241 do TST.
Súmula nº 241 do TST

SALÁRIO-UTILIDADE. ALIMENTAÇÃO (mantida) - Res. 121/2003,


DJ 19, 20 e 21.11.2003 O vale para refeição, fornecido por força do contrato
de trabalho, tem caráter salarial, integrando a remuneração do empregado,
para todos os efeitos legais.
Pagamento de hora extra, adicionado 50%, o tempo de 20 minutos, despendidos após a
jornada normal de trabalho em troca de uniforme, alimentação e higiene pessoal, por configurar
tempo disposição, conforme súmula 366 do TST;
Súmula nº 366 do TST

CARTÃO DE PONTO. REGISTRO. HORAS EXTRAS. MINUTOS


QUE ANTECEDEM E SUCEDEM A JORNADA DE TRABALHO. Não
serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações
de horário do registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o
limite máximo de dez minutos diários. Se ultrapassado esse limite, será
considerada como extra a totalidade do tempo que exceder a jornada normal,
pois configurado tempo à disposição do empregador, não importando as
atividades desenvolvidas pelo empregado ao longo do tempo residual (troca
de uniforme, lanche, higiene pessoal, etc).
Pagamento de hora Extra pelo intervalo interjornada, inobservado o intervalo mínimo entre a
jornada de sexta-feira e sábado, conforme Art. 66, da CLT, Súmula 355 do TST ou Art. 382 da CLT.

Art. 66 – Entre 2 (duas) jornadas de trabalho haverá um período mínimo de


11 (onze) horas consecutivas para descanso.

Deverá ter o adicional noturno sobre a jornada realizada após 22 h de 2ª a 6ª, na forma do
art. 73, caput e §2ª, da CLT.
Art. 73. Salvo nos casos de revezamento semanal ou quinzenal, o trabalho
noturno terá remuneração superior à do diurno e, para esse efeito, sua
remuneração terá um acréscimo de 20 % (vinte por cento), pelo menos, sobre
a hora diurna
§ 2º Considera-se noturno, para os efeitos deste artigo, o trabalho executado
entre as 22 horas de um dia e as 5 horas do dia seguinte.

As faltas devem ser abonadas, uma vez que devidamente comprovado, a autora é doadora de
sangue, com fulcro no art. 473, inciso IV, da CLT.

Art. 473 – O empregado poderá deixar de comparecer ao serviço sem


prejuízo do salário:
IV – por um dia, em cada 12 (doze) meses de trabalho, em caso de doação
voluntária de sangue devidamente comprovada;

III - DO BENEFÍCIO DA JUSTIÇA GRATUITA

Requer a concessão do beneficio da Justiça gratuita, nos termos dos arts. 98 e 559 do CPC e
da Lei 5.584/70, por se tratar a Reclamante, de pessoa que não possui condições de arcar com as
custas e despesas processuais, sem prejuízo do próprio sustento, nos termos da anexa declaração de
pobreza.

IV – DO PEDIDO

Diante dos fatos e fundamentos retro descritos pela autora na causa de pedir é a presente
para requerer a procedência da ação, acrescido de atualização monetária e juris, para o fim de
condenar a reclamada nos seguintes pedidos:

a) Saldo de Salário
b) Aviso prévio proporcional ao tempo de serviço
c) Pagamento do 13º salário proporcional.
d) Férias integrais simples acrescidas do terço constitucional
e) Férias proporcionais acrescidas do terço constitucional
f) Pagamento do aviso prévio indenizado.
g) a concessão do beneficiaria da justiça gratuita, nos termos dos arts. 98 e 99 do CPC e da Lei
5.584/70;
h) Pagamento da diferença salarial em razão da substituição do chefe do setor.
i) pagamento da integração do salário da alimentação graciosamente recebida (salário in natura),
com o pagamento das respectivas diferenças.
j) Pagamento de hora extra, adicionado 50%, o tempo de 20 minutos, despendidos após a jornada
normal de trabalho em troca de uniforme, alimentação e higiene pessoal, por configurar tempo
disposição.
k) Pagamento de hora Extra pelo intervalo interjornada.
l) Pagamento de adicional noturno sobre a jornada realizada após 22 h de 2ª a 6ª feira.
m) Devolução de 1 (um) dos dias de falta, devidamente comprovado, a autora doou sangue,
conforme art. 473, inciso IV, da CLT.

V – DAS PROVAS
Protesta provar o alegado, por todos os meios de provas em direito admitidas, especialmente
pelo depoimento pessoal da Reclamada, que fica desde já requerido, sob pena de sofrer os efeitos da
confissão, juntada de novos documentos, oitiva de testemunhas, periciais e o que mais se fizer
necessário para elucidação dos fatos.

VI – DA NOTIFICAÇÃO

Requer, por fim, se digne Vossa Excelência determinar a NOTIFICAÇÃO da Reclamada na


pessoa de seu representante legal, para comparecer em audiência a ser designada por esse digno
Juízo e, nesta ocasião, responder aos termos da presente ação, poderão sofrer os efeitos da revelia e
confissão (Súmula 74, Tribunal Superior do Trabalho).

VII – DO VALOR DA CAUSA

Dá-se à presente causa o valor de R$ 6.500,00 (seis mil e quinhentos reais).

Termos em que,
pede deferimento.

São Paulo – AL, 07 de abril de 2018.

LYZANDRA TEREZA FERREIRA SILVA SANTOS


Advogada
XXXX OAB/SP