Você está na página 1de 1

A Imigração ou os Paradoxos da Alteridade - Abdelmalek Sayad

Resumo do Capítulo 3 - O Que é um Imigrante? por Viviane Welter

A imigração, por não conseguir muitas vezes pôr em acordo o direito e o fato, produz uma
dupla contrariedade entre um estado provisório que se gosta de prolongar e um estado mais
duradouro que se gosta de pensar que será breve. Esta contrariedade contribui tanto para o
imigrante como para a sociedade que o recebe, com o surgimento de um sentimento de
necessidade a respeito da imigração, de ignorar a si mesma ou fazer de conta que se ignora
para poder se perpetuar e se reproduzir.

Os imigrantes argelinos na França, que constituiu a mais numerosa e mais antiga população de
imigrantes, com uma comunidade imigrante que chegou perto de 1 milhão de pessoas no
maior período de expansão econômica, iniciando com a imigração de colonizados - os
trabalhadores coloniais - e após evoluindo para a imigração de povoamento, bem como a
maioria dos imigrantes são exemplos da vivência da complexa contrariedade da imigração,
devido à própria condição de exportação de força de trabalho, que dos imigrantes se
necessitava, porém sem adequada clareza sobre as condições de trabalho, apenas
caracterizando o trabalho como algo circunstancial que faz ''nascer'' ou ''morrer'', tal qual a
própria definição de imigrante: ''Um imigrante é essencialmente uma força de trabalho, e uma
força de trabalho provisória, temporária, em trânsito'', o que culmina em um paradoxo
''imigrante'' e ''desempregado''.

A valiosa contribuição de mão-de-obra para o trabalho (''vantagens'') em contra-ponto aos


''custos'', os imigrantes passaram-se a se tornar um ''problema'' para o país que os utilizavam
devido ao seu custo social. Na França surgiram declarações e proclamações sobre as
''vantagens'' dos imigrantes para a economia e a demografia francesa, resultando em um
consenso sobre o ''lugar'' do imigrante no país, mesmo que na parte inferior da hierarquia
social, bem como a defesa de seus direitos, dentre eles, o principal, de continuar sendo
imigrante, algo que sempre necessitou de re-garantia em face do temor da expulsão.

Tal temor se confirma com os imigrantes argelinos, onde em vários casos, pessoas como uma
viúva que teve seu marido morto em decorrência de um acidente de trabalho ou uma jovem
de família deslocada (pais separados que emigram), tiveram seus certificados de residência
negados por não serem consideradas imigrantes, devido a condição de não trabalho.

Com o passar do tempo, os imigrantes habituaram-se a reivindicar não apenas direitos


parciais, mas plenos, por sentirem a necessidade de se livrar de todas as ilusões constitutivas
de sua condição (outrora indispensáveis para suportar a condição de imigrante), mas também
e de igual forma importante, se livrar dos estigmas pelos quais sempre foram denunciados:
analfabetismo, incultura, falta de qualificação, inadaptação, ignorância das regras e princípios
da sociedade e economia francesa, sempre sujeitados a aceitar os trabalhos mais penosos - os
''trabalhos para imigrantes''. Isto devido ao próprio sistema de imigração que cria um
dominador e um dominado, sempre lembrando a condição do imigrante como pessoas de
outro lugar, para o qual deverão voltar mais cedo ou mais tarde. Tudo isso só vem a contribuir
para a tese de que importaram-se sempre trabalhadores, mas nunca cidadãos, sejam eles
atuais ou futuros.