Você está na página 1de 9

European Journal of Pharmaceutics e biofarmacêutica 129 (2018) 175-183

listas de conteúdos disponíveis em ScienceDirect

European Journal of Pharmaceutics e biofarmacêutica

Página inicial do jornal: www.elsevier.com/locate/ejpb

trabalho de pesquisa

Multifuncional nano electrospun fi bros para aplicação ferida - percepções novos para o controlo
da libertação da droga e a actividade antimicrobiana

Jing Wang uma , b , Viktoria Planz uma , b , Branko Vukosavljevic b , Maike Windbergs uma , b , •
uma Institute of Pharmaceutical Instituto de Tecnologia e Buchmann Molecular Ciências da Vida, Universidade Goethe, Frankfurt am Main, Alemanha
b Helmholtz-Institute for Pharmaceutical Research Saarland (HIPS), Departamento de Drug Delivery (DDEL), Universidade de Saarland, Saarbruecken, Alemanha

articleinfo ABSTRATO

Palavras-chave: manejo terapêutico de feridas cutâneas ainda enfrenta grandes desafios associados à cronicidade e infecção bacteriana. Consequentemente, há uma
electrospun fi bros necessidade clínica alta para e ff abordagens terapêuticas ective abordando esses aspectos. Neste contexto, electrospun fi bros emergiu como bene fi sistemas
Dexpanthenol veiculares ciais para entrega local e controlada de agentes de cicatrização de feridas, adicionalmente a proporcionar uma barreira de protecção contra
Interação com bactérias
a invasão bacteriana. No entanto, dependendo do material, tal fi bros, também foram exibidas para proporcionar um substrato potencial para a
controlados cura liberação
colonização bacteriana e crescimento. Assim, compreensão profunda fi ber características e as respectivas interacções de
Wound

fi bros com sistemas biológicos, células, bem como as bactérias, é de grande importância.
Para resolver estas questões, nós projetamos híbrido carregado de drogas fi fibras que consistem em policaprolactona (PCL) e quitosano. Pure PCL fi fibras
fornecida cinética de libertação do fármaco apropriados para cura de feridas, mas foram colonizados por
Pseudomonas bactérias que foram usados ​como agentes patogénicos modelo. A adição de quitosano para a fi ber matriz reduziu o número de bactérias aderentes por
dez vezes maior em comparação com PCL puro fi bros e não mostrou qualquer e adverso ff ecte para células da pele humana. Além disso, a incorporação de quitosano
signi fi cativamente melhorada fi ber hidrofilicidade, identi fi ed como um dos principais reguladores do cell- optimizado fi interacções Ber. Nós encapsulado com sucesso
dexpantenol como cicatrização de feridas estabelecido ativo para estes híbrido fi bros e polaridade do solvente foi encontrado para ser um factor chave para controlar a
cinética de libertação do fármaco a partir da fi bros. Para o fi formulação final, de libertação controlada de fármaco, ao longo de sete dias com uma libertação brusca de
11,54% dentro de 3 h poderia ser alcançado e a cicatrização de feridas e ff ect do fi esteiras ber poderia com sucesso ser demonstrada num cicatrização de feridas
ensaio baseado em células como uma prova de conceito. tal multifuncional fi Bers simultaneamente entregar activos e prevenir o crescimento bacteriano, e
consequentemente apresentam um elevado potencial para a terapia de feridas futuro.

1. Introdução sprays ou formulações semi-sólidas, estes fi bros fornecer uma estrutura porosa que permite troca de
gases e garantindo assim um estado de hidratação óptima. Além disso, a invasão de bactérias a
E ff ective tratamento de feridas da pele ainda representa um grande desafio terapêutico devido à partir do ambiente externo da ferida é impedida. No entanto, infelizmente, também foi demonstrado
cronicidade e aumento da susceptibilidade a infecções. Assim, são urgentemente necessárias novas que electrospun fi fibras podem servir como substratos para a colonização bacteriana [2] . Este tópico é
terapias que são capazes de acelerar os processos de cura de feridas e, ao mesmo tempo que amplamente ignorado na literatura e só existem poucos estudos que abordam esta questão. Ignatova
impede a contaminação bacteriana e de crescimento. Neste contexto, electrospun fi bros emergiu et al. [3] demonstraram um grande número de S. aureus ligado à superfície de poli (ácido láctico)
como bene fi formas farmacêuticas oficiais para entrega local e sustentado da cicatrização de feridas (PLA) fi fibras após 24 h de incubação. O referido et al. [2] encontrado um grande número de bactérias
ativos no local da ação diretamente no leito da ferida. Além disso, tais fi bros constituem uma fi rede e mesmo bio fi formação de filme de poli (láctico-co-ácido glicólico) (PLGA) electrospun fi bros após
brillar comparável à matriz extracelular humana (ECM), proporcionando orientação topográfica para o incubação com resistentes à meticilina
crescimento celular e a formação de tecido. electrospun

Staphylococcus ( MRSA 1). Embora estes estudos relatam fixação bacteriana e o crescimento após a
fi fibras feitas de polímeros naturais ou sintéticos já foram provados como bene fi substratos oficiais incubação de fi esteiras ber em suspensões que contenham grandes quantidades de bactérias
para a fixação de células, proliferação e regeneração de tecidos [1] . Em comparação com os cultivadas, o que é obviamente não re fl ecting da situação clínica, compreensão profunda da
medicamentos convencionais, tais como antibiótico

• Correspondente do autor em: Instituto de Tecnologia em Fármacos e Instituto Buchmann Molecular Ciências da Vida, Goethe University Frankfurt, Max-von-Laue-Str. 15, 60438 Frankfurt am Main, Alemanha.

Endereço de e-mail: windbergs@em.uni-frankfurt.de (M. Windbergs).

https://doi.org/10.1016/j.ejpb.2018.05.035
Recebeu 15 novembro de 2017; Recebido em forma revisada 29 de maio de 2018; Aceito maio 2018 29
Disponível on-line 30 de maio de 2018

0939-6411 / © 2018 Elsevier BV Todos os direitos reservados.


J. Wang et al. European Journal of Pharmaceutics e biofarmacêutica 129 (2018) 175-183

fatores em fl uencing a interacção dos sistemas biológicos (células, bem como bactérias) com o fi bros tabela 1
é inevitável para o desenvolvimento racional de fi ber curativos base. Antimicrobianos podem ser componentes detalhados do fi bros.

encapsulados em fi bros, no entanto, uma cuidadosa seleção de e ff substâncias ective é imperativo


Nome PCL (% em peso) Quitosano (% em peso)

como certos candidatos pode dificultar o processo de cicatrização [4,5] . Além disso, a administração
preventiva de antibióticos é crítica devido ao aumento de resistência bacteriana. Assim, o uso de 5: 1 10 2
4: 2 8 4
alternativas naturais para antibióticos está a ganhar cada vez mais importância neste contexto.
3: 2 6 4
Assim, electrospun fi bros feitos de materiais inerentemente antimicrobianos suportar um grande
PCL 12 0
potencial para servir como uma alternativa válida. Neste contexto, quitosano como um polímero
natural com propriedades antimicrobianas é amplamente utilizado como material de penso para
ferida [6] . No entanto, devido às ligações de hidrogénio intra e intermoleculares dentro de cadeias de 2.2. Preparação de electrospun fi bros
quitosano, a fl flexibilidade do polímero é severamente inibida, evitando assim a fabricação de
quitosano puro fi bros. Speci fi camente, sob alto elétrico fi exposição eld, contínua fi formação BER é Três PCL: quitosano misturas de polímeros com relações de peso de 5: 1, 4: 2 e 3:
inibida com base na presença de uma força repulsiva entre grupos iónicos a partir da espinha dorsal Prepararam-se 2, e a solução contendo apenas PCL foi utilizada como um controlo. As soluções de
do polímero, levando à formação de partículas, em vez de fi bros [7] . A incorporação de um segundo polímero foram preparadas dissolvendo quantidades respectivas de PCL e de quitosano em ácido
polímero, tal como poli (álcool vinílico) (PVA), poli (óxido de etileno) (PEO) ou PLGA foi encontrado fórmico e posteriormente suplementado com acetona numa fi proporção final de volume de 7: 3 (ácido
para permitir a formação de contendo quitosana- fi bros [8] . Infelizmente, polímeros hidrofílicos (isto é, fórmico: acetona), com um fi concentração de polímero nal de 12wt% (excepto a mistura de 3: 2, em
PVA e PEO) desintegrar bastante rápido, e PLGA fi bros sofrer encolhimento sob condições que a concentração do polímero foi de 10% em peso). componentes detalhadas de cada formulação
fisiológicas, assim novas abordagens de formulação que superar tais limitações são fortemente são mostrados nas tabela 1 . As soluções preparadas foram homogeneizados por meio de agitação
necessário [9] . magnética durante 2 h, seguida por sonicação em um banho de água para outro 20min. Para
dexpantenol-loaded

fi ber esteiras, as soluções foram preparadas por dissolução de dexpantenol na solução de polímero
misturado.
A configuração de electrospinning consistiu de uma seringa motorizada por um sistema de bomba de
Policaprolactona (PCL), um polímero aprovado pela FDA, tem sido amplamente utilizada como seringa (New Era Bomba Systems, Inc., EUA), um colector de metal rotativo e uma fonte de tensão de
um material de penso, devido às suas propriedades mecânicas favoráveis ​e estabilidade sob alimentação (Acopian ®, EUA). As soluções de polímero foram bombeados através de uma agulha de uma
condições fisiológicas. No entanto, PCL seringa numa fl taxa de fluxo de
fi fibras têm características de superfície, em vez hidrofóbicos e não fornecem um micro-ambiente 0,6 ml / h, enquanto que uma alta voltagem de 20 - 30 kV aplicada entre a agulha e o colector com
ideal para a proliferação celular e migração ao longo da fi bros que seria desejável para um curativo uma distância de 10,5 cm. As fibras foram depositados sobre o colector rotativo com uma velocidade
ideal de 0,3 m / s. temperatura ambiente com uma humidade relativa controlada de 20% a 30% foi
[10,11] . molhabilidade da superfície e, assim, um microambiente melhorado para a cicatrização de modulado por todo o processo de fiação. Depois de centrifugar, a fi nal fi fibras foram armazenadas
feridas pode ser alcançado pela adição de polímeros hidrófilos, tais como quitosano [10,12] . Tal num exsicador durante 24 h antes de posterior utilização.
electrospun compósito fi bros têm sido comprovada para fornecer vantagens sobre pura fi fibras feitas
a partir de PCL ou quitosano [13] . A combinação de PCL e de quitosano para a produção de tal
híbrido fi fibras pode ser realizado por electrospinning coaxial [14] , Acoplamento covalente de
2.3. Caracterização da fi bros
quitosano para PCL fi bros [15] ou por mistura de electrospinning das misturas de polímeros em
vários solventes, tais como tri-
2.3.1. A microscopia electrónica de varrimento (SEM)

A morfologia da superfície do fi bros foi investigada utilizando um SEM (Zeiss EVO HD 15, Carl
fl ácido uoroacetic e tri fl uoroethanol [13] , 1, 1, 1, 3, 3, 3-hexa fl uoro-2-propanol [16] , ácido fórmico [17] ,
Zeiss, Oberkochen, Alemanha). As amostras foram perfurados medindo 8 mm de diâmetro e fi xado
Ácido fórmico e ácido acético (7: 3, v / v)
em discos de carbono, que foram montadas em bases de alumínio. Após a pulverização catódica
[18,19] , Ácido fórmico e acetona (7: 3, v / v) [20] .
com uma camada de ouro fina (revestidor por crepitação Q150R ES, quorum Technologies Ltd.,
Neste contexto, o objetivo deste estudo foi desenvolver e avaliar electrospun multifuncional fi fibras
Reino Unido), a análise SEM foi realizada com uma tensão de aceleração de 5 kV. Com base em
para aplicação ferida proporcionar a entrega de agentes activos de cicatrização de feridas e prevenir
micrografias de SEM, fi ber diâmetros de 50 individual seleccionado aleatoriamente fi bros foram
o crescimento bacteriano controlado.
determinadas usando Imagem J (Institutos Nacionais de Saúde, EUA).

2. Materiais e métodos
2.3.2. ângulo de contacto de água

A molhabilidade da fi esteiras ber foi avaliada por medidas de ângulo de contacto com a água
2.1. materiais
(CAM 100, KSV Instruments Ltd., Helsínquia, Finlândia). Brie fl y, uma gotícula de água de 1 μ l foi
colocado sobre o fi ber superfície do tapete e o ângulo de contacto foi adquirida após incubação
Policaprolactona (PCL) (Mn 70000 - 90000), quitosano (Mv
durante 5 s.
60.000 - 120000), dexpantenol, ácido fórmico, acetona, metanol, etanol, dimetil sulfóxido (DMSO) e
Triton-X foram todos adquiridos a partir de Sigma-Aldrich (Steinheim, Alemanha). Para estudos de
células, a linha celular de queratinócitos humanos (HaCaT) foi um presente amável do Prof. N. 2.3.3. estudo absorção de água

Fusenig (German Cancer Research Center, Heidelberg, Alemanha) [21] . Highglucose Dulbecco ' s O estudo de absorção de água foi realizada por imersão electrospun

modi fi ed Águia ' s meio (DMEM, Gibco ® Life Technologies, Darmstadt, Alemanha), suplementado com fi bros com área de cerca de 2 × 2 centimetros 2 em água à temperatura ambiente durante 48 h. o fi fibras

10% de soro fetal bovino (FBS, Lonza, Verviers, Bélgica) e 1% de penicilina / estreptomicina (P / S, foram, em seguida, retirado e a água de superfície foi suavemente limpou o ff usando um tecido.

tanto a partir de Life Technologies, Darmstadt, Alemanha) foi utilizado como meio de cultura celular . adsorção de água foi expressa como% do peso do fi fibras antes da imersão.

Os ensaios de HDL (citotoxicidade Detecção kit) foram adquiridas a partir de Roche Diagnostics
(Mannheim, Alemanha) e ensaios MTT foram obtidos a partir de Sigma-Aldrich (Steinheim,
Alemanha). 2.3.4. Fourier espectroscopia de infravermelhos transformada

Transformação de Fourier espectro de infravermelhos (FT-IR) foram registados para os


compostos puros e a fi esteiras ber com um espectro de FT-IR 400 / FT-NIR espectrómetro (Perkin
Elmer, Buckinghamshire, Reino Unido) através da gama de 650 - 4000 cm - 1.

176
J. Wang et al. European Journal of Pharmaceutics e biofarmacêutica 129 (2018) 175-183

2.4. Em testes de libertação in vitro 2.7. Interacção com bactérias

socos esteira de fibras de 8 mm de diâmetro foram pesadas e imersas em 2 ml de bu fosfato ff er A colonização bacteriana no fi ber superfícies esteira foi investigado através da exposição fi tapetes
salino (PBS, pH 7,4) a 37 ° C com agitação suave. Em pontos de tempo predeterminados, 1 ml do ber para culturas durante a noite de Pseudomonas aeruginosa
meio foi retirado e armazenado a 4 ° C até que a análise, e substituído pelo mesmo volume de PBS (PAO 1). quanti fi cação de bactérias aderidas foi realizada por determinação de contagens viáveis.
fresco bu ff er. A quantidade libertada de dexpantenol foi analisada por Dionex final ® 3000 sistema Brie fl y, amostras de PCL e PCL / quitosano
UHPLC com uma coluna AccuCORE (RP-MS, 150 milímetros x 2,1 milímetros, 2,6 μ m, Thermo fi ber socos (8 mm de diâmetro) foram colocadas em contacto com LBmedium 3ml (caldo LB,
Fisher Scienti fi c Co., Waltham, MA, EUA). Uma eluição isocrática foi realizada com uma fase móvel Sigma-Aldrich, Steinheim, Alemanha) inoculados com uma PAO ( ~ 10 8 CFU / ml) durante 24 h a 37 °
de metanol e de água (contendo 0,1% de ácido fórmico) (35:65, v / v) com um fl taxa de fluxo de 0,15 C. No final do período de incubação, fi fibras foram removidos, lavados com PBS estéril para remover
mL / min. A temperatura da coluna foi mantida a 40 ° C, e um comprimento de onda de 206 nm foi bactérias planctônicos ligados ao fi bros, e sonicada durante 10 minutos em 3 mL de PBS estéril. As
aplicado para a detecção de dexpantenol. dispersões obtidas foram diluídas em série com PBS esterilizado a fim de ajustar a densidade óptica
(OD 600) e ainda mais semeadas em placas de agar (caldo LB com agar, Sigma-Aldrich, Steinheim,
Alemanha) para determinação da contagem viável.

2.5. ensaio celular biocompatibilidade Além disso, bactérias aderidas para fi fibras foram examinados morfologicamente por SEM.
fibras foram fi xado com 3% de glutaraldeo durante 2 h, em seguida desidratada por uma série de
células HaCaT foram cultivadas em DMEM suplementado com FBS a 10%, em um de 75 cm 2 cultura soluções de etanol com concentrações crescentes (30%, 40%, 50%, 60%, 70%, 80%, 90%, 96% e
de células fl pedir a 37 ° C em um humidi fi ed atmosfera com 5% de CO 2. O meio foi trocado a cada 100%) durante 10 min . Depois de desidratação em etanol a 100% para o outro 10 min, as amostras
dois dias. células HaCaT foram cultivadas em placas de 24 poços a uma densidade de 5 x 10 4 células foram deixadas a secar sob o exaustor de fumos até à análise.
/ poço em 1 ml de DMEM suplementado com 10% FBS e 1% de P / S. Aseptic electrospun fi fibras
foram cortadas em várias di tamanhos ff rar em suas concentrações de quitosano, e imerso em meio.
Após 2 e 5 dias ' de incubação, os sobrenadantes foram cuidadosamente recolhidos e a quantidade 2.8. A análise estatística
de lactato desidrogenase libertada (LDH) foi quanti fi ed por um Kit de Detecção de Citotoxicidade
(Roche Diagnostics, Mannheim, Alemanha). De acordo com o protocolo, 100 μ l de sobrenadante Todos os valores são expressos como média ± desvio padrão (SD). signi estatística fi Cances
foram misturados com 100 μ l de reagente seguido por 5min ' s de incubação no escuro. Os valores de foram calculados por estudante ' s t testar usando software GraphPad Prism7 (GraphPad Software,
absorbância a 492 nm foram medidos com um leitor de placas (Em fi nite ® 200 PRO, Tecan, Inc. EUA). di ff rências foram consideradas como sendo estatisticamente signi fi não podem em p <0,05.
Alemanha). O sobrenadante feita a partir de células incubadas com meio serviu como grupo de
controlo. No dia 5, as células foram lavadas duas vezes com bu solução salina equilibrada de Hank ff er
(HBSS, Gibco ® Life Technologies, Darmstadt, Alemanha) e 400 μ l de HBSS foram suplementados a 3 Resultados e discussão
cada poço. 50 μ l de MTT tetrazólio corante 3- (4,5-dimetiltiazol-2-il) -2,5-difeniltetrazólio (5 mg / ml)
foram adicionados a cada poço e a placa foi agitado horizontalmente a 37 ° C com 5% CO 2 durante 4 3.1. fabricação de fibra e caracterização
h. Os cristais formados foram solubilizados em 400 μ l de DMSO, e os valores de absorvância a 550
nm foi medida com um leitor de placas. As células incubadas com meio foram consideradas como electrospinning experiências foram realizadas com PCL como um polímero biocompatível
grupo de controlo positivo, enquanto que as células tratadas com 1% de Triton-X serviu como estabelecida para o fabrico de sistemas de entrega controlada de fármaco. electrospun fi fibras
controlo negativo. baseadas em PCL exibem excelentes propriedades mecânicas puros para a aplicação prevista sobre
feridas como eles combinam fl flexibilidade com uma certa estabilidade física. Como já brie fl y
mencionado na introdução, de electrospinning de quitosano puro é uma tarefa difícil, devido a
emaranhamentos cadeia que conduzem à elevada viscosidade das soluções, que agrava o
processamento em fi fibras e, em vez favorece a formação de partículas. Para o estudo, di ff soluções
erent variando na razão de PCL e quitosano foram usadas com a intenção de obter homogénea e
estável fi fibras com alto teor de quitosano e libertação controlada de fármacos. PCL / quitosana fi fibras
2.6. Ensaio de cura de feridas com base nas células foram preparadas dissolvendo os polímeros em ácido fórmico e acetona (7: 3, v / v) [20,23] . Para um
rácio de polímero de 3: 2 (PCL: quitosano, w / w), principalmente as partículas foram produzidas
Avaliação da ferida potencial da droga healing carregado fi fibras foi realizado com base em um parcialmente interligados por alguns minúsculo fi fibras como visualizado por uma imagem
representativa em SEM Figura 1 A. Aumento da concentração de quitosano (PCL: quitosano 4: 2, w /
modi fi ferida ensaio curando ed célula baseada como relatado noutro lugar [22] . Brie fl y, Transwell ® inserções
de cultura de células para 12well placas foram seladas com uma tampa moldada a partir de silicone w), ainda resultou em partículas com um aumento da porção de fi bros ( Figura 1 B), em comparação
para evitar di ff usion da suspensão de células. inserções invertidas (lado da membrana para cima) com a mistura de 3: 2. Estes fi constatações sugerem que a formação de partículas correlaciona-se
foram em seguida colocados numa humidi fi ed placa de 6 poços (Greiner BioOne, Frickenhausen, directamente com a quantidade de quitosano processados ​na solução de mistura de polímero.
Alemanha), utilizando 1,5 ml de PBS estéril bu ff er (pH 7,4). células HaCaT foram cultivadas a uma Mesmo que o espécime com um chamado de formulário morfologia esteiras coerentes
densidade de sementeira de 0,1 x 10 6 células / modelo soltando cuidadosamente 65 ul de suspensão contas-on-a-string, a literatura relata que tais estruturas signi fi proliferação celular diminuição
de células sobre o lado inferior das inserções. a fixação celular melhorada pode ser alcançada cativamente, e são, portanto, não são adequados como pensos para feridas [24] . Finalmente,
utilizando semeadura à base de força capilar das células através da indução de forças de atracção uniforme e beadless nano fi fibras poderão ser fabricados com um PCL: proporção de quitosano de 5:
entre duas superfícies sólidas (exempli fi ed pela superfície do fl inserção ipped e a tampa placa) e uma 1 (w / w), revelando uma média fi ber diâmetro de 215 ± 75 nm ( Figura 1 C) comparável ao intervalo
pequena quantidade de líquido, tal como representado pela suspensão de células no meio. Após de diâmetro de fi fibras que constituem a ECM nativa (50 - 300 nm) [25] . este fi ber formulação foi
incubação durante a noite sob condições de cultura celular padrão (37 ° C e 5% de CO 2), a suspensão subsequentemente usado para o carregamento da droga. Dexpanthenol foi escolhido como uma
de células aplicado foi aspirado e as inserções foram colocados num pré-placa de 12 poços fi encheram droga modelo devido ao seu uso tópico generalizada na ferida gestão clínica [26] . As fibras foram
com DMEM suplementado com 1 ml de 10% FBS e 1% de P / S. As células foram cultivadas até uma fiadas com sucesso com uma carga de fmaco de 30% (proporção em peso da seco fi esteira BER).
con fl monocamada de células efluente foi alcançado com mudança de meio cada segundo dia. Incorporação de dexpantenol causado fi ber redução do diâmetro (178 ± 59 nm) (p = 0,0082) e levou
Introdução de áreas livres de células consideradas como a “ ferida ” foi executado por raspagem
manualmente as monocamadas de culas utilizando um raspador adaptado de tamanho. medição do
tamanho da ferida foram realizadas pelo software ImageJ com base em imagens microscópicas de luz.

177
J. Wang et al. European Journal of Pharmaceutics e biofarmacêutica 129 (2018) 175-183

Figura 1. Fotografias e imagens de MEV de electrospun fi bros com di ff erent PCL / proporções de quitosano (w / w): (A) 3: 2 *, (B) 4: 2 e (C e D) de 5: 1 (D com 30% de carga de droga).
*
electrospun fi bros em substratos, como uma separação de fi esteiras ber era impossível devido à presença de numerosas partículas.

a um mais denso fi estrutura ber devido à elevada carga de droga (30%) e o estado líquido de ângulos de contacto da água na gama de 40 - 60 ° [27] . Pure PCL fi fibras são altamente hidrófoba
dexpantenol ( Figura 1 D). interações de fi bros e as células são consideravelmente a ff ete por fi ber representada por um ângulo de contacto da água de 141 °, enquanto que a incorporação de signi quitosano fi
propriedades de superfície, tais como a molhabilidade e a composição química. Um penso para cativamente aumentou a molhabilidade da superfície do nosso fi nal fi bers (PCL: quitosano 5: 1, w / w),
feridas ideal deve facilitar o fechamento da fenda ferida e aumentar a proliferação e migração como indicado por um ângulo de contacto de 64 ° ( Figura 2 A1 e A2). E PCL / quitosana fi bros tinha uma
celular. Na literatura, a molhabilidade é considerada moderada para óptima fi interacções célula-ber maior capacidade de absorção de água de 184%, comparado com o PCL fi fibras com uma capacidade de
indicado pela absorção de água de 141% ( Figura 2 B).

178
J. Wang et al. European Journal of Pharmaceutics e biofarmacêutica 129 (2018) 175-183

Fig. 4. Dexpanthenol pro lançamento fi les de di ff erent fi bros: PCL (linha azul, soluções de polímero
foram preparadas por dissolução de PCL em clorofórmio), PCL (linha laranja, soluções de polímero
foram preparadas por dissolução de PCL em ácido fórmico e acetona (7: 3, v / v)) e PCL / quitosano (
linha roxa). n = 4. (Para interpretação das referências a cor neste fi lenda figura, o leitor é remetido para
a versão web deste artigo.)

Figura 2. Avaliação das propriedades molhantes em contacto com a água medidas de ângulo de (A1) e PCL
(A2) PCL / quitosano fi Bers, e (B) de captação de água capacidades do respectivo fi bros. n = 5. 1638 cm - 1 ( a amida I vibração), indicando a encapsulação bem sucedida droga no fi bros ( A Fig. 3 ).

3.2. Na libertação da droga in vitro

A pró liberação sustentada de drogas fi le de electrospun fi fibras pode ser conseguida por
encapsulação da droga em polímeros biodegradáveis, lentamente, a partir do qual a droga quer por di
lançamentos ff usion ou por erosão do polímero. No entanto, libertação brusca ou mesmo libertação
total imediata frequentemente ocorre, devido à localização da droga no ou em estreita proximidade
com o fi superfície ber. Vários parâmetros de um ff distribuição de drogas ect em sistemas de
portadoras, tais como a compatibilidade entre as drogas e polímeros, sistemas de solventes, bem
como o processo de fabrico propriamente dito. Após a inclusão de fármaco em polímeros hidrofóbicos
tais como PCL ( A Fig. 4 , Linha azul), moléculas hidrofílicas como dexpantenol são localizadas
principalmente na superfície do

fi bros, resultando em libertação brusca elevada (99,49%). Além disso o grau de compatibilidade de
drogas e polímeros, de distribuição de droga é também um ff ected pelos sistemas solventes aplicados.
Aqui, clorofórmio ou uma mistura de ácido fórmico e acetona foram mobilizados para dissolver PCL e
dexpantenol, respectivamente. As fibras preparadas a partir de uma mistura de ácido fórmico e acetona
(7: 3, v / v) mostrou um pró libertação da droga atrasada fi le ( A Fig. 4 , Linha cor de laranja) em
comparação com o pró inicialmente discutidos fi le baseado em fi fibras para as quais se ter utilizado
clorofórmio como solvente ( A Fig. 4 , linha Azul). Os resultados obtidos demonstram que a libertação do
fármaco pode ser um ff ected pelos sistemas solventes aplicados. o di ff rências são provavelmente
atribuído ao di ff erent polaridades de solventes, como relatado na literatura [28] . Uma vez que ambos, o
ácido fórmico e acetona, ter uma polaridade mais elevada (com constantes dieléctricas de

Fig. 3. Os espectros de FT-IR de compostos puros e a respectiva fi bros.

58,5 e 20,7, respectivamente) em comparação com clorofórmio (com uma constante dieléctrica de
Para investigar as características físico-químicas e interações potenciais do indivíduo fi componentes 4,81), a melhoria da encapsulação da droga e uma distribuição uniforme no interior da fi bros poderia
ber, o fi fibras foram investigadas com espectroscopia de FT-IR. PCL exibiram um forte pico de ser alcançado. tal no fl uência na distribuição de droga e mais a sua libertação pode também ser
carbonilo a 1724 centímetros - 1, CH 2 alongamento em 2868 centímetros - 1 e 2944 cm - 1, alcançado através da adição de um polímero hidrófilo com um polímero hidrofóbico. No entanto, a
adição de quitosano para PCL fi bros resultou em um profissional liberação controlada semelhante fi le ( A
C e O e C estiramento a 1,239 centímetros - 1 e C e O alongamento a 1046 centímetros - 1. Um grande pico Fig. 4 , linha roxa). Este pode, devido à elevada carga de droga (30% em peso com um
na gama de 3684 - 3000 cm - 1 com um máximo a 3298 centímetros - 1 foi detectada em PCL / quitosano encapsulamento e ffi eficiência de 88,89%) do fi bros resultantes do e negligenciada ff ect da quitosana.
nano fi bros, devido à contribuição de N e H e C e H que se estende desde o quitosano. Um pico PCL / electrospun quitosana fi bros evocada uma libertação brusca de 11,54% dentro de 3 h, e uma
adicional a 1.674 centímetros - 1 construído sobre o pico a 1724 centímetros - 1 estava relacionada com libertação total após 7 dias. Após 7 dias, o dexpantenol e de quitosano como um polímero solúvel em
as vibrações do grupo amina protonada e as vibrações de ligaes de carbonilo (C] o), do grupo amida água foram ambos completamente libertado do fi bros. Isto pode ser provado por uma perda de peso
na molécula de quitosano. Não foram observados picos adicionais indicando que não há interacções de 42,14% detectada igual às quantidades iniciais de dexpantenol e quitosano incorporados no fi bers
ou decomposição de quitosano e PCL. Para a droga-loaded fi bros, os espectros foram semelhantes, (0,89 ± droga 0,015mg numa fi esteira ber punção de 8 mm de diâmetro). Estes resultados foram
excepto os picos relacionados com dexpantenol encontrados em 3312 centímetros - 1 ( O e H e N e H ainda mais con fi rmada pela ausência dos respectivos picos de ambos os compostos em espectros de
alongamento), 1,533 centímetros - 1 ( a amida II vibração) e FT-IR

179
J. Wang et al. European Journal of Pharmaceutics e biofarmacêutica 129 (2018) 175-183

atividade. Sem signi fi redução de escala da viabilidade das células pode ser observado para todos os grupos
de tratamento, em comparação com os grupos de controlo ( A Fig. 7 C). Com base nestes fi descobertas, e
citotóxicos ff ECTS da nossa PCL / electrospun quitosana fabricadas fi bros pode ser excluída.

3.4. Interacção com bactérias

Invasão de bactérias no leito da ferida é um problema clínico sério, com 60% de feridas crónicas
um ff ected por infecção bacteriana com bio fi formação lm [31,32] . Nós adicionamos quitosana ao fi ber
esteiras como composto intrinsecamente antimicrobiana devido a interacções iónicas entre o
quitosano carregado positivamente e a membrana bacteriana carregada negativamente [3,6] . Nós
incubadas nossa fi fibras em uma suspensão de agente patogénico clinicamente relevante Pseudomonas

Fig. 5. Os espectros de FT-IR da carregadas com dexpantenol PCL / quitosano fi bros antes (parte inferior) e após
aeruginosa ( PAO 1) a 37 ° C durante 24 h. Por pura PCL fi bros, um número considerável de bactérias

incubação em PBS bu ff er a 37 ° C durante 7 dias (superior); setas representam as posições dos picos para o aderidas para o fi bros ' formando um bio densa superfície fi lm como visualizado em uma imagem

dexpantenol e quitosano, respectivamente. representativa em SEM A Fig. 8 A ea contagem viável de bactérias atingiu 8,5 × 10 9 CFU / cm 2 ( A Fig.
8 C). Com a incorporação de quitosano para o fi bros, fixação bacteriana e a contagem de viáveis ​após
24 h de incubação pode signi fi cativamente ser reduzida. Além disso, nenhum bio fi formação lm pode
gravadas antes e depois do teste de libertação ( A Fig. 5 , as posições de pico indicadas pelas setas).
ser detectado como A Fig. 8 B1 representa. Apenas as bactérias isoladas são encontrados após a
No entanto, as matrizes de resíduos contendo apenas PCL ainda mantiveram a sua morfologia,
remoção do fi esteira ber a partir da suspensão bacteriana ( A Fig. 8 B2).
como visualizado por imagens representativas SEM após 7 dias, 14 dias e um mês, respectivamente
( A Fig. 6 ). Estas características são favoráveis ​para a aplicação em feridas, como a fi esteira ber
fornece persistentemente protecção mecânica contra trauma externo.

3.3. estudo citotoxicidade 3.5. cicatrização de feridas

Vários estudos relataram e adversos ff ecte de quitosano na proliferação de queratinócitos [29] . Um critério importante para a avaliação de um curativo é o seu potencial para promover a ferida
estes e ff ECTS puderam ser correlacionados com o grau de desacetilação do respectivo quitosana. processo com particular ênfase a cura por exercer e solidário ff ecte sobre a migração celular e
Altamente quitosana desacetilada foi encontrado para ser envolvidos na inibição da mitogénese de proliferação. Um passo decisivo no processo de cicatrização da ferida é representada pela
queratinócitos. Wiegand et al. [30] revelou ainda um peso molecular de e adverso dependente ff ect de reepitelização do leito da ferida. Com base nisso, o PCL carregado-dexpantenol / quitosano fi fibras
quitosana (grau de desacetilao com comparável) sobre a viabilidade e a proliferação de foram avaliadas por um ensaio de ferida cellbased ser capaz de avaliar analiticamente reparação
queratinócitos humanos. O quitosano testados estimularam a libertação de no fl citocinas inflamatória cicatrização de feridas através da medição dinâmica de repovoamento de queratinócitos na abertura
dependente do tempo de incubação e concentração aplicada. da ferida [22] . Estes ensaios permitir o teste de bio-relevantes relacionadas com as condições de
hidratação fisiológica relevantes na interface ar-líquido, comparável com a situação no corpo humano
para avaliação fiável da cinética de libertação do fármaco. Além disso, um processo de ferimento foi
Em nosso estudo, e citotóxica ff ecte de PCL / electrospun quitosano fi bros em queratinócitos aplicada capaz de assemelhando-se a activação de Proin fl liberação de citocinas inflamatória para
humanos (células HaCaT) foram investigadas pelo ensaio de LDH no dia 3 e dia 5 e ensaio de MTT aproximar a situação ferida clínica. carregado-Dexpantenol PCL / quitosano fi bers (droga-loaded fi BER)
no dia 5 após a incubação directa da foi aplicada sobre este modelo, e depois de 48 e 120 h, o tamanho da ferida remanescente foi
fi bros com as células. Em detalhe, o em fl uência de várias concentrações de quitosano sobre a medida e comparada com os grupos de controlo, sem qualquer tratamento e tratados com PCL /
viabilidade (por análise de LDH) e actividade mitocondrial (por teste MTT) dos queratinócitos foi quitosano fi bers (em branco fi bros). para quanti fi catião de redução do tamanho da ferida, a área livre
estudado com base em PCL / quitosano fi ber amostras esteira di ff Ering em seu conteúdo quitosana. de células remanescente considerado como a ferida foi medida e comparada com a dimensão inicial
Aos 3 e 5 dias, o nível de HDL nos grupos de controlo e de todos fi ber matrizes grupos de tratamento da ferida. Após 48 h, as amostras de feridas tratadas com branco fi bros não revelou qualquer signi fi cativamente
mostraram nenhuma signi estatística fi cance, que con fi rmou a ausência de qualquer citotóxica e ff ECTS a área de ferida menor em comparação com amostras não tratadas
da fi bros ( A Fig. 7 A e B). No dia

5, o nível de LDH foi ligeiramente mais elevada do que no dia 3, o que pode ser referido a densidade
celular mais elevada. No dia 5, as células foram coradas com o corante MTT e a viabilidade celular
foi avaliada pelo nível de mitocondrial

Fig. 6. As fotografias e as imagens de SEM de carregado-dexpantenol PCL / quitosano fi bros antes (A) e após a incubação em PBS bu ff er a 37 ° C para (B) de 7 dias, (C) 14 dias e (D) um mês.

180
J. Wang et al. European Journal of Pharmaceutics e biofarmacêutica 129 (2018) 175-183

Fig. 7. Avaliação de citotóxicos e ff ecte de PCL / quitosano fi bros por ensaio de LDH em (A) no dia 3, (B) e 5 dias por ensaio MTT em (C) dia 5. * A citotóxica e ff ecte foram avaliadas em resposta ao fi concentração
final de quitosano no meio (unidade: μ g / ml). n = 4.

A Fig. 8. As imagens SEM de (A) e PCL (B1-B2) PCL / quitosano fi bros que revelem a colonização bacteriana após incubação em Pseudomonas aeruginosa ( estirpe PAO 1) suspensão durante 24 h. (C) a contagem viável de colonização
bacteriana. n = 3.

( A Fig. 9 UMA). Depois de um período de tempo de 120 h, estas amostras ainda exibiu uma área da 4. Conclusão
ferida permanecendo maior em comparação com as amostras não tendo recebido qualquer
tratamento (73% e 63%, respectivamente) ( A Fig. 9 B). Estes resultados podem implicar que o PCL / Em resumo, fabricado com sucesso um conjunto híbrido biocompatível de PCL multifuncional /
quitosana fi bros não estão exercendo e solidário ff ecte sobre a proliferação celular e migração, apesar electrospun quitosano fi fibras para entrega controlada de fármaco para o local da ferida e ao mesmo
da sua estrutura semelhante a ECM. No entanto, tais conclusões devem ser cuidadosamente tempo prevenir a colonização bacteriana. informações valiosas pode ser derivado de material sobre a
desenhados com base no uso de 2D ferida ensaios que geralmente não são destinados a avaliar na interacção dependente de sistemas biológicos (bactérias) e células com tais estruturas. Em
cura fl uencia de topografia substrato sobre o comportamento celular, devido à falta de su ffi comunicação comparação com PCL puro fi bros, incorporação de quitosano como um polímero antimicrobiana
célula-matriz cientes. Tais ensaios são destinados principalmente para avaliar a capacidade de natural pode notavelmente reduzir o número de bactérias aderidas para o fi ber superfície, tendo
resposta celular dependente do tratamento aplicada com particular foco na e exercida ff ecte da droga portanto o potencial para minimizar o risco de bio fi formação lm. Além disso, o dexpantenol líquido,
libertada a partir do sistema transportador testado. Considerando isto, a área da ferida tratada com como uma cicatrização de feridas promovendo estabelecido activo, pode com sucesso ser
droga carregada fi bros demonstrou um tamanho remanescente de 41% após 120 h em comparação encapsulados em este híbrido sólido fi ber sistema com elevada capacidade de carga de droga e
com o grupo de controlo, sem qualquer tratamento que exibe um tamanho da ferida de 63% em polaridade do solvente foi encontrado para ser um factor chave para controlar a cinética de libertação
comparação com a dimensão inicial ( A Fig. 9 A e B). Estes resultados demonstraram que o do fármaco a partir da fi nal fi bros. Para o
dexpantenol carregado PCL / quitosano fi bros foram capazes de acelerar o processo de cicatrização
de feridas.
fi nal fi ber formulação, de libertação controlada de fármaco, ao longo de sete dias poderia ser alcançado e a

cicatrização de feridas e ff ect do fi esteira ber poderia com sucesso ser demonstrada num cicatrização de

feridas ensaio baseado em células como uma prova de ofconcept. tal multifuncional fi Bers simultaneamente

entregar activos e prevenir o crescimento bacteriano, e consequentemente apresentam um elevado potencial

para

181
J. Wang et al. European Journal of Pharmaceutics e biofarmacêutica 129 (2018) 175-183

terapia ferida futuro.

5. Con fl ito de interesses

Nenhum.

Agradecimentos

Jing Wang graças a Bolsa Conselho da China para sua comunhão Ph.D.

Referências

[1] X. Sun, L. Cheng, J. Zhao, R. Jin, B. Sun, Y. Shi, L. Zhang, Y. Zhang, W. Cui, bFGFgrafted electrospun fi sca fibroso ff
idade via poli (dopamina) para a cicatrização de feridas da pele, J. Mater. Chem. B 2 (2014) 3636 - 3645 .

[2] SS Said, AK Aloufy, OM El-Halfawy, NA Boraei, LK El-Khordagui, Antimicrobial PLGA de ultra fi ne fi bros: a
interação com as bactérias da ferida, Eur. J. Pharm. Biopharm. 79 (2011) 108 - 118 .

[3] M. Ignatova, N. Manolova, N. Markova, I. Rashkov, electrospun nano- não-tecidos


fi esteiras híbridas fibrosos com base em quitosana e PLA para aplicações de curativos, Macromol. Biosci. 9
(2009) 102 - 111 .
[4] M. Contardi, JA Heredia-Guerrero, G. Perotto, P. Valentini, PP Pompa, R. Spanò,
L. Goldoni, R. Bertorelli, A. Athanassiou, é a Bayer, cipro Transparente fl oxacin-povidona antibiótico fi lms e
nano fi tapetes ber como potencial pele e curativos ferida cuidados, Eur. J. Pharm. Sei. 104 (2017) 133 - 144 .

[5] BS Atiyeh, M. Costagliola, SN Hayek, SA Dibo, E ff ect de prata na queimadura


o controlo da infecção e de cura: revisão da literatura, queimaduras 33 (2007) 139 - 148 .
[6] K. Azuma, R. Izumi, T. Osaki, S. Ifuku, M. Morimoto, H. Saimoto, S. Minami,
Y. Okamoto, quitina, quitosano e seus derivados para a cicatrização de feridas: velhos e novos materiais, J.
Funct. Biomater. 6 (2015) 104 - 142 .
[7] B.-M. Min, SW Lee, JN Lim, Y. Você, TS Lee, PH Kang, WH Park, quitina e quitosana nano fi bros: electrospinning
de quitina e desacetilação de quitina nano fi-
bros, Polymer 45 (2004) 7137 - 7142 .
[8] J. Wang, M. Windbergs, electrospun Funcional fi fibras para o tratamento de humanos
feridas na pele, Eur. J. Pharm. Biopharm. 119 (2017) 283 - 299 .
[9] C. Ru, F. Wang, M. Pang, L. Sun, R. Chen, Y. Sun, suspenso, livre-encolhimento, electrospun PLGA nano fi sca
fibroso ff old para engenharia de tecidos da pele, ACS Appl. Mater. Interf. 7 (2015) 10.872 - 10877 .

[10] V. Planz, S. Seif, JS Atchison, B. Vukosavljevic, L. Sparenberg, E. coroas,


M. Windbergs, cultivo hierárquica tridimensional de células de pele humana em híbrido bio-adaptativo fi bros,
Integr. Biol. 8 (2016) 775 - 784 .
[11] RS T iG eu Eu, NM Kazaro ğ lu, B. Mav é, M. Gumu þ derelio ğ lu, o comportamento celular no
factor de crescimento epidérmico (EGF) -immobilized PCL nano / gelatina fi sca fibroso ff idade, J. Biomater. Sei.
Polímer. Ed. 22 (2011) 207 - 223 .
[12] S.-J. Liu, Y.-C. Kau, C.-Y. Chou, J.-K. Chen, R.-C. Wu, W.-L. Yeh, electrospun PLGA / nano colagénio fi membrana
fibrosa como curativo de feridas em fase inicial, J. Membr. Sei. 355 (2010) 53 - 59 .

[13] D. Semnani, E. Naghashzargar, M. Hadjianfar, F. Dehghan Manshadi,


S. Mohammadi, S. Karbasi, F. E ff aty, Avaliação de PCL / quitosana nano electrospun fi fibras para engenharia
de tecidos do fígado, Int. J. Polym. Mater. Polímer. Biomater. 66 (2017) 149 - 157 .

[14] O. Ozkan, HT Sasmazel, desempenho antibacteriana de PCL-quitosana sca core-shell ff idade, J. Nanosci.
Nanotechnol. 18 (2018) 2415 - 2421 .
[15] MG Tardajos, G. Cama, M. Dash, L. Misseeuw, T. Gheysens, C. Gorzelanny,
T. Coenye, P. Dubruel, Quitosana poli- funcionalizado ε- electrospun caprolactona fi-
sca fibras e 3D impressa ff idade como materiais anti-bacterianos para aplicações de engenharia de tecidos,
Carbohydr. Polímer. 191 (2018) 127 - 135 .
[16] O. Urbanek, P. Sajkiewicz, F. Pierini, O e ff ect de polaridade no electrospinning
processo em PCL / quitosano nano fi estrutura, propriedades e e bres' ffi eficiência de modi superfície fi catião,
Polímero 124 (2017) 168 - 175 .
[17] SC Neves, LS Moreira Teixeira, L. Moroni, RL Reis, CA Van Blitterswijk,
NM Alves, M. Karperien, JF Mano, quitosano / Poli ( ɛ- caprolactona) sca mistura ff idade para a reparação da
cartilagem, Biomaterials 32 (2011) 1068 - 1079 .
[18] L. Liverani, J. Lacina, JA Roether, E. Boccardi, MS Killian, P. Schmuki,
DW Schubert, AR Boccaccini, Incorporação de nanopartículas de vidro bioactivo em PCL electrospun /
quitosano fi bros, utilizando solventes benignos, Bioact. Mater. 3 (2017) 55 - 63 .

Fig. 9. Avaliação da ferida potencial de cura em um ensaio de cicatrização de feridas à base de células. (A) os [19] L. Van der Schueren, I. Steyaert, B. De Schoenmaker, K. De Clerck, Policaprolactona / quitosano nano mistura fi Bres
electrospun a partir de um sistema ácido / fórmico acético ácido solvente, Carbohydr. Polímer. 88 (2012) 1221 - 1226
resultados exemplificativos de encerramento de feridas lacuna visualizadas por imagens microscópicas de luz após
.
a di ff erent pontos de tempo (0 h, 48 h e 120 h); (B) Análise da redução da área da ferida dentro da di ff grupos de
[20] VN Malheiro, SG Caridade, NM Alves, JF Mano, Nova poli ( ε- caprolactona) /
tratamento erent por medição dimensão da ferida após 120 h e comparação com o tamanho da ferida inicial mistura quitosana fi fibras para aplicações de engenharia de tecidos, Acta Biomater. 6 (2010) 418 - 428 .
utilizando o software ImageJ. Os dados são expressos como percentagem considerando o tamanho inicial da ferida
como 100%. [21] P. Boukamp, ​RT Petrussevska, D. Breitkreutz, Hornung J., Markham A.,
NE Fusenig, ceratinização normal em uma linha celular de queratinócitos humanos imortalizados
espontaneamente aneuploidia, J. Cell Biol. 106 (1988) 761 - 771 .
[22] V. Planz, J. Wang, M. Windbergs, o estabelecimento de um ensaio de cicatrização de feridas à base de células para o teste de
bio-relevantes de agentes terapêuticos para feridas, J. Pharmacol. Toxico. Methods 89 (2017) 19 - 25 .

[23] K. Shalumon, K. Anulekha, C. Girish, R. Prasanth, S. Nair, R. Jayakumar, electrospinning passo único de
quitosano / poli (caprolactona) nano fi bros usando ácido fórmico /

182
J. Wang et al. European Journal of Pharmaceutics e biofarmacêutica 129 (2018) 175-183

mistura solvente acetona, Carbohydr. Polímer. 80 (2010) 413 - 419 . fi bros - elucidando parâmetros-chave e desenvolver estratégias para a entrega da droga, Int.
[24] J. Pelipenko, P. Kocbek, B. Govedarica, R. Ro š ic, S. Baumgartner, J. Kristl, O J. Pharm. 478 (2015) 390 - 397 .
topografia do electrospun nano fi bros e seu impacto sobre o crescimento e mobilidade dos queratinócitos, Eur. [29] GI urra, PW Dettmar, PA Goddard, FC Hampson, M. dornesa, EJ de madeira, O e ff ect de quitina e quitosano
J. Pharm. Biopharm. 84 (2013) 401 - 411 . sobre a proliferação de pele humana fi fibroblastos e queratinócitos in vitro, Biomaterials 22 (2001) 2959 - 2966 .
[25] IO Smith, XH Liu, LA Smith, PX Ma, nanoestruturado sca polímero ff idade para
engenharia de tecidos e medicina regenerativa, WIRESNanomed. Nanobiotechnol. 1 (2009) 226 - 236 . [30] C. Wiegand, D. Inverno, U.-C. Hipler, peso molecular dependente tóxico e ff ECTS de
quitosanos na linha celular de queratinócitos HaCaT humanos, pele Pharmacol. Physiol. 23 (2010) 164 - 170 .
[26] F. Ebner, A. Heller, F. Rippke, I. Tausch, Uso tópico de dexpantenol em desordens da pele, Am. J. Clin.
Dermatol. 3 (2002) 427 - 433 . [31] GA James, E. Swogger, R. Wolcott, P. Secor, J. Sestrich, JW Costerton,
[27] Y. Arima, H. Iwata, E ff ect de molhabilidade e grupos funcionais em proteína de superfície PS Stewart, Bio fi lms em feridas crônicas, Wound Repair Regen. 16 (2008) 37 - 44 .
adsorção e a adesão de células utilizando bem-de fi monocamadas auto-montadas mistos ned, Biomaterials 28 [32] H. Trøstrup, T. Bjarnsholt, K. Kirketerp-Møller, N. Høiby, C. Moser, que é novo na compreensão da epidemiologia
(2007) 3074 - 3082 . não cura feridas, fisiopatologia e terapias, úlceras 2013 (2013) .
[28] S. Seif, L. Franzen, M. Windbergs, superando a cristalização da droga no electrospun

183