Você está na página 1de 3

CONCEITO DA CIENCIA ESTATISTICA

A palavra estatística é do latim e significa “estado. Ao passar do tempo a estatística


evoluiu, tornando-se uma ampla e complexa ciência, tirando conclusões sobre o conjunto
todo a partir de amostras representativas. Onde a estatística é a de ser um conjunto de
métodos especialmente apropriados à coleta, à apresentação (organização, resumo e
descrição), à análise e à interpretação de dados de observação, tendo como objetivo a
compreensão de uma realidade específica para a tomada da decisão.
A estatística se preocupa com a coleta, a organização, a sintetização e a apresentação de
dados, a medição da variação nos dados e levantamento de dados, a estimativa dos
parâmetros da população e a determinação da precisão das estimativas, a aplicação dos
testes de hipótese em relação aos parâmetros, análise da relação entre duas ou mais
variáveis.
Ela trabalha com dois conjuntos de dados: o universo e a amostra. Apesar de a estatística
se preocupar em obter informações sobre a população, dificilmente ela estuda todos os
componentes da mesma. Não existem estatísticas especiais, mas sim aplicações
específicas de estatística em determinadas áreas, o que leva a dividir a estatística
especificamente para questões didáticas.
A estatística pode ser dividida em duas:
Estatística descritiva que é a parte que procura os melhores métodos para coletar, ordenar
e sumarizar os dados dos experimentos e a estatística experimental que é a parte que
fornece os métodos de análise e interpretação dos resultados dos experimentos.

VARIAVEL

O conceito de variável é um dos conceitos mais importantes da estatística, pois é usando


uma variável é que obtemos os dados. Pode-se dizer que variável é uma propriedade dos
objetos ou sujeitos selecionados para um estudo ou experimento. Por exemplos, as
variáveis podem chegar a infinito como altura de uma pessoa, peso, nível de colesterol,
idade, sexo, avaliação de um item, resistência de material, temperatura etc. Os dados que
vão nos fornecer as informações desejadas para se compreender um dado fenômeno, o
resultado de um experimento, etc., são justamente o resultado, os valores, da medida de
uma variável sobre os objetos ou sujeitos selecionados para serem estudados.
Existem dois tipos básicos de variáveis: qualitativa e a quantitativa.
A variável qualitativa exprime, uma qualidade ou uma categoria, seus valores podem ser
assinalados por qualquer símbolo, até mesmo um símbolo numérico, neste caso, porém,
o número não expressa nenhum valor numérico. Por exemplo, a variável sexo masculino
ou feminino pode ser simbolizado por "m" e "f" o então por 0 e 1. Esta variável se
subdivide em dois tipos, em variáveis nominais que não existe ordenação dentre as
categorias. Exemplos: sexo, cor dos olhos, fumante/não fumante, doente/sadio e variáveis
ordinais que existe uma ordenação entre as categorias.
Exemplos: escolaridade (1º, 2º, 3º graus), estágio da doença (inicial, intermediário,
terminal), mês de observação (janeiro, fevereiro, …, dezembro).
A variável quantitativa reflete uma quantidade que pode ser medida e aferida por algum
instrumento de medição como por exemplo peso e altura. Esta variável também pode ser
subdividida em dois tipos, em variáveis discretas que é avaliada em números que são
resultados de contagens e, por isso, somente fazem sentido números inteiros. Exemplos:
número de filhos, número de bactérias por litro de leite, número de cigarros fumados por
dia e a variáveis contínuas que é a variável avaliada em números que são resultados de
medições e, por isso, podem assumir valores com casas decimais e devem ser medidas
por meio de algum instrumento. Exemplos: massa (balança), altura (régua), tempo
(relógio), pressão arterial, idade.
A variável intervalar é uma medida que advém de uma escala na qual o ponto zero, ou
origem da medida não é absoluto, ele vai depender, em geral, da unidade usada. Neste
caso, por exemplo, quando um valor numérico é a metade do outro, ele não pode ser
entendido como tal nesta escala. Também não se pode somar dois valores, o resultado é
vazio de sentido. Por exemplo a escala centígrados na medida de temperatura, o zero que
é a temperatura na qual a água se transforma em gelo é totalmente arbitrário e é usado o
que ele se adequa a temperatura ambiente da terra na qual vivemos. O zero poderia ser,
por exemplo, a temperatura na qual o chumbo se derrete, então, dizer que 10 graus
centígrados é a metade de 20 graus centigrados carece de sentido.
A variável proporcional é o tipo de escala à qual estamos mais acostumados a usar. Neste
caso o zero é absoluto. Por exemplo a medida de distância; qualquer unidade que usemos
a distância zero tem o mesmo sentido e é sempre o mesmo, seja zero centímetro, zero
metro ou zero milha. Neste caso, 10 metros é exatamente a metade de 20 metros.

POPULAÇAO
É a totalidade de observações individuais dentro de uma área de amostragem delimitada
no espaço e no tempo, sobre as quais serão feitas inferências. Podemos, então, pensar que
uma população consiste em um conjunto de indivíduos que compartilham de, pelo menos,
uma característica comum, seja ela a espécie, etnia, cidadania, filiação a uma associação,
matrícula em uma universidade, etc. Ela pode ser:
Infinita: quando o número de observações for infinito. Por exemplo: a população
constituída de todos os resultados (cara e coroa) em sucessivos lances de uma moeda, ou,
Finita, quando apresenta um número limitado de indivíduos. Por exemplo: a população
constituída por todos os copos de papel produzidos em uma indústria em um dia.

AMOSTRA

É muito difícil poder trabalhar com todos os elementos da população, devido ao tempo e
recursos. Assim, só estuda um pequeno grupo de indivíduos retirados da população, grupo
esse que é chamado de amostra.
Uma amostra estatística consiste em um subconjunto representativo, ou seja, em um
conjunto de indivíduos retirados de uma população, a fim de que seu estudo estatístico
possa fornecer informações importantes sobre aquela população.
Assim, analisando-se uma boa amostra chega-se a resultados que podem ser imputados á
população inteira.
A amostra é sempre finita. Quanto maior for a amostra mais significativo é o estudo.
Deve-se notar que os elementos amostrais podem ser: Simples (indivíduos) ou coletivos
(famílias, irmandades, colônias).

Exemplo:

Amostra M.U.A. Observação individual


1. Peso de 100 ratos cada rato Peso de cada rato
2. Peso de 1 rato durante 1 mês um rato Cada pesagem do rato
3. Temperatura de formigueiros cada formigueiro Cada medição da temperatura