Você está na página 1de 4

O ENSINO DE FÍSICA POR MEIO DO ENFOQUE CTSA ATRELADO AO REFERENCIAL TEÓRICO DE

PAULO FREIRE: UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA VOLTADA À EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS


(EJA).

Alexandre Guimarães Rodrigues1

Antonio Ricardo Lima Torres2

Karoline Braga Aldenas2

Paulo Nogueira Freitas de Oliveira2

Yuri Monteiro Mendes2

RESUMO:

Palavras-chave:

ABSTRACT:

Key words:

1 – INTRODUÇÃO
O processo de ensino-aprendizagem no campo teórico das Ciências Naturais e Tecnologias (Física, Química,
Biologia e Matemática) no Brasil, estão enraizados pela concepção hegemônica tradicionalista, que pode
ser caracterizada como tecnicista, neutra, apolítica e a-histórica da educação (DELIZOICOV et al., 2009;
KRASILCHIK, 1987).

Por outro lado, o movimento Ciência-Tecnologia-Sociedade-Ambiente (CTSA), que teve sua origem na
década de 1960 em países do hemisfério norte, como Espanha, Reino Unido, USA e Canadá, pode
contribuir de forma significativa para o ensino das Ciências Naturais e Tecnologias, a qual nessa
perspectiva passa a ser vista como instrumento de transformação social e formação da cidadania
(TEIXEIRA, 2003).

O referencial teórico de Paulo Freire enfatiza aspectos de uma educação não-bancária, contrahegemônica
e política, visando um ensino capaz de transformar a realidade através do diálogo entre os diferentes
saberes, nesta perspectiva, o educando passa a ser um sujeito mais ativo e participativo, capaz de atuar de
forma critica e de transformar a sociedade em que vive e o educador um mediador e não mais um
transmissor de conhecimentos deste processo. Assim, Nascimento e Linsingem (2006) mostram que é
relevante integrar a pedagogia freireana com a educação CTSA, pois tanto a pedagogia de Paulo Freire
quanto o enfoque CTSA podem contribuir para uma formação de educandos que sejam capazes de atuar
criticamente e de transformar a sociedade.

A relação da pedagogia de Paulo Freire com a educação CTSA pode ocorrer por meio de uma investigação
temática ou com palavras geradoras, tendo como princípios uma educação problematizadora e uma
compreensão de ciência não neutra. Com essa integração, podemos não só ampliar as possibilidades de
ensino de Ciências Naturais e Tecnologias como melhorar a qualidade na educação em nosso país.
Partindo dessa constatação, indagamos: Qual tema gerador relacionado ao campo de estudo da
eletricidade pede facilitar no processo de ensino-aprendizagem em Física em turmas da EJA, a partir de
uma abordagem baseada no enfoque CTSA ligada à pedagogia de Paulo Freire? Para tentar responder a
esta questão, citaremos a seguir uma proposta temática e apresentaremos uma sequência didática, que
possa facilitar a compreensão dos conteúdos relacionados ao campo de conhecimento da Física e
Tecnologias com o contexto social dos alunos, que sustentaram a nossa escolha na abordagem do ensino
de Física.

O artigo está estruturado em três partes, além dessa introdução. Na primeira é feita a ligação do enfoque
CTSA com a pedagogia de Paulo Freire no ensino de Física. Posteriormente descreveremos os
procedimentos metodológicos de uma sequência didática a ser aplicada em uma turma da EJA do Ensino
Médio. Por fim, os resultados esperados são descritos nas considerações finais que encerram o artigo.

2 – O ENSINO DE FÍSICA NO ENFOQUE CTSA ATRELADO À PEDAGOGIA DE APULO FREIRE:

Incentivar os estudantes, em especial os da EJA, a assumirem o papel de sujeitos ativos no processo de


aprendizagem do campo teórico das ciências naturais e tecnologia – C & T, em especial a física, é tarefa
árdua na escola que escolhemos para o desenvolvimento da pesquisa.

Estimular o discente a participarem do ato de conhecer, aguça a curiosidade epistemológica. Para Freire
(1998), a capacidade de aprender não é apenas uma questão de adaptação e sim uma transformação da
realidade, para nela intervir e recriar a aducabilidade.

Buscar uma educação capaz de formar alunos mais conscientes e que possam ser cidadãos com capacidade
crítica e reflexiva sobre o uso consciente da tecnologia na sociedade é também preocupação presente na
perspectiva CTSA de educação (Bazzo e Perreira, 2008).

Ensinar física por meio de um enfoque CTSA e uma abordagem freiriana de educação consistem em
articular, de maneira eficaz, variadas dimensões de currículo como ciência, política, tecnologia, ambiente,
cultura e sociedade. Assim, mais do que conceitos, o ensino de Física nesta perspectiva tem como proposta
principal fornecer uma educação voltada para a formação de sujeitos críticos que compreendam a
atividade da ciência e da tecnologia e suas relações com a sociedade, que saibam se posicionar diante
de tais questões, com responsabilidade e sejam capazes de transformar o ambiente onde vivem.

Com o objetivo de promover mudanças no processo de ensino-aprendizagem de Física na EJA, o qual por
muitos anos vem se consolidando por uma educação de transmissão e descontextualizada da realidade do
aluno, escolhemos abordar os conteúdos de Física por meio do enfoque CTSA e da pedagogia de Paulo
Freire, visando desenvolver no aluno um senso crítico em relação à tecnologia e seus impactos ambientais,
com o intuito de melhorar a qualidades das aulas na escola e proporcionar mais interesse dos alunos nos
assuntos relacionados às ciências naturais e tecnologia.

3 – DESENVOLVIMENTO METODOLÓGICO:

As atividades aqui relatadas será realizada com alunos da segunda etapa da EJA do turno da noite, de uma
Escola Estadual da Cidade de Belém, estado do Pará. Esta pesquisa caracteriza-se de natureza descritiva e
qualitativa, que segundo Minayo (2002), torna-se relevante, no presente trabalho, pelo motivo de se
buscar compreender a realidade social do sujeito. Desta forma, perceber as possíveis relações entre a
abordagem CTSA e a visão de Paulo Freire de educação.
Iniciaremos nossa proposta de sequência didática para o estudo da Eletrodinâmica, com a visualização de
um vídeo, “Cuidado com o apagão da Turma da Mônica”, e em seguida sugerimos que os alunos
respondessem a pergunta: que aparelhos e componentes elétricos e eletrônicos vocês utilizam em casa?
Com o objetivo de agruparmos em uma tabela, classificando-os de acordo com o tipo de transformação de
energia que realizam. Em seguida, faremos uma investigação das informações presentes nas chapinhas ou
impressos dos aparelhos elétricos, fazendo referência a valores das grandezas físicas por meio de seus
símbolos e unidades.

Este levantamento, através de objetos concretos e vivenciais, proporcionará a discussão de alguns


questionamentos com os alunos, tais como: Qual a diferença entre um aparelho que funciona em 110V ou
220V? O que determina as diferentes potências apresentadas pelas lâmpadas? Como surge a corrente
elétrica? Como é feito o cálculo de consumo de energia de uma residência? Quais atitudes podemos tomar
para economizar energia e reduzir o custo no fim do mês? Em seguida, teremos uma orientação para a
construção de uma maquete de uma pequena cidade, com leds, para explorar os conceitos físicos
abordados em sala de aula, como, corrente elétrica, resistores, transmissão e consumo de energia elétrica,
ligações elétricas. Por fim, apresentaremos aos alunos uma situação problema intitulada:

“Usina Hidrelétrica de Belo Monte - Desenvolvimento energético ou destruição sociocultural?”

Foto ilustrativa: pacgov

Considerada a maior obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Usina Hidrelétrica de Belo
Monte, localizada no rio Xingu, próximo ao município de Altamira, no norte do Pará. Em operação desde
abril de 2016, a Usina gera quase 5 mil KW de energia elétrica, o suficiente para atender o consumo de 20
milhões de pessoas no Brasil. Apesar dos aspectos positivos, como o desenvolvimento da região e a criação
de novos empregos, sua construção gera muitos impactos ambientais também, como a inundação de áreas
das cidades de Altamira e Vitória do Xingu, prejudicando agricultores e a população local. Então, duas
apreciações (ideias) são apresentadas abaixo. Posicione-se em relação a uma ou a outra ideia, conforme
sua concepção. Justifique sua resposta!
1- O artigo 17 da Declaração dos Direitos Humanos consta que "[...] toda pessoa tem direito à propriedade,
só ou em sociedade com outros [...] ninguém será arbitrariamente privado de sua propriedade";
2- O art. 3º da Constituição Brasileira consta que" [...] constituem objetivos fundamentais da República
Federativa do Brasil: [...] garantir o desenvolvimento nacional [...]".

Durante a apresentação da situação problema não serão discutidos nenhum argumento, apenas será
apresentada a questão e solicitado aos alunos que se posicionassem em relação a uma ou a outra ideia,
fundamentando a sua escolha com laudos, artigos, relatórios e outros documentos que validem tal
posicionamento, exigindo deles ações relativas a pesquisas e construções coletivas e colaborativas.

4 – CONSIDERAÇÕES FINAIS:
REFERÊNCIAS:

TEIXEIRA, P. M. M. A Educação Científica sob a perspectiva da Pedagogia Histórico-Crítica e do Movimento


C.T.S. no Ensino de Ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 177-190, 2003.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J.A.; PERNAMBUCO, M.M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 3. ed.
São Paulo: Cortez, 2009.

KRASILCHIK, M. O professor e o currículo das Ciências. São Paulo: Editora da USP. 1987.

NASCIMENTO, T.G.; LINSINGEN, I. von. Articulações entre o enfoque CTS e a pedagogia de Paulo Freire
como base para o ensino de ciências. Convergencia, v. 13, n. 42, Universidad Autónoma del Estado de
México, Toluca, p. 95-116, 2006.

MINAYO, Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

BAZZO, Walter Antonio; PEREIRA, Luis Teixeira. Do Vale.O que é CTS afinal na educação tecnológica.
Revista Tecnologia & Cultura, (13), 46-5, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 8. ed. São
Paulo: Paz e Terra, 1998.